PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: pobre
Mostrando postagens com marcador pobre. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador pobre. Mostrar todas as postagens

Não esqueça o seu irmão à porta



25 de setembro de 2022

26º Domingo do Tempo Comum

Dia Nacional da Bíblia


EVANGELHO 

Lc 16,19-31

Naquele tempo, Jesus disse aos fariseus: 19“Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.
20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.
22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado.
23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado.
24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.
25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado.26E, além disso, há um grande abismo entre nós; por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.
27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’.
29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem!’
30 O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’.
31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos’”.



MEDITAÇÃO


Havia um homem rico que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias (Lc 16,19).

Por que o rico se deu mal? Porque não se incomodou com a miséria do seu irmão. Não se assuste, por favor. É o recado das leituras bíblicas deste domingo. O rico se deu mal porque não se incomodou com a miséria do seu irmão. Não porque era rico, mas porque a sua condição social e financeira fechou o seu coração para o pobre, seu irmão.

Jesus contou uma história chocante. Um rico, elegantemente vestido e rodeado de amigos do seu nível, vivia de festas e comilanças. Na sua porta, havia um miserável coberto de feridas, sentado no chão. Da mesa do rico, nunca chegou uma sobrinha de comida para aquele faminto, de nome Lázaro. A vida foi assim. O rico em seus banquetes, todo dia. O pobre com seu cachorro, no abandono da fome e da doença. Morreram os dois. Lázaro foi para o céu. O rico para o inferno. Das profundezas, o rico avistou Lázaro ao lado de Abraão. E gritou pedindo ajuda. Queria que Lázaro levasse um pouco d’água para refrescá-lo naquelas chamas. Queria que Lázaro avisasse seus cinco irmãos para não fazerem como ele e terminarem naquele lugar tão triste. Os pedidos foram negados. E Abraão explicou o porquê: o abismo é grande demais, não dá para passar; os seus irmãos devem escutar a pregação dos profetas.

Esse é o tipo do evangelho que muita gente não quer nem ouvir. Claro, nele Jesus faz uma denúncia muito séria sobre o perigo da riqueza seduzir de tal modo uma pessoa ou uma classe social que leve essa pessoa a se esquecer dos seus irmãos desempregados, subnutridos, enfermos nos corredores dos hospitais. Muita gente preferia que Jesus não tratasse desses assuntos. Falasse do Reino dos céus e se esquecesse dos problemas aqui de baixo, ora essa. Mas, Jesus fez o contrário: desceu do céu e veio para a terra, assumindo nossa condição humana. É aqui que está faltando fraternidade. É aqui que está sobrando injustiça. E a sua palavra nos convoca a todos à conversão, à mudança de vida.

Há uma palavra que define essa situação abordada pelo evangelho de hoje: i-n-d-i-f-e-r-e-n-ç-a. Pela indiferença, nos acostumamos com o sofrimento e a miséria da maioria. Não nos preocupam mais a fome, a violência, a perda de direitos. Quem está numa situação melhor, fecha-se no seu mundo e se esquece do seu irmão que continua sentado e faminto à sua porta. No evangelho não se diz que o rico tenha maltratado o pobre ou o enxotado da porta de casa ou chamado a polícia para tirá-lo dali. Nada disso. Ele simplesmente o ignorou, não partilhou com ele suas abundantes iguarias, não o incluiu de alguma forma na sua vida. Indiferença!

A profecia de Amós, lida hoje, vai na mesma linha: ‘Ai dos que vivem bem e não se preocupam com a miséria dos seus irmãos’. O profeta se refere às classes dirigentes do seu tempo que, apesar de viverem na abundância, terminaram na primeira fila dos exilados, quando os assírios impuseram uma penosa derrota ao país. O Salmo 145, rezado hoje, traça um belo perfil de Deus que ama os pobres. O Senhor nosso Deus faz justiça aos oprimidos, sacia os famintos, protege o migrante, ampara a viúva e o órfão. É um convite para honrarmos o Senhor, imitando-o no seu amor pelos pequenos.




Guardando a mensagem

O rico se deu mal porque ignorou a miséria de Lázaro, porque viveu em completa indiferença ao sofrimento do seu irmão. Por falar em irmão, ele disse que tinha cinco irmãos. O número perfeito é sete. Então, para a conta ser mesmo certa, seu pai não teria tido apenas seis filhos: ele e seus cinco irmãos. Faltava um, faltava o sétimo. Claro, é o que estava sentado à sua porta. O irmão que ele não reconheceu, não amou, não acudiu é Lázaro. Todo ser humano é nosso irmão. Não esqueçamos os pobres. Não deixemos que os bens deste mundo nos fechem o coração para os desempregados, os doentes, os famintos, os sem teto.

Havia um homem rico que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias (Lc 16,19).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Que belas as palavras do Salmo 145: “O Senhor é fiel para sempre, faz justiça aos oprimidos, dá alimento aos famintos. É o Senhor quem liberta os cativos. Ele ampara a viúva e o órfão, mas confunde os caminhos dos maus”. Esse é o nosso modelo, o Deus que ergue os caídos. Senhor, queremos tomar para nós o conselho do apóstolo Paulo a Timóteo: “Tu que és um homem de Deus, foge das coisas perversas, procura a justiça, a piedade, a fé, o amor, a firmeza, a mansidão”. Esse é o caminho que queremos seguir, Senhor, o da fraternidade e da justiça. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Hoje, ao ouvir ou ler alguma notícia nos jornais ou em outros meios de comunicação, tente olhar a mesma notícia do ponto de vista de quem está à margem, dos excluídos da mesa farta, dos Lázaros de hoje. Jesus nos pede uma nova atitude, uma nova mentalidade. Não se trata de uma cesta básica, apenas. Trata-se de vencer a indiferença pela inclusão, pela justiça, pelo reconhecimento do seu irmão.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O POBRE, SEU IRMÃO


17 de março de 2022

16º dia da Quaresma

EVANGELHO


Lc 16,19-31

Naquele tempo, disse Jesus aos fariseus: 19“Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.
20Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico. 21Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico. E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.
22Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado. 23Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado. 24Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim! Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.
25Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te de que recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. 26E, além disso, há grande abismo entre nós: por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.
27O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, 28porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’. 29Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os profetas, que os escutem!’
30O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’. 31Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos”’.

