Mostrando postagens com marcador Lc 4. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Lc 4. Mostrar todas as postagens

20200902

JESUS NA MINHA CASA


Jesus saiu da sinagoga e entrou na casa de Simão (Lc 4, 38)

02 de setembro de 2020

Jesus saiu da sinagoga, com alguns discípulos, naquele sábado e foi para a casa de Simão e André, como informou o evangelista Marcos. Lá, falaram-lhe da sogra de Simão que estava de cama, com febre. Jesus recriminou a febre e ela ficou boa e começou a servi-los. De tardezinha, a frente da casa ficou cheia de gente e Jesus curou várias pessoas. De madrugada, Jesus saiu de casa e foi rezar num lugar deserto. Lá tomou a decisão de ir a outras aldeias e cidades. E assim, começou o seu trabalho por toda a região.

Prestemos atenção, nesse texto, em como aparece a casa de Simão. A cidade é Cafarnaum. Da sinagoga, Jesus vai para a casa. Na casa, cura a sogra da febre. No terreiro da casa, faz o bem a muita gente doente e sofrida. E da casa sai para a missão em toda a região. Casa nos lembra família. Casa também nos remete à Igreja. Tentemos, então, olhar esse texto a partir da ‘casa’.

A casa de Simão é uma casa acolhedora de Jesus. Como você lembra, a família era formada por todos os aparentados e quase sempre moravam juntos. No caso, encontramos a sogra de Simão morando ali também. E Jesus, quando voltou da Judeia, depois da prisão de João Batista, ficou morando em Cafarnaum. E sempre que volta pra casa, volta pra esta casa de Simão. A casa de Simão é também a casa de Jesus. A casa da família de Simão é a casa que acolhe Jesus!


A casa de Simão é uma casa acolhedora do doente. As pessoas ali estão preocupadas com a mulher que está de cama, por isso intercedem a Jesus em favor dela. Ele preocupou-se com ela e a libertou da febre.

A casa de Simão é uma casa missionária, aberta à comunidade. À tardinha, o povo de Cafarnaum reuniu-se à porta da casa. E Jesus, ali mesmo no terreiro da casa, atende às pessoas, cura algumas, restaura outras.

A casa de Simão é uma casa missinária, aberta para o mundo.  De casa, Jesus saiu, ainda escuro, para rezar num lugar deserto. Ali, em oração, tomou uma decisão: partir para outros lugares. A casa se transforma numa plataforma para o ministério de Jesus por todo o país.

Guardando a mensagem

A sua família, como a casa de Simão, é chamada a ser uma casa que acolhe Jesus.A sua pessoa, o seu evangelho têm um lugar especial em nossa vida de família, marcam o nosso modo de ser e de viver. A presença de Jesus fica clara quando a gente fala dele, quando a gente reza. E até para sinalizar sua presença na casa, a gente pendura um crucifixo num lugar de destaque na sala ou põe um quadro do Coração de Jesus ou põe a Bíblia Sagrada num lugar especial. São sinais. Eles avisam que aquela casa, como a de Simão, é casa de Jesus.

A sua família, como a casa de Simão, é uma casa acolhedora do doente. A família é o primeiro espaço de vivência de nossa fé. Ali aprendemos a amar as pessoas, a cuidar com carinho e respeito das crianças, dos doentes e dos idosos. Temos sempre diante de nós a atenção que Jesus teve com a sogra de Simão.

A sua família, como a casa de Simão, é uma casa missionária, aberta à comunidade. Contrariando as tendências de hoje de isolamento e anonimato, a casa dos cristãos se comunica com a vizinhança e se abre à comunidade cristã do seu lugar. Jesus continua fazendo o bem, a partir da porta de sua casa.

A sua família, como a casa de Simão, é uma casa missionária, enviando para o mundo. Os cristãos são sal da terra e luz do mundo. A família é o primeiro espaço de formação para isso. Forma cidadãos conscientes para agir, com o fermento do evangelho, no mundo do trabalho, da cultura, da economia, da política, do lazer. A família é a plataforma de onde partem profissionais, cidadãos, pais de família segundo o espírito do evangelho. A família é onde nascem as vocações apostólicas. É a primeira escola de formação de missionários leigos, consagrados e ordenados para levar o evangelho a toda criatura.

Jesus saiu da sinagoga e entrou na casa de Simão (Lc 4, 38)


Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Nós te acolhemos em nossa casa. Queremos fazer como os discípulos de Emaús que te disseram: “Fica conosco, Senhor, é tarde, a noite já vem”.     Nós te acolhemos, em nossa casa, na pessoa do doente, do idoso, da criança. E queremos te apresentar as suas necessidades, para que os visite e os abençoe. Nós queremos que nossa casa seja missionária, aberta à comunidade e educadora de cidadãos e cristãos comprometidos em melhorar o mundo, para o bem de todos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

E o desafio desse mês, você topou? Ler o evangelho de São Marcos. Já começou?
Uma sugestão: Neste mês de setembro, ponha a Bíblia Sagrada em um lugar de destaque em sua casa ou no seu local de trabalho (se isso for possível).

