PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA

A fortaleza que você está precisando.


   01 de junho de 2024.   

Memória de São Justino, mártir

   Evangelho.   


Mc 11,27-33

Naquele tempo, 27Jesus e os discípulos foram de novo a Jerusalém. Enquanto Jesus estava andando no Templo, os sumos sacerdotes, os mestres da Lei e os anciãos aproximaram-se dele e perguntaram: 28“Com que autoridade fazes essas coisas? Quem te deu autoridade para fazer isso?” 29Jesus respondeu: “Vou fazer-vos uma só pergunta. Se me responderdes, eu vos direi com que autoridade faço isso. 30O batismo de João vinha do céu ou dos homens? Respondei-me”. 31Eles discutiam entre si: “Se respondermos que vinha do céu, ele vai dizer: ‘Por que não acreditastes em João?’ 32Devemos então dizer que vinha dos homens?” Mas eles tinham medo da multidão, porque todos, de fato, tinham João na qualidade de profeta. 33Então eles responderam a Jesus: “Não sabemos”. E Jesus disse: “Pois eu também não vos digo com que autoridade faço essas coisas”.

   Meditação.  


Pois eu também não lhes digo com que autoridade faço essas coisas (Mc 11,33).

Por que Jesus não respondeu à pergunta? Não seria mais fácil Jesus dar logo uma reposta? Eles queriam saber com que autoridade ele estava fazendo aquilo no Templo. E o que é que Jesus estava fazendo? Estava denunciando que tinham convertido a casa de oração num antro de ladrões. Tinha expulsado os vendedores, compradores e cambistas do Templo, afinal, tinha tomado uma atitude pública contra o desvirtuamento do Templo. Quem estava perguntando? Os responsáveis pelo Templo e pela religião em Israel: os sumos-sacerdotes, os mestres da lei e os anciãos - um grupo poderoso, os membros do Sinédrio. Seria este o grupo a julgar Jesus, depois, condenando-o como um malfeitor. Então, não era uma pergunta inocente. Era uma acusação, um enfrentamento perigoso, uma vez que eles tinham um corpo de guardas sob seu comando: 'Com que autoridade tu fazes isto?'

Jesus não respondeu diretamente. Mas, se propôs a responder, desde que eles respondessem também a uma pergunta. A pergunta foi sobre o batismo de João. João andou levando o povo para o deserto, para batizar-se no Rio Jordão, pregando a mudança de vida, em preparação da vinda do Messias. Para João, o Templo não era mais o lugar da purificação. A volta ao tempo do deserto era um recomeço, quando não havia Templo, mas só uma Tenda móvel. Eles, a elite que controlava o Templo, achou foi bom Herodes prender e decapitar João Batista. Livraram-se de um pregador incômodo, de uma denúncia permanente da situação de pecado deles que deviam guardar a aliança com fidelidade. Jesus perguntou: O batismo de João era de Deus ou dos homens? Como eles não se converteram com a pregação de João Batista, a resposta já estava dada. Mas, não podia ser verbalizada, claro. “Então, eu também não digo com que autoridade eu faço essas coisas”, concluiu Jesus. Claro, a resposta estava dada: com a mesma autoridade com que João Batista pregava a conversão e batizava. Mas, não adiantava dizer com a boca. As suas atitudes falavam por si.

O mundo hoje cobra dos cristãos explicações... por que vocês querem pensar e agir diferentemente dos outros? Por que vocês não aceitam a violência, a vingança, a pena de morte? Por que vocês não deixam a mulher decidir sobre sua gravidez e ter a liberdade de abortar? Por que vocês insistem tanto no casamento religioso? Por que vocês são tão obedientes ao Papa? Por que vocês adoram a Eucaristia? Quem pergunta nem sempre está interessado na resposta. É só uma forma de intimidação, de oposição. Às vezes, é melhor fazer como Jesus: não responder, ou melhor, responder com as atitudes e com o modo de viver.

Guardando a mensagem

Os líderes do povo de Deus não reconheceram em Jesus o Messias que Deus prometera e enviara. Também não quiseram reconhecer João Batista e sua pregação, como coisa de Deus. Preferiram tratá-los como inimigos e tramar a sua morte. Na purificação do Templo, Jesus mostrou abertamente quanto estavam errados, apossando-se da Casa de Deus em benefício dos seus interesses políticos e econômicos. Fizeram uma pergunta, na verdade, uma acusação. “Com que autoridade tu fazes isso?”. Com a mesma autoridade com que João Batista convocou o povo para se purificar no deserto e no Jordão. Com a autoridade de Deus. Mas, isso eles não podiam entender. Jesus não fugiu da resposta. Jesus respondeu com uma pergunta.

Pois eu também não lhes digo com que autoridade faço essas coisas (Mc 11,33).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
eu sei que tem hora de responder e hora de ficar calado. Tem hora de responder, como São Pedro falou na sua carta, explicando as razões de nossa esperança a quem nos perguntar. Tudo bem! E hora de ficar calado, quando a pergunta é uma forma velada de intimidação, de oposição, de perseguição. Aí, é responder com as atitudes de vida. Foi assim que fizeste, Jesus. Senhor, confirma em nós a presença do teu Santo Espírito. Que ele ponha em nossos lábios as palavras certas que podem trazer de volta quem está no mal caminho. Que ele ponha fortaleza em nosso coração, para não nos deixarmos abalar pelas críticas e incompreensões que sempre recebem os que andam contigo. Que ele nos assista quando os inimigos do povo e da fé nos questionam e nos acusam. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

A hora de dar uma resposta é a hora do testemunho. Testemunho maior ainda é o da própria vida. Pode ser que apareça, hoje, uma ocasião para você se explicar diante de alguém. Inspire-se nas palavras e nas atitudes de Jesus.

Comunicando

Amanhã, celebramos o 9º Domingo do Tempo Comum. Vou chover no molhado: Santificamos o domingo, o Dia do Senhor, com a participação na Santa Missa. Planeje, hoje, com sua família, sua presença na missa dominical. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb 

Encerramento do mês de maio.


31 de maio de 2024

  Festa da Visitação da Bem-aventurada Virgem Maria.  



   Evangelho.  

Lc 1,39-56

39Naqueles dias, Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judeia. 40Entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou no seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo.
42Com um grande grito exclamou: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre!” 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu”.
46Maria disse: “A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador, 48porque olhou para a humildade de sua serva. Doravante todas as gerações me chamarão bem-aventurada, 49porque o Todo-poderoso fez grandes coisas em meu favor. O seu nome é santo, 50e sua misericórdia se estende, de geração em geração, a todos os que o temem.
51Ele mostrou a força de seu braço: dispersou os soberbos de coração. 52Derrubou do trono os poderosos e elevou os humildes. 53Encheu de bens os famintos, e despediu os ricos de mãos vazias. 54Socorreu Israel, seu servo, lembrando-se de sua misericórdia, 55conforme prometera aos nossos pais, em favor de Abraão e de sua descendência, para sempre”. 56Maria ficou três meses

  Meditação.  


Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar? (Lc 1, 43)

Foi assim que Izabel mostrou a sua alegria ao receber Maria em sua casa. Aliás, tudo o que Izabel disse naquele encontro foi muito precioso, porque, diz o evangelho, ela ficou cheia do Espírito Santo. E uma das coisas que ela disse foi: “Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu  ventre”,  louvação à Virgem que nós continuamos a fazer na Ave Maria.
Izabel tinha sido agraciada com a maternidade e já estava no sexto mês de gravidez. Ela estava vivendo dias de graça, de bênçãos. Depois de uma vida de humilhações pela esterilidade, já em idade avançada, estava gerando um filho anunciado pelo Anjo a Zacarias, seu esposo. Sua vida é, agora, uma emoção só. E com a chegada de Maria, ela se sente tomada de alegria, cheia do Espírito Santo, como diz o Evangelho.

