PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: Mc 9
Mostrando postagens com marcador Mc 9. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mc 9. Mostrar todas as postagens

A tentação da picanha.


23 de maio de 2023

  Quinta-feira da 7a. Semana do Tempo Comum.  


   Evangelho.  


Mc 9,41-43.45-56.47-50

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 41Quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa. 42E se alguém escandalizar um desses pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço.
43Se tua mão te leva a pecar, corta-a! 44É melhor entrar na Vida sem uma das mãos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. 45Se teu pé te leva a pecar, corta-o! 46É melhor entrar na Vida sem um dos pés, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno. 47Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, 48"onde o verme deles não morre, e o fogo não se apaga’”. 49Pois todos hão de ser salgados pelo fogo. 50Coisa boa é o sal. Mas se o sal se tornar insosso, com que lhe restituireis o tempero? Tende, pois, sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros.

  Meditação.  


Se tua mão te leva a pecar, corta-a! (Mc 9, 44)

Você, com certeza, conhece alguém que diante de uma mesa farta, priva-se de pratos deliciosos: uma lasanha quentinha, uma suculenta picanha saída do forno, um saboroso bolo de chocolate. ‘Mas, por quê? você não está de dieta!... um pedacinho só não faz mal!’ Essa pessoa que você conhece, que está se impondo esse sacrifício, está salivando, coitada, e precisa de muita força de vontade para não ceder a essa palatável tentação. Ela pode estar lutando contra um sobrepeso ou mesmo a obesidade. Pode estar em tratamento do fígado, sobrecarregado de gorduras de muitos anos de alimentação inadequada. Ou mesmo precisando conter as taxas de açúcar no sangue, que estão beirando a diabetes. Essa pessoa está renunciando pratos deliciosos para preservar a sua saúde.

Jesus poderia ter aumentado a sua lista no evangelho e dito: “Se a tua língua te leva a pecar, corta-a!”. O exemplo dessa pessoa explicaria o seu ensinamento. Não se trataria de cortar a língua, claro, mas de renunciar àquela alimentação que seria prejudicial à sua saúde. Para o seu bem, ela se priva de uma saborosa refeição, de pratos apetitosos. Escolhe alimentos mais leves naquela mesa, até menos saborosos. Esse alguém está, por assim dizer, cortando a sua língua, mortificando o seu paladar. Nesse sentido, Jesus disse: “Se tua mão te leva a pecar, corta-a! Se teu pé te leva a pecar, corta-o! Se teu olho te leva a pecar, arranca-o”.

O que a mão representa? A mão representa a ação, os nossos atos. A mão escreve, aponta, aplaude, esconde, atira, apanha, acaricia, fecha ou abre a porta... A mão representa as ações que nós fazemos, o trabalho que realizamos, a capacidade de construir que nós temos. Minhas ações podem ser construtivas, positivas, mas também podem ser negativas, destruidoras. Se uma ação me afasta do caminho de Deus, não condiz com minha dignidade, ofende o outro, é melhor eu renunciar a ela. Deixar de fazê-la. Assim, eu estarei cortando minha mão, renunciando uma ação que eu posso fazer, mas que pode me prejudicar.

O que o pé representa? O pé representa o caminho, as nossas escolhas. O pé me permite andar, correr, deslocar-me para outros lugares, abandonar, viajar, visitar, peregrinar, imigrar... coisas boas e coisas ruins. Andar por lugares indecentes não bate com minha condição de filho de Deus. Evadir-me de uma responsabilidade, dar no pé, não convém a um seguidor de Cristo. Há coisas do pé que é preciso renunciar. É como se eu cortasse esse membro. Renuncio a atitudes, comportamentos que serão prejudiciais à minha vida de fé. É melhor entrar na vida com um pé só – pois renunciei a algum mau caminho – do que com os dois ficar do lado de fora.

O que o olho representa? O olho representa a visão, os nossos projetos. O olho tem a ver com minha capacidade de observar, enxergar, admirar, pesquisar, comparar, investigar, antever, mas também cobiçar, humilhar, erotizar, intimidar... Nem tudo eu devo ver. Há imagens, vídeos, filmes que preciso renunciar, para não me expor à tentação. Há modos de ver o mundo que não condizem com a escolha que fiz do evangelho. Renunciar a isso é como arrancar-me um olho. Pois é melhor me salvar com um olho só, do com que com os dois não ser admitido na casa dos justos.



Guardando a mensagem

Em nossa fraqueza, muitas vezes cedemos à tentação da lasanha, da picanha, do bolo de chocolate. Nem medimos as consequências de nossos atos (a mão), de nossas escolhas (o pé), de nossos projetos (os olhos). A palavra do apóstolo nos anima a permanecer alertas, em guarda: "Tudo me é permitido, mas nem tudo convém” (1 Cor 6, 12). O ensinamento sobre cortar a mão (renunciar a ações negativas), cortar o pé (deixar um caminho errado, fazer escolhas difíceis), arrancar o olho (corrigir minha visão, meus projetos) é quase uma explicação do que Jesus disse: “Quem quiser ser meu discípulo, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e me siga”. O caminho do Senhor comporta escolhas e renúncias.

Se tua mão te leva a pecar, corta-a! (Mc 9, 44)




Novena de Nossa Senhora Auxiliadora

Hoje é o nono e último dia da Novena, com o tema "Com Maria, cantemos o louvor de Deus!"

Senhora, sob o sopro do Espírito, tu disseste que as gerações te chamariam bem-aventurada. Nós retomamos o canto das gerações passadas para que não se interrompa esse reconhecimento amoroso: o Senhor fez grandes coisas em teu favor. E exaltamos em ti o que de mais luminoso a humanidade ofereceu a Deus, a criatura humana na sua perfeição, de novo criada em justiça e santidade.

Saudemos a Virgem Auxiliadora neste novo dia da novena:

Ó Maria, Virgem poderosa, Tu, grande e ilustre defensora da Igreja, Tu, Auxílio maravilhoso dos cristãos, Tu, terrível como exército ordenado em batalha, Tu, que só destruíste toda heresia em todo o mundo: nas nossas angústias, nas nossas lutas, nas nossas aflições, defende-nos do inimigo; e na hora da morte, acolhe a nossa alma no paraíso. Assim seja.

Escreva sua cartinha a N. Senhora e nos mande pelo WhatsApp 81 3224-9284.  Nós a levaremos ao Santuário Basílica de N. Senhora Auxiliadora de Jaboatão, na peregrinação de amanhã.

24 de maio – na casa da mãe!

Comunicando

Hoje, às 11 horas, como todas as quintas-feiras, temos a Santa Missa, rezando pelos ouvintes e associados. Mande a sua intenção pelo formulário ou pelo whatsapp 81 3224-9284.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Aprenda com Jesus a ser mais tolerante.


22 de maio de 2024

   Dia de Santa Rita de Cássia.   


   Evangelho   


Mc 9,38-40

Naquele tempo, 38João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue”. 39Jesus disse: “Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim. 40Quem não é contra nós é a nosso favor”.

   Meditação.   


