PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: águas mais profundas
Mostrando postagens com marcador águas mais profundas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador águas mais profundas. Mostrar todas as postagens

O SEGREDO DA PESCARIA ABUNDANTE






06 de fevereiro de 2022

5º Domingo do Tempo Comum

EVANGELHO


Lc 5, 1-11

Naquele tempo, 1Jesus estava na margem do lago de Genesaré, e a multidão apertava-se ao seu redor para ouvir a palavra de Deus.
2Jesus viu duas barcas paradas na margem do lago. Os pescadores haviam desembarcado e lavavam as redes.
3Subindo numa das barcas, que era de Simão, pediu que se afastasse um pouco da margem. Depois sentou-se e, da barca, ensinava as multidões.
4Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança para águas mais profundas, e lançai vossas redes para a pesca”.
5Simão respondeu: “Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos. Mas, em atenção à tua palavra, vou lançar as redes”.
6Assim fizeram, e apanharam tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. 7Então fizeram sinal aos companheiros da outra barca, para que viessem ajudá-los. Eles vieram, e encheram as duas barcas, a ponto de quase afundarem.
8Ao ver aquilo, Simão Pedro atirou-se aos pés de Jesus, dizendo: “Senhor, afasta-te de mim, porque sou um pecador!”
9É que o espanto se apoderara de Simão e de todos os seus companheiros, por causa da pesca que acabavam de fazer.
10Tiago e João, filhos de Zebedeu, que eram sócios de Simão, também ficaram espantados. Jesus, porém, disse a Simão: “Não tenhas medo! De hoje em diante tu serás pescador de homens”.
11Então levaram as barcas para a margem, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

MEDITAÇÃO


Avance para águas mais profundas (Lc 5, 4)

Domingo, dia do Senhor. Em Angola, na missão salesiana de Calulo, final da Missa das sete horas da manhã (missa campal, porque o povo não cabe na Igreja), o povo sentado em banquinhos ou pelas encostas do morro. A comunhão tinha terminado. Crianças e jovens ainda chegariam para a Missa das dez horas. Ali, estavam só adultos e idosos. O povo estava cantando, em ação de graças, ao som de batuques e palmas, em tom moderado, numa participação muito boa, para o nosso padrão. Levantou-se um catequista, um senhor de meia idade, pegou o microfone e não esperou que o canto terminasse. “O que é que está havendo, meu povo? Hoje é domingo. Hoje é o dia do Senhor, o dia da ressurreição. Hoje é o nosso dia! Júbilo, meu povo!”. Menino, aquilo deu um gás naquela assembleia de gente pobre, trajada de roupas coloridas, pelas oito e meia da manhã... Os atabaques alçaram o tom, o ritmo das palmas se fez marcante, o povo cantou e dançou com um entusiasmo surpreendente... A poeira subiu no terreiro da Igreja. A Missa virou uma festa.

Domingo, o nosso dia! Um dia de festa, de júbilo. Dia em que nos sentamos na grande casa de Deus, para ouvir as coisas lindas de nossa fé. E encher o nosso coração de alegria no encontro com o próprio Jesus ressuscitado. E festejar, pois estamos ressuscitados com ele.

Escute só a linda palavra de hoje. Jesus estava na margem do Mar da Galileia, o grande lago de água doce também chamado Mar de Genesaré. E muita gente tinha se juntado para escutar a Palavra de Deus, como conta o evangelista Lucas. Jesus viu duas barcas e subiu na de Simão, para falar ao povo. Como os mestres do seu tempo, sentou-se e começou a ensinar. Quando terminou, mandou os pescadores pescarem em águas mais profundas, isto é, lançar as redes num lugar mais afastado e mais fundo. Simão explicou que tinham passado a noite toda pescando, sem conseguir nada. Mas, em atenção à sua palavra, iria assim mesmo. E foi. A barca de Pedro pegou tanto peixe que já estava afundando. Pediram ajuda do outro barco. Diante dessa maravilha de pescaria, Simão Pedro, diante de Jesus, se achou um grande pecador. Mas, Jesus disse que, daí pra frente, ele seria pescador de gente. Eles levaram as barcas para a praia, deixaram tudo e seguiram a Jesus.

Uma linda história que aparentemente tem pouco a ver com você. Mas, tem tudo a ver com a sua vida, com a minha, com a nossa vida. A narração tem quatro etapas: vida fracassada - palavra de Deus - vida abundante - missão. Os pescadores tinham passado a noite toda trabalhando, sem conseguir nada (vida fracassada). Naquela manhã, estão ouvindo a pregação de Jesus que está anunciando o Reino (Palavra de Deus). Obedecendo à palavra de Jesus, alcançam o grande êxito de uma pescaria surpreendente (vida abundante). Reconhecem sua condição de pecadores diante de Jesus e recebem dele a missão de participar de sua missão, serem pescadores de gente (missão).