Ao chegar, Maria lhe fez a saudação de praxe, o Shalom, a paz de Deus. E essa saudação provocou uma enorme alegria em Izabel e em sua criança que estremeceu em seu ventre. A visita de Maria não foi uma simples visita. Na Bíblia, o povo fala da intervenção salvadora de Deus como de uma visita. Quando Jesus esteve em Naim, e ressuscitou o filho da viúva, espalhou-se o comentário: “Deus visitou o seu povo”. Nesta visita de Maria, revela-se a visita de Deus. Ela leva a bênção de Deus, aliás, ela leva Deus mesmo, pois estava grávida de Jesus.

Maria foi à casa de Izabel, viajando de muito longe, para servir à sua prima idosa, naquela hora delicada de sua vida. Foi para oferecer sua companhia e seus préstimos, amparando a vida que estava chegando e a saúde de sua parente. Foi também levar o testemunho silencioso da obra de Deus em sua vida. E demorou-se por lá por três meses, os últimos meses de gravidez de Izabel até o parto. Talvez não haja nenhuma ligação, mas note que a visita de Jesus, isto é o seu ministério público, demorou três anos.




Guardando a mensagem

Como foi preciosa a visita da mãe do Senhor à família de Izabel. Ela não levou nenhum presente especial, a não ser o filho de Deus em suas primeiras semanas de gestação. Izabel reconheceu na visita de Maria uma graça especial de Deus, ficou radiante, sua criança pulou de alegria. Quem deu a Izabel o conhecimento de que Maria era a mãe do seu Senhor? Claro, o Espírito Santo. E nós precisamos hoje do Espírito Santo para reconhecer a graça da visita do Senhor em nossa vida. A palavra de Deus que proclamamos é como aquela saudação de Maria. Então, que ela encha o seu coração de alegria, a existência da luz de Deus. 

Como posso merecer que a mãe do meu Senhor venha me visitar? (Lc 1, 43)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
a visita de tua mãe Maria à sua prima necessitada, em sua condição de idosa e gestante, era já uma imagem de tua visita à nossa humanidade. Inclusive, ela se demorou lá por três meses, como te demoraste por três anos em teu ministério público. Na oração diária, sempre repetimos as palavras do canto de Zacarias: “Bendito seja o Senhor Deus de Israel, porque visitou e redimiu o seu povo”. Tua primeira vinda foi celebrada, então, como uma visita, “a visita do sol nascente que vem iluminar os que estão nas trevas”. Queremos, hoje, Senhor, reconhecer, como Izabel, a graça de Deus que nos visita. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

O que você poderia fazer neste último dia de maio em homenagem a Nossa Senhora, a mãe de Jesus e nossa? Uma rosa para ela? A récita do terço? Uma mensagem a alguém necessitado de atenção? Como disse o poeta: “Tudo vale a pena, se a alma não for pequena”.

Comunicando

No terço mariano de hoje, às 18 horas, em rede com doze emissoras, vamos encerrar o mês de maio, com o boa noite do superior dos salesianos do Nordeste e a bênção de Nossa Senhora Auxiliadora. Ficaríamos muito contentes com a sua participação.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Pela comuhão, nos unimos a Cristo e e ela a nós.




30 de maio de 2024

Solenidade do Santíssimo Corpo e Sngue de Cristo. 



Evangelho. 


Mc 14,12-16.22-26

12No primeiro dia dos Ázimos, quando se imolava o cordeiro pascal, os discípulos disseram a Jesus: “Onde queres que façamos os preparativos para comeres a Páscoa?”
13Jesus enviou então dois dos seus discípulos e lhes disse: “Ide à cidade. Um homem carregando um jarro de água virá ao vosso encontro. Segui-o 14e dizei ao dono da casa em que ele entrar: ‘O Mestre manda dizer: onde está a sala em que vou comer a Páscoa com os meus discípulos?’ 15Então ele vos mostrará, no andar de cima, uma grande sala, arrumada com almofadas. Aí fareis os preparativos para nós!”
16Os discípulos saíram e foram à cidade. Encontraram tudo como Jesus havia dito, e prepararam a Páscoa.
22Enquanto comiam, Jesus tomou o pão e, tendo pronunciado a bênção, partiu-o e entregou-lhes, dizendo: “Tomai, isto é o meu corpo”.
23Em seguida, tomou o cálice, deu graças, entregou-lhes, e todos beberam dele. 24Jesus lhes disse: “Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos. 25Em verdade vos digo, não beberei mais do fruto da videira, até o dia em que beberei o vinho novo no Reino de Deus”.
26Depois de ter cantado o hino, foram para o monte das Oliveiras.

Meditação. 


Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos (Mc 14,24)

Chegamos ao dia de Corpus Christi. O que celebramos? O corpo e o sangue de Cristo, claro. A Eucaristia. O Concílio Vaticano II disse que a Eucaristia é fonte e ápice de toda a evangelização, de toda a vida da Igreja. Dom Bosco escreveu: “O sacrifício do altar é a glória, a vida, o coração do cristianismo”.

A Eucaristia é a Ceia Pascal que Jesus celebrou com os seus discípulos. E o que Jesus fez na última ceia? Ele antecipou a sua entrega na cruz, entregando-se ao Pai em nosso favor. Na cruz, ele deu a sua vida por nós. Aquela oferta generosa e obediente de si mesmo na cruz foi a mesma da ceia. É a mesma da Missa. A Missa renova aquela oferta do calvário, a sua morte redentora em favor da humanidade. A morte cruenta foi uma única vez. Mas, na Missa, como na última ceia, esse sacrifício é renovado, reapresentado a Deus.

A última ceia foi uma ceia de páscoa. Na ceia da páscoa, comia-se o cordeiro assado, cordeiro que tinha sido antes oferecido em sacrifício a Deus. Na ceia de Jesus, não houve cordeiro sacrificado. O cordeiro era Jesus. Ele seria sacrificado. Ele seria o alimento a ser consumido, na ceia da páscoa.

A Missa é a ceia da páscoa. O cordeiro que comemos, em família, em comunidade, em ação de graças pela libertação, é o próprio Jesus. Jesus está sacramentalmente presente no pão e no vinho consagrados. “Comam. Este é o meu corpo”. “Bebam. Este é o meu sangue”.

Na ceia pascal, a grande família rendia graças a Deus por todas as maravilhas que o Senhor realizara na história do seu povo, sobretudo a libertação do cativeiro do Egito. Na ceia dos cristãos, tudo é ação de graças ao Pai, por tudo que ele fez desde a criação até a vinda de Jesus e do Santo Espírito, e sobretudo a obra redentora de Jesus.

Ele disse ao povo: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia”. De fato, por sua morte, ele nos trouxe a vida. Ressuscitado, ele apresentou-se aos discípulos e lhes comunicou a paz e o Espírito. A sua vida entregue expiou o nosso pecado. Ressuscitado, ele nos abriu as portas da casa de Deus: pelo dom do seu Espírito, agora somos filhos Deus. Na sua morte, ele nos deu a vida.

Na missa, na nossa ceia pascal, nos unimos a Cristo pela fé, pela caridade, pela oração e, muito especialmente, pela comunhão eucarística. Nós nos associamos ao seu sacrifício com nossas dores, nossos sofrimentos, nossas lutas. “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele”. Na comunhão eucarística, nos unimos a ele e ele se une a nós.