Quem não é contra nós é a nossa favor (Mc 9, 40)

Jesus libertava as pessoas da dominação, expulsava demônios. Expulsar demônios era uma forma de tornar visível a presença do Reino de Deus como libertação de todas as forças de opressão. Os discípulos também deviam fazer isso, em nome de Jesus. E com certeza, o faziam. Recentemente, por exemplo, vimos que eles não conseguiram expulsar o espírito mudo de um menino.

No texto de hoje, os discípulos encontraram alguém expulsando demônios em nome de Jesus. ‘O quê? Em nome de Jesus? Não pode! Nós que andamos com Jesus, nós é que estamos autorizados a invocar a força do seu nome para expulsar demônios. Ninguém mais’. Foram lá e interferiram. Proibiram o sujeito de expulsar demônios no nome de Jesus.

Pensando no sentido desse texto, a gente identifica logo com assunto de religião, e com razão. Mas, podemos pensar com maior abrangência. Pensemos, por exemplo, na educação, no comércio, na prestação de serviços. Sempre encontramos alguém que está fazendo mais ou menos o que estamos nos propondo a fazer, está atuando na nossa mesma área. E o tomamos logo por inimigo, não é verdade? A sociedade do mercado em que vivemos nos diz logo que se trata de um concorrente que vai nos arruinar. E ‘concorrente’ é um inimigo do qual temos que tomar distância e vigiar atentamente seus movimentos.

A resposta de Jesus foi admirável. Ele censurou os discípulos por terem proibido a pessoa de expulsar demônios em seu nome. E disse a razão: “se essa pessoa faz milagres em meu nome, não vai depois falar mal de mim”. E concluiu: “Quem não é contra nós é a nosso favor”.

Jesus nos encarregou de fazer um bocado de coisa, não foi? Mandou a gente anunciar o evangelho a toda criatura. Mandou batizar e ensinar. Mandou perdoar os pecados dos irmãos também. De repente, a gente se dá conta que há outros fazendo isso e não são da nossa Igreja, não estão sob o comando de nossas lideranças. A nossa reação pode ser igualzinha a de João e seus colegas: desautorizar, impedir, bloquear sua atuação, no quanto possível.

O ensinamento do Mestre é claro. Jesus não é propriedade nossa. Outros podem ter acesso a ele. O evangelho não é exclusividade de meu grupo religioso, de minha igreja. Se quem está agindo em seu nome, fora de nossos quadros, estiver agindo com desonestidade ou má intenção, Deus lá o julgue. Se forem verdadeiros os seus propósitos, se estiver procurando a comunhão com Cristo, poderá também ser dócil e obediente aos seus desígnios. E mais cedo ou mais tarde pode até se entender conosco. Jesus mesmo disse que tinha outras ovelhas que não eram daquele aprisco. E já avisou que haverá um só rebanho e um só pastor.




Guardando a mensagem

Sabe de uma coisa? Vá treinando para ser tolerante como Jesus. Não tome por adversário, por inimigo, quem está empreendendo no comércio ao seu lado, ou na sua área de atuação na saúde ou na educação, ou mesmo na evangelização. Comece dentro de casa a ser paciente e tolerante com quem não reza na sua mesma cartilha. Veja lá se você não tem o que aprender com ele ou com ela. Aproveite para viver com mais autenticidade e fidelidade as suas opções. E prepare o seu coração, pois quem sabe você possa, em breve, contar com um novo parceiro no caminho do Reino. Aprenda a viver sua fé com tolerância, com respeito às opções dos outros, com abertura para o ecumenismo e o diálogo religioso.

Quem não é contra nós é a nossa favor (Mc 9, 40)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
a tolerância sempre foi uma virtude necessária para uma convivência pacífica e respeitosa. Hoje, com a globalização e o pluralismo, tornou-se ainda mais importante. Tolerância é o contrário do exclusivismo, do bairrismo, do fanatismo. Admiramos a tua tolerância, Senhor. Ensinaste que “quem é não é contra nós, é a nosso favor”. Ensina-nos a viver com seriedade nossa vida cristã e a não nos sentirmos ameaçados por outras opções religiosas. Que tenhamos um coração respeitoso e tolerante, como o teu, que nos permita uma aproximação maior de outros grupos religiosos, com quem possamos até participar juntos na construção de um mundo melhor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Novena de Nossa Senhora Auxiliadora

Hoje é o oitavo dia da Novena de Nossa Senhora Auxiliadora, com o tema "Com Maria, sejamos promotores da vida".

A Santa Mãe de Deus nos ensina que o primeiro passo para dar vida àquilo que nos rodeia é amá-lo dentro de nós, escreveu o Papa Francisco. Diz o Evangelho que ela: “conservava todas estas coisas, meditando-as no seu coração” (cf. Lc 2, 19). Como é importante educar o coração para o cuidado, para cuidar das pessoas e das coisas! Com Maria, sejamos promotores da vida. 

Saudemos a Virgem Auxiliadora neste oitavo dia da novena:

Maria, Virgem poderosa, Tu, grande e ilustre defensora da Igreja, Tu, Auxílio maravilhoso dos cristãos, Tu, terrível como exército ordenado em batalha, Tu, que só destruíste toda heresia em todo o mundo: nas nossas angústias, nas nossas lutas, nas nossas aflições, defende-nos do inimigo; e na hora da morte, acolhe a nossa alma no paraíso. Assim seja.

Escreva sua cartinha a N. Senhora e mande-a pelo WhatsApp 81 3224-9284.  Nós a levaremos ao Santuário Basílica de N. Senhora Auxiliadora de Jaboatão, na peregrinação do próximo dia 24. 

24 de maio – na casa da mãe!

Comunicando

Nesta sexta-feira, 24 de maio, muita gente vai participar presencialmente da Peregrinação ao Santuário Basílica de N. Sra. Auxiliadora, em Jaboatão, área metropolitana do Recife. A programação é a seguinte: 07:00h - Saída dos ônibus; 09:00 - Terço Mariano na Gruta; 10:00h - Santa Missa na Basílica, com a entrega das cartinhas. 14:00h - Trilha da Espiritualidade Cristã, começando com a queima das cartinhas em frente à réplica da Casa de Dom Bosco. 15:00h - Adoração Eucarística e Consagração a Nossa Senhora. Para acertar passagem e almoço, ligar para 81 3224-9284. Quem não pode ir pessoalmente vai acompanhar pelo rádio e pelo Canal do Youtube a Santa Missa, às 10 horas e a Adoração Eucarística e Consagração, às 15 horas. 24 de maio, na casa da mãe!

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O pai que sacrificou o filho.

 


   25 de fevereiro de 2024.   

2º Domingo da Quaresma

   Evangelho.   


Mc 9,2-10

Naquele tempo, 2Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. 3Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. 4Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus. 5Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 6Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. 7Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!” 8E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. 9Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos. 10Eles observaram essa ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”.

   Meditação.   


Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Se você for pai ou mãe, vai ter uma sensibilidade especial para entender o evangelho de hoje. Você ama seus filhos. Sacrifica-se por eles. Você os gerou, os alimentou, educa-os cada dia. Você sofre quando algum filho seu está desempregado ou está sendo maltratado por alguém. Você fica muito triste quando seu filho adoece ou está em perigo de vida. Pelos seus filhos, você faz tudo, não é verdade? Deles, você só espera respeito, obediência, amor. 

