Mostrando postagens com marcador Mt 17. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mt 17. Mostrar todas as postagens

20200808

UM PAI INTERCEDENDO PELO FILHO DOENTE


Senhor, tem piedade do meu filho (Mt 17, 15)


08 de agosto de 2020.

Todo pai pede a Deus para que o seu filho venha com saúde. Às vezes, a natureza traz o filho com problemas. Não se pode colocar a culpa em Deus, de jeito nenhum. Deus faz tudo bem feito. O homem ou a natureza é que embaralham as coisas. Muita coisa a ciência ainda não sabe, está pesquisando. O certo é que, venha como vier, os pais recebam a sua criança com todo carinho. E Deus que é pai de todos está sempre por perto para socorrer, abençoar, providenciar o melhor para aquela família. Tenho visto que muitas vezes, por ter um filho com alguma deficiência (autismo, síndrome de down, uma grave alergia e tanta coisa mais...), exatamente por causa da fragilidade do filho, os pais terminam por se aproximar mais de Deus.

Bem na véspera do dia dos pais, nos vem esse belo texto do evangelho de São Mateus. Na cena do evangelho, “um homem aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se e disse: “Senhor, tem piedade do meu filho”. Jesus estava no meio de uma multidão. Mas, aquele pai, vencendo qualquer respeito humano, apresenta seu pedido desesperado ao Mestre. Já tinha tentado que os discípulos resolvessem, mas eles não tinham conseguido ajudar. Aproximou-se de Jesus... Aproximar-se de Deus é a atitude número um de um pai. Aproximar-se do Senhor, ficar perto dele. O pai e a mãe, na verdade, já têm uma aproximação com Deus, porque eles participam do seu poder criador. Uma pessoa de fé sabe disso. O nascimento de uma criança é um dom maravilhoso de Deus, pela mediação de um pai e de uma mãe. A paternidade e a maternidade já deixam pai e mãe mais achegados a Deus.

Relendo o texto: Um homem aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se... Ajoelhar-se é a atitude de quem está diante de Deus. É uma atitude de adoração, de reconhecimento de sua dependência de Deus. A gente se ajoelha para acompanhar respeitosamente a consagração na Santa Missa ou diante de Jesus Eucarístico, em adoração. Ajoelhar-se é estar diante de Deus, com respeito e em reconhecimento de sua grandeza. Foi ajoelhado diante de Jesus que o pai pediu: “Senhor, tem piedade do meu filho”. Também esta palavra “Senhor” na boca desse pai tem sabor de reconhecimento de que está diante de Deus. Reconhecer que Jesus é o Senhor é uma profunda atitude de fé. A oração desse pai é uma oração de intercessão. E esta é uma das atribuições da missão paterna ou materna: interceder diante de Deus pelos seus filhos, pedir a Deus que os abençoe, os proteja dos perigos, os guarde, livre-os do mal.

“Senhor, tem piedade do meu filho. Ele é epiléptico, e sofre ataques tão fortes que muitas vezes cai no fogo ou na água”, disse o pai. Ainda hoje quem tem epilepsia é alvo de preconceito. Imaginemos o que não era há mais de 2.000 anos atrás, ainda mais naquele povo antigo que explicava qualquer doença como sendo uma possessão do demônio. Olha a aflição desse pai: seu filho epilético está tendo ataques tão fortes que muitas vezes cai no fogo ou na água. Imagine o cuidado permanente daquela família com esse filho.

Jesus mandou que trouxessem o menino, ou quem sabe já um adolescente. Dentro da lógica de sua gente, Jesus exorcizou o demônio da doença e o menino ficou bom, naquela mesma hora.

Guardando a mensagem.

Um pai aproximou-se de Jesus, ajoelhou-se e pediu em favor do seu filho epilético. Pela paternidade e pela maternidade, pai e mãe já estão mais próximos de Deus. Ajoelhar-se é um reconhecimento da divindade de Jesus. O pai não foi com dúvidas se Jesus podia ajudar ou não. O pai mostrou, por ter tratado o Mestre de ‘Senhor’ e por ter se ajoelhado, a sua completa confiança em Jesus. Ele pediu clemência para o filho epilético. E Jesus o curou, exorcizando o mal que estava nele. O pai quer sempre o melhor para o seu filho. E nunca pode esquecer de que ele, na obra da geração humana e na obra da educação, é parceiro de Deus.

