Mostrando postagens com marcador evangelho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador evangelho. Mostrar todas as postagens

20190124

UM CONVERTIDO ENVIADO EM MISSÃO

Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a toda criatura (Mc 16, 15)
25 de janeiro de 2019.
Depois de ressuscitado, Jesus despediu-se do seu grupo e lhe entregou solenemente a missão. “Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a toda criatura”. O grupo dos doze, que ele tinha escolhido pessoalmente, estava incompleto. Um tinha se perdido, Judas Iscariotes. Ainda assim, ele confiou nos onze, e lhes deu esse mandato de levar o evangelho ao mundo todo. Quando ouvimos essa palavra, logo pensamos no evangelho-livro ou nos quatro evangelhos do Novo Testamento. E estamos certos. Mas, podemos alargar essa compreensão. O ‘evangelho’ é a boa notícia de que Deus enviou seu filho para nossa salvação. O evangelho, a boa nova, é a pessoa de Jesus entre nós, nos integrando no reinado de Deus. E só quem o conhece, quem o encontrou, pode anunciá-lo. Os onze são testemunhas dele. Vão comunicar sua experiência a todos. Eles o conhecem, conviveram com ele.
Esse texto ocorre hoje por uma razão especial. Hoje, celebramos a conversão de um douto fariseu, ardoroso defensor da Lei de Moisés, reconhecido perseguidor do grupo de Jesus, Saulo. Ele também teve seu encontro com Jesus. Saulo estava à frente de uma delegação com ordens de prisão dos seguidores de Jesus, na cidade de Damasco. Na viagem, pelo meio dia, uma luz fortíssima o envolveu, o derrubou. “Saulo, Saulo, por que me persegues?”. “Quem és tu, Senhor?”. “Eu sou Jesus de Nazaré, a quem tu estás perseguindo”. Seus companheiros o levaram, cego, a Damasco. Lá, ele encontrou-se com Ananias. Ananias lhe disse: “Saulo, meu irmão, tu serás a sua testemunha, diante de todos os homens, daquilo que viste e ouviste”. Daí pra frente, Saulo virou Paulo, a testemunha de Jesus, de quem fora ferrenho perseguidor.
Então, o evangelho é um testemunho do encontro que muitos tiveram com Jesus. E esse anúncio pede uma resposta. No evangelho de São Marcos, a resposta esperada é clara: crer.  Quando Jesus começou sua pregação, avisando a chegada do Reino de Deus, pediu uma resposta a este anúncio: “convertam-se e creiam”. A fé é a resposta à pregação do evangelho. Fé que se concretiza em mudança de mentalidade, mudança de comportamento, conversão. Fé que se celebra no batismo. “Quem crer e for batizado, será salvo”.  Também a Saulo, foi indicado o batismo. Ananias lhe disse, naquele encontro: “E agora, o que estás esperando? Levanta-te, recebe o batismo e purifica-te dos teus pecados, invocando o nome dele (o nome de Jesus)”.
E por que o batismo? No batismo, celebramos o perdão dos pecados que Jesus nos alcançou por sua morte e ressurreição. Pelo batismo, nos é aplicada a graça da redenção. Nele, somos lavados dos nossos pecados, pela ação do Santo Espírito. Mas, para batizar-se é preciso crer, acolher na fé a pessoa de Jesus, o filho de Deus. Por isso, quem não crê está perdido, continua no seu pecado, permanece na sua condenação.
Guardando a mensagem
Fazendo memória da conversão do apóstolo Paulo, nos damos conta que somos chamados a um encontro pessoal com Jesus. É desse encontro que damos testemunho.  E, como suas testemunhas, participamos da missão que foi entregue à toda a Igreja: levar essa boa notícia a toda criatura. Nós o encontramos ou ele nos encontrou, nele reconhecemos o filho de Deus. E reconhecemos que sua obra redentora foi em benefício de todos. Essa pregação deve suscitar a fé, a adesão à pessoa de Jesus e a tudo o que ele ensinou. Nessa fé, nos batizamos, renovando nossa vida em Deus e recebendo a graça da filiação divina.  A palavra nos pede hoje que cultivemos o encontro pessoal com o Senhor e nos tornemos sempre mais corajosas testemunhas sua, onde vivemos e onde possa chegar nossa voz.
Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a toda criatura (Mc 16, 15)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Nós fomos alcançados pela pregação do teu evangelho. Chegou até nós o alegre anúncio de tua vida, de tuas palavras, de tua morte redentora em nosso favor. Obrigado, Senhor. Obrigado pela fé com que temos respondido ao teu evangelho, isso também é graça. Na fé dos nossos pais e padrinhos, fomos batizados na tua morte e ressurreição. Obrigado, Senhor. Hoje, queremos renovar nossa adesão a ti e ao teu evangelho. Aumenta, Senhor, a nossa fé. Faz-nos um povo mais missionário, testemunhas mais corajosas do teu santo nome. Que ele seja bendito, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Festejando hoje a conversão de São Paulo, peça a Deus a graça da conversão, da conversão sempre mais perfeita.

