PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: vocação
Mostrando postagens com marcador vocação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador vocação. Mostrar todas as postagens

O caminho dos que seguem Jesus.


   17 de fevereiro de 2024.   

Sábado após as cinzas


   Evangelho.   


Lc 5,27-32

Naquele tempo, 27Jesus viu um cobrador de impostos, chamado Levi, sentado na coletoria. Jesus lhe disse: “Segue-me”. 28Levi deixou tudo, levantou-se e o seguiu.
29Depois, Levi preparou em casa um grande banquete para Jesus. Estava aí grande número de cobradores de impostos e outras pessoas sentadas à mesa com eles. 30Os fariseus e seus mestres da Lei murmuravam e diziam aos discípulos de Jesus: “Por que vós comeis e bebeis com os cobradores de impostos e com os pecadores?”
31Jesus respondeu: “Os que são sadios não precisam de médico, mas sim os que estão doentes. 32Eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores para a conversão”.

   Meditação.   


Levi deixou tudo, levantou-se e o seguiu (Lc 5, 28)

Chegamos ao 4º dia da Quaresma. A Quaresma é um programa de crescimento espiritual. A cada dia, um novo passo. Nestes primeiros dias, o convite é claro: seguir Jesus. Hoje, temos o exemplo de Levi, o cobrador de impostos. Um exemplo de resposta ao chamado do Mestre.

Jesus viu um cobrador de impostos (o tal Levi). Ele estava sentado na coletoria. Jesus o chamou: “Segue-me”. Agora, preste atenção à resposta dele: Deixou tudo, levantou-se e o seguiu. Depois, preparou em casa um grande banquete pra Jesus. No banquete, estava um grande número de cobradores de impostos e outras pessoas sentadas à mesa com eles.

O evangelista narra a resposta de Levi em quatro ações: deixou tudo, levantou-se, seguiu Jesus e preparou, para ele, um banquete em sua casa.

Ele trabalhava coletando impostos para os romanos, profissão mal vista pelo seu povo. Deixou tudo. Tudo o quê? Tudo o que representava segurança, estabilidade, ser um elo na rede de arrecadação pública de impostos. Largou isso. Deu outro rumo à sua vida. Zaqueu também era um cobrador de impostos, mal afamado. Ao que parece, ele não deixou a sua profissão, como Levi, mas também deu novo rumo a ela. Prometeu reparar a quem prejudicou. Vá então pensando no seu caso. 'Deixar tudo' pode significar dar um rumo novo ao seu trabalho, à sua profissão, ao seu casamento.

Curiosamente, o evangelista anotou que Levi, que deixou tudo, levantou-se. Parece uma observação sem importância. Mas, veja: Jesus o viu sentado e o chamou; Ele, deixando tudo, levantou-se. Sentado é o sinal de instalação, acomodação, enquadramento. Levantar-se é a atitude de quem está se desinstalando, saindo de uma posição cômoda para enfrentar um novo desafio. Levantar-se para pôr-se a caminho. O Papa Francisco escreveu na sua primeira Exortação Apostólica (Evangelii Gaudium) a Igreja tem que ser assim, “em saída”. O seguidor de Jesus, o cristão, há de ser uma pessoa “em saída”, disposta a caminhar, a empreender, a crescer, a partir. A igreja não é a casa dos acomodados, é o caminho dos que seguem Jesus.

Bom, ele deixou tudo (deu um novo rumo ao que era e ao que fazia), levantou-se (venceu a acomodação de sua situação) e seguiu Jesus. Seguir é fazer-se aluno, discípulo. E segue Jesus, com os outros discípulos, faz comunidade com eles. Isso é a Igreja, que nasce por obra do Espírito Santo unindo a Cristo os que se põem a caminho com ele.

E a quarta ação de Levi foi o banquete em sua casa. O banquete é o sinal de alegria, de festa, de celebração da ressurreição. Levi é um novo homem. Ressuscitado em Cristo. É o que se vai fazer na Igreja todo domingo: celebrar a ressurreição, com Cristo.




Guardando a mensagem

A Quaresma é um programa de crescimento em Cristo. Hoje, olhamos para a resposta de Levi. Jesus o chamou para o seu seguimento, como me chama e chama você. E Levi, numa resposta maravilhosa, completa (representada nas quatro ações), deixou tudo (deu novo rumo ao que era e fazia), levantou-se (rompeu com sua acomodação), seguiu Jesus (tomou Jesus como a direção de sua vida) e organizou um banquete em casa (celebrou, em comunidade, a vida nova em Cristo). É assim que deve ser a nossa resposta ao chamado de Jesus.

Levi deixou tudo, levantou-se e o seguiu (Lc 5, 28)
 
Rezando a palavra

Senhor Jesus,
obrigado por tua santa Palavra. Ela hoje me faz compreender que a conversão envolve toda a minha vida: é um novo rumo em tudo o que sou e faço, sob a tua direção. Na verdade, como disseste, tu és o caminho. Vamos por ti, andamos contigo, em ti está a realização completa do ser humano. Ajuda-nos, Senhor, a responder ao teu chamado com generosidade, com radicalidade, com alegria, como Levi. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Neste quarto dia da quaresma, vá se preparando para o banquete da vida nova, a Eucaristia, que celebramos em comunidade, no dia do Senhor. Programe, prepare-se, convide outros. Amanhã, vamos celebrar o primeiro domingo da Quaresma.

Comunicando

Nós da AMA (Associação Missionária Amanhecer) estamos preparando três momentos para dar ainda mais qualidade espiritual à nossa quaresma: um show-orante para o próximo dia 25; a via sacra da fraternidade nas ruas do centro do Recife, na quarta-feira santa; e a semana santa missionária, que vamos realizar numa comunidade de João Pessoa, na Paraíba. Para o show do dia 25, estamos contando com a sua presença. Os ingressos estão disponíveis no site www.sympla.com.br ou pelo WhatsApp 81 3224-9284. Outra opção é você seguir o link que lhe enviei ontem. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Qual é a sua desculpa?

 



04 de outubro de 2023.


Memória de São Francisco de Assis



Evangelho.



Lc 9,57-62


Naquele tempo, 57enquanto Jesus e seus discípulos caminhavam, alguém na estrada disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores”.

58Jesus lhe respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça”. 59Jesus disse a outro: “Segue-me”. Este respondeu: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. 60Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. 61Um outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares”. 62Jesus, porém, respondeu-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”.