MEDITAÇÃO


Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico (Lc 16, 20)

Neste 16º dia da Quaresma, uma insistência da palavra do Senhor sobre a caridade. Amar o pobre, acolher o mais fraco, incluir o marginalizado.

Por que será que o rico foi parar no inferno? Estou falando da parábola que Jesus contou. O rico foi parar no inferno, puxa vida! Jesus começou descrevendo o rico: roupas finas e elegantes, e todo dia dava esplêndidos banquetes. E o pobre: coberto de feridas, sentado à porta do rico. Ele tinha nome, Lázaro. Jesus não colocou um nome no rico, por alguma razão ficou anônimo. O pobre com fome, coitado, esperando pelo menos as migalhas que caíam da mesa do banquete do rico. E nada. Morreram os dois. Um se encontrou no calorão, em meio às chamas, lá em baixo. O outro, no bem-bom, lá em cima, no lugar do consolo, junto do pai Abraão. O rico gritou lá de baixo, pedindo ajuda. Não há jeito, foi a resposta de Abraão. Pelo menos, implorou o desafortunado, mande Lázaro avisar aos meus cinco irmãos. Não dá, voltou a resposta, os seus cinco irmãos já têm Moisés e os Profetas. Moisés e os Profetas é um modo de se referir à Torá, à Palavra de Deus. Eles têm a Palavra de Deus que orienta, exorta, indica o caminho certo. Que a escutem!

A pergunta permanece: afinal, por que o rico foi parar no inferno? Não se pode dizer que foi porque ele tinha muitos bens, porque era muito rico. Talvez isso lhe tenha fechado o coração. Mas, a parábola de Jesus só diz que o pobre Lázaro, à sua porta, não conseguia nem as migalhas que caíam de sua mesa, nem os restos. Nada. Só cães para lamberem as suas feridas. O rico nem notou a sua presença, não o amou, não o ajudou, não o incluiu em suas festas. O rico não teve misericórdia do pobre.

E ser misericordioso era tudo o que Jesus estava ensinando. Sejam misericordiosos, como o pai do céu é misericordioso. Amem, ajudem, emprestem, doem, perdoem, defendam... isto é ser misericordioso, explicava Jesus. Dá pra lembrar aquela cena do julgamento, desenhada pelo próprio Jesus. Venham para o repouso que lhes foi preparado, porque eu tive fome e vocês me deram de comer; era peregrino, e vocês me acolheram; estive doente e preso, e vocês me visitaram. E vão para o castigo eterno vocês que não me fizeram isso. Toda vez que não fizeram isso ao menor dos meus irmãos, não o fizeram a mim. Então, deixando de servir a Lázaro, o pobre pestilento sentado à sua porta, o tal rico deixou de servir e honrar o próprio Senhor.


Guardando a mensagem

Por que o rico foi parar no inferno? Porque não repartiu sua mesa farta com Lázaro, um irmão menor do Senhor. Deixou de dar de comer ao próprio Jesus. Porque não amou seu irmão pobre. Porque o desprezou, não o enxergou, não o acudiu, não o incluiu. Provou que não amava a Deus, pois não amava seu irmão. Não honrava a Deus, prestigiando seu irmão. Aliás, o homem disse que tinha cinco irmãos, mas se enganou. Ele tinha seis irmãos. E quem era o sexto irmão? Lázaro. Ele pensou que eram seis filhos, ele e mais cinco irmãos, engano. Aliás, o número seis na Bíblia não é um número bom, é um número falho, um número imperfeito. Não eram seis filhos, eram sete: o rico, os seus cinco irmãos e Lázaro. Sete! E sete, na Escritura, é um número perfeito. O rico da história de Jesus foi parar no inferno porque não reconheceu Lázaro como seu irmão, o sétimo filho. Não o reconheceu como um irmão, membro da única família de Deus.

Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico (Lc 16, 20)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Tu nos disseste que temos Moisés e os Profetas, isto é, temos a tua santa Palavra a nos indicar o bom caminho. Não é possível, nem necessário, que venha um morto nos avisar que estamos procedendo de maneira errada em nossa vida. A tua Palavra proclamada pela Igreja já nos avisa, nos corrigindo, nos chamando à comunhão com Deus. É hora de levarmos a sério o mandamento da caridade, do amor aos irmãos. Dá-nos, Senhor, a graça da conversão. Que nesta quaresma, não esqueçamos o pobre do lado de fora. Que não façamos pouco caso da Campanha da Fraternidade sobre a Vida, como Dom e Compromisso. Abre, Senhor, nossos olhos para ver as necessidades dos nossos irmãos e irmãs, sobretudo dos mais pobres e marginalizados. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Comente, hoje, essa história contada por Jesus sobre Lázaro com algum dos seus amigos ou amigas. Jesus vai gostar de ver você comentando a sua palavra e participando com ele da evangelização.

Cantando a palavra


Comunicando para integrar

Como todas as quintas-feiras, hoje, temos a Missa das 11 horas no rádio e nas redes sociais. Para colocar o seu pedido de oração, preencha o formulário que está no final do texto da Meditação.  É só clicar no link que estou lhe enviando.

O rico da história de Jesus foi parar no inferno porque não reconheceu Lázaro como seu irmão, o sétimo filho.

Até amanhã, se Deus quiser!

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb



NÃO SE ESQUEÇA DOS POBRES


Papa almoça com necessitados - Foto: REUTERS/Guglielmo Mangiapane

01 de novembro de 2021

EVANGELHO


Lc 14,12-14

Naquele tempo, 12dizia Jesus ao chefe dos fariseus que o tinha convidado: “Quando deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos nem teus irmãos nem teus parentes nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. 13Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. 14Então serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos”.

