Mostrando postagens com marcador ovelhas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ovelhas. Mostrar todas as postagens

20200505

O PASTOR NO TEMPLO

Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai (Jo 10, 29).


05 de maio de 2020

O evangelho de hoje começa informando que, em Jerusalém, onde Jesus se encontrava, celebrava-se a festa da Dedicação do Templo. Certamente, essa informação pode nos ajudar a compreender o contexto das palavras de Jesus nessa ocasião. Que festa será essa da “Dedicação do Templo”?

Primeiro, vou lhe dizer que Templo era esse. O de Jerusalém, claro. Mas, não era o Templo de Salomão. O Templo de Salomão tinha sido destruído pelos babilônios seis séculos antes (ano 587 a.C). O Templo que Jesus frequentou nas grandes peregrinações foi o Templo reconstruído no retorno dos exilados (século segundo a.C) e restaurado por Herodes Magno, mais ou menos no tempo em que Jesus nasceu. Assim, o Templo que aparece no Novo Testamento é o Templo de Herodes. Deu para entender? Ah, não se preocupe, era só para dizer que o Templo que aparece no evangelho é o Templo de Herodes.

E a festa da Dedicação do Templo? Bom, essa é uma linda história que está contada nos dois Livros dos Macabeus, no Antigo Testamento. Por um tempo, os pagãos da Síria dominaram o povo de Deus e pintaram e bordaram no Templo de Jerusalém. Foi um tempo de muito sofrimento e humilhação, mas afinal, sob a liderança de Judas Macabeu, o povo conseguiu expulsar os dominadores de suas terras. Depois que limparam e consertaram o que podiam do Templo, fizeram uma linda festa para purifica-lo e dedicá-lo de novo ao culto a Deus. Cada ano, com essa festa, recordavam essa Dedicação do Templo. 

O Templo de Jerusalém (só existia um templo em todo o país) era um centro de unidade para o povo de Deus. Para eles, era um sinal visível da presença de Deus que os guardava e protegia. Nele, os pecadores se reconciliavam com Deus, oferecendo sacrifícios de animais. Ali, ouviam as explicações da Lei e rendiam graças por todos os favores que recebiam do Altíssimo.

Pois Jesus está no Templo, na festa de sua Dedicação. Se aquele povo tivesse acolhido a pregação de Jesus, entenderia que mais do que aquele Templo, o sinal visível da presença de Deus no meio do seu povo era o próprio Jesus. Que em Jesus, Deus estava reunindo as ovelhas dispersas e amparando os mais sofridos. E que, mais do que os sacrifícios de touros e carneiros que eles ofereciam ali, seria o sacrifício de Jesus, o verdadeiro cordeiro de Deus, a redimir o seu povo dos seus pecados. O próprio Templo. em si mesmo, já era um testemunho sobre Jesus.

Mas, eles estavam de coração fechado para Deus e para a boa notícia do Reino que Jesus estava anunciando. Consideraram que Jesus estava ofendendo a Deus com suas palavras e suas pretensões, chamaram-no de blasfemo e quiseram até apedrejá-lo. Não eram de suas ovelhas. As suas ovelhas ouvem a sua voz.

Nós somos as ovelhas que o Pai encarregou Jesus de cuidar e salvar. Ele nos conhece e nos dá a vida eterna. Nós, suas ovelhas, escutamos sua voz e o seguimos. Ele nos tranquiliza: não nos perderemos e não seremos arrancados de sua mão. E nos diz o porquê: Ele e o Pai são um. Ele manifesta o Pai e com o Pai ninguém pode.

Guardando a mensagem

Na festa da Dedicação do Templo, ficou claro: Mais do que o Templo, Jesus é a presença salvadora de Deus no meio do seu povo. Ele é o bom pastor que dá a vida por nós, suas ovelhas. Ninguém vai nos dispersar, nem nos arrancar de suas mãos. Ele nos revela que o Pai que cuida de nós, nos defende, nos salva, nos constitui seu rebanho. Por nossa causa, ele foi oferecido como se fora um cordeiro imolado no Templo. Por sua ressurreição, o cordeiro tornou-se pastor. Ele é o bom pastor que marcha à nossa frente. Reconheçamos a sua voz. Sejamos seus seguidores. 