Meditação.



Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus (Lc 9, 62)


Jesus está a caminho de Jerusalém. Com ele, vai um grupo de discípulos e discípulas, pessoas que se sentem chamadas a caminhar com ele, a percorrer o seu mesmo caminho. Outros vão se incorporando pela estrada. Podemos pensar que todo o ministério de Jesus é como uma grande viagem, uma grande caminhada. É no caminho que os discípulos aprendem sobre o Reino de Deus.


Estamos diante de um texto sobre o nosso seguimento de Cristo. Seguir Jesus não é uma peregrinação sem consequências, uma viagem de lazer e turismo ou um intervalo de simples deleite espiritual em nossa correria. Caminhar com Jesus, seguir com Jesus a Jerusalém, é percorrer um caminho de identificação com ele e sua missão. Assim, é preciso disposição para aprender, para se corrigir, para enfrentar os desafios e tentações que estão presentes no caminho e ir com ele até o fim. Compreende-se, então, que, neste início da caminhada que vai ocupar vários capítulos do evangelho, o evangelista Lucas reuniu, simbolicamente, três tentações a serem vencidas pelos que que estão caminhando com Jesus.


A primeira tentação é o entusiasmo sem compromisso. Alguém se mostrou inteiramente disposto: “eu te seguirei por onde fores”. É preciso passar do primeiro entusiasmo para o compromisso de viver o estilo de vida de Jesus. Quando se parte em viagem, tudo parece maravilhoso. Mas, o caminho mostra-se exigente. É quando as motivações entram em crise. Não serve um seguimento de Jesus por interesse em segurança, em prosperidade, em dar-se bem. Assim, já teria começado errado. Foi o que Jesus disse: “O filho do homem não tem onde reclinar a cabeça!”. Seguir Jesus é viver como ele, que, peregrinou buscando em primeiro lugar o Reino de Deus, com espírito de simplicidade e serviço.


A segunda tentação é esconder-se atrás de uma boa desculpa para não caminhar com Jesus. Muita gente fica adiando essa viagem, esse caminho com o Senhor, encontrando desculpas. No tempo de Jesus, a autoridade paterna era decisiva. Se o pai não aprovasse, dificilmente o filho ou a filha daria um passo. O peso da família era fundamental. Então, muita gente se escondia atrás dessa autoridade da família para adiar a adesão ao evangelho e à entrada na comunidade cristã. Alguém disse que seguiria Jesus, mas primeiro ia esperar que seu pai deixasse esse mundo. A gente sempre pode encontrar uma desculpa para não seguir Jesus com toda seriedade. Achamos que não temos tempo agora, por causa do trabalho, dos filhos pequenos, do marido ou da mulher, da família. Jesus foi claro e exigente: “Deixe que os mortos enterrem os seus mortos. Mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. O Reino de Deus é vida para nós, nossa família, nossos amigos. É o sentido para o nosso trabalho, para nossas doenças, para nossas lutas.


A terceira tentação é desistir da caminhada. Muitos estão no caminho com Jesus, mas ficam com vontade de voltar, de não prosseguir. Ficam olhando pra trás. ‘Parece que estou perdendo isso ou aquilo’. São como o povo hebreu no deserto: livraram-se da escravidão do Egito, mas o Egito ainda estava neles. Ficavam reclamando de Moisés, com saudade das sopas de cebola do Egito. Muitos desistem, não perseveram, no meio das dificuldades ou das distrações. Olha a palavra de Jesus: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”.





Guardando a mensagem


Jesus está a caminho de Jerusalém. O evangelista Lucas dedica longos capítulos a esta peregrinação. A caminhada de Jesus à cidade santa, lugar de sua paixão e de sua ressurreição, marca a história de Jesus e dos seus seguidores. Ser discípulo ou discípula é estar a caminho com Jesus para Jerusalém. No evangelho de hoje, são apresentadas três tentações que se apresentam aos seus seguidores. Alguns dispõem-se a seguir Jesus cheios de entusiasmo, mas sem perceber ou sem querer abraçar as dificuldades do caminho. Outros arrumam desculpa para adiar sua adesão de verdade ao Senhor, pondo a culpa no tempo, na família, no trabalho, na saúde. Outros ficam tentados a desistir e voltar. É o problema da perseverança.


Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus (Lc 9, 62)


Rezando a mensagem


Senhor Jesus,

Dom Hélder Câmara dizia com propriedade: “É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas graça das graças é não desistir nunca”. Então, nós te pedimos, Senhor, essa graça das graças: não interrompermos o que começamos com tanto entusiasmo em nossa vida cristã, em nossa caminhada de batizados, mas ir contigo até o fim, como teus discípulos e missionários. Dá-nos, Senhor, passar do primeiro entusiasmo para uma fé provada e forte. Que nenhuma desculpa nos detenha na acolhida do teu chamado. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra


Leia e releia o evangelho de hoje, procurando perceber que mensagem está lhe trazendo. Lembre do nosso compromisso, neste mês, de rezar o terço mariano, todos os dias. Reze, hoje, pelo Sínodo que está se iniciando em Roma.


Comunicando


No Youtube, hoje, às 20 horas, vamos fazer um balanço do curso bíblico: notícias, fotos, avaliação. É o programa semanal Encontros. Espero por você.


Pe. João Carlos Ribeiro, sdb


Jesus esperava mais daquele moço.


   21 de agosto de 2023.   

Memória de São Pio X, papa


   Evangelho.  


Mt 19,16-22

Naquele tempo, 16alguém aproximou-se de Jesus e disse: “Mestre, que devo fazer de bom para possuir a vida eterna?” 17Jesus respondeu: “Por que me perguntas sobre o que é bom? Um só é o Bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos”. 18O homem perguntou: “Quais mandamentos?” Jesus respondeu: “Não matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não levantarás falso testemunho, 19honra teu pai e tua mãe, e ama o teu próximo como a ti mesmo”.
20 O jovem disse a Jesus: “Tenho observado todas essas coisas. Que ainda me falta?” 21Jesus respondeu: “Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me”. 22Quando ouviu isso, o jovem foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.

   Meditação.   