Pe. João Carlos Ribeiro, SDB




20200901

UM ENSINAMENTO NOVO


Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem (Lc 4, 36) 

01 de setembro de 2020.

Jesus estava na sinagoga de Cafarnaum. Era um dia de sábado. O povo estava reunido para a oração e a escuta da palavra de Deus. E Jesus estava ensinando. As pessoas, ali, estavam admiradas com o seu ensinamento. Foi aí que um homem ali presente, possuído por um espírito impuro, começou a gritar e esbravejar contra Jesus. Jesus mandou o espírito calar a boca e sair daquele homem. Dito e feito. As pessoas ficaram assustadas, não era pra menos. E admiradas com aquele ensinamento novo de Jesus, com a sua autoridade. 

O ensinamento de Jesus é libertador das pessoas de todas as opressões. Seu ensinamento desmascara o mal que está escondido também dentro da comunidade, dominando a vida de algumas pessoas. Como na sinagoga de Cafarnaum, também em nossas comunidades, aparece alguém que estranha e reage a esse ensinamento, com os mesmos argumentos do demônio de Cafarnaum. 

O que será que Jesus dizia e fazia que pudesse incomodar alguém? As pessoas viam uma grande diferença entre o ensinamento de Jesus e o ensinamento dos fariseus. A primeira coisa que marcava uma grande diferença era a atenção que Jesus dava aos sofredores e marginalizados. Estes estavam à margem de tudo, na vida social e na religião. E Jesus os incluía como pessoas importantes no seu anúncio do Reino de Deus. E uma segunda coisa que mexeu demais com as lideranças do seu povo foi a imagem que ele passava de Deus. Ele revelava Deus como pai amoroso, pronto para acolher o filho pecador de volta à sua casa. E essa não era exatamente a imagem de Deus que eles tinham. Eles o percebiam como juiz e retribuidor das boas ações e da prática da Lei. 

Esse ensinamento de Jesus - feito de gestos de atenção e proximidade, de parábolas e diálogos sobre o Reino de Deus – despertou muita indignação e ódio nos fariseus, nos sacerdotes do Templo, nos partidários de Herodes. Essa gente estava possuída por preconceitos contra o povo, por interesses de classe, seduzida pelas benesses do poder, tomada de ciúme... e muita coisa ruim. Era como se estivessem possuídos por um espírito mau. Claro, o mal lança seus tentáculos nas estruturas sociais e nas pessoas. O que o diabo disse na sinagoga é o que diriam esses senhores: “Vieste para nos destruir?”. 

E ali, na sinagoga e nas ruas, muita gente tomou consciência de que o ensinamento de Jesus era realmente novo, sobretudo quando viu que ele enfrentava essas manifestações do mal, as calava e conseguia libertar pessoas dessa dominação. 

Guardando a mensagem 

O evangelho é uma força de mudança, anuncia o Reino de Deus já aqui na terra. Jesus, com suas atitudes e palavras, instaura o reinado de Deus. Podemos entender esse reinado, como Deus acolhendo, na comunhão de sua casa, todos os seus filhos, a começar pelos que saíram de casa e retornam pela conversão. Jesus partia do que o povo de Deus já conhecia e manifestava mais claramente o amor de Deus que restaura, perdoa, liberta as pessoas. Esse evangelho, essa boa notícia, encontrou oposições também dentro da própria sinagoga, a comunidade de fé que ele frequentava. Essa oposição à novidade do evangelho que Jesus anuncia, ontem como hoje, só pode mesmo ter raízes no maligno. Mas, Jesus é vencedor sobre todo o mal. Com ele, nós também somos vencedores. No Pai Nosso, rezamos: “Livrai-nos do mal”. 

Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem (Lc 4, 36) 

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 
A novidade do evangelho corre sempre o perigo de ser esquecida ou abafada pelas forças que não têm interesse na emancipação das pessoas e no senhorio de Deus. Essas forças atuam dentro e fora da comunidade. Não é à toa que a Igreja tenha tantos mártires. Eles experimentaram a oposição à fé cristã por parte de pessoas maldosas e violentas. Uniram-se, assim, ao teu sacrifício na cruz. Em sua fidelidade, são vitoriosas, contigo. Senhor, te pedimos, livra-nos do mal. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

Para este mês de setembro, eu tenho um desafio para você: ler o evangelho de São Marcos, todinho. São apenas 16 capítulos, é o menor dos quatro evangelhos. Lendo o evangelho de São Marcos, você vai ficar ainda mais perto de Jesus, conhecendo melhor suas histórias e seus ensinamentos. Ler o evangelho de Marcos, neste mês de setembro: você topa? 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb



20200316

EXPULSARAM JESUS DO CULTO

Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos (Lc 4, 28).
16 de março de 2020.
Jesus está na sinagoga de Nazaré. Foi em Nazaré que ele se criou. Levanta-se para ler o texto do profeta Isaías. E, quando se senta para explicar aquela passagem, ele proclama que aquilo se referia a ele e que estava se cumprindo em sua vida. O profeta Isaías falava do Messias, ungido pelo Espírito Santo, para evangelizar os pobres e libertar os sofredores e oprimidos. Fica todo mundo atento e admirado com essas palavras de Jesus. 
Aos poucos, o clima começa a mudar. A admiração vai se transformando em rejeição. Suspeitas, críticas, indignação vão se espalhando como faísca no palheiro: “E esse aí não é o filho de José?”, alguém pergunta maldosamente. Essas pessoas julgam que a origem popular de Jesus, que eles conheciam, não o credenciava a se apresentar como um enviado de Deus. Jesus nota o clima hostil e responde a uma murmuração: ‘vocês estão me cobrando que eu faça milagres aqui, como ouviram dizer que eu fiz na sinagoga de Cafarnaum’. Aí o que Jesus diz em seguida, eles tomaram como um grande desaforo. Jesus diz que, no tempo do profeta Elias, um tempo de fome, Deus enviou o profeta a uma viúva pagã. E, no tempo do profeta Eliseu, só um leproso foi curado, um pagão. Essa referência aos pagãos foi a gota d’água. A confusão foi grande. Expulsaram Jesus da sinagoga. E uns mais exaltados queriam até matá-lo.
Pensando nessa cena, podemos concluir que a comunidade de Nazaré rejeitou Jesus por três razões. Podemos até ouvir a conversa deles. Primeira: ‘a gente o conhece, é o filho de José’; Segunda: ‘faz milagres fora, aqui não faz’; Terceira: ‘o Messias vem pra nós, não para os pagãos’. Três defeitos na religiosidade daquele povo que guardava tão fielmente o sábado. Defeitos que o impediram de acolher Jesus, como enviado, como profeta de Deus. Será que esses defeitos não nossos também? Vejamos.
O primeiro defeito – ‘a gente o conhece, é o filho de José’ – é o defeito da religiosidade desencarnada. A gente espera que Jesus seja só do céu. Mas, ele é o Filho que se encarnou. E sua vida humana é o caminho para chegarmos ao Pai. 
O segundo defeito – ‘faz milagres fora, aqui não faz’ – é o defeito da religiosidade de milagres. Muita gente está atrás de bênçãos, de curas, de milagres, não de Jesus e do seu evangelho. Se não for Missa de cura, não pisa na Igreja. A proposta de Jesus é o seguimento. Carregar, com ele, a cruz de cada dia. 
O terceiro defeito – ‘o Messias vem pra nós, não para os pagãos’ – é o defeito da religiosidade egoísta. Gente muito devota, mas só pensa em si mesma. Não lhe dói o sofrimento dos outros. A proposta de Jesus e da Igreja é uma religiosidade missionária. 
Guardando a mensagem
Na sinagoga de Nazaré, Jesus leu o profeta Isaías e explicou ao povo que ali estava descrita a sua missão. Ele era o ungido de Deus para evangelizar os pobres e libertar os oprimidos. A reação dos ouvintes foi passando da admiração para a indignação. Terminaram expulsando Jesus da Sinagoga. Os defeitos de sua vida religiosa podem também ser os nossos. Podemos praticar os ritos religiosos, mas corremos o risco de expulsar Jesus do nosso culto. Os motivos que levaram o povo de Nazaré a expulsar Jesus podem ser os nossos: religiosidade desencarnada, desinteressada do seguimento de Jesus e sem abertura missionária para os outros. 
Quando ouviram estas palavras de Jesus, todos na sinagoga ficaram furiosos (Lc 4, 28).
Rezando a palavra
Senhor Jesus, 
Meditando o teu evangelho, queremos te dizer três coisas. A primeira: Nós cremos que tu és o filho de Deus, Deus verdadeiro que te encarnaste para nossa salvação. Viveste a nossa vida humana, de verdade. A segunda coisa que queremos te dizer, Jesus: Acolhemos o teu evangelho, como proposta de seguimento. Queremos que nossa vida seja uma resposta de seguimento ao teu chamado, vencendo qualquer tentação de buscar apenas benefícios para nós. E a terceira coisa é que queremos ter um coração como teu, cheio de compaixão pelos sofredores e zeloso pela salvação de todos. Assim, queremos evitar o fechamento em nós mesmos e em nossas necessidades. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 
Vivendo a palavra
A família salesiana preparou para estes dias difíceis de luta contra o novo coronavírus uma Novena Extraordinária a Nossa Senhora Auxiliadora, de 15 a 23 de março, concluindo, no dia 24, comemoração mensal da Virgem Auxiliadora, com uma oração de entrega. A proposta da novena é uma forma de renovação de nossa confiança na Mãe da Igreja, seguindo o exemplo de Dom Bosco, em situações semelhantes. O texto da novena está no link www.padrejoaocarlos.com. Você o encontra também após o áudio da meditação, no seu aplicativo.
16 de março de 2020.
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

NOVENA EXTRAORDINÁRIA 
A NOSSA SENHORA AUXILIADORA


Motivado pela disseminação do coronavírus, a Congregação Salesiana propõe a NOVENA EXTRAORDINÁRIA A NOSSA SENHORA AUXILIADORA, de 15 a 23 de março. Participe!

