Mostrando postagens com marcador montanha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador montanha. Mostrar todas as postagens

28 outubro 2019

A ORAÇÃO É A O CORAÇÃO DA MISSÃO



Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus (Lc 6, 12)


28 de outubro de 2019


E começando esta nova semana, quase ao término deste mês missionário extraordinário, celebramos hoje dois apóstolos de Jesus: São Simão e São Judas Tadeu. Mais uma oportunidade, então, para aquecermos o nosso coração missionário.



Olha que grande lição Jesus está nos dando, no evangelho de hoje. Ele tinha uma decisão importante para tomar. Àquela altura da missão, um grupo numeroso de discípulos e discípulas o seguia. E ele precisava dar um mínimo de organização ao seu grupo. E pensar no futuro do seu ministério. Ele precisava tomar decisões importantes em benefício de sua missão, em perspectiva de continuidade do seu trabalho. O que faz? Sobe a montanha para rezar e passa a noite inteira em oração a Deus.



A montanha é o lugar da oração, do encontro com Deus. É na oração, que o cristão precisa encontrar a luz de Deus para sua vida. É na oração que pode discernir qual é a vontade do Senhor. E, uma vez compreendida a sua santa vontade, aderir a ela de todo o coração. Uma noite de oração na montanha, antes de tomar uma decisão importante: esse é o exemplo de Jesus.


E que decisões Jesus tomou naquela noite de oração? Nessa passagem, dá pra gente identificar ao menos quatro decisões. A primeira, chamar e escolher 12 líderes. Doze para marcar a continuidade com o povo de Deus, o povo das doze tribos. Doze, porque está construindo um novo momento do povo de Deus. Segunda decisão: escolher os doze do meio dos seus muitos discípulos. Não buscá-los fora. Tirar seus missionários dentre aqueles que o estavam acompanhando. Terceira: Designá-los como apóstolos, enviados. Essa será a sua identidade: serem apóstolos, enviados por ele. Quarta decisão: Reconhecer a liderança de Simão à frente do grupo, trocando o seu nome para Pedro. Na Bíblia, o nome é a missão. E a missão de Simão é ser a pedra, o alicerce da nova comunidade.

Guardando a mensagem

Jesus precisava tomar decisões importantes sobre a sua missão. Subiu a montanha e passou uma noite em oração. Ao amanhecer, chamou os seus discípulos e escolheu doze para serem seus apóstolos. O Papa Francisco explicou outro dia que “A oração é o coração da missão”. Não podemos acertar nosso caminho, sem o diálogo com Deus, sem uma noite de oração. Sempre que um cristão precisa tomar uma importante decisão, precisa subir a montanha, isto é, dedicar-se a um tempo razoável de discernimento e oração. Na oração, encontramos a luz de Deus para nossa vida, para nossas decisões. Esse é o caminho para podermos conhecer e acolher a vontade de Deus. E essa é a grandeza de nossa vida: fazer a vontade de Deus.


Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus (Lc 6, 12)



Rezando a palavra



Senhor Jesus,


Vendo o teu exemplo, em oração na montanha, nos perguntamos se as decisões mais importantes de nossa vida têm sido tomadas dentro de um processo de discernimento, que inclui também um tempo sério de oração. Pela oração, asseguravas que as tuas decisões estivessem de acordo com a vontade do Pai. E são tantas as decisões que um cristão, uma cristã precisa tomar em espírito de obediência ao Pai: a escolha da profissão, o casamento, a consagração religiosa, mudanças importantes na vida profissional e familiar e tanta coisa mais. Senhor, nessas horas, lembra-nos de subir a montanha e a decidir no diálogo com Deus. Assim, poderemos realizar o melhor para nossa vida, o melhor segundo o teu coração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Seria interessante você rezar o terço, hoje. Meditando os mistérios gozosos, contemple a Virgem Maria, em oração, acolhendo sua missão de mãe do Salvador. Não sendo possível rezar o terço, reze ao menos o primeiro mistério (um pai nosso e dez ave-marias), meditando o anúncio do anjo à Virgem Maria.

Para ajudar, vou deixar, no final da meditação escrita, no meu blog, o roteiro dos mistérios gozosos que se contemplam às segundas-feiras.

A gente se encontra, às dez da noite, no Facebook.

Pe. João Carlos Ribeiro – 28 de outubro de 2019.



