Mostrando postagens com marcador parentes. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador parentes. Mostrar todas as postagens

20190128

NÃO É JESUS QUE PRECISA SAIR

Eles ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo (Mc 3, 31)
29 de janeiro de 2019.
Você lembra que, ontem, lemos no evangelho que os mestres da lei começaram a difamar Jesus, dizendo que ele estava com um espírito mau. Jesus chamou a atenção deles. Não fechem as portas para Deus. Não fechem os olhos para a ação de Deus. Não blasfemem contra o Espírito Santo. O pecado contra o Espírito Santo não tem perdão. Os fariseus se opuseram fortemente a Jesus.
Hoje, vamos considerar como também os seus parentes tiveram dificuldade para se inserir na comunidade de Jesus. Eles ficaram desorientados diante de sua atividade missionária. Quando souberam que ele não tinha nem tempo pra comer, com tanta gente atrás dele, eles pensaram ‘Jesus enlouqueceu’. O evangelista Marcos escreveu, nos dando um susto: “saíram para agarrá-lo”. Puxa!  Os parentes dele eram gente pacata da aldeia de Nazaré. Nazaré fica a uns 50 km de Cafarnaum, a cidade onde Jesus estava morando. Pois eles pegaram a estrada e foram atrás de Jesus.
No texto de hoje, os seus parentes chegaram a Cafarnaum. Chegaram na casa onde Jesus estava, permaneceram do lado de fora e mandaram chamá-lo. O recado que eles mandaram dizia: “tua mãe e teus irmãos está aí fora e querem falar contigo”. Não se preocupe. Esse recado não tem nenhum sentido negativo contra Maria, sua mãe. “Tua mãe e teus irmãos” é uma forma de se referir aos seus parentes de sangue.
O texto apresenta claramente os que estão dentro e os que estão fora. Dentro de casa, claro, está Jesus com muita gente. A casa está cheia. Pela narração anterior, tanta gente se juntava que não dava mais para entrar. Houve até aquela vez que desceram um paralítico pelo teto, lembra? Mas, há uma anotação especial no texto de hoje: As pessoas estão sentadas, ao redor de Jesus. Isto é mencionado duas vezes, nesse pequeno texto, para chamar nossa atenção. ‘Sentados’ é a posição dos discípulos ao redor do Mestre. Você lembra de Maria, irmã de Marta, sentada aos pés de Jesus? Sentado, o discípulo escuta o Mestre, dialoga com ele, está numa posição de quem está aprendendo.
Os que estão dentro de casa, com Jesus, estão sentados. São discípulos e discípulas. Mas, tem gente lá fora, não tem? Isso, os parentes de Jesus. Eles estão fora. Eles precisam dar um passo importante: entrar na casa, isto é, tornarem-se também discípulos de Jesus.  
Sabe quem ficou de fora? Do lado de fora ficaram Adão e Eva (expulsos do paraíso), as moças distraídas (foram comprar óleo, quando chegaram a porta já estava fechada) e o irmão mais velho do filho pródigo (indignado com a festa que o pai preparou, não quis entrar em casa). O lugar dos discípulos é dentro da casa, rodeando o Mestre para aprenderem os caminhos do Reino. Os parentes estavam do lado de fora. Não é Jesus que tem que sair. São os parentes que precisam entrar. A palavra de Jesus é um convite para eles se tornarem seus discípulos. O que Jesus disse? “Quem faz a vontade de Deus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. Esse é o verdadeiro laço de parentesco com ele, a obediência à vontade de Deus.
Guardando a mensagem
Os parentes de Jesus tiveram dificuldade de entender a sua identidade de filho de Deus e a sua missão de Messias. Num certo momento, acharam que ele tinha perdido o juízo. Nessa passagem, eles aparecem do lado de fora, chamando Jesus. Jesus os chama para a condição de discípulos, os convida a ingressar no círculo dos seus seguidores, a entrar na casa. Seus verdadeiros parentes são os que, como ele, fazem a vontade de Deus. O texto não diminui a importância da Virgem Maria. Ninguém mais do que ela soube ser obediente à vontade de Deus. A expressão “tua mãe e teus irmãos” é uma forma de se referir à família, neste caso à família de Jesus, uma vez que não tinha mais pai. Também não tinha irmãos. “Irmãos” aqui são seus primos ou parentes próximos. Não é Jesus que precisa sair. São eles que precisam entrar.
Eles ficaram do lado de fora e mandaram chamá-lo (Mc 3, 31)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Tua entrada no mundo já foi um gesto de obediência, como está escrito no Salmo 39: “eis que venho, Senhor, com prazer, fazer a tua santa vontade”. Tua santa mãe também acolheu a vontade de Deus com muito amor e entrega total. Disse ela, em resposta à comunicação do anjo: “Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra”. E tu nos ensinaste também a acolher a vontade do Pai em nossa vida: “Seja feita a vossa vontade, assim na terra como no céu”. Queremos, Senhor, entrar na tua casa, pertencer ao círculo dos teus discípulos, ser teus parentes: queremos ouvir a Palavra de Deus e pô-la em prática. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
O que você poderia fazer para ajudar seus parentes a se aproximarem mais de Jesus?  Pense nisso. Anote alguma coisa no seu diário espiritual.

