PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: casamento
Mostrando postagens com marcador casamento. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador casamento. Mostrar todas as postagens

Sabe o que é não entrar na festa?


   12 de novembro de 2023    

32º Domingo do Tempo Comum


   Evangelho   


Mt 25,1-13

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1"O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo. 2Cinco delas eram imprevidentes, e as outras cinco eram previdentes. 3As imprevidentes pegaram as suas lâmpadas, mas não levaram óleo consigo. 4As previdentes, porém, levaram vasilhas com óleo junto com as lâmpadas. 5O noivo estava demorando e todas elas acabaram cochilando e dormindo. 6No meio da noite, ouviu-se um grito: ‘O noivo está chegando. Ide a seu encontro!’ 7Então as dez jovens se levantaram e prepararam as lâmpadas. 8As imprevidentes disseram às previdentes: ‘Dai-nos um pouco de óleo, porque nossas lâmpadas estão se apagando’. 9As previdentes responderam: ‘De modo nenhum, porque o óleo pode ser insuficiente para nós e para vós. É melhor irdes comprar aos vendedores’. 10Enquanto elas foram comprar óleo, o noivo chegou, e as que estavam preparadas entraram com ele para a festa de casamento. E a porta se fechou. 11Por fim, chegaram também as outras jovens e disseram: ‘Senhor! Senhor! Abre-nos a porta!’ 12Ele, porém, respondeu: ‘Em verdade eu vos digo: Não vos conheço!’ 13Portanto, ficai vigiando, pois não sabeis qual será o dia, nem a hora”.

   Meditação   


O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo (Mt 25,1)

O evangelho de hoje conta a história de cinco moças que foram barradas numa festa, numa festa de casamento. E o mais chato, sabe o que foi, é que elas eram pajens do noivo, faziam parte de um grupo que acompanharia o ingresso do noivo na cerimônia. Eram dez moças que iriam acompanhar a entrada do noivo... olha que história!

Bom, dez jovens estavam aguardando a hora de entrar com o noivo na festa do casamento. Cada uma com sua lâmpada de óleo na mão. O noivo demorou a chegar. Elas acabaram cochilando e dormindo. Acordaram com alguém gritando: “O noivo está chegando!”. Foi aquele alvoroço. Apareceu logo um problema: cinco lâmpadas estavam já se apagando. E suas donas não tinham levado uma reserva de óleo para reabastecê-las. E agora? Pediram às outras cinco para dividir com elas o óleo de reserva que cada uma tinha levado. ‘Não dá. Assim, no meio da festa, todas as lâmpadas de óleo vão se apagar. É melhor vocês saírem para comprar óleo’. Lá se foram esbaforidas as cinco jovens, atrás de comprar óleo numa hora daquelas. O noivo chegou, entrou todo mundo, as portas se fecharam. Quando voltaram, coitadas, não puderam mais entrar. Até o noivo mandou dizer que não sabia quem eram elas.

As cinco moças esqueceram-se de levar um óleo de reserva. Por que esqueceram? Com certeza, porque participar do casamento, mesmo como damas de acompanhamento, não estava entre suas maiores preocupações. Com certeza, tinham sido escolhidas para essa tarefa, mas elas não estavam realmente focadas nisso. Não se prepararam adequadamente prevendo uma reserva de óleo, nem tiveram tempo nem cabeça pra isso, com outras tarefas do dia ou mesmo por distração, sei lá.

Para aquelas moças, terem ficado do lado de fora foi o fracasso de suas vidas. Sabe por quê? Porque elas viviam para esse grande momento, para o encontro com o noivo. Bom, aqui precisaria maior explicação, mas vamos assim mesmo. Porque o noivo era o noivo delas. O noivo é Jesus. As moças somos nós, sua Igreja. E vivemos para esse grande encontro com o Senhor que está chegando. Reparou que, na história, não tem noiva? As noivas são elas. A Igreja é a noiva que aguarda a chegada do seu Senhor, para a celebração das núpcias eternas. As noivas, compreendam, somos nós. Não entrar na festa é perder a salvação eterna.




Guardando a mensagem

O que será que Jesus quis ensinar com essa parábola? A lição está no fim da história. “Portanto, fiquem vigilantes, porque ninguém sabe o dia, nem a hora”. Está no contexto da preocupação de Jesus pra gente não relaxar, enquanto esperamos a sua volta. O noivo está demorando. O noivo é ele. Está demorando, mas chega a qualquer momento. A noiva somos nós, a Igreja. Reparou que cinco se perderam? Ninguém se perde sozinho, já dizia Santa Terezinha. Por isso mesmo, nada de baixar a guarda, de descuidar-se... O tempo de espera é tempo de compromisso, de construção. Vigilância é a marca desse tempo, enquanto estamos aguardando a sua volta. Vigilância é não deixarmos para depois o que temos que fazer hoje, é fazer bem o que temos que fazer, e é estarmos com tudo pronto para o grande encontro. Porque ninguém sabe o dia, nem a hora.

O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo (Mt 25, 1)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
como são bonitas as tuas histórias. Nesta parábola de hoje, tu és o noivo e estás sendo aguardado. Esse tempo de espera é tempo de vigilância, lâmpadas acesas, sustentadas pelo óleo da fé, da esperança e da caridade para clarear a grande festa que se aproxima, o casamento profetizado no final do livro do Apocalipse. A Igreja trajada de noiva, a nova Jerusalém, aguarda ansiosamente a tua volta. Como diz o livro santo: “A Igreja e o Espírito dizem: Maranatha! Vem, Senhor Jesus”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Estar vigilante é como não deixar o óleo faltar para manter a lamparina acesa. Identifique, na sua vida, que óleo não pode faltar pra você se manter vigilante à espera do encontro com o Senhor.

Até amanhã, se Deus quiser.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Você também tem uma desculpa?



   07 de novembro de 2023.   