No sacrário, em cada igreja, se conserva a reserva eucarística, o pão consagrado na Missa para comunhão dos doentes e também para a adoração dos fiéis. Santos, como o Cura D’Ars, recomendava a Visita ao Santíssimo Sacramento. Dom Bosco era claro: “Vocês querem que Jesus lhes conceda muitas graças? Visitem-no muitas vezes. Querem que ele lhes conceda poucas? Então, visitem-no poucas vezes”.


Guardando a mensagem

Jesus celebrou a entrega obediente de sua vida na ceia pascal, a última ceia. Do pão, fez sacramento do seu corpo e o deu em alimento. Do vinho, fez sacramento do seu sangue e o deu em bebida. A Missa é a ceia pascal de Jesus. No lugar do cordeiro sacrificado, comemos pão e vinho, que, pelas palavras do Salvador e pela efusão do Espírito Santo, tornam-se substancialmente corpo e sangue de Cristo. Pela comunhão no seu corpo e no seu sangue, nos unimos profundamente a ele e ele a nós. Na Missa, elevamos ao Pai - com Cristo, em Cristo e por Cristo – a mais alta louvação e dele recebemos as mais elevadas graças e bênçãos.

Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos (Mc 14, 24)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
reunido com os apóstolos na última ceia, tu te ofereceste ao Pai como cordeiro sem mancha e foste aceito como sacrifício de perfeito louvor. Pela comunhão no sublime sacramento da Eucaristia, tu nos nutres e santificas. Dá-nos, Senhor, a graça de nos aproximar sempre da mesa de tão grande mistério para encontrar, por tua graça, a garantia da vida eterna. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Uma prática que Dom Bosco recomendava e pode enriqucer sua vida eucarística é habituar-se a fazer uma Visita ao Santíssimo: passando por uma igreja, demorar-se por alguns minutos diante do sacrário, em oração.

Para honrar o Santíssimo Sacramento, no dia de hoje, que é dia de preceito, é importante participar da Santa Missa e da Procissão Eucarística em sua comunidade. 


Comunicando

Você sabe que todas as quintas-feiras, nós celebramos a Santa Missa com ouvintes e associados, às 11 horas. Nesta quinta, Solenidade de Corpus Christi, após a Santa Missa, teremos a Adoração Eucarística, Você pode nos acompanhar pela Rádio Amanhecer ou pelo Canal do Youtube Padre João Carlos. Aproveite para colocar suas intenções no formulário enviado pelas redes socias ou pelo whatsapp 81 3224-9284.

Um abençoado dia de Corpus Christi e até amanhã, se Deus quiser!

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Entre vocês, não deve ser assim.


  29 de maio de 2024.  

Quarta-feira da 8ª Semana do Tempo Comum

  Evangelho.  


Mc 10,32-45

Naquele tempo, 32os discípulos estavam a caminho, subindo para Jerusalém. Jesus ia na frente. Os discípulos estavam espantados, e aqueles que iam atrás estavam com. medo. Jesus chamou de novo os Doze à parte e começou a dizer-lhes o que estava para acontecer com ele: 33“Eis que estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do Homem vai ser entregue aos sumos sacerdotes e aos doutores da Lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos pagãos. 34Vão zombar dele, cuspir nele, vão torturá-lo e matá-lo. E depois de três dias ele ressuscitará”. 35Tiago e João, filhos de Zebedeu, foram a Jesus e lhe disseram: “Mestre. queremos que faças por nós o que vamos pedir”. 36Ele perguntou: “Que quereis que eu vos faça?” 37Eles responderam: “Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda, quando estiveres na tua glória!” 38Jesus então lhes disse: ‘Vos não sabeis o que pedis. Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber? Podeis ser batizados com o batismo com que vou ser batizado?” 39Eles responderam: “Podemos”. E ele lhes disse: “Vós bebereis o cálice que eu devo beber e sereis batizados com o batismo com que eu devo ser batizado. 40Mas não depende de mim conceder o lugar à minha direita ou à minha esquerda. É para aqueles a quem foi reservado”. 41Quando os outros dez discípulos ouviram isso, indignaram-se com Tiago e João. 42Jesus os chamou e disse: “Vós sabeis que os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam. 43Mas, entre vós, não deve ser assim: quem quiser ser grande seja vosso servo; 44e quem quiser ser o primeiro seja o escravo de todos. 45Porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos.”

  Meditação.  


Entre vocês não deve ser assim (Mc 10, 42)

Olha o papelão que fizeram Tiago e João, apóstolos de Jesus. Caladinhos, falaram com Jesus para quando ele tomasse posse no seu reino, um deles se sentar à sua direita e o outro à sua esquerda. Serem comandantes, ao lado de Jesus. Eh, já estão contaminados pelo vírus do poder. Quando os colegas souberem disso, sei não, vai dar confusão.

Você pode até pensar: esse negócio de poder não tem nada a ver comigo. É um assunto para quem ocupa altos cargos na Igreja ou para os políticos de Brasília. É aí que você se engana. Todo mundo tem uma relação com o poder. Mesmo que não esteja em uma função de comando, está numa relação com quem comanda. E aí se mostra qual é a sua concepção de poder: o poder-prestígio ou o poder-serviço. O poder no mundo chega a ser um ídolo. Uns se fazem de deuses e outros de seus adoradores. Para cada mandão, há um séquito de pessoas subservientes, bajuladoras, infantilizadas e avessas ao diálogo e ao espírito comunitário.

Apesar do exemplo de Jesus, os seus colaboradores mais próximos, os apóstolos, estão também tentados pela sede de poder. E já começam a disputar cargos, posição, prestígio. Aqueles dois claramente pretendem uma posição privilegiada (um à direita e outro à esquerda) ao lado de Jesus e, claro, acima dos outros. E essa pretensão logo espalha um mal-estar na comunidade dos apóstolos. O poder como prestígio, irmão gêmeo do enriquecimento duvidoso, semeia logo a discórdia, a desunião, a inveja e a competição doentia. É que ele agride gravemente o espírito comunitário. Essa tentação do poder-prestígio é um perigo para um cristão, pois o faz renunciar ao que aprendeu no Evangelho: o amor solidário, o respeito pela dignidade do outro, o espírito de serviço.

Os discípulos têm diante de si o exemplo de Jesus e o modelo da própria sociedade. O mau exemplo vem dos fariseus, da turma do Templo, do próprio ambiente religioso. E nisso, é claro, imitam-se as disputas de poder da classe dominante, da corte de Herodes, do Sinédrio. Jesus, no jejum do deserto, tinha enfrentado essa tentação. O diabo tinha oferecido o poder sobre todos os reinos do mundo, se o adorasse. Jesus reagiu. Submeter-se só à vontade de Deus. Nada de aliança com o mal. O poder-prestígio é sustentado por alianças perigosas e concessões à falcatrua, à propina, à troca de favores.

O exemplo de Jesus é bem outro. Ele dá exemplo com sua vida, suas escolhas e deixou esse precioso ensinamento: eu não vim para ser servido, mas para servir. O exercício do poder em Jesus não afastava as pessoas e nem o isolava dos outros. Como Mestre no seu grupo de discípulos, puxava o diálogo, responsabilizava cada um e, para admiração de todos, lavou os seus pés como um empregado fazia. Servir - essa palavra deve marcar a vida de um cristão em cargos de liderança ou em postos de comando. Servir. Não ser servido. Colocar-se a serviço dos outros, do bem, da justiça, diferentemente do poder-prestígio que se serve dos outros, que busca o seu benefício pessoal, que quer ser o maior.

Guardando a mensagem

A tentação do poder-prestígio estava presente também no grupo dos discípulos de Jesus. Jesus exerceu o poder-serviço. E o ensinou claramente. Não veio para ser servido, mas para servir. E disse mais: Vejam como o poder é exercido na sociedade, percebam a opressão dos grandes. Entre vocês, não deve ser assim. Quem quiser ser o primeiro, seja o servo de todos.

