PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: pai Abraão
Mostrando postagens com marcador pai Abraão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pai Abraão. Mostrar todas as postagens

Não esqueça o seu irmão à porta



25 de setembro de 2022

26º Domingo do Tempo Comum

Dia Nacional da Bíblia


EVANGELHO 

Lc 16,19-31

Naquele tempo, Jesus disse aos fariseus: 19“Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.
20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.
22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado.
23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado.
24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.
25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado.26E, além disso, há um grande abismo entre nós; por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.
27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’.
29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem!’
30 O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’.
31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos’”.



MEDITAÇÃO


Havia um homem rico que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias (Lc 16,19).

Por que o rico se deu mal? Porque não se incomodou com a miséria do seu irmão. Não se assuste, por favor. É o recado das leituras bíblicas deste domingo. O rico se deu mal porque não se incomodou com a miséria do seu irmão. Não porque era rico, mas porque a sua condição social e financeira fechou o seu coração para o pobre, seu irmão.

Jesus contou uma história chocante. Um rico, elegantemente vestido e rodeado de amigos do seu nível, vivia de festas e comilanças. Na sua porta, havia um miserável coberto de feridas, sentado no chão. Da mesa do rico, nunca chegou uma sobrinha de comida para aquele faminto, de nome Lázaro. A vida foi assim. O rico em seus banquetes, todo dia. O pobre com seu cachorro, no abandono da fome e da doença. Morreram os dois. Lázaro foi para o céu. O rico para o inferno. Das profundezas, o rico avistou Lázaro ao lado de Abraão. E gritou pedindo ajuda. Queria que Lázaro levasse um pouco d’água para refrescá-lo naquelas chamas. Queria que Lázaro avisasse seus cinco irmãos para não fazerem como ele e terminarem naquele lugar tão triste. Os pedidos foram negados. E Abraão explicou o porquê: o abismo é grande demais, não dá para passar; os seus irmãos devem escutar a pregação dos profetas.

Esse é o tipo do evangelho que muita gente não quer nem ouvir. Claro, nele Jesus faz uma denúncia muito séria sobre o perigo da riqueza seduzir de tal modo uma pessoa ou uma classe social que leve essa pessoa a se esquecer dos seus irmãos desempregados, subnutridos, enfermos nos corredores dos hospitais. Muita gente preferia que Jesus não tratasse desses assuntos. Falasse do Reino dos céus e se esquecesse dos problemas aqui de baixo, ora essa. Mas, Jesus fez o contrário: desceu do céu e veio para a terra, assumindo nossa condição humana. É aqui que está faltando fraternidade. É aqui que está sobrando injustiça. E a sua palavra nos convoca a todos à conversão, à mudança de vida.

Há uma palavra que define essa situação abordada pelo evangelho de hoje: i-n-d-i-f-e-r-e-n-ç-a. Pela indiferença, nos acostumamos com o sofrimento e a miséria da maioria. Não nos preocupam mais a fome, a violência, a perda de direitos. Quem está numa situação melhor, fecha-se no seu mundo e se esquece do seu irmão que continua sentado e faminto à sua porta. No evangelho não se diz que o rico tenha maltratado o pobre ou o enxotado da porta de casa ou chamado a polícia para tirá-lo dali. Nada disso. Ele simplesmente o ignorou, não partilhou com ele suas abundantes iguarias, não o incluiu de alguma forma na sua vida. Indiferença!

A profecia de Amós, lida hoje, vai na mesma linha: ‘Ai dos que vivem bem e não se preocupam com a miséria dos seus irmãos’. O profeta se refere às classes dirigentes do seu tempo que, apesar de viverem na abundância, terminaram na primeira fila dos exilados, quando os assírios impuseram uma penosa derrota ao país. O Salmo 145, rezado hoje, traça um belo perfil de Deus que ama os pobres. O Senhor nosso Deus faz justiça aos oprimidos, sacia os famintos, protege o migrante, ampara a viúva e o órfão. É um convite para honrarmos o Senhor, imitando-o no seu amor pelos pequenos.




Guardando a mensagem

O rico se deu mal porque ignorou a miséria de Lázaro, porque viveu em completa indiferença ao sofrimento do seu irmão. Por falar em irmão, ele disse que tinha cinco irmãos. O número perfeito é sete. Então, para a conta ser mesmo certa, seu pai não teria tido apenas seis filhos: ele e seus cinco irmãos. Faltava um, faltava o sétimo. Claro, é o que estava sentado à sua porta. O irmão que ele não reconheceu, não amou, não acudiu é Lázaro. Todo ser humano é nosso irmão. Não esqueçamos os pobres. Não deixemos que os bens deste mundo nos fechem o coração para os desempregados, os doentes, os famintos, os sem teto.

