PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: Pedro Tiago e João
Mostrando postagens com marcador Pedro Tiago e João. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Pedro Tiago e João. Mostrar todas as postagens

Não diga que está sem jeito





06 de agosto de 2022

Festa da Transfiguração do Senhor



EVANGELHO


Lc 9,28b-36

Naquele tempo, 28bJesus levou consigo Pedro, João e Tiago, e subiu à montanha para rezar. 29Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante.
30Eis que dois homens estavam conversando com Jesus: eram Moisés e Elias. 31Eles apareceram revestidos de glória e conversavam sobre a morte, que Jesus iria sofrer em Jerusalém. 32Pedro e os companheiros estavam com muito sono. Ao despertarem, viram a glória de Jesus e os dois homens que estavam com ele. 33E quando estes homens se iam afastando, Pedro disse a Jesus: “Mestre, é bom estarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”.
Pedro não sabia o que estava dizendo. 34Ele estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra. Os discípulos ficaram com medo ao entrarem dentro da nuvem. 35Da nuvem, porém, saiu uma voz que dizia: “Este é o meu Filho, o Escolhido. Escutai o que ele diz!”
36Enquanto a voz ressoava, Jesus encontrou-se sozinho. Os discípulos ficaram calados e naqueles dias não contaram a ninguém nada do que tinham visto.




MEDITAÇÃO



Pedro estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra (Lc 9, 34)

Uma vez, eu fui fazer um show numa diocese de Minas Gerais, Guanhães. Era a festa da dedicação da Catedral de São Miguel, no jubileu de prata da Diocese. O show foi ao entardecer daquele dia e teve a presença de caravanas de várias paróquias da Diocese. Era um dia de festa, a dedicação da Catedral, uma celebração pela qual o Bispo Diocesano consagra o Templo para o culto divino, ungindo as paredes e consagrando o altar. Depois de ter ungido o altar de pedra com óleo, em meio a orações e cantos, colocaram uma espécie de braseiro de ferro em cima do altar, com brasas acesas. E o bispo foi colocando incenso e mais incenso e mais incenso. Aos poucos, a fumaça perfumada do incenso tomou o altar, o presbitério e foi se espalhando. A Igreja toda foi ficando uma nuvem só. E os cantos continuaram por um bom tempo. Quando a nuvem de fumaça começou a se diluir, os ritos da Missa continuaram.

À noite, eu fui jantar na casa do bispo e quis saber direitinho porque aquela nuvem de fumaça tomando a Igreja toda. O bispo, me parece que era Dom Emanuel, me lembrou textos do Antigo Testamento. No tempo do Rei Salomão, quando levaram a Arca da Aliança para o Templo de Jerusalém, o Templo foi tomado por uma nuvem que ocupou tudo. Está em Êxodo 24. Era a glória de Deus que habitava aquela casa, doravante morada de Deus. Foi também assim, no tempo da travessia do deserto, a nuvem tomando a Tenda da Reunião. A nuvem, me explicou o bispo, é o sinal da presença de Deus, manifestação de sua glória.

Num episódio mais antigo – Êxodo 13 – quando o povo acampou aos pés do Monte Sinai, a glória de Deus se manifestou naquele monte, numa nuvem que o envolveu durante vários dias. Moisés subiu o monte, entrando pela nuvem, para receber a Lei do Senhor Deus. A nuvem é, então, uma representação da da presença gloriosa de Deus.

Estou lembrando essa história porque hoje estamos celebrando a festa da Transfiguração do Senhor. Jesus subiu ao monte, para rezar. E foram três discípulos com ele: Pedro, Tiago e João. Em oração, as feições de Jesus se iluminaram, suas vestes ficaram muito brancas e brilhantes. E apareceram, conversando com ele, dois personagens do Antigo Testamento, Moisés e Elias. Os discípulos estavam sonolentos e acabaram dormindo. Ao despertar, viram aquela beleza toda. Pedro teve uma ideia: fazer três tendas para Jesus e seus dois amigos, para ficarem por ali mesmo, no alto da montanha. Foi chegando uma nuvem e eles terminaram dentro dela, cheios de medo. Ouviu-se, então, uma voz: “Este é o meu filho, o escolhido. Escutem o que ele diz”. Nisso, Jesus ficou só.

