PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: 18-22
Mostrando postagens com marcador 18-22. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 18-22. Mostrar todas as postagens

As tentações do caminho.





01 de julho de 2024

  Segunda-feira da 13ª Semana do Tempo Comum. 


  Evangelho  


Mt 8,18-22

Naquele tempo, 18vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. 19Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: “Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás”.
20Jesus lhe respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. 21Um outro dos discípulos disse a Jesus: “Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai”. 22Mas Jesus lhe respondeu: “Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos”.



  Meditação. 


Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos (Mt 8, 22).

Nos evangelhos, encontramos textos maravilhosos em que aparece a generosidade de pessoas que foram chamadas a seguir Jesus e largaram tudo para atender ao seu convite. É Deus quem chama. Seguir Jesus é uma expressão para indicar a condição de ser seu discípulo, sua discípula. Caminhar com ele, ao lado dele, como muitos faziam, era uma espécie de escola, de tempo de formação e um modelo para toda a vida. Mesmo não andando com Jesus o tempo todo, o discípulo ou a discípula tinha sempre em mente estar caminhando com ele, seguindo os seus passos.

Generosos foram os primeiros discípulos, como narrado nos evangelhos. Aqueles pescadores largaram o barco, o mar, a família e passaram a acompanhar Jesus em suas andanças missionárias. Levi, sentado na coletoria de impostos, deixou tudo, ao ouvir o convite ‘Segue-me’. Mas, nem sempre a resposta foi pronta e generosa por parte de quem foi chamado. É assim que lemos, no texto de hoje, casos em que os convidados se mostraram reticentes e pouco generosos diante do convite para seguir Jesus.

No Evangelho de São Lucas, aparecem três tentações para os que caminham com Jesus: o entusiasmo sem compromisso, as desculpas para protelar a adesão e as sementes ruins da desistência. Hoje, o mesmo episódio está sendo lido em São Mateus. Neste evangelho, dois casos são contemplados. O primeiro caso é do mestre da Lei que se apresentou, todo animado, para seguir Jesus. O Mestre lhe disse: “As raposas têm tocas. Os pássaros têm ninhos. Mas, eu não tenho nem onde deitar a cabeça”. Está claro. O discípulo não pode estar atrás de segurança e de comodidades. Deve acompanhar Jesus em seu despojamento. Esse tal, pela conversa de Jesus, não estava disposto à vida de andarilho e sem conforto que Jesus levava.

Outro discípulo arrumou logo uma desculpa para retardar o seu engajamento no movimento de Jesus: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. Isso quer dizer que ele adiaria o seu seguimento de Jesus para depois que o seu pai se fosse. Aí, sim, pensou ele, estaria livre, desimpedido... Não, meu amigo, o chamado é pra hoje. “Deixe que os mortos enterrem os seus mortos, mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. Anunciar o Reino de Deus é comunicar ao povo uma boa nova, uma notícia maravilhosa. É anunciar a vitória da vida sobre a morte e o mal. O pai dele precisava exatamente desta boa notícia. Não de um coveiro.

O Reino de Deus pede prioridade e exclusividade. ‘Busquem em primeiro lugar o Reino de Deus’, ensinava Jesus.




Guardando a mensagem

Nos evangelhos, são narrados muitos exemplos de pessoas que, sentindo-se chamadas para o seguimento de Jesus, deixaram tudo e prontamente aderiram ao convite do Senhor. O evangelho de hoje, curiosamente, traz dois exemplos de convidados que não foram generosos e prontos na resposta. O primeiro estava preocupado com a segurança e as comodidades. Precisava entender o estilo de vida de Jesus e imitá-lo. O segundo condicionava sua adesão ao convite de Jesus ao final da vida do seu pai. Precisava entender que seguir Jesus é participar da experiência e do anúncio da vida nova, com plenitude e sentido. Esse era o bem maior a fazer ao seu pai.

Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos (Mt 8, 22).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
todos os dias, podemos sentir o teu chamado. A tua palavra é um permanente 'Vem e Segue-me!". Senhor, vivemos no meio de muitas amarras, de muitas urgências, de muitos compromissos, especialmente com a sobrevivência. Em tua Palavra, nos fazes perceber que, às vezes, queremos te seguir, como se isso fosse uma fuga dos nossos compromissos de família, de trabalho, de cidadania. Ao contrário, tu nos dizes, o teu caminho, sem nos tirar de nossa realidade, apenas exige de nós uma outra postura: simplicidade de vida, confiança em Deus, solidariedade com os irmãos. Igualmente, nos orientas que o que mais nossas famílias precisam é da vida que vem de vós, do sentido da existência que emana da tua Palavra, da experiência de amor que fazemos ao viver o teu evangelho. Senhor, queremos te seguir, com prontidão e generosidade. Dá-nos o teu Santo Espírito para nos ajudar a entender e viver os teus ensinamentos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Será que alguma coisa está impedindo você de seguir Jesus com mais entusiasmo? Seria interessante você escrever alguma coisa sobre isso, no seu caderno espiritual.

Comunicando

Hoje é dia de Segunda Bíblica. Ezequiel capítulo 15 é o tema de hoje. Para acompanhar a aula, é só ir no Youtube e procurar o Canal Padre João Carlos. Aproveite e se inscreva no canal. O nosso encontro da Segunda Bíblica começa sempre às oito e meia da noite.

Uma boa semana. Até amanhã, se Deus quiser!

