PE. JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO : Mc 11
Mostrando postagens com marcador Mc 11. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mc 11. Mostrar todas as postagens

20210528

VOCÊ QUER MESMO SABER?



29 de maio de 2021

EVANGELHO


Mc 11,27-33

Naquele tempo, 27Jesus e os discípulos foram de novo a Jerusalém. Enquanto Jesus estava andando no Templo, os sumos sacerdotes, os mestres da Lei e os anciãos aproximaram-se dele e perguntaram: 28“Com que autoridade fazes essas coisas? Quem te deu autoridade para fazer isso?” 29Jesus respondeu: “Vou fazer-vos uma só pergunta. Se me responderdes, eu vos direi com que autoridade faço isso. 30O batismo de João vinha do céu ou dos homens? Respondei-me”. 31Eles discutiam entre si: “Se respondermos que vinha do céu, ele vai dizer: ‘Por que não acreditastes em João?’ 32Devemos então dizer que vinha dos homens?” Mas eles tinham medo da multidão, porque todos, de fato, tinham João na qualidade de profeta. 33Então eles responderam a Jesus: “Não sabemos”. E Jesus disse: “Pois eu também não vos digo com que autoridade faço essas coisas”.

MEDITAÇÃO


Pois eu também não lhes digo com que autoridade faço essas coisas (Mc 11,33).

Por que Jesus não respondeu à pergunta? Não seria mais fácil Jesus dar logo uma reposta? Eles queriam saber com que autoridade ele estava fazendo aquilo no Templo. E o que é que Jesus estava fazendo? Estava denunciando que tinham convertido a casa de oração num antro de ladrões. Tinha expulsado os vendedores, compradores e cambistas do Templo, afinal, tinha tomado uma atitude pública contra o desvirtuamento do Templo. Quem estava perguntando? Os responsáveis pelo Templo e pela religião em Israel: os sumos-sacerdotes, os mestres da lei e os anciãos - um grupo poderoso, os membros do Sinédrio. Seria este o grupo a julgar Jesus, depois, condenando-o como um malfeitor. Então, não era uma pergunta inocente. Era uma acusação, um enfrentamento perigoso, uma vez que eles tinham um corpo de guardas sob seu comando: Com que autoridade tu fazes isto?

Jesus não respondeu diretamente. Mas, se propôs a responder, desde que eles respondessem também a uma pergunta. A pergunta foi sobre o batismo de João. João andou levando o povo para o deserto, para batizar-se no Rio Jordão, pregando a mudança de vida, em preparação da vinda do Messias. Para João, o Templo não era mais o lugar da purificação. A volta ao tempo do deserto era um recomeço, quando não havia Templo, mas só uma Tenda móvel. Eles, a elite que controlava o Templo, achou foi bom Herodes prender e decapitar João Batista. Livraram-se de um pregador incômodo, de uma denúncia permanente da situação de pecado deles que deviam guardar a aliança com fidelidade. Jesus perguntou: O batismo de João era de Deus ou dos homens? Como eles não se converteram com a pregação de João Batista, a resposta já estava dada. Mas, não podia ser verbalizada, claro. “Então, eu também não digo com que autoridade eu faço essas coisas”, concluiu Jesus. Claro, a resposta estava dada: com a mesma autoridade com que João Batista pregava a conversão e batizava. Mas, não adiantava dizer com a boca. As suas atitudes falavam por si.

O mundo hoje cobra dos cristãos explicações... por que vocês querem pensar e agir diferentemente dos outros? Por que vocês não aceitam a violência, a vingança, a pena de morte? Por que vocês não deixam a mulher decidir sobre sua gravidez e ter a liberdade de abortar? Por que vocês insistem tanto no casamento religioso? Por que vocês são tão obedientes ao Papa? Por que vocês adoram a Eucaristia? Quem pergunta nem sempre está interessado na resposta. É só uma forma de intimidação, de oposição. Às vezes, é melhor fazer como Jesus: não responder, ou melhor, responder com as atitudes e com o modo de viver.

Guardando a mensagem

Os líderes do povo de Deus não reconheceram em Jesus o Messias que Deus prometera e enviara. Também não quiseram reconhecer João Batista e sua pregação, como coisa de Deus. Preferiram tratá-los como inimigos e tramar a sua morte. Na purificação do Templo, Jesus mostrou abertamente quanto estavam errados, apossando-se da Casa de Deus em benefício dos seus interesses políticos e econômicos. Fizeram uma pergunta, na verdade, uma acusação. “Com que autoridade tu fazes isso?”. Com a mesma autoridade com que João Batista convocou o povo para se purificar no deserto e no Jordão. Com a autoridade de Deus. Mas, isso eles não podiam entender. Jesus não fugiu da resposta. Jesus respondeu com uma pergunta.

