PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: transfiguração
Mostrando postagens com marcador transfiguração. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador transfiguração. Mostrar todas as postagens

O pai que sacrificou o filho.

 


   25 de fevereiro de 2024.   

2º Domingo da Quaresma

   Evangelho.   


Mc 9,2-10

Naquele tempo, 2Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. 3Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. 4Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus. 5Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 6Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. 7Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!” 8E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. 9Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos. 10Eles observaram essa ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”.

   Meditação.   


Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Se você for pai ou mãe, vai ter uma sensibilidade especial para entender o evangelho de hoje. Você ama seus filhos. Sacrifica-se por eles. Você os gerou, os alimentou, educa-os cada dia. Você sofre quando algum filho seu está desempregado ou está sendo maltratado por alguém. Você fica muito triste quando seu filho adoece ou está em perigo de vida. Pelos seus filhos, você faz tudo, não é verdade? Deles, você só espera respeito, obediência, amor. 

Deus, o Pai, tem um filho. Um filho gerado antes de todos os tempos. Um filho amado. Tudo que Deus fez, desde a criação do mundo, foi inspirado no seu filho. Homens e mulheres saímos à sua imagem e semelhança. E como nos afastamos dele pelo pecado, Deus enviou o seu filho amado para estar conosco e nos reconduzir à sua amizade. Pela nossa resistência e rejeição, Deus chegou ao ponto de entregar seu filho à morte para nos trazer a vida. Tiramos logo uma conclusão: Deus nos ama demais. E, por nós, não poupou o seu filho amado. Que mistério tão grande!

Na liturgia deste segundo domingo da quaresma, temos duas cenas muito especiais. A primeira é do livro do Gênesis (Gn 22). Abraão vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A sua obediência é fonte de bênçãos para todas as nações. A segunda é do evangelho de Marcos (Mc 9). Deus vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A obediência do filho é fonte de vida e ressurreição para a humanidade. 

No livro do Gênesis, Deus pede a Abraão para sacrificar-lhe o seu filho único, o filho que ele tanto amava, Isaac. Abraão já idoso tinha passado a vida aguardando a promessa de Deus de lhe dar esse filho. Mesmo assim, ele sobe um monte na terra de Moriá, acompanhado do filho e de dois servos para oferecer o sacrifício. A partir de certo ponto, é o seu filho Isaac que carrega a lenha para o sacrifício. E ele até pergunta onde está o carneiro para o holocausto. No monte, Abraão ergue um altar, dispõe a lenha para o fogo, amarra o filho e vai sacrificá-lo com um cutelo. Deus interrompe o sacrifício. Abraão não recusou seu filho único, filho a quem tanto amava. Em seu lugar, foi oferecido um carneiro. O verdadeiro sacrifício foi sua obediência a Deus. Por isso, em sua descendência, todas as nações da terra seriam abençoadas. 

No evangelho, hoje em Marcos, Jesus sobe à montanha, levando consigo três dos seus discípulos. Um dia subirá o monte Calvário. Ele mesmo carregará o madeiro, a cruz. Será desnudo e amarrado para o sacrifício, como Isac. O verdadeiro sacrifício é, antes de tudo, a sua obediência ao Pai. “Cumpra-se antes a tua vontade do que a minha”, rezara no Jardim das Oliveiras, na noite de sua prisão. 

Um pouco antes desse texto, Jesus tinha feito o primeiro anúncio da paixão. Sofreria muito, seria rejeitado e morto, e ressuscitaria ao terceiro dia. No monte da transfiguração, os discípulos têm uma visão da glória de Jesus, quase uma antecipação de sua ressurreição. Eles o veem transfigurado, com vestes muito alvas, conversando com Moisés e Elias. Moisés e Elias são personagens que evocam as Escrituras Sagradas (a Lei e os Profetas). Como na história de Abraão, ali também ouve-se a voz de Deus. O Pai apresenta o filho: “Este é o meu filho amado, escutem o que ele diz”. 

A carta aos Romanos (Rm 8) resume tudo: “Deus não poupou seu próprio filho, mas o entregou por todos nós”. Então, no monte, lembrando-nos da história de Abraão que não recusou seu único e amado filho, contemplamos o Pai que não poupou seu filho, mas o entregou por todos nós. E esta entrega, a do Pai e do Filho, é que nos trazem a vida nova, a reconciliação, a salvação. A ressurreição será o desfecho dessa história de amor e entrega. Em seu nome, será anunciada a salvação a todos os povos (Cf. Lc 24,47)





Guardando a mensagem

Neste domingo, ao lado da transfiguração do Senhor, podemos acolher uma importante revelação sobre o Pai. Por amor, ele não poupou o seu próprio filho, mas o entregou por todos nós. No monte, nós discípulos nos damos conta do alcance redentor do sacrifício do filho, cordeiro de Deus, que nos traz vida e salvação. Contemplando-o transfigurado, nos preparamos para reconhecê-lo na humilhação de sua paixão e cruz. No servo sofredor, desfigurado pela maldade e pela violência dos homens, reconhecemos o Cristo transfigurado em sua ressurreição, habitado plenamente pela glória de Deus. De maneira especial, hoje, acolhemos a recomendação que o Pai está nos fazendo: reconhecer Jesus, como seu filho amado e escutar o seu evangelho. 

Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
em tua transfiguração no monte, contemplamos, de maneira especial, o imenso amor de Deus, teu pai e nosso pai, teu Deus e nosso Deus. Ele não poupou a ti, seu filho amado, mas te entregou em sacrifício por todos nós. No sacrifício de tua cruz, em tua santa obediência, redimiste o mundo do pecado e venceste tudo o que se opõe ao projeto do reino de Deus. Por isso, como escreveu Paulo, na carta aos Filipenses, “ele te exaltou e te deu um nome que está acima de todo nome”. Ele te ressuscitou e te colocou à sua direita. É o Pai que, hoje, está nos convidando a acolher-te, a amar-te, a escutar o teu evangelho. Hoje, te contemplamos na transfiguração, como que antecipando a visão de tua ressurreição. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em nossa caminhada quaresmal, hoje é o 11º. dia. E o passo de hoje pode muito bem ser este: Amar o nosso Deus e Pai. Ele entregou seu filho amado em sacrifício para que vivêssemos reconciliados com ele e entre nós. E, com diz Paulo na carta aos romanos, “se Deus é por nós, quem será contra nós?”

Comunicando

Peço-lhe uma Ave-Maria, pedindo a proteção da Virgem sobre o evento que vamos realizar hoje à tarde: o Show de lançamento do meu novo álbum musical. Seja tudo para a glória de Deus e o bem espiritual do seu povo. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O 12° passo de nossa caminhada quaresmal: ler o Evangelho de cada dia




05 de março de 2023

2º Domingo da Quaresma


EVANGELHO


Mt 17,1-9

Naquele tempo, 1Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os levou a um lugar à parte, sobre uma alta montanha. 2E foi transfigurado diante deles; o seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz. 3Nisto apareceram-lhe Moisés e Elias, conversando com Jesus.
4Então Pedro tomou a palavra e disse: “Senhor, é bom ficarmos aqui. Se queres, vou fazer aqui três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 5Pedro ainda estava falando, quando uma nuvem luminosa os cobriu com sua sombra. E da nuvem uma voz dizia: “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo o meu agrado. Escutai-o!”
6Quando ouviram isto, os discípulos ficaram muito assustados e caíram com o rosto em terra. 7Jesus se aproximou, tocou neles e disse: “Levantai-vos e não tenhais medo”.
8Os discípulos ergueram os olhos e não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus. 9Quando desciam da montanha, Jesus ordenou-lhes: “Não conteis a ninguém esta visão até que o Filho do Homem tenha ressuscitado dos mortos”.