Jesus nos encontra em nossa condição de fragilidade, fracasso, infertilidade. Resultado do pecado que está em nós ou cristalizado nas estruturas sociais. Estamos de mãos vazias, depois de uma noite de trabalho em alto mar. Jesus vem ao nosso encontro e nos fala do amor de Deus, do seu reinado no mundo, do sentido de nossas vidas em Deus, da grandeza de nossa dignidade de filhos de Deus. Essa palavra nos impulsiona a realizar a nossa vida com uma nova qualidade, com nova energia, com novo sentido. Em adesão a esta Palavra, à ação do Espírito Santo que torna a palavra viva e eficaz, voltamos ao nosso dia-a-dia, à nossa família, ao nosso trabalho, às nossas práticas religiosas, aos nossos compromissos. Viver e trabalhar orientados por Deus dá um novo sabor à nossa pescaria. Os resultados são outros, são surpreendentes. Pescamos não mais nas beiradas, nas partes rasas, mas em águas profundas. Deixamos uma existência superficial, medíocre, sob a ditadura da aparência, para um mergulho mais profundo: na vida de família, no trabalho, em nossa vivência religiosa, em todos os nossos compromissos. Nesta altura, o Senhor nos faz participantes de sua própria missão, nos fazendo missionários, pescadores com ele.


Guardando a mensagem

Os pescadores de duas barcas estavam na praia lavando as redes, depois de uma noite de pescaria fracassada. Jesus, sentado na barca de Simão, anuncia a boa notícia do amor de Deus, prega a Palavra. Depois, os manda pescar em águas mais profundas. Eles, em obediência à sua palavra, vão e trazem as barcas cheinhas de peixes. A Simão que mostra reconhecimento de sua condição de pecador, Jesus convida para o seu seguimento e para ser pescador de gente. Eles são os primeiros discípulos. Deixaram tudo e seguiram a Jesus. De pescaria fracassada, você entende bem. Uma vida sem profundidade não gera felicidade. Só em Deus, podemos viver bem o casamento, o trabalho, o tempo do lazer, a nossa vida toda. Só guiados por Deus, pescando em águas profundas, podemos encontrar uma vida abundante, cheia de sentido e de luz. A quem vive essa experiência de comunhão com o Senhor, ele dá a graça de participar com ele de sua missão, de ser pescador também, de ajudar outras pessoas a encontrarem sentido para sua vida.

Avance para águas mais profundas (Lc 5, 4)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Aquela comunidade da missão de Calulo, em Angola, em cada manhã de domingo, reencontra-se, na margem do Mar da Galileia, com Jesus, sentado na barca de Pedro. Lá, eles ouvem a Palavra que revela a sua grandeza de filhos de Deus, o sentido de sua vida vivida na profundidade da comunhão com Deus, a beleza da solidariedade que os faz levar o peso um dos outros em sua vida tão difícil. Assim, se alegram tanto, cantam e dançam com tanto fervor. Sentem que, mesmo enfrentando uma pobreza tão grande, já estão ressuscitados, vitoriosos com Cristo. Senhor, hoje, queremos nos unir espiritualmente a esta comunidade, ou melhor, queremos nos unir à tua Igreja, que em qualquer terreno, capela ou catedral hoje canta de alegria porque o encontro com o Senhor enche nossa vida de esperança e alegria e voltamos para nossa pescaria com outro ânimo, com outro espírito. Obrigado, Senhor, pelo dom de tua Palavra, pela graça que nos alcança em nossa pequenez, em nossa condição de pecadores. E obrigado por nos fazeres pescadores, contigo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

O fruto mais precioso dessa Palavra, você já captou: a sua participação na Santa Missa de hoje. Se isto não for mesmo possível, acompanhe devotamente a Missa pelo rádio ou pela televisão.

Desejando aprofundar um pouco mais a mensagem de hoje, estou deixando no final da Meditação de hoje, em meu blog: “OS SETE PASSOS DA PESCARIA ABUNDANTE”. É só acessar www.padrejoaocarlos.com ou clicar no link que estou lhe enviando.

Pe. João Carlos Ribeiro, SDB


OS SETE PASSOS 

DA PESCARIA ABUNDANTE


No evangelho de Lucas, que estamos lendo hoje, Lucas 5, 1-11, podemos identificar sete passos no encontro dos primeiros discípulos com Jesus. Esses passos podem ser os seus também.