Deus, o Pai, tem um filho. Um filho gerado antes de todos os tempos. Um filho amado. Tudo que Deus fez, desde a criação do mundo, foi inspirado no seu filho. Homens e mulheres saímos à sua imagem e semelhança. E como nos afastamos dele pelo pecado, Deus enviou o seu filho amado para estar conosco e nos reconduzir à sua amizade. Pela nossa resistência e rejeição, Deus chegou ao ponto de entregar seu filho à morte para nos trazer a vida. Tiramos logo uma conclusão: Deus nos ama demais. E, por nós, não poupou o seu filho amado. Que mistério tão grande!

Na liturgia deste segundo domingo da quaresma, temos duas cenas muito especiais. A primeira é do livro do Gênesis (Gn 22). Abraão vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A sua obediência é fonte de bênçãos para todas as nações. A segunda é do evangelho de Marcos (Mc 9). Deus vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A obediência do filho é fonte de vida e ressurreição para a humanidade. 

No livro do Gênesis, Deus pede a Abraão para sacrificar-lhe o seu filho único, o filho que ele tanto amava, Isaac. Abraão já idoso tinha passado a vida aguardando a promessa de Deus de lhe dar esse filho. Mesmo assim, ele sobe um monte na terra de Moriá, acompanhado do filho e de dois servos para oferecer o sacrifício. A partir de certo ponto, é o seu filho Isaac que carrega a lenha para o sacrifício. E ele até pergunta onde está o carneiro para o holocausto. No monte, Abraão ergue um altar, dispõe a lenha para o fogo, amarra o filho e vai sacrificá-lo com um cutelo. Deus interrompe o sacrifício. Abraão não recusou seu filho único, filho a quem tanto amava. Em seu lugar, foi oferecido um carneiro. O verdadeiro sacrifício foi sua obediência a Deus. Por isso, em sua descendência, todas as nações da terra seriam abençoadas. 

No evangelho, hoje em Marcos, Jesus sobe à montanha, levando consigo três dos seus discípulos. Um dia subirá o monte Calvário. Ele mesmo carregará o madeiro, a cruz. Será desnudo e amarrado para o sacrifício, como Isac. O verdadeiro sacrifício é, antes de tudo, a sua obediência ao Pai. “Cumpra-se antes a tua vontade do que a minha”, rezara no Jardim das Oliveiras, na noite de sua prisão. 

Um pouco antes desse texto, Jesus tinha feito o primeiro anúncio da paixão. Sofreria muito, seria rejeitado e morto, e ressuscitaria ao terceiro dia. No monte da transfiguração, os discípulos têm uma visão da glória de Jesus, quase uma antecipação de sua ressurreição. Eles o veem transfigurado, com vestes muito alvas, conversando com Moisés e Elias. Moisés e Elias são personagens que evocam as Escrituras Sagradas (a Lei e os Profetas). Como na história de Abraão, ali também ouve-se a voz de Deus. O Pai apresenta o filho: “Este é o meu filho amado, escutem o que ele diz”. 

A carta aos Romanos (Rm 8) resume tudo: “Deus não poupou seu próprio filho, mas o entregou por todos nós”. Então, no monte, lembrando-nos da história de Abraão que não recusou seu único e amado filho, contemplamos o Pai que não poupou seu filho, mas o entregou por todos nós. E esta entrega, a do Pai e do Filho, é que nos trazem a vida nova, a reconciliação, a salvação. A ressurreição será o desfecho dessa história de amor e entrega. Em seu nome, será anunciada a salvação a todos os povos (Cf. Lc 24,47)





Guardando a mensagem

Neste domingo, ao lado da transfiguração do Senhor, podemos acolher uma importante revelação sobre o Pai. Por amor, ele não poupou o seu próprio filho, mas o entregou por todos nós. No monte, nós discípulos nos damos conta do alcance redentor do sacrifício do filho, cordeiro de Deus, que nos traz vida e salvação. Contemplando-o transfigurado, nos preparamos para reconhecê-lo na humilhação de sua paixão e cruz. No servo sofredor, desfigurado pela maldade e pela violência dos homens, reconhecemos o Cristo transfigurado em sua ressurreição, habitado plenamente pela glória de Deus. De maneira especial, hoje, acolhemos a recomendação que o Pai está nos fazendo: reconhecer Jesus, como seu filho amado e escutar o seu evangelho. 

Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
em tua transfiguração no monte, contemplamos, de maneira especial, o imenso amor de Deus, teu pai e nosso pai, teu Deus e nosso Deus. Ele não poupou a ti, seu filho amado, mas te entregou em sacrifício por todos nós. No sacrifício de tua cruz, em tua santa obediência, redimiste o mundo do pecado e venceste tudo o que se opõe ao projeto do reino de Deus. Por isso, como escreveu Paulo, na carta aos Filipenses, “ele te exaltou e te deu um nome que está acima de todo nome”. Ele te ressuscitou e te colocou à sua direita. É o Pai que, hoje, está nos convidando a acolher-te, a amar-te, a escutar o teu evangelho. Hoje, te contemplamos na transfiguração, como que antecipando a visão de tua ressurreição. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em nossa caminhada quaresmal, hoje é o 11º. dia. E o passo de hoje pode muito bem ser este: Amar o nosso Deus e Pai. Ele entregou seu filho amado em sacrifício para que vivêssemos reconciliados com ele e entre nós. E, com diz Paulo na carta aos romanos, “se Deus é por nós, quem será contra nós?”

Comunicando

Peço-lhe uma Ave-Maria, pedindo a proteção da Virgem sobre o evento que vamos realizar hoje à tarde: o Show de lançamento do meu novo álbum musical. Seja tudo para a glória de Deus e o bem espiritual do seu povo. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Tudo é possível para quem tem fé.




20 de fevereiro de 2023

Segunda-feira da 7ª Semana do Tempo Comum


EVANGELHO

Mc 9,14-29

Naquele tempo, 14descendo Jesus do monte com Pedro, Tiago e João e chegando perto dos outros discípulos, viram que estavam rodeados por uma grande multidão. Alguns mestres da Lei estavam discutindo com eles.
15Logo que a multidão viu Jesus, ficou surpresa e correu para saudá-lo. 16Jesus perguntou aos discípulos: “Que discutis com eles?” 17Alguém na multidão respondeu: “Mestre, eu trouxe a ti meu filho que tem um espírito mudo. 18Cada vez que o espírito o ataca, joga-o no chão e ele começa a espumar, range os dentes e fica completamente rijo. Eu pedi aos teus discípulos para expulsarem o espírito, mas eles não conseguiram”.
19Jesus disse: Ó geração incrédula! Até quando estarei convosco? Até quando terei de suportar-vos? Trazei aqui o menino”. 20E levaram-lhe o menino. Quando o espírito viu Jesus, sacudiu violentamente o menino, que caiu no chão e começou a rolar e a espumar pela boca.
21Jesus perguntou ao pai: “Desde quando ele está assim?” O pai respondeu: “Desde criança. 22E muitas vezes, o espírito já o lançou no fogo e na água para matá-lo. Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”.
23Jesus disse: “Se podes!... Tudo é possível para quem tem fé”. 24O pai do menino disse em alta voz: “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé”. 25Jesus viu que a multidão acorria para junto dele. Então ordenou ao espírito impuro: “Espírito mudo e surdo, eu te ordeno que saias do menino e nunca mais entres nele”.
26O espírito sacudiu o menino com violência, deu um grito e saiu. O menino ficou como morto, e por isso todos diziam: “Ele morreu!” 27Mas Jesus pegou a mão do menino, levantou-o e o menino ficou de pé.
28Depois que Jesus entrou em casa, os discípulos lhe perguntaram a sós: “Por que nós não conseguimos expulsar o espírito?” 29Jesus respondeu: “Essa espécie de demônios não pode ser expulsa de nenhum modo, a não ser pela oração”.


