Mostrando postagens com marcador ELIAS. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ELIAS. Mostrar todas as postagens

16 março 2020

EXPULSARAM JESUS DO CULTO

Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos (Lc 4, 28).
16 de março de 2020.
Jesus está na sinagoga de Nazaré. Foi em Nazaré que ele se criou. Levanta-se para ler o texto do profeta Isaías. E, quando se senta para explicar aquela passagem, ele proclama que aquilo se referia a ele e que estava se cumprindo em sua vida. O profeta Isaías falava do Messias, ungido pelo Espírito Santo, para evangelizar os pobres e libertar os sofredores e oprimidos. Fica todo mundo atento e admirado com essas palavras de Jesus. 
Aos poucos, o clima começa a mudar. A admiração vai se transformando em rejeição. Suspeitas, críticas, indignação vão se espalhando como faísca no palheiro: “E esse aí não é o filho de José?”, alguém pergunta maldosamente. Essas pessoas julgam que a origem popular de Jesus, que eles conheciam, não o credenciava a se apresentar como um enviado de Deus. Jesus nota o clima hostil e responde a uma murmuração: ‘vocês estão me cobrando que eu faça milagres aqui, como ouviram dizer que eu fiz na sinagoga de Cafarnaum’. Aí o que Jesus diz em seguida, eles tomaram como um grande desaforo. Jesus diz que, no tempo do profeta Elias, um tempo de fome, Deus enviou o profeta a uma viúva pagã. E, no tempo do profeta Eliseu, só um leproso foi curado, um pagão. Essa referência aos pagãos foi a gota d’água. A confusão foi grande. Expulsaram Jesus da sinagoga. E uns mais exaltados queriam até matá-lo.
Pensando nessa cena, podemos concluir que a comunidade de Nazaré rejeitou Jesus por três razões. Podemos até ouvir a conversa deles. Primeira: ‘a gente o conhece, é o filho de José’; Segunda: ‘faz milagres fora, aqui não faz’; Terceira: ‘o Messias vem pra nós, não para os pagãos’. Três defeitos na religiosidade daquele povo que guardava tão fielmente o sábado. Defeitos que o impediram de acolher Jesus, como enviado, como profeta de Deus. Será que esses defeitos não nossos também? Vejamos.
O primeiro defeito – ‘a gente o conhece, é o filho de José’ – é o defeito da religiosidade desencarnada. A gente espera que Jesus seja só do céu. Mas, ele é o Filho que se encarnou. E sua vida humana é o caminho para chegarmos ao Pai. 
O segundo defeito – ‘faz milagres fora, aqui não faz’ – é o defeito da religiosidade de milagres. Muita gente está atrás de bênçãos, de curas, de milagres, não de Jesus e do seu evangelho. Se não for Missa de cura, não pisa na Igreja. A proposta de Jesus é o seguimento. Carregar, com ele, a cruz de cada dia. 
O terceiro defeito – ‘o Messias vem pra nós, não para os pagãos’ – é o defeito da religiosidade egoísta. Gente muito devota, mas só pensa em si mesma. Não lhe dói o sofrimento dos outros. A proposta de Jesus e da Igreja é uma religiosidade missionária. 
Guardando a mensagem
Na sinagoga de Nazaré, Jesus leu o profeta Isaías e explicou ao povo que ali estava descrita a sua missão. Ele era o ungido de Deus para evangelizar os pobres e libertar os oprimidos. A reação dos ouvintes foi passando da admiração para a indignação. Terminaram expulsando Jesus da Sinagoga. Os defeitos de sua vida religiosa podem também ser os nossos. Podemos praticar os ritos religiosos, mas corremos o risco de expulsar Jesus do nosso culto. Os motivos que levaram o povo de Nazaré a expulsar Jesus podem ser os nossos: religiosidade desencarnada, desinteressada do seguimento de Jesus e sem abertura missionária para os outros. 
Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos (Lc 4, 28).
Rezando a palavra
Senhor Jesus, 
Meditando o teu evangelho, queremos te dizer três coisas. A primeira: Nós cremos que tu és o filho de Deus, Deus verdadeiro que te encarnaste para nossa salvação. Viveste a nossa vida humana, de verdade. A segunda coisa que queremos te dizer, Jesus: Acolhemos o teu evangelho, como proposta de seguimento. Queremos que nossa vida seja uma resposta de seguimento ao teu chamado, vencendo qualquer tentação de buscar apenas benefícios para nós. E a terceira coisa é que queremos ter um coração como teu, cheio de compaixão pelos sofredores e zeloso pela salvação de todos. Assim, queremos evitar o fechamento em nós mesmos e em nossas necessidades. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 
Vivendo a palavra
A família salesiana preparou para estes dias difíceis de luta contra o novo coronavírus uma Novena Extraordinária a Nossa Senhora Auxiliadora, de 15 a 23 de março, concluindo, no dia 24, comemoração mensal da Virgem Auxiliadora, com uma oração de entrega. A proposta da novena é uma forma de renovação de nossa confiança na Mãe da Igreja, seguindo o exemplo de Dom Bosco, em situações semelhantes. O texto da novena está no link www.padrejoaocarlos.com. Você o encontra também após o áudio da meditação, no seu aplicativo.
16 de março de 2020.
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

NOVENA EXTRAORDINÁRIA 
A NOSSA SENHORA AUXILIADORA


Motivado pela disseminação do coronavírus, a Congregação Salesiana propõe a NOVENA EXTRAORDINÁRIA A NOSSA SENHORA AUXILIADORA, de 15 a 23 de março. Participe!