Terça-feira da 31ª Semana do Tempo Comum


   Evangelho   


Lc 14,15-24

Naquele tempo, 15um homem que estava à mesa disse a Jesus: “Feliz aquele que come o pão no Reino de Deus!” 16Jesus respondeu: “Um homem deu um grande banquete e convidou muitas pessoas. 17Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: ‘Vinde, pois tudo está pronto’.
18Mas todos, um a um, começaram a dar desculpas. O primeiro disse: ‘Comprei um campo, e preciso ir vê-lo. Peço-te que aceites minhas desculpas’. 19Um outro disse: ‘Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-las. Peço-te que aceites minhas desculpas’. 20Um terceiro disse: ‘Acabo de me casar e, por isso, não posso ir’.
21O empregado voltou e contou tudo ao patrão. Então o dono da casa ficou muito zangado e disse ao empregado: ‘Sai depressa pelas praças e ruas da cidade. Traze para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos’.
22O empregado disse: ‘Senhor, o que tu mandaste fazer foi feito, e ainda há lugar’. 23O patrão disse ao empregado: ‘Sai pelas estradas e atalhos, e obriga as pessoas a virem aqui, para que minha casa fique cheia’. 24Pois eu vos digo: nenhum daqueles que foram convidados provará do meu banquete”.



   Meditação.   


Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: venham, pois tudo está pronto (Lc 14, 16)

Não faltam desculpas para quem não quer participar da Igreja. Não encontra tempo para ir à Missa, não encontra motivação para viver em comunidade a sua fé. “Ah, não posso, não tenho tempo, ando muito ocupado. Ou: vivo para o trabalho, quando chego em casa não tenho mais ânimo pra nada. Ou ainda: ah, quem tem família, com filhos pequenos ainda, não tem condições de participar”. Essas desculpas já eram dadas no tempo de Jesus.

E o próprio Mestre ilustrou uma história com as três desculpas que ele ouvia sempre. Alguém preparou uma bela festa e convidou um bocado de gente. Um disse que não podia ir porque tinha comprado uma terra e estava louco pra ver o novo sítio. Outro tinha adquirido cinco juntas de bois para lavrar a terra e ia começar o serviço. Um terceiro tinha se casado e, claro, mandou pedir desculpas, não podia ir à festa. Os primeiros convidados não foram, que decepção!

O que tinha comprado o campo representa bem os que têm muitos bens e não se lembram de nada mais fora deles. Pode ser uma casa, uma empresa, uma fazenda, um negócio. Se não se tomar cuidado, os bens podem virar donos da gente, serem nossos senhores. A gente é que tem que ser dono das coisas, não o contrário. Os bens materiais podem se tornar um verdadeiro deus ao qual me sacrifico ou sacrifico os outros. E Jesus disse bem claro que não se pode servir a dois senhores, a Deus e aos bens materiais, representados no dinheiro. O apego aos bens materiais leva muita gente a não frequentar a Igreja, a não se lembrar do Deus verdadeiro. Já tem seu próprio deus.

O que ia lavrar a terra com seus novos bois bem pode representar os que não acham tempo para Deus por causa do trabalho. O trabalho parece que é tudo, não dá mais tempo para mais nada. Uma boa desculpa para não pisar na Igreja. Diz que não dá tempo, que está cansado. Mas a pessoa não vive só para trabalhar. No início da Bíblia, se diz que Deus trabalhou seis dias na criação do mundo e no sétimo, descansou (Gn 1). E o livro do Êxodo comenta: “Seis dias trabalharás, no sétimo descansarás, que é o repouso do teu Deus” (Ex 10). Parar, celebrar, ir à Igreja é um modo de reconhecer o senhorio de Deus em nossa vida. Não somos escravos. Por isso, paramos, pausamos o trabalho, celebramos a liberdade dos filhos de Deus. Reconhecemos que Deus é o nosso único Deus e Senhor.

Aquele que disse que tinha se casado e por isso não podia ir à festa representa os que têm responsabilidade na família e por isso se consideram impedidos de ir à Igreja. Então, a família tomou o lugar de Deus? E Jesus tinha alertado: “Quem amar seu pai e sua mãe mais do que a mim não é digno de mim. Quem amar seu marido ou sua esposa ou seus filhos mais do que a mim, não é digno de mim”. Se Deus é o mais importante, então uma visita em casa não pode me impedir de ir à Missa. Nem uma festinha em família, ou uma criança pequena. Deus é Deus e merece o melhor de mim, do meu tempo, do meu amor. “Amar a Deus sobre todas as coisas, acima de todas as pessoas”, este é o mandamento.

Não faltam desculpas para quem não quer participar da Igreja. Os bens materiais que me prendem, o trabalho que me toma todo o tempo, a família que precisa de mim. Apesar da resposta negativa de muitos, Deus continua nos chamando para a festa, que é o Reino de Deus. E abrindo suas portas para outros mais desapegados, mais disponíveis, mais fiéis.





Guardando a mensagem

Jesus comparou o Reino de Deus com o banquete que um pai de família preparou e para o qual convidou muita gente. Os primeiros convidados não compareceram. Esses faltosos alegaram razões para sua ausência: a compra de um sítio, o plantio com uma junta de bois, o casamento recente. Essas três desculpas podem representar grande parte das nossa desculpas para vivermos ausentes da vida da Igreja: o apego aos bens materiais, os compromissos do trabalho, os apelos da vida em família. Mas, nada pode nos afastar de Deus ou nos impedir de participar dos atos religiosos, pelos quais, como Igreja, adoramos o Senhor nosso Deus. A mesa está pronta, nos avisa o Senhor. Não nos esquivemos deste maravilhoso convite. Nada de desculpas.

Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: venham, pois tudo está pronto (Lc 14, 16)


Rezando a palavra

Senhor Jesus,
foram três desculpas pelas quais os primeiros convidados se disseram impedidos de participar do banquete. Um tinha comprado uma terra e queria vê-la; outro ia testar cinco juntas de bois que tinha comprado para arar a terra; e o outro, estava de lua de mel. Gente voltada para seus negócios e para o seu casamento, sem tempo para participar do banquete de Deus. Senhor, não queremos repetir isso em nossas vidas. Não queremos perder esse convite maravilhoso para participar do Reino de Deus. Queremos estar contigo, ao redor da tua mesa, participando de tua alegria. Bendito seja o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Pense um pouco... Peça a ajuda do Santo Espírito de Deus. Qual é a desculpa número um pra você não participar muito mais da vida da Igreja?



Comunicando

Ontem, lançamos o desafio do mês de novembro: "Ler o Evangelho do dia". No formulário, recebemos 1.356 respostas. 87% dizendo que topam o desafio e 12% dizendo que vão tentar. E você, você topou o desafio? 