Pe. João Carlos Ribeiro – 24.01.2019

20161211

Esperando outro

És tu aquele que há de vir ou devemos esperar outro? (Mt 11, 3)











Ficamos sempre esperando um outro... um outro partido amoroso, um outro emprego, um outro ano. O que temos não nos parece bom o suficiente. Nós nos negamos a reconhecer que o que temos aqui seja o melhor, que nessa condição atual  esteja a nossa felicidade, que este, aqui conosco, seja quem Deus enviou. É assim que desprezamos quem já está conosco, quem está perto de nós. E ficamos aguardando um que ainda venha. E que venha de longe, de fora e do alto, possivelmente, para lhe darmos crédito.


Foi o que aconteceu no tempo de Jesus. Não o reconheceram como Messias. Ele não preencheu as expectativas daquele gente. O próprio João Batista ficou em dúvida. Mandou alguns discípulos indagar se era ele mesmo ou se deviam esperar outro.

20161105

Felizes os aflitos!

Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. (Mt 5, 4)


 Estamos no início do sermão da montanha, no evangelho de São Mateus. As bem-aventuranças são um grande manifesto do Reino de Deus. Em Mateus, contamos nove bem-aventuranças. Elas traçam o perfil do cidadão do Reino. São felizes em sua condição de sofrimento, pobreza, perseguição, aflição,..  porque é Deus quem lhes assegura todo bem: a terra, a paz, a justiça. Em sua fraqueza, em sua carência, experimentam o poder de Deus que vem em seu auxílio, cumulando-os de todo bem. O Reino é, assim, o dom de Deus na vida de quem se sente pequeno e sofredor.

Essa é a segunda bem-aventurança: “Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados” (Mt 5, 4). Quem são os aflitos? São os que estão desesperados, os que estão se encontrando sem saída, os que chegaram ao seu limite. Não encontram mais solução, não conseguem mais resolver os problemas. Lembra o povo de Deus, perseguido pelos exércitos do Faraó, com o mar pela frente. Não pode voltar, nem pode mais avançar. Está em grande aflição. Eles não têm mais o que fazer. Ali, experimentando sua tremenda fraqueza, o povo faz experiência do poder libertador do seu Deus: o vento forte, durante toda a noite, baixa as águas e eles atravessam aquele braço de mar vermelho, alcançando a liberdade. E a maré volta a encher, para desgraça dos seus perseguidores. Os aflitos foram consolados, libertados.

20160807

Não posso dormir no ponto

Sejam como pessoas que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrir a porta, logo que ele chegar e bater. (Lucas 12, 36)

O mesmo assunto está tratado, nesta parte do evangelho, com diversas comparações. Em cada comparação, podemos perceber novas facetas do mesmo tema. O tema é da vigilância, da prontidão. Recebemos uma tarefa, vamos prestar contas a qualquer momento. Precisamos estar atentos e vigilantes. Nada de dormir no ponto.

O empregado está esperando a volta do seu patrão, que foi a uma festa, e volta a qualquer momento. Precisa estar acordado na hora em que o patrão voltar. O patrão, de tão satisfeito, é quem vai por a mesa para o seu empregado. O dono da casa está atento à segurança de sua família. Nenhum ladrão vai pegá-lo de surpresa.  O administrador ficou responsável pela casa do patrão e pelos seus funcionários e está fazendo tudo direito, conforme a vontade do seu Senhor. A esse, o patrão, de tão satisfeito, vai dar mais responsabilidades ainda.