Em vista da disseminação do coronavírus em vários países, o Reitor-mor, padre Ángel Fernández Artime, convida os Salesianos, os membros da Família Salesiana e os jovens a renovar sua confiança em Maria Auxiliadora, seguindo o exemplo de Dom Bosco em circunstâncias semelhantes. Por esse motivo, ele propõe viver uma novena extraordinária de 15 a 23 de março e concluí-la no dia 24, comemoração mensal de Maria Auxiliadora, com uma oração de entrega.


NOVENA E ENTREGA A MARIA AUXILIADORA


Recitar durante nove dias consecutivos:

- Três Pai-nossos, Ave-marias e Glórias, ao Santíssimo Sacramento, com a prece:


Graças e louvores se deem a todo o momento ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento;


- Três Salve-Rainhas a Maria SS. Auxiliadora, com a invocação:


Nossa Senhora Auxiliadora, rogai por nós.


Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que tivesse recorrido à vossa proteção, implorado a vossa assistência, reclamado o vosso socorro, fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, de igual confiança, a Vós, ó Virgem entre todas singular, como Mãe recorro; de Vós me valho, gemendo sob o peso dos meus pecados, e me prostro a vossos pés. Não desprezeis minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado, mas dignai-Vos de as ouvir propícia, e de me alcançar o que vos rogo. Amém.


Oração para livrar-nos do ‘coronavírus’

Deus todo-poderoso e eterno, de quem todo o universo recebe força, existência e vida, vimos até vós para invocar a vossa misericórdia, pois que também hoje experimentamos a fragilidade da condição humana na experiência de uma nova pandemia.

Cremos que sois Vós a guiar o curso da história humana e que o vosso Amor pode mudar para melhor o nosso destino, qualquer que seja a nossa condição humana. Por isso vos confiamos os doentes e suas famílias: pelo Mistério Pascal do vosso Filho, dai salvação e alívio a seu corpo e espírito.

Ajudai cada membro da sociedade a cumprir sua tarefa, fortalecendo o espírito de mútua solidariedade. Amparai os médicos e os agentes sanitários, os educadores e os assistentes sociais na prestação do seu serviço.

Vós que na fadiga sois conforto e apoio na fraqueza, por intercessão da Virgem Maria e de todos os santos médicos e patronos da saúde, afastai de nós todo o mal e contaminação.

Livrai-nos desta epidemia que nos aflige, a fim de que possamos voltar serenamente às nossas ocupações habituais e vos louvar agradecidos com sempre renovado coração.

Em Vós confiamos, ó Pai, e a Vós elevamos a nossa súplica, por Jesus Cristo vosso Filho e Nosso Senhor. Amém.



CONSAGRAÇÃO DO MUNDO A MARIA SS. AUXILIADORA 
[24 de março]


Santíssima e Imaculada Virgem Maria, Mãe nossa terníssima e poderoso Auxílio dos Cristãos, nós nos consagramos inteiramente a Vós, para que nos conduzais a Deus. Consagramos-vos a mente com seus pensamentos, o coração com seus afetos, o corpo com seus sentimentos e todas as suas forças; e vos prometemos trabalhar sempre para a maior glória de Deus e a salvação das almas.

E vós, entretanto, ó Virgem incomparável, que sempre fostes a Mãe da Igreja e o Auxílio dos Cristãos, continuai a mostrar-vos tal especialmente nestes dias.

Iluminai e fortalecei os bispos e os sacerdotes, mantendo-os sempre unidos e obedientes ao Papa, Mestre infalível; aumentai as vocações religiosas e sacerdotais para que, também por meio delas, o reino de Jesus Cristo se preserve entre nós e se estenda até aos confins da terra.

Pedimos-vos novamente, ó Mãe querida, que mantenhais o vosso olhar amoroso sobre os jovens, tão expostos sempre a tantos perigos; e sobre os pobres pecadores e moribundos.

Sede para todos, ó Maria, doce Esperança, Mãe de misericórdia e Porta do Céu. Mas também por nós Vos suplicamos, ó grande Mãe de Deus. Ensinai-nos a copiar em nós as vossas virtudes, especialmente a angélica modéstia, a humildade profunda e a ardente caridade.

Fazei, ó Maria Auxiliadora, que todos nos acolhamos sob o vosso manto de Mãe.

Fazei que nas tentações vos invoquemos logo com confiança: que o pensamento de que sois tão boa, amorosa e querida, que a lembrança do amor que dedicais aos vossos devotos nos sejam de tal conforto que sejamos vitoriosos contra os inimigos da nossa alma, na vida e na morte, e possamos um dia ser vossa Coroa de Glória no Céu. 
Amém.