Havia um homem rico que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias (Lc 16,19).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Que belas as palavras do Salmo 145: “O Senhor é fiel para sempre, faz justiça aos oprimidos, dá alimento aos famintos. É o Senhor quem liberta os cativos. Ele ampara a viúva e o órfão, mas confunde os caminhos dos maus”. Esse é o nosso modelo, o Deus que ergue os caídos. Senhor, queremos tomar para nós o conselho do apóstolo Paulo a Timóteo: “Tu que és um homem de Deus, foge das coisas perversas, procura a justiça, a piedade, a fé, o amor, a firmeza, a mansidão”. Esse é o caminho que queremos seguir, Senhor, o da fraternidade e da justiça. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Hoje, ao ouvir ou ler alguma notícia nos jornais ou em outros meios de comunicação, tente olhar a mesma notícia do ponto de vista de quem está à margem, dos excluídos da mesa farta, dos Lázaros de hoje. Jesus nos pede uma nova atitude, uma nova mentalidade. Não se trata de uma cesta básica, apenas. Trata-se de vencer a indiferença pela inclusão, pela justiça, pelo reconhecimento do seu irmão.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

GUARDE A PALAVRA DE JESUS

Se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte (Jo 8, 51)
22 de março de 2018.
Por causa dessa palavra, discutiram com Jesus, e, no final da discussão, pegaram em pedras para apedrejá-lo.  Se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte (Jo 8, 51).
A morte, disse Paulo, é o salário do pecado. Ele escreveu assim na carta aos Romanos: “Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna por intermédio de Cristo Jesus, nosso Senhor!” (Rm 6, 23).  Jesus veio para nos libertar desse laço, dessa condenação. Alcançando-nos o perdão dos pecados em sua morte redentora, ele nos livrou do pecado e de sua consequência, a morte. Na verdade, ele morreu em nosso lugar. Tomou o nosso lugar de condenados, na cruz. Carregou-se de nossas dores, de nossas enfermidades, como o descreveu o profeta Isaías.  Tomou para si a carga que nos pesava nos ombros, a morte.
Por sua morte, Jesus nos comunicou a vida plena: a vida em Deus, agora e na eternidade. A morte já não nos aniquila, já não é o nosso destino final. Agora, é apenas uma porta, uma passagem.
A nossa parte agora, como disse Jesus, a obra que o Pai espera de nós é a fé no Senhor Jesus, é acreditar nele, acolhê-lo como o enviado do Pai para nossa salvação. E crer é aderir de coração à sua pessoa e à sua palavra. Portanto, guardando a palavra de Jesus temos a vida eterna que nela está prometida. Guardar a palavra é viver em aliança com o Senhor.
Toda aliança tem um contrato, uma lei. Na aliança de Deus com o seu povo, no Antigo Testamento, a lei de Moisés era o contrato, a norma a ser seguida. No Novo Testamento, a palavra de Jesus, os seus ensinamentos, o seu Evangelho é o contrato da Nova Aliança. Nós vivemos em comunhão com o Senhor, vivendo a sua Palavra. E se vivemos a sua Palavra, temos a vida em nós, acolhemos a graça da cruz que nos salvou da morte eterna que o pecado produz, o afastamento de Deus.
A relação que Jesus tem com o Pai é um exemplo, um modelo para nossa relação com ele, o nosso redentor. Ele conhece o Pai e guarda sua palavra. Aqueles que lhe fizeram oposição e até quiseram apedrejá-lo, claro, não conheciam o Pai, não guardavam os seus mandamentos. Quem não guarda a sua Palavra, ao invés de ter a vida, produz a morte. Não é à toa que queriam apedrejar Jesus.
Vamos guardar a mensagem
Guardar a Palavra de Jesus significa conhecê-lo, amá-lo, segui-lo, tornar-se seu discípulo. Reconhecê-lo como o enviado do Pai, o Messias. Amá-lo, porque veio do Pai para o nosso bem, a nossa libertação da escravidão do pecado. Segui-lo, praticando sua Palavra, como expressão da vontade de Deus. Sendo seus discípulos.  Como ele disse: “Se permanecerem na minha palavra, vocês serão verdadeiramente meus discípulos, e conhecerão a verdade e a verdade libertará vocês”. A morte é o fim do pecador, o seu afastamento de Deus, a sua perdição. Guardando a Palavra de Jesus, que nos liberta, que nos redime, encontramos a vida plena, a vida eterna. Assim, vencemos a morte.
Se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte (Jo 8, 51)
Vamos rezar a Palavra