Senhor, tem piedade do meu filho (Mt 17, 15)

Rezando a palavra.

Senhor Jesus,
No Evangelho, de vez em quando um pai vem ao teu encontro, pedindo em favor de um filho que está em situação desesperadora. Jairo, por exemplo, veio te contar a situação de sua filha adolescente, que havia morrido e pediu tua intervenção. Esse pai do evangelho de hoje, com um filho epilético, implorou a tua misericórdia. A todos, Senhor, tu atendias segundo a sua fé, não segundo os seus merecimentos. Continua, Senhor, ouvindo as preces dos pais e mães de hoje que te apresentam continuamente seus rogos em favor de seus filhos, sobretudo de quem está em perigo na alma e no corpo. Derrama, Senhor, tuas bênçãos sobre os pais, amanhã vamos festeja-los, no seu dia. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

O melhor presente que você pode dar ao seu pai vivo ou falecido é rezar por ele. O maior presente é, com certeza, oferecer a Santa Missa em favor dele. Então, programe-se para, amanhã, participar da celebração em sua comunidade e oferecer a Santa Missa por seu pai.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb




20200806

AS QUATRO REVELAÇÕES


E Jesus foi transfigurado diante deles. O seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz (Mt 17, 2)


06 de agosto de 2020

Talvez você já tenha passado por isso. Você viajou com aquela pessoa ou a encontrou em algum lugar, mas não se deu conta quem realmente era, ou melhor, quão especial e socialmente importante era aquela pessoa. Já lhe aconteceu algo parecido? Podemos falar isso de pessoas prestigiadas, mas também de pessoas com quem a gente convive no dia-a-dia. Nem sempre, nos damos conta da grandeza moral daquele colega de trabalho, daquela liderança com quem convivemos ou até daquele pai ou mãe que temos. Um dia, mais tarde, ou já tarde, podemos, com surpresa, descobrir quão grande era aquela pessoa.

Os discípulos de Jesus andavam com ele. Conversavam, comiam, rezavam com ele. E, naquele momento, estavam sentindo o clima tenso ao redor dele. E ele mesmo falando em sofrimento, em morte. Eles estavam ficando tristes e apreensivos. Não estamos entendendo as coisas. Quem realmente é ele, o que ele quer? Um dia, alguns deles fizeram uma experiência muito especial: foram rezar com Jesus, na montanha, e o viram transfigurado, iluminado. Ficaram maravilhados. Foi como se de repente o véu caísse e eles vissem quem realmente era o Mestre que eles seguiam. Foi um momento de revelação, que encheu os seus corações de alegria e de júbilo.

O evangelho de hoje quer nos levar à montanha, para estarmos em oração com Jesus. E contando a cena da transfiguração, quer que também nós nos maravilhemos com a revelação de quem é Jesus. Nós o seguimos, nos batizamos em seu nome, nós o invocamos na oração, comungamos com ele... ele é alguém com quem convivemos, a quem queremos bem. Mas, talvez estejamos precisando dessa experiência da oração da montanha para contemplá-lo em toda a sua grandeza, em toda a sua glória.

A narração do evangelista de hoje, São Mateus, está construída sobre as histórias da revelação de Deus no monte Sinai. Lá, no livro do Êxodo, capítulo 19, Moisés sobe a montanha do Sinai acompanhado de algumas lideranças. Vai encontrar Deus e receber dele a Lei para o seu povo. Como Moisés, Jesus sobe a montanha, com três discípulos. É a primeira revelação: JESUS É O NOVO MOISÉS, O LEGISLADOR DO REINO DE DEUS.