14 dezembro 2019

O TESTEMUNHO DE ELIAS (1º DIA DA NOVENA DE NATAL)

Elias já veio, mas eles não o reconheceram (Mt 17, 12).

14 de dezembro de 2019

Apresentação do Tema 

Os Mestres ensinavam que antes que o Messias viesse, viria Elias. Elias foi um dos maiores profetas do povo de Deus e era sempre lembrado como alguém que restabeleceu a religião de Israel, ameaçada pelos cultos estrangeiros. Elias tinha vivido vários séculos antes. Eles, lendo o livro do profeta Malaquias, entendiam que Elias voltaria antes que o Messias chegasse. Está assim no livro do profeta Malaquias: “Eis que eu envio o profeta Elias, antes que chegue o grandioso e terrível dia do Senhor” (Ml 3, 23).

E Jesus explica aos seus discípulos que, de fato, Elias já tinha vindo. Foi João Batista, pelo que ele deu a entender. Não que ele tenha voltado em João Batista, isso não. É que João Batista fez o papel de Elias, aproximando o povo do seu Deus, preparando a chegada de Jesus. Disse Jesus: “Elias já veio, mas eles não o reconheceram”. E falou do modo como maltrataram João. O profeta, coitado, foi degolado na prisão de Herodes. E Jesus avisou que eles tratariam mal a ele também.

Este evangelho é um bom aviso para nós. Ficamos sempre esperando alguma coisa muito grande acontecer, para finalmente viver como convertidos. Não reconhecemos o Elias, que é quem prepara o caminho para o nosso encontro com Jesus. E nem reconhecemos o próprio Senhor que está no meio de nós. Ele se apresenta manso e humilde, renunciando às armas do poder. Elias já veio. O Messias também. O que é que estamos esperando para acolher o Reino de Deus que ele está anunciando?

Oração 

Senhor Jesus,

O papel de Elias de preparar os caminhos para a tua chegada foi realizado por João Batista. João foi o Elias que preparou os teus caminhos. Muitos fazem hoje esse papel, preparando o povo para o encontro contigo. Nós te bendizemos pelos Elias de hoje. Que eles não desanimem pela baixa adesão das pessoas à sua mensagem. Estamos seguros que também nós podemos e devemos fazer esse papel de Elias, ajudar as pessoas a abrirem o seu coração para te acolher como Messias e Salvador. Dá-nos, Senhor, paciência, sabedoria e perseverança para sermos Elias hoje, evangelizadores dos nossos irmãos e irmãs. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Bênção 

O Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Vivência 

Será que você pode identificar quem foi Elias na sua vida, quem preparou você para o encontro com Cristo? 

Pe. João Carlos Ribeiro - 14 de dezembro de 2019

27 setembro 2019

O CAMINHO HUMANO DE JESUS

Jesus perguntou: “E vocês, quem dizem que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus” (Lucas 9, 20)
27 de setembro de 2019
Vamos começar reparando que esse texto está na conclusão do período de atividade de Jesus na Galileia. Essa conversa de Jesus com os discípulos equivale a uma avaliação de todo o seu trabalho feito, desde que retornou do batismo, no Jordão. A essa cena, segue-se a cena da transfiguração. E começa a grande viagem de Jesus com o seu grande grupo de discípulos a Jerusalém (Lc 9, 51).  Aí já é outra etapa, em que Jesus se concentra na formação deles.
Na avaliação, Jesus indaga se o povo e eles mesmos, os discípulos, captaram bem a sua mensagem e entenderam a sua pessoa.  São quatro níveis de resposta. “O Senhor é João Batista. O senhor é Elias. O Senhor é um dos profetas antigos que voltou à vida. O Senhor é o Cristo de Deus”. Todas as respostas têm certa dose de verdade, a começar pelo  que o povo estava dizendo sobre ele. A ação de Jesus é uma forma de dar continuidade ao trabalho de João, interrompido pela perseguição de Herodes. Elias, que, no passado, tinha feito um trabalho de restauração da fé de Israel, era aguardado para a obra final: podiam ver isso em Jesus.  E ele agia mesmo com a liberdade e a determinação dos antigos profetas. Mas, os discípulos, representados por Pedro, o tinham compreendido melhor: ele era o Cristo de Deus.
Cristo é uma palavra grega que equivale à palavra Messias, do hebraico. Cristo quer dizer “ungido”. Jesus é o ungido de Deus. De fato, na sinagoga de Nazaré, Jesus tinha lido o profeta Isaías e se identificado com suas palavras: o Espírito de Deus o tinha ungido para evangelizar os pobres e anunciar o Reino. O ungido é especialmente o rei, o escolhido, o enviado do Senhor. Mas, talvez eles não tivessem entendido tudo. O Messias, o Cristo, o ungido, na realização de sua missão, iria passar por muitas provações.  Foi aí que Jesus fez o primeiro de três anúncios de sua paixão. Ele detalhou tudo também em quatro pontos. Ele iria sofrer muito, ser rejeitado pelos chefes, morrer e, então, ressuscitar. Esse seria o caminho do Messias, o servo sofredor anunciado pelo profeta Isaías. Portanto, nada de dizer ao povo que ele era o Messias, sem absorver o jeito com o qual ele realizaria sua missão.
Se esse era o caminho do Cristo, do ungido, não poderia ser outro o caminho dos seus discípulos, os cristãos. Os discípulos mais tarde começaram a ser chamados com esse título, na comunidade de Antioquia. Ficaram conhecidos como cristãos, os ungidos, como Jesus.
Guardando a mensagem
A lição de Jesus foi clara. Entender quem é ele é tomar o seu caminho. Ele é o Cristo de Deus, e vai enfrentar sofrimento e morte e ressuscitar. Quem for segui-lo, deve fazer o seu mesmo caminho: renunciar a si mesmo e tomar a própria cruz como ele e com ele, cada dia. E isso o que significa? Que você, como seguidor(a) de Jesus, vai encontrar muitas dificuldades, sofrimentos e tribulações no seu caminho. Você não deve pensar que porque está seguindo Jesus, está livre dos problemas. Pelo contrário, é nas dificuldades e nos sofrimentos que você amadurece seu amor e sua imitação de Cristo, o Ungido de Deus. Saiba que é neste caminho histórico de sua vida, marcado pelos limites de sua própria condição humana e pecadora, que o Espírito Santo vai construindo em você, a nova criatura, destinada à plena comunhão com o Pai e à ressurreição final.
Jesus perguntou: “E vocês, quem dizem que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus” (Lucas 9, 20)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Todo mundo sabe que só se conhece bem uma pessoa, quando se convive com ela, quando se caminha com ela. Nós sabemos que tu és o Cristo, como Pedro e os teus apóstolos nos ensinaram. Mas, precisamos caminhar contigo, conviver contigo, para crescermos, cada vez mais, no conhecimento de tua pessoa de filho de Deus. A tua caminhada para Jerusalém com os teus discípulos foi um grande momento de aprendizado para o teu grupo. Simbolicamente, queremos caminhar contigo, seguir contigo a Jerusalém, para estar contigo no teu sacrifício e na tua ressurreição. Hoje, dia de São Vicente de Paulo, nós te pedimos, Senhor, para que nos dês sempre mais um coração cheio de amor pelos sofredores deste mundo, livrando-nos da indiferença, grande mal dos nossos tempos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.  
Vivendo a palavra
Leia o texto de hoje em sua Bíblia – Lucas 9, 18-22 - e responda no seu caderno espiritual: Quem é Jesus para você?
Pe. João Carlos Ribeiro – 27 de setembro de 2019.