Pois eu também não lhes digo com que autoridade faço essas coisas (Mc 11,33).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Eu sei que tem hora de responder e hora de ficar calado. Tem hora de responder, como São Pedro falou na sua carta, explicando as razões de nossa esperança a quem nos perguntar. Tudo bem! E hora de ficar calado, quando a pergunta é uma forma velada de intimidação, de oposição, de perseguição. Aí, é responder com as atitudes de vida. Foi assim que fizeste, Jesus. Senhor, confirma em nós a presença do teu Santo Espírito. Que ele ponha em nossos lábios as palavras certas que podem trazer de volta quem está no mal caminho. Que ele ponha fortaleza em nosso coração, para não nos deixarmos abalar pelas críticas e incompreensões que sempre recebem os que andam contigo. Que ele nos assista quando os inimigos do povo e da fé nos questionam e nos acusam. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

A hora de dar uma resposta é a hora do testemunho. Testemunho maior ainda é o da própria vida. Pode ser que apareça, hoje, uma ocasião para você se explicar diante de alguém. Inspire-se nas palavras e nas atitudes de Jesus.

No Mutirão de Oração de toda a Igreja, hoje, lidera o Santuário de Nossa Senhora do Líbano, rezando pelas pessoas consagradas. 

Faltando agora 8 dias para o Show online dos 25 aos da AMA. Será que você pode me ajudar a divulgá-lo?

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20210327

ENVOLVER A FAMÍLIA NA SEMANA SANTA



28 de março de 2021

EVANGELHO


Mc 11,1-10

1Quando se aproximaram de Jerusalém,
na altura de Betfagé e de Betânia,
junto ao monte das Oliveiras,
Jesus enviou dois discípulos,
2dizendo: 'Ide até o povoado que está em frente,
e logo que ali entrardes,
encontrareis amarrado um jumentinho
que nunca foi montado.
Desamarrai-o e trazei-o aqui!
3Se alguém disser: 'Por que fazeis isso?',
dizei: 'O Senhor precisa dele,
mas logo o mandará de volta'.'
4Eles foram e encontraram um jumentinho amarrado
junto de uma porta, do lado de fora, na rua,
e o desamarraram.
5Alguns dos que estavam ali disseram:
'O que estais fazendo,
desamarrando este jumentinho?'
6Os discípulos responderam como Jesus havia dito,
e eles permitiram.
7Trouxeram então o jumentinho a Jesus,
colocaram sobre ele seus mantos, e Jesus montou.
8Muitos estenderam seus mantos pelo caminho,
outros espalharam ramos que haviam apanhado nos campos.
9Os que iam na frente e os que vinham atrás gritavam:
'Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!
10Bendito seja o reino que vem,
o reino de nosso pai Davi!
Hosana no mais alto dos céus!'


MEDITAÇÃO


Os que iam na frente e os que vinham atrás gritavam: 'Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! (Mc 11, 9)

Com certeza, você já participou de muitas romarias. Uma romaria ou uma peregrinação é uma experiência única, que desperta muitos sentimentos e nos deixa muitas saudades. Imagine-se participando da peregrinação anual da páscoa, indo a Jerusalém, com muitos peregrinos. Vamos lá... imaginação funcionando. Pronto?! Já estamos no meio dos peregrinos que estão indo à cidade santa de Jerusalém, na romaria da páscoa. Agora, não aja como turista. Nós somos desse povo. Vai todo mundo a pé, claro. Alguma família leva seu burrinho ou seu jumento com alguém montado e com provisões para a viagem. A páscoa é aquela festa em que se celebra a saída do Egito: Deus libertou nosso povo da escravidão do faraó. O povo que vem da Galileia, do norte do país, como nós, que é uma região mais baixa, diz sempre que está subindo a Jerusalém. Então, estamos subindo a Jerusalém, peregrinando para a festa da páscoa.

À medida que se avança, mais gente vai se juntando na caminhada. Olha, não esqueça de saudar quem se aproxima ou responder à saudação que lhe fizerem: Shalom! Isso, Shalom. Olha, todo esse povo que vem da Galileia já ouviu falar de Jesus. Há três anos ele peregrina por todo o país, sobretudo pela Galileia, com suas pregações e seus milagres. Aliás, grande parte desse povo já o viu, já ouviu alguma pregação sua e todo mundo sabe contar coisas maravilhosas que ele fez. Jesus é um profeta querido desse povo simples. E como ele, como bom judeu que é, também participa das peregrinações a Jerusalém, é bem capaz de a gente encontra-lo por lá.

