Mostrando postagens com marcador marta e maria. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador marta e maria. Mostrar todas as postagens

08 outubro 2019

A COISA NECESSÁRIA

Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas (Lc 10, 41)
08 de outubro de 2019.
Normalmente, vivemos ocupados e preocupados com muita coisa. Imaginamos que estamos fazendo muita coisa pela família, pelos outros e até mesmo para Deus. Talvez sua família precise de mais atenção do que de coisas. Com certeza, mais importante do que sua frenética ação é a direção do que você faz.
Jesus entrou num povoado e hospedou-se na casa de Marta. Sua irmã, Maria, sentou-se aos pés do Senhor e escutava sua palavra. Marta, ocupada com muitos afazeres, reclamou porque sua irmã não a estava ajudando no serviço da casa. Jesus observou que Marta estava muito ocupada com tanta coisa, quando uma só coisa é necessária.
Marta mostrou-se muito trabalhadora, muito preocupada com os afazeres da casa, super atarefada, tudo para receber bem o Senhor. Uma excelente anfitriã. Maria sentou-se aos pés de Jesus, como faziam os discípulos nas escolas dos rabinos. Estava escutando a sua palavra. Como discípula, estava aprendendo, atenta, interessada nos ensinamentos do Mestre. Ouvir a palavra do Senhor é fundamental para encontrar o sentido e a direção do que precisamos fazer. Na palavra do Senhor, o discípulo encontra a orientação de sua ação. Maria é modelo de discípula.
Jesus corrigiu Marta. ‘Uma coisa só é necessária, Marta. Você se preocupa e anda agitada com tanta coisa!’.  O que será essa coisa necessária? A coisa necessária foi a que Maria escolheu. Podemos pensar assim: Marta está se ocupando com muitas coisas. Maria está se ocupando de Jesus. Marta atira para todos os lados, nos seus compromissos de dona de casa. Maria, escutando Jesus, está acolhendo uma direção para sua existência e para os seus compromissos.
De verdade, a gente, normalmente, faz muita coisa, corre muito, e sempre há mais o que fazer. O mais importante não é fazer muitas coisas, mesmo que seja para Deus. O necessário mesmo é ocupar-se de Deus, curtir a sua presença, acolher a sua palavra. E assim, encontrar um sentido e uma direção para sua vida e para suas atividades.
Guardando a mensagem
Marta foi uma boa anfitriã, fazendo coisas pra Jesus, ocupada com tantos afazeres na preparação da casa e do almoço. Maria foi uma discípula exemplar, ocupando-se de Jesus, atenta à sua pessoa, à sua palavra. Como estamos na Semana da Criança, podemos aplicar isso também aos pais. O principal não é fazer coisas para a criança, por mais necessário que pareça, como é trabalhar, fazer a feira, arrumar a casa, levar o filho para a escola. O mais importante não é fazer coisas pelos filhos ou enchê-los de presentes. É estar ao seu lado, participar de sua vida e do seu crescimento, curtir a sua presença, estar com eles. Estar presente. Isso é o mais importante. Marta se ocupa com muito trabalho. Precisa fazer como Maria: ocupar-se de Jesus.
Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas (Lc 10, 41)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
É muito nobre a ação, como também o compromisso do trabalho e o exercício da missão. É santo o tempo da oração, da escuta amorosa da tua palavra, para encontrar sentido para a ação, pra gente não virar escravo do trabalho, mas sermos sempre operários de tua vinha. Sem a oração, Senhor, nossa correria fica estéril. Fazemos muito e colhemos pouco. Com a oração, nosso esforço ganha luz e sentido. Fazemos menos e colhemos mais. Senhor, dá-nos um pouco de Maria, porque de Marta já temos bastante. Tranquiliza-nos aos teus pés, orienta-nos com tua palavra, conduze-nos com a tua luz. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual (espero que já o tenha), responda: o que eu tenho de Marta? O que eu tenho de Maria?
Estou lhe enviando o clipe de minha nova música ESSAS PALAVRAS. A letra da canção está (aqui) no meu blog, logo após o texto desta Meditação.
A gente se encontra, às dez da noite, no facebook https://www.facebook.com/PadreJoaoCarlos).
Pe. João Carlos Ribeiro – 08 de outubro de 2019