27 setembro 2018

O ENCONTRO COM O SENHOR MUDA A NOSSA VIDA

Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas? (Lc 9, 9).
27 de setembro de 2018.
É Herodes perplexo, ouvindo falar de Jesus. Imaginou logo que poderia ser o próprio João Batista que tivesse ressuscitado. Corriam vozes que se tratava do profeta Elias que tinha voltado ou de algum antigo profeta ressuscitado. O tetrarca Herodes era um sujeito fraco e supersticioso. Para ilustrar sua fraqueza, basta lembrar que, mesmo a contragosto, mandou degolar João Batista na prisão para atender a um capricho da amante.
Herodes, um governante sem legitimidade, já vivia assustado pela sua impopularidade e pela repressão com que tratava os descontentes do seu regime. Ele era um dos monarcas sustentados pela aliança com o império romano. E comandava a Galileia, a região onde Jesus morava. Violento, cruel e inseguro, Herodes assustou-se com o que ouviu falar de Jesus.
“Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas?” Assim preocupado, Herodes procurava ver Jesus. Se Herodes não estivesse tão preocupado com seu poder (para não perdê-lo), poderia ter se valido desta sua perplexidade para ter um encontro verdadeiro com Jesus. Com certeza, abrindo o coração, esse encontro poderia levá-lo à conversão de sua vida de luxúria, violência e pecado.
De toda forma, a chance de encontrar-se com Jesus, Herodes teve. Na Paixão, três anos depois, Pilatos, tentando se livrar do caso, mandou Jesus como prisioneiro a Herodes. Mas, Herodes não soube aproveitar a ocasião para aproximar-se com respeito do Senhor e deixar-se interpelar pelo seu Evangelho. Cego pela vaidade, na euforia da bebida e arrotando soberba, Herodes só se ocupou de zombar de Jesus ou de querer arrancar-lhe um número de espetáculo para deleite de sua corte. Tratou Jesus como um mágico, um palhaço, humilhado pela prisão e pelos maus tratos. Jesus detido, amarrado, ficou calado. Não respondeu a nenhuma pergunta daquele monarca adúltero, violento e cruel. Mesmo ficando frente a frente com Jesus, Herodes não se deixou tocar pela graça e pelo amor de Deus.
Guardando a mensagem
A admiração de Herodes por João Batista não o impediu de mandar matar o profeta. Não basta a admiração pelo Senhor, por suas palavras ou por sua Igreja. É preciso conversão, mudança de vida, a partir do reconhecimento de sua vida errada, com o firme propósito de consertá-la. Não podemos deixar a graça passar. Jesus não é uma ameaça. Ele é a grande chance para nos libertarmos de uma vida vazia, tocada à vaidade. Herodes também teve a chance de se encontrar com Jesus. O verdadeiro encontro com o Senhor pede conversão, acolhida da graça de Deus numa vida nova. Mateus é um bom exemplo. Abandonou  a mesa dos impostos para seguir Jesus. Zaqueu é um bom exemplo. Na vida nova da graça, dividiu seus bens com os pobres e reparou o prejuízo que causou às pessoas. Herodes não, Herodes é um mau exemplo.
Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas? (Lc 9, 9).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Como disseste, é o Pai quem nos revela quem tu és. É o Santo Espírito quem nos leva a viver em comunhão contigo e com o Pai. Que de cada encontro contigo, saiamos renovados, fortalecidos no caminho do bem e da justiça. Dá-nos, Senhor, a graça de conhecer-te sempre mais e a força para acolhermos de coração sincero a tua Palavra salvadora. Concede-nos, Senhor, perseverança nos teus caminhos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amem.
Vivendo a palavra
Você já tem o seu caderno espiritual? Ele é um bom recurso para apoiar o seu caminho de crescimento cristão. Bom, no seu caderno espiritual, hoje, faça uma lista de três coisas que têm mudado na sua vida, no seu contato com a Palavra do Senhor.