Meu Pai, que me deu estas ovelhas, é maior que todos, e ninguém pode arrebatá-las da mão do Pai (Jo 10, 29).

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
Bom pastor de nossas vidas, 
nós te bendizemos pelo amor fiel que te levou ao sacrifício da cruz. Nós te louvamos por seres o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E nós queremos ser fieis a ti em nosso seguimento, acolhendo tuas palavras, unindo-nos como tua Igreja que somos e protegendo e cuidando dos mais frágeis e sofredores. Nós te recomendamos, hoje, especialmente, as pessoas adoecidas pelo coronavírus e suas famílias, para que as renoves na fé e na esperança, sustentando-as na defesa de sua saúde. Abençoa o nosso povo no caminho da democracia e da paz, como também na atenção aos doentes e desempregados. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

A Pastoral da Pessoa Idosa no Brasil lançou um apelo: “Ligar, hoje, para uma pessoa idosa”, para que não se sinta sozinha e abandonada. O bom pastor vai se agradar muito dessa sua ação.

A gente se encontra na live da Oração da Noite, às 22 horas, nas redes sociais: youtube, facebook, instagram e no aplicativo Tempo de Paz.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb


20190512

O BOM PASTOR E O SEU REBANHO

As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem (Jo 10, 27)


12 de maio de 2019. 

E chegamos ao 4º Domingo da Páscoa, o Domingo do Bom Pastor. Duas motivações enchem nossos corações de muita alegria neste domingo: o Dia das Mães a o Dia Mundial de Oração pelas Vocações. 

O evangelho de hoje é bem curtinho. Jesus nos diz que ele é o nosso pastor. Nós somos as ovelhas que o Pai lhe encarregou de cuidar e salvar. Ele nos conhece e nos dá a vida eterna. Nós, suas ovelhas, escutamos sua voz e o seguimos. E nos tranquiliza: não nos perderemos e não seremos arrancados de sua mão. E nos diz o porquê: Ele e o Pai são um. Ele manifesta o Pai e com o Pai ninguém pode.

O contexto dessas palavras de Jesus – João 10 – é a festa da Dedicação do Templo, o aniversário anual da restauração do Templo de Jerusalém. Nela, o povo da aliança celebrava a sua pertença a Deus e a presença de Deus no seu meio. Nas palavras do Mestre, podemos entender que quem, de verdade, manIfesta Deus não é mais o templo, mas ele próprio. Jesus é o novo Templo, o novo santuário. É nele que somos povo de Deus, rebanho do Senhor. Sim, de verdade, ele está conosco, ele nos conduz. Como ovelhas do seu rebanho, ouvimos sua palavra e o seguimos. E Deus nos garante: a perseguição não nos vence. 

O tema da perseguição é um tema atual. No início da semana passada, o Papa Francisco, na Bulgária, falou do ecumenismo de sangue. Disse aos líderes de outras igrejas que, nos de hoje, a perseguição está atingido cristãos e cristãs em várias partes do mundo. Estão perseguindo cristãos de qualquer igreja, desde que queiram, como Jesus, defender os pobres, os presos, os índios, os migrantes. É o ecumenismo de sangue. Nas histórias dos primeiros missionários, a perseguição também esteve presente, como esteve na vida de Jesus. O livro dos Atos dos Apóstolos, conta, por exemplo, como Paulo e Barnabé foram expulsos de Antioquia da Pisídia pelas mulheres ricas e piedosas e homens influentes daquele lugar. Mesmo assim, os discípulos continuaram crescendo, cheios de alegria e do Espírito Santo. No Apocalipse, fala-se de uma multidão de vestes brancas e palmas na mão, sinal de vitória: gente que passou por uma grande tribulação e alvejou suas roupas no sangue do cordeiro. Aliás, aí se diz que o cordeiro agora é o pastor que os conduz para as fontes das águas da vida. Histórias de vitórias e vencedores: a de Cristo pastor que dá a vida na defesa de suas ovelhas, de Paulo e Barnabé que são expulsos da comunidade que eles edificaram, da multidão jubilosa que venceu a grande tribulação. 

