Mostrando postagens com marcador liberdade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador liberdade. Mostrar todas as postagens

20200614

BONS PASTORES PARA O REBANHO


Curem os doentes, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios (Mt 10, 8)

14 de junho de 2020.

Jesus percebe a situação de sofrimento e abandono do seu povo. E procura organizar o seu grande grupo de discípulos, nomeando doze líderes. Chamou doze, porque estava simbolicamente reorganizando todo o rebanho de Deus, o povo das doze tribos, que fora liderado por doze patriarcas. E Jesus enviou os doze em missão. É urgente que o rebanho conte com bons pastores, com boas lideranças. Pastores que cuidem das ovelhas estropiadas, que recuperem as desfalecidas, que lavem as sujas, que as defenda dos lobos.


A missão é anunciar a proximidade do Reino, que é o que Jesus já estava fazendo. “Em seu caminho, anunciem: o Reino dos céus está próximo”. Na realização desta missão, Jesus deu aos doze quatro tarefas: Curar os doentes; Ressuscitar os mortos; Purificar os leprosos; e Expulsar os demônios. Você sabe, quatro é um número de totalidade. Quatro é tudo, pois quatro são os pontos cardeais. A missão de anunciar a chegada do Reino de Deus mostra-se nestas quatro ações.

Vamos dar uma olhada nessas tarefas. A primeira foi curar os doentes. Jesus tinha um carinho especial pelos doentes. Basta lembrar a cena da sogra de Pedro ou do paralítico descido em sua maca diante dele. Cuidar dos doentes é uma forma de anunciar o Reino de Deus. Deus está perto de quem está sofrendo. Deus é a força de quem está debilitado. Estamos diante do tema da SAÚDE. Assistir os doentes e sofredores, rezar por eles, rezar com eles, acompanhá-los em seu tratamento são formas de mostrar o amor de Deus, a proximidade do Reino. Curar os enfermos.

A segunda tarefa foi ressuscitar os mortos. Jesus ressuscitou a filha de Jairo, o filho da viúva de Naim, o seu amigo Lázaro. Em todos esses episódios, vemos como Jesus deu atenção às famílias enlutadas, como ele ajudou as pessoas a crerem em Deus e na ressurreição que ele nos promete. Estamos diante do tema da VIDA. Na parábola do bom samaritano, o homem estava caído, semimorto, na beira da estrada. Acudir quem está caído, quem está em situação de morte é ressuscitar os mortos. Hoje, temos muita gente que está em situação de morte: pela droga, pela exploração do trabalho, pela fome, pelo coronavírus... Trabalhar pela recuperação dos dependentes químicos, salvar do suicídio quem perdeu o sentido da vida, garantir um leito de UTI para quem está precisando de um respirador são também formas de anunciar a proximidade do Reino. Ressuscitar os mortos.

A terceira tarefa foi purificar os leprosos. Os leprosos, no evangelho, têm a ver com a impureza em relação à Lei. Pela impureza, a pessoa estava apartada de Deus e de sua comunidade. A lepra é uma imagem do pecado. Estamos diante do tema da RECONCILIAÇÃO. Purificar os leprosos é ajudar a pessoa a se aproximar de Deus e alcançar o perdão dos seus pecados. Fomos reconciliados com Deus, por Jesus Cristo que morreu por nós. Trabalhar pela conversão, aproximar as pessoas do Sacramento da Confissão são formas de anunciar que o Reino está vizinho, próximo. Purificar os leprosos.

A quarta tarefa foi expulsar os demônios. Jesus venceu as tentações. E libertou muitas pessoas possuídas pelo mal. Estamos diante do problema da LIBERDADE. Muita gente está possuída, escravizada pelo preconceito, pelo sentimento de inferioridade, pela ignorância, por ideologias totalitárias, pela inveja, pela dependência cultural... são numerosas as formas de dominação do mal sobre as pessoas! Contribuir para a superação desses males, ajudar as pessoas a se libertarem dessas forças de opressão são formas de realizar o anúncio do Reino de Deus. Expulsar os demônios.