Pe. João Carlos Ribeiro – 27.09.2018

06 agosto 2018

NA ORAÇÃO, DEUS NOS REVELA JESUS


E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)
06 de agosto de 2018.
Você já subiu uma montanha? Bom, pelo menos um monte mais alto já, não é verdade.
A montanha é um símbolo do encontro com Deus. O homem busca Deus, como que subindo uma montanha. Quando chega ao ponto mais alto, tem uma visão deslumbrante. Nem lembra mais do cansaço da subida. É, em certa medida, um momento de transfiguração, de êxtase, de encantamento. Veja que em cima dos montes tem sempre uma igreja construída ou, pelo menos, um cruzeiro. Já reparou isso? A montanha é o lugar simbólico do encontro com Deus.
Na Bíblia, há também essa identificação da montanha com o fascinante encontro com Deus. Moisés, por exemplo, falou com Deus no monte Sinai. Houve lá o episódio da Sarça Ardente. Mas, também a entrega da Lei nas tábuas de pedra.  No Monte Horeb (que é o mesmo Monte Sinai), também Elias falou com Deus. No monte Carmelo, o mesmo Elias desafiou centenas de sacerdotes pagãos. Ali, Deus mostrou quem era o Deus verdadeiro. A montanha é o lugar da manifestação de Deus. No Sinai, eram tantos relâmpagos e trovões que o povo lá em baixo quase morre de medo. Moisés desceu de lá com o rosto brilhando.
No evangelho da Transfiguração, lido hoje em Marcos, capítulo 9, está contado que Jesus subiu à montanha com Pedro, Tiago e João, três dos seus discípulos. Lá, eles tiveram uma experiência maravilhosa da manifestação de Jesus em sua condição gloriosa. E o que aconteceu na montanha? Ali, houve um profundo encontro com Deus, um momento de revelação da pessoa de Jesus. Jesus foi transfigurado diante deles, ficou com o rosto e as roupas brilhantes. E apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Depois, uma nuvem os cobriu e ouviram a voz de Deus: “Este é o meu filho amado, no qual pus todo o meu afeto. Ouçam-no!".
Subir a montanha é o que nós fazemos na Oração. No momento em que entramos profundamente na comunhão com Deus é como se nós chegássemos ao topo da montanha. Ali, podemos viver uma maravilhosa experiência com Deus. E quem pode nos conduzir assim à oração profunda e verdadeira? O acesso, o caminho já foi aberto por Jesus. E o Espírito Santo de Deus é quem nos conduz ao topo da montanha. Mas, ele conta com nossa docilidade, com nosso esforço em rezar com simplicidade e profundidade. Ficando só na superficialidade, rezando da boca pra fora, distraindo-nos com tudo ao nosso redor, dificilmente subimos à montanha. Ficamos no meio do caminho, não concluímos a subida. Quando alcançamos o topo, rezando de verdade, tudo se torna luminoso, nosso interior se enche de paz e de santa alegria. Ali, Deus nos fala, como pai.  Ele nos aponta Jesus como nosso caminho, nos dá direção, discernimento, conforto. Ficamos até com a tentação de permanecer naquela situação, como os três apóstolos que queriam montar tendas para se fixarem por ali.
Depois da experiência lá no topo, precisamos descer a montanha, voltar à normalidade de nossa vida. Mas, voltamos reabastecidos, reanimados. O encontro com Jesus ressuscitado dá novo ânimo à nossa existência e às nossas lutas.
 
