Mostrando postagens com marcador vontade de Deus. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador vontade de Deus. Mostrar todas as postagens

20210222

REZAR COMO UM BOM FILHO

 
23 de Fevereiro de 2021

EVANGELHO


Mt 6,7-15

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7“Quando orardes, não useis muitas palavras, como fazem os pagãos. Eles pensam que serão ouvidos por força das muitas palavras.
8Não sejais como eles, pois vosso Pai sabe do que precisais, muito antes que vós o peçais. 9Vós deveis rezar assim: Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu nome; 10venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como nos céus. 11O pão nosso de cada dia dá-nos hoje. 12Perdoa as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. 13E não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal.
14De fato, se vós perdoardes aos homens as faltas que eles cometeram, vosso Pai que está nos céus também vos perdoará. 15Mas, se vós não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará as faltas que vós cometestes”.

MEDITAÇÃO


Vocês devem rezar assim (Mt 6, 9)

Nossa caminhada quaresmal chega hoje ao sétimo dia. E o tema para nosso crescimento hoje é a Oração. O Pai Nosso é mais do que uma oração. É uma escola de oração. É como um discípulo ou uma discípula deve rezar sempre. No Pai Nosso, podemos encontrar as quatro características da oração dos discípulos do Senhor. 

A primeira característica é que é feita com INTIMIDADE e CONFIANÇA EM DEUS. Não se trata de uma audiência de um servo com seu patrão. Trata-se do diálogo amoroso entre pai e filho ou filha. Por isso, Jesus ensina a invocar a Deus como “pai”, “Pai Nosso”. Esse modo de falar com Deus era inteiramente novo na história do seu povo. Falar com Deus com intimidade e confiança. No sermão da montanha, Jesus chamou a atenção dos discípulos para não imitarem os fariseus, nem os pagãos. Em contraposição ao exibicionismo dos fariseus e mestres de lei, Jesus os orientou a proceder como um filho que conversa com seu pai ou sua mãe, a portas fechadas no seu quarto. Nunca imitar os pagãos nesse assunto da oração, recomendou Jesus. Eles recorrem à força de muitas palavras para serem ouvidos. O Pai já está sabendo de nossas necessidades antes que abramos a boca. INTIMIDADE E CONFIANÇA EM DEUS. É a primeira característica.

A segunda característica da oração cristã, sublinhada no Pai Nosso, é que ela busca, em primeiro lugar, A GLÓRIA DE DEUS. É quando a oração vira louvor, adoração. Os primeiros pedidos do Pai Nosso, no evangelho de São Mateus, referem-se a Deus, buscando a sua honra e a sua glória. “Santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”. São três pedidos, todos dirigidos à glória de Deus: a santificação do seu nome, a vinda do seu Reino, a realização de sua vontade. Buscar, em primeiro lugar, a GLÓRIA DE DEUS. É a segunda característica.

A terceira característica da oração cristã é o pedido a Deus pelo NOSSO BEM temporal e espiritual. É o que nós precisamos para viver com dignidade e em santidade. No Pai Nosso, são quatro os pedidos em nosso favor. “O pão nosso de cada dia, nos dai hoje. Perdoai as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. O pão de cada dia, o perdão dos pecados, a vitória sobre a tentação e a libertação do mal. O ‘pão de cada dia’ compreende o emprego, o trabalho, o alimento, a segurança... São as necessidades de nossa sobrevivência. Mas, nem só de pão vive o homem. Também precisamos do perdão dos pecados e da restauração da vida, a partir da conversão e do crescimento do homem novo. Igualmente, precisamos da vitória sobre a tentação e a libertação do mal. A BUSCA DO NOSSO BEM é a terceira característica.

A quarta característica da oração cristã é o COMPROMISSO. Nos três primeiros pedidos do Pai Nosso, desejando a glória de Deus, na verdade estamos nos comprometendo em santificar o seu nome, acolher o seu Reino, realizar a sua vontade. Nos quatro pedidos em nosso favor, não estamos delegando tudo a Deus, para ficar de braços cruzados esperando ele agir. Reconhecendo a mão de Deus em nossa vida, estamos nos comprometendo a ganhar o pão de cada dia com o nosso trabalho, a nos esforçar no caminho da conversão e do perdão aos nossos agressores, a fugir das ocasiões de pecado e a lutar contra o mal. A oração nos compromete. COMPROMISSO é a quarta característica.

Guardando a mensagem

Em nossa caminhada quaresmal, somos hoje instruídos por Jesus sobre a Oração. Ele ensinou o Pai Nosso, uma verdadeira escola de oração. Nele, encontramos as quatro características da oração dos discípulos do Senhor: intimidade e confiança em Deus, busca de sua glória, busca do nosso bem, e o compromisso em realizar a sua vontade. 

Vocês devem rezar assim (Mt 6, 9)

Rezando a palavra

Rezemos como Jesus nos ensinou:

Pai nosso que estás nos céus,
santificado seja o Vosso nome.
Venha a nós o Vosso Reino.
Seja feita a Vossa vontade,
assim na terra como no Céu.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje.
Perdoai as nossas ofensas
assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido.
E não nos deixeis cair em tentação,
mas livrai-nos do mal.
Amém.

Vamos viver a palavra

A dica de hoje está evidente: rezar o PAI NOSSO, bem rezado. Eu sei, eu sei que você já reza bem. Mas, pode rezá-lo ainda melhor. Reze com atenção ao que está dizendo. Reze deixando espaço para o Espírito Santo rezar em você. 

O degrau de hoje (este sétimo dia da Quaresma) é este: Rezar como um bom filho, como uma boa filha.