Bom, ninguém vai se assustar. Estamos celebrando a páscoa, a passagem vitoriosa de Jesus pela morte. A própria Eucaristia é memorial de sua morte e de sua ressurreição. E de nossa comunhão com este seu sacrifício redentor. No meio de nossas lutas, estamos vitoriosos, com Jesus.

Guardando a mensagem

Neste quarto domingo, Domingo do Bom Pastor, continuamos a celebrar a páscoa. Jesus é o bom pastor que dá a vida por nós, suas ovelhas. Ninguém vai nos dispersar, nem nos arrancar de suas mãos. Jesus manifesta o Pai que cuida de nós, nos defende, nos salva, nos constitui seu rebanho. Por nossa causa, ele foi oferecido como se fora um cordeiro imolado no Templo. Por sua ressurreição, o cordeiro tornou-se pastor. Ele é o bom pastor que marcha à nossa frente. Reconheçamos a sua voz. Sejamos seus seguidores. 

As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem (Jo 10, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 

Bom pastor de nossas vidas, nós te bendizemos pelo amor fiel que te levou ao sacrifício da cruz. Nós te louvamos por seres o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. E nós queremos ser fieis a ti em nosso seguimento, particularmente protegendo e cuidando dos mais frágeis e sofredores. Nós te recomendamos, hoje, especialmente, nossas mães que, à tua imagem, são pastoras dedicadas e sacrificadas pelo bem dos seus filhos e netos. Às mamães falecidas, dá o descanso eterno. Às mamães que caminham conosco, consola-as em suas aflições, fortalecendo a sua fé e a sua esperança. Nós também te recomendamos, hoje, os jovens – eles e elas - que tens chamado para o teu seguimento como missionários, consagrados, religiosos, leigos ou sacerdotes. Que eles imitem a tua entrega e o teu amor de bom pastor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Leia o Evangelho de hoje em sua Bíblia: João 10, 27-30. No versículo 31 tem uma coisa que vai lhe surpreender. Tendo um tempinho a mais, reze o Salmo 23 (22): O Senhor é o meu Pastor!