Vamos guardar a mensagem
A montanha é uma imagem da experiência com Deus. Nesse encontro, fundamentalmente o Pai nos apresenta Jesus, seu filho amado. E faz isso, de maneira especial, através de sua Palavra. A Palavra de Deus, na visão dos três apóstolos na montanha, está representada por Moisés e Elias. O povo de Deus dava aos escritos sagrados o título de “Moisés e os Profetas”. Moisés representa a Lei, boa parte das Escrituras Sagradas. Elias representa os profetas, a outra parte das Escrituras. É a Palavra de Deus anunciada e compreendida que nos abre ao conhecimento da Pessoa de Jesus. Deus nos revela Jesus, de maneira especial, por meio de sua Palavra. O Espírito Santo é quem nos leva a compreender a Palavra e a estar em comunhão com Deus. Sem o Espírito Santo, não há oração verdadeira, não se sobe a montanha.
E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
Subir à montanha é procurar o encontro com Deus pela oração. É na oração que o Pai nos revela quem és tu, Senhor. Ele nos diz que tu és o seu filho amado, aquele que ele enviou para nossa salvação. Na verdadeira oração, quando também escutamos e deixamos espaço para a palavra de Deus, o Pai nos revela quem somos nós, seus filhos amados. A oração é o lugar da tua transfiguração. E da nossa também. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Reserve, hoje, um pouco mais de tempo para seu momento de oração. Na sua vida cristã, este momento pessoal de oração precisa ser diário. Na oração, encontramos forças para prosseguir o caminho da vida, com alegria e esperança.

Pe. João Carlos Ribeiro – 06.08.2018

05 março 2018

SANTO DE CASA NÃO FAZ MILAGRES?

MEDITAÇÃO PARA A SEGUNDA-FEIRA 05 DE MARÇO DE 2018.
Em verdade eu lhes digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria (Lc 4, 24)
Jesus disse isso - "nenhum profeta é bem recebido em sua pátria" - na Sinagoga de Nazaré, diante da má acolhida dos seus conterrâneos. E ele comprovou isso lembrando dois outros profetas: Elias e Eliseu. Num tempo de fome, mesmo com tantas viúvas em Israel, Elias foi acolhido e multiplicou o pão de uma viúva estrangeira, que era de Sarepta. No tempo de Eliseu, mesmo com tantos leprosos em Israel, quem lhe procurou e foi curado foi um pagão, o sírio Naamã.
Isso que Jesus falou "nenhum profeta é bem recebido em sua pátria" foi uma afirmação, uma reclamação ou uma lamentação? Seus conterrâneos de Nazaré não quiseram lhe dar crédito. Ele estava explicando que as palavras do livro santo estavam se cumprindo naquela ocasião, em sua missão. Começaram a murmurar, achando que Jesus estava indo longe demais. Todos o conheciam, era o filho do carpinteiro. Seus parentes eram todos conhecidos naquela vila de Nazaré. De onde lhe viria tanta sabedoria? E outros comentavam descrentes: "ele anda fazendo milagre por todo canto, vamos ver se ele faz um milagre aqui". E chegaram a expulsá-lo da sinagoga e da Vila.  A acolhida fria, desconfiada e violenta dos seus conterrâneos dava razão ao ditado "nenhum profeta é bem recebido em sua pátria ". Foi uma lamentação o que Jesus disse, não foi uma afirmação. Não é que tem que ser assim. Infelizmente, é assim que acontece.
"Santo de casa não faz milagres" é o ditado que ainda corre o mundo. Mas isto não quer dizer que seja uma coisa correta. Por que é que nós não damos valor à prata da casa? Por que vemos com desconfiança alguém que nós conhecemos que ascendeu na vida, que se tornou um profissional renomado ou assumiu uma posição de liderança na sociedade? Na verdade, quando desqualificamos alguém do nosso grupo, estamos desqualificando a nós mesmos. Não acredito no outro porque não acredito em mim.   Aquele discípulo de Jesus, Natanael, quando ouviu falar de Jesus fez um comentário preconceituoso que representava boa parte da opinião corrente: "Por acaso de Nazaré pode sair alguma coisa boa?". Olha o preconceito! Será que os conterrâneos de Jesus tinham introjetado esse preconceito contra eles mesmos? Ou será que trancaram o coração e a razão por pura inveja? Ou quem sabe agiram como nós continuamos agindo porque não nos valorizamos, não damos valor ao que é da terra, considerando que o melhor é sempre o de fora, o do outro grupo, o da outra rua.  Com certeza, foi  tudo isso junto e muito mais.
"A galinha do vizinho é sempre a mais gorda" é outro ditado que merece uma reflexão. Quando nos desvalorizamos, desqualificando as pessoas que emergem socialmente no nosso meio ou que pleiteiam assumir uma posição de destaque entre nós na verdade, fazemos isso supervalorizando os de fora, os de outro status social. Não acreditando em nós mesmo, em nossa classe, em nossa capela, em nossa família, supervalorizamos os de fora. "Ah, aqui é uma bagunça, uma corrupção generalizada. Bom é nos Estados Unidos". "Nossos artistas são regionais. Celebridades são os do Rio de Janeiro". O de fora é que é o tal. Isso em bom português se chama alienação: deixar de reconhecer o seu valor para curvar-se ao valor de outro supostamente mais forte, mais rico, mais badalado. A galinha do vizinho nem sempre é a mais gorda. Aliás, quase sempre não o é.
Vamos guardar a mensagem
Jesus, pregando na Sinagoga de Nazaré, sentiu fortemente o descrédito dos seus conterrâneos, dos seus amigos de infância, dos seus parentes. Refletiu que isso repetia a história deles mesmos: a desvalorização das pessoas de sua convivência, movidos, quem sabe, pelo preconceito, pela inveja ou pela alienação de seu próprio valor. Nessa lógica humana, mesquinha, alienada, Jesus para ser o salvador enviado por Deus devia ter chegado de fora, com toda pompa e poder, quem sabe arrodeado por um exército luminoso de anjos, sei lá... Que viesse de fora, de outro país, ou pelo menos de Jerusalém, da capital ou fosse membro das elites de Israel. Mas essa não foi a lógica de Deus e não foi assim que Jesus realizou sua missão. São João foi claro: "O verbo se fez carne". Ele abaixou-se, assumiu a nossa fraqueza. Encarnou-se na periferia do mundo, identificou-se com os humildes e nos resgatou desde lá de baixo. Essa é a lógica de Deus. É nessa lógica que podemos reconhecer Jesus e crescer em direção à plenitude. Acreditar em nós mesmos. Valorizar as possibilidades de nossa própria condição. Apostar que santo de casa é que faz milagre.
Em verdade eu lhes digo que nenhum profeta é bem recebido em sua pátria (Lc 4, 24)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Na sinagoga de Nazaré, vê-se claramente como o preconceito produz exclusão e violência. Os teus conterrâneos de Nazaré te expulsaram da cidade. E alguns mais exaltados queriam te empurrar no precipício. Verdade, o preconceito produz violência. Ao desclassificar uma pessoa (por razão de cor, de religião, de opção sexual, de opção política,...), deixamos de reconhecer a sua dignidade e ela torna-se alvo fácil do ódio, da discriminação, da violência física. Fortalece, Senhor, com a força do teu Santo Espírito, o nosso caminho de conversão para agirmos sempre com verdadeiro acolhimento das pessoas, com grande respeito à sua dignidade e à sua liberdade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
No seu diário espiritual (ou no seu caderno de anotações), faça uma lista de pessoas de sua convivência que você reconhece com gente de grande valor.  