Em vista da disseminação do coronavírus em vários países, o Reitor-mor, padre Ángel Fernández Artime, convida os Salesianos, os membros da Família Salesiana e os jovens a renovar sua confiança em Maria Auxiliadora, seguindo o exemplo de Dom Bosco em circunstâncias semelhantes. Por esse motivo, ele propõe viver uma novena extraordinária de 15 a 23 de março e concluí-la no dia 24, comemoração mensal de Maria Auxiliadora, com uma oração de entrega.


NOVENA E ENTREGA A MARIA AUXILIADORA


Recitar durante nove dias consecutivos:

- Três Pai-nossos, Ave-marias e Glórias, ao Santíssimo Sacramento, com a prece:


Graças e louvores se deem a todo o momento ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento;


- Três Salve-Rainhas a Maria SS. Auxiliadora, com a invocação:


Nossa Senhora Auxiliadora, rogai por nós.


Lembrai-vos, ó piíssima Virgem Maria, que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que tivesse recorrido à vossa proteção, implorado a vossa assistência, reclamado o vosso socorro, fosse por Vós desamparado. Animado eu, pois, de igual confiança, a Vós, ó Virgem entre todas singular, como Mãe recorro; de Vós me valho, gemendo sob o peso dos meus pecados, e me prostro a vossos pés. Não desprezeis minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado, mas dignai-Vos de as ouvir propícia, e de me alcançar o que vos rogo. Amém.


Oração para livrar-nos do ‘coronavírus’

Deus todo-poderoso e eterno, de quem todo o universo recebe força, existência e vida, vimos até vós para invocar a vossa misericórdia, pois que também hoje experimentamos a fragilidade da condição humana na experiência de uma nova pandemia.

Cremos que sois Vós a guiar o curso da história humana e que o vosso Amor pode mudar para melhor o nosso destino, qualquer que seja a nossa condição humana. Por isso vos confiamos os doentes e suas famílias: pelo Mistério Pascal do vosso Filho, dai salvação e alívio a seu corpo e espírito.

Ajudai cada membro da sociedade a cumprir sua tarefa, fortalecendo o espírito de mútua solidariedade. Amparai os médicos e os agentes sanitários, os educadores e os assistentes sociais na prestação do seu serviço.

Vós que na fadiga sois conforto e apoio na fraqueza, por intercessão da Virgem Maria e de todos os santos médicos e patronos da saúde, afastai de nós todo o mal e contaminação.

Livrai-nos desta epidemia que nos aflige, a fim de que possamos voltar serenamente às nossas ocupações habituais e vos louvar agradecidos com sempre renovado coração.

Em Vós confiamos, ó Pai, e a Vós elevamos a nossa súplica, por Jesus Cristo vosso Filho e Nosso Senhor. Amém.



CONSAGRAÇÃO DO MUNDO A MARIA SS. AUXILIADORA 
[24 de março]


Santíssima e Imaculada Virgem Maria, Mãe nossa terníssima e poderoso Auxílio dos Cristãos, nós nos consagramos inteiramente a Vós, para que nos conduzais a Deus. Consagramos-vos a mente com seus pensamentos, o coração com seus afetos, o corpo com seus sentimentos e todas as suas forças; e vos prometemos trabalhar sempre para a maior glória de Deus e a salvação das almas.

E vós, entretanto, ó Virgem incomparável, que sempre fostes a Mãe da Igreja e o Auxílio dos Cristãos, continuai a mostrar-vos tal especialmente nestes dias.

Iluminai e fortalecei os bispos e os sacerdotes, mantendo-os sempre unidos e obedientes ao Papa, Mestre infalível; aumentai as vocações religiosas e sacerdotais para que, também por meio delas, o reino de Jesus Cristo se preserve entre nós e se estenda até aos confins da terra.

Pedimos-vos novamente, ó Mãe querida, que mantenhais o vosso olhar amoroso sobre os jovens, tão expostos sempre a tantos perigos; e sobre os pobres pecadores e moribundos.

Sede para todos, ó Maria, doce Esperança, Mãe de misericórdia e Porta do Céu. Mas também por nós Vos suplicamos, ó grande Mãe de Deus. Ensinai-nos a copiar em nós as vossas virtudes, especialmente a angélica modéstia, a humildade profunda e a ardente caridade.

Fazei, ó Maria Auxiliadora, que todos nos acolhamos sob o vosso manto de Mãe.

Fazei que nas tentações vos invoquemos logo com confiança: que o pensamento de que sois tão boa, amorosa e querida, que a lembrança do amor que dedicais aos vossos devotos nos sejam de tal conforto que sejamos vitoriosos contra os inimigos da nossa alma, na vida e na morte, e possamos um dia ser vossa Coroa de Glória no Céu. 
Amém.