O jovem disse a Jesus: “Tenho observado todas essas coisas. O que ainda me falta?" (Mt 19, 20)

Ele já era um cara bacana. Já vivia os mandamentos de Deus. Mas, queria algo a mais. Olha a conversa dele com Jesus: “Mestre, o que é que devo fazer de bom para possuir a vida eterna?” Resposta de Jesus: Cumprir os mandamentos. Aí Jesus citou cinco mandamentos e juntou aquele resumo “amar o próximo como a si mesmo”. “Isso tudo, eu já faço”, disse o jovem. “O que ainda me falta?”.

Então, o jovem estava querendo algo a mais. Aparentemente, estava pronto para dar um novo passo. Jesus viu que o terreno era bom e lhe fez um convite. É verdade que essa proposta não é pra todo mundo, ao menos nessa medida, não. E ela só pode ser feita a quem está numa boa caminhada com Deus. Jesus não arrodeou muito. Foi direto e claro. “Deixe tudo e venha me seguir”. Para ficar mais claro: “Venha fazer parte do meu grupo, assumindo o meu estilo de vida”.

Deixar tudo para seguir Jesus. O jovem ficou pensando: que coisa legal andar com Jesus, fazer parte do seu ministério, ficar bem pertinho dele. Coisa maravilhosa! Mas, ‘pera lá: ‘Eu tenho minha vida, minhas coisas... Deixar tudo? Não dá pra ser um visitante, um membro eventual, um seguidor à distância?’ Tudo isso passando na cabeça daquele moço de boa pinta, de boa família, acostumado a ter toda facilidade na vida. A cabeça estava a mil: ‘Jesus vive sem nada, andando de um lado pro outro com esse grupo de discípulos, sem nenhuma segurança financeira, longe da família, voltado completamente para Deus e o seu povo. Seria uma mudança radical demais em minha vida... e os meus bens, minha herança, a vida que eu levo? Valerá a pena?’

Jesus deu um tempinho para o moço pensar, tinha posto as cartas na mesa. “Se você quer ser perfeito, vá, venda tudo o que tem. Dê o dinheiro aos pobres e você terá um tesouro no céu. Depois, venha e me siga”. Pronto, foi água na fervura... Aquela alegria de quem estava procurando algo novo foi se transformando em tristeza... e ele foi se retirando, meneando a cabeça, meio envergonhado pela escolha que estava fazendo. Ficou todo mundo surpreso. Jesus esperava mais dele. E os discípulos ficaram pensando na escolha que eles mesmos tinham feito.

Puxa vida, Jesus não faz esse convite a todo mundo, não faz. Para segui-lo, sim, convida a todos. Mas, cada um levando sua vida normal, “normal” entre aspas, segundo o Evangelho. Mas, a alguns ele dirige esse convite tão radical. “Fiquem comigo, vivam como eu”. Aos poucos, na história do cristianismo, esse modo de seguimento de Jesus foi sendo organizado no que hoje se conhece como vida religiosa consagrada. Esse é o modo de viver de cristãos que aceitam o convite radical de Jesus de segui-lo mais de perto, imitando o seu modo de viver unicamente para Deus e para o seu povo, renunciando a acumular bens, a constituir família e sozinho tomar as decisões em sua vida. Nós, que acolhemos essa vocação, esse chamado tão especial, integramos as comunidades religiosas em nossas congregações, ordens e institutos de vida consagrada. Nem todo mundo entende a nossa vocação. Às vezes, nem nós mesmos. Mas, é o caminho dos que resolveram de coração acolher o convite de Jesus: “Deixe tudo e me siga”. É o caminho da perfeita caridade, como disse o Concílio Vaticano II.




Guardando a mensagem

Ao jovem, que já era um bom praticante dos mandamentos de Deus, desejoso de uma vida de perfeição, Jesus fez um convite muito especial: “deixar tudo para segui-lo”. Deixar tudo não é coisa fácil e esse moço era muito rico. Aí, apegado às suas coisas, ele optou por continuar na sua vidinha mesmo. Desde o começo do cristianismo, alguns homens e mulheres sentem-se chamados, por uma vocação especial, para seguir Jesus mais de perto, imitando o seu modo humano de viver para Deus e para o seu povo, pelo caminho dos conselhos evangélicos de pobreza, castidade e obediência. É uma escolha amorosa do Senhor. E uma resposta generosa de vários de seus discípulos e discípulas.

O jovem disse a Jesus: “Tenho observado todas essas coisas. O que ainda me falta?" (Mt 19, 20)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
dentro da programação do Mês Vocacional, celebramos ontem, o dia da vocação à Vida Consagrada. As três coisas que marcam a vocação dos teus discípulos e discípulas consagrados na vida religiosa, Senhor, são também uma indicação para todos os teus seguidores. Três tentações podem afastar as pessoas de tua graça: agarrar-se aos bens deste mundo, desviar o amor a Deus para o apego exclusivo às criaturas e decidir sua vida sem atenção à vontade de Deus. Neste sentido, a vida dos teus consagrados pode ser um permanente aviso a todos os teus seguidores. Abençoa, Senhor, os irmãos e irmãs que integram os institutos, congregações e ordens religiosas. Fortalece o caminho vocacional dos jovens que estão em formação na vida consagrada. E não desiste de chamar muitos jovens generosos para o teu seguimento. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Talvez nossa reflexão de hoje possa ajudar alguém a pensar neste tema da vocação à vida consagrada. Então, que tal compartilhar o áudio e o texto da Meditação de hoje com alguém em especial?

Comunicando

Dois convites pra você! Quinta-feira, dia 24, teremos a reinauguração da capela de N. Senhora Auxiliadora, junto à sede da AMA, com a Missa das 11 horas. Você pode participar pelo rádio ou pelo Youtube. Domingo, dia 27, em Carpina, PE, teremos a Missa de Ação de Graças pelo aniversário de 40 anos de minha ordenação de padre. A Missa será às 8 horas da manhã, com transmissão pela Rede Vida.  

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Crescendo no amor a Cristo e à sua Igreja.



   02 de julho de 2023.   

Solenidade de São Pedro e São Paulo



     Evangelho     


Mt 16,13-19

Naquele tempo, 13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?”14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?”16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.



     Meditação.   


Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja e o poder do inferno nunca poderá vencê-la (Mt 16, 18)

Neste domingo, estamos celebrando a solenidade de São Pedro e São Paulo. No Brasil, deixamos para celebrar no domingo essa solenidade, para lhe dar a devida importância. Pedro e Paulo são duas colunas da Igreja. Em Pedro, vemos as comunidades cristãs nascidas da grande tradição do antigo povo de Deus. Em Paulo, vemos as comunidades nascidas da pregação do evangelho entre os pagãos, por todo o mundo. Festejá-los é festejar a graça de sermos a Igreja de Cristo, rebanho apascentado por pastores designados pelo Senhor.