MEDITAÇÃO

Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo o meu agrado. Escutem-no! (Mt 17, 4)

Chegamos ao segundo domingo da Quaresma. Este é o domingo da transfiguração. Neste ano, lemos essa surpreendente cena no evangelho de São Mateus.

Jesus subiu a um alto monte com três dos seus discípulos, Pedro, Tiago e João. Lá, no alto da montanha, em oração, Jesus foi transfigurado. Os discípulos o viram com o rosto brilhando e as roupas alvas como luz. Viram também Moisés e Elias conversando com ele. E ouviram a voz de Deus recomendando que escutassem Jesus, o seu filho amado. Os discípulos ficaram muito assustados. Jesus encontrou-se sozinho e os tranquilizou.

Desde o começo da Quaresma, você ouviu falar que este tempo é como um grande retiro para o Povo de Deus, com uma subida de 40 degraus, até a semana santa e o tríduo pascal. Dos 40 dias da Quaresma, este é o 12º dia. E, como você vem acompanhando a Meditação da Palavra de Deus, tem percebido que a cada dia, o Senhor vem nos oferecendo lições, ensinamentos, propostas de crescimento.

Na mensagem que o Papa Francisco escreveu para a Quaresma deste ano tem uma palavra que lhe interessa, de maneira especial. Escute bem: “A Quaresma é tempo de graça na medida em que nos pusermos à escuta d’Ele, que nos fala. E como nos fala Ele? Antes de mais nada na Palavra de Deus, que a Igreja nos oferece na Liturgia: não a deixemos cair em saco furado; se não pudermos participar sempre na Missa, ao menos leiamos as Leituras bíblicas de cada dia valendo-nos até da ajuda da internet”. Viu só? A Quaresma é tempo de graça na medida em escutarmos a voz de Deus, particularmente nas Escrituras que a Igreja nos oferece a cada dia. Foi o que os discípulos ouviram no alto do monte: “Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo o meu agrado. Escutem-no!” (Mt 17, 4). Neste sentido, tenho que agradecer a você o seu esforço de todo dia, nesta Quaresma, estar acompanhando a Meditação da Palavra e lendo o Evangelho do dia.

O Papa Francisco, com sua sabedoria de pastor do povo de Deus, explicou, em sua mensagem, que a Quaresma se parece com a subida de Jesus e dos três discípulos àquela montanha. Quando se sobe uma montanha, muitas dificuldades aparecem: obstáculos no caminho, o cansaço, o desânimo, o medo do que vem pela frente. Lendo a mensagem do Papa, pensei logo nas dificuldades que muitos relatam: a distração, a falta de tempo, a falta de ritmo, a preguiça, o sentimento de que nada vai mudar na sua vida, a sensação de que esse caminho seja para meia dúzia de gente muita santa. Os discípulos que subiram com Jesus também tinham suas dificuldades: não estavam aceitando o caminho de Jesus que passava pela paixão e pela cruz, não estavam entendendo bem a proposta de Jesus, estavam confusos, estavam com medo.

Apesar das dificuldades, os discípulos chegaram até o topo da montanha. Chegaram, claro, com Jesus. E chegaram juntos. É assim a Quaresma, é assim a vida cristã. Subimos com Jesus, subimos em grupo, em comunidade, como Igreja. No alto do monte, nos está reservada uma experiência única. Quando se sobe uma montanha e se chega no alto, a sensação é maravilhosa: o clima ameno, a beleza da paisagem, a alegria de se ter superado tantos obstáculos. A subida da Quaresma nos leva à Páscoa. Esse é o topo da montanha: a celebração dos mistérios da morte e ressurreição do Senhor, nossa vitória em Cristo sobre o pecado, o mal e a morte.




Guardando a mensagem

A Quaresma é como a subida dos discípulos com Jesus à montanha da transfiguração. Em oração, no topo da montanha, eles viram a glória de Jesus (mesmo antes de sua ressurreição). Reconheceram nele o cumprimento das promessas da Lei (Moisés) e dos Profetas (Elias). Acolheram o convite do Pai que lhes recomendou que escutassem Jesus. Na Quaresma, estamos subindo a montanha, com nossos limites e dificuldades, como os três discípulos. Como eles, vamos entendendo, aos poucos, que o caminho de Jesus passa pela paixão e pela morte e vamos com ele. Assim, chegaremos com ele à glória da ressurreição. Nesse sentido, nossa vida é uma grande quaresma, uma permanente subida na direção do encontro glorioso com Deus. O convite de Jesus aos discípulos foi para que se levantassem, não tivessem medo e descessem a montanha, com ele. O encontro com o Senhor ressuscitado nos anima a viver o dia-a-dia, ainda que difícil e complicado, com esperança, com destemor, com alegria. Mesmo no meio de lutas e dificuldades, sabemos: já estamos vitoriosos com ele.

Este é o meu Filho amado, no qual eu pus todo o meu agrado. Escutem-no! (Mt 17, 4)

Rezando a Palavra

Senhor Jesus,
somos os teus discípulos, subindo contigo a alta montanha. Subir é a tarefa de nossa existência. Subir é enfrentar as dificuldades do dia-a-dia, em tua companhia e na companhia dos irmãos e irmãs que sobem conosco. Subir é o que fez Abraão (Gn 12): partiu, apesar de todos os limites e dificuldades. Partiu para uma terra desconhecida, atendendo ao convite de Deus. Subir é não se deixar paralisar pelo medo, pela preguiça ou por rumores do maligno ou voltar do caminho, abandonando o Mestre. Como disse Paulo (2 Tm ): “Sofre comigo pelo Evangelho, fortificado pelo poder de Deus”. Senhor, que a celebração deste Domingo da Transfiguração nos ensine a subir com perseverança, a viver com esperança, a alegrar o nosso coração no encontro com tua glória, celebrado na Santa Missa onde fazemos memória de tua morte e de tua ressurreição. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a Palavra

Em sua mensagem, o Papa Francisco deu a dica para o 12º passo de nossa caminhada quaresmal: Ler o evangelho de cada dia. O melhor é que seja em sua própria Bíblia, mas você o encontra também junto com o texto da Meditação no seu celular. Junto com a Meditação de hoje, está também a Mensagem do Papa para a Quaresma, para o caso de você querer dar uma olhada.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb




MENSAGEM DO PAPA FRANCISCO
PARA A QUARESMA DE 2023

Ascese quaresmal, itinerário sinodal

 

Queridos irmãos e irmãs!