A nuvem é um sinal bíblico da presença gloriosa de Deus, como no monte Sinai ou no Templo de Jerusalém. A nuvem os cobriu. Eles ouvem a voz de Deus, apresentando o seu filho, o Messias; e recomendando que o escutassem. Numa palavra, os discípulos, no monte, em oração com Jesus, o reconhecem em sua glória: as Escrituras Sagradas, representadas por Moisés e Elias, explicam o sentido de sua vida, de sua paixão e anunciam a sua vitória; o próprio Deus o revela como Filho e Messias. A eles, cabe agora escutá-lo, crer nele, segui-lo.

Essa experiência da Transfiguração é uma experiência mística de encontro com Deus, de mergulho na sua glória. Os três discípulos precisavam desse momento, dessa experiência, pois iriam enfrentar tempos muito difíceis, os dias da paixão de Jesus. O monte da transfiguração é, em certo sentido, a oração, quando tocamos de perto a grandeza, a beleza e a glória de Deus.


 

Guardando a mensagem

Nós também vivemos dias difíceis, de crises e turbulências na família, na comunidade, no país. Muitas coisas põem em crise nossa vida de fé: doença, desemprego, descrença, ateísmo. Como os primeiros discípulos, precisamos de um momento de reanimação, de afervoramento, de resgate de nossa alegria de pertencer a Deus e ser seguidores de Jesus de Nazaré. Precisamos subir o monte da oração, da celebração litúrgica, ser envolvidos pelas nuvem, onde – mesmo por alguns instantes – vislumbramos a glória de Deus que se manifesta no seu filho e nos confirma no seu caminho.

Pedro estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra (Lc 9, 34)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
no meio de suas dificuldades, os três discípulos tocaram de perto o mistério de tua glória, experimentaram um pedacinho de céu. Aquela experiência, vivida na oração, serviria para animá-los e confirmá-los no caminho do teu seguimento, carregando também a sua cruz. Senhor, certamente esse é também o sentido de nossas celebrações. No meio de tantos problemas, respirarmos o ar da esperança, tocarmos a glória de Deus que é a realidade última e definitiva. E, assim, descermos a montanha, como testemunhas de que o caminho dos humildes, dos justos, dos perseguidos é um caminho de vitória; que Deus não nos abandona; que tu, Senhor Jesus, caminhas à nossa frente; que a paixão abre caminho para a ressurreição, a vida plena, a felicidade completa, obra tua, ó Redentor. Nosso encontro semanal contigo, Senhor Jesus Ressuscitado, na Santa Eucaristia, é o nosso Tabor, o monte da transfiguração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Todo dia, a gente toca de perto a perplexidade das pessoas diante da situação do país e do mundo. Hoje, não engrosse a lamentação. Não espalhe má notícia. Não diga que está sem jeito. Hoje, acenda a luz da esperança, da fé em Jesus Cristo Ressuscitado. Ele é a razão de nossa esperança.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

A HISTÓRIA DA NUVEM


Pedro estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra (Lc 9, 34) 

06 de agosto de 2019 - Dia da Transfiguração do Senhor

Uma vez, eu fui fazer um show numa diocese de Minas Gerais, Guanhães. Era a festa da dedicação da Catedral de São Miguel, no jubileu de prata da Diocese. O show foi ao entardecer daquele dia e teve a presença de caravanas de várias paróquias da Diocese. Era um dia de festa, a dedicação da Catedral, uma celebração pela qual o Bispo Diocesano consagra o Templo para o culto divino, ungindo as paredes e consagrando o altar. Depois de ter ungido o altar de pedra com óleo, em meio a orações e cantos, colocaram uma espécie de braseiro de ferro em cima do altar, com brasas acesas. E o bispo foi colocando incenso e mais incenso e mais incenso. Aos poucos, a fumaça perfumada do incenso tomou o altar, o presbitério e foi se espalhando. A Igreja toda foi ficando uma nuvem só. E os cantos continuaram por um bom tempo. Quando a nuvem de fumaça começou a se diluir, os ritos da Missa continuaram.