Mistérios Gozosos (segunda e sábado)

1. No primeiro mistério, contemplamos a Anunciação do anjo à Virgem Maria e a Encarnação do Verbo.

2. No segundo mistério, contemplamos a Visitação de Nossa Senhora à sua prima Santa Isabel.

3. No terceiro mistério, contemplamos o Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo, na Gruta de Belém.

4. No quarto mistério, contemplamos a Apresentação do Menino Jesus no Templo e a Purificação de Nossa Senhora.

5. No quinto mistério, contemplamos a perda e o encontro do Menino Jesus, no Templo, entre os doutores.

06 agosto 2019

A HISTÓRIA DA NUVEM


Pedro estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra (Lc 9, 34) 

06 de agosto de 2019 - Dia da Transfiguração do Senhor

Uma vez, eu fui fazer um show numa diocese de Minas Gerais, Guanhães. Era a festa da dedicação da Catedral de São Miguel, no jubileu de prata da Diocese. O show foi ao entardecer daquele dia e teve a presença de caravanas de várias paróquias da Diocese. Era um dia de festa, a dedicação da Catedral, uma celebração pela qual o Bispo Diocesano consagra o Templo para o culto divino, ungindo as paredes e consagrando o altar. Depois de ter ungido o altar de pedra com óleo, em meio a orações e cantos, colocaram uma espécie de braseiro de ferro em cima do altar, com brasas acesas. E o bispo foi colocando incenso e mais incenso e mais incenso. Aos poucos, a fumaça perfumada do incenso tomou o altar, o presbitério e foi se espalhando. A Igreja toda foi ficando uma nuvem só. E os cantos continuaram por um bom tempo. Quando a nuvem de fumaça começou a se diluir, os ritos da Missa continuaram.

À noite, eu fui jantar na casa do bispo e quis saber direitinho porque aquela nuvem de fumaça tomando a Igreja toda. O bispo, me parece que era Dom Emanuel, me lembrou textos do Antigo Testamento. No tempo do Rei Salomão, quando levaram a Arca da Aliança para o Templo de Jerusalém, o Templo foi tomado por uma nuvem que ocupou tudo. Está em Êxodo 24. Era a glória de Deus que habitava aquela casa, doravante morada de Deus. Foi também assim, no tempo da travessia do deserto, a nuvem tomando a Tenda da Reunião. A nuvem, me explicou o bispo, é o sinal da presença de Deus, manifestação de sua glória.

Num episódio mais antigo – Êxodo 13 – quando o povo acampou aos pés do Monte Sinai, a glória de Deus se manifestou naquele monte, numa nuvem que o envolveu durante vários dias. Moisés subiu o monte, entrando pela nuvem, para receber a Lei do Senhor Deus. A nuvem é, então, uma representação da da presença gloriosa de Deus.

Estou lembrando essa história porque hoje estamos celebrando a festa da Transfiguração do Senhor. Jesus subiu ao monte, para rezar. E foram três discípulos com ele: Pedro, Tiago e João. Em oração, as feições de Jesus se iluminaram, suas vestes ficaram muito brancas e brilhantes. E apareceram, conversando com ele, dois personagens do Antigo Testamento, Moisés e Elias. Os discípulos estavam sonolentos e acabaram dormindo. Ao despertar, viram aquela beleza toda. Pedro teve uma ideia: fazer três tendas para Jesus e seus dois amigos, para ficarem por ali mesmo, no alto da montanha. Foi chegando uma nuvem e eles terminaram dentro dela, cheios de medo. Ouviu-se, então, uma voz: “Este é o meu filho, o escolhido. Escutem o que ele diz”. Nisso, Jesus ficou só. 

A nuvem é um sinal bíblico da presença gloriosa de Deus, como no monte Sinai ou no Templo de Jerusalém. A nuvem os cobriu. Eles ouvem a voz de Deus, apresentando o seu filho, o Messias; e recomendando que o escutassem. Numa palavra, os discípulos, no monte, em oração com Jesus, o reconhecem em sua glória: as Escrituras Sagradas, representadas por Moisés e Elias, explicam o sentido de sua vida, de sua paixão e anunciam a sua vitória; o próprio Deus o revela como Filho e Messias. A eles, cabe agora escutá-lo, crer nele, segui-lo.

Essa experiência da Transfiguração é uma experiência mística de encontro com Deus, de mergulho na sua glória. Os três discípulos precisavam desse momento, dessa experiência, pois iriam enfrentar tempos muito difíceis, os dias da paixão de Jesus. O monte da transfiguração é, em certo sentido, a oração, quando tocamos de perto a grandeza, a beleza e a glória de Deus.

Guardando a mensagem

Nós também vivemos dias difíceis, de crises e turbulências na família, na comunidade, no país. Muitas coisas põem em crise nossa vida de fé: doença, desemprego, descrença, ateísmo. Como os primeiros discípulos, precisamos de um momento de reanimação, de afervoramento, de resgate de nossa alegria de pertencer a Deus e ser seguidores de Jesus de Nazaré. Precisamos subir o monte da oração, da celebração litúrgica, ser envolvidos pelas nuvem, onde – mesmo por alguns instantes – vislumbramos a glória de Deus que se manifesta no seu filho e nos confirma no seu caminho.