MEDITAÇÃO


Quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos (Lc 14, 13)

Quando o argentino Cardeal Jorge Bergoglio foi eleito Papa, o seu amigo brasileiro Cardeal Claudio Hummes, ao cumprimentá-lo com um abraço, lhe disse ao ouvido: “Não se esqueça dos pobres”. Este é precisamente o recado do evangelho de hoje. Não nos esqueçamos dos pobres.

Jesus foi a uma refeição festiva, na casa de alguém importante. Ele viu os convidados escolhendo os primeiros lugares. Nós também vemos isso todos os dias. O espírito do mundo é exatamente esse: a busca dos primeiros lugares. É o mundo da concorrência, um querendo derrubar o outro; o mundo da competição, um querendo deixar o outro pra trás. O espírito do mundo nos ensina a querer ser mais importantes que os outros, a cobiçar os cargos mais altos, a querer estar sempre em evidência. E essa mentalidade acaba por incentivar a violência, a vaidade, a presunção, o orgulho.

Jesus está ensinando uma coisa muito diferente: Não queira ser mais do que ninguém. O espírito do evangelho é a fraternidade, o acolhimento e valorização de cada um, a cooperação. Foi isso que Jesus ensinou: somos irmãos, dependemos uns dos outros.

Naquela refeição festiva, Jesus viu que os convidados eram gente importante, gente do alto nível social, amigos do dono da casa. Então ele disse a quem o convidou: Quando for fazer uma festa, não convide só seus parentes, seus vizinhos ricos, seus amigos, seus irmãos. Convide os pobres, os coxos, os aleijados, os cegos.

O espírito do mundo pratica a exclusão social (deixar de fora quem não tem recursos) e a segregação social (separar de um lado os privilegiados e de outros, os desamparados; isso nos locais de moradia, nos elevadores, nos shoppings, nas casas de festa, nas escolas, nos hospitais, em todo canto). O espírito do evangelho é outro: é a inclusão, a fraternidade, a comunhão, o oferecimento de oportunidades a quem é mais frágil e necessitado.

O cardeal Jorge Bergoglio, agora Papa Francisco, não esqueceu o conselho do seu amigo brasileiro cardeal Cláudio Hummes. Agora é ele quem nos diz, com suas palavras, suas atitudes, suas viagens, seus escritos: “Não se esqueçam dos pobres”. Para ninguém esquecer mesmo, ele até criou o dia do pobre, que ocorre nesse mês de novembro. O 5º dia mundial do pobre vai acontecer no próximo dia 14 de novembro, com o tema «Sempre tereis pobres entre vós» (Mc 14, 7).

Guardando a mensagem

Jesus notou, naquela refeição na casa do fariseu, que os convidados eram os irmãos e parentes do dono da casa, seus amigos e vizinhos ricos. Isso mostra uma mentalidade: a comemoração do seu próprio status, a bajulação dos privilegiados, a exclusão social. É o espírito do mundo. O espírito do Reino é outro: a busca de inclusão dos pobres, dos mais sofridos, a valorização dos pequenos.

Quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos (Lc 14, 13)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
A refeição, que é um ato sagrado para o teu povo, foi palco de belos ensinamentos de tua parte. Obrigado, Senhor. Concede-nos que nossas mesas sejam lugares de fraternidade, de diálogo, de inclusão, onde se manifeste o espírito do Reino, não o espírito do mundo. Concede que nossas refeições em família preparem a sagrada refeição da Eucaristia, mesa da comunhão e da unidade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

No seu caderno espiritual, comente essa palavra de Jesus que meditamos (Lc 14, 13).

Amanhã, no meu canal do Youtube, um encontro especial para rezar pelos falecidos, às 20 horas.  

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

O POBRE CHAMADO LÁZARO

Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico (Lc 16, 20).

12 de março de 2020.


Neste 16º dia da Quaresma, uma insistência da palavra do Senhor sobre a caridade. Amar o pobre, acolher o mais fraco, incluir o marginalizado.



Por que será que o rico foi parar no inferno? Estou falando da parábola que Jesus contou. O rico foi parar no inferno, puxa vida! Jesus começou descrevendo o rico: roupas finas e elegantes, e todo dia dava esplêndidos banquetes. E o pobre: coberto de feridas, sentado à porta do rico. Ele tinha nome, Lázaro. Jesus não colocou um nome no rico, por alguma razão ficou anônimo. O pobre com fome, coitado, esperando pelo menos as migalhas que caíam da mesa do banquete do rico. E nada. Morreram os dois. Um se encontrou no calorão, em meio às chamas, lá em baixo. O outro, no bem-bom, lá em cima, no lugar do consolo, junto do pai Abraão. O rico gritou lá de baixo, pedindo ajuda. Não há jeito, foi a resposta de Abraão. Pelo menos, implorou o desafortunado, mande Lázaro avisar aos meus cinco irmãos. Não dá, voltou a resposta, os seus cinco irmãos já têm Moisés e os Profetas. Moisés e os Profetas é um modo de se referir à Torá, à Palavra de Deus. Eles têm a Palavra de Deus que orienta, exorta, indica o caminho certo. Que a escutem!

A pergunta permanece: afinal, por que o rico foi parar no inferno? Não se pode dizer que foi porque ele tinha muitos bens, porque era muito rico. Talvez isso lhe tenha fechado o coração. Mas, a parábola de Jesus só diz que o pobre Lázaro, à sua porta, não conseguia nem as migalhas que caíam de sua mesa, nem os restos. Nada. Só cães para lamberem as suas feridas. O rico nem notou a sua presença, não o amou, não o ajudou, não o incluiu em suas festas. O rico não teve misericórdia do pobre.

E ser misericordioso era tudo o que Jesus estava ensinando. Sejam misericordiosos, como o pai do céu é misericordioso. Amem, ajudem, emprestem, doem, perdoem, defendam... isto é ser misericordioso, explicava Jesus. Dá pra lembrar aquela cena do julgamento, desenhada pelo próprio Jesus. Venham para o repouso que lhes foi preparado, porque eu tive fome e vocês me deram de comer; era peregrino, e vocês me acolheram; estive doente e preso, e vocês me visitaram. E vão para o castigo eterno vocês que não me fizeram isso. Toda vez que não fizeram isso ao menor dos meus irmãos, não o fizeram a mim. Então, deixando de servir a Lázaro, o pobre pestilento sentado à sua porta, o tal rico deixou de servir e honrar o próprio Senhor.