Na história do Sinai, quando Moisés desceu da montanha, estava com o rosto todo iluminado, o povo nem conseguia fita-lo. Os discípulos veem Jesus transfigurado, o rosto como sol, as roupas iluminadas. E ele conversando com Moisés e Elias. Estes dois homens de Deus de séculos passados eram tidos como representantes das Escrituras do antigo povo de Deus, que as descreviam como a Lei e os Profetas. A Palavra da Deus ilumina a pessoa de Jesus, nos diz quem é ele. É a segunda revelação: JESUS É O ENVIADO DE DEUS, O PROMETIDO NAS ESCRITURAS.

No Sinai, Deus falava a Moisés do meio de uma nuvem. Os discípulos viram-se no meio de uma nuvem e ouviram a voz de Deus: Este é o meu filho amado. Escutem-no! Deus mesmo lhes diz quem é Jesus. É a terceira revelação: JESUS É O FILHO AMADO DE DEUS. Ele o deu para nossa salvação.

O povo antigo recebeu a Lei de Deus na Montanha do Sinai. Todo dia, na oração em que recitavam os 10 mandamentos, o povo de Deus começava com as palavras “Shemá, Israel... Ouve, Israel”. Deus diz aos discípulos que ouçam Jesus. Escutem-no! É a quarta revelação: JESUS NÃO É SÓ PORTADOR DE UMA MENSAGEM DE DEUS, ELE É A PRÓPRIA PALAVRA DE DEUS. Precisamos escutá-lo. São João escreveu, no seu evangelho, que ele era o Verbo, a palavra, que se fez carne.

Guardando a mensagem

Na montanha, em oração, os três discípulos receberam uma revelação sobre quem é Jesus: Ele é o novo Moisés, que nos trouxe a Lei de Deus; Ele é o enviado, o prometido das Escrituras; Ele é o Filho amado de Deus; Ele é a própria palavra do Senhor, a comunicação perfeita de Deus a nós. Diante dessa revelação divina sobre quem é Jesus, aos discípulos cabe acolhê-lo, ouvi-lo, segui-lo. Esse momento de céu foi uma força para os discípulos que estavam apreensivos com o clima que precedeu a paixão de Jesus. A orientação que receberam foi de não contar nada a ninguém, até que ele ressuscitasse dos mortos. A ressurreição é a condição divina, gloriosa, vitoriosa de Jesus, o filho de Deus, sobre o pecado, o mal e a morte. 

E Jesus foi transfigurado diante deles. O seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz (Mt 17, 2)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Hoje, temos a oportunidade de tomar contato com este belo testemunho sobre a tua pessoa. Tu és o novo Moisés. Como ele, edificas o povo de Deus sobre o evangelho do Reino. Tu és o Messias, o enviado, a realização das promessas de Deus nas Escrituras. Tu és o filho de Deus, filho amado que o Pai enviou ao mundo para nossa salvação. Tu és a própria comunicação de Deus às suas criaturas e aos seus filhos. Dá-nos, Senhor, a graça de verdadeiramente nos deixar maravilhar por esta revelação de tua pessoa. Que pela graça do teu Santo Espírito, esse conhecimento da fé encha nossa vida de sentido e de alegria, para enfrentarmos o dia-a-dia com um novo olhar, com nova disposição. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Jesus pode ser uma pessoa com quem você fala todo dia e não se dá conta de sua grandeza, de sua identidade divina. Contemple Jesus na cruz e fique imaginando esta cena da transfiguração.