Pedro estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra (Lc 9, 34) 

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
No meio de suas dificuldades, os três discípulos tocaram de perto o mistério de tua glória, experimentaram um pedacinho de céu. Aquela experiência, vivida na oração, serviria para animá-los e confirmá-los no caminho do teu seguimento, carregando também a sua cruz. Senhor, certamente esse é também o sentido de nossas celebrações. No meio de tantos problemas, respirarmos o ar da esperança, tocarmos a glória de Deus que é a realidade última e definitiva. E, assim, descermos a montanha, como testemunhas de que o caminho dos humildes, dos justos, dos perseguidos é um caminho de vitória; que Deus não nos abandona; que tu, Senhor Jesus, caminhas à nossa frente; que a paixão abre caminho para a ressurreição, a vida plena, a felicidade completa, obra tua, ó Redentor. Nosso encontro semanal contigo, Senhor Jesus Ressuscitado, na Santa Eucaristia, é o nosso Tabor, o monte da transfiguração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Todo dia, a gente toca de perto a perplexidade das pessoas diante da situação do país e do mundo. Hoje, não engrosse a lamentação. Não espalhe má notícia. Não diga que está sem jeito. Hoje, acenda a luz da esperança, da fé em Jesus Cristo Ressuscitado. Ele é a razão de nossa esperança.


Pe. João Carlos Ribeiro – 06 de agosto de 2019.

11 setembro 2018

NÃO TOME UMA DECISÃO IMPORTANTE SEM SUBIR A MONTANHA

E passou a noite toda em oração a Deus (Lc 6, 12)
11 de setembro de 2018.
Olha que grande lição Jesus está nos dando. Ele tem uma decisão importante para tomar. À essa altura da missão, um grupo numeroso de discípulos e discípulas o segue. E ele precisa dar um mínimo de organização ao seu grupo. E pensar no futuro do seu ministério. Ele precisa tomar decisões importantes em benefício de sua missão, em perspectiva de continuidade do seu trabalho. O que faz? Sobe a montanha para rezar e passa a noite inteira em oração.
A montanha é o lugar da oração, do encontro com Deus. É na oração, que o cristão encontra a luz de Deus para sua vida. É na oração que pode discernir qual é a vontade do Senhor.  E, uma vez compreendida a sua santa vontade, aderir a ela de todo o coração. Uma noite de oração na montanha, antes de tomar uma decisão importante: esse é o exemplo de Jesus. Também na véspera de sua paixão, angustiado e humanamente atordoado pela paixão iminente, está no monte em oração, no Getsêmani. Pede ao Pai para afastar o cálice de dor e humilhação e a morte violenta. Mas, quer, antes de tudo, aderir à vontade de Deus. Uma noite de oração.
Eu tenho a impressão que muitos cristãos tomam decisões sem consultar Deus, sem uma noite de oração. Uma noite de oração é um modo de dizer, uma experiência de discernimento na presença do Senhor. Tem coisas importantes para decidir? Então, precisa subir a montanha, isto é, colocar-se na presença do Senhor para, com a sua luz, com a assistência do seu Espírito, encontrar a sua vontade, o melhor para sua felicidade aqui na terra e na eternidade.
“Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles”, lemos no evangelho. O amanhecer é quando a decisão emerge da reflexão e da oração, decisão tomada, à luz da presença de Deus; é quando a noite da dúvida e da incerteza já foi vencida pela luz de Cristo. Amanhecer é o começo do dia: quando começamos a realizar o que foi decidido no nosso encontro com Deus. Não é à toa que a nossa organização para esse trabalho missionário nos meios de comunicação se chame “Associação Missionária Amanhecer”.
E que decisões Jesus tomou naquela noite de oração? Nessa passagem, dá pra gente identificar ao menos quatro decisões. A primeira, chamar e escolher 12 líderes. Doze para marcar a continuidade com o povo de Deus, o povo das doze tribos. Doze, porque está construindo um novo momento do povo de Deus. Segunda decisão: escolher os doze do meio dos seus muitos discípulos. Não buscá-los fora. Tirar seus missionários dentre aqueles que o estavam acompanhando. Terceira: Designá-los como apóstolos, enviados. Essa será a sua identidade: serem apóstolos, enviados por ele. Quarta decisão: Reconhecer a liderança de Simão à frente do grupo, trocando o seu nome para Pedro. Na Bíblia, o nome é a missão. E a missão de Simão é ser a pedra, o alicerce da nova comunidade.
Guardando a mensagem
Jesus precisava tomar decisões importantes sobre a sua missão. Subiu a montanha e passou uma noite em oração. Ao amanhecer, chamou os seus discípulos e escolheu doze para serem seus apóstolos. Sempre que um cristão precisa tomar uma importante decisão, precisa subir a montanha, isto é, dedicar-se a um tempo razoável de discernimento e oração. Na oração, encontramos a luz de Deus para nossa vida, para nossas decisões. Esse é o caminho para podermos conhecer e acolher a vontade de Deus. E essa é a grandeza de nossa vida: fazer a vontade de Deus.
E passou a noite toda em oração a Deus (Lc 6, 12)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Vendo o teu exemplo, em oração na montanha, nos perguntamos se as decisões mais importantes de nossa vida têm sido tomadas dentro de um processo de discernimento, que inclui também um tempo sério de oração. Pela oração, asseguravas que as tuas decisões estivessem de acordo com a vontade do Pai. E são tantas as decisões que um cristão, uma cristã precisa tomar em espírito de obediência ao Pai: a escolha da profissão, o casamento, a consagração religiosa, mudanças importantes na vida profissional e familiar e tanta coisa mais.  Senhor, nessas horas, lembra-nos de subir a montanha e a decidir no diálogo com Deus. Assim, no amanhecer, poderemos realizar o melhor para nossa vida, o melhor segundo o teu coração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Muita gente que você conhece precisa tomar decisões importantes na vida. Hoje, se aparecer uma boa oportunidade, aconselhe alguém a tomar sua decisão em diálogo com Deus, em oração.