20200109

ELE NÃO FALTAVA À CELEBRAÇÃO SEMANAL

Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura (Lc 4, 16)
09 de janeiro de 2020
O evangelho dá notícia que Jesus ensinava nas sinagogas da Galileia e era muito elogiado pelo povo. A Galileia é a região onde estava o povoado de Nazaré, onde morava sua família, onde ele tinha se criado. E é na Sinagoga de Nazaré que ele está, no evangelho de hoje.
Temos, neste evangelho, uma cena de uma celebração matinal na sinagoga de Nazaré. Jesus está presente, faz a leitura e está pregando. O livro santo é um rolo do profeta Isaías. E Jesus encontra e lê uma passagem que se refere à sua missão. A primeira reação das pessoas é de admiração pelas palavras de Jesus. Depois, a atitude da comunidade foi de rejeição, infelizmente.
Bom, está escrito que “conforme seu costume, Jesus entrou na Sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura”. Prestemos atenção a essa observação: “conforme seu costume”. Era, então, uma prática habitual sua, um costume, ir à sinagoga aos sábados, participar da celebração. Vindo a esse mundo, nascendo no seio do povo judeu, o nosso Jesus aprendeu com os seus pais e sua família a participar com assiduidade do ritmo religioso do seu povo. Só havia um Templo, para oferecimento de sacrifícios e esse era em Jerusalém. Para lá os fieis se dirigiam em peregrinação em três festas durante o ano, sobretudo na festa da páscoa. Nas cidades e povoados maiores, havia as sinagogas, casas de culto onde os judeus se reuniam, sobretudo para ouvir os textos sagrados, cantarem hinos e fazerem suas orações. Como você sabe, o dia santo do povo judeu é o sábado, como recordação da criação do mundo, o dia em que Deus contemplou sua obra e viu que tudo estava bem feito.
E eu estou chamando a atenção de vocês para essa observação do evangelista: “Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura”. Vemos um jovem comprometido com a sua comunidade de fé, fiel às tradições religiosas do seu povo. E, mesmo sendo o filho de Deus, está integrado numa prática religiosa concreta, valorizando e participando das celebrações de sua comunidade. Claro, nós não somos judeus, embora conservemos os seus livros sagrados do Antigo Testamento. Nós cristãos, guardamos o domingo, por causa da ressurreição de Jesus que foi nesse dia, mas conservamos o mesmo ritmo de celebrações semanais em nossas igrejas.
Guardando a mensagem
Nós seguidores de Jesus estamos sempre aprendendo com ele sobre como nos conduzir nessa vida, como agradar a Deus, como viver em fraternidade com os nossos semelhantes.  O bom seguidor de Jesus o imita também na fidelidade com que ele participava na celebração semanal de sua comunidade, na sinagoga de Nazaré. À sua imitação, procuramos ser fieis à celebração dominical. Nessa sagrada reunião semanal, ouvimos a Palavra de Deus e celebramos a Ceia do Senhor. Isso tem que ser um hábito na vida de cada um de nós, um compromisso semanal. Sem esse ritmo, nossa vida cristã se alimenta vagamente e ocasionalmente. O resultado é uma vida espiritual fraca, apagada e desligada do ritmo litúrgico da Igreja. Precisamos aprender com Jesus. Ele não faltava, aos sábados, à celebração de sua comunidade. E veja que ele não apenas era um fiel presente, mas um fiel participante. Assumia tarefas na celebração. É o que lemos hoje: ele levantou-se para fazer a leitura bíblica e depois explicou a palavra, como era costume os leigos fazerem isso nas sinagogas. A nossa tem que ser também uma participação ativa: ouvindo, rezando, cantando, oferecendo, comungando.
Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura (Lc 4, 16)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Vendo o modo com que habitualmente frequentavas a sinagoga, no dia santo dos judeus, aprendemos a ter um grande amor pela comunidade e pela igreja que frequentamos. Queremos aprender contigo, Senhor, esse compromisso com a celebração semanal, com a audição da palavra de Deus, com a oração em comunidade. Nossa mãe Igreja tem nos ensinado que é assim que santificamos o dia do Senhor, o dia da tua e nossa ressurreição. Ajuda-nos, Senhor, a vencer a preguiça, a acomodação e sempre dar prioridade ao encontro comunitário dominical acima de qualquer opção de lazer ou de descanso. Ensina-nos, Senhor, a amar a santa palavra de Deus e a respeitar e querer bem aos nossos ministros. Que no Livro da Vida, possa ficar escrito sobre cada um de nós: “Conforme o seu costume, esse filho de Deus (ou essa filha) estava na Igreja todo domingo e participava ativamente, inclusive com tarefas na liturgia”. O teu exemplo e a tua graça, Senhor, nisto nos sustentem. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Bom, hoje ainda é quinta-feira. Mas, você pode ir logo se programando. No final de semana, reserve sempre o melhor horário para a Santa Missa. Para Deus, o seu melhor. Faça como Jesus.
09 de janeiro de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro

20190903

UM ENSINAMENTO QUE LIBERTA

Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem (Lc 4, 36) 

03 de setembro de 2019 - Dia de São Gregório Magno. 