ESSAS PALAVRAS

E todas essas palavras,
e todas essas palavras
E todas essas palavras,
Maria guardava no coração (Lc 2, 51)

Ave, gratia plena
A Deus nada é impossível.
Vence o teu temor
A Deus nada é impossível.
O Filho vais gerar
A Deus nada é impossível.
do Altíssimo Senhor
A Deus nada é impossível.

A estéril concebeu.
A Deus nada é impossível.
e mãe feliz será
A Deus nada é impossível.
Bendita entre as mulheres
A Deus nada é impossível
Bendito o fruto teu
A Deus nada é impossível.
Pe. João Carlos Ribeiro sdb

21 julho 2019

NESSA VISITA, EU ESTAVA LÁ


Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas (Lc 10, 41)

21 de julho de 2019.

Um belo domingo para darmos uma volta com Jesus. Uma volta, não. Vamos acompanhá-lo na sua caminhada. Ele está indo para Jerusalém. Com ele, vão seus discípulos e um grupo de discípulas. E nós também, que já estamos caminhando com eles. Vamos devagar, pra ninguém ficar pra trás. Chegamos ao povoado de Betânia. Hora de descansar um pouco. A chegada de Jesus é motivo de alvoroço no povoado, claro. Uma família oferece hospedagem. O evangelho não diz se todo o grupo ficou hospedado ali ou se ficaram em várias casas. Mas, nós vamos ficar com ele, pra gente não perder nada, claro.

A casa é da família dos irmãos Marta, Maria e Lázaro. Pelo jeito, Jesus já é conhecido e se ainda não for amigo deles, pode contar, vão ficar muito próximos. Marta é a irmã mais velha, a dona de casa. E ela recebe Jesus, com muita alegria. Jesus entra. Nós também. Toma água. Pergunta pelo amigo Lázaro. Está em viagem. Senta-se. As coisas vão voltando ao normal. Claro, tem sempre alguém do povoado passando pra conferir. Muita gente quer ver Jesus de perto. Maria, a irmã de Marta, está ao lado de Jesus. E senta-se aos seus pés, como outros discípulos também. Esse negócio de se sentar no chão, pertinho do Mestre, era uma coisa comum. O apóstolo Paulo, por exemplo, que foi aluno de um famoso professor da Lei chamado Gamaliel, conta que se sentava aos pés do seu mestre para aprender os seus ensinamentos. Você não quer se sentar também aos pés de Jesus? Fique à vontade.

Jesus começa a conversar sobre as coisas de Deus, sobre o Reino. Fala com uma voz mansa, gostosa de se ouvir. Conta histórias, os discípulos riem... E Maria, ali, sentadinha aos pés do mestre, escutando suas palavras. Nós também. Que momento lindo! E onde anda Marta, a irmã mais velha, a dona da casa? Pela batidas das panelas, está na cozinha preparando a refeição. Ajeita uma coisa, ajeita outra. Mexe uma panela, lava um prato, tira um negócio do armário. Vai pra lá, vai pra cá, toda preocupada. Quer fazer o melhor e tem pressa. Pra Jesus, o melhor.

E Jesus contando suas histórias, conversando coisas tão simples e tão profundas...  Lá vem Marta, interrompendo a conversa. Cara de aborrecida, avental azul claro, com o pano de prato na mão. Reclamou da irmã e de Jesus também, ao que parece. “Senhor, tu não te importas que minha irmã me deixe sozinha com todo o serviço?”. Eita! Deu aquele silêncio... Jesus respirou fundo... “Marta, Marta, tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma coisa só é necessária”. E disse mais alguma coisa como “Maria escolheu a coisa melhor. Não vamos tirar isso dela”.