Pe. João Carlos Ribeiro – 11.09.2018

06 agosto 2018

NA ORAÇÃO, DEUS NOS REVELA JESUS


E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)
06 de agosto de 2018.
Você já subiu uma montanha? Bom, pelo menos um monte mais alto já, não é verdade.
A montanha é um símbolo do encontro com Deus. O homem busca Deus, como que subindo uma montanha. Quando chega ao ponto mais alto, tem uma visão deslumbrante. Nem lembra mais do cansaço da subida. É, em certa medida, um momento de transfiguração, de êxtase, de encantamento. Veja que em cima dos montes tem sempre uma igreja construída ou, pelo menos, um cruzeiro. Já reparou isso? A montanha é o lugar simbólico do encontro com Deus.
Na Bíblia, há também essa identificação da montanha com o fascinante encontro com Deus. Moisés, por exemplo, falou com Deus no monte Sinai. Houve lá o episódio da Sarça Ardente. Mas, também a entrega da Lei nas tábuas de pedra.  No Monte Horeb (que é o mesmo Monte Sinai), também Elias falou com Deus. No monte Carmelo, o mesmo Elias desafiou centenas de sacerdotes pagãos. Ali, Deus mostrou quem era o Deus verdadeiro. A montanha é o lugar da manifestação de Deus. No Sinai, eram tantos relâmpagos e trovões que o povo lá em baixo quase morre de medo. Moisés desceu de lá com o rosto brilhando.
No evangelho da Transfiguração, lido hoje em Marcos, capítulo 9, está contado que Jesus subiu à montanha com Pedro, Tiago e João, três dos seus discípulos. Lá, eles tiveram uma experiência maravilhosa da manifestação de Jesus em sua condição gloriosa. E o que aconteceu na montanha? Ali, houve um profundo encontro com Deus, um momento de revelação da pessoa de Jesus. Jesus foi transfigurado diante deles, ficou com o rosto e as roupas brilhantes. E apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Depois, uma nuvem os cobriu e ouviram a voz de Deus: “Este é o meu filho amado, no qual pus todo o meu afeto. Ouçam-no!".
Subir a montanha é o que nós fazemos na Oração. No momento em que entramos profundamente na comunhão com Deus é como se nós chegássemos ao topo da montanha. Ali, podemos viver uma maravilhosa experiência com Deus. E quem pode nos conduzir assim à oração profunda e verdadeira? O acesso, o caminho já foi aberto por Jesus. E o Espírito Santo de Deus é quem nos conduz ao topo da montanha. Mas, ele conta com nossa docilidade, com nosso esforço em rezar com simplicidade e profundidade. Ficando só na superficialidade, rezando da boca pra fora, distraindo-nos com tudo ao nosso redor, dificilmente subimos à montanha. Ficamos no meio do caminho, não concluímos a subida. Quando alcançamos o topo, rezando de verdade, tudo se torna luminoso, nosso interior se enche de paz e de santa alegria. Ali, Deus nos fala, como pai.  Ele nos aponta Jesus como nosso caminho, nos dá direção, discernimento, conforto. Ficamos até com a tentação de permanecer naquela situação, como os três apóstolos que queriam montar tendas para se fixarem por ali.
Depois da experiência lá no topo, precisamos descer a montanha, voltar à normalidade de nossa vida. Mas, voltamos reabastecidos, reanimados. O encontro com Jesus ressuscitado dá novo ânimo à nossa existência e às nossas lutas.
 