Guardando a mensagem

Por que o rico foi parar no inferno? Porque não repartiu sua mesa farta com Lázaro, um irmão menor do Senhor. Deixou de dar de comer ao próprio Jesus. Porque não amou seu irmão pobre. Porque o desprezou, não o enxergou, não o acudiu, não o incluiu. Provou que não amava a Deus, pois não amava seu irmão. Não honrava a Deus, prestigiando seu irmão. Aliás, o homem disse que tinha cinco irmãos, mas se enganou. Ele tinha seis irmãos. E quem era o sexto irmão? Lázaro. Ele pensou que eram seis filhos, ele e mais cinco irmãos, engano. Aliás, o número seis na Bíblia não é um número bom, é um número falho, um número imperfeito. Não eram seis filhos, eram sete: o rico, os seus cinco irmãos e Lázaro. Sete! E sete, na Escritura, é um número perfeito . O rico da história de Jesus foi parar no inferno porque não reconheceu Lázaro como seu irmão, o sétimo filho. Não o reconheceu como um irmão, membro da única família de Deus.

Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico (Lc 16, 20).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Tu nos disseste que temos Moisés e os Profetas, isto é, temos a tua santa Palavra a nos indicar o bom caminho. Não é possível, nem necessário, que venha um morto nos avisar que estamos procedendo de maneira errada em nossa vida. A tua Palavra proclamada pela Igreja já nos avisa, nos corrigindo, nos chamando à comunhão com Deus. É hora de levarmos a sério o mandamento da caridade, do amor aos irmãos. Dá-nos, Senhor, a graça da conversão. Que nesta quaresma, não esqueçamos o pobre do lado de fora. Que não façamos pouco caso da Campanha da Fraternidade sobre a Vida, como Dom e Compromisso. Abre, Senhor, nossos olhos para ver as necessidades dos nossos irmãos e irmãs, sobretudo dos mais pobres e marginalizados. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Comente, hoje, essa história contada por Jesus sobre Lázaro com algum dos seus amigos ou amigas. Jesus vai gostar de ver você comentando a sua palavra e participando com ele da evangelização.

12 de março de 2020.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

NÃO SE ESQUEÇA DO POBRES



Quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos (Lcs 14, 13)
04 de novembro de 2019 .
Quando o argentino Cardeal Jorge Bergoglio foi eleito Papa, o seu amigo brasileiro Cardeal Claudio Hummes, ao cumprimentá-lo com um abraço, lhe disse ao ouvido: “Não se esqueça dos pobres”. Este é precisamente o recado do evangelho de hoje. Não nos esqueçamos dos pobres.
Jesus foi a uma refeição festiva, na casa de alguém importante. Ele viu os convidados escolhendo os primeiros lugares. Nós também vemos isso todos os dias. O espírito do mundo é exatamente esse: a busca dos primeiros lugares. É o mundo da concorrência, um querendo derrubar o outro; o mundo da competição, um querendo deixar o outro pra trás. O espírito do mundo nos ensina a querer ser mais importantes que os outros, a cobiçar os cargos mais altos, a querer estar sempre em evidência. E essa mentalidade acaba por incentivar a violência, a vaidade, a presunção, o orgulho.
Jesus está ensinando uma coisa muito diferente: Não queira ser mais do que ninguém. O espírito do evangelho é a fraternidade, o acolhimento e valorização de cada um, a cooperação. Foi isso que Jesus ensinou: somos irmãos, dependemos uns dos outros.
Naquela refeição festiva, Jesus viu que os convidados eram gente importante, gente do alto nível social, amigos do dono da casa. Então ele disse a quem o convidou: Quando for fazer uma festa, não convide só seus parentes, seus vizinhos ricos, seus amigos, seus irmãos. Convide os pobres, os coxos, os aleijados, os cegos. 
O espírito do mundo pratica a exclusão social (deixar de fora quem não tem recursos) e a segregação social (separar de um lado os privilegiados e de outros, os desamparados; isso nos locais de moradia, nos elevadores, nos shoppings, nas casas de festa, nas escolas, nos hospitais, em todo canto). O espírito do evangelho é outro: é a inclusão, a fraternidade, a comunhão, o oferecimento de oportunidades a quem é mais frágil e necessitado.
O cardeal Jorge Bergoglio, agora Papa Francisco, não esqueceu o conselho do seu amigo brasileiro cardeal Cláudio Hummes. Agora é ele quem nos diz, com suas palavras, suas atitudes, suas viagens, seus escritos: “Não se esqueçam dos pobres”. Para ninguém esquecer mesmo, ele até criou o dia do pobre, que ocorre nesse mês de novembro. O 3º dia mundial do pobre vai acontecer no próximo dia 17 de novembro, com o tema «A esperança dos pobres jamais se frustrará» (Sl 9, 19).
Guardando a mensagem
Jesus notou, naquela refeição na casa do fariseu, que os convidados eram os irmãos e parentes do dono da casa, seus amigos e vizinhos ricos. Isso mostra uma mentalidade: a comemoração do seu próprio status, a bajulação dos privilegiados, a exclusão social. É o espírito do mundo. O espírito do Reino é outro: a busca de inclusão dos pobres, dos mais sofridos, a valorização dos pequenos.
Quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos (Lc 14, 13)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
A refeição, que é um ato sagrado para o teu povo, foi palco de belos ensinamentos de tua parte. Obrigado, Senhor. Concede-nos que nossas mesas sejam lugares de fraternidade, de diálogo, de inclusão, onde se manifeste o espírito do Reino, não o espírito do mundo. Concede que nossas refeições em família preparem a sagrada refeição da Eucaristia, mesa da comunhão e da unidade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual, comente essa palavra de Jesus que meditamos (Lc 14, 13).
Se, perto de você, não houver uma rádio que transmita o nosso programa diário TEMPO DE PAZ, baixe a nossa rádio no seu celular. Na lojinha de aplicativos do androide, procure e baixe Rádio Tempo de Paz. 
A gente se encontra às dez da noite, no Facebook. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb – 04 de novembro de 2019