Só para lembrar dos passos anteriores: Partir com humildade (na quarta-feira de cinzas), Seguir com Cristo, Jejuar para crescer, Vencer a acomodação, Crer no Evangelho, Amar à Igreja (ontem) e hoje: Rezar como um bom filho. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20201214

OS DOIS IRMÃOS



15 de dezembro de 2020

EVANGELHO


Mt 21,28-32


Naquele tempo, disse Jesus aos chefes dos sacerdotes e aos anciãos do povo: 28“Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, ele disse: ‘Filho, vai trabalhar hoje na vinha!’ 29O filho respondeu: ‘Não quero’. Mas depois mudou de opinião e foi. 30O pai dirigiu-se ao outro filho e disse a mesma coisa. Este respondeu: ‘Sim, senhor, eu vou’. Mas não foi. 31Qual dos dois fez a vontade do pai?”

Os sumos sacerdotes e os anciãos do povo responderam: “O primeiro”. Então Jesus lhes disse: “Em verdade vos digo, que os publicanos e as prostitutas vos precedem no Reino de Deus. 32Porque João veio até vós num caminho de justiça, e vós não acreditastes nele. Ao contrário, os publicanos e as prostitutas creram nele. Vós, porém, mesmo vendo isso, não vos arrependestes para crer nele”.

MEDITAÇÃO


Filho, vai trabalhar hoje na vinha! (Mt 21, 28)


Preste bem atenção a estas palavras que o pai diz na história que Jesus contou. ‘Filho, vai trabalhar hoje na vinha!’ O homem diz isso a cada um dos seus dois filhos. São quatro palavras: Filho – trabalhar – hoje – vinha. 

VINHA – A vinha é uma representação do próprio povo de Deus, vinha do Senhor. É também um modo de falar do Reino de Deus. A vinha é o campo de trabalho a que somos enviados. 

FILHO - Não se trata de servo ou de funcionário, mas de filho. Filho é herdeiro. A vinha é sua também, é a sua herança. É assim que o Senhor pede nossa participação na missão, como filhos, não como servos ou funcionários. 

TRABALHAR – No tempo de Jesus, o filho trabalhava com o pai, aprendia o seu ofício. Não seria necessário pedir ao filho para ir trabalhar na vinha, a não ser que este estivesse desinteressado, faltando ao seu compromisso ou se esquivando do trabalho. 

HOJE - Hoje não é amanhã ou no ano que vem. É hoje. Como no profeta Isaías que Jesus leu na sinagoga de Nazaré: “Hoje, cumpriram-se estas palavras que vocês acabaram de ouvir”. Ou como na casa de Zaqueu, em Jericó: “Hoje, entrou a salvação nesta casa”. Nosso empenho como cristãos na Igreja e na sociedade é hoje, sem adiamentos, sem omissão.

Filho, vai trabalhar hoje na vinha! 

O primeiro filho, rebelde, negou-se a ir. Mas, depois, mudou seu comportamento. Foi trabalhar na vinha. Este fez a vontade de Deus. Essa mudança é chamada também nesse mesmo evangelho de arrependimento, conversão. O segundo filho respondeu “Sim, Senhor, eu vou”, mas não foi. Mostrou-se muito obediente, muito atencioso, mas não se integrou na dinâmica de trabalho da vinha, como o pai pediu. Não fez a vontade de Deus. 

Vamos olhar mais de perto quem é o primeiro filho, o que disse que não ia, mas acabou indo. Jesus mesmo explica: esse filho está representando todos os cobradores de impostos e as prostitutas e, com eles, a grande massa de gente desprezada e marginalizada. Eles são o filho que disse ‘não quero’ com sua vida longe de Deus, mas converteu-se, foi trabalhar na vinha. 

E o outro filho, o que disse que ia, mas não foi? Quem ele está representando? Resposta: Os chefes dos sacerdotes e os anciãos do povo. Eles praticavam a Lei de Moisés, mostravam-se sempre obedientes e amorosos com Deus, “sim, Senhor”, mas não atenderam o pedido do pai. Rejeitaram a pregação de João Batista e de Jesus. Não creram, não se converteram, não se integraram ao Reino de Deus, a vinha. 

Guardando a mensagem 

A história que Jesus contou é uma fotografia do que está acontecendo no tempo dele e hoje. Pela evangelização, o Pai está convidando seus filhos e suas filhas ao Reino de Deus. Uns, tidos como gente longe da fé, de cara estão dizendo que não vão. Mas, considerando melhor, integram-se no Reino de Deus, como Mateus, Zaqueu, a Samaritana, a Madalena, o filho pródigo... Eles são o primeiro filho. Outros, já praticantes da Lei, justos, vivem dizendo “sim, Senhor’. Mas, na prática, não vão. Ficam só na conversa. É o segundo filho. Claro, Jesus está nos contando hoje essa história por alguma razão. A minha, eu sei qual é. A sua, você vá pensando para descobrir.

Filho, vai trabalhar hoje na vinha! (Mt 21, 28)


Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Pela evangelização, estamos sendo convocados a nos integrar na obra de Deus, que é o seu Reino, a sua vinha. Tu, Senhor Jesus, experimentaste que, em resposta à evangelização, uns se mostram muito atenciosos e cheios de promessas, mas de verdade não se convertem, não mudam de vida, não assumem a causa do Pai. Outros, mesmo rejeitando o convite, acabam por converter-se e abraçar a vontade divina, indo trabalhar em sua vinha. Ajuda-nos, Senhor, a responder ao evangelho com a conversão. Dá-nos nos empenhar, como filhos, para que a tua palavra, na igreja e na sociedade, produza muitos frutos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

No seu caderno espiritual, responda a esta pergunta: “O que seria trabalhar na vinha do Senhor?”.

Hoje, começa a Novena de Natal. Ela nos ajuda numa preparação mais próxima para as celebrações natalinas. Ela vai de hoJe, 15, a 23 de dezembro. Nas livrarias católicas, na internet, na sua paróquia há subsídios para ajudar a celebrar esta novena em família. 