Guardando a mensagem

Jesus, diante do seu povo sofrido e humilhado, enche-se de compaixão. Vê que aquele é um rebanho sem pastor. Realizando sua missão de reorganizar o povo de Deus disperso, nomeia doze lideranças para o seu movimento. Ele envia os doze em missão. Eles devem, como Jesus, anunciar a proximidade do Reino de Deus. Para servir o seu povo cansado e abatido, Jesus providencia pastores que cuidem das ovelhas estropiadas (os enfermos), que recuperem as desfalecidas (os mortos), que lavem as sujas (os leprosos), que as defenda dos lobos (os demônios). A missão dos doze é a missão de todo o povo de Deus. A minha, a sua também.

Curem os doentes, ressuscitem os mortos, purifiquem os leprosos, expulsem os demônios (Mt 10, 8)

Rezando a palavra


Senhor Jesus,
Aos teus missionários de ontem e de hoje, estás instruindo que todos estamos em missão. E que a missão não depende de contarmos com muitos recursos (ouro, prata, dinheiro). O que temos para oferecer não tem preço, nem são coisas que estamos distribuindo. Somos testemunhas do Reino que chegou com tua presença redentora. Estás insistindo, Senhor, que precisamos manter a postura de missionários, de viajantes, evitando a busca de benefícios pessoais (não levar sacola) e a busca de segurança ou bem-estar (duas túnicas, sandálias, bastão). Ajuda-nos, Senhor, a realizar, ao teu lado, a grande tarefa da evangelização, que toca a promoção da saúde, a defesa da vida, a libertação da dominação e a reconciliação com Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém


Vivendo a palavra



Estamos vivendo um momento de muito sofrimento em nosso país e em todo o mundo. A crise do coronavírus revela também uma grande crise de liderança. Neste domingo, peça ao Senhor que esta mesma crise nos leve a assumir o modelo de liderança do bom pastor em nossas comunidades e em toda a sociedade. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200121

A LEI ESTÁ A SERVIÇO DA VIDA

O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado (Mc 2, 27)
21 de janeiro de 2020
Na semana passada, dedicamos dois programas, no rádio, a uma conversa sobre o desemprego. Ouvimos relatos dolorosos. Gente desempregada há bastante tempo, gente perdendo a esperança, gente passando necessidade. Diante dessa situação, as pessoas se viram como podem, com a ajuda de parentes, a caridade de desconhecidos e muito espírito de iniciativa. Uma grande maioria sobrevive no mercado informal, sai vendendo alguma coisa de porta em porta ou batalha algum trocado como camelô pelas ruas. Quando não pode mais pagar aluguel, fica pela rua mesmo ou ocupa algum imóvel fechado ou constrói um barraco na beira de um canal. No aperto, empurra o filho adolescente para vender alguma coisa no semáforo ou farol de uma avenida ou ser flanelinha em algum lugar. É, o desemprego é um drama pra todo mundo, mas para a família pobre é uma verdadeira tragédia.
Diante da lei, essa família está cometendo graves irregularidades. No comércio informal, não recolhe impostos e atrapalha a atividade dos comerciantes estabelecidos. A fiscalização da Prefeitura e os lojistas estão de olho no camelô. Na moradia, é um invasor de propriedade privada. Mais cedo ou mais tarde a justiça, a polícia e a prefeitura vão chegar lá, nem sempre com bons modos. No cruzamento ou nas ruas, a sociedade olha com desconfiança o flanelinha e já o julga um trombadinha, um marginal, quem sabe, um traficante.  No aperto da família pobre, a lei e a sociedade os condenam.  
Os fariseus estavam de olho nos discípulos de Jesus. Essa turminha era vista com reserva e desconfiança. Eles não jejuavam como os discípulos piedosos de outros mestres. Não se mantinham separados, evitando contato com gente reconhecidamente pecadora. Não guardavam o sábado, com o respeito e a seriedade que ele merecia. Afinal, mal cumpridores da Lei. No texto de hoje, os fariseus vão tomar satisfação com Jesus. “Num dia de sábado, em que não se pode trabalhar por respeito à Lei de Deus, os teus discípulos vem pelo caminho, arrancando espigas de trigo para comer”. Por que eles fazem uma coisa dessas num dia de sábado, violando a lei?
Jesus foi claro. Eles estavam com fome. A necessidade da pessoa humana interpela a norma, a regra, a lei. A lei foi feita para o homem. Não o homem para a lei. Aí Jesus lembrou um episódio do Antigo Testamento. Davi e seus guerreiros, com fome, chegaram ao Santuário e comeram os pães exclusivos dos sacerdotes. Na necessidade, agiram acima da lei. O sábado foi feito para o homem, não o homem para o sábado.
Guardando a mensagem
O camelô não é um fora da lei. O ocupante não é invasor mal intencionado. O flanelinha não é um marginal. A lei é que precisa se adaptar à sua realidade, à sua fome, à necessidade premente de sobrevivência. Aliás, a situação de desemprego e abandono social não foi criada pelos marginalizados. A lei deve estar aí para assegurar oportunidades para todos. O pobre não merece cadeia porque está “arrancando espigas em dia de sábado”. Merece emprego, moradia digna, escola integral para os seus filhos.
O sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado (Mc 2, 27)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Disseste aos fariseus que o “o filho do homem é senhor também do sábado”. Falavas de ti mesmo; e do sábado, que era uma lei civil e religiosa, ao mesmo tempo. És o senhor também do sábado. Teu evangelho nos liberta de uma interpretação da lei que desconheça a necessidade do outro. Estás nos ensinando que a situação de carência e sofrimento deve ser a  primeira inspiração da lei. As leis, as normas, as regras, nós as estabelecemos para garantir a justiça, o direito, a segurança, a boa convivência. Elas estão a serviço do homem. Podem ser revistas e modificadas, se se tornarem instrumento de opressão ou quando não respeitarem as pessoas em suas reais condições. Obrigado, Senhor, por dares à pessoa humana o primeiro lugar, por nos ensinares a viver com respeito e liberdade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Quem sabe, hoje, você não veja na rua ou no noticiário alguma situação em que a pessoa humana necessite ser respeitada, acima de qualquer regra estabelecida!
21 de janeiro de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb



20190811

AS TRÊS GERAÇÕES DE PEREGRINOS



A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido! (Lc 12, 48)

11 de agosto de 2019 – 19º Domingo do Tempo Comum, Dia dos Pais


Neste 19º Domingo do Tempo Comum, estamos também celebrando o dia dos pais. Esta é uma data em que manifestamos reconhecimento e gratidão aos nossos pais. Você ainda tem o seu pai vivo? Ah, o seu pai já é falecido!? O meu também já está com Deus. Aos pais vivos, nossas felicitações. Pelos que já partiram, nossas preces de intercessão em seu favor. Celebrando o dia dos pais, nos damos conta que o tempo vai passando, as gerações vão se sucedendo. Olhando pra trás, dá para identificar a geração dos nossos avós, a geração dos nossos pais e a nossa geração. Somos todos peregrinos, estamos de passagem.

Esta percepção de peregrinação na história, com certeza, pode nos ajudar a compreender a palavra de Deus proclamada neste domingo. A nossa história de fé começa com Abraão, passa pelo povo hebreu no Egito, se consolida na comunidade de discípulos de Jesus. É como se fossem as três gerações que percebemos em nossa família: a dos nossos avós (a de Abraão), a dos nossos pais (o povo hebreu) e a nossa geração (a dos discípulos de Jesus). Somos peregrinos na história, andamos buscando a realização de sonhos e promessas. 


Abraão representa a geração dos nossos avós. Ele tinha um sonho, uma promessa de Deus. Deixou a sua segurança e partiu em busca da promessa de uma terra abençoada e de uma descendência numerosa. Deus lhe fez uma promessa: uma TERRA, uma DESCENDÊNCIA. Abraão virou peregrino pelo meio do mundo, em busca da promessa de Deus. A carta aos Hebreus elogiou o patriarca: “Foi pela fé que Abraão obedeceu à ordem de partir para uma terra que devia receber como herança, e partiu, sem saber para onde ia” (Hbr 11). Começamos assim, como peregrinos, como estrangeiros, buscando a terra da promessa. Começamos com Abraão. Qual foi a grande lição da geração de Abraão? A FÉ. A fé o sustentou nas dificuldades, na incerteza do futuro, em todas as provações. A FÉ. Continuamos sendo peregrinos. Sem a fé, nos instalamos, pondo a nossa confiança nas coisas desse mundo. Sem a fé, estacionamos, não caminhamos no rumo de Deus. 