Sexta-feira próxima, dia 10, vou estar com a equipe da AMA na cidade de Bananeiras, na Paraíba, para uma Missa com os Ouvintes da Rádio Integração. No sábado, dia 11, estaremos em Campina Grande, para um show na Feira Católica, às 16 horas. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb


Veja como andam as respostas sobre o Desafio de "Ler o Evangelho do Dia:"

 




Ele está pra chegar.


   24 de outubro de 2023.   

Terça-feira do 29º Domingo do Tempo Comum 


   Evangelho.   


Lc 12,35-38

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 35“Que vossos rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas. 36Sede como homens que estão esperando seu senhor voltar de uma festa de casamento, para lhe abrirem, imediatamente, a porta, logo que ele chegar e bater. 37Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar. Em verdade, eu vos digo: Ele mesmo vai cingir-se, fazê-los sentar-se à mesa e, passando, os servirá. 38E caso ele chegue à meia-noite ou às três da madrugada, felizes serão, se assim os encontrar!”

   Meditação.   


Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar (Lc 12 ,37)

Você lembra da cara dos seus pais quando voltaram de uma viagem e encontraram a casa toda arrumadinha!! Puxa, eles ficaram muito contentes. E elogiaram sua responsabilidade, seu compromisso, seu esforço em fazer tudo bem feito. Esse é o tema do evangelho de hoje.

O tema é o da vigilância. Este tema é desenvolvido nos evangelhos, com diversas histórias e comparações. Recebemos uma tarefa e vamos prestar contas dela a qualquer momento. Precisamos estar atentos e vigilantes. Nada de dormir no ponto.

O empregado está esperando a volta do seu patrão, que foi a uma festa de casamento e volta a qualquer momento. É necessário que esteja acordado na hora em que o patrão voltar, para abrir a porta para ele, assim que bater. O patrão, de tão satisfeito, é quem vai por a mesa para o seu empregado.

Nessa alegoria, o senhor é o próprio Jesus. Ele viajou (é a ascensão ao céu), mas, vai voltar e ninguém sabe a hora certa em que vai chegar (é a sua nova vinda). O empregado sou eu, é você. Ficamos na responsabilidade de cuidar de sua casa, de sua família. A casa pode ser minha família (que não é minha), a minha comunidade (que não é minha), a organização a que pertenço. Nós não somos os donos, somos os empregados. Vamos prestar contas. Vamos ser avaliados. E a hora de sua chegada pode ser a qualquer momento, ele vem sem programação. Mas, vai ficar muito feliz se encontrar tudo em ordem. Vai cear com o seu empregado, contar as novidades de sua viagem, mostrar sua gratidão e sua confiança nele.

É certo que ele vem. E vem, definitivamente, no final dos tempos. Mas, de verdade, vem sempre. Vem numa grande oportunidade. Se não estamos preparados, perdemos (uma promoção, um concurso, um casamento, uma porta de realização, um salto em nossa vida espiritual). É, ele sempre vem. Se não vem, manda chamar a gente. É a morte. Essa é a hora da avaliação de nossa vida. Aprovados, iremos para o banquete eterno que ele mesmo nos servirá. Se não manda chamar, manda um aviso. É a doença. A doença me diz: você não está aqui pra sempre, você é frágil; você recebeu uma tarefa: valorize mais os meios que lhe foram dados para realizar a sua missão: a saúde, as pessoas que lhe querem bem, as qualidades, as capacidades que Deus lhe deu.




Guardando a mensagem

Jesus contou várias histórias ou alegorias para enfatizar a necessidade de estarmos vigilantes, no período de sua ausência física. Ele nos deixou responsáveis por sua missão, por sua casa, pelo bem do seu povo. Nós não sabemos quando ele voltará. E como ele não tem hora pra chegar, há sempre a tentação de a gente relaxar na execução das tarefas ou de abandonar o nosso posto de responsáveis. Ele chega a qualquer hora. Precisamos estar atentos, vigilantes, ativos. De prontidão. A alegria dele é, na hora em que chegar, ele nos encontrar acordados, à sua espera.

Felizes os empregados que o senhor encontrar acordados quando chegar (Lc 12 ,37)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
disseste “que os seus rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas”. Rins cingidos é estar com o cinto afivelado, em posição de quem está pronto para sair ou realizar uma tarefa. Lâmpadas acesas é também o sinal de vigilância, de se estar desperto, de olho no que está acontecendo. Estás nos orientando, Senhor, a assumir uma postura de fidelidade e vigilância, na tensão de tua vinda a qualquer momento. Nós queremos esperar a tua volta, de maneira ativa, comprometida, operante. Queremos ver a tua expressão de satisfação, na tua volta, aos nos encontrares acordados, vigilantes. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Durante o dia de hoje, diga várias vezes essa invocação que está no livro do Apocalipse: “Vem, Senhor Jesus” (Ap 22, 20).

Comunicando

Sendo hoje dia 24, hoje é dia da comemoração mensal de N. Senhora Auxiliadora. Neste sentido, rezamos a Santa Missa na Capelinha da AMA, no Recife, começando às 14 horas, com transmissão pela Rádio Amanhecer. Aproveite e baixe o aplicativo na loja do seu celular. Rádio Amanhecer. 
 
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O Mês da Bíblia está começando... mantenha a sua lâmpada acesa!

 



01 de setembro de 2023

Sexta-feira da 21ª Semana do Tempo Comum

1ª Sexta-feira do Mês


EVANGELHO


Mt 25,1-13

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1"O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo. 2Cinco delas eram imprevidentes, e as outras cinco eram previdentes. 3As imprevidentes pegaram as suas lâmpadas, mas não levaram óleo consigo. 4As previdentes, porém, levaram vasilhas com óleo junto com as lâmpadas. 5O noivo estava demorando e todas elas acabaram cochilando e dormindo. 6No meio da noite, ouviu-se um grito: ‘O noivo está chegando. Ide a seu encontro!’ 7Então as dez jovens se levantaram e prepararam as lâmpadas. 8As imprevidentes disseram às previdentes: ‘Dai-nos um pouco de óleo, porque nossas lâmpadas estão se apagando’. 9As previdentes responderam: ‘De modo nenhum, porque o óleo pode ser insuficiente para nós e para vós. É melhor irdes comprar aos vendedores’. 10Enquanto elas foram comprar óleo, o noivo chegou, e as que estavam preparadas entraram com ele para a festa de casamento. E a porta se fechou. 11Por fim, chegaram também as outras jovens e disseram: ‘Senhor! Senhor! Abre-nos a porta!’ 12Ele, porém, respondeu: ‘Em verdade eu vos digo: Não vos conheço!’ 13Portanto, ficai vigiando, pois não sabeis qual será o dia, nem a hora”.