Entre vocês não deve ser assim (Mc 10, 42)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
somos a tua Igreja e nossa presença na sociedade precisa ser pautada pelo espírito de serviço. Animados por teu evangelho, queremos fomentar a fraternidade em nosso ambiente de trabalho, de convivência, em nossas famílias, pois, servir é a marca do cristão. Ajuda-nos, Senhor, a não ceder, na Igreja, à tentação do poder-prestígio do mundo. Antes, levemos para a sociedade nossa experiência de poder-serviço vivido na família e na comunidade cristã. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a Palavra

Vale, hoje, um exame de consciência sobre que tipo de liderança você exerce ou apoia: mais parecida com Jesus ou mais parecida com o espírito do mundo?

Comunicando

Tivemos, ontem à noite, uma reunião virtual com o grupo que vai comigo à Itália, no próximo mês de outubro. Vamos visitar Roma, Assis e Turim, percorrendo os lugares de São Francisco de Assis e de Dom Bosco. Temos ainda algumas vagas. Para fazer contato com a nossa equipe, ligue ou mande mensagem para 81 9 9964-4899.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O que diz o tamanho de sua renúncia.

  



   28 de maio de 2024.  

Terça-feira da 8ª Semana do Tempo Comum


  Evangelho.  


Mc 10,28-31

Naquele tempo, 28começou Pedro a dizer a Jesus: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”. 29Respondeu Jesus: “Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, 30receberá cem vezes mais agora, durante esta vida — casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições — e, no mundo futuro, a vida eterna. 31Muitos que agora são os primeiros serão os últimos. E muitos que agora são os últimos serão os primeiros”.

  Meditação.  


Nós deixamos tudo e te seguimos (Mc 10, 28)

O jovem rico foi um mau exemplo de seguidor de Jesus. Ele não renunciou a nada. Um sujeito que amava mais o seu dinheiro do que o Reino de Deus. Tinha mais confiança nos seus bens do que na palavra do Senhor. Preferiu a segurança do seu status à aventura do seguimento de Jesus. Um mau exemplo.

Pedro e seus companheiros representam um bom exemplo de seguidores de Jesus. Eles deixaram tudo. Eles colocaram o Reino de Deus em primeiro lugar. Deixaram sua organização de pesca, seus barcos, sua profissão, suas famílias, a segurança de suas casas e puseram-se a caminho com Jesus. Colocaram sua confiança em Deus e aceitaram o desafio do seguimento. Um bom exemplo.

É, o amor exige renúncia. E pelo tamanho da renúncia se diz o quanto se ama. A jovem esposa acompanha o marido que foi transferido para um estado muito distante. Fica longe de tudo o que ela conhece e ama, seus pais, seus lugares preferidos, sua terra. Renuncia muito, porque ama muito. O pai, por causa dos filhos, de bom grado não frequenta mais as rodas de amigos no bar da esquina. Renuncia a boa conversa, regada a uma boa cerveja, para estar com os filhos, para brincar com eles, para sair com eles. Renuncia muito, porque ama muito. Aquela senhora já não está podendo mais ir a uma festa, fazer as viagens que fazia. Fica tomando conta da mãezinha idosa. Renuncia muito, porque ama muito.

O jovem rico amava pouco. Não deixou nada. Não abriu mão do seu dinheiro. Foi-se embora, entristecido. Fracassou o aprendiz de seguidor de Jesus. Pelo tamanho da renúncia se sabe o tamanho do amor. O jovem Francisco de Assis também era rico, de família importante, estudado, culto. Sentiu no coração um amor imenso por Jesus crucificado e pelos pobres que encarnavam o seu sofrimento. Renunciou seu prestígio, suas riquezas, seu título de nobreza. Fez-se um seguidor do Mestre pelos caminhos da pobreza e da oração. Pelo tamanho da renúncia se sabe o tamanho do amor.

Pedro e seus companheiros que deixaram tudo fizeram uma pergunta a Jesus: “O que nós vamos ganhar com isso?” A resposta de Jesus foi maravilhosa: ‘Nessa vida, cem vez mais do que deixaram. E na outra, a vida eterna’. Deus não se deixa vencer em generosidade. Você oferece 10, ele devolve 100. Eu mesmo deixei de constituir família, pensei que ia ficar sozinho. Nada, ele me deu tantas mães, tantos pais, tantos filhos, que já estou perdendo a conta.

E você, tem sido generoso/a com Deus? Tem confiado mais nele do que nos seus trocados? Tem renunciado alguma coisa para não faltar à missa, para fazer seu momento diário de oração, para observar os seus mandamentos? Pelo tamanho de sua renúncia se sabe o tamanho do seu amor por ele.




Guardando a mensagem

Jesus chamou um jovem para segui-lo, deixando tudo. No apego aos seus bens e à segurança de suas posses, ele não foi capaz de renunciar tudo e seguir Jesus. Pedro e seus companheiros também receberam o mesmo convite. Deixaram tudo e seguiram Jesus. Vão ficar sem nada? Jesus garantiu: cem vezes mais aqui na terra, com perseguições e a vida eterna, no mundo futuro. Pelo tamanho da renúncia, se sabe o tamanho do nosso amor a Jesus.

Nós deixamos tudo e te seguimos (Mc 10, 28)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
sempre nos vem à lembrança a pergunta que fizeste a Pedro: ‘Simão, tu me amas?’ Pedro, mesmo tendo fraquejado nos dias de tua paixão, te tinha um grande amor. E sofreu muito por não ter sido fiel cem por cento, como deveria. Certamente, isso lhe deu mais condições de compreender os seus irmãos e irmãs, em suas fragilidades e deslizes. E porque te amava tanto – deixou tudo para te seguir - , deste a ele a responsabilidade de cuidar do teu rebanho. Senhor, que o nosso amor por ti se comprove nas provações, nas dificuldades e nas horas em que seguir-te signifique renunciar alguma coisa ou a muitas coisas. Seja o teu nome bendito, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Você conhece alguém que deixou muita coisa para seguir Jesus. Reze por ele ou por ela. Você conhece alguém que não conseguiu renunciar a muita coisa para seguir Jesus. Reze por ele ou ela, também.

Comunicando

Quero agradecer e parabenizar quem acompanhou ontem o encontro bíblico sobre o Profeta Ezequiel, no meu Canal do Youtube. Quem não pode vê-lo ontem à noite, arrume uma horinha nesta semana para fazer esse estudo. O encontro ficou gravado no Youtube. Para ter acesso ao material de cada aula, entre em um dos grupos informados na descrição do vídeo.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Jesus olhou para ele, com amor.

 


27 de maio de 2024

  Segunda-feira da 8ª Semana do Tempo Comum   


  Evangelho  


Mc 10,17-27

Naquele tempo, 17quando Jesus saiu a caminhar, veio alguém correndo, ajoelhou-se diante dele, e perguntou: “Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?”
18Jesus disse: “Por que me chamas de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém. 19Tu conheces os mandamentos: não matarás; não cometerás adultério; não roubarás; não levantarás falso testemunho; não prejudicarás ninguém; honra teu pai e tua mãe!”
20Ele respondeu: “Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude”. 21Jesus olhou para ele com amor, e disse: “Só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!”
22Mas quando ele ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico. 23Jesus então olhou ao redor e disse aos discípulos: “Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!”
24Os discípulos se admiravam com estas palavras, mas ele disse de novo: “Meus filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! 25É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!”
26Eles ficaram muito espantados ao ouvirem isso, e perguntavam uns aos outros: “Então, quem pode ser salvo?” 27Jesus olhou para eles e disse: “Para os homens isso é impossível, mas não para Deus. Para Deus tudo é possível”.