Senhor Jesus,
Disseste aos judeus que já existias antes de Abraão. Abraão foi o fundador do povo de Deus, ele está na origem do povo eleito. Mas, tu, és o senhor de Abraão.  Por meio de ti, o Pai estabeleceu a nova e eterna aliança com os seus filhos. Esta aliança no teu sangue coroa a aliança com Abraão e sua descendência e a aliança com o povo eleito através de Moisés.  Como tu guardas a palavra do Pai e a cumpres fielmente, queremos conhecer e guardar a tua Palavra. Guardando tua palavra, encontramos a vida, vencemos a morte. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.  
Vamos viver a Palavra
Na Meditação de ontem, você fez as contas? A palavra escravo aparece três vezes. Livres ou libertar aparecem quatro vezes. Quatro + três = sete – Sete, a obra perfeita: Jesus nos redime da escravidão, ele nos faz livres.
‘Guardar a Palavra’ se repete três vezes no texto de hoje. No seu diário espiritual (ou no seu caderno de anotações) tente explicar o que seria “guardar a Palavra”.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.03.2018

A VERDADE VAI LIBERTAR VOCÊS


Vocês conhecerão a verdade, e a verdade libertará vocês (Jo 8, 32)
21 de março de 2018.
Todo mundo quer ser livre e viver na liberdade. Um sonho maravilhoso do coração humano. Ser livre é não ser escravo. E foi para isso que Jesus veio nos libertar.
Jesus estava dialogando com alguns que acreditaram nele. Mas, eles não estavam ainda muito convertidos. Jesus estava insistindo para que eles permanecessem na sua Palavra, para assim serem realmente seus discípulos, conhecerem a verdade e serem libertados pela verdade.
Claro, que eles acharam que não estavam precisando de serem libertados, porque já eram livres. É o que ocorre a muita gente hoje. Já se acham livres, não precisam de Jesus para serem libertados. Esses que estavam conversando com Jesus disseram logo: nós somos filhos de Abraão, nunca fomos escravos, nós já somos livres.
Já que falaram de Abraão, achando-se filhos e descendentes livres do pai Abraão, Jesus aproveitou para dizer-lhes que, sendo assim, eles estavam agindo completamente diferente de Abraão, porque estavam querendo acabar com ele. ‘Por que vocês não fazem as obras de Abraão?’, perguntou Jesus. O pai de vocês não é Abraão, é outro. Vocês fazem a obra dele. Ih, isso rendeu uma boa discussão.
Jesus sempre dizendo que, na verdade, eles não eram livres. Eles estavam fazendo a obra de outro pai, não a obra de Abraão. Eles eram escravos do pecado. Igual a esse outro pai deles que é homicida desde o início, o pai da mentira. Mais pra frente Jesus disse quem era o pai deles: o Inimigo, o Diabo. A confusão foi grande, basta dizer como terminou: eles pegaram pedras e queriam apedrejar Jesus.
Vamos guardar a mensagem
Para sermos realmente livres, precisamos permanecer na Palavra de Jesus, isto é, vivê-la, praticá-la. Assim, seremos seus discípulos, conheceremos a verdade e a verdade nos libertará. Aquelas pessoas com quem Jesus estava discutindo não reconheciam o seu pecado, a sua condição de rejeição ao Filho que o Pai enviou e o desejo homicida que estava no seu coração. Olha o que Jesus disse a eles: “Quem comete o pecado é escravo do pecado. Vocês querem me matar, porque eu lhes disse a verdade que ouvi de Deus”. Para eles e para nós, fica o convite de Jesus. Permaneçamos na sua Palavra para conhecermos a verdade e sermos libertados por ela. Para sermos realmente livres, é preciso que ele nos liberte.
Vamos rezar a Palavra
Senhor Jesus,
Reconhecemos nossa condição de pecadores, nossa inclinação para o mal. Mas, não queremos viver como escravos, filhos do mal. Queremos ser livres e viver como filhos de Deus. É a tua Palavra que nos liberta. Ela nos revela a grandeza do amor de Deus, que te enviou para nos resgatar. Tu pagaste, com teu sangue, o preço de nossa liberdade. Ajuda-nos a viver libertos da escravidão do pecado. Ajuda-nos a viver como filhos, livres, não como escravos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Valia a pena você ler essa passagem do evangelho de hoje na sua Bíblia (João 8,31-42). Aproveite para contar quantas vezes aparecem as palavras escravo e livre/libertar. Mande-me o resultado de sua conta. Amanhã, a gente confere a resposta.


Pe. João Carlos Ribeiro – 20.03.2018

Postagem em destaque

Os caminhos do Batista continuam nos caminhos de Jesus

03 de fevereiro de 2023 Primeira sexta-feira do mês Dia de São Brás EVANGELHO Mc 6,14-29 Naquele tempo, 14o rei Herodes ouviu falar de Jesus...

POSTAGENS MAIS VISTAS