Pe. João Carlos Ribeiro,sdb

20200308

AS QUATRO REVELAÇÕES

E Jesus foi transfigurado diante deles. O seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz (Mt 17, 2)
08 de março de 2020
Talvez você já tenha passado por isso. Você viajou com aquela pessoa ou a encontrou em algum lugar, mas não se deu conta quem realmente era, ou melhor, quão especial e socialmente importante era aquela pessoa. Já lhe aconteceu algo parecido? Podemos falar isso de pessoas prestigiadas, mas também de pessoas com quem a gente convive no dia-a-dia. Nem sempre, nos damos conta da grandeza moral daquele colega de trabalho, daquela liderança com quem convivemos ou até daquele pai ou mãe que temos. Um dia, mais tarde, ou já tarde, podemos, com surpresa, descobrir quão grande era aquela pessoa.
Os discípulos de Jesus andavam com ele. Conversavam, comiam, rezavam com ele. E, naquele momento, estavam sentindo o clima tenso ao redor dele. E ele mesmo falando em sofrimento, em morte. Eles estavam ficando tristes e apreensivos. Não estamos entendendo as coisas. Quem realmente é ele, o que ele quer? Um dia, alguns deles fizeram uma experiência muito especial: foram rezar com Jesus, na montanha, e o viram transfigurado, iluminado. Ficaram maravilhados. Foi como se de repente o véu caísse e eles vissem quem realmente era o Mestre que eles seguiam. Foi um momento de revelação, que encheu os seus corações de alegria e de júbilo.
A liturgia desse segundo domingo da Quaresma quer nos levar à montanha, para estar em oração com Jesus. E contando a cena da transfiguração, quer que também nós nos maravilhemos com a revelação de quem é Jesus. Nós o seguimos, nos batizamos em seu nome, nós o invocamos na oração, comungamos com ele... ele é alguém com quem convivemos, a quem queremos bem. Mas, talvez estejamos precisando dessa experiência da oração da montanha para contemplá-lo em toda a sua grandeza, em toda a sua glória.
A narração do evangelista de hoje, São Mateus, está construída sobre as histórias da revelação de Deus no monte Sinai. Lá, no livro do Êxodo, capítulo 19, Moisés sobe a montanha do Sinai acompanhado de algumas lideranças. Vai encontrar Deus e receber dele a Lei para o seu povo.  Como Moisés, Jesus sobe a montanha, com três discípulos. É a primeira revelação: JESUS É O NOVO MOISÉS, O LEGISLADOR DO REINO DE DEUS.
Na história do Sinai, quando Moisés desceu da montanha, estava com o rosto todo iluminado, o povo nem conseguia fita-lo. Os discípulos veem Jesus transfigurado, o rosto como sol, as roupas iluminadas. E ele conversando com Moisés e Elias. Estes dois homens de Deus de séculos passados eram tidos como representantes das Escrituras do antigo povo de Deus, que as descreviam como a Lei e os Profetas. A Palavra da Deus ilumina a pessoa de Jesus, nos diz quem é ele. É a segunda revelação: JESUS É O ENVIADO DE DEUS, O PROMETIDO NAS ESCRITURAS.
No Sinai, Deus falava a Moisés do meio de uma nuvem. Os discípulos viram-se no meio de uma nuvem e ouviram a voz de Deus: Este é o meu filho amado. Escutem-no! Deus mesmo lhes diz quem é Jesus. É a terceira revelação: JESUS É O FILHO AMADO DE DEUS. Ele o deu para nossa salvação.
O povo antigo recebeu a Lei de Deus na Montanha do Sinai. Todo dia, na oração em que recitavam os 10 mandamentos, o povo de Deus começava com as palavras “Shemá, Israel... Ouve, Israel”. Deus diz aos discípulos que ouçam Jesus. Escutem-no! É a quarta revelação: JESUS NÃO É SÓ PORTADOR DE UMA MENSAGEM DE DEUS, ELE É A PRÓPRIA PALAVRA DE DEUS. Precisamos escutá-lo. São João escreveu, no seu evangelho, que ele era o verbo, a palavra, que se fez carne.
Guardando a mensagem
Na montanha, em oração, os três discípulos receberam uma revelação sobre quem é Jesus: Ele é o novo Moisés, que nos trouxe a Lei de Deus; Ele é o enviado, o prometido das Escrituras; Ele é o Filho amado de Deus; Ele é a própria palavra do Senhor, a comunicação perfeita de Deus a nós. Diante dessa revelação divina sobre quem é Jesus, aos discípulos cabe acolhê-lo, ouvi-lo, segui-lo. Esse momento de céu foi uma força para os discípulos que estavam apreensivos com o clima que precedeu a paixão de Jesus. A orientação que receberam foi de não contar nada a ninguém, até ele ressuscitasse dos mortos. A ressurreição é a condição divina, gloriosa, vitoriosa de Jesus, o filho de Deus, sobre o pecado, o mal e a morte.  
E Jesus foi transfigurado diante deles. O seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz (Mt 17, 2)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Nesta caminhada de Quaresma, temos a oportunidade de tomar contato com este belo testemunho sobre a tua pessoa. Tu és o novo Moisés. Como ele, edificas o povo de Deus sobre o evangelho do Reino. Tu és o Messias, o enviado, a realização das promessas de Deus nas Escrituras. Tu és o filho de Deus, filho amado que o Pai enviou ao mundo para nossa salvação. Tu és a própria comunicação de Deus às suas criaturas e aos seus filhos. Dá-nos, Senhor, a graça de verdadeiramente nos deixar maravilhar por esta revelação de tua pessoa. Que pela graça do teu Santo Espírito, esse conhecimento da fé encha nossa vida de sentido e de alegria, para enfrentarmos o dia-a-dia com um novo olhar, com nova disposição. Hoje, te pedimos, Senhor, uma bênção bem especial para todas as mulheres, na passagem do Dia Internacional da Mulher. Em todas, brilhe sempre mais a dignidade de serem tuas filhas, em igualdade de direitos com os teus filhos homens. Dá-nos a graça de fortalecer uma cultura que impeça a injustiça, a desigualdade e a violência contra as mulheres.  Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Jesus pode ser uma pessoa com quem você fala todo dia e não se dá conta de sua grandeza, de sua identidade divina. Contemple Jesus na cruz e fique imaginando esta cena da transfiguração.
08 de março de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro

20191214

O TESTEMUNHO DE ELIAS (1º DIA DA NOVENA DE NATAL)

Elias já veio, mas eles não o reconheceram (Mt 17, 12).

14 de dezembro de 2019

Apresentação do Tema 

Os Mestres ensinavam que antes que o Messias viesse, viria Elias. Elias foi um dos maiores profetas do povo de Deus e era sempre lembrado como alguém que restabeleceu a religião de Israel, ameaçada pelos cultos estrangeiros. Elias tinha vivido vários séculos antes. Eles, lendo o livro do profeta Malaquias, entendiam que Elias voltaria antes que o Messias chegasse. Está assim no livro do profeta Malaquias: “Eis que eu envio o profeta Elias, antes que chegue o grandioso e terrível dia do Senhor” (Ml 3, 23).

E Jesus explica aos seus discípulos que, de fato, Elias já tinha vindo. Foi João Batista, pelo que ele deu a entender. Não que ele tenha voltado em João Batista, isso não. É que João Batista fez o papel de Elias, aproximando o povo do seu Deus, preparando a chegada de Jesus. Disse Jesus: “Elias já veio, mas eles não o reconheceram”. E falou do modo como maltrataram João. O profeta, coitado, foi degolado na prisão de Herodes. E Jesus avisou que eles tratariam mal a ele também.

Este evangelho é um bom aviso para nós. Ficamos sempre esperando alguma coisa muito grande acontecer, para finalmente viver como convertidos. Não reconhecemos o Elias, que é quem prepara o caminho para o nosso encontro com Jesus. E nem reconhecemos o próprio Senhor que está no meio de nós. Ele se apresenta manso e humilde, renunciando às armas do poder. Elias já veio. O Messias também. O que é que estamos esperando para acolher o Reino de Deus que ele está anunciando?

Oração 

Senhor Jesus,

O papel de Elias de preparar os caminhos para a tua chegada foi realizado por João Batista. João foi o Elias que preparou os teus caminhos. Muitos fazem hoje esse papel, preparando o povo para o encontro contigo. Nós te bendizemos pelos Elias de hoje. Que eles não desanimem pela baixa adesão das pessoas à sua mensagem. Estamos seguros que também nós podemos e devemos fazer esse papel de Elias, ajudar as pessoas a abrirem o seu coração para te acolher como Messias e Salvador. Dá-nos, Senhor, paciência, sabedoria e perseverança para sermos Elias hoje, evangelizadores dos nossos irmãos e irmãs. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Bênção 

O Senhor nos abençoe, nos livre de todo o mal e nos conduza à vida eterna. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Vivência 

Será que você pode identificar quem foi Elias na sua vida, quem preparou você para o encontro com Cristo? 

Pe. João Carlos Ribeiro - 14 de dezembro de 2019

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...