O povo hebreu pode representar bem a geração dos nossos pais. Os hebreus foram escravizados no Egito do Faraó. Mas, eles não se conformaram com a escravidão. Clamaram a Deus e o Senhor os escutou. E prometeu-lhes o grande dom: a LIBERDADE. Precisavam sair, emigrar daquela situação, por-se a caminho. Foi marcada a grande noite da intervenção de Deus, a da morte dos primogênitos. As famílias dos hebreus prepararam-se para a partida. É o que lemos no Livro da Sabedoria: “A noite da libertação fora predita a nossos pais, para que, sabendo a que juramento tinham dado crédito, se conservassem intrépidos” (Sb 18). Intrépidos é valentes, corajosos, que não têm medo. Foi assim que eles celebraram a páscoa e partiram do Egito, em busca da liberdade. O Livro da Sabedoria sublinha o compromisso de solidariedade deles: “os santos participariam solidariamente dos mesmos bens e dos mesmos perigos”. Uma marca importante desta geração: a SOLIDARIEDADE. Solidariedade para enfrentarem juntos, caminharemos juntos, apoiando-se mutuamente na busca da LIBERDADE. 

A terceira geração de nossa família de fé que hoje contemplamos é a dos discípulos de Jesus. Ela pode representar a nossa geração. A eles, o Senhor prometeu o REINO. É o que lemos no evangelho de Lucas: “Não tenhas medo, pequenino rebanho, pois foi do agrado do Pai dar-te o Reino” (Lc 12). O Reino é o dom de Deus aos discípulos de Jesus, o pequenino rebanho dos que o acolheram. É a grande meta da jornada: o Reino de Deus, um povo obediente e fiel iluminando o mundo com a luz de Cristo. O Reino será pleno na manifestação definitiva de Jesus, na sua volta. A marcha continua, somos peregrinos neste mundo. Para nos mantermos no caminho certo, explicou Jesus de muitos modos, precisamos da VIGILÂNCIA. Está no evangelho de Lucas: “Que os seus rins estejam cingidos e as lâmpadas acesas” (Lc 12). É como no tempo do Egito, na noite da páscoa, prontos para a partida. Acordados, despertos, em serviço. Prontos para rechaçar o ladrão que ronda, de noite. Prontos para abrir a porta para o Senhor que volta, em hora não marcada. 

Guardando a mensagem 


Em nossa peregrinação neste mundo, hoje nos lembramos das gerações passadas que nos deixaram em herança tantos ensinamentos e conquistas. Olhando para a história de nossa família de fé, nos damos conta de três gerações marcantes: a de Abraão em busca da Terra da Promessa, a dos Hebreus buscando a Liberdade, a dos discípulos de Jesus buscando o Reino. Nessa caminhada, precisamos de FÉ, de SOLIDARIEDADE e de VIGILÂNCIA para continuarmos com fidelidade nossa jornada. Aqui, somos estrangeiros, peregrinos para a Casa do Pai.

A quem muito foi dado, muito será pedido; a quem muito foi confiado, muito mais será exigido! (Lc 12, 48)

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 

Com este domingo do Dia dos Pais, estamos começando a Semana Nacional da Família. Abençoa os nossos pais, os vivos e os falecidos. Dá-nos a todos a sabedoria de nos percebemos peregrinos, nas gerações que vão se sucedendo. Cada geração completa um trecho da estrada, deixando sua contribuição em herança para quem vem atrás. Mas, todos viajamos na mesma direção, como peregrinos, para a mesma meta, Deus, o seu Reino, o mundo transfigurado no seu amor. Dá-nos, Senhor, caminhar fortalecidos pela FÉ, pela SOLIDARIEDADE e pela VIGILÂNCIA. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Hoje, claro, reze pelo seu pai. Faça um esforço para recordar o que ele deixou ou está deixando de significativo pra você, na caminhada de sua geração. E agradeça a Deus por ou por quem fez ou faz o papel dele em sua vida. 

