Mostrando postagens com marcador fidelidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fidelidade. Mostrar todas as postagens

28 julho 2020

AUTENTICIDADE E TOLERÂNCIA


Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos (Mt 13, 40)

28 de julho de 2019

O que é que a gente faz com tanta maldade nesse mundo? Não dá pra gente criar um mundo separado. Os fariseus tinham esse complexo. Eles se sentiam os santos e queriam viver apartados dos pecadores. Jesus ensinou que a gente precisa saber conviver com todo mundo, sem ser todo mundo. Precisamos aprender com Deus que é tolerante, paciente, lento em julgar. No livro do Êxodo tem essa apresentação de Deus: “Deus misericordioso e clemente, paciente, rico em bondade e fiel, que conserva a misericórdia por mil gerações, e perdoa culpas, rebeldias e pecados, mas não deixa nada impune” (Ex 33). 

Jesus contou a parábola do joio e do trigo. Um homem semeou boa semente de trigo em seu campo. De noite, veio o inimigo e semeou o joio. Cresceram juntos, trigo e joio. Quando começaram a aparecer as espigas, notou-se que no meio do trigo havia o joio. Na verdade, não é fácil diferenciá-los. O joio tem cara de trigo. Mas, as espigas são diferentes. Os grãos do joio não são bem organizados na espiga como os do trigo e são venenosos. Os empregados queriam arrancá-lo. Mas, o proprietário não deixou. Isso afetaria gravemente o trigo. É que as raízes do joio são rasteiras e saem se entrecruzando com as do trigo. Deixassem chegar o tempo da colheita. Aí, sim, arrancariam primeiro o joio e o queimariam. E recolheriam o trigo no celeiro.

Jesus, à parte, em casa, com os discípulos deu uma explicação a essa parábola. O homem que semeia a boa semente é ele mesmo, Jesus. O trigo são os que pertencem ao Reino. O joio são os que pertencem ao maligno. No fim dos tempos, os anjos farão a ceifa. E cada um terá o seu destino: os maus para o fogo eterno, os justos para a glória.

Uma primeira lição é nos precaver, vigiando para que a nossa plantação não seja infectada pelo joio. O inimigo age na calada da noite, "enquanto todos dormem", como Jesus contou na parábola. A semente boa tinha sido plantada durante o dia. Plantar durante o dia, ótimo, mas vigiar também para que, de noite, não venha o inimigo e infiltre o joio na plantação. É preciso estar vigilante também durante a noite. O dia pode representar a clareza e a transparência com que a gente precisa agir. Quando a coisa é pública, é comunicada, é acompanhada por outros, o mal fica com menos chance. Coisas escondidas, conversas à meia voz, segredinhos... são campo fértil para a ação do inimigo. Claro, uma coisa é o direito à privacidade. Outra, a ação às escondidas acobertada pela mentira, pela falsidade, pela impunidade. É aí que o mal se infiltra, que o inimigo semeia o joio em nossa plantação.

Uma segunda lição é, que neste mundo, vivemos misturados joio e trigo. Não é o caso de adotarmos o jeito fariseu de querer viver separados, de formarmos guetos cristãos. Somos fermento na massa. Mesmo vivendo com todo mundo, não podemos ser todo mundo. Os valores do Reino é que nos guiam, não os valores do mundo. Jesus mesmo pediu, em prece, ao Pai, na última ceia, que não nos tirasse do mundo, mas nos livrasse do maligno. O nosso lugar é o mundo mesmo, junto com o joio. Mas, não para nos tornarmos joio, mas antes para ajudar o joio a dar bons frutos, não frutos venenosos. De toda forma, Deus é quem é o juiz. Assim, já sabemos que o fim do joio é muito ruim. Para o celeiro, só vai o trigo.

Guardando a mensagem

O mal existe. O diabo ainda não se aposentou. Nem está de férias. E tem muitos assessores. E aproveita quando o agricultor dorme, para plantar sua semente ruim na sua vida, na vida de sua família, em sua comunidade, em nosso país. É preciso vigilância. O mundo é movido por muitos interesses, nem todos eles legítimos. A parábola do joio e do trigo também nos estimula a tomar distância de coisas escondidas, de situações dúbias, de escolhas duvidosas em situações de pouca clareza. Outra lição desta parábola é a necessidade de, mesmo vivendo próximos joio e trigo, continuarmos a ser trigo, não nos deixando influenciar pelo mal. Como fermento na massa, sejamos nós a influenciar em favor do bem, da justiça, da paz, da fraternidade.

