Mostrando postagens com marcador quem dizem que eu sou. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador quem dizem que eu sou. Mostrar todas as postagens

23 junho 2019

O SENHOR JESUS


Mas Jesus perguntou: E vocês, quem dizem que eu sou? Pedro respondeu: O Cristo de Deus (Lc 9, 20) 


23 de junho de 2019 – 12º Domingo do Tempo Comum


Outros estão dizendo isso e aquilo. Tudo bem. Mas, vocês, em que creem? Pra vocês, quem sou eu? Foi a pergunta de Jesus aos discípulos. O que o povo estava dizendo, tudo bem, era já uma aproximação da verdade, estava no caminho. Mas, os apóstolos, os doze, que estavam sempre com ele, tinham que saber certinho quem era ele. E sabiam. Pedro, o líder do grupo, falou em nome de todos: ‘Tu, Jesus, és o Cristo de Deus!’ Disse tudo, disse certo. Jesus é o Cristo de Deus, o enviado do Pai para nossa salvação. Mas, faltava ainda eles passaram pela grande provação da paixão para poderem explicar melhor isso. Por isso, Jesus falou-lhes de sua paixão, da rejeição das autoridades do seu povo, de sua morte e de sua ressurreição ao terceiro dia. Sem a cruz, não se entende Jesus. 

Hoje, muita gente fica dizendo que conhece Jesus e dá os seus palpites. Tudo bem, estão tentando se aproximar da verdade. Mas os doze, os apóstolos, guardam o conhecimento verdadeiro de quem é Jesus. Eles foram, por ele, constituídos suas testemunhas. E nós guardamos os seus ensinamentos. Nós cremos no JESUS DE PEDRO, no testemunho dos apóstolos. Por isso, dizemos que nossa fé é apostólica, tem seu fundamento nos apóstolos. A Igreja é a comunidade edificada por Jesus sobre a fé de Pedro, sobre a pregação e o testemunho dos apóstolos. Somos a Igreja dos doze. Somos a Igreja de Pedro. Cremos com Pedro, o líder dos doze: ‘Jesus é o Cristo de Deus’. Igreja sem Pedro não é a de Jesus. 

Outros continuam dando seus palpites. Tudo bem, estão no caminho. Aliás, não faltam novas opções reduzindo Jesus a senhor de curas de milagres. Mas, Jesus insistiu na cruz, na paixão, no seu sacrifício. Nós cremos no JESUS DA CRUZ. Jesus mesmo insistiu com os doze: não dá para compreendê-lo sem sua paixão e morte de cruz. E não dá para segui-lo sem cada um tomar sua cruz cada dia, com ele. Igreja sem cruz não é a de Jesus. 

Outros tem lá suas teorias e seus interesses. E negam-se a acolher Maria como mãe. Com os apóstolos e a longa história da fé cristã em mais de 20 séculos, nós cremos no JESUS DE MARIA. Para nos salvar, ele assumiu nossa humanidade no seu seio virginal. Ela o educou na fé do povo eleito e o seguiu como primeira discípula. Na cruz, ele no-la entregou como mãe. E ela acompanhou os passos da Igreja nascente, como mãe da comunidade redimida. Na glória de Deus, ao lado do seu filho, ela é um sinal a nos lembrar que lá é o nosso lugar. De lá, continua cuidando de nós. Cremos no JESUS DE MARIA, a senhora sua mãe, a senhora mãe da Igreja. Igreja sem Maria não é a de Jesus. 

Quem quiser invente sua doutrina, a nossa nós a recebemos dos apóstolos, as testemunhas que Jesus escolheu e enviou. Com eles, nós cremos no JESUS DA EUCARISTIA. Na última ceia pascal, com os discípulos, Jesus consagrou a oferta de sua vida na cruz em nosso favor. E deu-se em alimento, no pão e no vinho, seu corpo entregue, seu sangue derramado. E instruiu os apóstolos para fazerem isso em sua memória. Celebrando a santa Missa, renovamos o único sacrifício redentor de Cristo em favor da humanidade, reapresentando a oferta de sua vida em favor de todos. Somos a Igreja da Eucaristia. Nela, somos alimentados na comunhão com o seu corpo e o seu sangue. Por ela, elevamos ao Pai o maior louvor, o da obediência do seu filho na cruz e nos unimos a ele. Na Eucaristia, recebemos as mais altas bênçãos do Deus uno e trino a quem servimos. Nela, o Senhor Jesus está realmente presente no sacramento do pão e do vinho consagrados. Igreja sem Eucaristia não é a de Jesus. 