Pe. João Carlos Ribeiro - 11.05.2019

20180713

COMO OVELHAS NO MEIO DE LOBOS


Sejam, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas (Mt 10, 16)
13 de julho de 2018.
Jesus começou anunciando o nome dos missionários. E prosseguiu com uma série de recomendações. Hoje, temos uma advertência sobre as dificuldades da missão. Missionários somos todos nós, discípulos do Senhor. A nós é confiada a missão, em vários graus e de várias formas. Então, as dificuldades mencionadas por Jesus, nós também vamos encontrar.
O conteúdo da missão nos foi indicado pelo Mestre: “No caminho,  anunciem: ‘O Reino dos Céus está próximo’. Anunciar com palavras e gestos que o Reino de Deus chegou para todos. Anúncio a ser concretizado em quatro tarefas. Curar os enfermos, isto é, restaurar a dignidade humana. Purificar os leprosos, isto é, proclamar o perdão dos pecados pela misericórdia de Deus. Ressuscitar os mortos, isto é, promover a vida. Expulsar os demônios, isto é, denunciar e vencer o mal que domina as pessoas. São essas as quatro tarefas pelas quais anunciamos a proximidade do Reino de Deus na vida das pessoas.
Essa missão comunicada aos doze apóstolos é a missão confiada a toda a Igreja, a todos os seguidores de Jesus. E a gente a realiza com nossa vida cristã, com nossas palavras e ações. E é esse ser cristão e anunciadores de  Cristo no mundo que nos traz problemas, dificuldades, resistências, reações. É neste sentido que Jesus está nos dizendo: “envio vocês como ovelhas no meio de lobos”. O mundo, influenciado pelo poder do mal, não aceita facilmente a mensagem de Cristo. E podemos, como ovelhas no meio de lobos, ser presas fáceis da vaidade, do fascínio do poder e da riqueza, da pressão social, da lógica do mundo. Ou, permanecendo fieis à nossa missão, podemos até sofrer todo tipo de incompreensão, de retaliação, de perseguição.
E Jesus completou: “Sejam prudentes como as serpentes e simples como as pombas”. A serpente do livro do Gênesis, a que levou Adão e Eva ao pecado, foi descrita como o mais astuto dos animais no Jardim do Éden. A conversa que ela teve com Eva, parecia afável e desinteressada... ela soube conduzir bem o diálogo, foi sabida. De verdade, a serpente não se apresenta de qualquer maneira, se esconde, se esquiva, parece planejar bem as suas ações. Talvez seja nesse sentido que Jesus disse: imitem a prudência da serpente ou seja a sua sabedoria. As pombas são criaturas doces, próximas, mansas... chegam pertinho pra comer o que a gente oferece. A orientação do Mestre foi, no exercício da missão que comporta sempre dificuldades, ter a prudência das serpentes e a simplicidade das pombas.  
Vamos guardar a mensagem
Jesus enviou os doze em missão. Com eles, todos nós somos enviados. A missão é proclamar a proximidade do Reino de Deus. Nós a realizamos pelo testemunho de vida, por ações e pelas palavras que proclamamos. As ações estão descritas simbolicamente em quatro tarefas: restaurar a dignidade humana, anunciar o perdão dos pecados, promover a vida e vencer o mal que domina as pessoas. Na realização dessa missão, muitas dificuldades e perseguições podem nos aguardar. Assim, Jesus nos dá essa orientação: ‘tenham a mansidão das pombas e a sagacidade das serpentes’. Trata-se de ser simples, mas não ser bobo.
Sejam, portanto, prudentes como as serpentes e simples como as pombas (Mt 10, 16)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
A descrição que fazes da pressão, das perseguições, dos julgamentos a que poderemos ser submetidos por causa de nossa fé nos assusta. Mas, tu nos tranquilizas de muitos modos. Sobretudo, nos garantes a assistência do Santo Espírito, que nos dará as palavras certas, que tomará a nossa defesa. Senhor, embora a missão não pareça fácil, queremos realizá-la com fidelidade e perseverança até o fim. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
No seu diário espiritual (seu caderno de anotações), responda a esta pergunta: Em que você está precisando ser mais perseverante?

Pe. João Carlos Ribeiro – 13.07.2018

20180423

ESCUTAR, CONHECER E SEGUIR JESUS

As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem (Jo 10, 27)
24 de abril de 2018.
Um grupo rodeou Jesus, no Templo de Jerusalém, e queria que ele confirmasse se ele era mesmo o Messias. Jesus disse: ‘as obras que eu faço dão testemunho de mim. Vocês não acreditam, porque não são minhas ovelhas. As minhas ovelhas escutam minha voz, eu as conheço e elas me seguem’.
Olha que interessante. As ovelhas escutam a voz do pastor, reconhecem a sua voz e o seguem. As que não são do seu rebanho não escutam a sua voz e não o seguem. Aquele grupo não acreditava em Jesus, não escutava sua voz, não o reconhecia pelas obras que fazia, não o seguia.  
Há uma realidade de descrença, de gente que não escuta e não segue Jesus. Não integra o seu rebanho, não faz parte de suas ovelhas. Pela fé, nos aproximamos de Jesus. A fé é um dom de Deus. Mas, um dom, um presente pode não ser recebido, pode ser rejeitado. É que fomos criados na liberdade. Sem liberdade, não há amor. Sem liberdade, não se pode crer, porque crer é uma acolhida incondicional, uma entrega pessoal. Não se pode crer, nem amar por obrigação. Crer é um ato de liberdade.
Há quem realmente não creia. E há muita gente que, mesmo crendo, não permite que sua fé oriente a sua vida. É uma espécie de ateísmo prático. Até crê, mas a fé não é a luz que ilumina os seus passos. Vive como quem não crê, como quem não tem esperança, como quem não conheceu Jesus. Em Jesus, ficamos sabendo que Deus nos ama e o enviou para nos resgatar, nos conduzir para a vida plena. E, sobre isso, não podemos ficar indiferentes. Essa novidade pode mudar a nossa vida, pode ser uma revolução em nossa existência.
Não basta que Jesus seja o bom pastor e nos conheça e dê sua vida por nós. É necessário que nós, em resposta a esse amor do bom pastor escutemos a sua voz e, na fé, o sigamos. Ele disse: “As minhas ovelhas escutam a minha voz”. É preciso ouvir a sua voz. A oração diária do povo de Jesus incluía uma passagem do livro do Deuteronômio: “Ouve, Israel, o Senhor teu Deus é o único Senhor”. Ouve, Israel. É preciso escutar. A fé é a nossa resposta ao que ouvimos. O salmo 94 traz uma chamada de atenção: “Oxalá vocês ouçam hoje a sua voz”. A palavra nos pede para não fechar o coração como o povo antigo que tanto entristeceu a Deus por sua desobediência. “Oxalá vocês ouçam hoje a sua voz”.
Vamos guardar a mensagem
Escutar a voz do bom pastor é reconhecê-lo como orientação da própria vida, é assumir a sua palavra como guia de sua existência. Foi exatamente isso que Maria disse aos serventes nas Bodas de Caná: “Façam tudo o que ele disser a vocês”. O que Jesus diz, precisamos escutar, acolher, praticar. Isso é escutar a sua voz e segui-lo.
As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem (Jo 10, 27)
Vamos rezar a Palavra