PRIMEIRO PASSO

Depois de uma noite de fracasso, eles estão lavando as redes, na praia. São pescadores de duas barcas. Trabalham juntos no Mar da Galileia. É curioso que eles estejam no mesmo local em que o povo se apinhou para ouvir Jesus. Então, eles e o povo estão na mesma situação. Todos vêm de uma noite de fracasso e frustração.

SEGUNDO PASSO

Ouvem atentamente o ensinamento de Jesus. O Mestre está sentado na barca de Simão, ensinando ao povo. É a palavra de Deus que ele proclama. Ele está sempre falando do Reino de Deus que chegara, uma forma de falar do grande amor de Deus que abraça os seus filhos dispersos, querendo reuni-los como os pais reúnem seus filhos numa refeição festiva de família.

TERCEIRO PASSO

Simão adere à Palavra de Jesus. A palavra de Jesus torna-se uma orientação clara para eles: pescar em águas profundas. Simão explica, como pescador experiente daquele lago, que passaram a noite toda e nada conseguiram. Mas, diz que vai obedecer à sua palavra, vai lançar as redes em águas profundas. E vai mesmo, com a sua barca, a que Jesus estava nela. A outra barca não foi.

QUARTO PASSO

A barca de Pedro pegou tanto peixe, que as redes já estavam para se romper. Chamaram a outra barca para ajudar. Os dois barcos ficaram tão cheios que quase afundaram de tanto peso. Foi uma experiência maravilhosa. O mar era o mesmo. O que mudou foi que agora estavam agindo em obediência à palavra de Jesus.


QUINTO PASSO

O espanto tomou conta de todos. O espanto de que aqui se fala é aquele sentimento de temor diante da grandeza de Deus que ali se manifestou. Isaías ficou tomado desse espanto, desse medo, desse temor sagrado, quando, em visão, se viu diante do trono de Deus. Nessa condição, seja Isaías, seja Pedro, reconhece sua indignidade, sua condição de pecador.

SEXTO PASSO

Jesus tranquiliza Pedro e lhe confia a missão: “Não tenhas medo! De hoje em diante, tu serás pescador de homens”. Jesus, na barca, orientando a pesca é o divino pescador. Ele acaba de resgatar aqueles homens de uma vida fracassada. Agora, quer que eles também façam como ele, resgatem outros para a vida abundante.

SÉTIMO PASSO

Eles deixam tudo e seguem a Jesus. Tornam-se os primeiros seguidores, os primeiros discípulos do Mestre. Esta resposta radical, generosa, pronta é um modelo para todos os outros seguidores de Jesus, para nós. E está narrada em três movimentos: levam as barcas para a margem, deixam tudo e seguem a Jesus. Deixaram tudo que lhes parecia importante na vida. Dão o primeiro lugar a Jesus. No seguimento de Jesus, sempre precisamos renunciar a muita coisa que nos parece importante, para colocar Jesus e seu evangelho no lugar mais importante de nossa vida.

Você pode repassar esses sete passos e conferir o seu caminho com Jesus. Você também se encontrou com Jesus. E esse encontro pode mudar sua vida, se já não mudou. A mudança é na qualidade de vida: passar da vida superficial, epidérmica para a vida de comunhão com o Senhor, com a sua graça. Pescar em águas profundas!

Um bom domingo.

