22 maio 2018

UM CAMINHO OU UMA CARREIRA?

Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos e aquele que serve a todos (Mc 9, 35).
22 de maio de 2018.
Jesus estava se dedicando à formação dos seus discípulos. Depois de um tempo de muita efervescência, ele foi se afastando daquelas multidões que viviam atrás dele. Era importante preparar os discípulos para os próximos acontecimentos. E para continuarem a missão, depois que ele se fosse. É muito importante perceber esse investimento de Jesus em tempo, atenção e formação das lideranças do seu movimento.
Mas, a postura de Jesus é completamente distinta da expectativa dos discípulos. Jesus está pensando na sua entrega total, como servidor. Ele se explica dizendo que será entregue, será morto e ressuscitará ao terceiro dia. O auge do seu caminho será a morte.
Os discípulos estão numa perspectiva diferente e contrária a de Jesus. Estão pensando em cargos, em privilégios. O auge do seu caminho não é a morte, a entrega total. O auge do seu caminho é a ascensão ao poder. No caminho, eles estão discutindo sobre quem será o maior, quem terá cargos mais prestigiados e maior participação no poder. Jesus quer ser o menor. Eles disputam sobre quem será o maior. Jesus está fazendo um caminho. Eles querem fazer carreira, não um caminho.
Essa incompreensão dos discípulos – um projeto bem diferente do de Jesus - fica clara nas palavras que aparecem no texto: eles não compreendiam, tinham medo de perguntar, ficaram calados quando Jesus perguntou sobre o que estavam conversando.
O evangelista informa que Jesus se sentou (sinal de que iri
a ensinar, sentado era a posição do Mestre). Sentou-se, chamou os doze e lhes disse: “Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos e aquele que serve a todos”. Foi quando Jesus pôs uma criança no meio deles e a abraçou. E disse que quem a recebesse em seu nome, o estaria acolhendo.

Além do sentido habitual que já damos a esse episódio, podemos pensar também que acolher Jesus como se acolhe uma criança é aproximar-se dele, desinteressadamente. Nós sempre nos aproximamos dele interessados em alguma coisa. Acolher Jesus é identificar-se com ele, partilhar o seu sonho e o seu compromisso de serviço até à entrega da própria vida.
Vamos guardar a palavra
É possível que nós, discípulos de hoje, continuemos pensando e agindo como os seus antigos discípulos. É que estamos mais facilmente de acordo com o espírito do mundo do que com o espírito do evangelho. Nas famílias, nas comunidades, na Igreja, estamos sempre disputando cargos, procurando os privilégios do poder ou alimentando essas disputas em nosso meio. Jesus se colocou, entre nós, como servidor. O seu caminho foi o do serviço, até a entrega de sua vida. Como seus discípulos, nossa vocação é o serviço. Somos servos uns dos outros, não senhores. É assim que devemos acolher Jesus, como servo. É assim que precisamos imitá-lo, como servidores.
Se alguém quiser ser o primeiro, seja o último de todos e aquele que serve a todos (Mc 9, 35).
Vamos rezar a palavra
Rezamos  hoje o segundo dia do Tríduo de Nossa Senhora Auxiliadora, cuja festa é na próxima quinta, dia 24. Saudemos a Virgem, modelo dos discípulos servidores.

Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.

Nossa Senhora Auxiliadora, rogai por nós.

Vamos viver a palavra
Aproveite o Tríduo de N. Senhora Auxiliadora para colocar em suas mãos um pedido especial. Ela é a nossa intercessora. Lembre o que disse Jesus: “Tudo é possível a quem tem fé”.