MEDITAÇÃO


O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo (Mt 25,1)

O evangelho de hoje conta a história de cinco moças que foram barradas numa festa, numa festa de casamento. E o mais chato, sabe o que foi, é que elas eram pajens do noivo, faziam parte de um grupo que acompanharia o ingresso do noivo na cerimônia. Eram dez moças que iriam acompanhar a entrada do noivo... olha que história!

Bom, dez jovens estavam aguardando a hora de entrar com o noivo na festa do casamento. Cada uma com sua lâmpada de óleo na mão. O noivo demorou a chegar. Elas acabaram cochilando e dormindo. Acordaram com alguém gritando: “O noivo está chegando!”. Foi aquele alvoroço. Apareceu logo um problema: cinco lâmpadas estavam já se apagando. E suas donas não tinham levado uma reserva de óleo para reabastecê-las. E agora? Pediram às outras cinco para dividir com elas o óleo de reserva que cada uma tinha levado. ‘Não dá. Assim, no meio da festa, todas as lâmpadas de óleo vão se apagar. É melhor vocês saírem para comprar óleo’. Lá se foram esbaforidas as cinco jovens, atrás de comprar óleo numa hora daquelas. O noivo chegou, entrou todo mundo, as portas se fecharam. Quando voltaram, coitadas, não puderam mais entrar. Até o noivo mandou dizer que não sabia quem eram elas.

As cinco moças esqueceram-se de levar um óleo de reserva. Por que esqueceram? Com certeza, porque participar do casamento, mesmo como damas de acompanhamento, não estava entre suas maiores preocupações. Com certeza, tinham sido escolhidas para essa tarefa, mas elas não estavam realmente focadas nisso. Não se prepararam adequadamente prevendo uma reserva de óleo, nem tiveram tempo nem cabeça pra isso, com outras tarefas do dia ou mesmo por distração, sei lá.

Para aquelas moças, terem ficado do lado de fora foi o fracasso de suas vidas. Sabe por quê? Porque elas viviam para esse grande momento, para o encontro com o noivo. Bom, aqui precisaria maior explicação, mas vamos assim mesmo. Porque o noivo era o noivo delas. O noivo é Jesus. As moças somos nós, sua Igreja. E vivemos para esse grande encontro com o Senhor que está chegando. Reparou que, na história, não tem noiva? As noivas são elas. A Igreja é a noiva que aguarda a chegada do seu Senhor, para a celebração das núpcias eternas. As noivas, compreendam, somos nós. Não entrar na festa é perder a salvação eterna.




Guardando a mensagem

O que será que Jesus quis ensinar com essa parábola? A lição está no fim da história. “Portanto, fiquem vigilantes, porque ninguém sabe o dia, nem a hora”. Está no contexto da preocupação de Jesus pra gente não relaxar, enquanto esperamos a sua volta. O noivo está demorando. O noivo é ele. Está demorando, mas chega a qualquer momento. A noiva somos nós, a Igreja. Reparou que cinco se perderam? Ninguém se perde sozinho, já dizia Santa Terezinha. Por isso mesmo, nada de baixar a guarda, de descuidar-se... O tempo de espera é tempo de compromisso, de construção. Vigilância é a marca desse tempo, enquanto estamos aguardando a sua volta. Vigilância é não deixarmos para depois o que temos que fazer hoje, é fazer bem o que temos que fazer, e é estarmos com tudo pronto para o grande encontro. Porque ninguém sabe o dia, nem a hora.

O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo (Mt 25, 1)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
como são bonitas as tuas histórias. Nesta parábola de hoje, tu és o noivo e estás sendo aguardado. Esse tempo de espera é tempo de vigilância, lâmpadas acesas, sustentadas pelo óleo da fé, da esperança e da caridade para clarear a grande festa que se aproxima, o casamento profetizado no final do livro do Apocalipse. A Igreja trajada de noiva, a nova Jerusalém, aguarda ansiosamente a tua volta. Como diz o livro santo: “A Igreja e o Espírito dizem: Maranatha! Vem, Senhor Jesus”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Estar vigilante é como não deixar o óleo faltar para manter a lamparina acesa. Identifique, na sua vida, que óleo não pode faltar pra você se manter vigilante à espera do encontro com o Senhor.

Comunicando

Está começando o Mês da Bíblia. Aqui, na Meditação e no nosso programa de Rádio, vamos fazer todo esforço para que este mês seja de crescimento no conhecimento da Palavra de Deus. Na última semana do mês, teremos o Curso Biblico sobre a Carta aos Efésios.

Até amanhã, se Deus quiser.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Casamento, vocação à santidade


18 de agosto de 2023.

Sexta-feira da 19ª Semana do Tempo Comum

Evangelho.


Mt 19,3-12


Naquele tempo, 3alguns fariseus aproximaram-se de Jesus, e perguntaram, para o tentar: “É permitido ao homem despedir sua esposa por qualquer motivo?” 4Jesus respondeu: “Nunca lestes que o Criador, desde o início, os fez homem e mulher? 5E disse: ‘Por isso, o homem deixará pai e mãe, e se unirá à sua mulher, e os dois serão uma só carne’ 6De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus uniu, o homem não separe”.

7Os fariseus perguntaram: “Então, como é que Moisés mandou dar certidão de divórcio e despedir a mulher?” 8Jesus respondeu: “Moisés permitiu despedir a mulher, por causa da dureza do vosso coração. Mas não foi assim desde o início. 9Por isso, eu vos digo: quem despedir a sua mulher – a não ser em caso de união ilegítima – e se casar com outra, comete adultério”. 10Os discípulos disseram a Jesus: “Se a situação do homem com a mulher é assim, não vale a pena casar-se”.

11Jesus respondeu: “Nem todos são capazes de entender isso, a não ser aqueles a quem é concedido. 12Com efeito, existem homens incapazes para o casamento, porque nasceram assim; outros, porque os homens assim os fizeram; outros, ainda, se fizeram incapazes disso por causa do Reino dos Céus. Quem puder entender entenda”.


Meditação.