Guardando a mensagem 

Cremos em Jesus, o filho do Deus vivo, que assumiu nossa condição humana no seio de Maria. Pela cruz, ele redimiu o mundo. Pela ação do seu Santo Espírito, ele continua presente, nos conduzindo através dos pastores que agem em seu nome e nos santificando pelos sacramentos com os quais nos sustenta no caminho da fé. Cremos no Jesus de Pedro. Cremos no Jesus da Cruz. Cremos no Jesus de Maria. Cremos no Jesus da Eucaristia. 

Mas Jesus perguntou: E vocês, quem dizem que eu sou? Pedro respondeu: O Cristo de Deus (Lc 9, 20) 

Rezando a mensagem 

Rezemos o trecho do credo apostólico que se refere a Jesus: 

Creio em Jesus Cristo seu único filho, Nosso Senhor
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo

nasceu da Virgem Maria

Padeceu sob Pôncio Pilatos

Foi crucificado, morto e sepultado

desceu a mansão dos mortos

ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus

está sentado à direita de Deus Pai, todo poderoso,

de onde há de vir a julgar os vivos e os mortos.

Amém. 

Vivendo a palavra 

Participar da Santa Missa é a tarefa mais santa para o dia de hoje. Podendo, compartilhe esta meditação com outras pessoas. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 23 de junho de 2019.

20 fevereiro 2019

VADE RETRO, SATANAS!