Pe. João Carlos Ribeiro – 22.05.2018

21 maio 2018

TUDO É POSSÍVEL PARA QUEM CRÊ


Se podes?!... Tudo é possível para quem tem fé (Mc 9, 23 )
21 de maio de 2018.
Quando Jesus desceu o monte com três discípulos, naquele dia da transfiguração, encontrou os outros discípulos no meio de uma grande confusão. Muita gente ao redor deles e uma discussão sem fim com os fariseus. Jesus perguntou: ‘Que confusão é essa?’ E alguém do meio do povo explicou: ‘Mestre, eu trouxe meu filho que tem um espírito mudo. Quando dá uma crise, ele cai no chão, começa a espumar, range os dentes’. Aí Jesus entendeu o que estava acontecendo: O pai trouxe o filho para os discípulos expulsarem o espírito e eles não o conseguiram. Jesus mandou trazer o menino e ali mesmo o garoto começou a ter uma crise. O pai informou a Jesus que ele tinha isso desde pequeno. Claro, eles sempre pensavam que fosse um espírito. Não se tinha conhecimento da epilepsia. Aí o pai contou que ele já passara de morrer afogado ou queimado várias vezes, coitado. No meio daquela crise, o menino se debatendo, o pai desesperado disse a Jesus: “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”.  “Se podes?!... comentou Jesus. Tudo é possível para quem tem fé”. Acho que Jesus ficou meio chateado. “Se podes fazer alguma coisa?!”. O pai pediu desculpas: “Eu tenho fé, mas ajuda a minha falta de fé!”.
Pode reparar que, em todo milagre de Jesus, ele elogia a fé da pessoa. “A tua fé te salvou”, disse àquela mulher que tocou nas suas vestes. Em Nazaré, sua terra, se disse que ele não fez ali muita coisa, porque eles não tinham fé. Fé é a abertura do coração para a ação de Deus em nossa vida. É a confiança que depositamos no Senhor. E aquele pai, coitado, tinha fé, mas reconhecia que era pouca. Jesus deu ordem ao espírito mudo e o menino foi libertado. Mais tarde, os discípulos quiseram saber porque eles não conseguiram expulsar o espírito. “Esse tipo só se expulsa pela oração”, disse Jesus.
Esse “Se podes” ficou na sua cabeça, não foi? Chato, aquilo. “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e nos ajuda”. Talvez esse seja o sentimento de muitas pessoas hoje, o que acha? Há quem faça um pedido a Deus sem suficiente confiança nele, sem fé. Pede, mas não tem convicção que o Senhor tem poder para isso, ou que ele vá se interessar por sua causa. Pede, mas, realmente, não espera que Deus o atenda. Tem gente assim, claro que tem. Há quem apele pra um e pra outro, e bata também na porta de Deus, como mais uma tentativa. Esse tipo também denota pouca fé, pouca confiança. Desse jeito, sem fé, dificilmente será atendido.
A resposta de Jesus foi forte: “Se podes?! Tudo é possível para quem tem fé”. A Virgem Maria já tinha ouvido uma palavra semelhante. Foi o anjo Gabriel quem lhe disse: “Para Deus, nada é impossível” citando o exemplo de sua prima Izabel, idosa e estéril. Para Deus, nada é impossível!  
A fé, com certeza, não é só confiança em Deus. No evangelho de São João, Jesus fala da união com ele como condição para ser atendido pelo Pai. “Se permaneceres em mim, tudo o que pedires ao Pai, ele te concederá”. Então, a fé tem a ver com a nossa união com Jesus, que está tão bem representada no ramo unido à videira. Permanecer em Jesus é estar em comunhão com ele, comunhão de amor, que nos faz realizar a sua palavra de maneira quase natural. Estou pensando no ramo que, mesmo sendo um ramo enxertado, une-se de tal forma à videira, identificando-se com ela, que realiza naturalmente a vocação da videira: dar fruto, produzir uva. Estando assim unidos a Cristo, o que pedirmos ao Pai, em nome de Jesus, ele nos concede.
Se estamos unidos a  Cristo, não duvidaremos do que Deus pode fazer, em nome de Jesus, seu filho. Neste sentido, a historia da mulher que tocou na roupa de Jesus reforça essa compreensão. Ela não precisou nem falar com Jesus. Estava unida a Jesus pela fé. Bastou conectar-se com ele, tocando em suas vestes. Jesus elogiou a sua fé.
Vamos guardar a mensagem
O pai aflito que estava pedindo a cura do seu filho disse a Jesus: “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade e nos socorre”. Sem fé, não se alcança o favor de Deus. A fé  nos liga a Jesus no amor, na confiança e na realização da vontade de Deus. Deus vem em nosso socorro porque nos ama como filhos, nós que estamos unidos a Cristo. Não cabe dúvida, desconfiança ou mesmo uma relação comercial com o Senhor. A fé abre as portas de nossa vida para acolher a obra do nosso Deus.
Se podes?!... Tudo é possível para quem tem fé (Mc 9, 23 )
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
São as tantas as nossas necessidades, os dramas que nos envolvem, que precisamos continuamente da tua proteção, da tua graça, do teu favor. Dá-nos, Senhor, que não nos portemos como requerentes estranhos e desconfiados, mas discípulos unidos a ti pela fé, pelo amor, pela docilidade à vontade do Pai. Assim, no que pedirmos ao Pai, em teu nome, seremos atendidos. Seja bendito o teu santo nome hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Estamos começando hoje o Tríduo de Nossa Senhora Auxiliadora, cuja festa é na próxima quinta, dia 24. Saudemos a Virgem, modelo de nossa fé.
Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.
Nossa Senhora Auxiliadora, rogai por nós.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.05.2018

20 maio 2018

O QUE SERIA DE NÓS, SEM O ESPÍRITO SANTO?