Pe. João Carlos Ribeiro SDB

PORQUE NÃO ESTÁ DANDO CERTO

Em atenção à tua palavra, vou lançar as redes (Lc 5,5)
05 de setembro de 2019.
“Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos”. Experiência de muita gente. Você se mata de trabalhar, corre pr’um lado, corre pro outro, e não vê crescimento, não vê perspectiva no que está fazendo. A experiência dos pescadores no lago da Galileia resume bem isso. Eles passaram a noite toda pescando, remando, lançando rede, puxando rede, expostos ao vento frio... voltaram do mar ao raiar do dia, cansados, enfadados, sonolentos... e com as mãos vazias. Não conseguiram nada. É o retrato do fracasso, da luta inglória de tanta gente que, apesar do esforço, do trabalho duro, não vê as coisas irem pra frente, progredirem, melhorarem. Isso acontece no trabalho, na família, no país e na vida cristã também.
Jesus escolheu um daqueles barcos parados e subiu nele para falar ao povo reunido na praia. Sentou-se, como faziam os Mestres daquele tempo. Interessante é que ele escolheu a  barca de Pedro, o líder daquele grupo de pescadores que tinham voltado do mar de mãos abanando. Ali, na barca, Jesus proclamou a Palavra de Deus. Depois, mandou o grupo de Pedro voltar ao mar, pescar de novo, mas dessa vez em águas mais fundas. Mas, olha só. Jesus não era pescador, era carpinteiro. Sabia fazer algum móvel rústico ou a cobertura de uma casa, não sabia nada de pescaria. É claro que os pescadores não acharam aquilo razoável. Pedro mesmo disse logo que eles já tinham passado a noite toda pescando... e não conseguiram nada. O mar não estava pra peixe. Mas, Jesus insistiu: “vão para águas mais profundas e lancem as redes”. Xi.. e agora: Vão ou não? Se eles forem, irão por alguma razão que não está na lógica humana... eles sabem que que não iam conseguir nada. Se forem, irão em atenção  ao próprio Jesus, em confiança na sua palavra. “Como é, a gente vai?, devem ter se perguntado”. Só foi uma barca, a de Pedro. A outra não foi. Pedro e seus companheiros foram e pegaram tanto peixe que quase afundaram o barco. Foi preciso chamar o outro barco para ajudar a trazer os peixes.
Olha que cena maravilhosa. Não tinham pescado nada, a noite toda. Mas agora, tinham feito uma pescaria fantástica. O que mudou? Eles pescaram do mesmo jeito, não houve uma técnica nova. Com certeza, voltaram ao mesmo lugar onde já tinham estado. O que houve de novo? Vamos dizer assim: Eles foram seguindo a indicação de Jesus. A pescaria foi um gesto de obediência à palavra de Jesus. Permitiram que Jesus orientasse o seu trabalho. Isso é que é pescar em águas profundas. Não eram apenas trabalhadores esforçados realizando uma tarefa, eram trabalhadores orientados por Jesus, guiados por sua palavra, agindo na confiança em Deus.
Guardando a mensagem
Bom, talvez seja isso que esteja faltando na sua vida. Você corre muito, já está ficando de cabelo branco, planta muito e colhe pouco, trabalha exaustivamente e quase não vê nada prosperar. Está faltando alguma coisa, não acha? Jesus diria: você está precisando pescar em águas mais profundas. Deixar-se orientar por Deus. Agir em obediência à sua palavra.  Trabalhar em sintonia e em comunhão com o Senhor. Aí pode ter certeza, a sua pescaria vai ser surpreendente. A família que você está construindo vai ser uma bênção. A missão vai dar muitos frutos.
Em atenção à tua palavra, vou lançar as redes (Lc 5,5)
Rezando a palavra
Senhor Jesus, 
Longe de tua graça, as coisas não dão certo mesmo. Muita coisa não vai bem em nossa vida, porque nos distanciamos de ti. Quando não estamos realizando nossa vida como adesão à tua vontade, o que colhemos é cansaço, fracasso. Pedro e seus companheiros, em atenção à tua palavra, conseguiram uma pescaria abundante. Como disseste: “Busquem em primeiro lugar o Reino de Deus,  e tudo o mais lhes será dado em acréscimo”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Desejando aprofundar um pouco mais a mensagem de hoje, estou deixando no final da Meditação, em meu blog: “OS SETE PASSOS DA PESCARIA ABUNDANTE”. É só acessar www.padrejoaocarlos.com ou clicar no link que estou lhe enviando. 
Pe. João Carlos Ribeiro, SDB – 05 de setembro de 2019.


OS SETE PASSOS DA PESCARIA ABUNDANTE

No evangelho de Lucas, que estamos lendo hoje, Lucas 5, 1-11, podemos identificar sete passos no encontro dos primeiros discípulos com Jesus. Esses passos podem ser os seus também. 

PRIMEIRO PASSO

Depois de uma noite de fracasso, eles estão lavando as redes, na praia. São pescadores de duas barcas. Trabalham juntos no Mar da Galileia. É curioso que eles estejam no mesmo local em que o povo se apinhou para ouvir Jesus. Então, eles e o povo estão na mesma situação. Todos vêm de uma noite de fracasso e frustração. 

SEGUNDO PASSO

Ouvem atentamente o ensinamento de Jesus. O Mestre está sentado na barca de Simão, ensinando ao povo. É a palavra de Deus que ele proclama. Ele está sempre falando do Reino de Deus que chegara, uma forma de falar do grande amor de Deus que abraça os seus filhos dispersos, querendo reuni-los como os pais reúnem seus filhos numa refeição festiva de família.

TERCEIRO PASSO

Simão adere à Palavra de Jesus. A palavra de Jesus torna-se uma orientação clara para eles: pescar em águas profundas. Simão explica, como pescador experiente daquele lago, que passaram a noite toda e nada conseguiram. Mas, diz que vai obedecer à sua palavra, vai lançar as redes em águas profundas. E vai mesmo, com a sua barca, a que Jesus estava nela. A outra barca não foi.