Jesus estava na sinagoga de Cafarnaum. Era um dia de sábado. O povo estava reunido para a oração e a escuta da palavra de Deus. E Jesus estava ensinando. As pessoas, ali, estavam admiradas com o seu ensinamento. Foi aí que um homem ali presente, possuído por um espírito impuro, começou a gritar e esbravejar contra Jesus. Jesus mandou o espírito calar a boca e sair daquele homem. Dito e feito. As pessoas ficaram assustadas, não era pra menos. E admiradas com aquele ensinamento novo de Jesus, com a sua autoridade. 


O ensinamento de Jesus é libertador das pessoas de todas as opressões. Seu ensinamento desmascara o mal que está escondido também dentro da comunidade, dominando a vida de algumas pessoas. Como na sinagoga de Cafarnaum, também em nossas comunidades, aparece alguém que estranha e reage a esse ensinamento, com os mesmos argumentos do demônio de Cafarnaum. 

O que será que Jesus dizia e fazia que pudesse incomodar alguém? As pessoas viam uma grande diferença entre o ensinamento de Jesus e o ensinamento dos fariseus. A primeira coisa que marcava uma grande diferença era a atenção que Jesus dava aos sofredores e marginalizados. Estes estavam à margem de tudo, na vida social e na religião. E Jesus os incluía como pessoas importantes no seu anúncio do Reino de Deus. E uma segunda coisa que mexeu demais com as lideranças do seu povo foi a imagem que ele passava de Deus. Ele revelava Deus como pai amoroso, pronto para acolher o filho pecador de volta à sua casa. E essa não era exatamente a imagem de Deus que eles tinham. Eles o percebiam como juiz e retribuidor das boas ações e da prática da Lei. 

Esse ensinamento de Jesus - feito de gestos de atenção e proximidade, de parábolas e diálogos sobre o Reino de Deus – despertou muita indignação e ódio nos fariseus, nos sacerdotes do Templo, nos partidários de Herodes. Essa gente estava possuída por preconceitos contra o povo, por interesses de classe, seduzida pelas benesses do poder, tomada de ciúme... e muita coisa ruim. Era como se estivessem possuídos por um espírito mau. Claro, o mal lança seus tentáculos nas estruturas sociais e nas pessoas. O que o diabo disse na sinagoga é o que diriam esses senhores: “Vieste para nos destruir?”. 

E ali, na sinagoga e nas ruas, muita gente tomou consciência de que o ensinamento de Jesus era realmente novo, sobretudo quando viu que ele enfrentava essas manifestações do mal, as calava e conseguia libertar pessoas dessa dominação. 

Guardando a mensagem 

O evangelho é uma força de mudança, anuncia o Reino de Deus já aqui na terra. Jesus, com suas atitudes e palavras, instaura o reinado de Deus. Podemos entender esse reinado, como Deus acolhendo, na comunhão de sua casa, todos os seus filhos, a começar pelos que saíram de casa e retornam pela conversão. Jesus partia do que o povo de Deus já conhecia e manifestava mais claramente o amor de Deus que restaura, perdoa, liberta as pessoas. Esse evangelho, essa boa notícia, encontrou oposições também dentro da própria sinagoga, a comunidade de fé que ele frequentava. Essa oposição à novidade do evangelho que Jesus anuncia, ontem como hoje, só pode mesmo ter raízes no maligno. Mas, Jesus é vencedor sobre todo o mal. Com ele, nós também somos vencedores. No Pai Nosso, rezamos: “Livrai-nos do mal”. 

Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, e eles saem (Lc 4, 36) 

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 

A novidade do evangelho corre sempre o perigo de ser esquecida ou abafada pelas forças que não têm interesse na emancipação das pessoas e no senhorio de Deus. Essas forças atuam dentro e fora da comunidade. Não é à toa que a Igreja tenha tantos mártires. Eles experimentaram a oposição à fé cristã por parte de pessoas maldosas e violentas. Uniram-se, assim, ao teu sacrifício na cruz. Em sua fidelidade, são vitoriosas, contigo. Senhor, te pedimos, livra-nos do mal. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

Ontem, eu lhe fiz um desafio. Você não me disse ainda se topou. Ler, neste mês de setembro, o evangelho de São Lucas. Todo dia, ler um pedacinho. São só 24 capítulos. Se não começou ainda, comece hoje. 

Pe. João Carlos Ribeiro - 03 de setembro de 2019

20190902

O LUGAR DA PALAVRA DE DEUS


Hoje, cumpriu-se essa passagem da Escritura que vocês acabaram de ouvir (Lc 4, 21)

02 de setembro de 2019.