Não posso dormir no ponto

Sejam como pessoas que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrir a porta, logo que ele chegar e bater. (Lucas 12, 36)

O mesmo assunto está tratado, nesta parte do evangelho, com diversas comparações. Em cada comparação, podemos perceber novas facetas do mesmo tema. O tema é da vigilância, da prontidão. Recebemos uma tarefa, vamos prestar contas a qualquer momento. Precisamos estar atentos e vigilantes. Nada de dormir no ponto.

O empregado está esperando a volta do seu patrão, que foi a uma festa, e volta a qualquer momento. Precisa estar acordado na hora em que o patrão voltar. O patrão, de tão satisfeito, é quem vai por a mesa para o seu empregado. O dono da casa está atento à segurança de sua família. Nenhum ladrão vai pegá-lo de surpresa.  O administrador ficou responsável pela casa do patrão e pelos seus funcionários e está fazendo tudo direito, conforme a vontade do seu Senhor. A esse, o patrão, de tão satisfeito, vai dar mais responsabilidades ainda.

O Senhor é o próprio Jesus. Ele viajou (é a ascensão ao céu), mas, vai voltar e ninguém sabe a hora certa em que vai chegar (é a sua nova vinda). O servo sou eu. A serva é você. Ficamos na responsabilidade de cuidar casa dele, da família dele. A casa é a minha família (que não é minha), a minha comunidade (que não é minha). Fiquei na responsabilidade de cuidar dessa família, dessa comunidade, dessa organização. Ele me deixou com a responsabilidade de organizar, de providenciar o alimento, de prover a segurança, de fazer funcionar as coisas... Eu não sou o dono. Sou um servidor. Não posso me aproveitar desse meu cargo a meu bel prazer. Não posso maltratar os que ele deixou sob minha responsabilidade. Eu vou prestar contas. Eu vou ser avaliado. E essa hora de sua chegada pode ser a qualquer momento, ele vem sem programação. Mas, vai ficar muito feliz se encontrar tudo em ordem, as pessoas satisfeitas, as coisas progredidas... vai cear comigo, contar as novidades de sua viagem e, eu nem queria, vai me oferecer responsabilidades mais altas ainda, porque confia em mim.  

As comunidades cristãs, no começo, tinham uma grande preocupação, certas de que Jesus voltaria logo. Por isso, acentuaram o desapego das coisas desse mundo. Essa tensão da vinda do Senhor ajudava as pessoas a viverem a fé com maior fidelidade. E tinham razão. Nós precisamos dessa tensão, para não nos perdermos no relaxamento de uma vida mundana. Porque, é certo que ele vem.

E vem, definitivamente, no final dos tempos. Mas, de verdade, vem sempre. Vem por uma grande oportunidade. Se não estamos preparados, perdemos (uma promoção, um concurso, um casamento, uma porta de realização, um salto em nossa vida espiritual). É, ele sempre vem.  Se não vem, manda chamar a gente. É a morte. Essa é a hora da avaliação de nossa vida. Aprovados, iremos para o banquete eterno que ele nos servirá. Se não manda chamar, manda um aviso. É a doença. A doença me diz: você não está aqui pra sempre, você é frágil; você recebeu uma tarefa: está valorizando os meios que lhe foram dados para realizar a sua missão: a saúde, as pessoas que lhe querem bem, qualidades, capacidades? está tudo pronto, já pode partir?

Como ele não tem hora pra chegar, eu não posso relaxar na minha tarefa, não devo abandonar o meu posto. Ele chega a qualquer hora. Tenho que estar atento, vigilante, ativo. De prontidão. Não posso dormir no ponto.