Pe. João Carlos Ribeiro, SDB – 11 de agosto de 2019.

20180321

A VERDADE VAI LIBERTAR VOCÊS


Vocês conhecerão a verdade, e a verdade libertará vocês (Jo 8, 32)
21 de março de 2018.
Todo mundo quer ser livre e viver na liberdade. Um sonho maravilhoso do coração humano. Ser livre é não ser escravo. E foi para isso que Jesus veio nos libertar.
Jesus estava dialogando com alguns que acreditaram nele. Mas, eles não estavam ainda muito convertidos. Jesus estava insistindo para que eles permanecessem na sua Palavra, para assim serem realmente seus discípulos, conhecerem a verdade e serem libertados pela verdade.
Claro, que eles acharam que não estavam precisando de serem libertados, porque já eram livres. É o que ocorre a muita gente hoje. Já se acham livres, não precisam de Jesus para serem libertados. Esses que estavam conversando com Jesus disseram logo: nós somos filhos de Abraão, nunca fomos escravos, nós já somos livres.
Já que falaram de Abraão, achando-se filhos e descendentes livres do pai Abraão, Jesus aproveitou para dizer-lhes que, sendo assim, eles estavam agindo completamente diferente de Abraão, porque estavam querendo acabar com ele. ‘Por que vocês não fazem as obras de Abraão?’, perguntou Jesus. O pai de vocês não é Abraão, é outro. Vocês fazem a obra dele. Ih, isso rendeu uma boa discussão.
Jesus sempre dizendo que, na verdade, eles não eram livres. Eles estavam fazendo a obra de outro pai, não a obra de Abraão. Eles eram escravos do pecado. Igual a esse outro pai deles que é homicida desde o início, o pai da mentira. Mais pra frente Jesus disse quem era o pai deles: o Inimigo, o Diabo. A confusão foi grande, basta dizer como terminou: eles pegaram pedras e queriam apedrejar Jesus.
Vamos guardar a mensagem
Para sermos realmente livres, precisamos permanecer na Palavra de Jesus, isto é, vivê-la, praticá-la. Assim, seremos seus discípulos, conheceremos a verdade e a verdade nos libertará. Aquelas pessoas com quem Jesus estava discutindo não reconheciam o seu pecado, a sua condição de rejeição ao Filho que o Pai enviou e o desejo homicida que estava no seu coração. Olha o que Jesus disse a eles: “Quem comete o pecado é escravo do pecado. Vocês querem me matar, porque eu lhes disse a verdade que ouvi de Deus”. Para eles e para nós, fica o convite de Jesus. Permaneçamos na sua Palavra para conhecermos a verdade e sermos libertados por ela. Para sermos realmente livres, é preciso que ele nos liberte.
Vamos rezar a Palavra
Senhor Jesus,
Reconhecemos nossa condição de pecadores, nossa inclinação para o mal. Mas, não queremos viver como escravos, filhos do mal. Queremos ser livres e viver como filhos de Deus. É a tua Palavra que nos liberta. Ela nos revela a grandeza do amor de Deus, que te enviou para nos resgatar. Tu pagaste, com teu sangue, o preço de nossa liberdade. Ajuda-nos a viver libertos da escravidão do pecado. Ajuda-nos a viver como filhos, livres, não como escravos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Valia a pena você ler essa passagem do evangelho de hoje na sua Bíblia (João 8,31-42). Aproveite para contar quantas vezes aparecem as palavras escravo e livre/libertar. Mande-me o resultado de sua conta. Amanhã, a gente confere a resposta.


Pe. João Carlos Ribeiro – 20.03.2018

20180307

A GRANDEZA DA LEI DE DEUS

Não pensem que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento  (Mt 5, 17).