MEDITAÇÃO

Tudo é possível para quem tem fé (Mc 9, 23 )

Quando Jesus desceu o monte com três discípulos, naquele dia da transfiguração, encontrou os outros discípulos no meio de uma grande confusão. Muita gente ao redor deles e uma discussão sem fim com os fariseus. Jesus perguntou: ‘Que confusão é essa?’ E alguém do meio do povo explicou: ‘Mestre, eu trouxe meu filho que tem um espírito mudo. Quando dá uma crise, ele cai no chão, começa a espumar, range os dentes’. Aí Jesus entendeu o que estava acontecendo: O pai trouxe o filho para os discípulos expulsarem o espírito e eles não o conseguiram. Jesus mandou trazer o menino e ali mesmo o garoto começou a ter uma crise. O pai informou a Jesus que ele tinha aquilo desde pequeno. Claro, eles sempre pensavam que fosse um espírito. Não se tinha conhecimento da epilepsia. Aí o pai contou que ele já passara de morrer afogado ou queimado várias vezes, coitado. No meio daquela crise, o menino se debatendo, o pai desesperado disse a Jesus: “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”. “Se podes?!... comentou Jesus. Tudo é possível para quem tem fé”. Acho que Jesus ficou meio chateado. “Se podes fazer alguma coisa?!”. O pai pediu desculpas: “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé!”.

Pode reparar que, em todo milagre de Jesus, ele elogia a fé da pessoa. “A tua fé te salvou”, disse àquela mulher que tocou nas suas vestes. Em Nazaré, sua terra, foi dito que ele não fez ali muita coisa, porque eles não tinham fé. Fé é a abertura do coração para a ação de Deus em nossa vida. É a confiança que depositamos no Senhor. E aquele pai, coitado, tinha fé, mas reconhecia que era pouca. Jesus deu ordem ao espírito mudo e o menino foi libertado. Mais tarde, os discípulos quiseram saber porque eles não conseguiram expulsar o espírito. “Esse tipo só se expulsa pela oração”, disse Jesus.

Esse “Se podes” ficou na sua cabeça, não foi? Chato, aquilo. “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e nos ajuda”. Talvez esse seja o sentimento de muitas pessoas hoje, o que acha? Há quem faça um pedido a Deus sem confiança suficiente nele, sem fé. Pede, mas não tem convicção que o Senhor tem poder para isso, ou que ele vá se interessar por sua causa. Pede, mas, realmente, não espera que Deus o atenda. Tem gente assim, claro que tem. Há quem apele pra um e pra outro, e bata também na porta de Deus, como mais uma tentativa. Esse tipo também demonstra pouca fé, pouca confiança. Desse jeito, sem fé, dificilmente será atendido.

A resposta de Jesus foi forte: “Se podes?! Tudo é possível para quem tem fé”. A Virgem Maria já tinha ouvido uma palavra semelhante. Foi o anjo Gabriel quem lhe disse: “Para Deus, nada é impossível” citando o exemplo de sua prima Izabel, idosa e estéril. Para Deus, nada é impossível!

A fé, com certeza, não é só confiança em Deus. No evangelho de São João, Jesus fala da união com ele como condição para ser atendido pelo Pai. “Se permaneceres em mim, tudo o que pedires ao Pai, ele te concederá”. Então, a fé tem a ver com a nossa união com Jesus, que está tão bem representada no ramo unido à videira. Permanecer em Jesus é estar em comunhão com ele, comunhão de amor, que nos faz realizar a sua palavra de maneira quase natural. Estou pensando no ramo que, mesmo sendo um ramo enxertado, une-se de tal forma à videira, identificando-se com ela, que realiza naturalmente a vocação da videira: dar fruto, produzir uva. Estando assim unidos a Cristo, o que pedirmos ao Pai, em nome de Jesus, ele nos concede.

Se estamos unidos a Cristo, não duvidaremos do que Deus pode fazer, em nome de Jesus, seu filho. Neste sentido, a história da mulher que tocou na roupa de Jesus reforça essa compreensão. Ela não precisou nem falar com Jesus. Estava unida a Jesus pela fé. Jesus elogiou a sua fé.

 

Guardando a mensagem

O pai aflito que estava pedindo a cura do seu filho disse a Jesus: “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade e nos socorre”. Sem fé, não se alcança o favor de Deus. A fé nos liga a Jesus no amor, na confiança e na realização da vontade de Deus. Deus vem em nosso socorro porque nos ama como filhos, nós que estamos unidos a Cristo. Não cabe dúvida, desconfiança ou mesmo uma relação comercial com o Senhor. A fé abre as portas de nossa vida para acolher a obra do nosso Deus.

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
são tantas as nossas necessidades, os dramas que nos envolvem, que precisamos continuamente da tua proteção, da tua graça, do teu favor. Dá-nos, Senhor, que não nos portemos como requerentes estranhos e desconfiados, mas discípulos unidos a ti pela fé, pelo amor, pela docilidade à vontade do Pai. Assim, no que pedirmos ao Pai, em teu nome, seremos atendidos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

No seu caderno espiritual, escreva sua oração a Jesus, pedindo-lhe para aumentar a sua fé.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

UM EVANGELHO EXIGENTE



24 de fevereiro de 2022

EVANGELHO


Mc 9,41-43.45-56.47-50

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 41Quem vos der a beber um copo de água, porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa. 42E se alguém escandalizar um desses pequeninos que creem, melhor seria que fosse jogado no mar com uma pedra de moinho amarrada ao pescoço.
43Se tua mão te leva a pecar, corta-a! 44É melhor entrar na Vida sem uma das mãos, do que, tendo as duas, ir para o inferno, para o fogo que nunca se apaga. 45Se teu pé te leva a pecar, corta-o! 46É melhor entrar na Vida sem um dos pés, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno. 47Se teu olho te leva a pecar, arranca-o! É melhor entrar no Reino de Deus com um olho só, do que, tendo os dois, ser jogado no inferno, 48"onde o verme deles não morre, e o fogo não se apaga’”. 49Pois todos hão de ser salgados pelo fogo. 50Coisa boa é o sal. Mas se o sal se tornar insosso, com que lhe restituireis o tempero? Tende, pois, sal em vós mesmos e vivei em paz uns com os outros.