Sejam como pessoas que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrir a porta, logo que ele chegar e bater. (Lucas 12, 36)

20160716

Marta e Maria

“Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária" (Lc 10, 41-42)

Na vida, estamos sempre diante de uma encruzilhada, precisando escolher qual caminho seguir. O Salmo número 1, na abertura dos saltério, nos apresenta dois caminhos: o caminho dos justos e o caminho dos ímpios. No evangelho, Jesus contou a história de dois homens: o publicano humilde e o fariseu soberbo. Deu também o exemplo de dois irmãos a quem o Pai pediu para irem trabalhar em sua vinha: um disse que ia e não foi; o outro disse que não ia, e foi. Outros dois irmãos estão na parábola do filho pródigo: um reingressou, arrependido, na casa do seu pai e outro, longe de ser misericordioso como o Pai, ficou fora de casa. Afinal, na estrada da vida, temos que escolher entre dois caminhos.

20160710

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas.

Bom, Jesus contou a história do bom samaritano (Lc 10). Um peregrino caiu nas mãos de assaltantes na estrada. Além de assalta-lo, eles o espancaram muito. Jesus fez questão de dizer que eles “foram embora, deixando-o quase morto”. Três pessoas passaram por aquele mesmo caminho. Os dois primeiros, homens da religião de Israel, viram e foram embora. Você escutou? - “foram embora!”. A falta deles – a omissão de socorro – está quase no mesmo nível dos assaltantes, pois foram embora também, indiferentes à sorte daquela vítima.

20160708

Os dois filhos

 “Qual dos dois fez a vontade do pai?”, foi a pergunta de Jesus, contando a história dos dois filhos. O pedido foi o mesmo: “Filho, vai trabalhar hoje na minha vinha”. O primeiro disse que não ia, mas foi. O segundo, disse que ia, mas não foi. 

Quem eram esses dois filhos? Na cena bíblica (Mateus 21), está tudo bem claro. Quem disse que não ia, mas acabou indo está representando os cobradores de impostos e as prostitutas. Quem disse que ia, mas não foi está representando os sacerdotes e os anciãos do povo.

E quem eram os cobradores dose impostos romanos e as prostitutas? A escória de Israel, as pessoas mais desprezadas por sua condição pública de pecadores. Muitos desses se converteram à pregação do Reino. E quem eram os sacerdotes e os anciãos do povo? Os anciãos eram chefes das famílias abastadas da capital, gente rica e importante. Os grandes sacerdotes do Templo eram os saduceus, grupo que detinha o poder religioso e civil, pois presidia o Sinédrio, a maior instância de autoridade do seu povo. Essa gente ligada aos círculos de poder não acolheu o Reino, ao contrário, perseguiu Jesus e sua comunidade.

20160501

Guardar a Palava


Jesus está falando com os seus discípulos, gente que o ama, que o segue.  E diz: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra”. Imaginemos: você participando dessa reunião e Jesus dizendo isso: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra”.

Você, com a liberdade de um discípulo, um amigo de Jesus, poderia perguntar-lhe diretamente que “palavra” é essa pra gente guardar.... Vai, pergunta... Coragem, vai...Ô Jesus, desculpe, que palavra é essa pra gente guardar? Psiu, escuta bem o que ele vai dizer: ... “A minha palavra pra você guardar é o que eu disse a vocês e ao povo, o que eu fiz entre vocês, a minha vida. A palavra é a minha vida, vivida entre vocês”.  Puxa, que resposta.... pensa bem:  como é que a vida dele é a Palavra? Pergunte mais não. Eu mesmo lhe explico: Toda a vida de Jesus é uma grande palavra que Deus falou na história da humanidade. Ficou complicado? Vou dizer de outra forma: a vida de Jesus na terra, sua vida humana, é uma grande comunicação,  uma boa notícia, um evangelho. Ih, parece que você não entendeu... Então, é melhor você perguntar a Jesus.

20160427

A hora do amor maior

“Agora foi glorificado o filho do homem e Deus foi glorificado nele” (Jo 13, 31)

Um texto pequeno, o do evangelho deste 5º Domingo da Páscoa. Pequeno, e com palavras repetidas. Duas palavras se repetem: Glorificar (5 vezes) e amar (4 vezes). O contexto é a última ceia. A ceia tinha terminado, e Jesus tinha lavado os pés dos discípulos. Depois disso, revelara, muito triste, que um deles o trairia. Foi quando Judas deixou a sala e ficou todo mundo sem entender o que estava acontecendo. Nesse contexto, Jesus disse duas coisas muito importantes. A primeira, em torno da palavra “glorificar”. A segunda, em torno da palavra “amar”.