À noite, eu fui jantar na casa do bispo e quis saber direitinho porque aquela nuvem de fumaça tomando a Igreja toda. O bispo, me parece que era Dom Emanuel, me lembrou textos do Antigo Testamento. No tempo do Rei Salomão, quando levaram a Arca da Aliança para o Templo de Jerusalém, o Templo foi tomado por uma nuvem que ocupou tudo. Está em Êxodo 24. Era a glória de Deus que habitava aquela casa, doravante morada de Deus. Foi também assim, no tempo da travessia do deserto, a nuvem tomando a Tenda da Reunião. A nuvem, me explicou o bispo, é o sinal da presença de Deus, manifestação de sua glória.

Num episódio mais antigo – Êxodo 13 – quando o povo acampou aos pés do Monte Sinai, a glória de Deus se manifestou naquele monte, numa nuvem que o envolveu durante vários dias. Moisés subiu o monte, entrando pela nuvem, para receber a Lei do Senhor Deus. A nuvem é, então, uma representação da da presença gloriosa de Deus.

Estou lembrando essa história porque hoje estamos celebrando a festa da Transfiguração do Senhor. Jesus subiu ao monte, para rezar. E foram três discípulos com ele: Pedro, Tiago e João. Em oração, as feições de Jesus se iluminaram, suas vestes ficaram muito brancas e brilhantes. E apareceram, conversando com ele, dois personagens do Antigo Testamento, Moisés e Elias. Os discípulos estavam sonolentos e acabaram dormindo. Ao despertar, viram aquela beleza toda. Pedro teve uma ideia: fazer três tendas para Jesus e seus dois amigos, para ficarem por ali mesmo, no alto da montanha. Foi chegando uma nuvem e eles terminaram dentro dela, cheios de medo. Ouviu-se, então, uma voz: “Este é o meu filho, o escolhido. Escutem o que ele diz”. Nisso, Jesus ficou só. 

A nuvem é um sinal bíblico da presença gloriosa de Deus, como no monte Sinai ou no Templo de Jerusalém. A nuvem os cobriu. Eles ouvem a voz de Deus, apresentando o seu filho, o Messias; e recomendando que o escutassem. Numa palavra, os discípulos, no monte, em oração com Jesus, o reconhecem em sua glória: as Escrituras Sagradas, representadas por Moisés e Elias, explicam o sentido de sua vida, de sua paixão e anunciam a sua vitória; o próprio Deus o revela como Filho e Messias. A eles, cabe agora escutá-lo, crer nele, segui-lo.

Essa experiência da Transfiguração é uma experiência mística de encontro com Deus, de mergulho na sua glória. Os três discípulos precisavam desse momento, dessa experiência, pois iriam enfrentar tempos muito difíceis, os dias da paixão de Jesus. O monte da transfiguração é, em certo sentido, a oração, quando tocamos de perto a grandeza, a beleza e a glória de Deus.

Guardando a mensagem

Nós também vivemos dias difíceis, de crises e turbulências na família, na comunidade, no país. Muitas coisas põem em crise nossa vida de fé: doença, desemprego, descrença, ateísmo. Como os primeiros discípulos, precisamos de um momento de reanimação, de afervoramento, de resgate de nossa alegria de pertencer a Deus e ser seguidores de Jesus de Nazaré. Precisamos subir o monte da oração, da celebração litúrgica, ser envolvidos pelas nuvem, onde – mesmo por alguns instantes – vislumbramos a glória de Deus que se manifesta no seu filho e nos confirma no seu caminho.