Nós da Associação Missionária Amanhecer (AMA), também preparamos uma Novena de Natal. Vamos nos encontrar diariamente, a partir de hoje, 15, a 23 de dezembro, às 14 horas, com transmissão pelo Youtube, pelo Facebook e pelo Aplicativo Tempo de Paz. Para quem recebe a Meditação no celular, estou enviando o link para inscrição na Novena. E já a espera para o Youtube. Quem se inscreve, recebe o roteiro da novena, pelo email.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

MÚSICA

JÁ NÃO SOU EU 
(Rm 7-8 Gl 2) - (Pe. João Carlos)


Não consigo entender
Não consigo fazer
O bem que eu quero
Não consigo entender
Só consigo fazer
O mal que não quero.

Quem me livrará
Deste peso de morte em mim
Quem me libertará
Do pecado que mora em mim 

Foi por isso que o Pai enviou
Veio a nós Jesus Salvador
Que nos deu vida nova no seu Espírito.

Minha vida agora
Eu a vivo na fé
Fé naquele que me amou
E se entregou por mim 

Fui crucificado com ele
Ressuscitado com ele
Fui perdoado por ele
Minha vida recomeçou 

Já não sou eu
Já não sou eu
Já não sou eu que vivo
É Cristo que vive em mim. 

Minha vida agora.... 



20200830

A VONTADE DE DEUS E A TENTAÇÃO



Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga. (Mt 16, 24).

30 de agosto de 2020 – 22º. Domingo do Tempo Comum

Em princípio, todos nós queremos fazer a vontade de Deus. E a vontade de Deus é que nós sejamos bons, justos, honestos, trabalhadores, fieis, piedosos, santos. Acontece que há muita coisa que pode nos desviar da vontade de Deus. São as tentações.

Jesus veio para fazer a vontade de Deus. Aos poucos, ele foi entendendo o alcance da vontade do Pai em sua vida. Em mais de uma ocasião, conversou com os discípulos, comunicando-lhes que “deveria ir a Jerusalém, sofrer muito e que deveria ser morto e ressuscitar ao terceiro dia”. A perseguição era o desfecho da rejeição que a sua presença, sua pregação e seus milagres provocaram nas lideranças do seu povo, representadas pelos anciãos, sumos sacerdotes e mestres da Lei. A vontade de Deus era que Jesus seguisse fiel até o fim, até às últimas consequências.

Quadro parecido de dificuldades e perseguição, viveu também o profeta Jeremias. A vontade de Deus era que ele anunciasse a sua Palavra, reprovando as ações do seu povo e de suas lideranças e lembrando-lhes qual seria o resultado de suas más ações. Pela reação, no dizer do profeta, a palavra do Senhor tornou-se para ele fonte de vergonha e de chacota.

Nós, seguidores de Jesus, também queremos conhecer e realizar a vontade de Deus. São Paulo, na carta aos Romanos, nos exortou a nos transformar, renovando a nossa maneira de pensar e de julgar, para podermos distinguir o que é da vontade de Deus, isto é, o que é bom, o que é justo, o que lhe agrada, o que é perfeito.

Diante da realização da vontade de Deus, que pode nos trazer algum incômodo e sofrimento, vem a tentação de nos esquivarmos do que é difícil, do que exige sacrifício, do que pode nos trazer problemas. Jesus sentiu a posição de Pedro como uma tentação. Pedro repreendeu o Mestre com essas palavras: “Deus não permita tal coisa, Senhor! Que isso nunca te aconteça”. Pedro só queria o melhor para Jesus. Mas, estava agindo como o tentador, afastando Jesus da vontade de Deus, da fidelidade à sua missão. A reação de Jesus foi surpreendente, comparou essa tentação com a que tinha sofrido no deserto, no início de sua missão. “Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço, porque não pensas as coisas de Deus, mas sim as coisas dos homens”.

Jeremias também teve sua tentação. Não queria mais falar em nome de Deus. Mas, um fogo ardente o devorava, impelindo-o a continuar a missão. Nós também, nos lembra São Paulo na carta aos Romanos, temos a nossa tentação: conformarmo-nos ao mundo, não à vontade de Deus.

O caminho do seguimento de Jesus nos pede uma cota de renúncia, de sacrifício para sermos fieis à vontade de Deus. Jesus foi claro: “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga”.

Guardando a mensagem

Jesus comunicou aos discípulos o que Deus queria dele: que fosse fiel até o fim, mesmo que tivesse que enfrentar a perseguição. Por isso, tomou a decisão de ir a Jerusalém e não fugir dos sofrimentos da morte que lhe seria imposta. Mas, não ficaria na morte, ressuscitaria. Pedro agiu como o tentador, repreendendo Jesus por essa decisão e assegurando que Deus não permitiria uma coisa daquela.  Jesus está nos dizendo bem claro: para segui-lo, precisamos renunciar a nós mesmos e carregar a cruz de nossas dificuldades e sofrimentos, também.

Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e me siga (Mt 16, 24).

Rezando a palavra


Senhor Jesus, 

na oração do Pai Nosso, tu nos ensinaste a rezar, nos comprometendo com a vontade do Pai e pedindo-lhe que não nos deixe cair em tentação. São Paulo nos lembrou que não podemos ceder à tentação, nos conformando ao mundo, mas transformando-nos, oferecendo-nos em sacrifício espiritual a Deus. No monte das Oliveiras, em grande angústia, tu pediste ao Pai para afastar o cálice da paixão, mas, ao mesmo tempo, reafirmaste: “faça-se antes a tua vontade do que a minha”. Dá-nos, Senhor, a graça de vencermos a tentação que nos afasta da realização da vontade de Deus. Sendo, hoje, o Dia dos Catequistas, nós pedimos, Senhor, uma bênção para esses irmãos e irmãs que acompanham crianças, jovens e adultos no conhecimento e na experiência da fé. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Leia o evangelho de hoje, na sua Bíblia (Mateus 16, 21-27).