Por lá, nada. Olha quem está ali na frente... ele, Jesus. Jesus de Nazaré. Vai ali na frente. Corre. Olha os discípulos dele, olha o povo que anda com ele... e eles estão parando. Estão trazendo um jumentinho pra ele montar. Escuta o que eles estão dizendo. Ouviu alguma coisa? Eles disseram que Jesus mandou pedir o jumentinho emprestado. Será que ele está cansado? Acho que não. Escuta o que nas Escrituras, livro do profeta Zacarias, está escrito que Jerusalém se alegrasse, porque o seu rei estava chegando montado num jumentinho. Ele sabe o texto de cor... “o teu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montado num jumento. Ele vai dispensar os carros de guerra, os cavalos e as armas de guerra. Sua palavra é de paz para as nações”. (Zc 9,9). Quem sabe se o profeta de Nazaré não seja o filho de Davi que o povo está esperando, o rei que Deus prometeu!

Olha que coisa! É como um rei que está chegando à sua capital. Não é um rei montado a cavalo, como os romanos ou como os grandes senhores. Ele não chega com a força de um exército. É um rei pobre, desarmado, cercado de gente simples, um rei de paz. Será que o povo está entendendo o significado de tudo isso? Acho que sim.. olha que o povo está fazendo. Está tirando a capa que é vestida sobre a túnica e formando um tapete para ele passar no seu jumentinho. E outros, estão cortando ramos de árvores para forrar o chão ou para saudá-lo... corre, chega mais perto, estão gritando alguma coisa. Dá para escutar? Alguma coisa com “Davi”. Estão gritando Hosana. O que é “hosana”? É uma palavra que está exprimindo a alegria que eles estão sentindo. Uns gritam uma coisa, outros gritam outra. Estão saudando o rei. “Bendito o rei, que vem em nome do Senhor! Paz no céu e glória nas alturas!”

É, muita gente... E já estamos entrando na cidade santa. É uma emoção só. A emoção de entrar por esses portões sagrados e a emoção de estar caminhando com Jesus, esse homem de Deus tão surpreendente. E o povo da cidade está saindo das casas pra ver o que está acontecendo. O barulho está chamando a atenção. A mulher ali está perguntando: “Quem é este homem? Quem é este homem?” Responda você... certo.. “Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galileia”. Respondeu bem.

A gente volta daqui. É só o começo de uma semana muito especial, aqui em Jerusalém. E na vida da gente também. Amanhã, a gente se encontra na casa de Lázaro. Sim, lá em Betânia. Obrigado pela companhia.

Guardando a mensagem

Estamos no Domingo de Ramos e da Paixão. Na Semana Santa, mergulhamos no mistério da paixão, morte e ressurreição do Senhor que nos trouxe a salvação. Lendo o evangelho, assistindo um filme da Paixão de Cristo, não tome isso como apenas como um teatro, um evento cultural. A caminhada de Ramos nos leva a Jerusalém, à celebração do mistério da nossa salvação em Cristo. Como os peregrinos daquela páscoa, estamos certos que ele, revestido de nossa fraqueza como servo sofredor, é a referência de nossa vida, o nosso rei, o nosso Deus e Senhor.

Os que iam na frente e os que vinham atrás gritavam: 'Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! (Mc 11, 9)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Neste ano, tu sabes bem, em muitos lugares, não será possível estar presencialmente na Missa deste Domingo de Ramos. Mas, não podemos deixar de estar ao teu lado nesta tua entrada em Jerusalém e nos passos de tua paixão, que celebraremos nesta Semana Santa. Mesmo que seja através da transmissão pelas redes sociais ou pelos meios de comunciação social, queremos estar unidos a ti, Jesus, e à tua Igreja. Queremos estar unidos às nossas comunidades, em toda esta Semana Maior, especialmente na Última Ceia, no Calvário, na Vigília do sábado santo e na tua Ressurreição. Será um mergulho no mistério da nossa redenção. Na tua páscoa, queremos renovar nossa vida, não apenas nos livrar dessa pandemia. Queremos, com a tua graça, viver a vida nova que inauguraste na manhã do terceiro dia. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a Palavra

Se ainda não o fez, ponha ramos verdes na sua porta ou no seu portão, neste domingo. Que todos saibam que aí mora um cristão, uma cristã e que, com vírus ou sem vírus, vai viver santamente esta semana. Organize sua vida em família, de forma que sejam dias de recolhimento e comunhão com o Senhor, sem barulheira, sem comilança, nem bebedeira.

Desde a quarta-feira de cinzas até hoje, transcorreram 40 dias. Em nossa simbólica escadaria quaresmal, chegamos ao 40º degrau. Chegamos à Semana Santa, a semana maior de nossa fé. O degrau de hoje é o seguinte: Envolver a família na Semana Santa. Comece pelo seu bom exemplo.

Depois do texto da Meditação, estou deixando um roteiro para a Oração em Família neste Domingo de Ramos.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

SEMANA SANTA
EM CASA
Domingo de Ramos
MEMÓRIA DA ENTRADA DE JESUS EM JERUSALÉM

Esta oração pode ser feita individualmente ou em família. De Manhã ou à tarde. Cada pessoa recebe um ramo verde de qualquer planta.