Como o joio é recolhido e queimado ao fogo, assim também acontecerá no fim dos tempos (Mt 13, 40)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Tu nos ensinaste a rezar, no Pai Nosso, “Livrai-nos do mal”. Ajuda-nos, Senhor, a estar vigilantes para que o inimigo não semeie joio na nossa plantação de trigo, na nossa família, na nossa comunidade. Ensina-nos a conviver com quem é joio, sem exclui-lo, mas sem imitá-lo ou deixar-nos cooptar pela desonestidade, pela infidelidade, por suas más ações. Antes, sejamos capazes de ajudá-los a dar frutos bons, antes que chegue o dia final da colheita. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Você está conseguindo conviver bem com pessoas que não pensam como você? que não crêem como você? Pense nisso. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

28 agosto 2018

MORTE NO BANQUETE DA CORTE


Quero que sem demora me dês a cabeça de João Batista (Mc 6, 25).
29 de agosto de 2018.
Hoje, celebramos o martírio de João Batista. Assim, lemos em Marcos 6 o episódio da prisão e morte do profeta, na corte de Herodes. O evangelista Lucas atribui simplesmente a Herodes Antipas a execução do Batista. E esclarece que a causa da prisão foi a denúncia de sua vida irregular com a cunhada e de todas as más ações que havia cometido. Herodes foi um governante violento e repressor. Os evangelistas Marcos e Mateus narram o banquete, no aniversário do rei, onde se deu a morte do profeta.
No aniversário de Herodes, certamente no palácio de sua capital Tiberíades, oferece-se um banquete aos grandes da Galileia: a corte, os oficiais, os cidadãos importantes. Herodes se casara com a cunhada, Herodíades, mulher do seu irmão Filipe. Além de cunhada, a mulher era sua sobrinha. A filha dela, enteada do rei, portanto sua sobrinha-neta, boa dançarina, apresentou-se dançando na festa. A dança e os gingados da moça agradaram em cheio os convidados e o rei. Este lhe prometeu um presente, o que ela pedisse, mesmo que fosse metade do seu reino. A mãe combinou com ela que pedisse a cabeça de João Batista. O rei, mesmo entristecido com o pedido, cumpriu sua promessa. É a triste história do martírio de João Batista.
Por que o evangelho de Marcos nos conta essa história tão triste? Uma razão é ir preparando o nosso coração para a morte de Jesus. Na história de João Batista, o ódio da mulher do rei desencadeou a morte do profeta. Na história de Jesus, foi o ódio das lideranças do seu povo que o levaram à morte. Herodes mostrou-se fraco, reticente, objeto de manipulação de Herodíades. Na história de Jesus, foi Pilatos, o governante fraco e manipulado pelo Sinédrio dos hebreus.                                   
Por que o evangelho de Marcos nos conta essa história de tanta violência? Para podermos fazer uma comparação entre o banquete da morte e a multiplicação dos pães, o banquete da vida, que vem logo em seguida. No banquete de Herodes, o prato é a violência, a cabeça decapitada de João Batista. No banquete de Jesus, o prato é a partilha, a providência divina, a própria vida de Jesus entregue. Cinco mil homens se alimentaram com o que seria cinco pães e dois peixes.
Por que o evangelho de Marcos nos conta essa história de final tão desalentador? Para aprendermos o caminho da fidelidade com o profeta João Batista. No anúncio, ele foi claro e forte, denunciando os desmandos e o mau exemplo da vida irregular do rei e sua concubina. |João foi fiel até o fim, sem se acovardar, nem recuar na palavra que devia proclamar.
Por que o evangelista Marcos nos conta essa história? Para nos indicar que o caminho de João Batista continua no caminho de Jesus. Exatamente depois que João foi preso, Jesus voltou para a Galileia e começou a pregação, proclamando o evangelho do Reino de Deus.
Guardando a mensagem
Em todos os tempos, os profetas são perseguidos. Jesus disse que, em contraponto, os falsos profetas são aplaudidos. Lendo o fim de João Batista, nos preparamos para a paixão de Jesus. Ele tomará o caminho dos profetas, homens da verdade de Deus, que terminam incompreendidos pelo povo e perseguidos pelas autoridades. Também nos ajuda a entender a graça da multiplicação dos pães que prepara a Eucaristia: Jesus comunica vida, dando-se a si mesmo. Herodes comunica morte, poupando-se a si mesmo. João Batista foi fiel à sua missão, denunciando o erro e perseverando na provação. Esse é o caminho do cristão. Não desistir, não se intimidar diante das dificuldades. Jesus continua o caminho de João. Nós continuamos o caminho de Jesus.
Quero que sem demora me dês a cabeça de João Batista (Mc 6, 25).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
A atuação do governante Herodes, violento no exercício do poder e escandaloso em sua vida pessoal, produziu morte na história do seu povo: exploração, fome, perseguição política. É o que nos diz essa cena do martírio de João Batista. Já a tua atuação, Jesus, a atenção às necessidades daquela gente e o compromisso com Deus produziram vida na história do teu povo: acolhimento, partilha, fartura. É o que nos diz a cena da multiplicação dos pães que vem logo em seguida. Dá-nos, Senhor, tomar distância dos banquetes dos Herodes de hoje e pautarmos nossa vida e nossas opções pelo teu banquete no deserto. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Estamos quase no final do mês das vocações. Dedique hoje uma prece ao Senhor pela fidelidade dos missionários, dos vocacionados.

