26 junho 2016

O caminho com Jesus

Enquanto estavam caminhando, alguém na estrada disse a Jesus: “Eu te seguirei para onde quer que fores”. (Lucas 9, 57)

Jesus está começando a grande viagem para Jerusalém. O evangelista Lucas reserva uma grande parte do seu evangelho a essa viagem (cerca de 9 capítulos (9, 51-19,27). Jesus está consciente do que o aguarda na capital. Mas, vai destemidamente. Por um lado, lá será preso, condenado e morto. Mas, também, lá, ressuscitará. Está escrito: “ele tomou a firme resolução de partir para Jerusalém”.  E vai como um profeta. Como Elias, que, no fim de sua jornada de lutas e perseguições, foi levado para o céu num carro de fogo (por isso a expressão “antes de ser levado para o céu”); Como Moisés que, antes de entrar na terra prometida, mandou mensageiros à sua frente para reconhecimento da situação.

A viagem para Jerusalém é também  a nossa caminhada cristã, com seus riscos e suas exigências. Somos seguidores de Jesus, estamos indo com ele a Jerusalém. É uma caminhada difícil, porque não é uma caminhada para o sucesso e para a glória. É uma caminhada, antes de tudo, marcada pela paixão. E é pela paixão que se chega à glória da ressurreição, à vitória. E já no início dessa caminhada, três pessoas se apresentam querendo seguir Jesus. E assim são três recados importantes do Senhor para eles e para nós, seus seguidores.  Você, eu, todos nós estamos a caminho com Jesus, para Jerusalém. É a nossa peregrinação nesta terra. À Jerusalém celeste não se chega sem luta, sem sacrifício, sem oposições. Numa viagem como essa, três coisas são fundamentais: despojamento de vida, primado de Deus e perseverança na caminhada. Despojamento de vida, primado de Deus e perseverança na caminhada!

Para alguém que, como nós, está a caminho com Jesus, uma coisa muito importante é o despojamento de vida. A vida cristã não é uma busca de comodidade ou de segurança. “O filho do homem não tem onde reclinar a cabeça”. Ele é o exemplo. Não está juntando dinheiro, não está atrás de riquezas. É um peregrino neste mundo. O estilo de vida do seguidor de Jesus é de sobriedade, de simplicidade, de partilha.

Uma segunda coisa importante para quem, como nós, está no seguimento de Jesus é a prioridade que damos em nossa vida a Deus e ao seu Reino. É o primado de Deus. Há uma urgência em viver e anunciar o Reino de Deus. Isso não pode ser deixado para depois. Deus não é o segundo em nossa vida. Não é para quando eu tiver tempo. “Deixe que os mortos enterrem os seus mortos, mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. Morto é quem não encontrou Jesus e renasceu na fé para uma vida nova. Buscar em primeiro lugar o Reino de Deus.

E a terceira coisa importante para quem quer seguir Jesus é a perseverança. Não começar e deixar pelo meio do caminho. Não desistir, não desertar da caminhada. “Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus”.

Diga-me uma coisa: o seu caminho é com Jesus? E sabe que está indo com a ele a Jerusalém? Ótimo. Então, sabe que, como ele, nós vamos sempre enfrentando dificuldades e provações nesta vida. Por isso, três coisas são importantes para esta nossa jornada com o Senhor: despojamento de vida, primado de Deus e perseverança na caminhada.


Pe. João Carlos – 26.06.2016

18 junho 2016

O Cristo de Deus

Mas Jesus perguntou: “E vocês, quem dizem que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus (Lucas 9, 20)

Vamos começar reparando que esse texto está na conclusão do período de atividade de Jesus na Galileia. Essa conversa de Jesus com os discípulos equivale a uma avaliação de todo o seu trabalho feito, desde que retornou do batismo no Jordão. A essa cena, segue-se a cena da transfiguração. E começa a grande viagem de Jesus com o seu grande grupo de discípulos a Jerusalém (Lc 9, 51).  Aí já é outra etapa, em que Jesus se concentra na formação deles.

Na avaliação, Jesus indaga se o povo e eles mesmos, os discípulos, captaram bem a sua mensagem e entenderam a sua pessoa.  São quatro níveis de resposta. “O Senhor é João Batista. O senhor é Elias. O Senhor é um dos profetas antigos que voltou à vida. O Senhor é o Cristo de Deus”. Todas as respostas têm certa dose de verdade. A ação de Jesus é uma forma de dar continuidade ao trabalho de João, interrompido pela perseguição de Herodes.  Elias, que, no passado, tinha feito um trabalhado de restauração da fé de Israel, era aguardado para a obra final: podiam ver isso em Jesus.  E ele agia mesmo com a liberdade e a determinação dos antigos profetas. Mas, os discípulos, representados por Pedro, o tinham compreendido melhor: ele era o Cristo de Deus.

CONVITE PARA O ENCONTRO DOS OUVINTES