Gostaria que você conhecesse duas de minhas canções religiosas que têm a ver com esse evangelho: Seduziste-me (palavras do profeta Jeremias) e Sem Deus (sobre as palavras de Jesus). Estou lhe enviando o link para você, depois de ler a Meditação, ouvir essas canções. Coloquei lá também a letra dessas duas músicas. Se não identificar o link, acesse www.padrejoaocarlos.com.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb





SEDUZISTE-ME  (Jr 20)
Pe João Carlos

Seduziste-me, Senhor,
E eu me deixei seduzir (bis).
Por tua causa e por teu nome,
Estão todos contra mim (bis).

Por que sempre que abro a boca
Devo gritar forte contra a opressão?
Por que denunciar me mandas
Tanta violência e exploração?

Quando eu comigo pensava:
"Dele nunca mais quero me lembrar",
A força de sua palavra
Era uma fogueira a me devorar.

Calúnias eu ouvi de muitos
Tramando o fracasso da minha missão.
Javé é quem está comigo,
E esses inimigos se envergonharão

Javé, justo e poderoso,
A ti confiada minha causa foi.
E todos ao Senhor celebrem,
Pois da mão perversa já me libertou



SEM DEUS (Mt 16)
Pe. João Carlos

Nada vale nessa vida
Se a vida for vivida
Sem Deus
Do que adianta boa vida
Seguranças e conquistas
Sem Deus

O sentido de uma vida
Na chegada ou na partida
É Deus
Apenas vale o caminho
Que nos leve sem desvio
A Deus

Do que adianta
Ter o mundo aos pés
Se aos pés de Deus
Eu não me encontro mais
Do que adianta se eu me perder
Somente Deus é que me satisfaz

Do que adianta
ter o mundo aos pés
Se aos pés de Deus
eu não me encontro mais
Do que adianta se eu me perder
Somente em Deus é que eu encontro a paz.

Só posso ser feliz
Só posso ter a paz
Se Deus for o meu abrigo
Se Deus estiver comigo
Se ele em minha vida

for Deus



Só podes ser feliz
Só podes ter a paz
Se Deus for o teu abrigo
Se Deus estiver contigo
Se ele em tua vida

for Deus



20200319

SÃO JOSÉ, VALEI-NOS!

José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. (Mt 1,20)


19 de março de 2020.

Eles estavam noivos e ela apareceu grávida. Na verdade, já tinham feito as demoradas cerimônias de casamento. Mas, como era costume, não se ia logo morar juntos. Foi nesse tempo, em que ela ainda estava com os pais, que apareceu grávida. Mas, não era dele. Ele ficou desnorteado. Por que ela fez isso comigo? Casamento pronto, tudo arrumado... Num caso como esse, a Lei previa que ele devia denunciá-la ao conselho dos anciãos de sua vila, no caso Nazaré. Ela seria julgada e sentenciada. Certamente, o caso seria reconhecido como adultério.... e a Lei era rigorosa com esse gravíssimo deslize. Devia ser apedrejada. José estava triste e confuso. O casamento estava acabado. E o que ele iria fazer? Denunciá-la? Não, isso não, de jeito nenhum. Ele amava demais sua noiva para fazer isso. Resolveu fugir... a culpa recairia sobre ele. Iria tentar a vida bem longe. Era melhor. Ela criaria seu filho, com o apoio da família. Ele sairia por mau e irresponsável. Foi dormir, assim, triste, sofrido, com essa decisão na cabeça.

Dormindo, José teve um sonho. O anjo do Senhor veio lhe explicar que o que aconteceu com Maria foi da vontade de Deus, que ela concebeu pela ação do Espírito Santo; que ele não tivesse medo de recebê-la como esposa; e que desse ao filho o nome de Jesus. José acordou assustado, mas decidido. Fez como o anjo do Senhor havia mandado.

O que será que o anjo realmente mandou José fazer? Primeiro, receber Maria por esposa. Estar ao lado de Maria, em sua gravidez, na educação do seu filho e em tudo, como esposo, companheiro, apoiando-a, protegendo-a, partilhando com ela as responsabilidades de uma família. E José, que tanto amor tinha por Maria, abraçou essa missão de esposo. Segundo, o anjo mandou que ele desse o nome de Jesus ao menino. E a missão do menino já estava expressa no seu nome: salvar o seu povo dos seus pecados. Dar o nome ao menino significava reconhecê-lo publicamente como filho, garantir sua pertença à família de Davi. Por meio de José, o filho de Deus seria também filho de Davi, seu descendente. E foi assim que José assumiu a condição de pai da criança.

Guardando a mensagem

Festejamos hoje uma figura muito especial, o esposo de Maria e pai adotivo de Jesus. José é o homem obediente a Deus. Ele faz a vontade de Deus, assim que a conhece, com toda dedicação e enfrentando qualquer dificuldade. A sua acolhida da vontade de Deus é um grande exemplo para nós. José é também uma testemunha de Jesus. Com sua vida de pai e de esposo, ele nos diz quem é esse Jesus, que vai aprender com ele a ser um homem justo, um judeu piedoso, um carpinteiro útil na comunidade: ele foi concebido pela ação do Espírito Santo em Maria Virgem, ele veio salvar o seu povo dos seus pecados, ele é o filho de Deus e o filho de Davi.