Senhor Jesus,
Infelizmente, hoje, como no teu tempo, há muita gente que não te escuta de verdade. Uns permanecem indiferentes à tua voz, à tua Palavra;  não a distinguem no meio de tantas vozes do mundo de hoje. Outros te escutam com ouvido de mercador: não te levam em conta, não te ouvem com seriedade; não se deixam conquistar pelo amor de Deus que tu anuncias. Mas, que bom que muitos te escutam e te seguem. Peço-te, Senhor, que eu e minha casa estejamos sempre no número dos que te ouvem, te conhecem e te seguem. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vamos viver a Palavra

Minha sugestão é que você transcreva e reze a oração que Jesus rezava todo dia: Deuteronômio 6, 4-9. Ela começa convidando o povo de Deus a escutar, a ouvir uma coisa muito importante.

Pe. João Carlos Ribeiro – 24.04.2018

20180421

O BOM PASTOR, NOSSO GUIA E MODELO

Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas (Jo 10, 11) 



22 de abril de 2018. 


Assaltantes, estranhos, ladrões. Três tipinhos desinteressantes. Jesus referiu-se a eles em oposição ao que deve ser um bom pastor. São três tentações para quem pastoreia, para quem exerce liderança na Igreja e na sociedade. O assaltante pula o muro, não entra pela porta. O estranho não conhece, nem é conhecido. O ladrão se aproveita, arranca o que pode, tira a vida. 

O tema é o pastor, o bom e o mau pastor. Por isso, esse Domingo do Bom Pastor é o dia mundial de oração pelas vocações. Rezamos para que não faltem pastores e para que os pastores sejam bons. Em sua mensagem para esta data, o Papa Francisco escreveu: “A vocação é hoje! A missão cristã é para o momento presente! E cada um de nós é chamado – à vida laical no matrimônio, à vida sacerdotal no ministério ordenado, ou à vida de especial consagração – para se tornar testemunha do Senhor, aqui e agora”. 

Somos todos missionários. Todos nós temos responsabilidade no pastoreio do rebanho de Deus. Pais e mães, educadores, catequistas, coordenadores, animadores, bispos, padres, diáconos, homens públicos, lideranças comunitárias somos todos pastores na família, no ambiente de trabalho, nas comunidades, na igreja, na sociedade. Ser pastor é cuidar do rebanho. Podemos ser maus pastores ou bons pastores como Jesus foi e é. 