Pe. João Carlos Ribeiro – 29.01.2019

20180824

EVANGELIZANDO PARENTES E AMIGOS

Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei (Jo 1, 45)


24 de agosto de 2018.

Como hoje é dia do apóstolo São Bartolomeu, o evangelho de hoje nos traz uma cena em que ele está presente. Esse nome – Bartolomeu - se encontra na lista dos doze apóstolos, mas nesse início do evangelho de São João ele é chamado de Natanael.

Bem, Jesus tinha chamado Filipe para segui-lo, isto é para ser seu discípulo. Felipe aceitou o convite e começou a andar com Jesus. Este Felipe encontrou-se com Natanael e falou-lhe sobre Jesus. Felipe e Natanael eram da mesma aldeia, Betsaida. Felipe passou para o seu amigo Natanael a informação que tinha encontrado o Messias. Natanael, claro, ficou logo muito curioso. ‘Encontrou o Messias? Puxa’... E quem é ele? Filipe informou que era Jesus do povoado de Nazaré, o filho de José carpinteiro. Tinha certeza que ele era o Messias, aquele de quem Moisés e os Profetas tinham escrito. E levou Natanael para conhecer Jesus.

É importante eu lhe lembrar que Natanael fez certa dificuldade, diante da novidade do seu amigo. Saiu-se com uma expressão que poderia ter deixado Felipe desanimado. “Por acaso, pode sair alguma coisa boa de Nazaré?!”. Olha o preconceito desse moço! Mas, hoje é a festa dele, não é dia de chamar atenção sobre suas falhas. Deixemos assim. Importante é que Felipe não se deixou abater, nem desanimar… Olha qual foi a reação dele: “Vem ver!”. 

Veja que interessante. Felipe tinha tido um encontro com Jesus. Jesus o tinha convidado para o seu grupo de discípulos. E ele, muito feliz com essa novidade, passou a notícia para o seu amigo Natanael. Contou-lhe que tinha encontrado o Messias que Deus prometera a Israel. O mesmo já tinha acontecido com André. André era discípulo de João Batista. E passou a seguir Jesus. Foi André que evangelizou Pedro, num certo modo de dizer. Escute o que André disse a Pedro, que era seu irmão: “Encontramos o Messias”. Então, André falou-lhe do seu encontro com Jesus e o levou até ele.

Observe bem: antes de Felipe e André irem avisar alguém (a Natanael ou a Pedro), eles tiveram um encontro pessoal com o Senhor. Desse encontro com Jesus, é que nasce a necessidade quase natural de comunicar aos outros a boa notícia: “Encontrei Jesus, o Messias”. E comunicá-la aos parentes e amigos, ao seu círculo de amizade. A gente sempre quer partilhar com os outros as coisas boas que nos acontecem, as novidades que nós tomamos conhecimento. Com a fé, é assim também. Quem encontrou Jesus, parte para evangelizar os seus parentes e amigos, como fez Felipe.

Então, o missionário nasce no encontro com o Senhor. Assim, se você ainda não é um missionário, um cristão que testemunha a sua fé, que procura envolver outros nas coisas da Igreja, que leva outros a Cristo... talvez seja porque você ainda não encontrou seriamente o Senhor ou não deixou que ele o encontrasse.

Guardando a mensagem

Festejamos hoje o apóstolo São Bartolomeu. Ele foi, segundo a tradição, o grande evangelizador do povo da Índia e da Armênia. Com o evangelho de hoje, ficamos sabendo que foi o seu amigo Filipe que lhe falou de Jesus e o levou até ele. Foi assim também no caso de André que evangelizou seu irmão Pedro. A grande lição de hoje é que nós precisamos de verdade ter esse encontro com Jesus para nos tornarmos seus missionários. Sem encontro sério com Jesus, não parte um missionário, uma missionária.