Olhando para a figura dos dois apóstolos festejados hoje, três coisas chamam logo a nossa atenção: a sua fragilidade, a confiança que Deus depositou neles e a sua fidelidade.

Em São Pedro e São Paulo, vemos a fragilidade humana. Pedro é um galileu, um homem da periferia do mundo judaico, um pescador. Achava que Deus não permitiria que Jesus passasse pela paixão. Na prisão de Jesus, ele negou que o conhecesse. Paulo era fariseu, membro do grupo que mais se opôs ao trabalho de Jesus. Foi testemunha do apedrejamento de Estêvão. Perseguidor das comunidades, invadia residências e prendia cristãos. Olhando a fraqueza de Pedro e Paulo, reconhecemos a nossa mesma fragilidade humana. Nós também temos os nossos defeitos. Cometemos erros.

Vendo, por um lado, a sua fraqueza, por outro, vemos a escolha de Deus, o seu chamado. Pedro, inspirado por Deus, reconheceu que Jesus era o Messias, o filho do Deus vivo. Sobre esta pedra - Pedro proclamando a fé - Jesus edificou a sua Igreja. Deu-lhe as chaves do Reino, isto é, a autoridade. E mesmo depois da negação, Jesus só quis saber se Pedro o amava, de verdade. E o confirmou na missão: “Apascenta as minhas ovelhas”. A Paulo, Deus revelou o seu filho, como está escrito na carta aos Gálatas (Gl 1, 16) e o designou para pregá-lo entre os pagãos. No clarão da estrada de Damasco, o perseguidor, alcançado pela misericórdia de Deus, torna-se incansável pregador do evangelho.

Dando-nos conta da fraqueza dos dois apóstolos, vemos ainda mais o amor de Deus que os escolhe e os envia em missão. Por isso, hoje, estamos celebrando suas vidas de missionários, sua dedicação à missão, sua fidelidade até o martírio. Pedro é a referência das comunidades que vão surgindo no mundo judeu e nas comunidades que vão nascendo no mundo todo. É um ponto de unidade, uma voz ouvida para dirimir as dúvidas, um laço de união de todas as lideranças da Igreja. O próprio Paulo vai a Jerusalém para conhecê-lo, para prestar contas de seu trabalho, para reconhecê-lo como líder. Pedro sofre com a comunidade de Jerusalém perseguida, ele mesmo é preso. Na prisão, experimenta a proteção de Deus e o carinho das preces da comunidade. Em Roma, com o seu martírio, selará o seu serviço de amor a Cristo e à sua Igreja. Paulo viaja o mundo todo, pregando, convertendo, organizando as comunidades, em meio a perseguições e sofrimentos. Na segunda carta a Timóteo, escreve que combateu o bom combate, guardou a fé e está pronto para ser derramado em sacrifício. Foi martirizado também em Roma, no centro do império.


São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

Guardando a mensagem

Celebrando os apóstolos Pedro e Paulo, estamos festejando a graça der sermos a Igreja do Senhor, liderada pelos pastores que, em seu nome, anunciam a fé, celebram o culto divino e nos presidem na caridade. Em Pedro e Paulo, percebendo a sua fragilidade, nos damos conta da graça do ministério e o seu esforço de fidelidade. Cristo continua governando sua Igreja, por meio dos sucessores dos apóstolos, os bispos, e do sucessor do apóstolo Pedro, o Papa. Estes pastores que hoje apascentam o rebanho de Deus também precisam de nosso apoio e de nossas orações. Na fé, reconhecemos que eles foram escolhidos por Deus e são assistidos em seu ministério pelo Santo Espírito de Deus. Neles, vemos também, com gratidão, a entrega de suas vidas a este serviço e o seu esforço de fidelidade. Bendizemos a Deus por eles e renovamos nossa adesão ao seu ministério.

Tu és Pedro e sobre esta pedra construirei a minha Igreja e o poder do inferno nunca poderá vencê-la (Mt 16, 18)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
nós te bendizemos pelos teus apóstolos Pedro e Paulo. Neles, celebramos a vocação de todos os que pastoreiam o rebanho de Deus em nossos dias: os nossos bispos à frente de suas igrejas particulares, as dioceses, ajudados pelos presbíteros e diáconos; o colégio apostólico, expressão da comunhão e corresponsabilidade dos bispos em relação ao governo de toda a Igreja de Deus; o bispo de Roma, que preside o colégio apostólico e é o centro de unidade de toda a Igreja, o Papa. Nós te pedimos em favor deles: continua a assisti-los com o teu Santo Espírito. Nós te pedimos, também, por todo o povo de Deus, para que cresça na vivência do evangelho e seja uma luz nesse mundo perturbado pelo materialismo, pela exclusão social, pela descrença, pela doença. Que sejamos testemunhas da fraternidade, da justiça, da liberdade, expressões do amor de Deus. Protege, Senhor, nossos pastores, como o fizeste na libertação de Pedro da prisão, em que se encontrava por ordem de Herodes; como o fizeste libertando Paulo da boca do leão, como ele nos contou na segunda carta a Timóteo. Abençoa o nosso Papa Francisco, com saúde, sabedoria e fortaleza em todas as suas iniciativas. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Reze, hoje, pelo seu bispo diocesano, pela conferência episcopal do Brasil (a CNBB) e pelo Papa Francisco. Nossos pastores cuidam de nós e de toda a Igreja, em nome do Senhor. Amemos, defendamos e sustentemos nossos pastores com nosso afeto e nossa oração, como expressão de nosso amor a Cristo e à sua Igreja.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

A surpresa do chamado, a generosidade da resposta




   11 de junho de 2023.  

10º Domingo do Tempo Comum


     Evangelho.    


Mt 9,9-13

Naquele tempo: 9Partindo dali, Jesus viu um homem chamado Mateus, sentado na coletoria de impostos, e disse-lhe: “Segue-me!” Ele se levantou e seguiu a Jesus.
10Enquanto Jesus estava à mesa, em casa de Mateus, vieram muitos cobradores de impostos e pecadores e sentaram-se à mesa com Jesus e seus discípulos.
11Alguns fariseus viram isso e perguntaram aos discípulos: “Por que vosso mestre come com os cobradores de impostos e pecadores?”
12Jesus ouviu a pergunta e respondeu: “Aqueles que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes. 13Aprendei, pois, o que significa: ‘Quero misericórdia e não sacrifício.’ De fato, eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores”.