E bem no início deste mês da Bíblia, a Igreja nos abre o santo livro para acompanharmos Jesus, na Sinagoga de Nazaré, lendo e explicando uma passagem bíblica.

Jesus,estava, naquele sábado, na localidade onde se criara, Nazaré. Na Sinagoga, ele levantou-se para ler o livro da Palavra de Deus. Foi-lhe entregue o livro do profeta Isaías.  Ele achou ali uma passagem muito especial. Ele leu: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me consagrou com a unção para anunciar a boa nova aos pobres”. Quando terminou a leitura, ele sentou-se, como faziam os mestres. Todo mundo ficou na maior atenção. E ele começou a explicar como aquela passagem falava precisamente de sua missão. “Hoje, se cumpriu essa passagem da Escritura que acabastes de ouvir”. A Palavra de Deus é atual, se cumpre hoje.


As Escrituras Sagradas do antigo povo de Deus ocupavam um lugar muito especial, nas sinagogas, no tempo de Jesus. Eram guardadas num lugar central à frente da assembleia, numa espécie de oratório que lembra os nossos sacrários de hoje. Nessa passagem do evangelho de São Lucas, o servidor lhe entregou o rolo do livro do profeta Isaías. Jesus o leu e depois o devolveu ao servidor, para que o guardasse. Aí, começou a explicar a leitura feita.

As Escrituras Sagradas dos cristãos compreendem os livros do antigo povo de Deus (o Antigo Testamento) e os escritos das comunidades cristãs do final do primeiro século (o Novo Testamento). Também para nós, as Escrituras Sagradas ocupam um lugar muito especial em nossas celebrações. A Missa, por exemplo, tem claramente duas partes distintas: a liturgia da palavra e a liturgia eucarística. Assim, somos alimentados pelo pão da vida, Jesus Cristo, na mesa da palavra e na mesa da eucaristia. Olha o que diz a Constituição Dogmática do Concílio Vaticano II sobre a Revelação Divina (Dei Verbum): “A Igreja venerou sempre as divinas Escrituras como venera o próprio Corpo do Senhor, não deixando jamais, sobretudo na sagrada Liturgia, de tomar e distribuir aos fiéis o pão da vida, quer da mesa da palavra de Deus quer da do Corpo de Cristo” (DV 21). Deu para entender? “A Igreja venerou sempre as divinas Escrituras como venera o próprio Corpo do Senhor”. As leituras bíblicas, organizadas com muito cuidado pela Igreja para cada domingo e para cada dia da semana, são um alimento sagrado para a nossa edificação. Somos alimentados pelo mesmo Cristo, palavra e pão.

É surpreendente o que lemos neste documento do Concílio, a Dei Verbum: “Nos livros sagrados, o Pai que está nos céus vem amorosamente ao encontro de seus filhos, a conversar com eles; e é tão grande a força e a virtude da palavra de Deus que se torna o apoio vigoroso da Igreja, solidez da fé para os filhos da Igreja, alimento da alma, fonte pura e perene de vida espiritual” (DV 21)

Guardando a mensagem

Em Nazaré, vemos Jesus, na sinagoga, fazendo a leitura na celebração e nos mostrando a atualidade da palavra. É hoje que Deus nos fala, é hoje que suas promessas se cumprem. Neste início do mês da Bíblia, essa passagem desperta  a nossa atenção para o valor que devemos dar à Sagrada Escritura. Na celebração dominical, a Palavra é proclamada, explicada, rezada. É o pão da vida, alimento sagrado para nos sustentar na caminhada. Na Igreja, esteja sempre atento(a) à palavra que está sendo proclamada. A celebração é, por excelência, o lugar onde Deus está instruindo o seu povo. Em casa, não esqueça sua Bíblia em qualquer gaveta. Conserve-a em lugar visível, digno. Leia-a todos os dias. Todo dia, um trechinho. Sendo o evangelho do dia, melhor ainda. Ao iniciar sua leitura, peça as luzes do Espírito Santo. É ele quem faz da palavra escrita um verdadeiro encontro com o Senhor da palavra.

Hoje, cumpriu-se essa passagem da Escritura que vocês acabaram de ouvir (Lc 4, 21)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Tu és a própria palavra de Deus, o verbo feito carne. Em ti, todas as palavras da Escritura ganham sentido e força. Todo o Antigo Testamento vive da promessa de tua vinda. Todo o Novo Testamento nos comunica tua presença redentora. Senhor, que o livro santo de tua palavra seja objeto de leitura e estudo de nossa parte, para o compreendermos sempre mais e nele te acolhermos como caminho, verdade e vida. Concede que, neste mês da Bíblia, cresçamos no conhecimento e na prática de tua palavra. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Ontem, eu lancei um desafio. Você o aceitou? Neste mês de setembro, leia o evangelho de São Lucas, todinho. São só 24 capítulos. Neste mês, também destaque a presença da Bíblia em sua casa ou no seu local de trabalho.

A gente se vê às dez da noite, no facebook.


Pe. João Carlos Ribeiro – 02 de setembro de 2019.