E vocês, quem dizem que eu sou? (Mc 8, 29)
21 de fevereiro de 2019
Como estou em Roma, nesses dias, na Casa Salesiana do Sagrado Coração, fundada por Dom Bosco, olho para o evangelho de hoje e logo me lembro do que sua mãe Mamãe Margarida lhe disse, bem no dia de sua ordenação. Na hora, com certeza, ele não entendeu. Ela lhe disse: “Meu filho, começar a dizer Missa é começar a sofrer”. Você também não entendeu, não foi? Mas, vai entender. Olha a sabedoria dessa camponesa analfabeta: quando alguém percorre o mesmo caminho de Jesus, encontra também sofrimentos, como ele encontrou.
Olha o que conta o evangelho de hoje. Jesus estava explicando aos discípulos que ele devia ir a Jerusalém e sofrer muito. Notou isso? “Sofrer muito”. Seria rejeitado pelos líderes do seu povo que o entregariam à morte, mas ressuscitaria ao terceiro dia. Essa era uma passagem difícil do caminho de Jesus: a rejeição e a morte. E ele não queria fugir desse momento. Estava resolvido a enfrentar esse sofrimento, com a doação de sua vida e com total confiança no Pai.
Se dependesse de Pedro, a história de Jesus teria sido outra. Ele dispensaria o capítulo da paixão e da morte. Jesus realizaria toda a sua missão sem sofrimento, sem precisar passar pelo vexame da cruz. O que Pedro queria é o que nós queremos. Não queremos assumir os sofrimentos, as provações que vêm junto com nossa opção por Jesus Cristo e por seu evangelho. Seguir Jesus, tudo bem. Sofrer como ele, não. Triunfo, sim; cruz, não. Na primeira crise, o casamento desagua em divórcio. Numa avaliação mais rigorosa do professor, abandona-se a faculdade. No meio de uma crise existencial, o reverendo abandona o ministério.  Basta uma cara feia do coordenador de minha pastoral que eu desisto, ‘não estou aqui para sofrer’. Fugimos de qualquer sofrimento.
Pedro chamou Jesus à parte e o repreendeu. “Não diga uma coisa dessas. Tire da cabeça esse negócio de se dar mal em Jerusalém. Deus não vai permitir uma desgraça dessas. Isso não vai lhe acontecer”. A reação de Jesus espantou os discípulos: “Vade retro, satanas!”- “Afaste-se de mim, satanás! Você não está pensando segundo o que Deus quer, mas segundo a vontade do homem”. Foi um choque para Pedro e para os seus colegas. Em outro momento, Pedro tinha sido elogiado porque tinha reconhecido que Jesus era o Messias, o filho do Deus vivo. E agora, Jesus o estava tratando como satanás, o tentador.  É isso mesmo! Quem proclama que Jesus é o Messias tem também que subir com ele o calvário.
Todo o evangelho é um convite a nos tornarmos seguidores de Jesus. Seguidor é o que percorre a mesma estrada do Mestre, quem faz o seu caminho. O caminho de Jesus é a entrega total de si mesmo pelos outros. Discípulo é quem o segue. E quem o segue, por causa de sua fé, por causa do Reino que Jesus pregou, vai passar também por alguma dificuldade, por algum sofrimento por causa de sua fé e do seu amor a Cristo. Então, Mamãe Margarida, a mãe de Dom Bosco tinha razão. “Começar a dizer Missa é começar a sofrer”. Isto ela disse para o seu filho que tinha acabado  de ser ordenado padre. Mas, o que ela disse serve para nós hoje também: “Fazer opção por Jesus é começar a sofrer”.
Guardando a mensagem
Ninguém quer sofrer. Todo mundo foge do sofrimento. Vivemos a ‘civilização do analgésico’. O evangelho nos faz um convite: seguir Jesus. Jesus nos alerta sobre o sofrimento que existe no seu caminho. Quem o quiser seguir, precisa renunciar a ser o centro de sua vida, para realizar a vontade de Deus. Claro, a vontade de Deus não é que a gente sofra. E não é de qualquer sofrimento que Jesus está falando. A sua escolha foi entregar sua vida pelos outros, em obediência à vontade salvadora do Pai. Quem o quiser seguir, tem que estar pronto para participar também da travessia difícil do sofrimento que vem por causa da fé e do evangelho que se abraça. Seguir com Jesus não é estar com ele só no triunfo, é estar com ele também na paixão.
E vocês, quem dizem que eu sou? (Mc 8, 29)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
O mundo de facilidades que temos hoje, comparando com outros tempos, podem nos tentar a desistir de nossas opções, quando as dificuldades aparecem. Não procuramos sofrimentos, mas pagamos sempre um preço por nossas escolhas. Sermos teus seguidores tem também seu preço. São as renúncias a se fazer, o peso da fidelidade e da perseverança nas horas difíceis, a incompreensão, a discriminação, até a perseguição, em muitos casos. Tu, Senhor Jesus, fizeste a escolha de comunicar a vida de Deus aos pecadores e a realizaste com absoluta fidelidade. A cruz que te impuseram, tu a abraçaste com amor. Deste a tua vida por nós. Ensina-nos a trilhar o teu caminho. Seja  bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Pode ser que hoje apareça uma oportunidade de você aconselhar alguém num momento de dificuldade. Aconselhe a fazer como Jesus, a não desistir dos seus sonhos e dos sonhos de Deus.  