Os Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas coincidem em narrar o episódio da Transfiguração de Jesus. Neste acontecimento, vemos a resposta do Senhor a uma falta de compreensão manifestada pelos seus discípulos. De facto, pouco antes, registara-se uma verdadeira divergência entre o Mestre e Simão Pedro; este começara professando a sua fé em Jesus como Cristo, o Filho de Deus, mas em seguida rejeitara o seu anúncio da paixão e da cruz. E Jesus censurara-o asperamente: «Afasta-te, satanás! Tu és para Mim um estorvo, porque os teus pensamentos não são os de Deus, mas os dos homens» (Mt 16, 23). Por isso, «seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e seu irmão João, e levou-os, só a eles, a um alto monte» (Mt 17, 1).

O evangelho da Transfiguração é proclamado, cada ano, no II Domingo da Quaresma. Realmente, neste tempo litúrgico, o Senhor toma-nos consigo e conduz-nos à parte. Embora os nossos compromissos ordinários nos peçam para permanecer nos lugares habituais, transcorrendo uma vida quotidiana frequentemente repetitiva e por vezes enfadonha, na Quaresma somos convidados a subir «a um alto monte» juntamente com Jesus, para viver com o Povo santo de Deus uma particular experiência de ascese.

A ascese quaresmal é um empenho, sempre animado pela graça, no sentido de superar as nossas faltas de fé e as resistências em seguir Jesus pelo caminho da cruz. Aquilo precisamente de que Pedro e os outros discípulos tinham necessidade. Para aprofundar o nosso conhecimento do Mestre, para compreender e acolher profundamente o mistério da salvação divina, realizada no dom total de si mesmo por amor, é preciso deixar-se conduzir por Ele à parte e ao alto, rompendo com a mediocridade e as vaidades. É preciso pôr-se a caminho, um caminho em subida, que requer esforço, sacrifício e concentração, como uma excursão na montanha. Estes requisitos são importantes também para o caminho sinodal, que nos comprometemos, como Igreja, a realizar. Far-nos-á bem refletir sobre esta relação que existe entre a ascese quaresmal e a experiência sinodal.

Para o «retiro» no Monte Tabor, Jesus leva consigo três discípulos, escolhidos para serem testemunhas dum acontecimento singular; Ele deseja que aquela experiência de graça não seja vivida solitariamente, mas de forma compartilhada, como é aliás toda a nossa vida de fé. A Jesus, seguimo-Lo juntos; e juntos, como Igreja peregrina no tempo, vivemos o Ano Litúrgico e, nele, a Quaresma, caminhando com aqueles que o Senhor colocou ao nosso lado como companheiros de viagem. À semelhança da subida de Jesus e dos discípulos ao Monte Tabor, podemos dizer que o nosso caminho quaresmal é «sinodal», porque o percorremos juntos pelo mesmo caminho, discípulos do único Mestre. Mais ainda, sabemos que Ele próprio é o Caminho e, por conseguinte, tanto no itinerário litúrgico como no do Sínodo, a Igreja não faz outra coisa senão entrar cada vez mais profunda e plenamente no mistério de Cristo Salvador.

E chegamos ao momento culminante. O Evangelho narra que Jesus «Se transfigurou diante deles: o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz» (Mt 17, 2). Aqui aparece o «cimo», a meta do caminho. No final da subida e enquanto estão no alto do monte com Jesus, os três discípulos recebem a graça de O verem na sua glória, resplandecente de luz sobrenatural, que não vinha de fora, mas irradiava d’Ele mesmo. A beleza divina desta visão mostrou-se incomparavelmente superior a qualquer cansaço que os discípulos pudessem ter sentido quando subiam ao Tabor. Como toda a esforçada excursão de montanha, ao subir, é preciso manter os olhos bem fixos na vereda; mas o panorama que se deslumbra no final surpreende e compensa pela sua maravilha. Com frequência também o processo sinodal se apresenta árduo e por vezes podemos até desanimar; mas aquilo que nos espera no final é algo, sem dúvida, maravilhoso e surpreendente, que nos ajudará a compreender melhor a vontade de Deus e a nossa missão ao serviço do seu Reino.

A experiência dos discípulos no monte Tabor torna-se ainda mais enriquecedora quando, ao lado de Jesus transfigurado, aparecem Moisés e Elias, que personificam respetivamente a Lei e os Profetas (cf. Mt 17, 3). A novidade de Cristo é cumprimento da antiga Aliança e das promessas; é inseparável da história de Deus com o seu povo, e revela o seu sentido profundo. De forma análoga, o caminho sinodal está radicado na tradição da Igreja e, ao mesmo tempo, aberto para a novidade. A tradição é fonte de inspiração para procurar estradas novas, evitando as contrapostas tentações do imobilismo e da experimentação improvisada.

O caminho ascético quaresmal e, de modo semelhante, o sinodal, têm como meta uma transfiguração, pessoal e eclesial. Uma transformação que, em ambos os casos, encontra o seu modelo na de Jesus e realiza-se pela graça do seu mistério pascal. Para que, neste ano, se possa realizar em nós tal transfiguração, quero propor duas «veredas» que é necessário percorrer para subir juntamente com Jesus e chegar com Ele à meta.

A primeira diz respeito à ordem que Deus Pai dirige aos discípulos no Tabor, enquanto estão a contemplar Jesus transfigurado. A voz da nuvem diz: «Escutai-O» (Mt 17, 5). Assim a primeira indicação é muito clara: escutar Jesus. A Quaresma é tempo de graça na medida em que nos pusermos à escuta d’Ele, que nos fala. E como nos fala Ele? Antes de mais nada na Palavra de Deus, que a Igreja nos oferece na Liturgia: não a deixemos cair em saco roto; se não podermos participar sempre na Missa, ao menos leiamos as Leituras bíblicas de cada dia valendo-nos até da ajuda da internet. Além da Sagrada Escritura, o Senhor fala-nos nos irmãos, sobretudo nos rostos e vicissitudes daqueles que precisam de ajuda. Mas quero acrescentar ainda outro aspeto, muito importante no processo sinodal: a escuta de Cristo passa também através da escuta dos irmãos e irmãs na Igreja; nalgumas fases, esta escuta recíproca é o objetivo principal, mas permanece sempre indispensável no método e estilo duma Igreja sinodal.

Ao ouvir a voz do Pai, «os discípulos caíram com a face por terra, muito assustados. Aproximando-Se deles, Jesus tocou-lhes dizendo: “Levantai-vos e não tenhais medo”. Erguendo os olhos, os discípulos apenas viram Jesus e mais ninguém» (Mt 17, 6-8). E aqui temos a segunda indicação para esta Quaresma: não refugiar-se numa religiosidade feita de acontecimentos extraordinários, de sugestivas experiências, levados pelo medo de encarar a realidade com as suas fadigas diárias, as suas durezas e contradições. A luz que Jesus mostra aos seus discípulos é uma antecipação da glória pascal, e é rumo a esta que se torna necessário caminhar seguindo «apenas Jesus e mais ninguém». A Quaresma orienta-se para a Páscoa: o «retiro» não é um fim em si mesmo, mas prepara-nos para viver – com fé, esperança e amor – a paixão e a cruz, a fim de chegarmos à ressurreição. Também o percurso sinodal não nos deve iludir quanto ao termo de chegada, que não é quando Deus nos dá a graça de algumas experiências fortes de comunhão, pois aí o Senho também nos repete: «Levantai-vos e não tenhais medo». Desçamos à planície e que a graça experimentada nos sustente para sermos artesãos de sinodalidade na vida ordinária das nossas comunidades.