O bom pastor entra pela porta, não pula o muro. Quem pula o muro é o assaltante. Que porta é essa? A porta do redil, a porta do cercado onde estão as ovelhas de noite. Jesus entrou em nossa história pela porta. Não caiu de paraquedas. Ele, sendo Deus, abaixou-se e fez-se um de nós, convivendo conosco, andando pelos nossos caminhos, conversando as nossas conversas. É o que nós chamamos de encarnação. O apóstolo João escreveu: “O verbo se fez carne e habitou entre nós”. Pastor pra valer tem que ser como Jesus. Entra pela porta: a porta do coração (porque ama e se aproxima das pessoas), a porta da convivência (que gera conhecimento e confiança), a porta da encarnação. Ele chama as ovelhas pelo nome, pois as conhece. 

O bom pastor não é um estranho, a sua voz é conhecida pelas ovelhas. Ao estranho, elas não seguem, não reconhecem sua voz, não confiam nele. A convivência, a aproximação, o conhecimento recíproco geram confiança. Ele vai à frente e é seguido pelas ovelhas. É assim que ele as conduz: caminha à sua frente. O Espírito Santo é quem nos faz íntimos de Jesus. Quanto mais conhecemos Jesus, mais o amamos, o compreendemos e o seguimos. 

O bom pastor comunica a vida às suas ovelhas, não é como o ladrão que se aproveita delas. O bom pastor se sacrifica por elas. Ladrão não, só vem para roubar, matar e destruir. O bom pastor comunica a vida. E como é que o pastor Jesus comunica a vida? Por sua presença, por sua pregação, e, sobretudo, por sua vida entregue na cruz. O ladrão se aproveita do rebanho. O bom pastor, renunciando aos seus interesses pessoais, sacrifica-se pelo rebanho. 

Vamos guardar a mensagem 

Nas famílias, nos ambiente de trabalho, nas comunidades, na sociedade somos também pastores, em funções de liderança. Como nos diz a primeira carta de Pedro, reconheçamos Jesus como pastor e guarda de nossas vidas. E o imitemos em nosso pastoreio. Não lideremos como assaltantes, nem como estranhos, nem como ladrões.  Não pulemos o muro, entremos pela porta da convivência, da amizade, da solidariedade. Alcancemos ser reconhecidos em nossa liderança não pelos gritos que possamos dar, mas pela confiança que despertemos. Esforcemo-nos para levar o rebanho para boas pastagens, para a vida em abundância. Isso exige sacrifício de nossa parte, renúncia, fidelidade. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas. O ladrão só quer se aproveitar delas. 

Eu sou o bom pastor. O bom pastor dá a vida por suas ovelhas (Jo 10, 11) 

Vamos rezar a Palavra 

Senhor Jesus,
divino Mestre, que chamaste os apóstolos para caminhar contigo, continua a passar pelas nossas famílias e comunidades. Desperta corações generosos para te seguir como apóstolos leigos, como ministros ordenados, como religiosos e religiosas, servidores voluntários do povo de Deus e de toda a humanidade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vamos viver a Palavra 

O tema deste dia mundial de oração pelas vocações é “Escutar, discernir, viver a chamada do Senhor». Hoje, reze pelas vocações. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 22.04.2018

20180304

ESTE ANO, VOCÊ VAI A JERUSALÉM?



MEDITAÇÃO PARA O DOMINGO 04 DE MARÇO DE 2018.

Destruam esse Templo e em três dias eu o levantarei (Jo 2, 19)

Olha, tem muita gente passando por essa rua, é gente que não se acaba mais. Quase todo mundo a pé, alguns puxando um jumento carregado, crianças, adultos, muita gente. Olha lá, tem uns tangendo carneiros, ovelhas...  Pequenos grupos, famílias inteiras, vizinhos de sítio,  todos subindo  a Jerusalém. O que estão indo fazer? Estão indo para a festa da páscoa. Todo ano é assim. Milhares de peregrinos vão para a grande festa da páscoa. É a maior festa religiosa do ano. E você não vai? Então, se arrume logo, porque não podemos nos atrasar. E leve algum dinheiro, porque a festa dura vários dias.