Vamos guardar a mensagem
A montanha é uma imagem da experiência com Deus. Nesse encontro, fundamentalmente o Pai nos apresenta Jesus, seu filho amado. E faz isso, de maneira especial, através de sua Palavra. A Palavra de Deus, na visão dos três apóstolos na montanha, está representada por Moisés e Elias. O povo de Deus dava aos escritos sagrados o título de “Moisés e os Profetas”. Moisés representa a Lei, boa parte das Escrituras Sagradas. Elias representa os profetas, a outra parte das Escrituras. É a Palavra de Deus anunciada e compreendida que nos abre ao conhecimento da Pessoa de Jesus. Deus nos revela Jesus, de maneira especial, por meio de sua Palavra. O Espírito Santo é quem nos leva a compreender a Palavra e a estar em comunhão com Deus. Sem o Espírito Santo, não há oração verdadeira, não se sobe a montanha.
E transfigurou-se diante deles (Mc 9, 2)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
Subir à montanha é procurar o encontro com Deus pela oração. É na oração que o Pai nos revela quem és tu, Senhor. Ele nos diz que tu és o seu filho amado, aquele que ele enviou para nossa salvação. Na verdadeira oração, quando também escutamos e deixamos espaço para a palavra de Deus, o Pai nos revela quem somos nós, seus filhos amados. A oração é o lugar da tua transfiguração. E da nossa também. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Reserve, hoje, um pouco mais de tempo para seu momento de oração. Na sua vida cristã, este momento pessoal de oração precisa ser diário. Na oração, encontramos forças para prosseguir o caminho da vida, com alegria e esperança.

Pe. João Carlos Ribeiro – 06.08.2018

25 fevereiro 2018

VOCÊ JÁ SUBIU A MONTANHA, HOJE?

MEDITAÇÃO PARA O 2º DOMINGO DA QUARESMA, 
DIA 25 DE FEVEREIRO DE 2018.

Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz! (Mc 9, 7)

Pedro, diante da maravilha da transfiguração de Jesus na montanha, teve uma ideia. Acampar ali mesmo. Fazer três tendas. Uma para Jesus, outra para Moisés e outra para Elias. Será que a ideia de Pedro foi boa?

Jesus foi para a montanha, com três dos seus discípulos. Lá, transfigurou-se diante deles. Apareceu com roupas brancas brilhantes, luminoso. Moisés e Elias, personagens do Antigo Testamento conversavam com ele. Que coisa linda! Que visão deslumbrante! Foi aí que Pedro teve a ideia de acamparem por ali. E logo uma nuvem desceu e os encobriu. E da nuvem, veio uma voz: “Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz”. Tudo desapareceu. E eles só viram Jesus com eles.

Montanha tem um significado muito especial. Para o povo semita, montanha é o lugar do encontro com Deus. Basta lembrar o Monte Sinai, onde Moisés recebeu a Lei, das mãos do próprio Deus. Ou o Monte Carmelo, onde Deus acolheu o sacrifício oferecido por Elias, desmascarando a idolatria no meio do seu povo. Jesus muitas vezes passa a noite em oração... na montanha. O monte é o lugar do encontro com Deus. Então, a experiência dos três discípulos na montanha, com Jesus, é uma experiência de oração.

Precisamos sempre subir a montanha. Lá, em oração, fazemos experiência do encontro com Deus. Na oração, Deus nos revela o seu filho único. “Este é o meu filho amado”. O Pai, que nos revela o filho, nos convida a escutá-lo. A principal oração dos membros do povo de Deus era o Shemá. Shemá Israel. “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor”. Recitava-se essa passagem do livro do Deuteronômio muitas vezes ao dia. O discípulo precisa ouvir, escutar, acolher o filho único. Na experiência da montanha, ou seja da oração, encontramos Jesus vivo, ressuscitado, glorioso, triunfante sobre o pecado, o mal e a morte. Essa profunda experiência espiritual está descrita nas roupas brancas brilhantes de Jesus. É uma antevisão de sua ressurreição. Mas, também na oração entramos em contato com o Pai. Somos envolvidos por sua presença divina. É o que está representado na nuvem. Ao revelar o filho, reconheçamos quem é o Pai: ‘aquele que não poupou o seu filho único, mas o entregou por todos nós’, no dizer da Carta aos Romanos.

Uma tentação é, diante da maravilhosa experiência do encontro com Deus na montanha, querer ficar por ali mesmo, acampar. Mas, Jesus desce com eles a montanha. A experiência da oração é um momento de reabastecimento das baterias, de animação, de respiro da alma. É luz para iluminar a escuridão da vida. É esperança e força para se enfrentar os dramas de cada dia. É preciso descer a montanha. Voltar à normalidade da vida, reforçados em esperança e confiança em Deus.