UMA QUARESMA SEM POBRE

Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico (Lc 16, 20).
21 de março de 2019.
Neste 16º dia da Quaresma, uma insistência da palavra do Senhor sobre a caridade. Amar o pobre, acolher o mais fraco, incluir o marginalizado.
Por que será que o rico foi parar no inferno? Estou falando da parábola que Jesus contou. O rico foi parar no inferno, puxa vida! Jesus começou descrevendo o rico: roupas finas e elegantes, e todo dia dava esplêndidos banquetes. E o pobre: coberto de feridas, sentado à porta do rico. Ele tinha nome, Lázaro. Jesus não colocou um nome no rico, por alguma razão ficou anônimo. O pobre com fome, coitado, esperando pelo menos as migalhas que caíam da mesa do banquete do rico. E nada. Morreram os dois. Um se encontrou no calorão, em meio às chamas, lá em baixo. O outro, no bem-bom, lá em cima, no lugar do consolo, junto do pai Abraão. O rico gritou lá de baixo, pedindo ajuda. Não há jeito, foi a resposta de Abraão. Pelo menos, implorou o desafortunado, mande Lázaro avisar aos meus cinco irmãos. Não dá, voltou a resposta, os seus cinco irmãos já têm Moisés e os Profetas. Moisés e os Profetas é um modo de se referir à Torá, à Palavra de Deus. Eles têm a Palavra de Deus que orienta, exorta, indica o caminho certo. Que a escutem!
A pergunta permanece: afinal, por que o rico foi parar no inferno? Não se pode dizer que foi porque ele tinha muitos bens, porque era muito rico. Talvez isso lhe tenha fechado o coração. Mas, a parábola de Jesus só diz que o pobre Lázaro, à sua porta, não conseguia nem as migalhas que caíam de sua mesa, nem os restos. Nada. Só cães para lamberem as suas feridas. O rico nem notou a sua presença, não o amou, não o ajudou, não o incluiu em suas festas. O rico não teve misericórdia do pobre.
E ser misericordioso era tudo o que Jesus estava ensinando. Sejam misericordiosos, como o pai do céu é misericordioso. Amem, ajudem, emprestem, doem, perdoem, defendam... isto é ser misericordioso, explicava Jesus. Dá pra lembrar aquela cena do julgamento, desenhada pelo próprio Jesus. Venham para o repouso que lhes foi preparado, porque eu tive fome e vocês me deram de comer; era peregrino, e vocês me acolheram; estive doente e preso, e vocês me visitaram. E vão para o castigo eterno vocês que não me fizeram isso. Toda vez que não fizeram isso ao menor dos meus irmãos, não o fizeram a mim. Então, deixando de servir a Lázaro, o pobre pestilento sentado à sua porta, o tal rico deixou de servir e honrar o próprio Senhor.
Guardando a mensagem
Por que o rico foi parar no inferno? Porque não repartiu sua mesa farta com Lázaro, um irmão menor do Senhor. Deixou de dar de comer ao próprio Jesus. Porque não amou seu irmão pobre. Porque o desprezou, não o enxergou, não o acudiu, não o incluiu. Provou que não amava a Deus, pois não amava seu irmão. Não honrava a Deus, prestigiando seu irmão. Aliás, o homem disse que tinha cinco irmãos, mas se enganou. Ele tinha seis irmãos. E quem era o sexto irmão?  Lázaro. Ele pensou que eram seis filhos, ele e mais cinco irmãos, engano. Aliás, o número seis na Bíblia não é um número bom, é um número falho, um número imperfeito. Não eram seis filhos, eram sete: o rico, os seus cinco irmãos e Lázaro. Sete! E sete, na Escritura, é um número perfeito . O rico da história de Jesus foi parar no inferno porque não reconheceu Lázaro como seu irmão, o sétimo filho. Não o reconheceu como um irmão, membro da única família de Deus.
Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico (Lc 16, 20).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Tu nos disseste que temos Moisés e os Profetas, isto é, temos a tua santa Palavra a nos indicar o bom caminho. Não é possível, nem necessário, que venha um morto nos avisar que estamos procedendo de maneira errada em nossa vida. A tua Palavra proclamada pela Igreja já nos avisa, nos corrigindo, nos chamando à comunhão com Deus. É hora de levarmos a sério o mandamento da caridade, do amor aos irmãos. Dá-nos, Senhor, a graça da conversão. Que nesta quaresma, não esqueçamos o pobre do lado de fora. Que não façamos pouco caso da Campanha da Fraternidade sobre políticas públicas a serviço da inclusão dos Lázaros de hoje. Queremos incluir também, Senhor, em nossa prece de hoje, os portadores da Síndrome de Down, hoje no seu dia internacional. Que eles estejam sempre incluídos, em primeiro lugar, em nossos corações. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Comente, hoje, essa história contada por Jesus sobre Lázaro com algum dos seus amigos ou amigas. Jesus vai gostar de ver você comentando a sua palavra e participando com ele da evangelização.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.03.2019