José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. (Mt 1,20)

Rezando a Palavra

Senhor Jesus,

Que todos, pais e filhos, todos nós aprendamos de São José a acolhida respeitosa da vontade de Deus. Com o seu exemplo, ele nos ensine a amar e proteger nossas famílias. Pedimos a proteção dele sobre os pais de famílias, os desempregados, os trabalhadores, os migrantes. Nós hoje, Senhor, estamos apreensivos com a multiplicação de casos de gente infectada pelo novo coronavírus, em todo o país. E entristecidos pela suspensão da celebração da Santa Missa com o povo em muitas Dioceses. Reconhecemos ser necessária essa medida, mas ela nos dói, porque nos exclui da celebração da Santa Eucaristia, fonte de força e de bênçãos para nós. Senhor, que a presença da Igreja nos meios de comunicação social e digital supram essa lacuna que se cria com a ausência da Santa Missa. E que todos nós, fortalecidos pela tua graça, sejamos preservados desta atual pandemia e, na caridade, protejamos os idosos, os enfermos e os mais pobres e desprotegidos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a Palavra

Hoje, é dia de rezar pelo seu pai. Falecido ou aqui na terra, ele merece todo o seu carinho e suas preces em favor de sua felicidade e sua realização em Deus. Hoje, reze pelo seu pai. Reze também pela Igreja, de quem são José é o patrono.

Todas as quintas-feiras, a partir de hoje, enquanto durar essa quarentena pelo coronavírus, vou celebrar a Santa Missa pelas redes sociais e pelos aplicativos. Será sempre às 11 horas da manhã. Vou rezar por você, também. 

A gente se encontra às dez da noite, no facebook, para a novena extraordinária de Nossa Senhora Auxiliadora pela proteção contra esta epidemia. Vou deixar o texto da novena, logo após a Meditação escrita. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20190716

A MÃE DE JESUS E A VONTADE DE DEUS


Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe (Mt 12, 50).
16 de julho de 2019 – Dia de Nossa Senhora do Carmo
No evangelho de hoje, temos uma cena da vida pública de Jesus, onde está inserida sua mãe. Claro, hoje é o dia da Senhora do Carmo. Olhamos para Maria, hoje, no grupo dos parentes de Jesus, sendo testemunha ocular de um ensinamento precioso do Mestre.
Jesus está falando ao povo. Um grupo de parentes chega e fica do lado de fora, não se integra. E manda um aviso que quer falar com ele. Jesus ensina que o verdadeiro laço de parentesco com ele é a obediência à vontade do Pai. É isso que o define: ser cumpridor da vontade de Deus. Assim, ele deixa claro que o lugar dos parentes é dentro da casa ou da comunidade, como discípulos, aprendendo o caminho do Reino. Eles estão do lado de fora. Então, a palavra de Jesus é um convite para eles se tornarem discípulos, para entrarem.
O recado que Jesus recebeu foi este: “Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”. “Tua mãe e teus irmãos” é uma expressão que se repete várias vezes nesse texto. Refere-se, claro, aos parentes próximos de Jesus. Irmãos são seus primos, ao lado de quem se criara em Nazaré. A Bíblia chama primos de irmãos.
O texto nos ajuda a perceber como os parentes próximos de Jesus tiveram dificuldade para entender o que ele andava fazendo. Houve um tempo em que eles pensaram que Jesus tinha ficado louco. Só aos poucos, eles foram se integrando na grande comunidade que se formou ao redor dele. A resposta de Jesus é um convite claro a que eles se integrem, não fiquem do lado de fora. Este é o verdadeiro laço de parentesco que vai contar: fazer a vontade do Pai.
Olha a palavra de Jesus, apontando para os discípulos:  “Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. Fazer a vontade de Deus é que nos faz discípulos, parentes de Jesus.
E Maria, estava no meio daqueles parentes que não estavam entendendo Jesus? Bom, dizer “tua mãe e teus irmãos” é uma forma de falar da família dele, cujo pai não vivia mais. Se o principal é fazer a vontade de Deus, então isso é um elogio à sua mãe. De fato, Maria foi elogiada no Evangelho por ser cumpridora fiel da vontade do Pai. Izabel a bendisse porque ela acreditou na Palavra do Senhor que lhe fora comunicada. A vontade de Deus, na sua vida, estava acima de qualquer interesse ou projeto pessoal. Ela prontamente aceitou cumpri-la, quando o anjo Gabriel lhe comunicou o que Deus queria dela.
Santo Agostinho, em um de seus sermões, escreveu: “Acaso a Virgem Maria não fez a vontade do Pai, ela que creu pela fé, que pela fé concebeu, que foi escolhida dentre os homens para que dela nos nascesse a salvação? Ela foi criada por Cristo antes que Cristo nela fosse criado. Ela fez totalmente a vontade do Pai e por isto mais valeu para ela ser discípula de Cristo do que sua mãe”.
Guardando a mensagem
O que nos faz próximos ou parentes de Jesus é a obediência à vontade do nosso Deus e Pai, mais do que qualquer laço sanguíneo ou qualquer cargo na Igreja. Parente de Jesus é aquele que cumpre a vontade de Deus, da qual ele é o primeiro cumpridor. O discípulo fiel imita Maria, sua mãe, a Virgem obediente. Maria sempre colocou a vontade de Deus acima de tudo e de todos. A vontade de Deus é a lei que rege a vida daquele que crê. Ela é modelo para todo discípulo.
Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe (Mt 12, 50).
Rezando com quem usa o escapulário:

Ó Senhora do Carmo, revestido de vosso escapulário, 
eu vos peço que ele seja para mim sinal de vossa maternal proteção, em todas as necessidades, nos perigos e nas aflições da vida.
Acompanhai-me com vossa intercessão, 
para que eu possa crescer na fé, na esperança e na caridade, 
seguindo a Jesus e praticando sua Palavra.
Ajudai-me, ó mãe querida, para que, levando com devoção vosso santo Escapulário, mereça a felicidade de morrer piedosamente com ele, na graça de Deus, e assim, alcançar a vida eterna. Amém.
Vivendo a palavra
Hoje, dia de Nossa Senhora do Carmo, lembramo-nos do Monte Carmelo, onde o profeta Elias defendeu a fé no Deus verdadeiro. Maria é este monte onde Deus se revela amoroso e fiel em seu filho Jesus Cristo. Recomende-se à Virgem do Carmo, hoje, com três ave-marias.
Pe. João Carlos Ribeiro – 16 de julho de 2019.