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb



SEU PAI NÃO PRECISA DE COVEIRO




27 de junho de 2022

Segunda-feira da 13ª Semana do Tempo Comum

EVANGELHO


Mt 8,18-22

Naquele tempo, 18vendo uma multidão ao seu redor, Jesus mandou passar para a outra margem do lago. 19Então um mestre da Lei aproximou-se e disse: “Mestre, eu te seguirei aonde quer que tu vás”.
20Jesus lhe respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. 21Um outro dos discípulos disse a Jesus: “Senhor, permite-me que primeiro eu vá sepultar meu pai”. 22Mas Jesus lhe respondeu: “Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos”.




MEDITAÇÃO


Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos (Mt 8, 22).

Nos evangelhos, encontramos textos maravilhosos em que aparece a generosidade de pessoas que foram chamadas a seguir Jesus e largaram tudo para atender ao seu convite. É Deus quem chama. Seguir Jesus é uma expressão para indicar a condição de ser seu discípulo, sua discípula. Caminhar com ele, ao lado dele, como muitos faziam, era uma espécie de escola, de tempo de formação e um modelo para toda a vida. Mesmo não andando com Jesus o tempo todo, o discípulo ou a discípula tinha sempre em mente estar caminhando com ele, seguindo os seus passos.

Generosos foram os primeiros discípulos, como narrado nos evangelhos. Aqueles pescadores largaram o barco, o mar, a família e passaram a acompanhar Jesus em suas andanças missionárias. Levi, sentado na coletoria de impostos, deixou tudo, ao ouvir o convite ‘Segue-me’. Mas, nem sempre a resposta foi pronta e generosa por parte de quem foi chamado. É assim que lemos, no texto de hoje, casos em que os convidados se mostraram reticentes e pouco generosos diante do convite para seguir Jesus.

Ontem, nós ouvimos um texto semelhante, lido em outro evangelista, São Lucas. Lá, estavam em discussão 3 tentações para os que caminham com Jesus: o entusiasmo sem compromisso, as desculpas para protelar a adesão e as sementes ruins da desistência.

Hoje, o mesmo episódio está sendo lido em São Mateus. Neste evangelho, dois casos são contemplados. O primeiro caso é do mestre da Lei que se apresentou, todo animado, para seguir Jesus. O Mestre lhe disse: “As raposas têm tocas. Os pássaros têm ninhos. Mas, eu não tenho nem onde deitar a cabeça”. Está claro. O discípulo não pode estar atrás de segurança e de comodidades. Deve acompanhar Jesus em seu despojamento. Esse tal, pela conversa de Jesus, não estava disposto à vida de andarilho e sem conforto que Jesus levava.

Outro discípulo arrumou logo uma desculpa para retardar o seu engajamento no movimento de Jesus: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. Isso quer dizer que ele adiaria o seu seguimento de Jesus para depois que o seu pai se fosse. Aí, sim, pensou ele, estaria livre, desimpedido... Não, meu amigo, o chamado é pra hoje. “Deixe que os mortos enterrem os seus mortos, mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. Anunciar o Reino de Deus é comunicar ao povo uma boa nova, uma notícia maravilhosa. É anunciar a vitória da vida sobre a morte e o mal. O pai dele precisava exatamente desta boa notícia. Não de um coveiro.

O Reino de Deus pede prioridade e exclusividade. ‘Busquem em primeiro lugar o Reino de Deus’, ensinava Jesus.



Guardando a mensagem

Nos evangelhos, são narrados muitos exemplos de pessoas que, sentindo-se chamadas para o seguimento de Jesus, deixaram tudo e prontamente aderiram ao convite do Senhor. O evangelho de hoje, curiosamente, traz dois exemplos de convidados que não foram generosos e prontos na resposta. O primeiro estava preocupado com a segurança e as comodidades. Precisava entender o estilo de vida de Jesus e imitá-lo. O segundo condicionava sua adesão ao convite de Jesus ao final da vida do seu pai. Precisava entender que seguir Jesus é participar da experiência e do anúncio da vida nova, com plenitude e sentido. Esse era o bem maior a fazer ao seu pai.

Segue-me, e deixa que os mortos sepultem os seus mortos (Mt 8, 22).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
todos os dias, podemos sentir o teu chamado. A tua palavra é um permanente 'Vem e Segue-me!". Senhor, vivemos no meio de muitas amarras, de muitas urgências, de muitos compromissos, especialmente com a sobrevivência. Em tua Palavra, nos fazes perceber que, às vezes, queremos te seguir, como se isso fosse uma fuga dos nossos compromissos de família, de trabalho, de cidadania. Ao contrário, tu nos dizes, o teu caminho, sem nos tirar de nossa realidade, apenas exige de nós uma outra postura: simplicidade de vida, confiança em Deus, solidariedade com os irmãos. Igualmente, nos orientas que o que mais nossas famílias precisam é da vida que vem de vós, do sentido da existência que emana da tua Palavra, da experiência de amor que fazemos ao viver o teu evangelho. Senhor, queremos te seguir, com prontidão e generosidade. Dá-nos o teu Santo Espírito para nos ajudar a entender e viver os teus ensinamentos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Será que alguma coisa está impedindo você de seguir Jesus com mais entusiasmo? Seria interessante você escrever alguma coisa sobre isso, no seu caderno espiritual.

Comunicando

No programa de rádio de hoje, comento como foi o Show-Mensagem em Rio Preto da Eva e a Santa Missa, ontem à noite, em Manaus. Amanhã, temos um encontro na Livraria Paulinas aqui de Manaus, às 10 horas da manhã. 

Uma boa semana. Até amanhã, se Deus quiser!

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Postagem em destaque

Venham a mim.

   18 de julho de 2024.   Quinta-feira da 15ª Semana do Tempo Comum    Evangelho.    Mt 11,28-30 Naquele tempo, tomou Jesus a palavra e diss...

POSTAGENS MAIS VISTAS