Pedro estava ainda falando, quando apareceu uma nuvem que os cobriu com sua sombra (Lc 9, 34) 

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
No meio de suas dificuldades, os três discípulos tocaram de perto o mistério de tua glória, experimentaram um pedacinho de céu. Aquela experiência, vivida na oração, serviria para animá-los e confirmá-los no caminho do teu seguimento, carregando também a sua cruz. Senhor, certamente esse é também o sentido de nossas celebrações. No meio de tantos problemas, respirarmos o ar da esperança, tocarmos a glória de Deus que é a realidade última e definitiva. E, assim, descermos a montanha, como testemunhas de que o caminho dos humildes, dos justos, dos perseguidos é um caminho de vitória; que Deus não nos abandona; que tu, Senhor Jesus, caminhas à nossa frente; que a paixão abre caminho para a ressurreição, a vida plena, a felicidade completa, obra tua, ó Redentor. Nosso encontro semanal contigo, Senhor Jesus Ressuscitado, na Santa Eucaristia, é o nosso Tabor, o monte da transfiguração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Todo dia, a gente toca de perto a perplexidade das pessoas diante da situação do país e do mundo. Hoje, não engrosse a lamentação. Não espalhe má notícia. Não diga que está sem jeito. Hoje, acenda a luz da esperança, da fé em Jesus Cristo Ressuscitado. Ele é a razão de nossa esperança.


Pe. João Carlos Ribeiro – 06 de agosto de 2019.

HORA DE ACENDER A LUZ


Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante (Lc 9, 29)

17 de março de 2019.

Foi uma semana de muitos sustos, não foi? O massacre na escola de Suzano, na quarta. O atentado contra comunidades muçulmanas, na Nova Zelândia na sexta. E as preocupações com a reforma da previdência e outras coisinhas...  Um tempo difícil pra se viver. Cresce a violência, cresce a insegurança.

No meio de tudo isso, estamos nós, com a nossa luta diária e o nosso corre-corre. Todas as crises desse tempo – na família, na igreja, na escola, no estado – mexem com a gente. Sentimos que fazemos parte do problema e, esperemos, da solução também. O que será que a fé dos cristãos tem a dizer num momento  como este?  E será que podemos ou devemos fazer alguma coisa, no meio dessa situação?

Vamos ver se o evangelho de hoje nos ajuda a pensar mais em tudo isso. Claro, a Palavra de Deus é uma luz para iluminar o nosso caminho, a nossa realidade. Não conta apenas uma história antiga, mas nos ajuda a perceber a presença e a ação de Deus hoje, em nossa história.

Jesus subiu ao monte, para rezar. E foram três discípulos com ele: Pedro, Tiago e João. Em oração, as feições de Jesus se iluminaram, suas vestes ficaram muito brancas e brilhantes. E apareceram, conversando com ele, dois personagens do Antigo Testamento, Moisés e Elias. Os discípulos estavam sonolentos e acabaram dormindo. Ao despertar, viram aquela beleza toda. Pedro teve uma ideia: fazer três tendas para Jesus e seus dois amigos, para ficarem por ali mesmo, no alto da montanha. Foi chegando uma nuvem e eles terminaram dentro dela, cheios de medo. Ouviu-se, então, uma voz: “Este é o meu filho, o escolhido. Escutem o que ele diz”. Nisso, Jesus ficou só. E eles ficaram calados, e, depois, não disseram nada a ninguém daquilo tudo.

Um pouco antes dessa cena, Jesus tinha feito o primeiro anúncio de sua paixão. E tinha avisado que quem quisesse segui-lo precisava também tomar sua cruz. Os discípulos estavam meio assustados com tudo isso. No monte, acompanhando Jesus em sua oração, eles fazem experiência de sua glória.  Eles o vêm luminoso. É uma revelação sobre a pessoa de Jesus e seu caminho.  Moisés e Elias, conforme escreveu o evangelista Lucas, estavam conversando com Jesus sobre o seu êxodo, isto é, sobre sua passagem pela morte, sua volta ao Pai. Em Jerusalém se cumpririam a paixão, a ressurreição e a ascensão de Jesus ao céu. Esse é o êxodo de Jesus, a sua passagem libertadora ao Pai. A nuvem é um sinal bíblico da presença de Deus, como no monte Sinai. A nuvem os cobriu. Eles ouvem a voz de Deus, apresentando o seu filho, o Messias; e recomendando que o escutem. Numa palavra, os discípulos, no monte, em oração com Jesus, o reconhecem em sua glória: as Escrituras Sagradas, representadas por Moisés e Elias, explicam o sentido de sua vida, de sua paixão e anunciam a sua vitória; o próprio Deus o revela como Filho e Messias. A eles, cabe agora escutá-lo, crer nele, segui-lo.