Queridos irmãos e irmãs, que o Espírito Santo nos anime nesta Quaresma na subida com Jesus, para fazermos experiência do seu esplendor divino e assim, fortalecidos na fé, prosseguirmos o caminho com Ele, glória do seu povo e luz das nações.

Roma – São João de Latrão, na Festa da Conversão de São Paulo, 25 de janeiro de 2023.

FRANCISCO

A ORAÇÃO É O NOSSO ENCONTRO COM A GLÓRIA DE DEUS



06 de agosto de 2021

Festa da Transfiguração do Senhor

EVANGELHO


Mc 9,2-10

Naquele tempo, 2Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. 3Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. 4Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus. 5Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 6Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. 7Então desceu uma nuvem e os encobriu com uma sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu filho amado. Escutai o que ele diz!” 8E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. 9Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos. 10Eles observaram esta ordem, mas comentavam entre si, o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”.

MEDITAÇÃO


E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)

Você já subiu uma montanha? Bom, pelo menos um monte mais alto já, não é verdade.

A montanha é um símbolo do encontro com Deus. O homem busca Deus, como que subindo uma montanha. Quando chega ao ponto mais alto, tem uma visão deslumbrante. Nem lembra mais do cansaço da subida. É, em certa medida, um momento de transfiguração, de êxtase, de encantamento. Veja que em cima dos montes tem sempre uma igreja construída ou, pelo menos, um cruzeiro. Já reparou isso? A montanha é o lugar simbólico do encontro com Deus.

Na Bíblia, há também essa identificação da montanha com o fascinante encontro com Deus. Moisés, por exemplo, falou com Deus no monte Sinai. Houve lá o episódio da Sarça Ardente. Mas, também a entrega da Lei nas tábuas de pedra. No Monte Horeb (que é o mesmo Monte Sinai), também Elias falou com Deus. No monte Carmelo, o mesmo Elias desafiou centenas de sacerdotes pagãos. Ali, Deus mostrou quem era o Deus verdadeiro. A montanha é o lugar da manifestação de Deus. No Sinai, eram tantos relâmpagos e trovões que o povo lá em baixo quase morre de medo. Moisés desceu de lá com o rosto brilhando.

No evangelho da Transfiguração, lido, hoje, em Marcos, capítulo 9, está contado que Jesus subiu à montanha com Pedro, Tiago e João, três dos seus discípulos. Lá, eles tiveram uma experiência maravilhosa da manifestação de Jesus em sua condição gloriosa. E o que aconteceu na montanha? Ali, houve um profundo encontro com Deus, um momento de revelação da pessoa de Jesus. Jesus foi transfigurado diante deles, ficou com o rosto e as roupas brilhantes. E apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Depois, uma nuvem os cobriu e ouviram a voz de Deus: “Este é o meu filho amado, no qual pus todo o meu afeto. Ouçam-no!".

Subir a montanha é o que nós fazemos na Oração. No momento em que entramos profundamente na comunhão com Deus é como se nós chegássemos ao topo da montanha. Ali, podemos viver uma maravilhosa experiência com Deus. E quem pode nos conduzir assim à oração profunda e verdadeira? O acesso, o caminho já foi aberto por Jesus. E o Espírito Santo de Deus é quem nos conduz ao topo da montanha. Mas, ele conta com nossa docilidade, com nosso esforço em rezar com simplicidade e profundidade. Ficando só na superficialidade, rezando da boca pra fora, distraindo-nos com tudo ao nosso redor, dificilmente subimos à montanha. Ficamos no meio do caminho, não concluímos a subida. Quando alcançamos o topo, rezando de verdade, tudo se torna luminoso, nosso interior se enche de paz e de santa alegria. Ali, Deus nos fala, como pai. Ele nos aponta Jesus como nosso caminho, nos dá direção, discernimento, conforto. Ficamos até com a tentação de permanecer naquela situação, como os três apóstolos que queriam montar tendas para se fixarem por ali.

Depois da experiência lá no topo, precisamos descer a montanha, voltar à normalidade de nossa vida. Mas, voltamos reabastecidos, reanimados. O encontro com Jesus ressuscitado dá novo ânimo à nossa existência e às nossas lutas.

Guardando a mensagem

A montanha é uma imagem da experiência com Deus. Nesse encontro, fundamentalmente o Pai nos apresenta Jesus, seu filho amado. E faz isso, de maneira especial, através de sua Palavra. A Palavra de Deus, na visão dos três apóstolos na montanha, está representada por Moisés e Elias. O povo de Deus dava aos escritos sagrados o título de “Moisés e os Profetas”. Moisés representa a Lei, boa parte das Escrituras Sagradas. Elias representa os profetas, a outra parte das Escrituras. É a Palavra de Deus anunciada e compreendida que nos abre ao conhecimento da Pessoa de Jesus. Deus nos revela Jesus, de maneira especial, por meio de sua Palavra. O Espírito Santo é quem nos leva a compreender a Palavra e a estar em comunhão com Deus. Sem o Espírito Santo, não há oração verdadeira, não se sobe a montanha.

E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Subir à montanha é procurar o encontro com Deus pela oração. É na oração que o Pai nos revela quem és tu, Senhor. Ele nos diz que tu és o seu filho amado, aquele que ele enviou para nossa salvação. Na verdadeira oração, quando também escutamos e deixamos espaço para a palavra de Deus, o Pai nos revela quem somos nós, seus filhos amados. A oração é o lugar da tua transfiguração. E da nossa também. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Reserve, hoje, um pouco mais de tempo para seu momento de oração. Na sua vida cristã, este momento pessoal de oração precisa ser diário. Na oração, encontramos forças para prosseguir o caminho da vida, com alegria e esperança.

Você conseguiu baixar o aplicativo da Rádio Amanhecer no seu celular? Na postagem de ontem, eu lhe enviei o link. Dê uma olhada. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

AMOR AO NOSSO DEUS E PAI



28 de Fevereiro de 2021

EVANGELHO


Mc 9,2-10

Naquele tempo, 2Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à parte sobre uma alta montanha. E transfigurou-se diante deles. 3Suas roupas ficaram brilhantes e tão brancas como nenhuma lavadeira sobre a terra poderia alvejar. 4Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus. 5Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mestre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. 6Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com muito medo. 7Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai o que ele diz!” 8E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. 9Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos. 10Eles observaram essa ordem, mas comentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”.

MEDITAÇÃO


Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Se você for pai ou mãe, vai ter uma sensibilidade especial para entender o evangelho de hoje. Você ama seus filhos. Sacrifica-se por eles. Você os gerou, os alimentou, educa-os cada dia. Você sofre quando algum filho seu está desempregado ou está sendo maltratado por alguém. Você fica muito triste quando seu filho adoece ou está em perigo de vida. Pelos seus filhos, você faz tudo, não é verdade? Deles, você só espera respeito, obediência, amor. 