Encontramos aquele de quem Moisés escreveu na Lei (Jo 1, 45)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Hoje, eu quero imitar teu discípulo Felipe. Depois de ter esse encontro contigo, quero anunciar-te aos meus parentes e amigos, como ele fez com seu amigo Natanael. Quero falar de ti, e trazê-los à tua presença. Com esse evangelho de hoje, aprendo também que preciso ser perseverante e não me deixar impressionar pela primeira cara feia. Apesar dos preconceitos de Natanael contra o povo de Nazaré, Felipe insistiu para que ele fosse com ele te conhecer. E Natanael ficou encantado com a tua acolhida. Dá-me um coração missionário, Senhor. Eu também quero trazer os meus amigos para te conhecer. Quero evangelizá-los. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Em sintonia com a festa do apóstolo Bartolomeu, hoje, convide um amigo ou parente para um encontro com Jesus. Se não tiver ideia melhor, compartilhe a meditação de hoje com ele ou com ela.

Pe. João Carlos Ribeiro – 24.08.2018

20180624

A ALEGRIA PELA CHEGADA DE UMA CRIANÇA



Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Izabel e alegraram-se com ela (Lc 1, 58).

24 de junho de 2018.

Este domingo, 24 de junho, é especial. É o dia de São João. E o encerramento da semana nacional do Migrante. E tudo isso celebrado no dia do Senhor, no dia em que festejamos a ressurreição de Jesus, a sua e nossa vitória sobre tudo quanto existe de ruim no meio do mundo. Então, um bom domingo pra você e pra sua família, com muita alegria no coração.

Falei ‘alegria’. Disto, nos falam as leituras da palavra de Deus desta solenidade do nascimento de São João Batista. Alegria pelo nascimento de uma criança. E isto, hoje, pra mim que estou ainda na África, em Angola, tem um sabor muito especial. Criança é o que não falta por aqui. Criança teimando em nascer e crescer, no meio de uma pobreza tão grande, num país em reconstrução, depois de uma longa guerra civil terminada há apenas 16 anos!

A alegria dos vizinhos e parentes foi grande ao saber do nascimento do filho de Izabel e Zacarias. Alegria que se espalhou pelas montanhas de Judá, diz o evangelho. Uma criança não é obra do acaso, a vida humana é obra de Deus. Na chegada de uma criança, há algo de especial, de inesperado, por mais que os pais se preparem. A criança não é o fruto de um planejamento. Os pais podem, responsavelmente, planejar-se para acolher do melhor modo possível a vida que vai chegar. Mas, não a produzem, a acolhem. E o ser humano que chega, gerado pelos pais, já estava no pensamento de Deus, antes de existir. O jovem Jeremias ouviu Deus lhe dizer: “Antes de te formar no seio materno, eu te conheci; antes de saíres do ventre de tua mamãe, eu te consagrei”. O servo de Javé do Livro do profeta Isaías declarou: “O Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome”. O ser humano é obra do Deus criador, no milagre da geração humana e na criação de sua alma.

Os parentes e vizinhos de Izabel alegram-se com ela. Surpreendem-se com a ação misericordiosa de Deus na vida daquele casal idoso e estéril. Reconhecem a obra de Deus na vinda daquele menino ao mundo. Intuem que aquela criança está destinada a uma missão muito especial.  Dos fatos do nascimento e circuncisão do filho de Izabel, podemos recolher lições importantes para nós, hoje. Recolhamos, ao menos, três lições.  

Primeira lição: desejar e acolher o filho. Aqueles pais idosos, sem filhos pela esterilidade da mãe, desejavam o filho. Pediram muito a Deus por isso. O anjo disse a Zacarias, quando este oficiava no Templo: “Deus ouviu tua súplica”. O Senhor, no seu tempo, lhes concedeu esse dom tão precioso. Desejar o filho é a primeira atitude dos que constituem família. Ser pai e mãe é responder a uma vocação, a um chamado especial de Deus. Filho dá trabalho, altera a vida do casal. Mas, ao desejar e acolher um filho, os pais realizam a sua vocação, fonte de felicidade e realização.