Pe. João Carlos Ribeiro – 04.03.2018

25 fevereiro 2018

VOCÊ JÁ SUBIU A MONTANHA, HOJE?

MEDITAÇÃO PARA O 2º DOMINGO DA QUARESMA, 
DIA 25 DE FEVEREIRO DE 2018.

Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz! (Mc 9, 7)

Pedro, diante da maravilha da transfiguração de Jesus na montanha, teve uma ideia. Acampar ali mesmo. Fazer três tendas. Uma para Jesus, outra para Moisés e outra para Elias. Será que a ideia de Pedro foi boa?

Jesus foi para a montanha, com três dos seus discípulos. Lá, transfigurou-se diante deles. Apareceu com roupas brancas brilhantes, luminoso. Moisés e Elias, personagens do Antigo Testamento conversavam com ele. Que coisa linda! Que visão deslumbrante! Foi aí que Pedro teve a ideia de acamparem por ali. E logo uma nuvem desceu e os encobriu. E da nuvem, veio uma voz: “Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz”. Tudo desapareceu. E eles só viram Jesus com eles.

Montanha tem um significado muito especial. Para o povo semita, montanha é o lugar do encontro com Deus. Basta lembrar o Monte Sinai, onde Moisés recebeu a Lei, das mãos do próprio Deus. Ou o Monte Carmelo, onde Deus acolheu o sacrifício oferecido por Elias, desmascarando a idolatria no meio do seu povo. Jesus muitas vezes passa a noite em oração... na montanha. O monte é o lugar do encontro com Deus. Então, a experiência dos três discípulos na montanha, com Jesus, é uma experiência de oração.

Precisamos sempre subir a montanha. Lá, em oração, fazemos experiência do encontro com Deus. Na oração, Deus nos revela o seu filho único. “Este é o meu filho amado”. O Pai, que nos revela o filho, nos convida a escutá-lo. A principal oração dos membros do povo de Deus era o Shemá. Shemá Israel. “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor”. Recitava-se essa passagem do livro do Deuteronômio muitas vezes ao dia. O discípulo precisa ouvir, escutar, acolher o filho único. Na experiência da montanha, ou seja da oração, encontramos Jesus vivo, ressuscitado, glorioso, triunfante sobre o pecado, o mal e a morte. Essa profunda experiência espiritual está descrita nas roupas brancas brilhantes de Jesus. É uma antevisão de sua ressurreição. Mas, também na oração entramos em contato com o Pai. Somos envolvidos por sua presença divina. É o que está representado na nuvem. Ao revelar o filho, reconheçamos quem é o Pai: ‘aquele que não poupou o seu filho único, mas o entregou por todos nós’, no dizer da Carta aos Romanos.

Uma tentação é, diante da maravilhosa experiência do encontro com Deus na montanha, querer ficar por ali mesmo, acampar. Mas, Jesus desce com eles a montanha. A experiência da oração é um momento de reabastecimento das baterias, de animação, de respiro da alma. É luz para iluminar a escuridão da vida. É esperança e força para se enfrentar os dramas de cada dia. É preciso descer a montanha. Voltar à normalidade da vida, reforçados em esperança e confiança em Deus.