Desde o começo, Jesus tinha indicado as condições para segui-lo: ‘Quem quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia e me siga”. A tentação é sempre querer a vitória sem luta; a contemplação sem compromisso; a oração sem ação. É preciso descer a montanha, com Jesus, para enfrentar os problemas, os dramas de cada dia. Descer, com a certeza de que Deus caminha conosco, que está ao nosso lado. Ele me ajuda, abençoa, protege. Mas, eu sou sujeito de minha história. Assistido pela graça de Deus, tenho que dar conta da minha vida, temos que dar conta da nossa história. É preciso descer a montanha, com Jesus.

Vamos guardar a mensagem

A montanha é uma representação da experiência da oração. Na oração, o Pai nos revela o seu filho único. E nos indica que o escutemos. Escutar Jesus é acolher sua pessoa e seus ensinamentos. Na experiência de encontro com o Senhor, conhecemos também o Pai que não poupou o seu filho único, mas o entregou em nosso favor. Num segundo momento, se desce da montanha para a planície da vida ordinária, para os empenhos de todo dia e para os compromissos que nos cabem no mundo. A tentação é fixar-se nos louvores, nos aleluias e esquivar-se de enfrentar os dramas de cada dia, com as luzes e as forças que o Senhor nos oferece na oração.

Este é o meu filho amado. Escutem o que ele diz! (Mc 9, 7)

Vamos acolher a mensagem

Senhor Jesus,

Nesta quaresma, continua subindo a montanha conosco. Precisamos muito da oração, do encontro profundo com Deus. No meio das dificuldades e dos problemas dessa vida, a oração nos põe em contato profundo contigo, com o Pai. Nisso, somos conduzidos pelo Santo Espírito.
Nesta quaresma, continua descendo a montanha conosco. Precisamos muito que a nossa ação, os compromissos do dia-a-dia sejam iluminados pela luz de tua presença de ressuscitado. Ajuda-nos, Senhor a vencer a tentação de uma religião desligada da vida, de pretender vitória sem luta, glória sem cruz.
Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. 
Amém.

Vamos viver a palavra

Afinal, a ideia de Pedro de fazer três tendas no alto da montanha, foi uma boa ideia ou não foi? Hoje, fale com alguém sobre isso.  


Pe. João Carlos Ribeiro  25.02.2018

27 outubro 2017

UMA NOITE DE ORAÇÃO


Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus (Lc 6, 12)
Olha que grande lição Jesus está nos dando. Ele tinha uma decisão importante para tomar. Àquela altura da missão, um grupo numeroso de discípulos e discípulas o seguia. E ele precisava dar um mínimo de organização ao seu grupo. E pensar no futuro do seu ministério. Ele precisava tomar decisões importantes em benefício de sua missão, em perspectiva de continuidade do seu trabalho. O que faz? Sobe a montanha para rezar e passa a noite inteira em oração a Deus.

A montanha é o lugar da oração, do encontro com Deus. É na oração, que o cristão precisa encontrar a luz de Deus para sua vida. É na oração que pode discernir qual é a vontade do Senhor.  E, uma vez compreendida a sua santa vontade, aderir a ela de todo o coração. Uma noite de oração na montanha, antes de tomar uma decisão importante: esse é o exemplo de Jesus. Também na véspera de sua paixão, angustiado e humanamente querendo escapar da paixão, está no monte em oração, no Getsêmani. Pede ao Pai para afastar o cálice da dor,  a humilhação e a morte violenta. Mas, quer aderir à vontade de Deus. Uma noite de oração.
Eu tenho a impressão que muitos cristãos tomam decisões sem consultar Deus, sem uma noite de oração. Uma noite de oração é um modo de dizer, uma experiência de discernimento na presença do Senhor. Tem coisas importantes para decidir? Então, precisa subir a montanha, isto é, colocar-se na presença do Senhor para, com a sua luz, com a assistência do seu Espírito, encontrar a sua vontade, o melhor para sua felicidade aqui na terra e na eternidade.
“Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles”, lemos no evangelho. O amanhecer é quando a decisão emerge da reflexão e da oração, decisão tomada, à luz da presença de Deus; é quando a noite da dúvida e da incerteza foi vencida pela luz de Cristo. Amanhecer é o começo do dia: quando começamos a realizar o que foi decidido no nosso encontro com Deus. Não é à toa que a nossa organização para esse trabalho missionário nos meios de comunicação se chama “Associação Missionária Amanhecer”.
E que decisões Jesus tomou naquela noite de oração? Nessa passagem, dá pra gente identificar ao menos quatro decisões. A primeira, chamar e escolher 12 líderes. Doze para marcar a continuidade com o povo de Deus, o povo das doze tribos. Doze, porque está construindo um novo momento do povo de Deus. Segunda decisão: escolher os doze do meio dos seus muitos discípulos. Não buscá-los fora. Tirar seus missionários dentre aqueles que o estavam acompanhando. Terceira: Designá-los como apóstolos, enviados. Essa será a sua identidade: serem apóstolos, enviados por ele. Quarta decisão: Reconhecer a liderança de Simão à frente do grupo, trocando o seu nome para Pedro. Na Bíblia, o nome é a missão. E a missão de Simão é ser a pedra, o alicerce da nova comunidade.
Vamos guardar a mensagem de hoje