QUARTO PASSO

A barca de Pedro pegou tanto peixe, que as redes já estavam para se romper. Chamaram a outra barca para ajudar. Os dois barcos ficaram tão cheios que quase afundaram de tanto peso. Foi uma experiência maravilhosa. O mar era o mesmo. O que mudou foi que agora estavam agindo em obediência à palavra de Jesus. 

QUINTO PASSO

O espanto tomou conta de todos. O espanto de que aqui se fala é aquele sentimento de temor diante da grandeza de Deus que ali se manifestou. Isaías ficou tomado desse espanto, desse medo, desse temor sagrado, quando, em visão, se viu diante do trono de Deus. Nessa condição, seja Isaías, seja Pedro, reconhece sua indignidade, sua condição de pecador. 

SEXTO PASSO

Jesus tranquiliza Pedro e lhe confia a missão: “Não tenhas medo! De hoje em diante, tu serás pescador de homens”. Jesus, na barca, orientando a pesca é o divino pescador. Ele acaba de resgatar aqueles homens de uma vida fracassada. Agora, quer que eles também façam como ele, resgatem outros para a vida abundante. 

SÉTIMO PASSO

Eles deixam tudo e seguem a Jesus. Tornam-se os primeiros seguidores, os primeiros discípulos do Mestre. Esta resposta radical, generosa, pronta é um modelo para todos os outros seguidores de Jesus, para nós. E está narrada em três movimentos: levam as barcas para a margem, deixam tudo e seguem a Jesus. Deixaram tudo que lhes parecia importante na vida. Dão o primeiro lugar a Jesus. No seguimento de Jesus, sempre precisamos renunciar a muita coisa que nos parece importante, para colocar Jesus e seu evangelho no lugar mais importante de nossa vida. 

Você pode repassar esses sete passos e conferir o seu caminho com Jesus. Você também se encontrou com Jesus. E esse encontro pode mudar sua vida, se já não mudou. A mudança é na qualidade de vida: passar da vida superficial, epidérmica para a vida de comunhão com o Senhor, com a sua graça. Pescar em águas profundas! 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb


O SEGREDO DA PESCARIA ABUNDANTE

Avance para águas mais profundas (Lc 5, 4)


10 de fevereiro de 2019.

Domingo, dia do Senhor. Em Angola, na missão salesiana de Calulo, final da Missa das sete horas da manhã (missa campal, porque o povo não cabe na Igreja), o povo sentado em banquinhos ou pelas encostas do morro. A comunhão tinha terminado. Crianças e jovens ainda chegariam para a Missa das dez horas. Ali, estavam só adultos e idosos. O povo estava cantando, em ação de graças, ao som de batuques e palmas, em tom moderado, numa participação muito boa, para o nosso padrão. Levantou-se um catequista, um senhor de meia idade, pegou o microfone e não esperou que o canto terminasse. “O que é que está havendo, meu povo? Hoje é domingo. Hoje é o dia do Senhor, o dia da ressurreição. 

Hoje é o nosso dia! Júbilo, meu povo!”. Menino, aquilo deu um gás naquela assembleia de gente pobre, trajada de roupas coloridas, pelas oito e meia da manhã... Os atabaques alçaram o tom, o ritmo das palmas se fez marcante, o povo cantou e dançou com um entusiasmo surpreendente... A poeira subiu no terreiro da Igreja. A Missa virou uma festa. 

Domingo, o nosso dia! Um dia de festa, de júbilo. Dia em que nos sentamos na grande casa de Deus, para ouvir as coisas lindas de nossa fé. E encher o nosso coração de alegria no encontro com o próprio Jesus ressuscitado. E festejar, pois estamos ressuscitados com ele. 

Escute só a linda palavra de hoje. Jesus estava na margem do Mar da Galileia, o grande lago de água doce também chamado Mar de Genesaré. E muita gente tinha se juntado para escutar a Palavra de Deus, como conta o evangelista Lucas. Jesus viu duas barcas e subiu na de Simão, para falar ao povo. Como os mestres do seu tempo, sentou-se e começou a ensinar. Quando terminou, mandou os pescadores pescarem em águas mais profundas, isto é, lançar as redes num lugar mais afastado e mais fundo. Simão explicou que tinham passado a noite toda pescando, sem conseguir nada. Mas, em atenção à sua palavra, iria assim mesmo. E foi. A barca de Pedro pegou tanto peixe que já estava afundando. Pediram ajuda do outro barco. Diante dessa maravilha de pescaria, Simão Pedro, diante de Jesus, se achou um grande pecador. Mas, Jesus disse que, daí pra frente, ele seria pescador de gente. Eles levaram as barcas para a praia, deixaram tudo e seguiram a Jesus. 