“Agora foi glorificado o Filho do Homem, e Deus foi glorificado nele. Se Deus foi glorificado nele, também Deus o glorificará em si mesmo, e o glorificará logo” (v. 31-32). Jesus está dizendo aos seus amigos que tinha chegado a sua hora. Agora, chegou a minha hora. Vocês lembram que, lá em Caná, na festa do casamento, ele tinha dito à sua mãe que a sua hora não tinha chegado. Mas, agora, a hora chegou. “Agora foi glorificado o filho do homem”. Impressionante: estava começando o doloroso processo da paixão e ele diz que essa é a hora de sua glorificação. O Pai estava sendo glorificado nele e logo o glorificaria. A hora da paixão é a hora da glória de Jesus. É a hora em que ele cumpre plenamente a sua missão: dá a vida por nós. Esse capítulo 13 do Evangelho de João começa assim:” Jesus sabendo que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus, que estavam no mundo, amou-os até o fim”. A paixão de Jesus é o seu ato maior de amor. “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos”, ele tinha dito. E por que será que essa hora é a de sua glória? Porque é a hora do amor maior.

20160416

As minhas ovelhas

“As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem”. (Jo 10, 27)

Esse pequeno texto do evangelho do Domingo do Bom Pastor deste ano bem que poderia levar esse título: As minhas ovelhas, eu e meu pai. Sobre as ovelhas, são ditas sete coisas: elas escutam a minha voz, elas me seguem, elas jamais se perderão, elas não serão arrancadas de minha mão, elas são conhecidas por mim, elas têm a vida eterna que eu lhes dou, elas me foram entregues por meu pai. Quem está dizendo isso: o pastor das ovelhas, Jesus.

Para uma sociedade rural, como a de Jesus, em que muita gente vivia da pecuária, a imagem do rebanho e o seu relacionamento com o pastor era uma coisa muito conhecida. Essa imagem, na Bíblia Sagrada, está aplicada ao relacionamento entre Deus e seu povo. Deus é o pastor do seu povo. O salmo 99 nos faz rezar:  “Nós somos seu povo e seu rebanho”.  “O Senhor é o meu pastor”, rezavam com o salmo 23. Há um relacionamento de proximidade entre as ovelhas e o seu pastor. O pastor as conhece uma a uma e as chama pelo nome, ao reuni-las para saírem para as pastagens. Ele vai à frente e elas o seguem, com confiança. A presença do pastor impede que elas se dispersem e se percam. Com ele, estão a salvo das feras e dos ladrões. E o pastor às leva às melhores pastagens e às fontes de água limpa.  

20160409

O Domingo de Pedro

Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas (Jo 21, 17).

Nós estamos vivendo e celebrando o tempo da páscoa, meditando sobre a força da ressurreição de Jesus em nossa vida. Hoje é o terceiro domingo da páscoa. Domingo passado, Tomé era o personagem que chamou a nossa atenção, quando o assunto foi a fé no ressuscitado. “Felizes os que crerem, sem terem visto”.  Se o segundo domingo da páscoa, foi o de Tomé, podemos dizer, que o terceiro domingo é o de Pedro. Basta contar quantas vezes Pedro é citado no texto: 12 vezes. 12 vezes. É de Pedro a iniciativa de pescar; é Pedro quem se veste e se atira ao mar;  é ele quem arrasta a rede para a terra; é com ele, o  diálogo de Jesus. Este é o domingo de Pedro.