Pode perguntar. Enquanto você se arruma, dá tempo a gente conversar. Ah, por que estão levando carneiros? Porque é a festa da páscoa! O quê? ‘Tá, ‘tá... eu lhe explico. A páscoa comemora a libertação do nosso povo da escravidão do Egito. O grande momento da páscoa é a refeição em que, em família, a gente come o carneiro assado, com pão ázimo, ervas, recordando as histórias daquela noite em que o anjo da morte passou e feriu os primogênitos do Egito. Cada família do povo de Deus tinha sacrificado um cordeiro e ungido os portais de suas casas com o seu sangue. Foi naquela noite que Faraó foi forçado a liberar o nosso povo do seu domínio. Foi a noite santa da páscoa.

Tudo arrumado?  Então, vamos. Como é a sua primeira vez, vou lhe dizer o que a gente vai encontrar lá. O ponto de chegada dos peregrinos é o Templo. E tem bastante coisa pra se fazer no Templo.  Primeira coisa: pagar o imposto anual da casa de Deus. Está levando dinheiro? Ah, mas esse dinheiro não serve não... esse dinheiro é dinheiro de origem pagã. Bom, chegando lá, você vai ter que trocá-lo. Nem se preocupe, tem cambistas à vontade no Templo. Eles trocam essas moedas impuras por moedas do Templo, dinheiro puro. Mas, claro, no câmbio, eles acrescentam um jurozinho. No Templo, você também vai fazer suas devoções, oferecer sacrifícios de expiação para se purificar dos seus pecados. Tá com muito dinheiro? Se tivesse aí uma boa nota, podia comprar um boi pra oferecer. Ah, nem se preocupe, os sacerdotes e os levitas sangram o boi, e queimam as gorduras em homenagem a Deus. Agora, seu dinheiro é pouco, só vai dar pra oferecer uma pombinha. Deus não se incomoda, nem se preocupe. No Templo, também se pode escutar as explicações dos Mestres da Lei ou discutir com eles os assuntos das Escrituras. Agora, o mais importante é fazer o sacrifício do cordeiro pra gente comer a páscoa com nossos parentes. Ah, não, não precisa levar carneiro não. A gente compra lá. Lá tem boi, ovelhas, pombas, tudo. Tranquilo, a gente compra lá. Mas, claro, tem que trocar o dinheiro pra comprar o carneiro. Os sacerdotes vão sangrar o cordeiro e a gente leva pra casa dos parentes pra assar.

É uma emoção a gente entrar na cidade santa de Jerusalém. Olha os portões da cidade, que coisa grandiosa, que emoção dá na gente. E o Templo, gente?! Magnífico, alto, grande,  muitos corredores e pátios, parece um grande mercado. Um mercado santo, pera aí. Gente de todo o país e judeus de fora também estão por aqui. Hei, cuidado! O que está acontecendo? Que barulho é esse? Corre, saí da frente. Os bois estão soltos. As ovelhas também. Houve alguma coisa, tá um desespero. Ei, amigo, o que está havendo? Esse profeta Jesus... ele endoidou. Fez um chicote de cordas e expulsou os animais, os vendedores, derrubou as mesas dos cambistas, um desmantelo... E desafiou os sacerdotes do Templo. Deus Santo de Israel, tende misericórdia!  Se ele disse alguma coisa, disse. Disse que podiam destruir o Templo, que ele iria reconstruir em três dias. Que loucura! ‘Podem destruir esse Templo, em três dias eu o levantarei’. Vá entender esses profetas de hoje, cada um mais doido do que o outro. Desculpe, estou procurando minha mulher. Dê licença.

Calma, vamos pedir um pouco de água e ver o que está acontecendo. Vamos sentar aqui na escadaria. Senta aí. O que será que houve? Por que o profeta de Nazaré disse isso? “Podem destruir esse Templo, em três dias eu o levantarei”. Estou pensando o seguinte: Vai ver esse profeta é o Messias. O profeta Zacarias tinha falado que quando chegasse o Messias esse comércio no Templo ia se acabar. Ele iria limpar isso tudo. Mas, por quê? Quem sabe, esse idoso aí do seu lado talvez saiba. O senhor, meu velho, conhece Jesus? Tem acompanhado ele, não diga! Por que ele fez isso? ... Eu, eu sei, ele está falando baixinho, tranquilo. Eu lhe repasso depois.