1. ABERTURA
− A celebração começa com este ou outro canto que a família conheça.
Hosana, Hei! Hosana, Ha!
Hosana, Hei! Hosana, Hei! Hosana, Ha! (bis)
- Ele é o santo, é o filho de Maria,
é o Deus de Israel, é o filho de Davi. 
R.
- Santo é o seu nome,
é o Senhor Deus do universo.
Glória ao Deus de Israel, nosso rei e salvador! 
R.

2. MOTIVAÇÃO
Com esta oração iniciamos a grande semana santa, o coração do ano litúrgico. Neste domingo lembramos a entrada de Jesus na cidade de Jerusalém, um pobre, montado num jumentinho aplaudido pelo povo como salvador. Vamos nós também erguer nossos ramos, lembrando-nos de todas as pessoas que neste momento tão difícil são sinais da páscoa de Jesus para a humanidade.
− Momento para recordar

3. LEITURA BÍBLICA Mateus 21,1-11
Alguém, faça pausadamente a leitura:

Leitura do Evangelho de Mateus.
Naquele tempo, Jesus e seus discípulos aproximaram-se de Jerusalém e chegaram a Betfagé, no monte das Oliveiras. Então Jesus enviou dois discípulos, dizendo-lhes: “Ide até o povoado que está ali na frente, e logo encontrareis uma jumenta amarrada, e com ela um jumentinho. Desamarrai-a e trazei -os a mim! Se alguém vos disser alguma coisa, direis: ‘O Senhor precisa deles, mas logo os devolverá’ ”. Isso aconteceu para se cumprir o que foi dito pelo profeta: “Dizei à filha de Sião: Eis que o teu rei vem a ti, manso e montado num jumento, num jumentinho, num potro de jumenta”. Então os discípulos foram e fizeram como Jesus lhes havia mandado. Trouxeram a jumenta e o jumentinho e puseram sobre eles suas vestes, e Jesus montou. A numerosa multidão estendeu suas vestes pelo caminho, enquanto outros cortavam ramos das árvores, e os espalhavam pelo caminho. As multidões que iam na frente de Jesus e os que o seguiam, gritavam: “Hosana ao Fi- lho de Davi! Bendito o que vem em nome do Senhor! Hosana no mais alto dos céus! “Quando Jesus entrou em Jerusalém a cidade inteira se agitou, e diziam: “Quem é este homem? “E as multidões respondiam: “Este é o profeta Jesus, de Nazaré́ da Galileia”. Palavra da Salvação.

4. MEDITAÇÃO
− Os presentes podem dizer o que chamou à atenção no Evangelho. Em seguida, alguém lê o texto a seguir.

Quando pensamos em nossas vidas, quando as vemos pelo seu exterior, percebemos inúmeros fracassos. Mas, em segredo, podemos pressentir que estes fracassos, são, talvez, a nossa maior sorte. Porque através deles nos libertamos de nossas ilusões sobre nós mesmos. Para muitos, os fracassos os afundam num abismo de impotência e agressividade; para outros, ao contrário, os fracassos os convertem em seres incrivelmente sensíveis, compassivos, humildes... Os fracassos nos revelam aspectos novos de nós mesmos e nos ajudam a conhecer- nos mais. Oxalá a humanidade aprenda a mudar de rumo em seu caminho. [Pe Adroaldo Palaoro]

5. PRECES:
Invoquemos o Cristo, nosso salvador, repetindo com confiança: Nós te adoramos, ó Cristo.
− Salvador do mundo, Jesus, Filho de Davi.
Nós te adoramos, ó Cristo.
− Vencedor do pecado e da morte.
Nós te adoramos, ó Cristo.
− Socorro dos pobres e desamparados. 

Nós te adoramos, ó Cristo.
− Amigo dos pecadores e dos humildes. 

Nós te adoramos, ó Cristo.
− Vida e ressurreição.
Nós te adoramos, ó Cristo.


6. PAI NOSSO
Que toda a nossa oração chegue a ti, em nome de Jesus por quem oramos com as palavras que ele nos ensinou: Pai nosso...

7. ORAÇÃO DE BÊNÇÃO
Ó Deus, crianças e pobres aclamaram Jesus quando ele entrou em Jerusalém. Junto com eles, nós te bendizemos com ramos nas mãos, sinal da vitória pascal do Cristo e te suplicamos. Abençoa nossa família e vizinhos, consola com a força do teu Espírito a humanidade inteira. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.
− Abençoe-nos o Pai e o Filho e o Espírito
Santo.
Amém.
Terminando a oração, coloca-se os raminhos na porta de entrada ou na janela da casa, que ficará como sinal de fé na vitória de Cristo sobre o mal.