20180925

EVANGELIZE OS SEUS PARENTES


Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver (Lc 8, 19).
25 de setembro de 2018.
Uma vez, me aconteceu que uma família queria batizar o seu filhinho caçula de meses. Coisa muito boa. Mas, os pais não queriam fazer as reuniões de preparação para o batismo, na paróquia. E por que não?  “Não, porque minha mulher é irmã do bispo tal e, assim, já se dão por descontadas essas reuniões”. ‘Que bom que ela seja irmã do bispo tal, mas precisa frequentar as reuniões de preparação’. “Por quê?” ‘Com certeza, ela já ouviu muitas pregações do irmão bispo, mas as reuniões em preparação do sacramento do batismo são necessárias para a família ter entendimento do valor deste sacramento e dos compromissos que estão assumindo com a educação cristã da criança’. Ih, o homem virou uma fera e foi-se embora prometendo queixar-se ao cunhado bispo. Tudo bem.
Estou contando isso, porque no evangelho de hoje tem uma cena parecida. Os parentes de Jesus chegaram à casa onde ele estava, não puderam entrar por conta da quantidade de gente e mandaram um aviso para ele dar atenção que eles mereciam. Aí chegou o recado: “Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver”. Jesus aproveitou a ocasião para evangelizar os seus parentes e para ensinar aos que o estavam escutavam dentro da casa. “Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a põem em prática”.
O que esta palavra de Jesus significa? Bom, o recado para a sua família foi claro. Não basta serem seus parentes de sangue. Não se pertence ao Reino de Deus por ser parente de Jesus. É preciso ouvir a palavra de Deus e pô-la em prática. Esses são seus verdadeiros parentes: os que se tornam seus discípulos, ouvintes e praticantes da Palavra. Essa palavra de Jesus é um convite à conversão dos seus parentes. Eles estão simbolicamente do lado de fora. Precisam entrar, precisam estar do lado de dentro, na comunidade dos discípulos. O lugar dos discípulos é dentro da casa, rodeando o Mestre para aprender o caminho do Reino. Eles estão do lado de fora.
Essa expressão “tua mãe e teus irmãos” é uma forma semita de falar da família. Não tem nenhum sentido negativo contra sua mãe Maria. “Tua mãe e teus irmãos” é uma forma de se referir à família dele, uma vez que não tinha mais o pai. Também não tinha irmãos. “Irmãos” aqui são seus primos ou parentes próximos.
Os parentes de Jesus tiveram dificuldade de entendê-lo, de aceitá-lo e segui-lo. Tinham que passar também pela conversão, como nós. Por sorte, vemos depois a irmã de sua mãe também aos pés da cruz e outros parentes com a comunidade no dia de Pentecostes, quando da vinda do Espírito Santo. Um parente seu, inclusive, foi, depois, líder da comunidade de Jerusalém, Tiago. Muitos dos seus parentes, então, tornaram-se seus discípulos.
A irmã do bispo e sua família também precisam entrar na dinâmica da comunidade e frequentar as reuniões de preparação para o batismo. Não é porque se tem um irmão bispo que se vai para o céu, sem mais. Tem-se que entrar na dinâmica da comunidade.
Guardando a mensagem
Os parentes de Jesus tiveram dificuldade de entender a sua identidade de filho de Deus e a sua missão de Messias. Num certo momento, acharam até que ele tinha perdido o juízo. Nessa passagem, eles aparecem do lado de fora, chamando Jesus. Jesus os chama para a condição de discípulos, os convida a ingressar no círculo dos seus seguidores, a entrar na casa. Seus verdadeiros parentes são os que, como ele e como Maria, fazem a vontade de Deus. Uma boa lição para nós todos. Não basta pertencermos a uma congregação religiosa ou mesmo ao clero, a uma comunidade católica ou associação piedosa por mais benemérita que seja. Todos somos chamados a ser discípulos e discípulas de Jesus. Como ele, como sua santa mãe, precisamos ouvir a palavra de Deus e pô-la em prática.
Tua mãe e teus irmãos estão aí fora e querem te ver (Lc 8, 19).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Tua entrada no mundo já foi um gesto de obediência, como está escrito no Salmo 39: “Eis que venho, Senhor, com prazer, fazer a tua santa vontade”. Tua santa mãe acolheu a vontade de Deus com muito amor e entrega total. Disse ela, em resposta à comunicação do anjo: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra”. E tu nos ensinaste também a acolher a vontade do Pai em nossa vida: “Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”. Queremos, Senhor, entrar na tua casa, pertencer ao círculo dos teus discípulos, ser teus parentes: queremos ouvir a Palavra de Deus e pô-la em prática. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Faça como Jesus: evangelize seus parentes. Hoje, reze por eles. Compartilhe com eles esta Meditação. Aos poucos, o Santo Espírito vai lhe mostrando como ajudá-los a se tornarem fiéis discípulos de Jesus.