O que Deus uniu, o homem não separe (Mt 19, 6)


Nós estamos, na programação do mês vocacional, na Semana da Vocação Matrimonial. E o Evangelho de Jesus, hoje, nos fala do casamento. A união do homem e da mulher é obra do Criador. “Já não são dois, mas uma só carne”, diz a Palavra. Unir duas vidas, vivendo um para o outro, partilhando projetos e sonhos, sendo canal para o nascimento de uma nova vida, tudo isso toca o mistério de Deus.


"Jesus, que tudo reconciliou em si mesmo e redimiu o homem do pecado, não só voltou a levar o matrimônio e a família à sua forma original, mas também elevou o matrimônio a sinal sacramental do seu amor pela Igreja", nos diz a Exortação do Papa Francisco sobre a Família. Você é casado, é casada? Então, viva essa condição como verdadeira graça de Deus. Nos dias de hoje, há muita coisa que conspira contra o matrimônio. Mas, não se deixe seduzir pelo mal. Não assuma o pensamento do mundo sobre o casamento. Assimile o pensamento de Deus, como Jesus o exprimiu no seu evangelho. A vida a dois é exigente, porque pede esforço de superação do egoísmo, do individualismo. Casamento não dá certo com gente egoísta ou interessada apenas no desfrute dessa vida.


Como é importante que o casamento seja vivido em obediência à vontade de Deus! É um estado de santidade, de participação no mistério de Deus que é Amor e Unidade. Por isso, é importante vivê-lo em clima de espiritualidade. Assim, lembremos a oração, a oração de todos pelo bem dos esposos e a oração dos esposos, um pelo outro e dos dois juntos. Longe de Deus, o casamento tem pouca chance de sobreviver e ser caminho de plenitude na vida do casal. Viva o seu casamento em obediência e comunhão com Deus. Esse é o caminho da felicidade.


Na Exortação Apostólica “O Amor na Família” (Amoris laetitia), o Papa Francisco deixou escrito: “A família e o matrimónio foram redimidos por Cristo, restaurados à imagem da Santíssima Trindade, mistério donde brota todo o amor verdadeiro. A aliança esponsal, inaugurada na criação e revelada na história da salvação, recebe a revelação plena do seu significado em Cristo e na sua Igreja. O matrimónio e a família recebem de Cristo, através da Igreja, a graça necessária para testemunhar o amor de Deus e viver a vida de comunhão”.


Noutra parte do documento, o Papa escreveu: “Um amor frágil ou enfermiço, incapaz de aceitar o matrimônio como um desafio que exige lutar, renascer, reinventar-se e recomeçar sempre de novo até à morte, não pode sustentar um nível alto de compromisso. Cede à cultura do provisório, que impede um processo constante de crescimento. Para que este amor possa atravessar todas as provações e manter-se fiel contra tudo, requer-se o dom da graça que o fortalece e eleva”.




Guardando a mensagem


O casamento é obra do Criador, que o concebeu como expressão de verdadeira comunhão. Mesmo que os casais do seu tempo encontrassem dificuldades e limites na vida a dois, Jesus confirmou o ensinamento da Escritura: A unidade (os dois serão uma só carne) e a indissolubilidade (o que Deus uniu, o homem não separe). Feliz o casal que chega a viver o seu matrimônio como expressão de amor e de obediência a Deus e ao seu projeto de felicidade e salvação!


O que Deus uniu, o homem não separe (Mt 19, 6)


Acolhendo a palavra


Senhor Jesus,

abençoa os casais que estão enfrentando turbulências no seu casamento. Senhor, que eles possam beber da fonte do amor que és tu mesmo e em ti encontrar forças para perseverar neste amor, exercitando a paciência e o perdão. Cura, Senhor, as chagas abertas pela infidelidade no matrimônio. Dá a graça da reconciliação, da restauração da vida matrimonial a tanta gente que se vê tocada por tua graça. Abençoa, Senhor, com a bênção dos filhos, a união matrimonial dos casais jovens. Abençoa, com a bênção dos netos, os casais mais adultos. Repete no coração de todos que o casamento é santo, lugar de santificação e de união com Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra


Estamos na Semana Nacional da Família, com o tema "Família, fonte de vocações". Como o evangelho de hoje toca o tema da família, seria muito bom você compartilhar a Meditação de hoje com outras pessoas.


Comunicando

Neste final de semana, estarei em Fortaleza. Amanhã, sábado, temos um Encontro de Espiritualidade na Livraria Paulinas do centro da cidade, das 10:30 ao meio dia. No domingo à tarde, presido a Missa dos Ouvintes da FM Dom Bosco, na Paróquia da Piedade. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O que aconteceu naquela festa de casamento



07 de janeiro de 2023

Sábado no Tempo do Natal antes da Epifania

EVANGELHO


Jo 2,1-11

Naquele tempo, 1houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente. 2Também Jesus e seus discípulos tinham sido convidados para o casamento. 3Como o vinho veio a faltar, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. 4Jesus respondeu-lhe: “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou”.
5Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei o que ele vos disser”.
6Estavam seis talhas de pedra colocadas aí para a purificação que os judeus costumam fazer. Em cada uma delas cabiam mais ou menos cem litros.
7Jesus disse aos que estavam servindo: “Enchei as talhas de água”. Encheram-nas até a boca. 8Jesus disse: “Agora tirai e levai ao mestre-sala”. E eles levaram.
9O mestre-sala experimentou a água, que se tinha transformado em vinho. Ele não sabia de onde vinha, mas os que estavam servindo sabiam, pois eram eles que tinham tirado a água.
10O mestre-sala chamou então o noivo e lhe disse: “Todo mundo serve primeiro o vinho melhor e, quando os convidados já estão embriagados, serve o vinho menos bom. Mas tu guardaste o vinho bom até agora!”
11Este foi o início dos sinais de Jesus. Ele o realizou em Caná da Galileia e manifestou a sua glória, e seus discípulos creram nele.

MEDITAÇÃO


Mas tu guardaste o vinho melhor até agora! (Jo 2, 10)

Celebrando a Missa, outro dia, confesso que me emocionei ao pronunciar as palavras da consagração do vinho: “Este é o cálice do meu sangue, sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados”. Eu tinha feito a homilia, explicando que nas bodas de Caná se mostra o que Jesus veio fazer: a restauração da aliança. E na consagração, me ocorreu que Jesus continua, em nossa história, fazendo a nova aliança no seu sangue.