Deus, o Pai, tem um filho. Um filho gerado antes de todos os tempos. Um filho amado. Tudo que Deus fez, desde a criação do mundo, foi inspirado no seu filho. Homens e mulheres saímos à sua imagem e semelhança. E como nos afastamos dele pelo pecado, Deus enviou o seu filho amado para estar conosco e nos reconduzir à sua amizade. Pela nossa resistência e rejeição, Deus chegou ao ponto de entregar seu filho à morte para nos trazer a vida. Tiramos logo uma conclusão: Deus nos ama demais. E, por nós, não poupou o seu filho amado. Que mistério tão grande!

Na liturgia deste segundo domingo da quaresma, temos duas cenas muito especiais. A primeira é do livro do Gênesis (Gn 22). Abraão vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A sua obediência é fonte de bênçãos para todas as nações. A segunda é do evangelho de Marcos (Mc 9). Deus vai oferecer o seu filho único, em sacrifício. A obediência do filho é fonte de vida e ressurreição para a humanidade. 

No livro do Gênesis, Deus pede a Abraão para sacrificar-lhe o seu filho único, o filho que ele tanto amava, Isaac. Abraão já idoso tinha passado a vida aguardando a promessa de Deus de lhe dar esse filho. Mesmo assim, ele sobe um monte na terra de Moriá, acompanhado do filho e de dois servos para oferecer o sacrifício. A partir de certo ponto, é o seu filho Isaac que carrega a lenha para o sacrifício. E ele até pergunta onde está o carneiro para o holocausto. No monte, Abraão ergue um altar, dispõe a lenha para o fogo, amarra o filho e vai sacrificá-lo com um cutelo. Deus interrompe o sacrifício. Abraão não recusou seu filho único, filho a quem tanto amava. Em seu lugar, foi oferecido um carneiro. O verdadeiro sacrifício foi sua obediência a Deus. Por isso, em sua descendência, todas as nações da terra seriam abençoadas. 

No evangelho, hoje em Marcos, Jesus sobe à montanha, levando consigo três dos seus discípulos. Um dia subirá o monte Calvário. Ele mesmo carregará o madeiro, a cruz. Será desnudo e amarrado para o sacrifício, como Isac. O verdadeiro sacrifício é, antes de tudo, a sua obediência ao Pai. “Cumpra-se antes a tua vontade do que a minha”, rezara no Jardim das Oliveiras, na noite de sua prisão. 

Um pouco antes desse texto, Jesus tinha feito o primeiro anúncio da paixão. Sofreria muito, seria rejeitado e morto, e ressuscitaria ao terceiro dia. No monte da transfiguração, os discípulos têm uma visão da glória de Jesus, quase uma antecipação de sua ressurreição. Eles o veem transfigurado, com vestes muito alvas, conversando com Moisés e Elias. Moisés e Elias são personagens que evocam as Escrituras Sagradas (a Lei e os Profetas). Como na história de Abraão, ali também ouve-se a voz de Deus. O Pai apresenta o filho: “Este é o meu filho amado, escutem o que ele diz”. 

A carta aos Romanos (Rm 8) resume tudo: “Deus não poupou seu próprio filho, mas o entregou por todos nós”. Então, no monte, lembrando-nos da história de Abraão que não recusou seu único e amado filho, contemplamos o Pai que não poupou seu filho, mas o entregou por todos nós. E esta entrega, a do Pai e do Filho, é que nos trazem a vida nova, a reconciliação, a salvação. A ressurreição será o desfecho dessa história de amor e entrega. Em seu nome, será anunciada a salvação a todos os povos (Cf. Lc 24,47)

Guardando a mensagem

Neste domingo, ao lado da transfiguração do Senhor, podemos acolher uma importante revelação sobre o Pai. Por amor, ele não poupou o seu próprio filho, mas o entregou por todos nós. No monte, nós discípulos nos damos conta do alcance redentor do sacrifício do filho, cordeiro de Deus, que nos traz vida e salvação. Contemplando-o transfigurado, nos preparamos para reconhecê-lo na humilhação de sua paixão e cruz. No servo sofredor, desfigurado pela maldade e pela violência dos homens, reconhecemos o Cristo transfigurado em sua ressurreição, habitado plenamente pela glória de Deus. De maneira especial, hoje, acolhemos a recomendação que o Pai está nos fazendo: reconhecer Jesus, como seu filho amado e escutar o seu evangelho. 

Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutem o que ele diz!” (Mc 9, 7)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
Em tua transfiguração no monte, contemplamos, de maneira especial, o imenso amor de Deus, teu pai e nosso pai, teu Deus e nosso Deus. Ele não poupou a ti, seu filho amado, mas te entregou em sacrifício por todos nós. No sacrifício de tua cruz, em tua santa obediência, redimiste o mundo do pecado e venceste tudo o que se opõe ao projeto do reino de Deus. Por isso, como escreveu Paulo, na carta aos Filipenses, “ele te exaltou e te deu um nome que está acima de todo nome”. Ele te ressuscitou e te colocou à sua direita. É o Pai que, hoje, está nos convidando a acolher-te, a amar-te, a escutar o teu evangelho. Hoje, te contemplamos na transfiguração, como que antecipando a visão de tua ressurreição. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em nossa caminhada quaresmal, hoje é o 11º. dia. E o passo de hoje pode muito bem ser este: Amar o nosso Deus e Pai. Ele entregou seu filho amado em sacrifício para que vivêssemos reconciliados com ele e entre nós. E, com diaz Paulo na carta aos romanos, “se Deus é por nós, quem será contra nós?”