Pe. João Carlos Ribeiro – 25 .09.2018

20180716

A VIRGEM OBEDIENTE

Todo aquele que faz a vontade do meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe (Mt 12, 50)
16 de julho de 2018.
Neste 16 de julho, dia dedicado a Nossa Senhora do Carmo, o evangelho nos fala da família de Jesus. A expressão “sua mãe e seus irmãos”, que ocorre quatro vezes no evangelho de hoje, é uma forma de falar da família. É uma referência à família de Jesus, uma vez ele que não tinha mais o pai. “Sua mãe  e seus irmãos”. São seus parentes próximos. Jesus, você sabe, não teve irmãos de sangue, mas se criou junto com primos de primeiro grau; e primos, na Bíblia, são chamados de irmãos.
O texto nos ajuda a perceber como foi a reação dos parentes próximos de Jesus, quando este assumiu seu ministério público, depois da morte de João Batista. Claro, eles tiveram dificuldade para compreender o comportamento de Jesus e para se integrar na grande comunidade de seguidores que estava se formando ao seu redor.   
A cena é simbólica. Jesus está falando ao povo. Um grupo de parentes chega e fica do lado de fora, não se integra. E manda um aviso que quer falar com ele. Jesus ensina que o verdadeiro laço de parentesco com ele é a obediência à vontade do Pai. É isso que o define: ser cumpridor da vontade de Deus. Assim, ele deixa claro que o lugar dos parentes é dentro da casa ou da comunidade, como discípulos, aprendendo o caminho do Reino. Eles estão do lado de fora. Então, a palavra de Jesus é um convite para eles se tornarem discípulos, para entrarem.
Maria foi elogiada no Evangelho por ser cumpridora fiel da vontade do Pai. Izabel a bendisse porque ela acreditou na Palavra do Senhor que lhe fora comunicada. A resposta que ela deu ao anjo Gabriel foi: "Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra". A vontade de Deus, na sua vida, estava acima de qualquer interesse ou projeto pessoal. Ela prontamente aceitou cumpri-la, mesmo que isso significasse enfrentar "uma espada de dor que transpassaria seu coração".
‘Aquele que fizer a vontade do meu Pai que está nos Céus, esse é meu irmão, irmã e mãe’.  Foi o que Jesus disse. Maria é modelo para os seguidores de Jesus. Ela tornou-se sua mãe porque foi obediente à vontade do Pai. Quem faz como ela, colocando a vontade de Deus antes de tudo e de todos, esse é o verdadeiro parente de Jesus.   
Vamos guardar a mensagem
O que nos faz próximos de Jesus, seus parentes, é a obediência à vontade de Deus, mais do que qualquer laço sanguíneo. Parente de Jesus é aquele que cumpre a vontade de Deus, da qual ele é o primeiro cumpridor. O discípulo fiel imita Maria, sua mãe, a Virgem obediente. Maria sempre colocou a vontade de Deus acima de tudo e de todos. Jesus a apresenta como modelo para todo discípulo. A vontade de Deus é a lei que rege a vida daquele que crê.
Todo aquele que faz a vontade do meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe (Mt 12, 50)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
Tu és o modelo de obediência para todos nós. Rezamos contigo, no Pai Nosso: “Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”. Tua mãe te trouxe ao mundo, num gesto de obediência à vontade de Deus. E foi sempre a serva do Senhor, empenhada na realização de sua vontade. Temos parentesco contigo e com tua mãe, na medida em que nos tornamos fiéis cumpridores da santa vontade do nosso Deus. Neste dia dedicado à Nossa Senhora do Carmo, concede-nos, Senhor, por sua intercessão, a conversão e a santidade de nossas famílias. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Neste dia dedicado a Nossa Senhora do Carmo, encontre um tempinho para rezar, em sua Bíblia, o canto de Maria (o Magnificat) em Lucas 1,46-55.

Pe. João Carlos Ribeiro – 16/07/2018

20171207

ESSA CASA, NINGUÉM DERRUBA

MEDITAÇÃO 
PARA A QUINTA-FEIRA, 
DIA 07 DE DEZEMBRO

Quem ouve as minhas palavras e não as põe em prática é como um homem sem juízo que construiu sua casa sobre a areia (Mt 7,26).

Você está construindo sua casa sobre a areia ou sobre a rocha? Sua casa é o que você constrói na vida: sua educação, sua profissão, o seu casamento, a educação dos seus filhos... Qual é o alicerce de sua vida?

Eu vou lhe dizer uma coisa: construir em cima de um terreno firme, como uma rocha, é uma coisa muito trabalhosa. É trabalhoso e demorado. Exige muito esforço e perseverança. Você gasta muito e demora mais. Mas tem uma vantagem: ninguém derruba. 

Pense no que é construir um casamento feliz, uma família à prova de vendavais e tempestades; ou uma profissão bem sucedida; ou ainda a educação dos filhos. Tem-se que por um alicerce firme, como quem constrói em cima de uma rocha. E alicerce firme quer dizer: preparar o futuro com seriedade: estudo sério, educação para o trabalho honesto; fidelidade aos compromissos assumidos, pontualidade no desempenho dos próprios deveres, capacidade de renúncia e disciplina... E isso exige esforço, persistência, sacrifício. 

O alicerce não se vê, mas é ele que sustenta a casa. É ele que garante a construção nos dias adversos das chuvas torrenciais e das ventanias fortes, como disse Jesus no evangelho. 

E nem vou falar do contrário. Quanta fachada bonita, com graves falhas nos alicerces! Casamentos que vão fracassar na primeira crise. Rostos jovens e bonitos que serão presas fáceis do consumismo ou até das drogas. Profissionais despreparados e mercenários. Casas sem alicerce. Vidas edificadas sobre o mais fácil e prazeroso, seguindo a lei do menor esforço. 

Vamos guardar a mensagem de hoje

Acolher e praticar a Palavra de Deus, com dedicação e perseverança, é construir o alicerce de sua própria vida sobre uma rocha firme. Ouvir a palavra e não pô-la em prática é construir sua casa sobre terreno sem consistência, é expor-se ao fracasso. A diferença está, então, em praticar a palavra, isto é, em fazer da vivência do evangelho o alicerce da própria vida. 

Quem ouve as minhas palavras e não as põe em prática é como um homem sem juízo que construiu sua casa sobre a areia (Mt 7,26).