A aliança é uma imagem para representar o relacionamento entre Deus e o seu povo. O povo de Deus conhecia as alianças que se faziam entre povos e nações. Mas, entre Deus e Israel, a aliança era de mútua pertença, como num casamento. “Eu sou o seu Deus. Vocês são o meu povo”. Vários profetas falaram do relacionamento amoroso entre Israel e seu Deus, como de um casamento. Isaías, por exemplo, escreveu: “como a noiva é a alegria do noivo, assim também tu és a alegria de teu Deus” (Is 62, 5). Neste modo de falar, Deus é o noivo, o esposo. A comunidade de Israel é a noiva, a esposa.

A grande tarefa dos profetas sempre foi combater a infidelidade do povo ao seu Deus. Deus foi sempre fiel. A comunidade de Israel, nem sempre. Aguardava-se o Messias para exatamente refazer a aliança, para conduzir o povo à fidelidade ao seu Deus.

São João, quase no início do seu evangelho, conta o que aconteceu na festa de casamento que houve em Caná da Galileia. A festa do casamento estava ameaçada por um problema. Maria, Jesus e os discípulos estavam presentes. Maria deu-se conta do que estava acontecendo e pediu ajuda a Jesus: “Eles não têm mais vinho”. Jesus lhe disse que sua hora ainda não tinha chegado. Mas, ela orientou os serventes a fazerem o que ele mandasse. E ele mandou encher de água as seis talhas de pedra. Quando retiraram a água para levar para o responsável, era vinho da melhor qualidade.

E qual era o problema daquele casamento em Caná? Maria disse: “Eles não têm mais vinho”. Vinho é sinal de amor e alegria. Que problema tinha a aliança de Israel com Deus? Israel estava vivendo em grande infidelidade à aliança com o Senhor. Estava faltando amor e alegria. Estava faltando vinho.

E por que Jesus disse que não tinha chegado sua hora? A hora de Jesus é a sua paixão, a sua cruz, a sua morte redentora. Na noite de sua paixão, ainda na ceia, Jesus rezou: “Chegou a hora. Glorifica, Pai, o teu filho, para que o teu filho te glorifique”. A hora de Jesus era a sua morte, quando realizaria plenamente a sua missão.


Guardando a mensagem

Nas bodas de Caná, já aparece a obra redentora de Jesus. Sua obra é nos reconciliar com Deus. É restaurar a aliança, aliança rompida pela infidelidade, pelo pecado. Pela intercessão de sua mãe, ele antecipa a sua hora. A hora de Jesus é a morte na cruz. É por sua morte redentora e por sua ressurreição que ele nos reconcilia com Deus, que ele restaura a aliança, o casamento ameaçado de fracasso por nosso pecado, por nossa infidelidade. Celebrando a Santa Missa, renovamos o sacrifício de Jesus em sua cruz, a sua entrega em favor dos pecadores. É o sacrifício da nova aliança. Jesus, no seu sangue, isto é, na sua morte redentora, nos reconcilia com Deus, restaura a aliança, fazendo-a nova e eterna.

Mas tu guardaste o vinho melhor até agora! (Jo 2, 10)


Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Na festa de casamento em Caná, podemos imaginar quem estava se casando. O responsável pela festa chamou o noivo e elogiou o excelente vinho que ele reservou para o final. O noivo, nos ocorre, és tu mesmo, Senhor. Foste tu que, com a salvação alcançada em tua morte redentora, nos deste o vinho do amor fiel e verdadeiro e da plena alegria. E a noiva não aparece na história. Mas, claro, é a comunidade-Igreja, somos nós, a comunidade da nova aliança. Nós te agradecemos, Senhor, porque agora o contrato da aliança não está mais escrito em tábuas de pedra, como na primeira aliança. Por isso, as seis talhas eram de pedra. Agora, o contrato da aliança, a lei, está escrito em nossos corações, pelo derramamento do teu Espírito, representado na água. A Missa é o sacramento da nova aliança. Obrigado, Senhor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Será muito proveitoso que você leia, em sua Bíblia, o evangelho de hoje: João 2,1-11.

No texto da Meditação de hoje, tem fotos que ilustram esta bela cena das bodas de Caná. Que tal conferir? É só clicar no link que estou lhe enviando.

Comunicando

Segunda-feira, começa a Semana de Aniversário do nosso Programa Tempo de Paz, apresentado em rede em mais de uma centena de emissoras de rádio. Teremos sorteios durante toda a semana. Para você, ouvinte, participar do sorteio, ponha o seu nome no formulário que está acompanhando a Meditação. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Você tem uma boa desculpa para participar tão pouco da vida da Igreja?





01 de novembro de 2022

31ª Semana do Tempo Comum



EVANGELHO


Lc 14,15-24

Naquele tempo, 15um homem que estava à mesa disse a Jesus: “Feliz aquele que come o pão no Reino de Deus!” 16Jesus respondeu: “Um homem deu um grande banquete e convidou muitas pessoas. 17Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: ‘Vinde, pois tudo está pronto’.
18Mas todos, um a um, começaram a dar desculpas. O primeiro disse: ‘Comprei um campo, e preciso ir vê-lo. Peço-te que aceites minhas desculpas’. 19Um outro disse: ‘Comprei cinco juntas de bois, e vou experimentá-las. Peço-te que aceites minhas desculpas’. 20Um terceiro disse: ‘Acabo de me casar e, por isso, não posso ir’.
21O empregado voltou e contou tudo ao patrão. Então o dono da casa ficou muito zangado e disse ao empregado: ‘Sai depressa pelas praças e ruas da cidade. Traze para cá os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos’.
22O empregado disse: ‘Senhor, o que tu mandaste fazer foi feito, e ainda há lugar’. 23O patrão disse ao empregado: ‘Sai pelas estradas e atalhos, e obriga as pessoas a virem aqui, para que minha casa fique cheia’. 24Pois eu vos digo: nenhum daqueles que foram convidados provará do meu banquete”.



METIDAÇÃO


Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: venham, pois tudo está pronto (Lc 14, 16)


Não faltam desculpas para quem não quer participar da Igreja. Não encontra tempo para ir à Missa, não encontra motivação para viver em comunidade a sua fé. “Ah, não posso, não tenho tempo, ando muito ocupado. Ou: vivo para o trabalho, quando chego em casa não tenho mais ânimo pra nada. Ou ainda: ah, quem tem família, com filhos pequenos ainda, não tem condições de participar”. Essas desculpas já eram dadas no tempo de Jesus.