Obrigado, venerando ancião. O Deus de Israel seja bendito, shalom! ... Vem cá. Ele disse que Jesus soltou os animais, porque não há mais necessidade do sacrifício deles. Os sacrifícios do Templo criam a imagem de uma religião que promove uma espécie de comércio: compra o perdão e a bênção de Deus com a oferta da vida de animais. Acabou isso. O sacrifício que vai valer agora, pelo qual o Senhor Deus vai perdoar os pecadores, será o sacrifício do cordeiro pascal. Ele disse que o profeta soltou as ovelhas e os carneiros, porque o cordeiro da páscoa que vai ser imolado é ele mesmo. Parece o Templo agora é ele mesmo. Essa eu não entendi. Pode ser morto, destruído. Mas, vai ser restaurado em três dias. Esse pedaço, o ancião não soube me explicar.

Olha, sei não, esse Jesus vai se dar mal. Ele mexeu no coração da religião do Templo, nos sacrifícios de animais que tanto dinheiro traz para os donos dos animais (os anciãos), os cambistas, os sacerdotes, os saduceus que comandam o Templo. A festa da páscoa é a festa da vitória contra a escravidão, celebrada na refeição do cordeiro, eu já lhe disse isso. E pelo que ele disse, nenhum animal precisa ser mais sacrificado. Você viu falar do profeta João Batista que Herodes mandou matar? Quando ele apresentou Jesus ao povo, ele disse que Jesus é o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo.

Destruam esse Templo e em três dias eu o levantarei (Jo 2, 19)

Vamos acolher a mensagem

Senhor Jesus,
O teu gesto de expulsar os vendedores, desmantelar aquela feira de animais e os postos de troca de moedas  foi uma atitude típica dos profetas. Estavas assim inaugurando um novo tempo na religião do teu povo.  Com esse gesto, anunciavas o fim do tempo dos sacrifícios de animais. A vítima para o sacrifício eras tu mesmo, o cordeiro imolado em nosso favor. Deixaste o Templo de Jerusalém sem sua função. O verdadeiro lugar do encontro com Deus e do perdão dos pecadores não era mais o Templo de pedra, mas a tua pessoa de filho de Deus. Tu és o Templo, onde o pecador encontra o perdão de Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vamos viver a Palavra

Não tem jeito, você precisa ler hoje, na sua Bíblia, o evangelho deste terceiro domingo da Quaresma: João 2, 13-25. E, se achar útil, compartilhe a meditação com outras pessoas.

Pe. João Carlos Ribeiro – 03.03.2018

20160409

O Domingo de Pedro

Jesus disse-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas (Jo 21, 17).

Nós estamos vivendo e celebrando o tempo da páscoa, meditando sobre a força da ressurreição de Jesus em nossa vida. Hoje é o terceiro domingo da páscoa. Domingo passado, Tomé era o personagem que chamou a nossa atenção, quando o assunto foi a fé no ressuscitado. “Felizes os que crerem, sem terem visto”.  Se o segundo domingo da páscoa, foi o de Tomé, podemos dizer, que o terceiro domingo é o de Pedro. Basta contar quantas vezes Pedro é citado no texto: 12 vezes. 12 vezes. É de Pedro a iniciativa de pescar; é Pedro quem se veste e se atira ao mar;  é ele quem arrasta a rede para a terra; é com ele, o  diálogo de Jesus. Este é o domingo de Pedro.

20120627

Pedro pedra


Essa semana tem festa de São Pedro, o Simão Pedra. O Pedro das chaves. O confessor da fé no Jesus Messias. O discípulo que não queria que Jesus lhe lavasse os pés. O Pedro das três negações. O Pedro do galo. O Senhor São Pedro de muitas histórias da cultural popular oral. O padroeiro dos pescadores, festejado em centenas de Colônias por toda a orla marítima do país.

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...