Toda essa experiência maravilhosa que eles viveram no monte serviria para iluminar sua vida e seu seguimento de Jesus, mesmo em tempos difíceis, como os que estavam chegando, o da paixão. Eles, infelizmente, não assimilaram logo essa linda experiência. No começo, enquanto Jesus está em oração, eles estão com sono, cochilando, dormindo. Depois dentro da nuvem, eles sentem muito medo. O texto termina dizendo que eles ficaram calados, naqueles dias não contaram a ninguém o acontecido. Foi assim que enfrentaram os dias turbulentos da paixão: meio entorpecidos, com medo e silenciosos. Mas, com a vinda do Espírito Santo, tornaram-se testemunhas destemidas de Jesus.

Guardando a mensagem

Vivemos dias turbulentos. O nosso mundo vive uma grande crise. É um período de mudanças e desencontros. E todos estamos meio atordoados e temerosos. É assim que nos apresentamos em nossa oração com Cristo, em nossas celebrações: sonolentos, temerosos, calados. Sonolentos, porque não estamos em estado de vigília como Jesus pediu, não estamos suficientemente despertos, ativos, informados. Temerosos, porque não sabemos como agir nesse momento e ficamos com medo do futuro. Calados, porque não estamos proclamando a mensagem de esperança que vem de nossa fé em Jesus. No monte, os discípulos fazem uma profunda experiência, em oração. Jesus, o filho de Deus, o escolhido, vai sofrer um bocado e enfrentar a morte na cruz, mas esse seu caminho está alicerçado na história de fé do povo bíblico, por ele alcançará vitória completa. Deus, o Pai, está com ele e confirma o seu caminho.

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
No meio de suas dificuldades, os três discípulos tocaram de perto o mistério de tua glória, experimentaram um pedacinho de céu. Aquela experiência, vivida na oração, serviria para animá-los e confirmá-los no caminho do teu seguimento, carregando também a sua cruz. Senhor, certamente esse é também o sentido de nossas celebrações. No meio de tantos problemas, respirarmos o ar da esperança, tocarmos a glória de Deus que é a realidade última e definitiva. E, assim, descermos a montanha, como testemunhas de que o caminho dos humildes, dos justos, dos perseguidos é um caminho de vitória; que Deus não nos abandona; que tu, Senhor Jesus, caminhas à nossa frente; que a paixão abre caminho para a ressurreição, a vida plena, a felicidade completa, obra tua, ó Redentor. Nosso encontro semanal contigo, Senhor Jesus Ressuscitado, na Santa Eucaristia, é o nosso Tabor, o monte da transfiguração. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Enquanto rezava, seu rosto mudou de aparência e sua roupa ficou muito branca e brilhante (Lc 9, 29)

Vivendo a palavra

Todo dia, a gente toca de perto a perplexidade das pessoas diante da situação do país e do mundo. Hoje, não engrosse a lamentação. Não espalhe má notícia. Não diga que está sem jeito. Hoje, acenda a luz da esperança, da fé em Jesus Cristo Ressuscitado. Ele é a razão de nossa esperança.

Pe. João Carlos Ribeiro – 17.03.2019

Postagem em destaque

Ó Maria, concebida sem pecado!

  08 de dezembro de 2022 Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora  EVANGELHO Lc 1,26-38 Naquele tempo, 26no sexto mês, o anjo Gabr...

POSTAGENS MAIS VISTAS