E o próprio Mestre ilustrou uma história com as três desculpas que ele ouvia sempre. Alguém preparou uma bela festa e convidou um bocado de gente. Um disse que não podia ir porque tinha comprado uma terra e estava louco pra ver o novo sítio. Outro tinha adquirido cinco juntas de bois para lavrar a terra e ia começar o serviço. Um terceiro tinha se casado e, claro, mandou pedir desculpas, não podia ir à festa. Ninguém foi, que decepção!

O que tinha comprado o campo representa bem os que têm muitos bens e não se lembram de nada mais fora deles. Pode ser uma casa, uma empresa, uma fazenda, um negócio. Se não se tomar cuidado, os bens podem virar donos da gente, serem nossos senhores. A gente é que tem que ser dono das coisas, não o contrário. Os bens materiais podem se tornar um verdadeiro deus ao qual me sacrifico ou sacrifico os outros. E Jesus disse bem claro que não se pode servir a dois senhores, a Deus e aos bens materiais, representados no dinheiro. O apego aos bens materiais leva muita gente a não frequentar a Igreja, a não se lembrar do Deus verdadeiro. Já tem seu próprio deus.

O que ia lavrar a terra com seus novos bois bem pode representar os que não acham tempo para Deus por causa do trabalho. O trabalho parece que é tudo, não dá mais tempo para fazer nada. Uma boa desculpa para não pisar na Igreja. Diz que não dá tempo, que está cansado. Mas a pessoa não vive só para trabalhar. No início da Bíblia, se diz que Deus trabalhou seis dias na criação do mundo e no sétimo, descansou (Gn 1). E o livro do Êxodo comenta: “Seis dias trabalharás, no sétimo descansarás, que é o repouso do teu Deus” (Ex 10). Parar, celebrar, ir à Igreja é um modo de reconhecer o senhorio de Deus em nossa vida. Não somos escravos. Por isso, paramos, pausamos o trabalho, celebramos a liberdade dos filhos de Deus. Reconhecemos que Deus é o nosso único Deus e Senhor.

Aquele que disse que tinha se casado e por isso não podia ir à festa representa os que têm responsabilidade na família e por isso se consideram impedidos de ir à Igreja. Então, a família tomou o lugar de Deus? E Jesus tinha alertado: “Quem amar seu pai e sua mãe mais do que a mim não é digno de mim. Quem amar seu marido ou sua esposa ou seus filhos mais do que a mim, não é digno de mim”. Se Deus é o mais importante, então uma visita em casa não pode me impedir de ir à Missa. Nem uma festinha em família, ou uma criança pequena. Deus é Deus e merece o melhor de mim, do meu tempo, do meu amor. “Amar a Deus sobre todas as coisas, acima de todas as pessoas”, este é o mandamento.

Não faltam desculpas para quem não quer participar da Igreja. Os bens materiais que me prendem, o trabalho que me toma todo o tempo, a família que precisa de mim. Apesar da resposta negativa de muitos, Deus continua nos chamando para a festa, que é o Reino de Deus. E abrindo suas portas para outros mais desapegados, mais disponíveis, mais fiéis.


Guardando a mensagem

Jesus comparou o Reino de Deus com o banquete que um pai de família preparou e para o qual convidou muita gente. Os primeiros convidados não compareceram. Esses faltosos alegaram razões para sua ausência: a compra de um sítio, o plantio com uma junta de bois, o casamento recente. Essas três desculpas podem representar grande parte das nossa desculpas para vivermos ausentes da vida da Igreja: o apego aos bens materiais, os compromissos do trabalho, os apelos da vida em família. Mas, nada pode nos afastar de Deus ou nos impedir de participar dos atos religiosos, pelos quais, como Igreja, adoramos o Senhor nosso Deus. A mesa está pronta, nos avisa o Senhor. Não nos esquivemos deste maravilhoso convite. Nada de desculpas.

Na hora do banquete, mandou seu empregado dizer aos convidados: venham, pois tudo está pronto (Lc 14, 16)


Rezando a palavra

Senhor Jesus,
foram três desculpas pelas quais os primeiros convidados se disseram impedidos de participar do banquete. Um tinha comprado uma terra e queria vê-la; outro ia testar cinco juntas de bois que tinha comprado para arar a terra; e o outro, estava de lua de mel. Gente voltada para seus negócios e para o seu casamento, sem tempo para participar do banquete de Deus. Senhor, não queremos repetir isso em nossas vidas. Não queremos perder esse convite maravilhoso para participar do Reino de Deus. Queremos estar contigo, ao redor da tua mesa, participando de tua alegria. Bendito seja o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Pense um pouco... Peça a ajuda do Santo Espírito de Deus. Qual é a desculpa número um pra você não participar muito mais da vida da Igreja?

Comunicando

Como estou em Lisboa, convido quem estiver por perto para a Santa Missa desta quinta-feira, dia 03 de novembro, às 18 horas. A missa, no horário de Lisboa, será na Igreja paroquial dos Salesianos. Mais informações, veja no final do texto da Meditação. É só seguir o link.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb





SANTA MISSA EM LISBOA, COM PADRE JOÃO CARLOS
Paróquia de Nossa Senhora dos Prazeres | Igreja de Nossa Senhora Auxiliadora

Praça de S. João Bosco, 34, 1399-007 Lisboa - Portugal.
Tel. Cartório: 210 900 541
paroquia.nsprazeres@salesianos.pt

Pano para uma roupa nova!




02 de setembro de 2022

Sexta-feira da 22ª Semana do Tempo Comum


EVANGELHO


Lc 5,33-39

Naquele tempo, 33os fariseus e os mestres da Lei disseram a Jesus: “Os discípulos de João, e também os discípulos dos fariseus, jejuam com frequência e fazem orações. Mas os teus discípulos comem e bebem”. 34Jesus, porém, lhes disse: “Os convidados de um casamento podem fazer jejum enquanto o noivo está com eles? 35Dias virão em que o noivo será tirado do meio deles. Então, naqueles dias, eles jejuarão”.
36Jesus contou-lhes ainda uma parábola: “Ninguém tira retalho de roupa nova para fazer remendo em roupa velha; senão vai rasgar a roupa nova, e o retalho novo não combinará com a roupa velha. 37Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque, senão, o vinho novo arrebenta os odres velhos e se derrama; e os odres se perdem. 38Vinho novo deve ser posto em odres novos. 39E ninguém, depois de beber vinho velho, deseja vinho novo; porque diz: o velho é melhor”.