07 de março de 2018.
O povo de Deus tinha uma Lei. Uma lei religiosa, a Lei da Aliança que está escrita na Bíblia. Mas, muitos mandamentos, regras e normas circulavam também oralmente. As pessoas se esforçavam para cumprir os mandamentos da Lei e os fariseus cobravam o seu fiel cumprimento.
O Evangelho de Mateus, lido hoje, nasceu entre comunidades cristãs que estavam em ambiente judeu, com a maioria das pessoas vindas do judaísmo; gente, portanto, que prezava por demais a Lei que Deus lhes tinha dado, por meio de Moisés.
Nessas comunidades vindas do judaísmo, era muito necessário esclarecer bem qual tinha sido a relação de Jesus com a Lei de Moisés. Havia sempre uma dúvida: Será que Jesus deu valor à Lei de Moisés? E ele, realmente era praticante fiel dessa Lei? Será que ele não veio mudar essa Lei? Então, a esse respeito, foram lembrados os ensinamentos de Jesus que estão no Sermão da Montanha.  Jesus disse: “Não pensem que eu vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas dar-lhes pleno cumprimento”. Então, para tranquilidade de todos, estava claro, Jesus deu valor à Lei. Não veio acabar com ela. Nem modificÁ-la.
Mas, de verdade, eram tantas normas e regulamentos que circulavam oralmente, obra dos rabinos e mestres da Lei, que o povo mesmo não conseguia cumprir tudo aquilo.  A Lei estava servindo para marginalizar muita gente. Uma das reclamações de Jesus contra os fariseus é que eles amarravam fardos pesados nas costas do povo, com sua interpretação da Lei.
Vamos guardar a mensagem
No Sermão da Montanha, está como Jesus explicou a Lei e como devemos realizá-la.    
Devemos seguir a Lei de Deus com a Liberdade que ele nos deu. É na liberdade que escolhemos o bem, a verdade e rejeitamos o mal. Deus nos fez livres para escolher o bem.
Devemos seguir a Lei de Deus com a Sabedoria que ele nos dá. Não a sabedoria do mundo, nem a sabedoria dos poderosos. A Sabedoria de Deus. Ele preparou coisas maravilhosas para nós, um mistério que só o Espírito Santo nos revela.
Devemos seguir a Lei de Deus com a Caridade para os com irmãos que ele nos pede. O que está escrito na Lei? Não matarás. Perfeito. Mas, não matar quer dizer também não odiar o irmão, não desqualificá-lo, não humilhá-lo. A caridade é uma das marcas da nossa vivência da Lei.
Não pensem que vim abolir a Lei e os Profetas. Não vim para abolir, mas para dar-lhes pleno cumprimento  (Mt 5, 17).
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Disseste que quem praticar e ensinar os mandamentos de Deus, este é grande no Reino. Praticar e ensinar os outros a fazerem o mesmo – é essa graça que te pedimos hoje.  Queremos nos empenhar em conhecer sempre mais a vontade do Pai, manifesta de maneira especial nas Escrituras. Igualmente, precisamos fugir do jeito fariseu de ler e interpretar a Palavra. Conforme, nos alertaste, eles sobrecarregavam o povo de obrigações, aferravam-se a mandamentos humanos e usavam seu conhecimento como fonte de prestígio para si mesmos. Ajuda-nos, Senhor, pela assistência do teu santo Espírito, a conhecer a vontade de Deus e realizá-la em nossas vidas.  Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
No seu diário espiritual (ou no seu caderno de anotações), faça a lista dos 10 mandamentos da Lei de Deus, como aprendemos da Igreja. Se precisar de ajuda, recorra à lista abaixo.

Pe. João Carlos Ribeiro - 07.03.2018


OS 10 MANDAMENTOS DA LEI DE DEUS
1. Amar a Deus sobre todas as coisas;
2. Não tomar seu santo nome em vão;
3. Guardar os domingos e dias santos de preceito;
4. Honrar pai e mãe;
5. Não matar;
6. Não pecar contra a castidade;
7. Não furtar
8. Não levantar falso testemunho;
9. Não desejar a mulher do próximo;
10. Não cobiçar as coisas alheias.

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...