Jesus soprou sobre eles e disse: ‘Recebam o Espírito Santo’ (Jo 20, 21)
20 de maio de 2018.
Sem o Espírito Santo, JESUS seria uma história do passado. Uma linda e emocionante história de um Deus que se fez homem e morreu no madeiro, por amor. Restaria apenas um passado inspirador para uma legião inconsolável de fãs.
Mas, o Espírito Santo foi enviado, veio sobre nós, como fogo da presença divina, comunicando a vida de Deus. É ele quem atualiza a presença de Jesus. Por sua atuação, Jesus manifesta-se vivo e operante na sua Igreja, sua presença é real na comunidade que se reúne em seu nome, na palavra ali proclamada e de, maneira especial e sacramental, no pão e no vinho consagrados. No seu Espírito, Jesus vive ressuscitado no meio de sua Igreja, e age por meio dela no mundo.
Sem o Espírito Santo, a IGREJA seria um grupo de gente acuada, fechada dentro de quatro paredes dos seus cenáculos, com medo do mundo e com o futuro ameaçado.
Mas, o Espírito Santo foi enviado, veio sobre nós, como vento de liberdade, nos fazendo mais confiantes e obedientes a Deus do que aos homens. Com a vinda do Espírito Santo, os discípulos trancados, por medo dos judeus, abriram as portas e saíram à rua. O testemunho de Pedro, em nome da comunidade, atraiu gente de todas as nações e o número de batizados chegou a três mil pessoas. É o Espírito Santo, que assistindo a Igreja hoje, a faz abrir as portas e sair para encontrar  todos e a todos levar a esperança e o amor de Deus.
Sem o Espírito Santo, VOCÊ E EU seríamos apenas grandes admiradores de Jesus de Nazaré, e, quem sabe, sinceros respeitadores do Deus Criador.
Mas, o Espírito Santo foi enviado, veio sobre nós, como água regeneradora, nos trazendo o perdão dos nossos pecados e nos fazendo filhos de Deus. Com o Espírito Santo, a redenção que Jesus alcançou na sua morte e ressurreição nos foi aplicada. Somos, agora, novas criaturas, renascidas como filhos de Deus. Pelo Espírito, falamos com o Pai como filhos que somos e estamos em comunhão com Jesus, como o ramo está unido à videira.
Vamos guardar a mensagem
Sem o Espírito Santo, nossa ORAÇÃO seria um monólogo infrutífero e duvidoso, não uma conversa amorosa com o Pai, por meio do Filho.
Sem o Espírito Santo, a IGREJA seria uma instituição esclerosada pelo tempo, não uma comunidade surpreendente nova, pujante e livre.
Sem o Espírito Santo, A LEI DE DEUS continuaria a ser um fardo com suas obrigações e proibições, não uma lei escrita nos corações, pela qual fazer a vontade de Deus é o que mais alegria nos traz.
Sem o Espírito Santo, seríamos um povo sem ESPERANÇA, acomodando-nos à realidade, não uma vibrante onda de renovação da face da terra.
Sem o Espírito Santo, seríamos uma associação de devotos, não a Igreja, Corpo de Cristo que somos, em preparativos de noiva para as núpcias eternas do Cordeiro.
Jesus soprou sobre eles e disse: ‘Recebam o Espírito Santo’ (Jo 20, 21)
Vamos rezar a palavra
Rezemos a sequência de Pentecostes, rezada na Missa deste domingo.
Espírito de Deus, envia dos céus um raio de luz!
Vem, Pai dos pobres, dá aos corações teus sete dons.
Consolo que acalma, hóspede da alma, doce alívio, vem!
No labor descanso, na aflição remanso, no calor aragem.
Sem a luz que acode, nada o homem pode, nenhum bem há nele.
Ao sujo lava, ao seco rega, cura o doente.
Dobra o que é duro, guia no escuro, o frio aquece.
Dá à tua Igreja, que espera e deseja, teus sete dons
Dá em prêmio ao forte uma santa morte, alegria eterna!
Enche, luz bendita, chama que crepita, o íntimo de nós!