Segunda lição: dar-lhe um nome. Os judeus circuncidavam o menino no oitavo dia e lhe davam o nome nessa cerimônia familiar, pela qual inseriam a criança na aliança com Deus. Dar um nome é dar uma identidade, assegurar-lhe um lugar na família e no seu povo. A vida de um ser humano é um mistério de possibilidades abertas ao futuro. Não é apenas uma continuação dos pais. Na casa de Izabel, os parentes ficaram confusos. O menino recebeu um nome em desacordo com a tradição familiar, não recebeu o nome do pai. “João é o seu nome”, escreveu o pai numa tabuinha. Foi um gesto de obediência a Deus que tinha mandado dar esse nome, em vista da missão que o menino desempenharia. A criança precisa ter um nome, um sobrenome, uma identidade, um lugar na família, na sociedade. As famílias cristãs dão nomes cristãos aos seus filhos, providenciam seu registro de nascimento, integram-nos na comunidade dos discípulos pelo batismo e os educam para serem úteis e significativos na sociedade. Dão-lhe um nome.

Terceira lição: Sermos solidários com as famílias. Foi essa a atitude dos parentes e vizinhos do abençoado casal. Eles alegraram-se com Izabel, na gravidez e no nascimento da criança, ao perceber como o Senhor tinha sido misericordioso para com ela. Uma atitude de fé e de exultação interior. Eles também ficaram admirados, surpresos, diante do nome recebido pela criança. Uma atitude de quem se deixa surpreender pela ação de Deus. Uma parenta de Izabel mostrou-se particularmente solidária: Maria. Ela esteve presente, ajudando sua prima nos últimos três meses da gestação. Maria e outros parentes e vizinhos mostraram-se próximos, solidários, interessados no bem daquela família. A pobreza da grande maioria do povo angolano, com alto índice de mortalidade infantil, pede nossa solidariedade, por ações de voluntariado, pelo sustento das missões católicas, pela oração em favor dos missionários que operam aqui. Mas, Angolas existem aí perto de você. São situações a nos pedir presença e solidariedade através da pastoral familiar, da pastoral da criança, de ações cidadãs em defesa da vida, da saúde, da educação das crianças.

Vamos guardar a mensagem

No dia de hoje, em que celebramos o nascimento de São João Batista, recolhamos as lições do evangelho no cuidado e na defesa da vida das crianças. Primeira lição: desejar e acolher o filho; Segunda lição: dar-lhe um nome. Terceira lição: Sermos solidários com as famílias e suas crianças. Cuidar bem dos próprios filhos e nos sentirmos todos responsáveis pela defesa e proteção das crianças.

Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Izabel e alegraram-se com ela (Lc 1, 58).

Vamos rezar a palavra

Rezemos o canto de Zacarias, o pai da criança:

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,
anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;
pelo amor do coração de nosso Deus,
sol nascente que nos veio visitar lá do alto
como luz resplandecente a iluminar
a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados
e para dirigir os nossos passos,
guiando-nos no caminho da paz.

Vamos viver a palavra

Havendo uma oportunidade, nesta semana, faça um gesto de atenção em relação a uma família pobre e suas crianças.

Pe. João Carlos Ribeiro – 24.06.2018

20180610

A CASA E A NOVA FAMÍLIA DE JESUS


Aqui estão minha mãe e meus irmãos (Mc 3, 34)

10 de junho de 2018.

‘Jesus voltou para casa com os seus discípulos’. É o que está escrito no evangelho de hoje. ‘Jesus voltou para casa com os seus discípulos’. Depois de muitas andanças país afora, eles estão de volta. A casa é em Cafarnaum. Mesmo sendo a casa da família de André e Simão, ninguém lembra mais disso. É a casa de Jesus. Chama a atenção a quantidade de gente que o procura, que se reúne na casa. Aquele povão todo, sentado, ao seu redor o escuta com  atenção. Estão dentro da casa. Há um novo laço de parentesco naquela casa. No final dessa passagem do evangelho, Jesus esclarece: “Aqui estão minha mãe e meus irmãos”. Uma nova família está reunida em torno de Jesus, percebe? O laço de parentesco com Jesus não é mais o convencional. É parente dele quem faz a vontade de Deus.

Na casa de Jesus, está reunida a sua nova família, gente que faz a vontade de Deus. Por alguma razão, o evangelista exagera dizendo: “Havia uma multidão sentada ao seu redor”. Por que será que fala de multidão? Mesmo que a casa fosse grande, “multidão” é gente demais. E olha que com Jesus já estavam os seus discípulos. Tanta gente e tanto trabalho que, como informa o evangelista, eles nem sequer podiam comer. Com certeza, fala-se de ‘multidão’ para acentuar o caráter de povo que está ali. Ali, na casa de Jesus, está um povo que acolhe a palavra de Jesus. Esta é a nova família de Jesus. Um povo que acolhe a vontade de Deus.