     Meditação.    

Eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores (Mt 9, 13).

Neste 10º Domingo do Tempo Comum, a Igreja nos abre o evangelho de São Mateus, no capítulo 9, bem na cena de seu chamado. E de sua pronta resposta. Uma cena que nos coloca bem no clima do Ano Vocacional que estamos celebrando. 

A escolha de Jesus foi surpreendente. Ele chamou um cobrador de impostos para segui-lo, para fazer parte do seu grupo. Um cobrador de impostos? Pois é, este era o tipo de gente detestada, porque arrancava o dinheiro do povo em favor dos dominadores romanos. Estavam a serviço dos pagãos, eram, portanto, tidos como traidores e impuros. E ainda assim, Jesus o chamou. “Segue-me”. O homem vê a cara, mas Deus vê o coração. Jesus o chamou para ser seu discípulo. Ele mesmo explicou depois: “eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores”.

A resposta de Mateus também foi surpreendente, foi imediata e generosa. Ele se levantou e seguiu Jesus. Deixou a sua posição cômoda, seu emprego de funcionário de uma rede a serviço do Império e seguiu Jesus. Estava sentado na coletoria de impostos e levantou-se, acompanhando Jesus prontamente. E mais: deu um jantar em sua casa para Jesus e seus discípulos e convidou seus colegas de profissão. Isto foi razão de escândalo e crítica para os fariseus. Mateus, desta forma, está homenageando seu Mestre e aproximando-o de outros pecadores como ele. Seu exemplo certamente levou outros a abraçarem o convite de Jesus, tornando-se discípulos do Reino de Deus.

Ele era um funcionário, trabalhava coletando impostos para os romanos, profissão mal vista pelo seu povo. Deixou tudo. Tudo o quê? Tudo o que representava segurança, estabilidade, ser um elo na rede de arrecadação de impostos. Largou isso. Deu outro rumo à sua vida. Zaqueu também era um cobrador de impostos, e mal afamado. Ao que parece, ele não deixou a sua profissão, como Mateus, mas deu novo rumo a ela. Prometeu reparar a quem prejudicara. Vá, então, pensando no seu caso. Deixar tudo pode significar dar um rumo novo ao seu trabalho, à sua profissão, ao seu casamento.

A liturgia de hoje também nos traz o exemplo de Abraão. Ele também foi chamado. E, apesar de sua idade avançada e a esterilidade de sua esposa, acreditou que Deus cumpriria o que lhe prometera: seria pai de uma enorme descendência. Diz o texto da carta aos Romanos: "Abraão, contra toda a humana esperança, firmou-se na esperança e na fé. Assim, tornou-se pai de muitos povos" (Rm 4,18). Quando falamos de vocação, falamos do chamado que Deus faz a cada um, a cada uma; da missão que cada um recebe. E da resposta de fé e de esperança que podemos dar a este chamado.




Guardando a mensagem

Jesus chamou um cobrador de impostos para ser seu discípulo. Fez dele um apóstolo. Mateus, o convidado, aceitou o convite, com prontidão e generosidade. E logo arrumou um jeito de colocar Jesus em contato com seus colegas de profissão. E qual é a lição que você pode tirar desse evangelho? Bom, não aja como um fariseu, se escandalizando porque Jesus continua se misturando com os pecadores e os convidando a se tornarem seus discípulos. Ele veio para chamar os pecadores. Encante-se com Jesus, que age de uma forma assim tão surpreendente. E mais: reconheça que também você é um pecador, uma pecadora que precisa se levantar de seu comodismo, de sua zona de conforto para por o pé na estrada, na companhia de Jesus. E prepare-se para enfrentar a língua dos fariseus, porque de fariseu o mundo está cheio.

Eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores (Mt 9, 13).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
a prontidão de Mateus em largar tudo e te seguir nos encanta. Chamado, não ficou protelando a sua adesão. Entendendo que o convite para te seguir comportava largar aquele vínculo de serviço ao Império como cobrador de impostos e a segurança do seu emprego, ele soube largar tudo, sem demora, nem desculpas. É um exemplo para nós, Senhor, esse teu apóstolo e evangelista. Também nos encanta o fato de tu, Senhor, não o teres discriminado por sua condição de colaborador dos romanos, mas o teres convocado para a missão, ao teu lado. Precisamos aprender contigo, Senhor, a dar valor às pessoas, fugindo de preconceitos e de qualquer discriminação. E precisamos aprender com Mateus a responder com generosidade ao teu chamado. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Reze, hoje, a Oração do Ano Vocacional. Vou deixá-la junto com o texto da Meditação.

Senhor Jesus,
enviado do Pai e Ungido do Espírito Santo,
que fazeis os corações arderem e os
pés se colocarem a caminho,
ajudai-nos a discernir a graça do vosso
chamado e a urgência da missão.

Continuai a encantar famílias, crianças,
adolescentes, jovens e adultos,
para que sejam capazes de sonhar e se entregar,
com generosidade e vigor,
a serviço do Reino,
em vossa Igreja e no mundo.

Despertai as novas gerações para a
vocação aos Ministérios Leigos,
ao Matrimônio, à Vida Consagrada
e aos Ministérios Ordenados.
Maria, Mãe, Mestra e Discípula Missionária,
ensinai-nos a ouvir o Evangelho da Vocação
e a responder com alegria.

Amém!

Comunicando

Amanhã, tem encontro dos Ouvintes, no Recife. Começa às 11 horas, na Igreja de Santo Antonio, no centro da cidade. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb​


     Você leu a Meditação de ontem?      

Acesse aqui a Meditação de 10.06.2023: 




As três tentações no seguimento de Cristo


28 de setembro de 2022

Quarta-feira da 26ª Semana do Tempo Comum


EVANGELHO

Lc 9,57-62

Naquele tempo, 57enquanto Jesus e seus discípulos caminhavam, alguém na estrada disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores”.
58Jesus lhe respondeu: “As raposas têm tocas e os pássaros têm ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde repousar a cabeça”. 59Jesus disse a outro: “Segue-me”. Este respondeu: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. 60Jesus respondeu: “Deixa que os mortos enterrem os seus mortos; mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. 61Um outro ainda lhe disse: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares”. 62Jesus, porém, respondeu-lhe: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”.