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

AS QUATRO REVELAÇÕES

E Jesus foi transfigurado diante deles. O seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz (Mt 17, 2)
08 de março de 2020
Talvez você já tenha passado por isso. Você viajou com aquela pessoa ou a encontrou em algum lugar, mas não se deu conta quem realmente era, ou melhor, quão especial e socialmente importante era aquela pessoa. Já lhe aconteceu algo parecido? Podemos falar isso de pessoas prestigiadas, mas também de pessoas com quem a gente convive no dia-a-dia. Nem sempre, nos damos conta da grandeza moral daquele colega de trabalho, daquela liderança com quem convivemos ou até daquele pai ou mãe que temos. Um dia, mais tarde, ou já tarde, podemos, com surpresa, descobrir quão grande era aquela pessoa.
Os discípulos de Jesus andavam com ele. Conversavam, comiam, rezavam com ele. E, naquele momento, estavam sentindo o clima tenso ao redor dele. E ele mesmo falando em sofrimento, em morte. Eles estavam ficando tristes e apreensivos. Não estamos entendendo as coisas. Quem realmente é ele, o que ele quer? Um dia, alguns deles fizeram uma experiência muito especial: foram rezar com Jesus, na montanha, e o viram transfigurado, iluminado. Ficaram maravilhados. Foi como se de repente o véu caísse e eles vissem quem realmente era o Mestre que eles seguiam. Foi um momento de revelação, que encheu os seus corações de alegria e de júbilo.
A liturgia desse segundo domingo da Quaresma quer nos levar à montanha, para estar em oração com Jesus. E contando a cena da transfiguração, quer que também nós nos maravilhemos com a revelação de quem é Jesus. Nós o seguimos, nos batizamos em seu nome, nós o invocamos na oração, comungamos com ele... ele é alguém com quem convivemos, a quem queremos bem. Mas, talvez estejamos precisando dessa experiência da oração da montanha para contemplá-lo em toda a sua grandeza, em toda a sua glória.
A narração do evangelista de hoje, São Mateus, está construída sobre as histórias da revelação de Deus no monte Sinai. Lá, no livro do Êxodo, capítulo 19, Moisés sobe a montanha do Sinai acompanhado de algumas lideranças. Vai encontrar Deus e receber dele a Lei para o seu povo.  Como Moisés, Jesus sobe a montanha, com três discípulos. É a primeira revelação: JESUS É O NOVO MOISÉS, O LEGISLADOR DO REINO DE DEUS.
Na história do Sinai, quando Moisés desceu da montanha, estava com o rosto todo iluminado, o povo nem conseguia fita-lo. Os discípulos veem Jesus transfigurado, o rosto como sol, as roupas iluminadas. E ele conversando com Moisés e Elias. Estes dois homens de Deus de séculos passados eram tidos como representantes das Escrituras do antigo povo de Deus, que as descreviam como a Lei e os Profetas. A Palavra da Deus ilumina a pessoa de Jesus, nos diz quem é ele. É a segunda revelação: JESUS É O ENVIADO DE DEUS, O PROMETIDO NAS ESCRITURAS.
No Sinai, Deus falava a Moisés do meio de uma nuvem. Os discípulos viram-se no meio de uma nuvem e ouviram a voz de Deus: Este é o meu filho amado. Escutem-no! Deus mesmo lhes diz quem é Jesus. É a terceira revelação: JESUS É O FILHO AMADO DE DEUS. Ele o deu para nossa salvação.
O povo antigo recebeu a Lei de Deus na Montanha do Sinai. Todo dia, na oração em que recitavam os 10 mandamentos, o povo de Deus começava com as palavras “Shemá, Israel... Ouve, Israel”. Deus diz aos discípulos que ouçam Jesus. Escutem-no! É a quarta revelação: JESUS NÃO É SÓ PORTADOR DE UMA MENSAGEM DE DEUS, ELE É A PRÓPRIA PALAVRA DE DEUS. Precisamos escutá-lo. São João escreveu, no seu evangelho, que ele era o verbo, a palavra, que se fez carne.
Guardando a mensagem
Na montanha, em oração, os três discípulos receberam uma revelação sobre quem é Jesus: Ele é o novo Moisés, que nos trouxe a Lei de Deus; Ele é o enviado, o prometido das Escrituras; Ele é o Filho amado de Deus; Ele é a própria palavra do Senhor, a comunicação perfeita de Deus a nós. Diante dessa revelação divina sobre quem é Jesus, aos discípulos cabe acolhê-lo, ouvi-lo, segui-lo. Esse momento de céu foi uma força para os discípulos que estavam apreensivos com o clima que precedeu a paixão de Jesus. A orientação que receberam foi de não contar nada a ninguém, até ele ressuscitasse dos mortos. A ressurreição é a condição divina, gloriosa, vitoriosa de Jesus, o filho de Deus, sobre o pecado, o mal e a morte.  
E Jesus foi transfigurado diante deles. O seu rosto brilhou como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz (Mt 17, 2)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Nesta caminhada de Quaresma, temos a oportunidade de tomar contato com este belo testemunho sobre a tua pessoa. Tu és o novo Moisés. Como ele, edificas o povo de Deus sobre o evangelho do Reino. Tu és o Messias, o enviado, a realização das promessas de Deus nas Escrituras. Tu és o filho de Deus, filho amado que o Pai enviou ao mundo para nossa salvação. Tu és a própria comunicação de Deus às suas criaturas e aos seus filhos. Dá-nos, Senhor, a graça de verdadeiramente nos deixar maravilhar por esta revelação de tua pessoa. Que pela graça do teu Santo Espírito, esse conhecimento da fé encha nossa vida de sentido e de alegria, para enfrentarmos o dia-a-dia com um novo olhar, com nova disposição. Hoje, te pedimos, Senhor, uma bênção bem especial para todas as mulheres, na passagem do Dia Internacional da Mulher. Em todas, brilhe sempre mais a dignidade de serem tuas filhas, em igualdade de direitos com os teus filhos homens. Dá-nos a graça de fortalecer uma cultura que impeça a injustiça, a desigualdade e a violência contra as mulheres.  Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Jesus pode ser uma pessoa com quem você fala todo dia e não se dá conta de sua grandeza, de sua identidade divina. Contemple Jesus na cruz e fique imaginando esta cena da transfiguração.
08 de março de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro

HORA DE ACENDER A LUZ


Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante (Lc 9, 29)

17 de março de 2019.

Foi uma semana de muitos sustos, não foi? O massacre na escola de Suzano, na quarta. O atentado contra comunidades muçulmanas, na Nova Zelândia na sexta. E as preocupações com a reforma da previdência e outras coisinhas...  Um tempo difícil pra se viver. Cresce a violência, cresce a insegurança.

No meio de tudo isso, estamos nós, com a nossa luta diária e o nosso corre-corre. Todas as crises desse tempo – na família, na igreja, na escola, no estado – mexem com a gente. Sentimos que fazemos parte do problema e, esperemos, da solução também. O que será que a fé dos cristãos tem a dizer num momento  como este?  E será que podemos ou devemos fazer alguma coisa, no meio dessa situação?

Vamos ver se o evangelho de hoje nos ajuda a pensar mais em tudo isso. Claro, a Palavra de Deus é uma luz para iluminar o nosso caminho, a nossa realidade. Não conta apenas uma história antiga, mas nos ajuda a perceber a presença e a ação de Deus hoje, em nossa história.

Jesus subiu ao monte, para rezar. E foram três discípulos com ele: Pedro, Tiago e João. Em oração, as feições de Jesus se iluminaram, suas vestes ficaram muito brancas e brilhantes. E apareceram, conversando com ele, dois personagens do Antigo Testamento, Moisés e Elias. Os discípulos estavam sonolentos e acabaram dormindo. Ao despertar, viram aquela beleza toda. Pedro teve uma ideia: fazer três tendas para Jesus e seus dois amigos, para ficarem por ali mesmo, no alto da montanha. Foi chegando uma nuvem e eles terminaram dentro dela, cheios de medo. Ouviu-se, então, uma voz: “Este é o meu filho, o escolhido. Escutem o que ele diz”. Nisso, Jesus ficou só. E eles ficaram calados, e, depois, não disseram nada a ninguém daquilo tudo.