Pe. João Carlos Ribeiro - 29.08.2018

16 março 2018

O CLIMA ESTÁ PESADO

Quando seus irmãos já tinham subido, então, também ele subiu para a festa, não publicamente, mas sim como que às escondidas (Jo 7, 10)
16 de março de 2018.
Os tempos estão ficando difíceis para os seguidores de Cristo. Houve aquele tempo da perseguição do império romano, no início do cristianismo, com tantos mártires que continuamos a celebrar! Mais recentemente, no Brasil e em boa parte da América Latina, tivemos a perseguição da ditadura militar, difamando, sequestrando e torturando inúmeros cristãos. No momento atual, em muitas partes do mundo, mesmo nos países que foram marcados pela civilização cristã, cresce a intolerância e a agressividade contra a Igreja e a pregação do evangelho. Os grandes valores defendidos pelos cristãos, valores que fundam a vida em sociedade, estão sendo combatidos abertamente pelo desregramento sexual, o aborto, o consumo de drogas, a ideologia de gênero, o enfraquecimento da instituição familiar, o vilipêndio de símbolos religiosos... Em síntese, ser cristão hoje é estar na contramão, no contrafluxo de um mundo que está tomando a direção contrária. E assim, seguir Jesus vai significar, cada vez mais, incompreensões, discriminação, difamação, perseguição.
Nesse contexto, podemos entender melhor o evangelho de hoje que nos diz que Jesus evitava andar pela Judeia, por causa da perseguição e ameaças de morte à sua pessoa. E que, depois que os discípulos foram para a festa das Tendas em Jerusalém, ele seguiu depois deles, às escondidas. Então, o clima estava muito pesado. Razão tinham os discípulos que não queriam que Jesus fosse àquela festa. Mas, impressiona ver que, em seguida, Jesus aparece em público ensinando, para surpresa dos seus inimigos, que, assim em público, não podiam prendê-lo, pela reação do povo ou, como diz São João, porque não tinha chegado a sua hora. Muitos até estranharam que Jesus, procurado como estava, estivesse assim falando e movimentando-se em publico, com tanta desenvoltura.
Do que Jesus estava dizendo, temos um trechinho no texto de hoje. Ele estava ensinando em alta voz, no Templo. Notem, em alta voz. “Vocês me conhecem. Mas, eu não vim por mim mesmo. Vocês não conhecem quem me enviou. Eu o conheço”. Dava pra todo mundo entender: Foi Deus quem o enviou, e aquela gente, embora estivesse no Templo de Deus, não o conhecia.
No livro da Sabedoria está escrito: Os ímpios, em seus falsos raciocínios, dizem: “Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda. Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver sua serenidade e sua paciência. Vamos condená-lo à morte vergonhosa. Vamos ver se alguém vem socorrê-lo”. Conclui o livro santo: “A malícia os torna cegos”.
Vamos guardar a mensagem
Estamos na preparação para a Páscoa. À Páscoa da ressurreição, Jesus chegou passando pela paixão e pela morte de cruz. Nós, como seguidores de Jesus, não apenas acompanhamos o drama de sua paixão, mas reconhecemos que muitos irmãos passam também, perto ou longe de nós, por sofrimentos semelhantes, por causa de sua fé em Cristo. Com eles, ficamos solidários. E ficamos sabendo também que seguir Jesus pode comportar para nós algum incômodo, algum sacrifício, algum sofrimento. É aí que amadurece a nossa fidelidade.
Quando seus irmãos já tinham subido, então, também ele subiu para a festa, não publicamente, mas sim como que às escondidas (Jo 7, 10)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Às vezes, somos tentados a fazer da religião um pronto-socorro para nossos dramas e sofrimentos. Queremos fugir deles, queremos resolvê-los. Estamos sempre te pedindo isso, tu sabes bem. Mas, há um outro lado da fé cristã que este tempo da Quaresma nos ensina. Ser cristão é te seguir, caminhar segundo o teu evangelho. Isso nos põe na contramão dos que não conhecem os teus ensinamentos ou não os tomam como norma de vida. A nossa escolha por ti e por tua Igreja podem nos trazer incompreensão, discriminação, perseguição. Nesta hora, precisamos nos manter firmes, tomar a cruz contigo e ouvir aquela bem-aventurança do Sermão da Montanha: “Bem-aventurados são vocês, quando os injuriarem e os perseguirem, e mentindo, falarem todo mal contra vocês por minha causa”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Escreva, hoje, no seu diário espiritual (ou caderno de anotações) uma breve oração pedindo em favor dos cristãos perseguidos por causa de sua fé.