MEDITAÇÃO

Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus (Lc 9, 62)

Jesus está a caminho de Jerusalém. Com ele, vai um grupo de discípulos e discípulas, pessoas que se sentem chamadas a caminhar com ele, a percorrer o seu mesmo caminho. Outros vão se incorporando pela estrada. Podemos pensar que todo o ministério de Jesus é como uma grande viagem, uma grande caminhada. É no caminho que os discípulos aprendem sobre o Reino de Deus.

Estamos diante de um texto sobre o nosso seguimento de Cristo. Seguir Jesus não é uma peregrinação sem consequências, uma viagem de lazer e turismo ou um intervalo de simples deleite espiritual em nossa correria. Caminhar com Jesus, seguir com Jesus a Jerusalém, é percorrer um caminho de identificação com ele e sua missão. Assim, é preciso disposição para aprender, para se corrigir, para enfrentar os desafios e tentações que estão presentes no caminho e ir com ele até o fim. Compreende-se, então, que, neste início da caminhada que vai ocupar vários capítulos do evangelho, o evangelista Lucas reuniu, simbolicamente, três tentações a serem vencidas pelos que que estão caminhando com Jesus.

A primeira tentação é o entusiasmo sem compromisso. Alguém se mostrou inteiramente disposto: “eu te seguirei por onde fores”. É preciso passar do primeiro entusiasmo para o compromisso de viver o estilo de vida de Jesus. Quando se parte em viagem, tudo parece maravilhoso. Mas, o caminho mostra-se exigente. É quando as motivações entram em crise. Não serve um seguimento de Jesus por interesse em segurança, em prosperidade, em dar-se bem. Assim, já teria começado errado. Foi o que Jesus disse: “O filho do homem não tem onde reclinar a cabeça!”. Seguir Jesus é viver como ele, que, peregrinou buscando em primeiro lugar o Reino de Deus, com espírito de simplicidade e serviço.

A segunda tentação é esconder-se atrás de uma boa desculpa para não caminhar com Jesus. Muita gente fica adiando essa viagem, esse caminho com o Senhor, encontrando desculpas. No tempo de Jesus, a autoridade paterna era decisiva. Se o pai não aprovasse, dificilmente o filho ou a filha daria um passo. O peso da família era fundamental. Então, muita gente se escondia atrás dessa autoridade da família para adiar a adesão ao evangelho e à entrada na comunidade cristã. Alguém disse que seguiria Jesus, mas primeiro ia esperar que seu pai deixasse esse mundo. A gente sempre pode encontrar uma desculpa para não seguir Jesus com toda seriedade. Achamos que não temos tempo agora, por causa do trabalho, dos filhos pequenos, do marido ou da mulher, da família. Jesus foi claro e exigente: “Deixe que os mortos enterrem os seus mortos. Mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. O Reino de Deus é vida para nós, nossa família, nossos amigos. É o sentido para o nosso trabalho, para nossas doenças, para nossas lutas.

A terceira tentação é desistir da caminhada. Muitos estão no caminho com Jesus, mas ficam com vontade de voltar, de não prosseguir. Ficam olhando pra trás. ‘Parece que estou perdendo isso ou aquilo’. São como o povo hebreu no deserto: livraram-se da escravidão do Egito, mas o Egito ainda estava neles. Ficavam reclamando de Moisés, com saudade das sopas de cebola do Egito. Muitos desistem, não perseveram, no meio das dificuldades ou das distrações. Olha a palavra de Jesus: “Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus”.


Guardando a mensagem

Jesus está a caminho de Jerusalém. O evangelista Lucas dedica longos capítulos a esta peregrinação. A caminhada de Jesus à cidade santa, lugar de sua paixão e de sua ressurreição, marca a história de Jesus e dos seus seguidores. Ser discípulo ou discípula é estar a caminho com Jesus para Jerusalém. No evangelho de hoje, são apresentadas três tentações que se apresentam aos seus seguidores. Alguns dispõem-se a seguir Jesus cheios de entusiasmo, mas sem perceber ou sem querer abraçar as dificuldades do caminho. Outros arrumam desculpa para adiar sua adesão de verdade ao Senhor, pondo a culpa no tempo, na família, no trabalho, na saúde. Outros ficam tentados a desistir e voltar. É o problema da perseverança.

Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus (Lc 9, 62)

Rezando a mensagem

Senhor Jesus,
Dom Hélder Câmara dizia com propriedade: “É graça divina começar bem. Graça maior persistir na caminhada certa. Mas graça das graças é não desistir nunca.”. Então, nós te pedimos, Senhor, essa graça das graças: não interrompermos o que começamos com tanto entusiasmo em nossa vida cristã, em nossa caminhada de batizados, mas ir contigo até o fim, como teus discípulos e missionários. Dá-nos, Senhor, passar do primeiro entusiasmo para uma fé provada e forte. Que nenhuma desculpa nos detenha na acolhida do teu chamado. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Leia e releia o evangelho de hoje, procurando perceber que mensagem está lhe trazendo. Lembre do nosso compromisso, neste mês, de leitura do evangelho do dia.

Comunicando

Depois, no facebook, veja fotos e vídeos do show de ontem, em Araripina. Hoje, à noite, presido a Santa Missa de ação de graças pelos 60 anos da presença salesiana na Paróquia de São José, na cidade de Carpina.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O grande mutirão da evangelização




17 de agosto de 2022

Quarta-feira da 20ª Semana do Tempo Comum

EVANGELHO


Mt 20,1-16a


Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1“O Reino dos Céus é como a história do patrão que saiu de madrugada para contratar trabalhadores para a sua vinha. 2Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por dia, e os mandou para a vinha. 3Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo, viu outros que estavam na praça, desocupados, 4e lhes disse: ‘Ide também vós para a minha vinha! E eu vos pagarei o que for justo’. 5E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa. 6Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde, encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse: ‘Por que estais aí o dia inteiro desocupados?’ 7Eles responderam: ‘Porque ninguém nos contratou’. O patrão lhes disse: ‘Ide vós também para a minha vinha’. 8Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador: ‘Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos, começando pelos últimos até os primeiros!’

9Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde e cada um recebeu uma moeda de prata. 10Em seguida vieram os que foram contratados primeiro, e pensavam que iam receber mais. Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata. 11Ao receberem o pagamento, começaram a resmungar contra o patrão: 12‘Estes últimos trabalharam uma hora só, e tu os igualaste a nós, que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro’.