Um pouco antes dessa cena, Jesus tinha feito o primeiro anúncio de sua paixão. E tinha avisado que quem quisesse segui-lo precisava também tomar sua cruz. Os discípulos estavam meio assustados com tudo isso. No monte, acompanhando Jesus em sua oração, eles fazem experiência de sua glória.  Eles o vêm luminoso. É uma revelação sobre a pessoa de Jesus e seu caminho.  Moisés e Elias, conforme escreveu o evangelista Lucas, estavam conversando com Jesus sobre o seu êxodo, isto é, sobre sua passagem pela morte, sua volta ao Pai. Em Jerusalém se cumpririam a paixão, a ressurreição e a ascensão de Jesus ao céu. Esse é o êxodo de Jesus, a sua passagem libertadora ao Pai. A nuvem é um sinal bíblico da presença de Deus, como no monte Sinai. A nuvem os cobriu. Eles ouvem a voz de Deus, apresentando o seu filho, o Messias; e recomendando que o escutem. Numa palavra, os discípulos, no monte, em oração com Jesus, o reconhecem em sua glória: as Escrituras Sagradas, representadas por Moisés e Elias, explicam o sentido de sua vida, de sua paixão e anunciam a sua vitória; o próprio Deus o revela como Filho e Messias. A eles, cabe agora escutá-lo, crer nele, segui-lo.

Toda essa experiência maravilhosa que eles viveram no monte serviria para iluminar sua vida e seu seguimento de Jesus, mesmo em tempos difíceis, como os que estavam chegando, o da paixão. Eles, infelizmente, não assimilaram logo essa linda experiência. No começo, enquanto Jesus está em oração, eles estão com sono, cochilando, dormindo. Depois dentro da nuvem, eles sentem muito medo. O texto termina dizendo que eles ficaram calados, naqueles dias não contaram a ninguém o acontecido. Foi assim que enfrentaram os dias turbulentos da paixão: meio entorpecidos, com medo e silenciosos. Mas, com a vinda do Espírito Santo, tornaram-se testemunhas destemidas de Jesus.

Guardando a mensagem

Vivemos dias turbulentos. O nosso mundo vive uma grande crise. É um período de mudanças e desencontros. E todos estamos meio atordoados e temerosos. É assim que nos apresentamos em nossa oração com Cristo, em nossas celebrações: sonolentos, temerosos, calados. Sonolentos, porque não estamos em estado de vigília como Jesus pediu, não estamos suficientemente despertos, ativos, informados. Temerosos, porque não sabemos como agir nesse momento e ficamos com medo do futuro. Calados, porque não estamos proclamando a mensagem de esperança que vem de nossa fé em Jesus. No monte, os discípulos fazem uma profunda experiência, em oração. Jesus, o filho de Deus, o escolhido, vai sofrer um bocado e enfrentar a morte na cruz, mas esse seu caminho está alicerçado na história de fé do povo bíblico, por ele alcançará vitória completa. Deus, o Pai, está com ele e confirma o seu caminho.

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
No meio de suas dificuldades, os três discípulos tocaram de perto o mistério de tua glória, experimentaram um pedacinho de céu. Aquela experiência, vivida na oração, serviria para animá-los e confirmá-los no caminho do teu seguimento, carregando também a sua cruz. Senhor, certamente esse é também o sentido de nossas celebrações. No meio de tantos problemas, respirarmos o ar da esperança, tocarmos a glória de Deus que é a realidade última e definitiva. E, assim, descermos a montanha, como testemunhas de que o caminho dos humildes, dos justos, dos perseguidos é um caminho de vitória; que Deus não nos abandona; que tu, Senhor Jesus, caminhas à nossa frente; que a paixão abre caminho para a ressurreição, a vida plena, a felicidade completa, obra tua, ó Redentor. Nosso encontro semanal contigo, Senhor Jesus Ressuscitado, na Santa Eucaristia, é o nosso Tabor, o monte da transfiguração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante (Lc 9, 29)

Vivendo a palavra

Todo dia, a gente toca de perto a perplexidade das pessoas diante da situação do país e do mundo. Hoje, não engrosse a lamentação. Não espalhe má notícia. Não diga que está sem jeito. Hoje, acenda a luz da esperança, da fé em Jesus Cristo Ressuscitado. Ele é a razão de nossa esperança.

Pe. João Carlos Ribeiro – 17.03.2019

NA ORAÇÃO, DEUS NOS REVELA JESUS


E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)
06 de agosto de 2018.
Você já subiu uma montanha? Bom, pelo menos um monte mais alto já, não é verdade.
A montanha é um símbolo do encontro com Deus. O homem busca Deus, como que subindo uma montanha. Quando chega ao ponto mais alto, tem uma visão deslumbrante. Nem lembra mais do cansaço da subida. É, em certa medida, um momento de transfiguração, de êxtase, de encantamento. Veja que em cima dos montes tem sempre uma igreja construída ou, pelo menos, um cruzeiro. Já reparou isso? A montanha é o lugar simbólico do encontro com Deus.
Na Bíblia, há também essa identificação da montanha com o fascinante encontro com Deus. Moisés, por exemplo, falou com Deus no monte Sinai. Houve lá o episódio da Sarça Ardente. Mas, também a entrega da Lei nas tábuas de pedra.  No Monte Horeb (que é o mesmo Monte Sinai), também Elias falou com Deus. No monte Carmelo, o mesmo Elias desafiou centenas de sacerdotes pagãos. Ali, Deus mostrou quem era o Deus verdadeiro. A montanha é o lugar da manifestação de Deus. No Sinai, eram tantos relâmpagos e trovões que o povo lá em baixo quase morre de medo. Moisés desceu de lá com o rosto brilhando.
No evangelho da Transfiguração, lido hoje em Marcos, capítulo 9, está contado que Jesus subiu à montanha com Pedro, Tiago e João, três dos seus discípulos. Lá, eles tiveram uma experiência maravilhosa da manifestação de Jesus em sua condição gloriosa. E o que aconteceu na montanha? Ali, houve um profundo encontro com Deus, um momento de revelação da pessoa de Jesus. Jesus foi transfigurado diante deles, ficou com o rosto e as roupas brilhantes. E apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Depois, uma nuvem os cobriu e ouviram a voz de Deus: “Este é o meu filho amado, no qual pus todo o meu afeto. Ouçam-no!".
Subir a montanha é o que nós fazemos na Oração. No momento em que entramos profundamente na comunhão com Deus é como se nós chegássemos ao topo da montanha. Ali, podemos viver uma maravilhosa experiência com Deus. E quem pode nos conduzir assim à oração profunda e verdadeira? O acesso, o caminho já foi aberto por Jesus. E o Espírito Santo de Deus é quem nos conduz ao topo da montanha. Mas, ele conta com nossa docilidade, com nosso esforço em rezar com simplicidade e profundidade. Ficando só na superficialidade, rezando da boca pra fora, distraindo-nos com tudo ao nosso redor, dificilmente subimos à montanha. Ficamos no meio do caminho, não concluímos a subida. Quando alcançamos o topo, rezando de verdade, tudo se torna luminoso, nosso interior se enche de paz e de santa alegria. Ali, Deus nos fala, como pai.  Ele nos aponta Jesus como nosso caminho, nos dá direção, discernimento, conforto. Ficamos até com a tentação de permanecer naquela situação, como os três apóstolos que queriam montar tendas para se fixarem por ali.
Depois da experiência lá no topo, precisamos descer a montanha, voltar à normalidade de nossa vida. Mas, voltamos reabastecidos, reanimados. O encontro com Jesus ressuscitado dá novo ânimo à nossa existência e às nossas lutas.
 