Desde o começo, Jesus tinha indicado as condições para segui-lo: ‘Quem quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia e me siga”. A tentação é sempre querer a vitória sem luta; a contemplação sem compromisso; a oração sem ação. É preciso descer a montanha, com Jesus, para enfrentar os problemas, os dramas de cada dia. Descer, com a certeza de que Deus caminha conosco, que está ao nosso lado. Ele me ajuda, abençoa, protege. Mas, eu sou sujeito de minha história. Assistido pela graça de Deus, tenho que dar conta da minha vida, temos que dar conta da nossa história. É preciso descer a montanha, com Jesus.

Vamos guardar a mensagem

A montanha é uma representação da experiência da oração. Na oração, o Pai nos revela o seu filho único. E nos indica que o escutemos. Escutar Jesus é acolher sua pessoa e seus ensinamentos. Na experiência de encontro com o Senhor, conhecemos também o Pai que não poupou o seu filho único, mas o entregou em nosso favor. Num segundo momento, se desce da montanha para a planície da vida ordinária, para os empenhos de todo dia e para os compromissos que nos cabem no mundo. A tentação é fixar-se nos louvores, nos aleluias e esquivar-se de enfrentar os dramas de cada dia, com as luzes e as forças que o Senhor nos oferece na oração.

Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz! (Mc 9, 7)

Vamos acolher a mensagem

Senhor Jesus,

Nesta quaresma, continua subindo a montanha conosco. Precisamos muito da oração, do encontro profundo com Deus. No meio das dificuldades e dos problemas dessa vida, a oração nos põe em contato profundo contigo, com o Pai. Nisso, somos conduzidos pelo Santo Espírito.
Nesta quaresma, continua descendo a montanha conosco. Precisamos muito que a nossa ação, os compromissos do dia-a-dia sejam iluminados pela luz de tua presença de ressuscitado. Ajuda-nos, Senhor a vencer a tentação de uma religião desligada da vida, de pretender vitória sem luta, glória sem cruz.
Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. 
Amém.

Vamos viver a palavra

Afinal, a ideia de Pedro de fazer três tendas no alto da montanha, foi uma boa ideia ou não foi? Hoje, fale com alguém sobre isso.  


Pe. João Carlos Ribeiro  25.02.2018

16 dezembro 2017

JÁ HOUVE ALGUM ELIAS NA SUA VIDA?


MEDITAÇÃO
PARA O SÁBADO,
16 DE DEZEMBRO
Elias já veio, mas eles não o reconheceram (Mt 17, 12).
Por muito tempo, o povo de Israel cultivou o sentimento da vinda do Messias. Havia uma expectativa muito forte, no tempo de Jesus, de que o Messias chegaria a qualquer momento. É verdade que nem todos coincidiam, em suas esperanças, sobre quem seria e o que ele faria. O Messias era uma promessa de Deus e a sua vinda seria a solução para a sofrida vida daquela gente. Assim, muitos esperavam que fosse um grande líder político e militar. Com certeza, enfrentaria os romanos e acabaria com aquela dominação opressora. Outros apostavam que seria um homem de Deus ‘ultra-santo’, sem nenhuma aproximação com os pecadores e as maldades desse mundo.
Jesus era o Messias que o Pai enviara. Messias é uma palavra que quer dizer “ungido”. Ungir é uma cerimônia em que a pessoa é consagrada com óleo para uma missão. O Messias é aquele que Deus ungiu para a grande missão de restaurar Israel.
Em certo sentido, o estilo de Messias que Jesus exerceu não preencheu as expectativas do povo do seu tempo. Não era um sacerdote do templo, como podiam esperar os saduceus. Era um leigo, carpinteiro de profissão, vindo do interior. Não era um líder político-militar, como os zelotes esperavam. Era um profeta que pregava a mansidão, o perdão e a solidariedade com os pequenos. Não era um ilustrado professor da Lei, levando o povo a praticá-la com rigor, como esperavam os fariseus. Ensinava o povo com parábolas e pregava a lei do amor. Dessa forma, os grandes grupos religiosos de Israel não reconheceram Jesus como Messias.
Os Mestres ensinavam que antes que o Messias viesse, viria Elias. Elias foi um dos maiores profetas do povo de Deus e era sempre lembrado como alguém que restabeleceu a religião de Israel, ameaçada pelos cultos dos estrangeiros. Elias tinha vivido, vários séculos antes. Eles, lendo o livro do profeta Malaquias, entendiam que Elias voltaria antes que o Messias chegasse. Está assim no livro do profeta Malaquias: “Eis que eu envio o profeta Elias, antes que chegue o grandioso e terrível dia do Senhor” (Ml 3, 23). E Jesus explica aos seus discípulos que, de fato, Elias já veio. Foi João Batista, pelo que ele deu a entender. Não que ele tenha voltado em João Batista, isso não.  É que João Batista fez o papel de Elias, aproximando o povo do seu Deus, preparando a chegada de Jesus. Disse Jesus: “Elias já veio, mas eles não o reconheceram”. E falou do modo como maltrataram João. O profeta, coitado, foi degolado na prisão de Herodes. E Jesus avisou que eles, tratariam mal, a ele, o filho do homem.