  Meditação.   


Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna? (Mc 10, 17)

A religião cristã não é apenas um conjunto de práticas religiosas que realizamos para o louvor de Deus e para o nosso bem pessoal. A religião cristã é, especialmente, seguimento de Jesus Cristo. Seguimento. O que nos define não é um título de pertença a uma instituição bimilenar. O que nos define é sermos discípulos de Jesus. É sermos seus seguidores, suas seguidoras. Percorremos com ele o seu caminho. Vamos com ele a Jerusalém.

Jesus e os discípulos estão indo a Jerusalém. Essa é a grande viagem que marca a sua vida. Em Jerusalém, acontecerá o drama da paixão. Essa caminhada é propriamente a direção da vida de Jesus. Neste caminho, a uma certa altura, vem alguém correndo, ajoelha-se aos seus pés e lhe pergunta o que deve fazer para ganhar a vida eterna. Ele já cumpria os mandamentos da Lei, desde a sua juventude. Então, concluiu Jesus, "só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!”. O homem ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.

Essa pessoa buscava a felicidade, a realização, como todos nós. Era uma pessoa religiosa, praticante da Lei desde pequeno. Pelo que respondeu a Jesus, praticava certinho os mandamentos de Deus. Mas, estava inquieto. Sabia que lhe faltava alguma coisa. O que ele poderia fazer para ganhar a vida eterna, para participar da herança da completa felicidade? Ele percebeu que Jesus tinha a resposta. Ele poderia lhe indicar o que realmente tinha que fazer. E lhe pediu isso de joelhos, de coração aberto, com toda sinceridade.

Ele ouviu a resposta de Jesus. A resposta foi dada com muito respeito, muita consideração e como sinal de um amor sincero por ele. Está escrito: “Jesus o olhou com amor”. Não foi uma resposta para afastá-lo, para desanimá-lo em sua busca de felicidade, da herança da vida eterna. Foi uma resposta verdadeira, exigente. Ele, que estava ansioso em busca da felicidade, da vida eterna, ouvindo isso, ficou abatido e desistiu, foi embora cheio de tristeza. Não aceitou a proposta de Jesus, o caminho que ele lhe indicou. Optou por continuar sua vidinha. Optou por não ser seguir Jesus, não ser seu discípulo.

O que é que Jesus lhe pediu e pede a mim e a você, hoje? Ele o chamou para segui-lo. Só isso. “Vem e segue-me”. Segui-lo no seu caminho, sendo livre e solidário como ele. Livre de qualquer carga ou amarra. Solidário com os pobres e sofredores. Foi o que ele pediu àquele homem: o desapego dos seus bens e a solidariedade com quem nada tem. ‘Vende o que tens e dá aos pobres”. Em outras palavras, Jesus lhe indicou um modo novo de se relacionar com os bens e com os seus semelhantes. No trato com os bens, ser livre. Não viver para o dinheiro. Não ser possuído pelos seus bens. No trato com os seus semelhantes, ser solidário. Importar-se com sua dor, partilhar, não lhe ser indiferente.




Guardando a mensagem 

Muitos cristãos estão ocupados na posse de muitos bens, usufruindo do seu bem-estar e fazendo da religião apenas um complemento para sua felicidade. No fundo, são infelizes, vivem tristes. Está lhes faltando alguma coisa. Eles também perguntam a Jesus o que precisam fazer para alcançar a felicidade completa, para ter direito à herança da vida eterna? Esperam que Jesus lhe passe uma receita de algumas coisas a serem feitas. Mas, Jesus lhe dá uma nova orientação para as suas vidas. Jesus os chama para segui-lo. Duas condições são necessárias para o seu seguimento: estar livre e ser solidário. Jesus os chama a ter um novo relacionamento com os bens (a liberdade) e com seus semelhantes (a solidariedade). A verdadeira felicidade está em sermos irmãos, a caminho com Jesus, para a casa do Pai.

Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna? (Mc 10, 17)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
fica-nos a impressão que foste muito exigente com aquele que se apresentou no caminho, querendo fazer alguma coisa para ganhar a vida eterna. Tu o chamaste para te seguir. Para isso, ele precisava estar livre (não mais voltado para os seus bens) e ser solidário (não mais indiferente à sorte dos pobres). Ele não teve coragem de dar uma nova direção à sua vida. Na sua tristeza, vemos a tristeza de quem vive voltado para si mesmo. Por sorte, esse mesmo evangelho nos mostra que houve quem deixasse tudo e te seguisse, como foi o caso dos teus apóstolos. Livres e solidários, eles teriam tudo que deixaram cem vezes mais e a vida eterna no mundo futuro. Obrigado, Senhor, pelo exemplo de tantos irmãos e irmãs que seguem contigo, livres e solidários, pelo caminho da vida. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Reze, hoje, pelos jovens que, como este moço do evangelho, estão com dificuldade para responder ao chamado de Jesus para uma vida santa e solidária.

Comunicando

Hoje é dia de Segunda Bíblica, nosso encontro bíblico semanal. Estamos estudando o Livro do Profeta Ezequiel. Vencemos já a primeira etapa, o primeiro módulo. Segunda-feira passada, começamos o segundo módulo com um resumão dos 10 encontros anteriores. Para receber o conteúdo de cada aula, é só entrar em um dos grupos informados na descrição do vídeo. Olha que essa é uma boa oportunidade para sua formação bíblica. Não disperdice essa chance. Não deixe pra depois. Dê prioridade ao que tem prioridade. Nos encontramos às 20:30 no meu canal do Youtube. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Nossa vocação é a comunhão.



26 de maio de 2024

  Domingo da Santíssima Trindade.  


  Evangelho. 


Mt 28,16-20

Naquele tempo, 16os onze discípulos foram para a Galileia, ao monte que Jesus lhes tinha indicado.
17Quando viram Jesus, prostraram-se diante dele. Ainda assim alguns duvidaram.
18Então Jesus aproximou-se e falou: “Toda a autoridade me foi dada no céu e sobre a terra. 19Portanto, ide e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, 20e ensinando-os a observar tudo o que vos ordenei! Eis que eu estarei convosco todos os dias, até ao fim do mundo”.
Vão e façam discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo (Mt 28, 19)

  Meditação.  


Vão e façam discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo (Mt 28, 19)

A nossa realidade é assim. Desunião dentro de casa. Gente brigada na comunidade. Polarização. Gente que não escuta, nem dialoga, fechado em seu próprio mundo. Mas, não estamos satisfeitos com isso. Sonhamos com algo bem diferente. Famílias, onde se vive amor e respeito. Comunidades inclusivas e solidárias. Um país no caminho da justiça e da fraternidade. Esse é o sonho que temos no coração.

Podemos pensar: temos um bom exemplo a seguir, a Santíssima Trindade. Eles são três pessoas, mas são um só Deus. Cada um tem a sua individualidade: um é o Pai; outro é o Filho; e o outro é o Espírito Santo. São três, cada um tem sua atuação, mas vivem na perfeita unidade. São um. Podemos nos inspirar nesse modelo para construir famílias e comunidades unidas e felizes.

Podemos pensar um pouco mais. Nós fomos criados à imagem e semelhança de Deus. Então, já está no nosso DNA a inclinação para a compreensão, a cooperação, a unidade. Por isso, ficamos tão desapontados com esse desencontro, essa concorrência, essa busca egoísta de felicidade que experimentamos todo dia, em nós, em nossas famílias, em nossas comunidades.