O CAMELO E A AGULHA


Como é difícil para os ricos entrar no reino de  Deus (Mc 10, 23)
28 de maio de 2018.
Há, no evangelho, um critério muito especial para o nosso seguimento de Jesus. Você, certamente, já se deu conta. Não é bastante você ser uma pessoa religiosa ou praticante dos mandamentos da lei de Deus. Ou mesmo, apenas ter um amor especial pelo Senhor Jesus. Tudo isso é importante e necessário e você nisso, mais ou menos, está em dia, não é verdade? Mas, há uma coisa que dá a tudo isso um tom especial. É o que eu estou lhe dizendo: um critério especial para o nosso seguimento de Jesus.
Estou indo com calma pra você não se assustar. Mas, vou dizer agora: o pobre. O amor aos pobres. O pobre é o critério que qualifica o nosso seguimento de Jesus. Todo o evangelho é um testemunho do amor preferencial de Jesus pelo pequeno, pelo pobre, pelo sofredor. Basta que eu lhe lembre a parábola do bom samaritano (o próximo é quem está caído, assaltado, semi-morto). E as bem-aventuranças (felizes os pobres, os aflitos, os famintos – o reino de Deus é deles). Mas, deixe-me acrescentar mais uma passagem: a cena do juízo final (eu estava com fome e me destes de comer; eu estava preso e me visitaste). Não tenha dúvida: a vida de Jesus está marcada pela atenção ao pobre, ao fraco, ao sofredor. O pobre está em primeiro lugar. E em Jesus, nem preciso lhe dizer isso, está a manifestação mais completa de Deus. Suas palavras, suas ações revelam o Pai. Então, o pobre está em primeiro lugar no coração do nosso Deus. E, claro, no coração dos seguidores de Jesus.
E eu estou lhe explicando tudo isso pra você entender melhor o evangelho de hoje: Marcos, capítulo 10. Chegou um jovem pra falar com Jesus. Ele queria uma orientação: o que  poderia fazer para ganhar a vida eterna? Resposta de Jesus: praticar os mandamentos. “Ah, já cumpro tudo direitinho desde pequeno”. Que coisa boa. Jesus ficou muito satisfeito. Estava diante um ardoroso jovem que se tornaria um discípulo exemplar: disposto, praticante, começando a vida, em condições de dar à sua vida a direção que Jesus deu à sua. Diante de um terreno tão fértil, Jesus lançou as redes. Fez-lhe uma proposta radical:  “Só está faltando agora você desfazer-se dos seus bens em favor dos pobres e vir me seguir”. Ih, foi uma ducha de água fria no ardor daquele jovem tão religioso. Pensou um pouco. Era demais. Não dava. Foi-se embora, no meio de uma grande tristeza.
A esse jovem, aparentemente tão generoso, Jesus fez uma proposta. Radicalizou, é verdade. Não é pra todo mundo esse convite para estar ao seu lado, do jeito dele: renunciando aos bens deste mundo e ocupando-se de bens ainda mais altos e nobres. Esse convite, Jesus tinha feito aos seus discípulos mais próximos. Estes renunciaram a tudo para caminhar ao seu lado, como ele que esvaziou-se de sua condição divina para assumir nossa vida humana. Na verdade, a proposta feita àquele jovem, fundamentalmente, estende-se a todos os seus seguidores.
Para todos nós, está posto o apelo de nos conduzirmos, em nossa vida, com o critério do pobre. Se esquecermos dos pobres, perderemos nossa identidade de cristãos, de seguidores de Jesus. Quando o Papa Francisco foi eleito, o seu amigo cardeal Claudio Hummes o abraçou e lhe disse: “não se esqueça dos pobres”. Nunca podemos nos esquecer dos pobres. Nós nos lembramos deles, tendo um coração solidário, partilhando com os mais necessitados algo do que temos: roupa, comida, conhecimento, entre outros. E não só no natal solidário. Solidariedade como atitude permanente. Iluminamos nossa vida com o critério do amor ao pobre, quando exercemos uma profissão como verdadeiro serviço à população, facilitando o acesso dos menos favorecidos aos nossos serviços. Lembramo-nos deles, mantendo um compromisso cidadão, preocupados com a inclusão dos que têm menos oportunidade, com a justiça social, com políticas públicas que garantam educação de qualidade para todos, bem como segurança, emprego, moradia. O critério do amor aos pobres dá o tom evangélico à nossa vida cristã.
Vamos guardar a mensagem
Jesus ficou triste porque o jovem rico não teve coragem de reorientar a sua vida pelo critério do pobre, do sofredor. Pela seriedade com que levava sua vida religiosa, poderia muito bem ter aceito aquele convite exigente que Jesus lhe fez. Seria um passo decisivo para sua realização, sua felicidade, sua salvação. O apego ao dinheiro, aos bens fechou-lhe  o coração. O critério do pobre continua válido para todo seguidor de Jesus. É um critério que orienta a nossa vida social, o exercício de nossa profissão, os nossos compromissos de cidadãos. O critério é o amor ao pobre. Pobre como sujeito, como protagonista, como irmão.
Como é difícil para os ricos entrar no reino de  Deus (Mc 10, 23)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
A palavra de hoje ilumina esse momento que estamos vivendo no Brasil. A paralização dos caminhoneiros, que é não só dos caminhoneiros, é um grito desesperado no meio de uma situação de injustiça em que todos temos sido penalizados,  especialmente os mais pobres e menos favorecidos. Dá-nos, Senhor, ter o teu mesmo coração e realizarmos, sem medo, nossa missão de fermentar a sociedade brasileira com o evangelho da justiça, da fraternidade e do amor aos pequenos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Talvez você, hoje, possa se informar melhor sobre as manifestações que estão ocorrendo em todo o país. Procurar entender e formar sua consciência cidadã é um sinal de amor aos pobres.

Pe. João Carlos Ribeiro – 28.05.2018

POR QUE SERÁ QUE O RICO FOI PARAR NO INFERNO?