20160229

Santo de casa

Aquilo que Jesus falou "o profeta não é bem recebido em sua própria pátria" foi uma afirmação, uma reclamação ou uma lamentação? Ele disse "o profeta não é bem recebido em sua própria pátria" na Sinagoga de Nazaré, diante da má acolhida dos seus conterrâneos. Eles não quiseram lhe dar crédito. Ele estava explicando que as palavras do livro santo estavam se cumprindo naquela ocasião, em sua missão. Começaram a murmurar, achando que Jesus estava indo longe demais. Todos o conheciam, era o filho do carpinteiro. Seus parentes eram todos conhecidos naquela vila de Nazaré. De onde lhe viria tanta sabedoria? E outros comentavam descrentes: "ele anda fazendo milagre por todo canto, vamos ver se ele faz um milagre aqui". E chegaram a expulsá-lo da sinagoga e da Vila.  A acolhida fria, desconfiada e violenta dos seus conterrâneos dava razão ao ditado "o profeta não é bem recebido em sua própria pátria". Foi uma lamentação o que Jesus disse, não foi uma afirmação. Não é que tem que ser assim. Infelizmente, é assim que vem acontecendo.

20151103

As três desculpas

Não sei se é o seu caso. Mas, tem muita gente que se desligada da  vida da Igreja por razões fúteis e contenta-se com desculpas esfarrapadas. Na verdade, falta-lhe o amor.

Não faltam desculpas para quem não quer participar da Igreja. Não encontra tempo pra ir à Missa, não encontra motivação para viver em comunidade a sua fé.  “Ah, não posso, não tenho tempo, ando muito ocupado. Ou: vivo para o trabalho, quando chego em casa não tenho mais ânimo pra nada. Ou ainda: ah, quem tem família, com filhos pequenos ainda, não tem condições de participar”. Essas desculpas já eram dadas no tempo de Jesus.
E o próprio Mestre ilustrou uma história com as três desculpas que ele ouvia sempre. Alguém preparou uma bela festa e convidou um bocado de gente. Um disse que não podia ir porque tinha comprado uma terra e estava louco pra ver o novo sítio. Outro tinha adquirido cinco juntas de bois pra lavrar a terra e ia começar o serviço. Um terceiro tinha se casado e, claro, mandou pedir desculpas, não podia ir à festa. Ninguém foi, que decepção!
O que tinha comprado o campo representa bem os que têm muitos bens e não se lembram de nada mais fora deles. Pode ser uma casa, uma empresa, uma fazenda, um carro. Se não se tomar cuidado, os bens podem virar donos da gente, ser nossos senhores. A gente é que tem que ser dono das coisas, não o contrário. Os bens materiais podem se tornar um verdadeiro Deus ao qual me sacrifico ou sacrifico os outros. E Jesus disse claro que não se pode servir a dois senhores, a Deus e aos bens materiais, representados no dinheiro. O apego aos bens materiais leva muita gente a não frequentar a Igreja, a não se lembrar do Deus verdadeiro. Já tem seu próprio Deus.
O que ia lavrar a terra com seus novos bois bem pode representar os que não acham tempo pra Deus por causa do trabalho. O trabalho parece que é tudo, não dá mais tempo para fazer nada. Uma boa desculpa para não pisar na Igreja. Diz que não dá tempo, que está cansado. Mas a pessoa não vive só para trabalhar. No início da Bíblia, se diz que Deus trabalhou seis dias na criação do mundo e no sétimo, descansou (Gn 1). E o livro do Êxodo comenta: “Seis dias trabalharás, no sétimo descansarás, que é o repouso do teu Deus” (Ex 10).  Parar, celebrar, ir à Igreja é um modo de reconhecer o senhorio de Deus em nossa vida, que só ele é o nosso único Deus e Senhor.
Aquele que disse que tinha se casado e por isso não podia ir à festa representa os que têm responsabilidade na família e por isso se consideram impedidos de ir à Igreja. Então, a família tomou o lugar de Deus? E Jesus tinha alertado: “Quem amar seu pai e sua mãe mais do que a mim não é digno de mim. Quem amar seu marido ou sua esposa ou seus filhos mais do que a mim, não é digno de mim”. Se Deus é o mais importante, então uma visita não pode me impedir de ir à Missa. Nem uma festinha em família, ou uma criança pequena. Deus é Deus e merece o melhor de mim, do meu tempo, do meu amor. “Amar a Deus sobre todas as coisas, acima de todas as pessoas”, esse é o mandamento.
Não faltam desculpas para quem não quer participar da Igreja. Os bens materiais que me prendem, o trabalho que me toma o tempo todo, a família que precisa de mim. Apesar da resposta negativa de alguns, Deus continua nos chamando para a festa, que é o Reino de Deus. E abrindo suas portas para outros mais desapegados, mais disponíveis, mais fiéis.
Pe. João Carlos Ribeiro 