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.02.2019

28 setembro 2018

O CRISTO E OS CRISTÃOS NA MESMA CAMINHADA


Jesus perguntou: “E vocês, quem dizem que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus” (Lucas 9, 20)
28 de setembro de 2018.
Vamos começar reparando que esse texto está na conclusão do período de atividade de Jesus na Galileia. Essa conversa de Jesus com os discípulos equivale a uma avaliação de todo o seu trabalho feito, desde que retornou do batismo, no Jordão. A essa cena, segue-se a cena da transfiguração. E começa a grande viagem de Jesus com o seu grande grupo de discípulos a Jerusalém (Lc 9, 51).  Aí já é outra etapa, em que Jesus se concentra na formação deles.
Na avaliação, Jesus indaga se o povo e eles mesmos, os discípulos, captaram bem a sua mensagem e entenderam a sua pessoa.  São quatro níveis de resposta. “O Senhor é João Batista. O senhor é Elias. O Senhor é um dos profetas antigos que voltou à vida. O Senhor é o Cristo de Deus”. Todas as respostas têm certa dose de verdade, a começar pelo  que o povo estava dizendo sobre ele. A ação de Jesus é uma forma de dar continuidade ao trabalho de João, interrompido pela perseguição de Herodes. Elias, que, no passado, tinha feito um trabalhado de restauração da fé de Israel, era aguardado para a obra final: podiam ver isso em Jesus.  E ele agia mesmo com a liberdade e a determinação dos antigos profetas. Mas, os discípulos, representados por Pedro, o tinham compreendido melhor: ele era o Cristo de Deus.
Cristo é uma palavra grega que equivale à palavra Messias, do hebraico. Cristo quer dizer “ungido”. Jesus é o ungido de Deus. De fato, na sinagoga de Nazaré, Jesus tinha lido o profeta Isaías e se identificado com suas palavras: o Espírito de Deus o tinha ungido para evangelizar os pobres e anunciar o Reino. O ungido é especialmente o rei, o escolhido, o enviado do Senhor. Mas, talvez eles não tivessem entendido tudo. O Messias, o Cristo, o ungido, na realização de sua missão, iria passar por muitas provações.  Foi aí que Jesus fez o primeiro de três anúncios de sua paixão. Ele detalhou tudo também em quatro pontos. Ele iria sofrer muito, ser rejeitado pelos chefes, morrer e, então, ressuscitar. Esse seria o caminho do Messias, o servo sofredor anunciado pelo profeta Isaías. Portanto, nada de dizer ao povo que ele era o Messias, sem absorver o jeito com o qual ele realizaria sua missão.
Se esse era o caminho do Cristo, do ungido, não poderia ser outro o caminho dos seus discípulos, os cristãos. Os discípulos mais tarde começaram a ser chamados com esse título, na comunidade de Antioquia. Ficaram conhecidos como cristãos, os ungidos, como Jesus.

Guardando a mensagem
A lição de Jesus foi clara. Entender quem é ele é tomar o seu caminho. Ele é o Cristo de Deus, e vai enfrentar sofrimento e morte e ressuscitar. Quem for segui-lo, deve fazer o seu mesmo caminho: renunciar a si mesmo e tomar a própria cruz como ele e com ele, cada dia. E isso o que significa? Que você, como seguidor(a) de Jesus, vai encontrar muitas dificuldades, sofrimentos e tribulações no seu caminho. Você não deve pensar que porque está seguindo Jesus, está livre dos problemas. Pelo contrário, é nas dificuldades e nos sofrimentos que você amadurece seu amor e sua imitação de Cristo, o Ungido de Deus. Saiba que é neste caminho histórico de sua vida, marcado pelos limites de sua própria condição humana e pecadora, que o Espírito Santo vai construindo em você, a nova criatura, destinada à plena comunhão com o Pai e à ressurreição final.
Jesus perguntou: “E vocês, quem dizem que eu sou?” Pedro respondeu: “O Cristo de Deus (Lucas 9, 20)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Todo mundo sabe que só se conhece bem uma pessoa, quando se convive com ela, quando se caminha com ela. Nós sabemos que tu és o Cristo, como Pedro e os teus apóstolos nos ensinaram. Mas, precisamos caminhar contigo, conviver contigo, para crescermos, cada vez mais, no conhecimento de tua pessoa de filho de Deus. A tua caminhada para Jerusalém com os teus discípulos foi um grande momento de aprendizado para o teu grupo. Simbolicamente, queremos caminhar contigo, seguir contigo a Jerusalém, para estar contigo no teu sacrifício e na tua ressurreição. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.  
Vivendo a palavra
Leia o texto de hoje em sua Bíblia – Lucas 9, 18-22 - e responda no seu caderno espiritual: Quem é Jesus para mim?

Pe. João Carlos Ribeiro – 28.09.2018