13Então o patrão disse a um deles: ‘Amigo, eu não fui injusto contigo. Não combinamos uma moeda de prata? 14Toma o que é teu e volta para casa! Eu quero dar a este que foi contratado por último o mesmo que dei a ti. 15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero com aquilo que me pertence? Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?’ 16aAssim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos”.


MEDITAÇÃO


Vão vocês também para a minha vinha! (Mt 20, 4)


Os que acolheram Jesus, como Messias, reconheceram que ele era o filho unigênito de Deus. Perceberam que sua vida, suas atitudes, sua morte e ressurreição manifestavam com grande clareza quem era o Deus que havia se revelado a Israel. O filho é quem sabe quem é o Pai. E o filho revelou que o Deus único que Israel conheceu é Pai, um pai amoroso, não simplesmente um senhor poderoso e justo. Um pai de família, preocupado com os seus filhos, não um fiscal marcando o que a gente faz de bom e de ruim. Pai não só dos filhos de Israel, mas pai amoroso de cada pessoa humana, nascida à sua imagem e semelhança. Pai que é Deus junto com o Filho. E os dois nos comunicam uma terceira pessoa, o Santo Espírito, os três compondo a Trindade Santa, o único Deus. Pela obra de Jesus, o Pai dá a cada filho o seu Espírito. Assim, quem se une a Jesus, pelo batismo, recebe a adoção filial, fica filho de Deus.


A maior parte dos religiosos do tempo de Jesus irritou-se com essas coisas que Jesus revelou sobre Deus. Isso abalava o seu modo de viver a religião e de organizar a vida em sociedade. Jesus mostrava, com suas palavras e suas atitudes, que Deus estava mais preocupado com as pessoas do que com as leis, as normas, por mais religiosas que fossem. Os fariseus viam nisso uma falta de respeito ao sábado, uma coisa tão sagrada para louvar a Deus. Jesus mostrou que o mais agradava a Deus era amar o irmão necessitado, com atitudes e obras, como o fez o samaritano da história que ele contou. Sacerdotes e levitas, a turma do Templo, ficaram com raiva dessa história. Nela, eles é que não acudiram o pobre. Quando prenderam Jesus, a principal acusação no Sinédrio foi que Jesus se dizia filho de Deus. O que Jesus revelou sobre Deus foi o que mais escandalizou o seu povo. Isso abalava o modo deles crerem e de organizarem a vida em sociedade.


Aí é que entra a parábola dos vinhateiros contratados em várias horas do dia. Chegou o tempo da colheita da uva, a vindima. Muita gente não tinha mais sua terrinha pra trabalhar e ia trabalhar na terra dos outros. Ficava-se esperando, na praça da cidade, algum contratante. O dono de uma vinha passou às seis da manhã e contratou um grupo. Acertou a diária. E passou pela praça mais outras vezes, sempre contratando para o trabalho, mas sem marcar o preço: às 9 da manhã, ao meio dia, às três da tarde. E, de novo passou às cinco da tarde, uma hora antes de terminar o serviço. E levou mais um grupo. O pagamento era no fim do dia. Na hora de pagar, começou pelos últimos. E pagou uma diária. Ficou todo mundo surpreso. Quando chegaram os primeiros, estes receberam o combinado, uma diária. Ficaram revoltados. Revoltados com quê? Com a generosidade do patrão, com o fato de ele ter pago uma diária a quem só trabalhou uma hora.


O que Jesus revelou sobre Deus, com essa parábola? Ficou claro que Deus está preocupado com todos os seus filhos, todos precisam ganhar o pão de cada dia. Por isso, o patrão deu oportunidade a todos. Passou e chamou todo mundo para o trabalho, durante vários horários do dia. Ficou claro que Deus não nos paga segundo os nossos méritos, conforme o que a gente faz. O povo do Antigo Testamento sempre pensou, e nós continuamos pensando, que Deus nos abençoa, segundo nossas boas obras e nossa santidade. O que conta é a bondade dele, não é o nosso merecimento, ter feito mais ou ter feito menos. Como todos precisavam sustentar sua família, o patrão pagou a todos por igual, começando dos últimos. Vendo a nossa necessidade, ele nos cumula de todo bem e de toda graça. É misericordioso, bondoso, generoso. Assim é Deus.



Guardando a mensagem


Não basta dizer que crê em Deus. Como é esse Deus que você crê? Jesus nos revela quem é esse Deus maravilhoso que fez aliança com Israel em vista das nações da terra e o enviou como nosso redentor. Na parábola dos trabalhadores contratados em vários horários do dia, aparece um Deus preocupado com todos os seus filhos, criando oportunidades para todos e provendo suas necessidades, sem levar em conta quem tem mais merecimento ou importância. Aliás, como bom Pai, para ele o mais importante é o filho mais frágil, desprezado e com menos oportunidade. E por que os religiosos do seu tempo ficaram tão irritados com Jesus, a ponto de crucificá-lo? Porque conhecer e amar a esse Deus leva a pessoa a mudar suas atitudes de vida e a buscar um mundo bem diferente do que esse que temos.


Vão vocês também para a minha vinha! (Mt 20, 4)


Rezando a palavra


Senhor Jesus,

Nós te bendizemos por nos revelares Deus como um pai compassivo, providente, justo, misericordioso. Igualmente te agradecemos pelo fato de o Pai nos querer todos empenhados e comprometidos no seu Reino. Somos todos operários de sua vinha. Liberta-nos, Senhor, da preguiça, da inveja, do individualismo, de tudo o que nos impeça de trabalhar, com amor e em unidade, na vinha do Senhor. Nesta semana da vocação à vida consagrda, nós te pedimos, Senhor, abençoa os irmãos e irmãs que chamaste para a vida religiosa consagrada. Concede-lhes a graça da perseverança e o despertar de novas vocações. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra


Seria muito bom você ler a parábola de hoje em sua Bíblia: Mateus 20,1-16.


Comunicando


Domingo próximo, dia 21, faço show em Glória do Goitá, cidade da mata norte de Pernambuco, nos festejos da padroeira N. S. da Glória. No sábado seguinte, dia 27, vamos comemorar os 26 anos da AMA com uma live-show que você vai poder acompanhar no Youtube.


Até amanhã, se Deus quiser.


Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Quando se ama muito




16 de agosto de 2022

Terça-feira da 20ª Semana do Tempo Comum



EVANGELHO


Mt 19,23-30

Naquele tempo, 23Jesus disse aos discípulos: “Em verdade vos digo, dificilmente um rico entrará no reino dos Céus. 24E digo ainda: é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus”. 25Ouvindo isso, os discípulos ficaram muito espantados, e perguntaram: “Então, quem pode ser salvo?” 26Jesus olhou para eles e disse: “Para os homens isso é impossível, mas para Deus tudo é possível”.
27Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Vê! Nós deixamos tudo e te seguimos. Que haveremos de receber?” 28Jesus respondeu: “Em verdade vos digo, quando o mundo for renovado e o Filho do Homem se sentar no trono de sua glória, também vós, que me seguistes, havereis de sentar-vos em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel. 29E todo aquele que tiver deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos, campos, por causa do meu nome, receberá cem vezes mais e terá como herança a vida eterna. 30Muitos que agora são os primeiros, serão os últimos. E muitos que agora são os últimos, serão os primeiros.



MEDITAÇÃO

Nós deixamos tudo e te seguimos. Que haveremos de receber? (Mt 19, 27)

Ontem, nos foi apresentada aquela história do jovem que não aceitou o convite do Mestre. O jovem rico foi um mau exemplo de seguidor de Jesus. Ele não renunciou a nada. Um sujeito que amava mais o seu dinheiro do que o Reino de Deus. Tinha mais confiança nos seus bens do que na palavra do Senhor. Preferiu a segurança do seu status à aventura do seguimento de Jesus. Um mau exemplo.

Pedro e seus companheiros representam um bom exemplo de seguidores de Jesus. Eles deixaram tudo. Eles colocaram o Reino de Deus em primeiro lugar. Largaram sua organização de pesca, seus barcos, sua profissão, suas famílias, a segurança de suas casas e puseram-se a caminho com Jesus. Colocaram sua confiança em Deus e aceitaram o desafio do seguimento. Um bom exemplo.

É, o amor exige renúncia. E pelo tamanho da renúncia se diz o quanto se ama. A jovem esposa acompanha o marido que foi transferido para um estado muito distante. Fica longe de tudo o que ela conhece e ama: seus pais, seus amigos, sua terra. Renuncia muito, porque ama muito. O pai, por causa dos filhos, de bom grado não frequenta mais as rodas de amigos no bar da esquina. Renuncia a boa conversa, regada a uma cervejinha gelada, para estar com os filhos, para brincar com eles, para sair com eles. Renuncia muito, porque ama muito. Aquela outra já não está podendo mais ir a uma festa, fazer as viagens que fazia. Fica tomando conta da mãezinha idosa. Renuncia muito, porque ama muito.

O jovem rico amava pouco. Não deixou nada. Não abriu mão do seu dinheiro. Foi-se embora, entristecido. Fracassou o aprendiz de seguidor de Jesus. O jovem Francisco de Assis também era rico, de família importante, estudado, culto. Sentiu no coração um amor imenso por Jesus crucificado e pelos pobres que encarnavam o seu sofrimento. Renunciou seu prestígio, suas riquezas, seu título de nobreza. Fez-se um seguidor do Mestre pelos caminhos da pobreza e da oração. Pelo tamanho da renúncia se sabe o tamanho do amor.

Pedro e seus companheiros que deixaram tudo fizeram uma pergunta a Jesus: “O que nós vamos ganhar com isso?” A resposta de Jesus foi maravilhosa: ‘Nessa vida, cem vezes mais do que deixaram. E na outra, a vida eterna’. Deus não se deixa vencer em generosidade. Você oferece 10, ele devolve 100.

E você, tem sido generoso(a) com Deus? Tem confiado mais nele do que nos seus trocados? Tem renunciado alguma coisa para não faltar à missa, para fazer seu momento diário de oração, para observar os seus mandamentos? Pelo tamanho de sua renúncia se sabe o tamanho do seu amor por ele.


Guardando a mensagem

Aquele jovem se apresentou a Jesus, disposto a fazer alguma coisa para ganhar a vida eterna. Jesus viu sua boa vontade e o convidou a deixar tudo para o seguir em completo despojamento. No apego aos seus bens e à segurança de suas posses, ele não foi capaz de renunciar tudo e seguir Jesus. Pedro e seus companheiros também receberam o mesmo convite. Em resposta, eles deixaram tudo e seguiram Jesus. Vão ficar sem nada? Jesus garantiu: ‘vão receber cem vezes mais e a herança da vida eterna’. Amor sempre pede renúncia. Uma boa dica pra você avaliar seu amor a Jesus.

Nós deixamos tudo e te seguimos. Que haveremos de receber? (Mt 19, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
sempre nos vem à lembrança a pergunta que fizeste a Pedro: ‘Simão, tu me amas?’ Pedro, mesmo tendo fraquejado nos dias de tua paixão, te amava muito. E sofreu muito por não ter sido fiel cem por cento, como deveria. Certamente, isso lhe deu mais condições de compreender os seus irmãos e irmãs, em suas fragilidades e deslizes. E porque te amava tanto – deixou tudo para te seguir- , deste a ele a responsabilidade de cuidar do teu rebanho. Senhor, que o nosso amor por ti se comprove nas provações, nas dificuldades e nas horas em que seguir-te signifique renunciar alguma coisa ou muitas coisas. Sendo hoje o dia do aniversário de nascimento de Dom Bosco, nós te pedimos, Senhor, que este santo educador nos ajude a acompanhar os jovens que se preparam para a vida matrimonial, para a vida consagrada e para o sacerdócio ministerial. Seja o teu santo nome bendito, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Nesta Semana da Vocação à Vida Consagrada, reze pelos irmãos e irmãs das Congregações e Ordens Religiosas e pelos consagrados nos Institutos Seculares e nas novas comunidades.

Comunicação

A re-estreia do nosso programa no Youtube ficou para segunda-feira que vem. Agradeço, de coração, a quem aproveitou o dia missionário de ontem e se inscreveu em nossa AMA. Juntos, podemos fazer mais e melhor.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Postagem em destaque

Deus está cumprindo suas promessas.

   18 de maio de 2024    Sábado da 7ª Semana da Páscoa          Evangelho.     Jo 21,20-25 Naquele tempo, 20Pedro virou-se e viu atrás de si...

POSTAGENS MAIS VISTAS