Pensando ainda melhor, podemos perceber uma realidade surpreendente. O Deus uno e trino, que habita no mais alto do céu, o Deus que adoramos não é apenas um belo modelo a ser imitado. Nós já vivemos mergulhados nele, na grande experiência do seu amor. O salmo oitavo exalta o ser humano e pergunta ao Altíssimo: “Senhor, que é o homem, para dele vos lembrardes e o tratardes com tanto carinho?”. É que nos vemos rodeados de tanta atenção, de tanto carinho, participantes do seu poder e de sua glória. O Deus lá do alto fez morada cá entre nós. Nós nos sentimos, como Pedro, Tiago e João na transfiguração de Jesus, no Monte: envolvidos pela nuvem de sua presença e de sua glória.

Nas Escrituras Sagradas, brilha esse mistério da presença e do amor do Deus uno e trino em nossa vida e em nossa história. Deus se revelou e fez aliança com o povo de Israel. No Monte Sinai, Moisés dirigiu-se a Deus, o Pai, com esta linda prece: "Senhor, se é verdade que gozo do teu favor, peço-te, caminha conosco; embora este seja um povo de cabeça dura, perdoa nossas culpas e nossos pecados e acolhe-nos como propriedade tua" (Ex 34, 9). A presença do Santo Espírito, com o Pai e com o Filho, está bem clara na saudação do apóstolo Paulo, em seus escritos : "A graça do Senhor Jesus Cristo, o amor de Deus e a comunhão do Espírito Santo estejam com todos vocês" (2 Cor 13, 13). O Filho veio para restaurar a nossa comunhão com Deus. "Deus não enviou o Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele" (Jo 3, 17). Deus nos deu o que ele tinha de mais precioso, mais dele, deu de si mesmo. Ele nos deu o seu Filho para sermos libertados da condenação merecida pelo nosso pecado, para sermos salvos.

Já estamos mergulhados na Trindade. Como disse Paulo, em sua pregação em Atenas: “nele vivemos, nos movemos e somos” (At 17). Fomos inseridos na comunhão com o Pai, pela reconciliação que Cristo, o Filho, nos alcançou em sua cruz. O Santo Espírito foi derramado sobre nós como água viva, nos comunicando a graça da filiação divina. E não nos esqueçamos que fomos criados por Deus, na maravilhosa atuação do Pai, criados à sua imagem e semelhança. Já estamos mergulhados no mistério do Deus uno e trino que contemplamos, tentando imitá-lo em nossa vida de família e de comunidade.

Guardando a mensagem

Construir comunidades de amor, onde as individualidades sejam respeitadas, onde se dialogue nas diferenças e se reencontre no perdão, não é algo utópico. Dá pra gente fazer. Mesmo com nossa fraqueza, dá pra gente construir famílias mais felizes e comunidades mais acolhedoras. A comunhão é coisa da nossa própria natureza espiritual, nós que agora somos irmãos no Senhor, membros do seu único corpo, filhos e filhas do mesmo e eterno Pai, habitados todos pelo único Espírito. Então, cuidemos de ser mais amorosos dentro de casa, com nossos pais, com nossos irmãos e parentes; mais gentis e generosos com quem encontrarmos; mais gratos e apaixonados pela mãe Igreja, que nos gerou como filhos para Deus e, permanentemente, nos alimenta com o pão da Palavra e da Eucaristia.

Vão e façam discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo (Mt 28, 19)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
a experiência que temos, no dia-a-dia, termina nos fazendo descrentes do grande sonho da fraternidade que está no nosso coração. Nosso estilo de vida nos leva a tratar os outros com segundos interesses ou nos afastar deles tomando-os como inimigos, adversários, concorrentes. Assim vamos perdendo a confiança e o respeito pelos outros e destruindo as boas chances de aproximação, cooperação, amizade. Repetimos esse mesmo esquema dentro de casa, na Igreja também. Daqui a pouco não nos sentiremos mais filhos amados, mas críticos amargos de tudo e de todos. Ah, Senhor, esse domingo da Santíssima Trindade nos ajuda a dar um freio nisso. Não somente Deus é maravilhosamente uno e trino, uma comunidade de amor, que podemos imitar. Mas, por graça, estamos inseridos nessa comunidade de amor. Somos filhos. Somos irmãos. Somos amados. Estamos em comunhão. Que o teu Santo Espírito nos ajude a viver esse amor em casa, na rua, na igreja, no trabalho, na sociedade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Quando, hoje, for fazer o sinal da cruz, faça-o devagar e pensando como o mistério do Deus uno e trino, Pai, Filho e Espírito Santo nos abraça.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

A bênção das crianças.



25 de maio de 2024

  Sábado da 7ª Semana do Tempo Comum.  


  Evangelho  


Mc 10,13-16

Naquele tempo, 13traziam crianças para que Jesus as tocasse. Mas os discípulos as repreendiam. 14Vendo isso, Jesus se aborreceu e disse: “Deixai vir a mim as crianças. Não as proibais, porque o Reino de Deus é dos que são como elas. 15Em verdade vos digo: quem não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele”. 16Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mãos.

  Meditação.  


Deixem as crianças virem a mim. Não as proíbam, porque o Reino de Deus é dos que são como elas (Mc 10, 14)

Traziam crianças a Jesus. Quem teria levado crianças a Jesus? As crianças andavam com os pais, propriamente com as mães. Os meninos a partir de seis ou sete anos andavam sempre com os pais. As meninas estavam sempre ao lado das mães, até se casarem. Era assim o costume do povo de Jesus. Podemos concluir, então, que as crianças estavam acompanhadas dos seus pais. As mães, com os pequenininhos e as meninas e os pais, com os meninos a partir dos seis ou sete anos. E eles queriam que Jesus impusesse as mãos sobre os seus filhos e rezasse por eles.

Os discípulos reagiram. Começaram a afastar as crianças, a reclamar com os pais e a impedir que se aproximassem do Mestre. Essa atitude deles revela que eles não estavam entendendo o que Jesus andava explicando sobre o Reino de Deus. Ainda estavam na lógica do ‘quem-vale-é-o-adulto-o-grande-o-maior’. Jesus tinha dito que o Reino de Deus é das crianças. E de quem se parecer com elas. E tinha dito isso, outro dia, exatamente para corrigir os discípulos que estavam discutindo sobre quem seria o maior no Reino. Jesus tinha apresentado a criança como modelo dos cidadãos e cidadãs do Reino de Deus. No Reino de Deus, somos filhos na casa do Pai, não funcionários carreiristas; somos discípulos que aprendemos com Jesus, não fariseus fechados à revelação de Deus; somos filhos que confiamos no Pai, não adultos que confiam apenas em si mesmos. Se não formos como crianças – filhos que amam, aprendem, confiam – não temos parte no Reino.

O Reino de Deus é um presente do Pai para os seus filhos. E ninguém tem merecimento para recebê-lo. E a quem socialmente mostra-se sem condição ou pretensão de conquista-lo, é a esse que é dado o Reino. Assim são os pobres, os doentes, as crianças. O Reino é um dom do Pai para os seus filhos amados.

Jesus reclamou, com razão. ‘Não criem dificuldade para as crianças virem a mim, não as impeçam. O Reino de Deus é daqueles que são como elas”. E impôs as mãos sobre elas. Impor as mãos é um gesto de comunicação da bênção. No Evangelho, em muitas curas, Jesus impõe as mãos sobre os enfermos. Os apóstolos também aparecem impondo as mãos, ao curar os doentes. Impor as mãos é comunicar a bênção de Deus ou o dom do seu Espírito. Olha como está escrito: “Ele abraçava as crianças e as abençoava, impondo-lhes as mãos”.