MEDITAÇÃO


Se tua mão te leva a pecar, corta-a! (Mc 9, 44)

Você, com certeza, conhece alguém que diante de uma mesa farta, priva-se de pratos deliciosos: uma lasanha quentinha, uma suculenta picanha saída do forno, um saboroso bolo de chocolate. ‘Mas, por quê? você não está de dieta!... um pedacinho só não faz mal!’ Essa pessoa que você conhece, que está se impondo esse sacrifício, está salivando, coitada, e precisa de muita força de vontade para não ceder a essa palatável tentação. Ela pode estar lutando contra um sobrepeso ou mesmo a obesidade. Pode estar em tratamento do fígado, sobrecarregado de gorduras de muitos anos de alimentação inadequada. Ou mesmo precisando conter as taxas de açúcar no sangue, que estão beirando a diabetes. Essa pessoa está renunciando pratos deliciosos para preservar a sua saúde.

Jesus poderia ter aumentado a sua lista no evangelho e dito: “Se a tua língua te leva a pecar, corta-a!”. O exemplo dessa pessoa explicaria o seu ensinamento. Não se trataria de cortar a língua, claro, mas de renunciar àquela alimentação que seria prejudicial à sua saúde. Para o seu bem, ela se priva de uma saborosa refeição, de pratos apetitosos. Escolhe alimentos mais leves naquela mesa, até menos saborosos. Esse alguém está, por assim dizer, cortando a sua língua, mortificando o seu paladar. Nesse sentido, Jesus disse: “Se tua mão te leva a pecar, corta-a! Se teu pé te leva a pecar, corta-o! Se teu olho te leva a pecar, arranca-o”.

O que a mão representa? A mão representa a ação, os nossos atos. A mão escreve, aponta, aplaude, esconde, atira, apanha, acaricia, fecha ou abre a porta... A mão representa as ações que nós fazemos, o trabalho que realizamos, a capacidade de construir que nós temos. Minhas ações podem ser construtivas, positivas, mas também podem ser negativas, destruidoras. Se uma ação me afasta do caminho de Deus, não condiz com minha dignidade, ofende o outro, é melhor eu renunciar a ela. Deixar de fazê-la. Assim, eu estarei cortando minha mão, renunciando uma ação que eu posso fazer, mas que pode me prejudicar.

O que o pé representa? O pé representa o caminho, as nossas escolhas. O pé me permite andar, correr, deslocar-me para outros lugares, abandonar, viajar, visitar, peregrinar, imigrar... coisas boas e coisas ruins. Andar por lugares indecentes não bate com minha condição de filho de Deus. Evadir-me de uma responsabilidade, dar no pé, não convém a um seguidor de Cristo. Há coisas do pé que é preciso renunciar. É como se eu cortasse esse membro. Renuncio a atitudes, comportamentos que serão prejudiciais à minha vida de fé. É melhor entrar na vida com um pé só – pois renunciei a algum mau caminho – do que com os dois ficar do lado de fora.

O que o olho representa? O olho representa a visão, os nossos projetos. O olho tem a ver com minha capacidade de observar, enxergar, admirar, pesquisar, comparar, investigar, antever, mas também cobiçar, humilhar, erotizar, intimidar... Nem tudo eu devo ver. Há imagens, vídeos, filmes que preciso renunciar, para não me expor à tentação. Há modos de ver o mundo que não condizem com a escolha que fiz do evangelho. Renunciar a isso é como arrancar-me um olho. Pois é melhor me salvar com um olho só, do com que com os dois, não ser admitido na casa dos justos.


Guardando a mensagem

Em nossa fraqueza, muitas vezes cedemos à tentação da lasanha, da picanha, do bolo de chocolate. Nem medimos as consequências de nossos atos (a mão), de nossas escolhas (o pé), de nossos projetos (os olhos). A palavra do apóstolo nos anima a permanecer alertas, em guarda: "Tudo me é permitido, mas nem tudo convém” (1 Cor 6, 12). O ensinamento sobre cortar a mão (renunciar a ações negativas), cortar o pé (deixar um caminho errado, fazer escolhas difíceis), arrancar o olho (corrigir minha visão, meus projetos) é quase uma explicação do que Jesus disse: “Quem quiser ser meu discípulo, renuncie a si mesmo, tome sua cruz cada dia e me siga”. O caminho do Senhor comporta escolhas e renúncias.

Se tua mão te leva a pecar, corta-a! (Mc 9, 44)


Rezando a palavra

E neste 24 de fevereiro, Comemoração mensal de Nossa Senhora Auxiliadora, modelo de vivência do evangelho, vamos invocar a sua bênção, como fazia Dom Bosco.

A nossa proteção está no nome do Senhor.
Que fez o céu e a terra.

Ave Maria…

À vossa proteção recorremos, santa Mãe de Deus.
Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades,
mas livrai-nos sempre de todos os perigos, ó Virgem gloriosa 
e bendita.

Maria, Auxiliadora dos Cristãos.
Rogai por nós.

Ouvi, Senhor, a minha oração.
E chegue a vós o meu clamor.

O Senhor esteja convosco.
Ele está no meio de nós.

Oremos.
(faça o seu pedido especial)

Senhor eterno e onipotente, que, pela intervenção do Espírito Santo, vos dignastes preparar o corpo e a alma da gloriosa Virgem e Mãe Maria para digna morada do vosso Filho, fazei que sejamos livres da morte eterna e dos males que nos rodeiam, pela intercessão daquela cuja comemoração nos alegra. Por Cristo, nosso Senhor. Amém.

E a bênção de Deus todo-poderoso, Pai e Filho e Espírito Santo, desça sobre você e permaneça para sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Para cultivar a comunhão com Deus, ao lado da Virgem Maria, no dia de hoje, faça um esforço para rezar o Terço de Nossa Senhora. Hoje é dia dos Mistérios Luminosos. Podendo, participe conosco do Terço Mariano de hoje, às 18 horas, transmitido pela Rádio Amanhecer. É só baixar o aplicativo da rádio no seu celular.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb


SER TOLERANTE COMO JESUS


23 de fevereiro de 2022

EVANGELHO


Mc 9,38-40

Naquele tempo, 38João disse a Jesus: “Mestre, vimos um homem expulsar demônios em teu nome. Mas nós o proibimos, porque ele não nos segue”. 39Jesus disse: “Não o proibais, pois ninguém faz milagres em meu nome para depois falar mal de mim. 40Quem não é contra nós é a nosso favor”.

MEDITAÇÃO


Quem não é contra nós é a nossa favor (Mc 9, 40)

Jesus libertava as pessoas da dominação, expulsava demônios. Expulsar demônios era uma forma de tornar visível a presença do Reino de Deus como libertação de todas as forças de opressão. Os discípulos também deviam fazer isso, em nome de Jesus. E com certeza, o faziam. Recentemente, por exemplo, vimos que eles não conseguiram expulsar o espírito mudo de um menino.

No texto de hoje, os discípulos encontraram alguém expulsando demônios em nome de Jesus. ‘O quê? Em nome de Jesus? Não pode! Nós que andamos com Jesus, nós é que estamos autorizados a invocar a força do seu nome para expulsar demônios. Ninguém mais’. Foram lá e interferiram. Proibiram o sujeito de expulsar demônios no nome de Jesus.