MEDITAÇÃO PARA A QUINTA-FEIRA 01 DE MARÇO DE 2018.
Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem! (Lc 16, 29)
Neste 16º dia da Quaresma, uma insistência da palavra do Senhor sobre a caridade. Amar o pobre, acolher o mais fraco, incluir o marginalizado.
Por que será que o rico foi parar no inferno? Estou falando da parábola que Jesus contou. O rico foi parar no inferno, puxa vida! Jesus começou descrevendo o rico: roupas finas e elegantes, e todo dia dava esplêndidos banquetes. E o pobre: coberto de feridas, sentado à porta do rico. Ele tinha nome, Lázaro. Jesus não colocou um nome no rico, por alguma razão ficou anônimo. O pobre com fome, coitado, esperando pelo menos as migalhas que caíam da mesa do banquete do rico. E nada. Morreram os dois. Um se encontrou no calorão, em meio às chamas, lá em baixo. O outro, no bem-bom, lá em cima, no lugar do consolo, junto do pai Abraão. O rico gritou lá de baixo, pedindo ajuda. Não há jeito, foi a resposta de Abraão. Pelo menos, implorou o desafortunado, mande Lázaro avisar aos meus cinco irmãos. Não dá, voltou a resposta, os seus cinco irmãos já têm Moisés e os Profetas. Moisés e os Profetas é um modo de se referir à Torá, à Palavra de Deus. Eles têm a Palavra de Deus que orienta, exorta, indica o caminho certo. Que a escutem!
A pergunta permanece: afinal, por que o rico foi parar no inferno? Não se pode dizer que foi porque ele tinha muitos bens, porque era muito rico. Talvez isso lhe tenha fechado o coração. Mas, a parábola de Jesus só diz que o pobre Lázaro, à sua porta, não conseguia nem as migalhas que caíam de sua mesa, nem os restos. Nada. Só cães para lamberem-lhe as feridas. O rico nem notou a sua presença, não o amou, não o ajudou, não o incluiu em suas festas. O rico não teve misericórdia do pobre.
E ser misericordioso era tudo o que Jesus estava ensinando. Sejam misericordiosos, como o pai do céu é misericordioso. Amém, ajudem, emprestem, doem, perdoem, defendam... isto é ser misericordioso, explicava Jesus. Dá pra lembrar aquela cena do julgamento, desenhada pelo próprio Jesus. Venham para o repouso que lhes foi preparado, porque eu tive fome e vocês me deram de comer; era peregrino, e vocês me acolheram; estive doente e preso, e  vocês me visitaram. E vão para o castigo eterno vocês que não me fizeram isso. Toda vez que não fizeram isso ao menor dos meus irmãos, não o fizeram a mim. Então, deixando de servir a Lázaro, o pobre pestilento sentado à sua porta, o tal rico deixou de servir e honrar o próprio Senhor.
Vamos guardar a mensagem
Por que o rico foi parar no inferno? Porque não repartiu sua mesa farta com Lázaro, um irmão menor do Senhor. Deixou de dar de comer ao próprio Jesus. Porque não amou seu irmão pobre. Porque o desprezou, não o enxergou, não o acudiu, não o incluiu. Provou que não amava a Deus, pois não amava seu irmão. Não honrava a Deus, prestigiando seu irmão. Aliás, o homem disse que tinha cinco irmãos, mas se enganou. Ele tinha seis irmãos. E quem era o sexto irmão?  Lázaro. Ele pensou que eram seis filhos, ele e mais cinco irmãos, engano. Aliás, o número seis na Bíblia não é um número bom, é um número falho, o número do fracasso. Não eram seis filhos, eram sete: o rico, os seus cinco irmãos e Lázaro. Sete! E sete, na Escritura, é um número perfeito . O rico da história de Jesus foi parar no inferno porque não reconheceu Lázaro como seu irmão, o sétimo filho. Não o reconheceu como um irmão, membro da única família de Deus.
Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem! (Lc 16, 29)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Temos Moisés e os Profetas, isto é, temos a tua santa Palavra a nos indicar o bom caminho. Não é possível, nem necessário, que venha um morto nos avisar que estamos procedendo de maneira errada em nossa vida. A tua Palavra proclamada pela Igreja já nos avisa, nos corrigindo, nos chamando à comunhão com Deus. É hora de levarmos a sério o mandamento da caridade, do amor aos irmãos. Dá-nos, Senhor, a graça da conversão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Comente, hoje, essa história contada por Jesus sobre Lázaro com algum dos seus amigos ou amigas. Jesus vai gostar de ver você comentando a sua Palavra e participando com ele da evangelização.
Pe. João Carlos Ribeiro – 28.02.2018

JESUS REINA SERVINDO



MEDITAÇÃO PARA O DOMINGO, 26 DE NOVEMBRO

Todos os povos da terra serão reunidos diante dele, e ele separará uns dos outros, assim como o pastor separa as ovelhas dos cabritos (Mt 25, 32).

O grande domingo do ano é o domingo da páscoa, o da ressurreição de Jesus. E a cada domingo, celebramos o dia do Senhor, em sintonia com a sua páscoa. Neste último domingo do ano litúrgico, proclamamos que Jesus é Rei do Universo, senhor de todos nós. E voltamos a escutar suas palavras a respeito do que fará como rei, no final da história.

Para o povo da Bíblia, Deus é o pastor. Nós somos o rebanho dele. Os reis em Israel deviam desempenhar a tarefa de cuidar do rebanho de Deus, por isso eram chamados de pastores. Decepcionado com os maus pastores que se sucederam em Israel, o próprio Deus tinha anunciado que ele mesmo viria pastorear o seu povo, reunindo as ovelhas dispersas e exercendo o julgamento sobre elas. O rei tinha também a função judiciária, julgava as causas. É o que está descrito no livro do Profeta Ezequiel, capítulo 34. Jesus, no evangelho, se apresentou claramente como o pastor que veio cuidar do rebanho de Deus. Ele é o bom pastor que dá a vida por suas ovelhas.

No evangelho de Mateus, capítulo 25, Jesus fala de si mesmo como o rei pastor que, no final da história, reúne todos os povos, separando as ovelhas dos cabritos. O rei pastor chega com toda a sua glória, acompanhado dos anjos, e se senta no seu trono para julgar. É o julgamento final. As ovelhas irão para a vida eterna, os cabritos irão para o castigo eterno.

O critério do juízo é muito simples e prático: você ter demonstrado amor por Jesus, servindo os necessitados, mesmo sem se dar conta que era a Jesus que estava servindo. Só isso. Se você amou a Jesus, você tem acesso ao reino preparado pelo Pai desde que o mundo começou. Venham benditos do meu pai! Se não amou Jesus nos irmãos sofredores, o final é triste. Afastem-se de mim, malditos!
Jesus faz uma lista  de  seis tipos de necessitados: o faminto, o sedento, o estrangeiro, o nu, o doente e o preso. É uma lista simbólica de todos os sofredores. E a lista se repete quatro vezes nesse texto do evangelho. Estranhamente não é uma lista de sete, como se podia esperar, para ser uma obra perfeita. Acho que é muito simples: o sétimo é Jesus.