Vamos guardar a mensagem
A montanha é uma imagem da experiência com Deus. Nesse encontro, fundamentalmente o Pai nos apresenta Jesus, seu filho amado. E faz isso, de maneira especial, através de sua Palavra. A Palavra de Deus, na visão dos três apóstolos na montanha, está representada por Moisés e Elias. O povo de Deus dava aos escritos sagrados o título de “Moisés e os Profetas”. Moisés representa a Lei, boa parte das Escrituras Sagradas. Elias representa os profetas, a outra parte das Escrituras. É a Palavra de Deus anunciada e compreendida que nos abre ao conhecimento da Pessoa de Jesus. Deus nos revela Jesus, de maneira especial, por meio de sua Palavra. O Espírito Santo é quem nos leva a compreender a Palavra e a estar em comunhão com Deus. Sem o Espírito Santo, não há oração verdadeira, não se sobe a montanha.
E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
Subir à montanha é procurar o encontro com Deus pela oração. É na oração que o Pai nos revela quem és tu, Senhor. Ele nos diz que tu és o seu filho amado, aquele que ele enviou para nossa salvação. Na verdadeira oração, quando também escutamos e deixamos espaço para a palavra de Deus, o Pai nos revela quem somos nós, seus filhos amados. A oração é o lugar da tua transfiguração. E da nossa também. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Reserve, hoje, um pouco mais de tempo para seu momento de oração. Na sua vida cristã, este momento pessoal de oração precisa ser diário. Na oração, encontramos forças para prosseguir o caminho da vida, com alegria e esperança.

Pe. João Carlos Ribeiro – 06.08.2018

VOCÊ JÁ SUBIU A MONTANHA, HOJE?

MEDITAÇÃO PARA O 2º DOMINGO DA QUARESMA, 
DIA 25 DE FEVEREIRO DE 2018.

Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz! (Mc 9, 7)

Pedro, diante da maravilha da transfiguração de Jesus na montanha, teve uma ideia. Acampar ali mesmo. Fazer três tendas. Uma para Jesus, outra para Moisés e outra para Elias. Será que a ideia de Pedro foi boa?

Jesus foi para a montanha, com três dos seus discípulos. Lá, transfigurou-se diante deles. Apareceu com roupas brancas brilhantes, luminoso. Moisés e Elias, personagens do Antigo Testamento conversavam com ele. Que coisa linda! Que visão deslumbrante! Foi aí que Pedro teve a ideia de acamparem por ali. E logo uma nuvem desceu e os encobriu. E da nuvem, veio uma voz: “Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz”. Tudo desapareceu. E eles só viram Jesus com eles.

Montanha tem um significado muito especial. Para o povo semita, montanha é o lugar do encontro com Deus. Basta lembrar o Monte Sinai, onde Moisés recebeu a Lei, das mãos do próprio Deus. Ou o Monte Carmelo, onde Deus acolheu o sacrifício oferecido por Elias, desmascarando a idolatria no meio do seu povo. Jesus muitas vezes passa a noite em oração... na montanha. O monte é o lugar do encontro com Deus. Então, a experiência dos três discípulos na montanha, com Jesus, é uma experiência de oração.

Precisamos sempre subir a montanha. Lá, em oração, fazemos experiência do encontro com Deus. Na oração, Deus nos revela o seu filho único. “Este é o meu filho amado”. O Pai, que nos revela o filho, nos convida a escutá-lo. A principal oração dos membros do povo de Deus era o Shemá. Shemá Israel. “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor”. Recitava-se essa passagem do livro do Deuteronômio muitas vezes ao dia. O discípulo precisa ouvir, escutar, acolher o filho único. Na experiência da montanha, ou seja da oração, encontramos Jesus vivo, ressuscitado, glorioso, triunfante sobre o pecado, o mal e a morte. Essa profunda experiência espiritual está descrita nas roupas brancas brilhantes de Jesus. É uma antevisão de sua ressurreição. Mas, também na oração entramos em contato com o Pai. Somos envolvidos por sua presença divina. É o que está representado na nuvem. Ao revelar o filho, reconheçamos quem é o Pai: ‘aquele que não poupou o seu filho único, mas o entregou por todos nós’, no dizer da Carta aos Romanos.

Uma tentação é, diante da maravilhosa experiência do encontro com Deus na montanha, querer ficar por ali mesmo, acampar. Mas, Jesus desce com eles a montanha. A experiência da oração é um momento de reabastecimento das baterias, de animação, de respiro da alma. É luz para iluminar a escuridão da vida. É esperança e força para se enfrentar os dramas de cada dia. É preciso descer a montanha. Voltar à normalidade da vida, reforçados em esperança e confiança em Deus.

Desde o começo, Jesus tinha indicado as condições para segui-lo: ‘Quem quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia e me siga”. A tentação é sempre querer a vitória sem luta; a contemplação sem compromisso; a oração sem ação. É preciso descer a montanha, com Jesus, para enfrentar os problemas, os dramas de cada dia. Descer, com a certeza de que Deus caminha conosco, que está ao nosso lado. Ele me ajuda, abençoa, protege. Mas, eu sou sujeito de minha história. Assistido pela graça de Deus, tenho que dar conta da minha vida, temos que dar conta da nossa história. É preciso descer a montanha, com Jesus.

Vamos guardar a mensagem

A montanha é uma representação da experiência da oração. Na oração, o Pai nos revela o seu filho único. E nos indica que o escutemos. Escutar Jesus é acolher sua pessoa e seus ensinamentos. Na experiência de encontro com o Senhor, conhecemos também o Pai que não poupou o seu filho único, mas o entregou em nosso favor. Num segundo momento, se desce da montanha para a planície da vida ordinária, para os empenhos de todo dia e para os compromissos que nos cabem no mundo. A tentação é fixar-se nos louvores, nos aleluias e esquivar-se de enfrentar os dramas de cada dia, com as luzes e as forças que o Senhor nos oferece na oração.

Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz! (Mc 9, 7)

Vamos acolher a mensagem

Senhor Jesus,

Nesta quaresma, continua subindo a montanha conosco. Precisamos muito da oração, do encontro profundo com Deus. No meio das dificuldades e dos problemas dessa vida, a oração nos põe em contato profundo contigo, com o Pai. Nisso, somos conduzidos pelo Santo Espírito.
Nesta quaresma, continua descendo a montanha conosco. Precisamos muito que a nossa ação, os compromissos do dia-a-dia sejam iluminados pela luz de tua presença de ressuscitado. Ajuda-nos, Senhor a vencer a tentação de uma religião desligada da vida, de pretender vitória sem luta, glória sem cruz.
Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. 
Amém.

Vamos viver a palavra

Afinal, a ideia de Pedro de fazer três tendas no alto da montanha, foi uma boa ideia ou não foi? Hoje, fale com alguém sobre isso.  


Pe. João Carlos Ribeiro  25.02.2018

Postagem em destaque

Olha até que ponto eles chegaram.

   04 de março de 2024.    Segunda-feira da 3ª Semana da Quaresma    Evangelho.    Lc 4,24-30 Jesus, vindo a Nazaré, disse ao povo na sinago...

POSTAGENS MAIS VISTAS