Pensando no sentido desse texto, a gente identifica logo com assunto de religião, e com razão. Mas, podemos pensar com maior abrangência. Pensemos, por exemplo, na educação, no comércio, na prestação de serviços. Sempre encontramos alguém que está fazendo mais ou menos o que estamos nos propondo a fazer, está atuando na nossa mesma área. E o tomamos logo por inimigo, não é verdade? A sociedade do mercado em que vivemos nos diz logo que se trata de um concorrente que vai nos arruinar. E ‘concorrente’ é um inimigo do qual temos que tomar distância e vigiar atentamente seus movimentos.

A resposta de Jesus foi admirável. Ele censurou os discípulos por terem proibido a pessoa de expulsar demônios em seu nome. E disse a razão: “se essa pessoa faz milagres em meu nome, não vai depois falar mal de mim”. E concluiu: “Quem não é contra nós é a nosso favor”.

Jesus nos encarregou de fazer um bocado de coisa, não foi? Mandou a gente anunciar o evangelho a toda criatura. Mandou batizar e ensinar. Mandou perdoar os pecados dos irmãos também. De repente, a gente se dá conta que há outros fazendo isso e não são da nossa Igreja, não estão sob o comando de nossas lideranças. A nossa reação pode ser igualzinha a de João e seus colegas: desautorizar, impedir, bloquear sua atuação, no quanto possível.

O ensinamento do Mestre é claro. Jesus não é propriedade nossa. Outros podem ter acesso a ele. O evangelho não é exclusividade de meu grupo religioso, de minha igreja. Se quem está agindo em seu nome, fora de nossos quadros, estiver agindo com desonestidade ou má intenção, Deus lá o julgue. Se forem verdadeiros os seus propósitos, se estiver procurando a comunhão com Cristo, poderá também ser dócil e obediente aos seus desígnios. E mais cedo ou mais tarde pode até se entender conosco. Jesus mesmo disse que tinha outras ovelhas que não eram daquele aprisco. E já avisou que haverá um só rebanho e um só pastor.


Guardando a mensagem

Sabe de uma coisa? Vá treinando para ser tolerante como Jesus. Não tome por adversário, por inimigo, quem está empreendendo no comércio ao seu lado, ou na sua área de atuação na saúde ou na educação, ou mesmo na evangelização. Comece dentro de casa a ser paciente e tolerante com quem não reza na sua mesma cartilha. Veja lá se você não tem o que aprender com ele ou com ela. Aproveite para viver com mais autenticidade e fidelidade as suas opções. E prepare o seu coração, pois quem sabe você possa, em breve, contar com um novo parceiro no caminho do Reino. Aprenda a viver sua fé com tolerância, com respeito às opções dos outros, com abertura para o ecumenismo e o diálogo religioso.

Quem não é contra nós é a nossa favor (Mc 9, 40)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
A tolerância sempre foi uma virtude necessária para uma convivência pacífica e respeitosa. Hoje, com a globalização e pluralismo, tornou-se ainda mais importante. Tolerância é o contrário do exclusivismo, do bairrismo, do fanatismo. Admiramos a tua tolerância, Senhor. Ensinaste que “quem é não é contra nós, é a nosso favor”. Ensina-nos a viver com seriedade nossa vida cristã e a não nos sentirmos ameaçados por outras opções religiosas. Que tenhamos um coração respeitoso e tolerante, como o teu, que nos permita uma aproximação maior de outros grupos religiosos, com quem possamos até participar juntos na construção de um mundo melhor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Na sua família ou no seu trabalho, pode haver alguém que você já identificou como concorrente. Essa palavra de Jesus lhe diz alguma coisa sobre isso?

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

A HISTÓRIA DE UM PAI AFLITO



21 de fevereiro de 2022

EVANGELHO


Mc 9,14-29

Naquele tempo, 14descendo Jesus do monte com Pedro, Tiago e João e chegando perto dos outros discípulos, viram que estavam rodeados por uma grande multidão. Alguns mestres da Lei estavam discutindo com eles.
15Logo que a multidão viu Jesus, ficou surpresa e correu para saudá-lo. 16Jesus perguntou aos discípulos: “Que discutis com eles?” 17Alguém na multidão respondeu: “Mestre, eu trouxe a ti meu filho que tem um espírito mudo. 18Cada vez que o espírito o ataca, joga-o no chão e ele começa a espumar, range os dentes e fica completamente rijo. Eu pedi aos teus discípulos para expulsarem o espírito, mas eles não conseguiram”.
19Jesus disse: Ó geração incrédula! Até quando estarei convosco? Até quando terei de suportar-vos? Trazei aqui o menino”. 20E levaram-lhe o menino. Quando o espírito viu Jesus, sacudiu violentamente o menino, que caiu no chão e começou a rolar e a espumar pela boca.
21Jesus perguntou ao pai: “Desde quando ele está assim?” O pai respondeu: “Desde criança. 22E muitas vezes, o espírito já o lançou no fogo e na água para matá-lo. Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”.
23Jesus disse: “Se podes!... Tudo é possível para quem tem fé”. 24O pai do menino disse em alta voz: “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé”. 25Jesus viu que a multidão acorria para junto dele. Então ordenou ao espírito impuro: “Espírito mudo e surdo, eu te ordeno que saias do menino e nunca mais entres nele”.
26O espírito sacudiu o menino com violência, deu um grito e saiu. O menino ficou como morto, e por isso todos diziam: “Ele morreu!” 27Mas Jesus pegou a mão do menino, levantou-o e o menino ficou de pé.
28Depois que Jesus entrou em casa, os discípulos lhe perguntaram a sós: “Por que nós não conseguimos expulsar o espírito?” 29Jesus respondeu: “Essa espécie de demônios não pode ser expulsa de nenhum modo, a não ser pela oração”.

MEDITAÇÃO


Tudo é possível para quem tem fé (Mc 9, 23 )

Quando Jesus desceu o monte com três discípulos, naquele dia da transfiguração, encontrou os outros discípulos no meio de uma grande confusão. Muita gente ao redor deles e uma discussão sem fim com os fariseus. Jesus perguntou: ‘Que confusão é essa?’ E alguém do meio do povo explicou: ‘Mestre, eu trouxe meu filho que tem um espírito mudo. Quando dá uma crise, ele cai no chão, começa a espumar, range os dentes’. Aí Jesus entendeu o que estava acontecendo: O pai trouxe o filho para os discípulos expulsarem o espírito e eles não o conseguiram. Jesus mandou trazer o menino e ali mesmo o garoto começou a ter uma crise. O pai informou a Jesus que ele tinha aquilo desde pequeno. Claro, eles sempre pensavam que fosse um espírito. Não se tinha conhecimento da epilepsia. Aí o pai contou que ele já passara de morrer afogado ou queimado várias vezes, coitado. No meio daquela crise, o menino se debatendo, o pai desesperado disse a Jesus: “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”. “Se podes?!... comentou Jesus. Tudo é possível para quem tem fé”. Acho que Jesus ficou meio chateado. “Se podes fazer alguma coisa?!”. O pai pediu desculpas: “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé!”.