12 setembro 2017

UMA NOITE DE ORAÇÃO

Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus (Lc 6, 12)
Olha que grande lição Jesus está nos dando. Ele tinha uma decisão importante para tomar. Àquela altura da missão, um grupo numeroso de discípulos e discípulas o seguia. E ele precisava dar um mínimo de organização ao seu grupo. E pensar no futuro do seu ministério. Ele precisava tomar decisões importantes em benefício de sua missão, em perspectiva de continuidade do seu trabalho. O que faz? Sobe a montanha para rezar e passa a noite inteira em oração a Deus.
A montanha é o lugar da oração, do encontro com Deus. É na oração, que o cristão precisa encontrar a luz de Deus para sua vida. É na oração que pode discernir qual é a vontade do Senhor.  E, uma vez compreendida a sua santa vontade, aderir a ela de todo o coração. Uma noite de oração na montanha, antes de tomar uma decisão importante: esse é o exemplo de Jesus. Também na véspera de sua paixão, angustiado e humanamente querendo escapar da paixão, está no monte em oração, no Getsêmani. Pede ao Pai para afastar o cálice da dor,  a humilhação e a morte violenta. Mas, quer aderir à vontade de Deus. Uma noite de oração.
Eu tenho a impressão que muitos cristãos tomam decisões sem consultar Deus, sem uma noite de oração. Uma noite de oração é um modo de dizer, uma experiência de discernimento na presença do Senhor. Tem coisas importantes para decidir? Então, precisa subir a montanha, isto é, colocar-se na presença do Senhor para, com a sua luz, com a assistência do seu Espírito, encontrar a sua vontade, o melhor para sua felicidade aqui na terra e na eternidade.
“Ao amanhecer, chamou seus discípulos e escolheu doze dentre eles”, lemos no evangelho. O amanhecer é quando a decisão emerge da reflexão e da oração, decisão tomada, à luz da presença de Deus; é quando a noite da dúvida e da incerteza foi vencida pela luz de Cristo. Amanhecer é o começo do dia: quando começamos a realizar o que foi decidido no nosso encontro com Deus. Não é à toa que a nossa organização para esse trabalho missionário nos meios de comunicação se chama “Associação Missionária Amanhecer”.
E que decisões Jesus tomou naquela noite de oração? Nessa passagem, dá pra gente identificar ao menos quatro decisões. A primeira, chamar e escolher 12 líderes. Doze para marcar a continuidade com o povo de Deus, o povo das doze tribos. Doze, porque está construindo um novo momento do povo de Deus. Segunda decisão: escolher os doze do meio dos seus muitos discípulos. Não buscá-los fora. Tirar seus missionários dentre aqueles que o estavam acompanhando. Terceira: Designá-los como apóstolos, enviados. Essa será a sua identidade: serem apóstolos, enviados por ele. Quarta decisão: Reconhecer a liderança de Simão à frente do grupo, trocando o seu nome para Pedro. Na Bíblia, o nome é a missão. E a missão de Simão é ser a pedra, o alicerce da nova comunidade.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Jesus precisava tomar decisões importantes sobre a sua missão. Subiu a montanha e passou uma noite em oração. Ao amanhecer, chamou os seus discípulos e escolheu doze para serem seus apóstolos. Sempre que um cristão precisa tomar uma importante decisão, precisa subir a montanha, isto é, dedicar-se a um tempo razoável de discernimento e oração. Na oração, encontramos a luz de Deus para nossa vida, para nossas decisões. Esse é o caminho para podermos conhecer e acolher a vontade de Deus. E essa é a grandeza de nossa vida: fazer a vontade de Deus.
Jesus foi à montanha para rezar. E passou a noite toda em oração a Deus (Lc 6, 12)
Vamos acolher a mensagem de hoje com uma prece
Senhor Jesus,
Vendo o teu exemplo, em oração na montanha, nos perguntamos se as decisões mais importantes de nossa vida têm sido tomadas dentro de um processo de discernimento, que inclui também um tempo sério de oração. Pela oração, asseguravas que as tuas decisões estivessem de acordo com a vontade do Pai. E são tantas as decisões que um cristão, uma cristã precisa tomar em espírito de obediência ao Pai: a escolha da profissão, o casamento, a consagração religiosa, mudanças importantes na vida profissional e familiar e tanta coisa mais.  Senhor, nessas horas, lembra-nos de subir a montanha e a decidir no diálogo com Deus. Assim, no amanhecer, poderemos realizar o melhor para nossa vida, o melhor segundo o teu coração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Pe. João Carlos Ribeiro – 11.09.2017

05 agosto 2017

NO TOPO DA MONTANHA

Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e João, seu irmão, e os levou a um lugar à parte, sobre uma alta montanha (Mt 17, 1)

Você já subiu uma montanha? Bom, pelo menos um monte mais alto já, não é verdade.
A montanha é um símbolo do encontro com Deus. O homem busca Deus, como que subindo uma montanha. Quando chega ao ponto mais alto, tem uma visão deslumbrante. Nem se lembra mais do cansaço da subida. É, em certa medida, um momento de transfiguração, de êxtase, de encantamento. Veja que em cima dos montes tem sempre uma igreja construída ou, pelo menos, um cruzeiro. Já reparou isso? A montanha é o lugar simbólico do encontro com Deus.