Talvez este seja um resumo de toda a atividade de Jesus. Senão, vejamos. O que Jesus andava fazendo país afora?  Conversando com as pessoas, pregando o reino de Deus, curando os doentes, expulsando os demônios. E tudo isso pra que? Boa pergunta. Tudo isso pra que? Vamos ariscar alguma resposta. Para restaurar o povo de Deus. Para congregar as ovelhas dispersas. Para reconstruir a aliança de Deus com o seu povo. Para comunicar a vida plena onde havia sofrimento e morte. Estamos no caminho certo, não acha? Ele  veio refazer a aliança com Deus. Boa resposta.

Afinal, qual é o sentido de toda a atividade de Jesus? Pra que ele liberta a pessoa de uma doença? A sogra de Pedro responde: para reintegrá-la na família, como servidora. Pra que ele expulsa um demônio? O rapaz do cemitério responde: para que ele, livre de qualquer dominação, possa segui-lo. Pra que ele ressuscita um morto? O filho da viúva de Naim responde: para restaurar a sua família. Por que ele perdoa os pecados? O paralítico que desceu com sua maca em cordas dentro daquela casa responde: para reintegrar no povo de Deus. Numa palavra: Toda a ação de Jesus visa reconstruir o povo de Deus, uma família de filhos livres, felizes e reconciliados. Então, na casa já está o resultado da ação missionária de Jesus: um povo restaurado em aliança com Deus, a nova família de Jesus.

Uma nova família está nascendo, ao redor de Jesus. Um povo libertado, em comunhão com a vontade de Deus está emergindo do antigo Israel, pelo trabalho missionário de Jesus. É claro que essa obra não acontece sem conflitos e oposição. No evangelho de hoje, estão descritas duas dessas oposições. Uma, nasce dos familiares. Outra, dos religiosos. Os parentes de Jesus suspeitam que ele tenha enlouquecido. Foram atrás dele, mas não entraram na casa, ficaram do lado de fora. Mandaram chamá-lo. Jesus indica, no entanto, que verdadeiros parentes são os que estão dentro da casa, não os que ficam fora. Um chamado à conversão dos seus parentes. Os mestres da lei acusam Jesus dele estar endemoniado, agindo em nome de satanás. Jesus alerta para não se fecharem ao Santo Espírito de Deus. O Espírito é quem conduz Jesus, o inspira, o sustenta na missão. Este povo renascido em comunhão com Deus é obra de Jesus e do seu Espírito. Opor-se ao Santo Espírito, pecar contra ele é perder a chance do perdão.

Vamos guardar a mensagem

Toda a atividade de Jesus visa restaurar o povo de Deus. De um povo disperso e sujeitado pela Lei e pelo pecado, vai nascendo um povo libertado, comprometido com a vontade de Deus. Na casa de Cafarnaum, já está reunido esse povo novo, ao redor de Jesus. Os mestres da lei, como todos os líderes religiosos, reconheçam a novidade do Espírito que age em Jesus. Os parentes de Jesus, como todos os que se sentem próximos dele por laços religiosos, lembrem-se que o laço de parentesco com Jesus que mais vale é, como ele, fazer a vontade de Deus.

Aqui estão minha mãe e meus irmãos (Mc 3, 34)

Vamos rezar a palavra

Senhor Jesus,
Obrigado, Senhor. De um rebanho disperso, fizeste um povo novo, reunido no teu nome, animado pelo Espírito Santo. Obrigado, Senhor. Somos a Igreja, o povo santificado pela tua palavra e pelo sacrifício de tua vida. Que estejamos sempre ao teu redor, sentados à tua volta, na tua casa, aprendendo a conhecer e realizar a vontade de Deus. Que não imitemos os mestres da lei que não reconhecem a atuação do Santo Espírito na tua obra. Que não imitemos teus parentes, que estavam do lado de fora da casa, quando os teus verdadeiros parentes são os que estão dentro da casa, na comunidade. Obrigado, Senhor.

Vamos viver a palavra

A melhor vivência dessa palavra, neste domingo, é a participação na Santa Missa. Participando ou não, será muito útil ler, em sua Bíblia, o evangelho de hoje: Marcos 3, 20-35.