Uma linda história que aparentemente tem pouco a ver com você. Mas, tem tudo a ver com a sua vida, com a minha, com a nossa vida. A narração tem quatro etapas: vida fracassada - palavra de Deus - vida abundante - missão. Os pescadores tinham passado a noite toda trabalhando, sem conseguir nada (vida fracassada). Naquela manhã, estão ouvindo a pregação de Jesus que está anunciando o Reino (Palavra de Deus). Obedecendo à palavra de Jesus, alcançam o grande êxito de uma pescaria surpreendente (vida abundante). Reconhecem sua condição de pecadores diante de Jesus e recebem dele a missão de participar de sua missão, serem pescadores de gente (missão). 

Jesus nos encontra em nossa condição de fragilidade, fracasso, infertilidade. Resultado do pecado que está em nós ou cristalizado nas estruturas sociais. Estamos de mãos vazias, depois de uma noite de trabalho em alto mar. Jesus vem ao nosso encontro e nos fala do amor de Deus, do seu reinado no mundo, do sentido de nossas vidas em Deus, da grandeza de nossa dignidade de filhos de Deus. Essa palavra nos impulsiona a realizar a nossa vida com uma nova qualidade, com nova energia, com novo sentido. Em adesão a esta Palavra, à ação do Espírito Santo que torna a palavra viva e eficaz, voltamos ao nosso dia-a-dia, à nossa família, ao nosso trabalho, às nossas práticas religiosas, aos nossos compromissos. Viver e trabalhar orientados por Deus dá um novo sabor à nossa pescaria. Os resultados são outros, são surpreendentes. Pescamos não mais nas beiradas, nas partes rasas, mas em águas profundas. Deixamos uma existência superficial, medíocre, sob a ditadura da aparência, para um mergulho mais profundo: na vida de família, no trabalho, em nossa vivência religiosa, em todos os nossos compromissos. Nesta altura, o Senhor nos faz participantes de sua própria missão, nos fazendo missionários, pescadores com ele. 

Guardando a mensagem

Os pescadores de duas barcas estavam na praia lavando as redes, depois de uma noite de pescaria fracassada. Jesus, sentado na barca de Simão, anuncia a boa notícia do amor de Deus, prega a Palavra. Depois, manda-os pescar em águas mais profundas. Eles, em obediência à sua palavra, vão e trazem as barcas cheinhas de peixes. A Simão que mostra reconhecimento de sua condição de pecador, Jesus convida para o seu seguimento e para ser pescador de gente. Eles são os primeiros discípulos. Deixaram tudo e seguiram a Jesus. De pescaria fracassada, você entende bem. Uma vida sem profundidade não gera felicidade. Só em Deus, podemos viver bem o casamento, o trabalho, o tempo do lazer, a nossa vida toda. Só guiados por Deus, pescando em águas profundas, podemos encontrar uma vida abundante, cheia de sentido e de luz. A quem vive essa experiência de comunhão com o Senhor, ele dá a graça de participar com ele de sua missão, de ser pescador também, de ajudar outras pessoas a encontrarem sentido para sua vida. 

Avance para águas mais profundas (Lc 5, 4)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 

Aquela comunidade da missão de Calulo, em Angola, em cada manhã de domingo, reencontra-se, na margem do Mar da Galileia, com Jesus, sentado na barca de Pedro. Lá, eles ouvem a Palavra que revela a sua grandeza de filhos de Deus, o sentido de sua vida vivida na profundidade da comunhão com Deus, a beleza da solidariedade que os faz levar o peso um dos outros em sua vida tão difícil. Assim, se alegram tanto, cantam e dançam com tanto fervor. Sentem que, mesmo enfrentando uma pobreza tão grande, já estão ressuscitados, vitoriosos com Cristo. Senhor, hoje, queremos nos unir espiritualmente a esta comunidade, ou melhor, queremos nos unir à tua Igreja, que em qualquer terreno, capela ou catedral hoje canta de alegria porque o encontro com o Senhor enche nossa vida de esperança e alegria e voltamos para nossa pescaria com outro ânimo, com outro espírito. Obrigado, Senhor, pelo dom de tua Palavra, pela graça que nos alcança em nossa pequenez, em nossa condição de pecadores. E obrigado por nos fazeres pescadores, contigo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

O fruto mais precioso dessa Palavra, você já captou: a sua participação na Santa Missa de hoje. Se isto não for mesmo possível, acompanhe devotamente a Missa pelo rádio ou pela televisão. 

Desejando aprofundar um pouco mais a mensagem de hoje, estou deixando no final da Meditação de hoje, em meu blog: “OS SETE PASSOS DA PESCARIA ABUNDANTE”. É só acessar www.padrejoaocarlos.com ou clicar no link que estou lhe enviando. 