Guardando a mensagem

Levaram crianças para Jesus abençoar. Criança é importante: é a mentalidade de Jesus. Criança atrapalha, pensavam os discípulos. Jesus pensava o Reino como uma grande Casa de família, onde Deus é Pai e nós todos somos filhos e irmãos. E, nesta grande família, é às crianças, aos doentes e aos idosos que se deve prestar mais atenção. Os discípulos pensam o Reino como uma instituição de poder, com uma elite mandando na maioria. Nessa mentalidade, gente pequena não vale, criança não conta. O Reino de Deus é das crianças e de quem se parece com elas, ensinou Jesus.

Deixem as crianças virem a mim. Não as proíbam, porque o Reino de Deus é dos que são como elas (Mc 10, 14)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
foi uma lição e tanto essa história da bênção das crianças. As mães e os pais das criancinhas saíram felizes, com a tua atitude acolhedora. Eles tinham ficado chocados com o jeito dos discípulos dificultarem e proibirem a aproximação dos pequeninos. É, Senhor, pai e mãe sabem como sua criança é importante, porque a amam. E foi isso que viram na tua atitude: perceberam o teu carinho, o teu amor por elas. Um Reino assim que dá valor a quem é pequeno como uma criança, vale a pena, eles pensaram. Eles e nós também. Senhor, nesse momento de guerra, em que já se vê tanto sofrimento, manda tua santa bênção sobre as crianças e sobre suas famílias gravemente agredidas pela força da prepotência. Ajuda-nos, Senhor, a construir a paz. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Veja por aí se as crianças de sua família estão fazendo a catequese. Ajude os responsáveis a entenderem essa palavra de Jesus: “Deixem as crianças virem a mim”.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O amor é a lógica do evangelho.

 




24 de maio de 2024

  Dia de Nossa Senhora Auxiliadora.  


  Evangelho.  


Mc 10,1-12

Naquele tempo, 1Jesus foi para o território da Judeia, do outro lado do rio Jordão. As multidões se reuniram de novo, em torno de Jesus. E ele, como de costume, as ensinava. 2Alguns fariseus se aproximaram de Jesus. Para pô-lo à prova, perguntaram se era permitido ao homem divorciar-se de sua mulher.3Jesus perguntou: “O que Moisés vos ordenou?” 4Os fariseus responderam: “Moisés permitiu escrever uma certidão de divórcio e despedi-la”. 5Jesus então disse: “Foi por causa da dureza do vosso coração que Moisés vos escreveu este mandamento. 6No entanto, desde o começo da criação, Deus os fez homem e mulher. 7Por isso, o homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne. 8Assim, já não são dois, mas uma só carne. 9Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe!”
10Em casa, os discípulos fizeram, novamente, perguntas sobre o mesmo assunto. 11Jesus respondeu: “Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra, cometerá adultério contra a primeira. 12E se a mulher se divorciar de seu marido e casar com outro, cometerá adultério”.

  Meditação.  


O que Deus uniu, o homem não separe (Mc 10, 9)

Jesus está ensinando ao povo. O que ele ensina? Ele descreve o Reino de Deus que já está acontecendo por sua presença, por suas palavras e por suas ações. Não se trata de uma lei a ser cumprida, mas de um amor a ser acolhido e amado. Jesus revela o Pai que ama o mundo e o envia para resgatá-lo. E o filho, que por amor aos seus, entrega a sua vida. O convite é que entremos nessa dinâmica de amor: amemos a Deus, amemos o próximo, imitemos o Pai que dá seu filho e o filho que dá sua vida. O amor é a lógica do Evangelho.

A obra de Jesus foi restaurar o projeto original de Deus. Nele, a humanidade decaída em Adão e Eva encontra a reconciliação, o perdão. E o ser humano redimido vai se identificando progressivamente com Cristo, pela fé, pelo batismo, pela prática da palavra. É ramo enxertado na videira. Para ele ou para ela, o matrimônio é uma vocação, um chamado de Deus, vivido como caminho de santidade. O casamento não é uma formalidade, um rito social. É a acolhida de um dom maravilhoso, da graça de Deus e do seu Espírito para realizar, na família, o amor de Deus pelo seu povo, o amor de Cristo por sua Igreja. No matrimônio, um se entrega ao outro. E nisso expressam e realizam o amor nupcial de Cristo e de sua Igreja. “Já não serão dois, mas uma só carne”. Os cônjuges realizam, em sua vida e em sua sexualidade, a unidade de Deus, a comunhão.

Mesmo mergulhados na ótica do amor de Deus, os casados continuam frágeis e sujeitos a quedas. Na sua fraqueza humana, são, no entanto, sustentados pela graça de Cristo e aplicam-se mutuamente o remédio do perdão. Na sua vida de casal e na família que formam exprimem o amor de Deus no cuidado um com o outro, no carinho com que se tratam, no cuidado mútuo, na comunhão de bens, na abertura à vida que chega como fecundidade do amor. O matrimônio cristão está no nível do amor do Reino de Deus, não no nível do simples cumprimento de leis. Participa da experiência do amor de Deus pela humanidade e de Cristo por sua Igreja. Por isso, é experiência de unidade (“já não dois, mas uma só carne”) e de fidelidade (não é um vínculo que se dissolve, que se desfaz).

O casamento é obra do Criador, que o concebeu como expressão de verdadeira comunhão. Jesus restaurou o projeto original de Deus em relação ao casamento. Mesmo que os casais do seu tempo encontrassem dificuldades e limites na vida a dois, Jesus confirmou o ensinamento da Escritura: a unidade (os dois serão uma só carne) e a indissolubilidade (o que Deus uniu, o homem não separe). Feliz o casal que chega a viver o seu matrimônio como expressão de amor e de obediência a Deus e ao seu projeto de felicidade e salvação!






Guardando a mensagem

Jesus elevou o casamento, obra divina, ao nível de sacramento, sinal visível do amor de Deus que se manifestou nele como salvação. Você é casado, é casada? Então, viva essa condição como verdadeira graça de Deus. Nos dias de hoje, há muita coisa que conspira contra o matrimônio. Mas, não se deixe seduzir pelo mal. Não assuma o pensamento do mundo sobre o casamento. Assimile o pensamento de Deus, como Jesus o exprimiu no seu evangelho. A vida a dois é exigente, porque pede esforço de superação do egoísmo, do individualismo; mas conta com o perdão e a graça de Deus para superar os pequenos e grandes desencontros.

O que Deus uniu, o homem não separe (Mc 10, 9)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
abençoa os casais que estão enfrentando turbulências no seu casamento. Senhor, que eles possam beber da fonte do amor que és tu mesmo e em ti encontrar forças para perseverar no amor, exercitando a paciência e o perdão. Cura, Senhor, as chagas abertas pela infidelidade no matrimônio. Dá a graça da reconciliação, da restauração da vida matrimonial a tanta gente que se vê tocada pela tua graça. Abençoa, Senhor, com a bênção dos filhos, a união matrimonial dos casais jovens. Abençoa, com a bênção dos netos, os casais mais adultos. Repete no coração de todos que o casamento é santo, lugar de santificação e de união com Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Muita gente está enfrentando turbulências no seu casamento. Se for o seu caso, procure conversar com alguém que tenha uma caminhada de fé. Não dê ouvido a qualquer um. Se não for o seu caso, tudo bem. Quem sabe, hoje, não apareça uma oportunidade pra você ajudar alguém a pensar melhor o seu casamento!

Novena de Nossa Senhora Auxiliadora 

Bênção com a invocação de Nossa Senhora Auxiliadora

— A nossa proteção está no nome do Senhor.
— Que fez o céu e a terra.

— Ave Maria…

— À vossa proteção recorremos, santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita.

— Maria, Auxiliadora dos Cristãos.
— Rogai por nós.

— Ouvi, Senhor, a minha oração.
— E chegue a vós o meu clamor.