20190110

UM SÁBADO QUE VIROU DOMINGO

Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura (Lc 4, 16)
10 de janeiro de 2018.
O evangelho dá notícia que Jesus ensinava nas sinagogas da Galileia e era muito elogiado pelo povo. A Galileia é a região onde estava o povoado de Nazaré, onde morava sua família, onde ele tinha se criado. E é na Sinagoga de Nazaré que ele está, no evangelho de hoje.
Temos, neste evangelho, uma cena de uma celebração matinal na sinagoga de Nazaré. Jesus está presente, faz a leitura e está pregando. O livro santo é um rolo do profeta Isaías. E Jesus encontra e lê uma passagem que se refere à sua missão. A primeira reação das pessoas é de admiração pelas palavras de Jesus. Depois, a atitude da comunidade foi de rejeição, infelizmente.
Bom, está escrito que “conforme seu costume, Jesus entrou na Sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura”. Prestemos atenção a essa observação: “conforme seu costume”. Era, então, uma prática habitual sua, um costume, ir à sinagoga aos sábados, participar da celebração. Vindo a esse mundo, nascendo no seio do povo judeu, o nosso Jesus aprendeu com os seus pais e sua família a participar com assiduidade do ritmo religioso do seu povo. Só havia um Templo, para oferecimento de sacrifícios e esse era em Jerusalém. Para lá os fieis se dirigiam em peregrinação em três festas durante o ano, sobretudo na festa da páscoa. Nas cidades e povoados maiores, havia as sinagogas, casas de culto onde os judeus se reuniam, sobretudo para ouvir os textos sagrados, cantarem hinos e fazerem suas orações. Como você sabe, o dia santo do povo judeu é o sábado, como recordação da criação do mundo, o dia em que Deus contemplou sua obra e viu que tudo estava bem feito.
E eu estou chamando a atenção de vocês para essa observação do evangelista: “Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura”. Vemos um jovem comprometido com a sua comunidade de fé, fiel às tradições religiosas do seu povo. E, mesmo sendo o filho de Deus, está integrado numa prática religiosa concreta, valorizando e participando das celebrações de sua comunidade. Claro, nós não somos judeus, embora conservemos os seus livros sagrados no Antigo Testamento. Nós cristãos, guardamos o domingo, por causa da ressurreição de Jesus que foi nesse dia, mas conservamos o mesmo ritmo de celebrações semanais em nossas igrejas.
Guardando a mensagem
Nós seguidores de Jesus estamos sempre aprendendo com ele sobre como nos conduzir nessa vida, como agradar a Deus, como viver em fraternidade com os nossos semelhantes.  O bom seguidor de Jesus o imita também na fidelidade com que ele participava na celebração semanal de sua comunidade, na sinagoga de Nazaré. À sua imitação, procuramos ser fieis à celebração dominical. Nessa sagrada reunião semanal, ouvimos a Palavra de Deus e celebramos a Ceia do Senhor. Isso tem que ser um hábito na vida de cada um de nós, um compromisso semanal. Sem esse ritmo, nossa vida cristã se alimenta vagamente e ocasionalmente. O resultado é uma vida espiritual fraca, apagada e desligada do ritmo litúrgico da Igreja. Precisamos aprender com Jesus. Ele não faltava, aos sábados, à celebração de sua comunidade. E veja que ele não apenas era um fiel presente, mas um fiel participante. Assumia tarefas na celebração. É o que lemos hoje: ele levantou-se para fazer a leitura bíblica e depois explicou a palavra, como era costume os leigos fazerem isso nas sinagogas. A nossa tem que ser também uma participação ativa: ouvindo, rezando, cantando, oferecendo, comungando.
Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura (Lc 4, 16)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Vendo o modo com que habitualmente frequentavas a sinagoga, no dia santo dos judeus, aprendemos a ter um grande amor pela comunidade e pela igreja que frequentamos. Queremos aprender contigo, Senhor, esse compromisso com a celebração semanal, com a audição da palavra de Deus, com a oração em comunidade. Nossa mãe Igreja tem nos ensinado que é assim que santificamos o dia do Senhor, o dia de tua e nossa ressurreição. Ajuda-nos, Senhor, a vencer a preguiça, a acomodação e sempre dar prioridade ao encontro comunitário dominical acima de qualquer opção de lazer ou de descanso. Ensina-nos, Senhor, a amar a santa palavra de Deus e a respeitar e querer bem aos nossos ministros. Que no Livro da Vida, possa ficar escrito sobre cada um de nós: “Conforme o seu costume, esse filho de Deus (ou essa filha) estava na Igreja todo domingo e participava ativamente, inclusive com tarefas na liturgia”. O teu exemplo e a tua graça, Senhor, nisto nos sustentem. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Bom, hoje ainda é quinta-feira. Mas, você pode ir logo se programando. No final de semana, reserve sempre o melhor horário para a Santa Missa. Para Deus, o seu melhor. Faça como Jesus.

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.01.2018