Pe. João Carlos Ribeiro, SDB – 10.02.2019




OS SETE PASSOS DA PESCARIA ABUNDANTE

No evangelho de Lucas, que estamos lendo hoje, Lucas 5, 1-11, podemos identificar sete passos no encontro dos primeiros discípulos com Jesus. Esses passos podem ser os seus também. 

PRIMEIRO PASSO

Depois de uma noite de fracasso, eles estão lavando as redes, na praia. São pescadores de duas barcas. Trabalham juntos no Mar da Galileia. É curioso que eles estejam no mesmo local em que o povo se apinhou para ouvir Jesus. Então, eles e o povo estão na mesma situação. Todos vêm de uma noite de fracasso e frustração. 

SEGUNDO PASSO

Ouvem atentamente o ensinamento de Jesus. O Mestre está sentado na barca de Simão, ensinando ao povo. É a palavra de Deus que ele proclama. Ele está sempre falando do Reino de Deus que chegara, uma forma de falar do grande amor de Deus que abraça os seus filhos dispersos, querendo reuni-los como os pais reúnem seus filhos numa refeição festiva de família.

TERCEIRO PASSO

Simão adere à Palavra de Jesus. A palavra de Jesus torna-se uma orientação clara para eles: pescar em águas profundas. Simão explica, como pescador experiente daquele lago, que passaram a noite toda e nada conseguiram. Mas, diz que vai obedecer à sua palavra, vai lançar as redes em águas profundas. E vai mesmo, com a sua barca, a que Jesus estava nela. A outra barca não foi.

QUARTO PASSO

A barca de Pedro pegou tanto peixe, que as redes já estavam para se romper. Chamaram a outra barca para ajudar. Os dois barcos ficaram tão cheios que quase afundaram de tanto peso. Foi uma experiência maravilhosa. O mar era o mesmo. O que mudou foi que agora estavam agindo em obediência à palavra de Jesus. 

QUINTO PASSO

O espanto tomou conta de todos. O espanto de que aqui se fala é aquele sentimento de temor diante da grandeza de Deus que ali se manifestou. Isaías ficou tomado desse espanto, desse medo, desse temor sagrado, quando, em visão, se viu diante do trono de Deus. Nessa condição, seja Isaías, seja Pedro, reconhece sua indignidade, sua condição de pecador. 

SEXTO PASSO

Jesus tranquiliza Pedro e lhe confia a missão: “Não tenhas medo! De hoje em diante, tu serás pescador de homens”. Jesus, na barca, orientando a pesca é o divino pescador. Ele acaba de resgatar aqueles homens de uma vida fracassada. Agora, quer que eles também façam como ele, resgatem outros para a vida abundante. 

SÉTIMO PASSO

Eles deixam tudo e seguem a Jesus. Tornam-se os primeiros seguidores, os primeiros discípulos do Mestre. Esta resposta radical, generosa, pronta é um modelo para todos os outros seguidores de Jesus, para nós. E está narrada em três movimentos: levam as barcas para a margem, deixam tudo e seguem a Jesus. Deixaram tudo que lhes parecia importante na vida. Dão o primeiro lugar a Jesus. No seguimento de Jesus, sempre precisamos renunciar a muita coisa que nos parece importante, para colocar Jesus e seu evangelho no lugar mais importante de nossa vida. 

Você pode repassar esses sete passos e conferir o seu caminho com Jesus. Você também se encontrou com Jesus. E esse encontro pode mudar sua vida, se já não mudou. A mudança é na qualidade de vida: passar da vida superficial, epidérmica para a vida de comunhão com o Senhor, com a sua graça. Pescar em águas profundas! 

Um bom domingo. 

Pe. João Carlos Ribeiro SDB – 10.02.2019 

TEM ALGUMA COISA ERRADA... O QUE ESTÁ FALTANDO?

