26 março 2017

Ele me abriu os olhos

E Jesus lhe disse: “Vai lavar-te na piscina de Siloé.”  O cego foi, lavou-se e voltou enxergando (Jo 9, 7).


E chegamos ao quarto domingo da quaresma. Cada domingo é um degrau que vamos subindo em direção à páscoa. É um caminho de revelação de quem é Jesus e de sua obra redentora que continua em nossas vidas e na história. É uma caminhada em que vamos renovando nossa condição de discípulos e nossa adesão à pessoa do Salvador. Estamos em comunhão com ele, caminhamos com ele desde o nosso batismo.

O evangelho de hoje conta a história do cego de nascença que foi curado de sua cegueira.  E esse texto é tão interessante que eu vou pedir a você, para o seu bem espiritual, que leia o evangelho de hoje completinho em sua Bíblia. João capítulo 9, de 1 a 41. Leia e faça uma conta: quantas vezes está escrito a expressão “abrir os olhos”?

Vamos recordar nosso caminho nessa quaresma. No primeiro domingo, o tema foi o pecado, na cena das tentações. Jesus foi comparado com Adão. Ele é o novo Adão que vence o pecado. No segundo domingo, o tema foi a Lei, na transfiguração.  Jesus foi comparado com Moisés. Ele é o novo Moisés que nos traz a Palavra de Deus.  No terceiro domingo, o tema foi a água, na história da Samaritana.  Jesus foi comparado com Jacó. É ele que nos comunica a água viva, o dom de sua vida e o Espírito Santo. Neste quarto domingo da quaresma, o tema é a Luz, na história do cego de nascença. Jesus é comparado com o profeta Eliseu. Ele é quem verdadeiramente nos renova e nos restaura, pelo batismo.

A história de hoje é como um teatro em cinco atos e se desenvolve como se fosse um processo, com acusações, interrogatório e sentença final. Não deixe de ler. Em resumo: Jesus mandou o cego de nascença lavar-se na piscina de Siloé. E ele ficou bom. Os vizinhos e conhecidos estranharam não vê-lo mais pedindo esmolas. Os fariseus quiseram saber o que aconteceu. E ficaram com raiva e não acreditaram na conversa dele. Os pais dele foram interrogados. O ex-cego também foi interrogado e expulso da comunidade. Jesus se encontrou de novo com ele e ele proclamou sua fé: “Eu creio Senhor”. Vem a sentença de Jesus: “Quem era cego agora pode ver. Os que vêem agora estão cegos.”

E o que tem isso com Eliseu? Eliseu foi um profeta do século nono, no norte de Israel. Foi ajudante do Profeta Elias e ficou em seu lugar, quando esse partiu para Deus. Um leproso, um ministro importante da Síria, chamado Naamã, veio para ser curado (2 Rs 5). O profeta o mandou lavar-se sete vezes no rio Jordão. Ele lavou-se e ficou curado da lepra. Eliseu restaurou a pele desse cidadão, mandando-o lavar-se no rio. Jesus restaurou a vista daquele cego, mandando-o lavar-se na piscina de Siloé.

Agora, me diga, onde é que fomos lavados? Pense aí... quando é fomos restaurados? Você pensou no batismo? Então, acertou. Fomos lavados do pecado no batismo. Fomos curados de nossa escuridão no batismo. Esse domingo nos ajuda a perceber a grandeza do nosso batismo. Isso faz parte de nossa preparação para a páscoa. É possível que na noite da páscoa haja batizado de adultos em sua comunidade. E, com certeza, haverá o momento em que todos farão a renovação das promessas do batismo. No batismo, somos lavados de nosso pecado, de nossa escuridão.

Vamos guardar a mensagem de hoje:

O batismo é a nova criação. Nele se celebra o que o Senhor faz por nós: ele nos restaura, consertando a obra que foi desfigurada pelo pecado. Veja o que Jesus fez: fez lama com a saliva e colocou-a sobre os olhos do cego. Fez como o criador do início da Bíblia que, como um oleiro, fez o homem do barro. No batismo, renascemos em Cristo, somos iluminados por ele. Até recebemos uma vela acesa para ilustrar a obra que Jesus faz em nós. Veja o que aconteceu: o cego de nascença passou a enxergar, depois que se lavou na piscina. O que representa essa piscina? ... Isso. Não precisou que eu dissesse. A conclusão é uma atitude: Viver a vida nova que o Senhor nos comunica pelo batismo. Como disse São Paulo: “Vivam como filhos da luz. Desmascarem as obras das trevas. Se estiverem dormindo, despertem”.

Senhor Jesus,

A riqueza de tua palavra enche o nosso coração de alegria. Diante da maravilha que é tua obra em nosso favor, nós não podemos e não queremos viver como cegos, de jeito nenhum. Já fomos cegos, agora vivemos na tua luz. Já nos lavamos na piscina de Siloé. Fomos restaurados ali como novas criaturas. Não temos mais parte com a escuridão: a desonestidade, a infidelidades, a descrença. Agora é hora de, no confronto com os fariseus de hoje, testemunhar que te reconhecemos como nosso Salvador. Como o cego curado, mesmo expulso da sinagoga, queremos dizer-te hoje: “Eu creio, Senhor”. E viver nessa fé. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Pe. João Carlos Ribeiro – 25.03.2017

19 março 2017

A água e a sede

Você lembra. No primeiro domingo da Quaresma, na cena das tentações, Jesus foi comparado com Adão. Ele é o novo Adão, o que disse SIM, o que venceu a tentação, o pecado. No segundo domingo, na cena da transfiguração, ele foi comparado com Moisés. Ele é o novo Moisés que nos comunica a nova Lei, a Palavra que precisamos ouvir. Neste terceiro domingo da Quaresma, no diálogo com a Samaritana no poço, Jesus é comparado com Jacó. Ele é o novo Jacó, que ofereceu ao seu povo, com o poço, a água necessária para a vida.


Atravessando a Samaria, cansado, com sede, Jesus se senta junto à fonte, o poço de Jacó, isso por volta do meio dia. Vem uma mulher daquele povo samaritano buscar água. Ele pede: “dá-me de beber”. Foi só um pé de conversa para a evangelização daquela senhora. Se ela soubesse quem ele era, ela é quem pediria e ele lhe daria água viva, e ela nunca mais teria sede. Ela bem que se interessou por aquela água.

10 março 2017

Um novo Moisés

E da nuvem uma voz dizia: “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo o meu agrado. Escutem-no!” (Mt 17, 5).

E chegamos ao segundo domingo da Quaresma.  No primeiro domingo, subimos com Jesus ao Monte das Tentações. Ali, ele enfrentou o Tentador e venceu as tentações. Com ele, entramos no novo tempo em que o pecado de Adão foi superado pela obediência do novo homem, Jesus. Então, no primeiro domingo da Quaresma, Jesus foi comparado com Adão. Ele é o vencedor da tentação, do pecado.   

Nesse segundo domingo da Quaresma, subimos com Jesus à montanha da transfiguração.  A Lei e os Profetas, os livros santos de Israel representados por Moisés e Elias, nos dizem quem é esse Jesus. Ele é o novo Moisés, libertador do povo, restaurador da aliança. E o próprio Deus intervém, como no tempo do Sinai, para dizer que Jesus é o seu filho amado e para nos recomendar que o escutemos.