Pe. João Carlos Ribeiro – 15.03.2018

26 dezembro 2017

O NATAL E A CRUZ


MEDITAÇÃO
PARA A TERÇA-FEIRA,
DIA 26 DE DEZEMBRO
Quem perseverar até o fim, esse será salvo (Mt 10, 22).
Estamos na oitava do natal. E já celebrando o primeiro mártir cristão: Estêvão, o diácono Estêvão que pregou  o nome de Jesus. Ele denunciou aqueles que levaram Jesus à cruz por conivência com o poder e em rejeição à manifestação de Deus no seu filho amado. Mas, o que essa comemoração do mártir Estêvão tem com o Natal do Senhor que estamos celebrando nesta oitava?
A cena do presépio nos parece doce e poética.  Na verdade, ali está representada a forma como a humanidade, a começar do seu próprio povo, tratou Jesus. E o tratamento que ele recebeu no seu nascimento foi de exclusão. Nasceu na estrebaria dos animais porque não havia lugar para ele nas casas de família e na hospedaria. Não acolheram o casal em dificuldade, chegando de uma longa viagem, a mulher em dores de parto, uma criancinha por nascer... Na falta de espaço em suas casas, ou melhor, de prioridade dos humildes em suas vidas, alguém lhes indicou a gruta dos animais.  Está certo que eles tiveram a atenção dos pastores naquela noite. Mas, os pastores encontraram a criança e seus pais na maior pobreza. Ah, teve mais nesses seus primeiros dias de vida... com a visita dos Magos do Oriente, José foi avisado que o rei Herodes procurava a criança para eliminá-la. E lá se vai a sagrada família, frente à iminente perseguição dos soldados do rei, migrando penosamente para as bandas do Egito.  Exclusão e perseguição são as marcas da vida de Jesus, desde o início.
Jesus tinha avisado aos seus discípulos que eles seriam perseguidos. No evangelho de hoje, estão muitas de suas palavras sobre isso: “Levarão vocês presos para comparecerem diante de autoridades. Serão denunciados aos tribunais, açoitados nas sinagogas. Mas, não se intimidem, nem se desesperem. O Espírito Santo vai fazer a defesa de vocês. Ele falará em nome de vocês. Vejam que a perseguição pode sair até de dentro de sua própria casa. Vocês serão odiados. Mas, quem ficar perseverante até o fim, esse vencerá”.
As primeiras gerações de cristãos logo conheceram o sentido dessas palavras de Jesus. Estêvão era um dos sete diáconos escolhidos pelos apóstolos. A primeira proposta era organizar a distribuição de alimentos para as viúvas e para os pobres. Mas, os diáconos foram especialmente pregadores da Palavra de Deus. Continuaram a pregação de Jesus. Enquanto Estêvão estava só organizando a distribuição das feiras e outras ajudas às famílias pobres, todo mundo gostava. Quando começou a anunciar Jesus e denunciar os motivos de sua morte na cruz, aí começaram a persegui-lo. Estêvão é só um exemplo dos cristãos que continuam hoje a ser perseguidos por causa de sua fé, aliás, um bom exemplo, pois, enquanto estava sendo apedrejado, perdoou os seus algozes e entregou o seu espírito a Deus, imitando o próprio Jesus.
Vamos guardar a mensagem de hoje