Marta voltou pra cozinha, pensativa. E a conversa continuou na sala, até que chegou a hora da refeição.

Guardando a mensagem

Há uma grande diferença quando você se hospeda num hotel ou numa casa de amigos. No hotel, fazem tudo pra você: carregam sua mala, entregam a chave do apartamento, informam a que horas abre o restaurante. São gentis e educados. E lhe deixam só. Em casa de amigos, você é recebido com um abraço, servem logo um cafezinho, querem saber como você vai, tomam a refeição com você e mal lhe deixam descansar um pouco no quarto, pois vêm logo perguntar se está precisando de alguma coisa. Não fazem apenas coisas pra você, dão atenção a você, estão com você. É muito diferente.

Marta estava fazendo coisas pra Jesus, preparando a refeição, a mesa, a louça. Maria estava com Jesus, conversando com ele, ouvindo suas palavras. Discípulo não é quem faz coisas pra Jesus, mesmo que sejam coisas boas e necessárias: participar no dízimo, limpar a capela, participar da campanha para os pobres. Coisas boas, necessárias. Discípulo é quem está com Jesus, ouvindo sua palavra, conversando com ele, aprendendo a viver com ele. É isso que dá sentido a tudo o mais.

Jesus não reclamou que Marta não estivesse também sentada escutando suas palavras. Disse que ela estava preocupada, ansiosa demais, agitada por muitas coisas. A coisa mais necessária seria prestar atenção ao seu hóspede, estar com ele, não apenas fazer coisas para ele.  

Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas (Lc 10, 41)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Nós temos alguma coisa de Marta e de Maria. Como elas, nós te acolhemos em nossa vida, em nossa casa. Às vezes, ficamos tão ocupados com coisas a fazer, que te esquecemos na sala. Andamos ansiosos, preocupados, tensos demais com as responsabilidades da vida e perdemos de estar ao teu lado, colocando-te no centro de nossa existência e aprendendo contigo o sentido de tudo o que fazemos. Tens razão. Sem darmos atenção e prioridade à escuta da Palavra e à Oração, nos perdemos no corre-corre da vida, dos afazeres da casa, em nossos empenhos profissionais. Senhor, queremos estar contigo, como Maria. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Deste seu dia de 24 horas, quanto tempo você reservou hoje para estar com o Senhor? Você tem muitas coisas pra fazer, mas uma só é fundamental.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21 de julho de 2019.

09 outubro 2017

MARTA OU MARIA – QUEM É VOCÊ?


Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas (Lc 10, 41)
Em Betânia, as duas irmãs – Marta e Maria - representam duas atitudes. Marta e Maria são duas discípulas de Jesus. E ele está nos indicando qual o melhor caminho que devemos seguir, como discípulos.
Marta mostrou-se muito trabalhadora, muito preocupada com os afazeres da casa, super atarefada, tudo para receber bem o Senhor. Uma excelente anfitriã. Maria sentou-se aos pés do Senhor, como faziam os discípulos nas escolas dos rabinos. Estava escutando a sua Palavra. Como discípula, estava aprendendo, atenta, interessada nos ensinamentos do Mestre. Ouvir a palavra do Senhor é fundamental para encontrar o sentido e a direção do que precisamos fazer. Na palavra do Senhor, o discípulo encontra a orientação de sua ação. Maria é modelo de discípula.
Jesus corrigiu Marta. ‘Uma coisa só é necessária, Marta. Você se preocupa e anda agitada com tanta coisa!’.  O que será essa coisa necessária?A coisa necessária foi a que Maria escolheu. Podemos pensar assim: Marta está se ocupando com muitas coisas. Maria está se ocupando de Jesus.
De verdade, a gente, normalmente, faz muita coisa, corre muito, e sempre há mais o que fazer. Ocupa-se com muitas coisas. O mais importante não é fazer coisas, mesmo que seja para Deus. O necessário mesmo é ocupar-se de Deus, curtir a presença do Senhor, acolher a sua Palavra.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Marta foi uma boa anfitriã, fazendo coisas pra Jesus, ocupada com tantos afazeres na preparação da casa e do almoço. Maria foi uma discípula exemplar, ocupando-se de Jesus, atenta à sua pessoa, à sua Palavra. Como estamos na Semana da Criança, podemos aplicar isso também aos pais. O principal não é fazer coisas para a criança, por mais necessário que pareça, como é trabalhar, pagar as contas, arrumar a casa, levar o filho para a escola. O mais importante não é fazer coisas pela criança, ou enchê-la de presentes. É ser-lhe um presente, ou seja, estar ao seu lado, partilhar do seu tempo, curtir a sua presença, estar com ela. Isso é o mais importante. Marta se ocupa com muito trabalho. Precisa dar mais tempo a Jesus.