Vamos viver a palavra
Dedique, hoje, um momento de oração ao Espírito Santo. Ele é quem nos move à oração, quem nos dá discernimento e sabedoria, que nos une a Cristo e ao Pai.
Pe. João Carlos Ribeiro – 20.05.2018

19 maio 2018

TANTOS LIVROS QUE NÃO CABERIAM NO MUNDO

Jesus fez ainda muitas outras coisas, mas, se fossem escritas todas, penso que não caberiam no mundo os livros que deveriam ser escritos (Jo 21, 25)


19 de maio de 2018.

Assim termina o evangelho de São João. O que foi escrito nos evangelhos é o suficiente para conhecermos Jesus, sua obra, suas palavras para nos tornarmos seus discípulos.

Na linguagem do evangelista João, Jesus veio nos comunicar a vida eterna, a vida de Deus, que enche de significado nossa existência e nos abre os horizontes da vida definitiva no seio do Pai.

Quantas coisas maravilhosas fez Jesus! Pelo evangelho, temos notícia de algumas. Já são suficientes para o reconhecermos como o enviado do Pai e nos colocarmos no seu seguimento.

Nos outros três evangelhos, chamados sinóticos, a mensagem é a mesma, com outra linguagem. Mateus, Marcos e Lucas falam do Reino de Deus. Jesus vem anunciar o Reino de Deus. O Reino de Deus é inaugurado com a sua presença entre nós.

A boa notícia, o evangelho, é o Reino de Deus acontecendo entre nós, pela presença de Jesus. Foi esse o anúncio de Jesus desde o início de sua atividade missionária: “O tempo se cumpriu, o Reino chegou, convertam-se, creiam no Evangelho, isto é, nesta boa notícia”.

A presença de Jesus salvando, libertando, restaurando é o Reino acontecendo. As ações e as palavras de Jesus instauram o reinado de Deus entre nós. Esse anúncio, essa boa nova (é o que quer dizer a palavra ‘evangelho’) é uma comunicação que muda nossa vida, que dá novo sentido à realidade. 

O Reino continua sendo anunciado e atuado pela pregação e pelo testemunho dos discípulos de Jesus. Por suas palavras e suas ações, Jesus continua construindo o Reinado do Pai no mundo.

Vamos guardar a mensagem

O Evangelho é a revelação de algo maravilhoso: o Reino está ao nosso alcance, está batendo à nossa porta, está próximo de nós, está entre nós. Deus está cumprindo sua promessa: “Eis que faço novas todas as coisas”. É por essa razão que o Evangelho, em confirmação das palavras de Jesus, narra tantos milagres, curas, exorcismos. É o Reino se instalando como luz, como saúde, como paz, como perdão.

Mesmo com tanta crise, com tanta coisa ruim acontecendo, com tanto desmantelo no mundo, experimentamos cada dia que o Reino está entre nós. Deus, por meio do seu filho Jesus, está semeando um mundo novo de comunhão, de paz, de reconciliação. Ele está conosco até a consumação dos séculos, como prometeu. Não nos abandona. O seu Santo Espírito atualiza a sua presença e a sua ação redentora.

Jesus fez ainda muitas outras coisas, mas, se fossem escritas todas, penso que não caberiam no mundo os livros que deveriam ser escritos (Jo 21, 25)

Vamos rezar a palavra

Senhor,

Disseste que quando viesse o Espírito Santo, ele nos conduziria à plena verdade, nos ajudaria a entender tudo o que disseste. Já temos a presença do teu Espírito em nossa vida, mas precisamos de uma atuação ainda maior da parte dele. Só assim poderemos acolher, entender e viver o teu evangelho; e transformar nossa vivência de tua palavra em testemunho vivo do teu amor e da tua misericórdia. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vamos viver a palavra

Amanhã é o domingo de Pentecostes. Nele, celebramos a vinda do Espírito Santo sobre Maria e os Apóstolos. Olha a dica de hoje: Planeje bem a sua participação na Missa dominical.

Pe. João Carlos Ribeiro – 19.05.2018