Então, a matéria que vai cair no exame final da história é o amor concreto aos que Jesus chamou de ‘pequeninos’. O que nos vai ser cobrado é o amor demonstrado a esses irmãos e irmãs. Mas, por que será que é esse ponto que nos será cobrado? Claro, a primeira razão é porque tudo está resumido no amor a Deus e ao próximo. Mas, talvez haja ainda outra razão. Poderia ser o fato de estarmos fazendo ou não como Jesus fez.

Nesse sentido, Jesus não é apenas rei porque vem no fim de tudo julgar todas as nações. Quando estava entre nós, ele já era rei. Claro, não um rei como Herodes ou outros poderosos. Ele não é rei pra mandar, ele é rei para servir. E entre nós, ele esteve servindo. Não lembra que ele chegou até a lavar os pés dos discípulos?! Jesus já estava reinando entre nós, porque estava servindo.

Como bom pastor, ele estava cuidando de suas ovelhas. Alimentou os famintos. Basta lembrar a multiplicação dos pães. Ele mesmo estava com sede e pediu água à samaritana no poço de Jacó, embora a sede pra valer fosse a dela. Ele acolheu os estrangeiros, atendendo os seus pedidos, como no caso do centurião de Cafarnaum e a da Cananeia.  Cuidou dos doentes. Basta lembrar os leprosos, os cegos, os paralíticos curados por ele. Na paixão e na cruz, foi bom companheiro de prisioneiros também. Na cruz, também lhe deixaram sem roupas, ele que tinha recomendado que se devolvesse o manto de um pobre, no caso de penhora. Ele reinou entre nós, servindo os mais humildes e sofredores. Então, a avaliação é se nós fizemos como Jesus, servindo os necessitados.

Vamos guardar a mensagem de hoje

O Francisco do Papa

O Papa adotou o nome de Francisco e isso nos deixou muito felizes. Felizes pelo que isso significa. Ele mesmo explicou o sentido desta escolha no encontro com a imprensa nos primeiros dias do seu pontificado. Quando, no Conclave, os votos alcançaram dois terços, seu amigo brasileiro cardeal Claudio Hummes o abraçou e lhe disse: "Não se esqueça dos pobres". Aquela palavra ficou na cabeça dele. E logo ele pensou em Francisco de Assis.  As palavras agora são dele: "E Francisco é o homem da paz, o homem que ama e tutela a Criação... neste momento em que nosso relacionamento com o meio-ambiente não é tão bom..." E disse mais: "Francisco é o homem que nos dá esse espírito de paz, o homem pobre... Ah, como gostaria de uma Igreja pobre e pelos pobres!".

O Papa, em poucas palavras, deu uma bela explicação do nome que ele escolheu. Francisco é o homem pobre, o homem da paz, o homem do meio-ambiente. De verdade, São Francisco de Assis escolheu a pobreza, a solidariedade com os mais vulneráveis e marginalizados. Foi assim no final do século XII, quando deixou a casa e a fortuna do seu pai Bernardone para viver uma vida de simplicidade e de comunhão com os pobres. Nisso havia uma denúncia da burguesia nascente e da igreja do seu tempo tentadas pelo luxo e pela riqueza. Simplicidade e confiança na providência divina foi o que ele lembrou ao Papa Inocencio III, quando o visitou em sua corte. O Papa Francisco anseia por uma Igreja pobre e pelos pobres. Foi o que ele disse. Esse era também o pensamento do outro Francisco, o de Assis. Numa visão, na Igreja de São Damião, ele ouviu esse pedido de Jesus: "Francisco, restaura a minha Igreja".

O Papa ao lembrar-se das guerras de hoje em tantos lugares do planeta, lembrou de novo do poverello de Assis. Francisco de Assis tinha integrado uma Cruzada e tocado de perto a insanidade da guerra. "Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz. Onde houver ódio, que eu leve o amor; onde houver ofensa, que eu leve o perdão; onde houver discórdia, que eu leve a união". É a oração de São Francisco e de qualquer pessoa que queira viver o Evangelho de Jesus, a prece de quem quer merecer a bem-aventurança do Senhor: "Felizes os que constroem a paz. Serão chamados filhos de Deus".

Mas Francisco de Assis evoca também o amor e o respeito por todos os seres criados. O Papa mesmo reconhece: "estamos vivendo num momento em que o relacionamento com o meio-ambiente não é tom bom". Na verdade, é predador, destruidor, poluidor. Esse é o tipo de relacionamento que temos hoje com os rios, a terra, o ar, as plantas, os animais.

Frei Betto, escritor e frade dominicano, disse em uma entrevista nesta semana: "Nunca houve um Papa com este nome, São Francisco de Assis. E isso é muito significativo por três razões: é símbolo da ação pelos pobres; da ecologia, pelo amor à natureza; e terceiro, foi um santo que sonhou que a Igreja estava desmoronando e que precisava reconstruí-la".

Nosso cardeal brasileiro Cláudio Hummes disse que "Francisco é um nome que diz uma imensidade: programa de vida, programa de Igreja; é um programa para um Papa, um programa maravilhoso porque é evangélico".

A Revista Veja  fez essa análise: "A opção pelo nome "Francisco" constitui uma carta de intenções. A escolha do nome indica que o novo pontificado será marcado pela austeridade".

Nós estamos seguros que o 'Francisco" do Papa é o modo como ele está exercendo seu ministério petrino: em solidariedade com os pobres, no respeito pelos bens da criação, na busca da paz entre os povos e as religiões e na simplicidade de servidor do Evangelho.

Pe. João Carlos Ribeiro – 16.03.2013

Postagem em destaque

Os caminhos do Batista continuam nos caminhos de Jesus

03 de fevereiro de 2023 Primeira sexta-feira do mês Dia de São Brás EVANGELHO Mc 6,14-29 Naquele tempo, 14o rei Herodes ouviu falar de Jesus...

POSTAGENS MAIS VISTAS