13 dezembro 2017

FORTE NÃO É QUEM BATE, FORTE É QUEM RESISTE


MEDITAÇÃO 
PARA A QUINTA-FEIRA, 
DIA 14 DE DEZEMBRO
Desde o dia de João Batista até aqui, o Reino dos Céus sofre violência e são os violentos que o conquistam (Mt 11,12)
Que palavra estranha! O Reino dos Céus sofre violência e são os violentos que o conquistam. Com certeza, Jesus não está dizendo que devemos conquistar o Reino dos Céus com violência. Isto estaria em contradição com o seu ensinamento, em outras páginas do Evangelho.
Desde o dia de João Batista até aqui, o Reino dos Céus sofre violência. É verdade. João Batista foi preso e sem nem sequer um julgamento, foi barbaramente assassinado a mando do rei Herodes para satisfazer o capricho da amante. Foi degolado na cadeia. Cortaram a sua cabeça e a levaram numa bandeja. O Reino sofrendo violência. Essa parte dá entender, não dá?
Agora, a violência de Herodes, de sua corte, de sua amante, de sua enteada dançarina, de seus soldados… essa grande violência encontrou um homem forte, convicto, coerente, consequente. Ele foi perseguido porque estava incomodando com suas ações, sua pregação seu ministério. Opôs-se aos desmandos do rei, às atrocidades que a sua corte patrocinava e à sua escandalosa situação de vida marital com a cunhada. João Batista mostrou-se forte, resistente, combativo. Um profeta à altura desse nome. Denunciou, reclamou, pediu conversão. E não voltou atrás, não desconversou, mesmo diante da morte.
É verdade que o poder de Herodes e das elites que o sustentavam estavam praticando violência contra o Reino dos Céus.  Mas, o Reino dos Céus não foi conquistado pela violência de Herodes. Entende? Ele cortou a cabeça do profeta, mas não o calou. O Batista não perdeu, o Batista ganhou. O profeta João Batista é quem conquistou o Reino dos Céus com sua firmeza, com sua resistência. À violência e à perseguição, João respondeu com destemor e fidelidade. Cheio da força de Deus, ele foi forte. Assim, ele conquistou o Reino dos Céus.
Vamos guardar a mensagem de hoje
O poder pode se opor ao Reino de Deus, com violência. Mas, só os fortes o conquistam. Como João Batista, têm se comportado os mártires em todos os séculos de cristianismo. Luzia perdeu os olhos, mas não renegou Jesus. Mateus Moreira, mártir do Rio Grande do Norte, teve o coração arrancado pelo soldado, mas morreu gritando de todo coração. “Louvado seja o Santíssimo Sacramento!”. Como eles, comportam-se os cristãos nas horas difíceis de sofrimento e perseguição; e vencem com a força de Deus, sendo fortes e resistentes. Renunciam a si mesmos, como recomendou Jesus, mas não abrem mão da verdade, da justiça, do amor fiel do seu Deus. Neste sentido, são violentos, ou melhor, fortes, muito mais fortes que os seus agressores ou as adversidades e contrariedades da vida.
Desde o dia de João Batista até aqui, o Reino dos Céus sofre violência e são os violentos que o conquistam (Mt 11,12)