Pode reparar que, em todo milagre de Jesus, ele elogia a fé da pessoa. “A tua fé te salvou”, disse àquela mulher que tocou nas suas vestes. Em Nazaré, sua terra, foi dito que ele não fez ali muita coisa, porque eles não tinham fé. Fé é a abertura do coração para a ação de Deus em nossa vida. É a confiança que depositamos no Senhor. E aquele pai, coitado, tinha fé, mas reconhecia que era pouca. Jesus deu ordem ao espírito mudo e o menino foi libertado. Mais tarde, os discípulos quiseram saber porque eles não conseguiram expulsar o espírito. “Esse tipo só se expulsa pela oração”, disse Jesus.

Esse “Se podes” ficou na sua cabeça, não foi? Chato, aquilo. “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e nos ajuda”. Talvez esse seja o sentimento de muitas pessoas hoje, o que acha? Há quem faça um pedido a Deus sem confiança suficiente nele, sem fé. Pede, mas não tem convicção que o Senhor tem poder para isso, ou que ele vá se interessar por sua causa. Pede, mas, realmente, não espera que Deus o atenda. Tem gente assim, claro que tem. Há quem apele pra um e pra outro, e bata também na porta de Deus, como mais uma tentativa. Esse tipo também demonstra pouca fé, pouca confiança. Desse jeito, sem fé, dificilmente será atendido.

A resposta de Jesus foi forte: “Se podes?! Tudo é possível para quem tem fé”. A Virgem Maria já tinha ouvido uma palavra semelhante. Foi o anjo Gabriel quem lhe disse: “Para Deus, nada é impossível” citando o exemplo de sua prima Izabel, idosa e estéril. Para Deus, nada é impossível!

A fé, com certeza, não é só confiança em Deus. No evangelho de São João, Jesus fala da união com ele como condição para ser atendido pelo Pai. “Se permaneceres em mim, tudo o que pedires ao Pai, ele te concederá”. Então, a fé tem a ver com a nossa união com Jesus, que está tão bem representada no ramo unido à videira. Permanecer em Jesus é estar em comunhão com ele, comunhão de amor, que nos faz realizar a sua palavra de maneira quase natural. Estou pensando no ramo que, mesmo sendo um ramo enxertado, une-se de tal forma à videira, identificando-se com ela, que realiza naturalmente a vocação da videira: dar fruto, produzir uva. Estando assim unidos a Cristo, o que pedirmos ao Pai, em nome de Jesus, ele nos concede.

Se estamos unidos a Cristo, não duvidaremos do que Deus pode fazer, em nome de Jesus, seu filho. Neste sentido, a história da mulher que tocou na roupa de Jesus reforça essa compreensão. Ela não precisou nem falar com Jesus. Estava unida a Jesus pela fé. Jesus elogiou a sua fé.


Guardando a mensagem

O pai aflito que estava pedindo a cura do seu filho disse a Jesus: “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade e nos socorre”. Sem fé, não se alcança o favor de Deus. A fé nos liga a Jesus no amor, na confiança e na realização da vontade de Deus. Deus vem em nosso socorro porque nos ama como filhos, nós que estamos unidos a Cristo. Não cabe dúvida, desconfiança ou mesmo uma relação comercial com o Senhor. A fé abre as portas de nossa vida para acolher a obra do nosso Deus.

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
são tantas as nossas necessidades, os dramas que nos envolvem, que precisamos continuamente da tua proteção, da tua graça, do teu favor. Dá-nos, Senhor, que não nos portemos como requerentes estranhos e desconfiados, mas discípulos unidos a ti pela fé, pelo amor, pela docilidade à vontade do Pai. Assim, no que pedirmos ao Pai, em teu nome, seremos atendidos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

No seu caderno espiritual, escreva sua oração a Jesus, pedindo-lhe para aumentar a sua fé.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

AMOR AO NOSSO DEUS E PAI



28 de Fevereiro de 2021

EVANGELHO


Mc 9,2-10

Naquele tempo, 2Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. 3Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. 4Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus. 5Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 6Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. 7Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!” 8E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. 9Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos. 10Eles observaram essa ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”.

MEDITAÇÃO


Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Se você for pai ou mãe, vai ter uma sensibilidade especial para entender o evangelho de hoje. Você ama seus filhos. Sacrifica-se por eles. Você os gerou, os alimentou, educa-os cada dia. Você sofre quando algum filho seu está desempregado ou está sendo maltratado por alguém. Você fica muito triste quando seu filho adoece ou está em perigo de vida. Pelos seus filhos, você faz tudo, não é verdade? Deles, você só espera respeito, obediência, amor. 

Deus, o Pai, tem um filho. Um filho gerado antes de todos os tempos. Um filho amado. Tudo que Deus fez, desde a criação do mundo, foi inspirado no seu filho. Homens e mulheres saímos à sua imagem e semelhança. E como nos afastamos dele pelo pecado, Deus enviou o seu filho amado para estar conosco e nos reconduzir à sua amizade. Pela nossa resistência e rejeição, Deus chegou ao ponto de entregar seu filho à morte para nos trazer a vida. Tiramos logo uma conclusão: Deus nos ama demais. E, por nós, não poupou o seu filho amado. Que mistério tão grande!

Na liturgia deste segundo domingo da quaresma, temos duas cenas muito especiais. A primeira é do livro do Gênesis (Gn 22). Abraão vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A sua obediência é fonte de bênçãos para todas as nações. A segunda é do evangelho de Marcos (Mc 9). Deus vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A obediência do filho é fonte de vida e ressurreição para a humanidade. 

No livro do Gênesis, Deus pede a Abraão para sacrificar-lhe o seu filho único, o filho que ele tanto amava, Isaac. Abraão já idoso tinha passado a vida aguardando a promessa de Deus de lhe dar esse filho. Mesmo assim, ele sobe um monte na terra de Moriá, acompanhado do filho e de dois servos para oferecer o sacrifício. A partir de certo ponto, é o seu filho Isaac que carrega a lenha para o sacrifício. E ele até pergunta onde está o carneiro para o holocausto. No monte, Abraão ergue um altar, dispõe a lenha para o fogo, amarra o filho e vai sacrificá-lo com um cutelo. Deus interrompe o sacrifício. Abraão não recusou seu filho único, filho a quem tanto amava. Em seu lugar, foi oferecido um carneiro. O verdadeiro sacrifício foi sua obediência a Deus. Por isso, em sua descendência, todas as nações da terra seriam abençoadas. 

No evangelho, hoje em Marcos, Jesus sobe à montanha, levando consigo três dos seus discípulos. Um dia subirá o monte Calvário. Ele mesmo carregará o madeiro, a cruz. Será desnudo e amarrado para o sacrifício, como Isac. O verdadeiro sacrifício é, antes de tudo, a sua obediência ao Pai. “Cumpra-se antes a tua vontade do que a minha”, rezara no Jardim das Oliveiras, na noite de sua prisão. 