20140713

Semente na estrada

Jesus contou a história da semente que foi plantada em vários terrenos. Quatro terrenos. À beira da estrada, em terra muita pedregosa, em um terreno coberto de espinhos e em uma terra boa, bem preparada. E aí, é claro, colheu somente no bom terreno. E explicou o que significam os terrenos e a semente. A semente é a palavra de Deus. E os terrenos representam o modo como nós recebemos a Palavra.

Eu nunca prestei muita atenção nessa parte da semente que caiu à beira da estrada. Mas, outro dia fiquei pensando no assunto, e concluí que se trata de uma coisa bastante comum em nossa vida. É que, às vezes, estamos tão distraídos, que não fica nada do que foi semeado. Ou então deixamos todo mundo passar por nós e pisotear tudo o que nos é caro. É por isso que Jesus falou da semente que caiu no caminho: é que nossa vida assim vida vira um estrada, onde todo mundo passa, onde todo mundo pisa. A palavra semeada nem tem a chance de germinar. Como disse Jesus, vêm os pássaros e a comem. Os homens passam e a pisoteiam. A semeadura à beira da estrada não produz nada.

20140308

Jesus e as mulheres

A situação da mulher no tempo de Jesus não era das melhores. A gente hoje conhece um pouco mais dos costumes dos povos do Oriente Médio e vê que ainda hoje a mulher viva uma condição de grande submissão e inferioridade.  Na Palestina, a terra de Jesus, se vivia uma estrutura social patriarcal. O homem é que contava. O homem é quem mandava.

20130429

Como eu vos amei

"Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos outros. Como eu amei vocês, amem-se também uns aos outros" (Jo 13, 34). Trata-se de um mandamento, uma regra de vida que Jesus nos deixou. O amor ao próximo, para os seus discípulos, é uma regra de vida. É o diferencial pelo qual seremos identificados como seguidores de Jesus de Nazaré.

"Como eu amei vocês, amem-se uns aos outros". Assim há de ser o nosso amor pelos outros: como o dele por nós. É só saber como foi que Jesus nos amou para saber como devemos amar os outros. E como foi que ele nos amou?

20120626

Águas mais profundas

Avancem para águas mais profundas. Orientação de Jesus a Pedro e aos seus companheiros de pesca. Convite de Jesus a todos nós.

 Águas mais profundas na convivência. O corre-corre da vida pode ir nos fazendo superficiais nos nossos relacionamentos. Sem verdadeiro encontro de pessoas ninguém se sente integrado, valorizado, feliz. É aí que chega Jesus e nos diz: Avancem para águas mais profundas no relacionamento com os outros. Passar de um relacionamento de frieza, indiferença, desconfiança, superficialidade para um relacionamento de cordialidade, amizade, interesse pelo bem do outro.

20120620

Olho por olho

No estresse da vida moderna, trânsito congestionado, anúncio de tarifas em alta, o rádio dizendo que deu pizza no Congresso, a hora correndo, o nervosismo aumentando...  um cidadão, por quase nada, põe a cabeça pra fora do carro e rasga um desaforo dos grandes. A confusão começa...  por tão pouco, um outro saca o revólver e a desgraça está feita. No tempo de Moisés, era olho por olho. Mas, aqui a coisa parece que está bem pior.

20120616

Cristão-luz

Jesus falou assim: Vocês são a luz do mundo!  Como uma cidade no monte, para orientar os viajantes. Como a luz do candelabro no alto, para iluminar os que estão em casa. Que belo ensinamento! O cristão é a luz do mundo. Sem ele, o mundo fica no escuro. Todos sabemos, no entanto, que Jesus é que é a verdadeira luz. Ele mesmo falou: Eu sou a luz do mundo. Então, a nossa luz é a uma resplandescência da luz de Cristo em nós.

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...