MEDITAÇÃO


Os convidados de um casamento podem fazer jejum enquanto o noivo está com eles? (Lc 5, 34)

Há uma coisa nova acontecendo na história. Já de algum tempo, é verdade. E o que é? A presença de Jesus entre nós. Essa é a maior notícia de todos os tempos. Jesus entre nós, reconstruindo nossa comunhão com Deus. O anjo de Belém falou da chegada dele como “uma grande alegria para o povo todo”. E as pessoas, por onde ele passa, estão se dando conta: “Nunca vimos uma coisa dessas!”. A salvação de Deus está agindo por meio dele, restaurando, reconciliando, libertando. Ele diz que é o Reino de Deus que chegou. Jesus salvador entre nós, que coisa maravilhosa, inédita! Uma coisa nova realmente está acontecendo, na história.

Essa é a nossa experiência, hoje. Essa é a experiência dos seguidores de Jesus no começo de sua atuação na Galileia. Nós e eles estamos envolvidos nesse clima de alegria, de festa. O Mestre caminha conosco, ele nos instrui no caminho de Deus. Ele é o bom pastor que dá a vida por suas ovelhas. Ele está buscando e salvando a ovelha já perdida. O filho pródigo está voltando pra casa: motivo de festa, com direito a música, a dança e a churrasco do novilho cevado. Os cobradores de impostos estão sendo incluídos no Reino de Deus: motivo para banquete com Jesus, seus discípulos e pecadores à mesa. É a aliança de Deus com o seu povo que está sendo restaurada. O casamento da comunidade Israel com o seu Deus está sendo renovado. Não é à toa que o evangelho de São João comece, propriamente, com o casamento de Caná. O noivo oferece o melhor vinho. O noivo daquela festa – cá pra nós - é Jesus.

Então, a presença de Jesus entre nós, em nossa história humana, é a maior novidade de todos os tempos. É o Reino de Deus que chegou com ele nos salvando, nos resgatando, nos libertando. Ele é o noivo desse nosso casamento. Ele traz um vinho novo, a novidade do seu evangelho. Ele nos veste com uma roupa nova, a da graça, da comunhão com Deus. Estamos felizes. O clima é de festa. Agora, tem gente que não entendeu isso. E permanece mergulhado no seu sofrimento, no seu fracasso. Ou fica cobrando de Jesus e da gente uma cara de tristeza. Não, a nossa cara só pode ser de alegria. Estamos cheios de esperança e de luz. O clima não é de abatimento porque somos pecadores. O clima é de festa porque o amor de Deus nos redimiu dos nossos pecados. E começou o novo tempo, o tempo da graça de Deus em nós e no mundo.

O evangelho de hoje tem tudo isso. Jesus dizendo: ‘Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum enquanto o noivo está com eles?’ Quem são os convidados? Nós. Que casamento é esse? A nova e eterna aliança de Deus com a gente. E quem é esse noivo? Aí eu não preciso responder.... Claro, é Jesus. E ele falou assim porque havia uma reclamação: ‘É, tá tudo bem. Mas, o grupo de vocês não pratica o jejum, como os fariseus ou o pessoal de João Batista. Eles, sim, são fiéis e observantes’. Tenham paciência, agora não é hora de jejum. Agora, é hora de festa. É o que Jesus está dizendo. O Reino de Deus que ele anuncia é um tecido novinho pra gente fazer uma roupa nova. Não é um remendo pra sua roupa velha.


Guardando a mensagem

Muita gente estranhou o estilo de Jesus, comendo com os pecadores, participando de banquetes, contando histórias de festa. E nada de fazer jejum, com os seus seguidores, como os grupos tradicionais faziam. A presença de Jesus, inaugurando o Reino de Deus no meio do seu povo, é um tempo novo que começou. Seu evangelho é uma novidade fantástica: Deus reinando entre nós, nos conduzindo à plena realização. Jesus está restaurando a aliança de Deus com seu povo. O clima é de casamento, de festa. Ele é o noivo. Só quem não está entendendo, pode pensar em jejum numa hora dessas. Agora, é hora de festa, de alegria. O evangelho de Jesus não é um remendo pra roupa velha. É pano pra roupa nova.

Os convidados de um casamento podem fazer jejum enquanto o noivo está com eles? (Lc 5, 34)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
tu inauguraste um tempo novo de vitória para a humanidade. O Reino já está fermentando a nossa história. E nós somos os cidadãos desse reino, revestidos de tua graça, fortalecidos pelo teu Espírito. Nós – como nos disseste – somos sal e luz para este mundo. Então, temos motivos de sobra para viver nossos compromissos cidadãos com muita esperança. Senhor, precisamos de tua graça para não esmorecer diante das dificuldades, para não desanimar diante dos problemas. Dá-nos a força do teu Espírito para sermos instrumentos do teu amor, fermento de justiça e fraternidade neste mundo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Neste mês da Bíblia, você ja sabe, estamos com um desafio: 
ler o evangelho do dia, todos os dias deste mês. Você sabe, cada dia, na celebração litúrgica, a Igreja nos lê uma passagem do santo Evangelho. O desafio, então, é esse: ler o evangelho de cada dia. Ontem foi o primeiro dia. Você conseguiu ler o evangelho de ontem?

Olha, você que recebe a Meditação diretamente, o desafio está facilitado. Todos os dias, junto com a Meditação, nós enviamos também o texto do Evangelho do dia. É só seguir o link que acompanha a postagem.

Comunicando

No domingo 11 de setembro, vou celebrar a Santa Missa das 17 horas (que é transmitida pela Rádio Amanhecer) na Paróquia Dom Bosco, do Alto da Lapa, São Paulo. Quem morar por perto, sinta-se convidado, convidada. Domingo 11 de setembro, 17 horas.

Por favor, não esqueça de ler o evangelho de hoje. Até amanhã, se Deus quiser!

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Postagem em destaque

Deus está cumprindo suas promessas.

   18 de maio de 2024    Sábado da 7ª Semana da Páscoa          Evangelho.     Jo 21,20-25 Naquele tempo, 20Pedro virou-se e viu atrás de si...

POSTAGENS MAIS VISTAS