Vamos acolher a mensagem de hoje com uma prece

Senhor Jesus, 
Cada dia mais, tua Palavra nos encanta. Mas, é claro, não basta ouvi-la e conhecê-la. É preciso praticá-la. A prática de tua Palavra é o alicerce firme que pomos na construção de nossa vida. Exige esforço, decisão, perseverança. A tua graça nos faz novas criaturas. A tua palavra nos vai edificando como pessoas renascidas na fé, libertas do pecado e de todos os vícios do homem velho. É uma construção que nos pede renúncia, conversão, empenho diário. A prática de tua palavra, isto é, viver segundo a boa notícia do amor do nosso Deus, é uma parceria entre nosso esforço e a tua graça, entre a nossa luta diária para vencer o mal e praticar o bem e a ação do Santo Espírito que nos purifica, nos renova e nos edifica como filhos de Deus. Obrigado, Senhor. Bendito seja o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vamos vivenciar a palavra que meditamos

Você, com certeza, conhece alguma família que esteja passando por um momento de tempestade. Hoje, reze por essa família. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 07.12.2017

20171120

SERÁ QUE VOCÊ TEM ALGUM GRAU DE PARENTESCO COM JESUS DE NAZARÉ?


MEDITAÇÃO
PARA A TERÇA-FEIRA, 21 DE NOVEMBRO

Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe (Mt 12, 50).
O evangelho mostra as muitas oposições que Jesus sofreu dos seus conterrâneos, de sua família, dos fariseus, das autoridades religiosas... Houve um momento em que os parentes de Jesus acharam que ele estava ficando louco. Herodes chegou a pensar que ele era a reencarnação de João Batista. Os mestres da lei insinuaram, maldosamente, que ele estava possuído pelo demônio.
A expressão “sua mãe e seus irmãos” está repetida igualzinha quatro vezes, no texto do evangelho de hoje e, na conclusão de Jesus, ela volta a aparecer enriquecida. Essa expressão “sua mãe e seus irmãos” é uma forma de falar da família. É uma referência à família de Jesus, uma vez que não tinha mais o pai. São seus parentes próximos. Jesus, você sabe, não teve irmãos de sangue, mas se criou junto com primos de primeiro grau, que são chamados na Bíblia de irmãos.  
O texto nos ajuda a perceber como foi a reação dos parentes próximos de Jesus, quando este assumiu seu ministério público, depois da morte de João Batista. Claro, eles tiveram dificuldade para compreender o comportamento de Jesus e para se integrar na grande comunidade de seguidores que estava se formando ao seu redor.   
A cena é simbólica. Jesus está falando ao povo. Um grupo de parentes chega e fica do lado de fora, não se integra. E manda um aviso que quer falar com ele. Jesus ensina que o verdadeiro laço de parentesco com ele é a obediência à vontade do Pai. É isso que o define: ser cumpridor da vontade de Deus. Assim, ele deixa claro que o lugar dos parentes é dentro da casa ou da comunidade, como discípulos, aprendendo o caminho do Reino. Eles estão do lado de fora. Então, a palavra de Jesus é um convite para eles se tornarem discípulos, para entrarem.
Maria foi elogiada no Evangelho por ser cumpridora fiel da vontade do Pai. Izabel a bendisse porque ela acreditou na Palavra do Senhor que lhe fora comunicada. A resposta que ela deu ao anjo Gabriel foi: "Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra". A vontade de Deus, na sua vida, estava acima de qualquer interesse ou projeto pessoal. Ela prontamente aceitou cumpri-la, mesmo que isso significasse enfrentar "uma espada de dor que transpassaria seu coração".
‘Aquele que fizer a vontade do meu Pai que está nos Céus, esse é meu irmão, irmã e mãe’. Foi o que Jesus disse. Maria é modelo para seguidores de Jesus. Ela tornou-se sua mãe porque foi obediente à vontade do Pai. Quem faz como ela, colocando a vontade de Deus antes de tudo e de todos, esse é o verdadeiro parente de Jesus.   
Vamos guardar a mensagem de hoje
O que nos faz próximos de Jesus, seus parentes, é a obediência à vontade de Deus, mais do que qualquer laço sanguíneo. Parente de Jesus é aquele que cumpre a vontade de Deus, da qual ele é o primeiro cumpridor. O discípulo fiel imita Maria, sua mãe, a Virgem obediente. Maria sempre colocou a vontade de Deus acima de tudo e de todos. Jesus a apresenta como modelo para todo discípulo. A vontade de Deus é a lei que rege a vida daquele que crê.
Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe (Mt 12, 50).

20160708

Os dois filhos

 “Qual dos dois fez a vontade do pai?”, foi a pergunta de Jesus, contando a história dos dois filhos. O pedido foi o mesmo: “Filho, vai trabalhar hoje na minha vinha”. O primeiro disse que não ia, mas foi. O segundo, disse que ia, mas não foi. 

Quem eram esses dois filhos? Na cena bíblica (Mateus 21), está tudo bem claro. Quem disse que não ia, mas acabou indo está representando os cobradores de impostos e as prostitutas. Quem disse que ia, mas não foi está representando os sacerdotes e os anciãos do povo.

E quem eram os cobradores dose impostos romanos e as prostitutas? A escória de Israel, as pessoas mais desprezadas por sua condição pública de pecadores. Muitos desses se converteram à pregação do Reino. E quem eram os sacerdotes e os anciãos do povo? Os anciãos eram chefes das famílias abastadas da capital, gente rica e importante. Os grandes sacerdotes do Templo eram os saduceus, grupo que detinha o poder religioso e civil, pois presidia o Sinédrio, a maior instância de autoridade do seu povo. Essa gente ligada aos círculos de poder não acolheu o Reino, ao contrário, perseguiu Jesus e sua comunidade.

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...