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.

Oremos.

Senhor eterno e onipotente, que, pela intervenção do Espírito Santo, vos dignastes preparar o corpo e a alma da gloriosa Virgem e Mãe Maria para digna morada do vosso Filho, fazei que sejamos livres da morte eterna e dos males que nos rodeiam, pela intercessão daquela cuja comemoração nos alegra. Por Cristo, nosso Senhor.
— Amém.

— E a bênção de Deus Todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo, desça sobre ti (vós) e permaneça para sempre.
— Amém.

Comunicando

Hoje, no dia de nossa peregrinação ao Santuário Basílica de N. Senhora Auxiliadora em Jaboatão, você pode nos acompanhar, pela Rádio Amanhecer ou pelo Canal do Youtube, às 10 horas, na Santa Missa e às 15 horas, na Adoração e Consagração. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

A tentação da picanha.


23 de maio de 2023

  Quinta-feira da 7a. Semana do Tempo Comum.  


   Evangelho.  


Mc 9,41-43.45-56.47-50

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 41Quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa. 42E se alguém escandalizar um desses pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço.
43Se tua mão te leva a pecar, corta-a! 44É melhor entrar na Vida sem uma das mãos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. 45Se teu pé te leva a pecar, corta-o! 46É melhor entrar na Vida sem um dos pés, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno. 47Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, 48"onde o verme deles não morre, e o fogo não se apaga’”. 49Pois todos hão de ser salgados pelo fogo. 50Coisa boa é o sal. Mas se o sal se tornar insosso, com que lhe restituireis o tempero? Tende, pois, sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros.

  Meditação.  


Se tua mão te leva a pecar, corta-a! (Mc 9, 44)

Você, com certeza, conhece alguém que diante de uma mesa farta, priva-se de pratos deliciosos: uma lasanha quentinha, uma suculenta picanha saída do forno, um saboroso bolo de chocolate. ‘Mas, por quê? você não está de dieta!... um pedacinho só não faz mal!’ Essa pessoa que você conhece, que está se impondo esse sacrifício, está salivando, coitada, e precisa de muita força de vontade para não ceder a essa palatável tentação. Ela pode estar lutando contra um sobrepeso ou mesmo a obesidade. Pode estar em tratamento do fígado, sobrecarregado de gorduras de muitos anos de alimentação inadequada. Ou mesmo precisando conter as taxas de açúcar no sangue, que estão beirando a diabetes. Essa pessoa está renunciando pratos deliciosos para preservar a sua saúde.

Jesus poderia ter aumentado a sua lista no evangelho e dito: “Se a tua língua te leva a pecar, corta-a!”. O exemplo dessa pessoa explicaria o seu ensinamento. Não se trataria de cortar a língua, claro, mas de renunciar àquela alimentação que seria prejudicial à sua saúde. Para o seu bem, ela se priva de uma saborosa refeição, de pratos apetitosos. Escolhe alimentos mais leves naquela mesa, até menos saborosos. Esse alguém está, por assim dizer, cortando a sua língua, mortificando o seu paladar. Nesse sentido, Jesus disse: “Se tua mão te leva a pecar, corta-a! Se teu pé te leva a pecar, corta-o! Se teu olho te leva a pecar, arranca-o”.

O que a mão representa? A mão representa a ação, os nossos atos. A mão escreve, aponta, aplaude, esconde, atira, apanha, acaricia, fecha ou abre a porta... A mão representa as ações que nós fazemos, o trabalho que realizamos, a capacidade de construir que nós temos. Minhas ações podem ser construtivas, positivas, mas também podem ser negativas, destruidoras. Se uma ação me afasta do caminho de Deus, não condiz com minha dignidade, ofende o outro, é melhor eu renunciar a ela. Deixar de fazê-la. Assim, eu estarei cortando minha mão, renunciando uma ação que eu posso fazer, mas que pode me prejudicar.

O que o pé representa? O pé representa o caminho, as nossas escolhas. O pé me permite andar, correr, deslocar-me para outros lugares, abandonar, viajar, visitar, peregrinar, imigrar... coisas boas e coisas ruins. Andar por lugares indecentes não bate com minha condição de filho de Deus. Evadir-me de uma responsabilidade, dar no pé, não convém a um seguidor de Cristo. Há coisas do pé que é preciso renunciar. É como se eu cortasse esse membro. Renuncio a atitudes, comportamentos que serão prejudiciais à minha vida de fé. É melhor entrar na vida com um pé só – pois renunciei a algum mau caminho – do que com os dois ficar do lado de fora.

O que o olho representa? O olho representa a visão, os nossos projetos. O olho tem a ver com minha capacidade de observar, enxergar, admirar, pesquisar, comparar, investigar, antever, mas também cobiçar, humilhar, erotizar, intimidar... Nem tudo eu devo ver. Há imagens, vídeos, filmes que preciso renunciar, para não me expor à tentação. Há modos de ver o mundo que não condizem com a escolha que fiz do evangelho. Renunciar a isso é como arrancar-me um olho. Pois é melhor me salvar com um olho só, do com que com os dois não ser admitido na casa dos justos.



Guardando a mensagem

Em nossa fraqueza, muitas vezes cedemos à tentação da lasanha, da picanha, do bolo de chocolate. Nem medimos as consequências de nossos atos (a mão), de nossas escolhas (o pé), de nossos projetos (os olhos). A palavra do apóstolo nos anima a permanecer alertas, em guarda: "Tudo me é permitido, mas nem tudo convém” (1 Cor 6, 12). O ensinamento sobre cortar a mão (renunciar a ações negativas), cortar o pé (deixar um caminho errado, fazer escolhas difíceis), arrancar o olho (corrigir minha visão, meus projetos) é quase uma explicação do que Jesus disse: “Quem quiser ser meu discípulo, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e me siga”. O caminho do Senhor comporta escolhas e renúncias.

Se tua mão te leva a pecar, corta-a! (Mc 9, 44)




Novena de Nossa Senhora Auxiliadora

Hoje é o nono e último dia da Novena, com o tema "Com Maria, cantemos o louvor de Deus!"

Senhora, sob o sopro do Espírito, tu disseste que as gerações te chamariam bem-aventurada. Nós retomamos o canto das gerações passadas para que não se interrompa esse reconhecimento amoroso: o Senhor fez grandes coisas em teu favor. E exaltamos em ti o que de mais luminoso a humanidade ofereceu a Deus, a criatura humana na sua perfeição, de novo criada em justiça e santidade.

Saudemos a Virgem Auxiliadora neste novo dia da novena:

Ó Maria, Virgem poderosa, Tu, grande e ilustre defensora da Igreja, Tu, Auxílio maravilhoso dos cristãos, Tu, terrível como exército ordenado em batalha, Tu, que só destruíste toda heresia em todo o mundo: nas nossas angústias, nas nossas lutas, nas nossas aflições, defende-nos do inimigo; e na hora da morte, acolhe a nossa alma no paraíso. Assim seja.

Escreva sua cartinha a N. Senhora e nos mande pelo WhatsApp 81 3224-9284.  Nós a levaremos ao Santuário Basílica de N. Senhora Auxiliadora de Jaboatão, na peregrinação de amanhã.

24 de maio – na casa da mãe!

Comunicando

Hoje, às 11 horas, como todas as quintas-feiras, temos a Santa Missa, rezando pelos ouvintes e associados. Mande a sua intenção pelo formulário ou pelo whatsapp 81 3224-9284.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Postagem em destaque

Seu "sim" seja SIM.

  15 de junho de 2024 .   Sábado da 10ª Semana do Tempo Comum   Evangelho   Mt 5,33-37 Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:33 &qu...

POSTAGENS MAIS VISTAS