Em atenção à tua palavra, vou lançar as redes (Lc 5,5)
06 de setembro de 2018.
“Mestre, nós trabalhamos a noite inteira e nada pescamos”. Experiência de muita gente. Você se mata de trabalhar, corre pr’um lado, corre pro outro, e não vê crescimento, não vê perspectiva no que está fazendo. A experiência dos pescadores no lago da Galileia resume bem isso. Eles passaram a noite toda pescando, remando, lançando rede, puxando rede, expostos ao vento frio... voltaram do mar ao raiar do dia, cansados, enfadados, sonolentos... e com as mãos vazias. Não conseguiram nada. É o retrato do fracasso, da luta inglória de tanta gente que, apesar do esforço, do trabalho duro, não vê as coisas irem pra frente, progredirem, melhorarem. Isso acontece no trabalho, na família, no país e na vida cristã também.
Jesus escolheu um daqueles barcos parados e subiu nele para falar ao povo reunido na praia. Sentou-se, como faziam os Mestres daquele tempo. Interessante é que ele escolheu a  barca de Pedro, o líder daquele grupo de pescadores que tinham voltado do mar de mãos abanando. Ali, na barca, Jesus proclamou a Palavra de Deus. Depois, mandou o grupo de Pedro voltar ao mar, pescar de novo, mas dessa vez em águas mais fundas. Mas, olha só. Jesus não era pescador, era carpinteiro. Sabia fazer algum móvel rústico ou a cobertura de uma casa, não sabia nada de pescaria. É claro que os pescadores não acharam aquilo razoável. Pedro mesmo disse logo que eles já tinham passado a noite toda pescando... e não conseguiram nada. O mar não estava pra peixe. Mas, Jesus insistiu: “vão para águas mais profundas e lancem as redes”. Xi.. e agora: Vão ou não? Se eles forem, irão por alguma razão que não está na lógica humana... eles sabem que que não iam conseguir nada. Se forem, irão em atenção  ao próprio Jesus, em confiança na sua palavra. “Como é, a gente vai?, devem ter se perguntado”. Só foi uma barca, a de Pedro. A outra não foi. Pedro e seus companheiros foram e pegaram tanto peixe que quase afundaram o barco. Foi preciso chamar o outro barco para ajudar a trazer os peixes.
Olha que cena maravilhosa. Não tinham pescado nada, a noite toda. Mas agora, tinham feito uma pescaria fantástica. O que mudou? Eles pescaram do mesmo jeito, não houve uma técnica nova. Com certeza, voltaram ao mesmo lugar onde já tinham estado. O que houve de novo? Vamos dizer assim: Eles foram seguindo a indicação de Jesus. A pescaria foi um gesto de obediência à palavra de Jesus. Permitiram que Jesus orientasse o seu trabalho. Isso é que é pescar em águas profundas. Não eram apenas trabalhadores esforçados realizando uma tarefa, eram trabalhadores orientados por Jesus, guiados por sua palavra, agindo na confiança em Deus.
Guardando a mensagem
Bom, talvez seja isso que esteja faltando na sua vida. Você corre muito, já está ficando de cabelo branco, planta muito e colhe pouco, trabalha exaustivamente e quase não vê nada prosperar. Está faltando alguma coisa, não acha? Jesus diria: você está precisando pescar em águas mais profundas. Deixar-se orientar por Deus. Agir em obediência à sua palavra.  Trabalhar em sintonia e em comunhão com o Senhor. Aí pode ter certeza, a sua pescaria vai ser surpreendente. A família que você está construindo vai ser uma bênção. A missão vai dar muitos frutos.

Em atenção à tua palavra, vou lançar as redes (Lc 5,5)
Rezando a palavra
Senhor Jesus, divino pescador,
Estás nos encontrando exatamente como encontraste aqueles pescadores na margem do grande Lago. O povo brasileiro, nesse período eleitoral, está como que chegando de uma noite de pescaria, de mãos vazias. Parece que toda a luta que tivemos desde a redemocratização resultou apenas numa longa noite de crise, desemprego, anulação de direitos, corrupção.  Mas, estás nos mandando de volta ao mar. Pescar de novo, mas agora em águas mais profundas. O que pode fazer a diferença é se pescamos em atenção à tua Palavra, se construímos cidadania segundo o teu Evangelho, se lutarmos animados pela vontade do Senhor nosso Deus. Então, vai triunfar a justiça, a fraternidade, a honestidade, a paz social. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Amanhã é o dia da Pátria. Dedique, hoje, um tempinho para rezar pelo Brasil o Salmo 127 (ou 126). “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os seus construtores; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigiam as sentinelas”.

Pe. João Carlos Ribeiro – 06.09.2018

Águas mais profundas

Avancem para águas mais profundas. Orientação de Jesus a Pedro e aos seus companheiros de pesca. Convite de Jesus a todos nós.

 Águas mais profundas na convivência. O corre-corre da vida pode ir nos fazendo superficiais nos nossos relacionamentos. Sem verdadeiro encontro de pessoas ninguém se sente integrado, valorizado, feliz. É aí que chega Jesus e nos diz: Avancem para águas mais profundas no relacionamento com os outros. Passar de um relacionamento de frieza, indiferença, desconfiança, superficialidade para um relacionamento de cordialidade, amizade, interesse pelo bem do outro.

Postagem em destaque

A fé que vence o medo.

   23 de junho de 2024.       12º Domingo do Tempo Comum.       Evangelho.   Mc 4,35-41 35Naquele dia, ao cair da tarde, Jesus disse a seus ...

POSTAGENS MAIS VISTAS