29 julho 2017

OS QUATRO PASSOS DE MARTA

Quando Marta soube que Jesus tinha chegado, foi ao encontro dele. Maria ficou sentada em casa ( Jo 11, 20).


Na Igreja, hoje estamos festejando a discípula de Jesus de nome Marta. Marta é a figura de uma cristã cheia de fé, especialmente nos momentos de maior dificuldade e sofrimento. O caminho de fé de Marta é o caminho de fé da comunidade cristã e de cada um de nós.
Marta -  você lembra dela -  é a irmã de Maria e de Lázaro, amigos de Jesus que moravam em Betânia. Maria é aquela que ficou sentada aos pés de Jesus, escutando seu ensinamento, enquanto Marta ocupava-se dos afazeres da casa, lembra?! Na cena de hoje, Marta foi ao encontro de Jesus quando ele estava chegando e Maria ficou em casa, sentada. Curioso esse detalhe. Marta foi encontrar Jesus. Maria ficou sentada.
Bom, tinha acontecido uma coisa muito triste. Lázaro tinha morrido.  Elas, suas irmãs, tinham mandado chamar Jesus quando ele ainda estava gravemente enfermo. Mas, Jesus não apareceu. Quando ele veio chegar, Lázaro já estava morto há quatro dias.  A cena é essa: Jesus está  chegando... Marta vai ao encontro dele, antes dele visitar o túmulo do amigo.
Vamos prestar atenção nas quatro coisas que Marta disse a Jesus:
A primeira palavra de Marta foi essa: “Senhor, se tivesses estado aqui, meu irmão não teria morrido”. Na verdade, isso é uma queixa, porque Jesus demorou a ir ver o seu amigo. Elas contavam que Jesus o curasse da doença. Nós também passamos por momentos de muita dificuldade. Clamamos por Deus. Às vezes, parece que ele não vem nos socorrer. Nossa oração toma então um tom de reclamação.
Vamos à segunda palavra de Marta: “Mas mesmo assim, eu sei que o que pedires a Deus, ele te concederá”. Uma palavra que mostra sua confiança no poder de Deus que opera em Jesus. Seu coração está aberto à ação de Deus. Mesmo não sendo prontamente atendidos como pretendíamos, manifestamos ao Senhor nossa confiança. Confiamos nele. Não entendemos os seus planos, mas confiamos nele.
A terceira palavra de Marta no diálogo com Jesus foi essa: “Eu sei que ele ressuscitará na ressurreição, no último dia”. Ela tem a crença que boa parte do seu povo tem: no último dia haverá a ressurreição dos mortos. Sabe que Deus agirá no tempo dele. Nós também temos uma fé como a de Marta. Acreditamos que Deus é Senhor de tudo e lá no fim da história vai realizar todas as suas promessas.
A quarta e última palavra de Marta foi impressionante.  “Sim, Senhor, eu creio firmemente que tu és o Messias, o Filho de Deus, que devia vir ao mundo”. É uma bela afirmação de sua fé. Reconhece que Jesus é o Messias, o Filho de Deus, o prometido. Ela está dizendo que crê em Jesus que está ali presente, a revelação plena do Pai. Jesus tinha lhe dito: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, mesmo que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, não morrerá jamais”. Ela confessa sua fé em Jesus, que está ali diante dela. O dom de Deus é não só para o final de nossa jornada. O dom de Deus, em Cristo, é já para hoje. Ele é a ressurreição e a vida.
Marta fez o caminho de fé, os quatro passos. Está pronta para o sinal da ressurreição do seu irmão Lázaro.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Marta é uma discípula de Jesus. O seu caminho de fé é também o caminho de cada cristão, o nosso caminho. No seu caminho de fé, ela deu quatro passos no seu encontro com Jesus: passou da queixa para a confiança em Jesus; e de uma fé genérica para uma fé pessoal em Jesus Salvador.
Quando Marta soube que Jesus tinha chegado, foi ao encontro dele. Maria ficou sentada em casa ( Jo 11, 20).
Vamos rezar a Palavra de hoje
Senhor Jesus, o nosso caminho de fé é como o de Marta. Na hora da necessidade, pedimos a tua intervenção, o teu socorro. Muitas vezes, ficamos com a impressão que não estamos sendo ouvidos em nossos pedidos. Mas, perseverando, aumentamos em nosso coração a confiança na tua Palavra. Ajuda-nos, Senhor, não somente a crer de maneira geral na bondade e no poder de Deus, mas reconhecermos em ti o Deus-conosco, o Deus encarnado, a Ressurreição e a Vida.  Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Pe. João Carlos Ribeiro - 29.07.2017