Um pouco antes desse texto, Jesus tinha feito o primeiro anúncio da paixão. Sofreria muito, seria rejeitado e morto, e ressuscitaria ao terceiro dia. No monte da transfiguração, os discípulos têm uma visão da glória de Jesus, quase uma antecipação de sua ressurreição. Eles o veem transfigurado, com vestes muito alvas, conversando com Moisés e Elias. Moisés e Elias são personagens que evocam as Escrituras Sagradas (a Lei e os Profetas). Como na história de Abraão, ali também ouve-se a voz de Deus. O Pai apresenta o filho: “Este é o meu filho amado, escutem o que ele diz”. 

A carta aos Romanos (Rm 8) resume tudo: “Deus não poupou seu próprio filho, mas o entregou por todos nós”. Então, no monte, lembrando-nos da história de Abraão que não recusou seu único e amado filho, contemplamos o Pai que não poupou seu filho, mas o entregou por todos nós. E esta entrega, a do Pai e do Filho, é que nos trazem a vida nova, a reconciliação, a salvação. A ressurreição será o desfecho dessa história de amor e entrega. Em seu nome, será anunciada a salvação a todos os povos (Cf. Lc 24,47)

Guardando a mensagem

Neste domingo, ao lado da transfiguração do Senhor, podemos acolher uma importante revelação sobre o Pai. Por amor, ele não poupou o seu próprio filho, mas o entregou por todos nós. No monte, nós discípulos nos damos conta do alcance redentor do sacrifício do filho, cordeiro de Deus, que nos traz vida e salvação. Contemplando-o transfigurado, nos preparamos para reconhecê-lo na humilhação de sua paixão e cruz. No servo sofredor, desfigurado pela maldade e pela violência dos homens, reconhecemos o Cristo transfigurado em sua ressurreição, habitado plenamente pela glória de Deus. De maneira especial, hoje, acolhemos a recomendação que o Pai está nos fazendo: reconhecer Jesus, como seu filho amado e escutar o seu evangelho. 

Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
Em tua transfiguração no monte, contemplamos, de maneira especial, o imenso amor de Deus, teu pai e nosso pai, teu Deus e nosso Deus. Ele não poupou a ti, seu filho amado, mas te entregou em sacrifício por todos nós. No sacrifício de tua cruz, em tua santa obediência, redimiste o mundo do pecado e venceste tudo o que se opõe ao projeto do reino de Deus. Por isso, como escreveu Paulo, na carta aos Filipenses, “ele te exaltou e te deu um nome que está acima de todo nome”. Ele te ressuscitou e te colocou à sua direita. É o Pai que, hoje, está nos convidando a acolher-te, a amar-te, a escutar o teu evangelho. Hoje, te contemplamos na transfiguração, como que antecipando a visão de tua ressurreição. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em nossa caminhada quaresmal, hoje é o 11º. dia. E o passo de hoje pode muito bem ser este: Amar o nosso Deus e Pai. Ele entregou seu filho amado em sacrifício para que vivêssemos reconciliados com ele e entre nós. E, com diaz Paulo na carta aos romanos, “se Deus é por nós, quem será contra nós?”

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

CARREIRA OU CAMINHO?

O que vocês estavam discutindo pelo caminho? (Mc 9, 33)

25 de fevereiro de 2020.



Jesus estava se dedicando à formação dos seus discípulos. Depois de um tempo de muita efervescência, ele foi se afastando daquelas multidões que viviam atrás dele. Era importante preparar os discípulos para os próximos acontecimentos. E para continuarem a missão, depois que ele se fosse. É muito importante perceber esse investimento de Jesus em tempo, atenção e formação das lideranças do seu movimento.

Mas, a perspectiva de Jesus não está sendo compreendida pelos discípulos, naquele momento. Jesus está pensando na sua entrega total, como servidor. Ele se explica dizendo que será entregue, será morto e ressuscitará ao terceiro dia. O auge do seu caminho será a morte e a ressurreição.

Os discípulos estão num pensamento muito diferente do de Jesus. Estão pensando em cargos, em privilégios. O auge do seu caminho não é a morte, a entrega total. O auge do seu caminho é a ascensão ao poder. No caminho, eles estão discutindo sobre quem será o maior, quem terá cargos mais prestigiados e maior participação no poder. Jesus quer ser o menor. Eles disputam sobre quem será o maior. Jesus está fazendo um caminho. Eles querem fazer carreira, não um caminho.

Essa incompreensão dos discípulos, alimentando um projeto bem diferente do de Jesus, fica clara nas palavras que aparecem no texto: eles não compreendiam, tinham medo de perguntar, ficaram calados quando Jesus perguntou sobre o que estavam conversando no caminho.

O evangelista informa que Jesus se sentou (sinal de que iria ensinar, sentado era a posição do Mestre). Sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos e aquele que serve a todos”. Foi quando Jesus pôs uma criança no meio deles e a abraçou. E disse que quem a recebesse em seu nome, o estaria acolhendo.

Além do sentido habitual que já damos a esse episódio, podemos pensar também que acolher Jesus como se acolhe uma criança é aproximar-se dele, desinteressadamente. Nós sempre nos aproximamos dele interessados em alguma coisa. Acolher Jesus é identificar-se com ele, partilhar o seu sonho e o seu compromisso de serviço até à entrega da própria vida.

Guardando a mensagem

Nós, discípulos de hoje, continuamos a pensar e agir como os primeiros discípulos de Jesus. É que estamos mais facilmente de acordo com o espírito do mundo do que com o espírito do evangelho. Nas famílias, nas comunidades, na Igreja, estamos sempre disputando cargos, procurando os privilégios do poder ou alimentando essas disputas em nosso meio. Jesus se colocou, entre nós, como servidor. O seu caminho foi o do serviço, até a entrega de sua vida. Como seus discípulos, nossa vocação é o serviço. Somos servos uns dos outros, não senhores. É assim que devemos acolher Jesus, como servo. É assim que precisamos imitá-lo, como servidores.

O que vocês estavam discutindo pelo caminho? (Mc 9, 33)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Nós entendemos bem o que se passava na cabeça daquele teu primeiro grupo de seguidores. Nós vivemos tentados da mesma forma. O poder nos encanta. Não somente queremos ser os tais, mas nos sentimos atraídos por quem é, humanamente, grande e poderoso. Valorizamos, em primeiro lugar, os cargos prestigiados na sociedade e na Igreja. E desprezamos as profissões aparentemente humildes, as funções aos nossos olhos mais simples. Tens que ter muita paciência conosco, Senhor. Nem sempre te acolhemos como servidor, preferimos te aplaudir como rei e dominador. E assim, nos dispensamos de seguir o teu caminho de serviço e entrega amorosa até o fim. Que a tua palavra hoje soe como um forte convite à nossa conversão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vamos viver a palavra

Você já tem o seu caderno espiritual? Seria tão bom tê-lo! Seria um apoio a mais no seu crescimento espiritual. Bom, no seu caderno, responda à pergunta de Jesus: “O que vocês têm discutido pelo caminho?”.

25 de fevereiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Postagem em destaque

Venham a mim.

   18 de julho de 2024.   Quinta-feira da 15ª Semana do Tempo Comum    Evangelho.    Mt 11,28-30 Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e diss...

POSTAGENS MAIS VISTAS