Na Bíblia, há também essa identificação da montanha com o fascinante encontro com Deus. Moisés, por exemplo, falou com Deus no monte Sinai. Houve lá o episódio da Sarça Ardente. Mas, também a entrega da Lei nas tábuas de pedra.  No Monte Horeb (que é o mesmo Monte Sinai), também Elias falou com Deus. No monte Carmelo, o mesmo Elias desafiou centenas de sacerdotes pagãos. A montanha é o lugar da manifestação de Deus. No Sinai, eram tantos relâmpagos e trovões que o povo lá em baixo, quase morre de medo. Moisés desceu de lá com o rosto brilhando.

No evangelho da Transfiguração, lido hoje em Mateus capítulo 17, está contado que Jesus subiu à montanha com Pedro, Tiago e João, três dos seus discípulos. Lá, eles tiveram uma experiência maravilhosa da manifestação de Jesus em sua condição gloriosa. E, quando tudo passou, desceram a montanha, com a recomendação de não contarem nada a ninguém. E o que aconteceu na montanha? Ali, houve um profundo encontro com Deus, um momento de revelação da pessoa de Jesus. Jesus foi transfigurado diante deles, ficou com o rosto e as roupas brilhantes. E apareceram Moisés e Elias conversando com ele. Depois, uma nuvem os cobriu e ouviram a voz de Deus: “Este é o meu filho amado, no qual pus todo o meu afeto. Ouvi-o”.

Subir a montanha é o que nós fazemos na Oração. No momento em que entramos profundamente na comunhão com Deus é como se nós chegássemos ao topo da montanha. Ali, podemos viver uma maravilhosa experiência com Deus. E quem pode nos conduzir assim à oração profunda e verdadeira? O acesso, o caminho já foi aberto por Jesus. E o Espírito Santo de Deus é quem nos conduz ao topo da montanha. Mas, ele conta com nossa docilidade, com nosso esforço em rezar com simplicidade e profundidade. Ficando só na superficialidade, rezando da boca pra fora, distraindo-nos com tudo ao nosso redor, dificilmente subimos à montanha. Ficamos no meio do caminho, não concluímos a subida. Quando alcançamos o topo, rezando de verdade, tudo se torna luminoso, nosso interior se enche de paz e de santa alegria. Ali, Deus nos fala, como pai.  Ele nos aponta Jesus como nosso caminho, nos dá direção, discernimento, conforto. Ficamos até com a tentação de permanecer naquela situação, como os três apóstolos que queriam montar tendas para se fixarem por ali.

Depois da experiência lá no topo, precisamos descer a montanha, voltar à normalidade de nossa vida. Mas, voltamos reabastecidos, reanimados. O encontro com Jesus ressuscitado dá novo ânimo à nossa existência e às nossas lutas.
  

10 setembro 2013

A montanha

Você tem alguma coisa importante para resolver? Então, precisa subir a montanha. Está se sentindo perdido diante dos problemas da vida? Tem que subir a montanha. Precisa se sentir mais perto de Deus? Tem, então, que subir a montanha.

Jesus subiu a montanha para rezar e passou a noite toda em oração a Deus. É o que lemos no Evangelho de Lucas, capítulo 6. O que Jesus foi fazer na montanha?  De vez em quando ele subia um monte e ficava lá a noite toda rezando. Isso acontecia sempre que precisava tomar uma grande decisão. Dessa vez, ele precisa tomar uma decisão importante: dar um passo de organização no seu trabalho, pensar no futuro do seu ministério. Na montanha, ele ia se entender com o Pai, expor suas situações, pedir luzes para as decisões que precisavam ser tomadas. A montanha é o lugar da oração.  É o próprio elevar-se em oração. Ao amanhecer, já tinha uma decisão: manteria perto de si um grupo mais próximo de discípulos e a eles confiaria a continuidade do seu trabalho. Você tem uma decisão importante para tomar: sobre o seu casamento, a educação dos seus filhos, uma mudança de profissão, um negócio a realizar, uma cirurgia pra enfrentar... então, você precisa subir a montanha, quer dizer, você precisa elevar-se espiritualmente em oração. A montanha é o lugar das grandes decisões.