01 abril 2017

Lázaro, vem para fora!

Tendo dito isso, exclamou com voz forte: 'Lázaro, vem para fora!' (Jo 11, 43)

A morte é uma realidade muito dolorosa.  Quando se perde um parente ou mesmo uma pessoa amiga, vive-se momentos de muito sofrimento espiritual, mergulha-se numa grande tristeza. Quanto mais próxima a pessoa falecida - um pai, uma mãe, um irmão, um amigo do peito - mais dolorosa é a separação, o sentimento de impotência diante da morte, a sensação de perda irreparável.  Ainda assim, a morte pode ser um momento de grande revelação de Deus em nossa vida. Foi assim com a família de Marta, Maria e Lázaro.
Em um povoado perto de Jerusalém, chamado Betânia, morava essa família de quem Jesus era muito próximo. Marta, Maria e Lázaro eram amigos de Jesus. Lázaro caiu muito doente. E as irmãs mandaram avisar a Jesus, que estava longe. Jesus demorou a chegar. Quando chegou, o rapaz já estava morto há quatro dias. Tinha sido sepultado numa gruta fechada com uma pedra. Marta foi ao seu encontro. Jesus a consolou e a estimulou a crer nele. Maria também foi falar com Jesus e o comoveu com sua dor. Jesus quis ver o túmulo. Mandou rolar a pedra. Rezou ao Pai. E chamou Lázaro para fora. Foi uma grande comoção. Além das irmãs, estavam presentes também os discípulos de Jesus e muitos judeus.  Nessa ocasião, muitos creram nele.

16 julho 2016

Marta e Maria

“Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária" (Lc 10, 41-42)

Na vida, estamos sempre diante de uma encruzilhada, precisando escolher qual caminho seguir. O Salmo número 1, na abertura dos saltério, nos apresenta dois caminhos: o caminho dos justos e o caminho dos ímpios. No evangelho, Jesus contou a história de dois homens: o publicano humilde e o fariseu soberbo. Deu também o exemplo de dois irmãos a quem o Pai pediu para irem trabalhar em sua vinha: um disse que ia e não foi; o outro disse que não ia, e foi. Outros dois irmãos estão na parábola do filho pródigo: um reingressou, arrependido, na casa do seu pai e outro, longe de ser misericordioso como o Pai, ficou fora de casa. Afinal, na estrada da vida, temos que escolher entre dois caminhos.