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.06.2018

20180131

UMA COMUNIDADE QUE PERDEU A GRANDE CHANCE


MEDITAÇÃO PARA A QUARTA-FEIRA, DIA 31 DE JANEIRO DE 2018.
Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares (Mc 6, 4)
Diga-me uma coisa: a sua família é numerosa ou é bem pequena? ... O pessoal de outra geração tinha família muito grande, não é verdade? No tempo de Jesus, na Palestina, as famílias eram numerosas. Todos os aparentados com o chefe da casa ou que morassem juntos pertenciam à mesma família. Os parentes moravam na mesma casa ou eram vizinhos. E os filhos, claro, se criavam juntos, convivendo com os parentes da mesma idade. No hebraico, não há palavras específicas para parentes próximos. Todos são chamados de irmãos. Irmãos podem ser primos, tios, sobrinhos, etc.  Irmãos são todos os que pertencem à grande família.
No evangelho de hoje, aparece uma lista de irmãos de Jesus. Seriam irmãos mesmo ou é uma forma de designar os parentes próximos? Vamos à sinagoga de Nazaré pra ver o que está acontecendo. Jesus está pregando. É um dia de sábado. As pessoas dali mais ou menos devem ser conhecidas dele. É verdade que ele ficou um tempo fora, mas foi ali que se criou. As pessoas estão admiradas com sua pregação. Mas, já começa um burburinho, gente que está estranhando ou querendo desqualificar a presença de Jesus. Vamos ouvir...  “Oi, este homem não é o carpinteiro? É ele mesmo. Oi, e ele não é o filho de dona Maria? Não é irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? E as irmãs dele não vivem todas por aqui? Onde é que arrumou tanta sabedoria? E esses milagres que dizem que ele anda fazendo por aí? Como é isso?”.
Vamos sair um pouquinho da sinagoga, para eu lhe dar uma explicação. Venha aqui fora...Escute só:  “Irmãos” é uma forma de nomear os parentes próximos, possivelmente seus primos, aqueles com quem ele tinham se criado. Esses supostos irmãos Tiago, José, Simão e Judas aparecem em outras partes do evangelho, como filhos de outros pais e outras mães. A Igreja sempre entendeu, lendo a Bíblia Sagrada e escutando a Tradição desde o tempo dos apóstolos, que Maria teve apenas Jesus. Ele é o seu primeiro e único filho. Ser primogênito no povo de Deus era uma coisa muito especial, porque tinha uma relação especial com Deus, era consagrado ao Senhor. Jesus era um primogênito. Mas, isso não quer dizer que depois dele, vieram outros filhos. Tira qualquer dúvida o fato de Jesus, antes de sua morte na cruz, ter entregue sua mãe aos cuidados do seu discípulo João, este era filho de Zebedeu. Se Maria não ficou com nenhum filho é porque não os tinha, como não tinha mais o seu esposo José, àquela altura.
Bom, o importante é notar que ter conhecido Jesus, tê-lo visto crescer entre os seus muitos parentes, foi uma razão para muita gente em Nazaré não acolher a sua pregação. Tinham um conhecimento superficial da pessoa de Jesus. Julgavam conhecê-lo. E isso foi para eles um motivo para fechar o coração para a mensagem de Deus da qual ele era portador, para a pessoa divina que ele era e para sua mensagem sobre o Reino de Deus.
Vamos guardar a mensagem
O povo de Nazaré, por ter acompanhado superficialmente a infância e a juventude de Jesus, por conhecer seus pais e seus parentes, negaram-se a crer na sua pregação. Fecharam o coração às maravilhas de Deus que ele testemunhava com suas palavras, suas atitudes e seus milagres. Que grande oportunidade eles perderam para reconhecer e acolher a manifestação de Deus na pessoa do seu filho humanado! Eles fecharam-se no sentimento mesquinho da inveja e do preconceito. Isso pode acontecer com você, com todos nós. Podemos permanecer com uma vaga ideia sobre a pessoa de Jesus, perdendo a chance de nos deixar evangelizar com maior profundidade. Ou nos deixar iludir por discussões inúteis que nos tiram do foco a pessoa do filho de Deus e seu anúncio sobre o Reino. Não faça como o povo de Nazaré, pelo amor de Deus.
Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares (Mc 6, 4)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Ficaste triste em Nazaré, decepcionado. Não te acolheram. Então, não acolheram o Pai que te enviou. Deram as costas ao anúncio do Reino de Deus. Foi quando disseste, com certo amargor: “É, um profeta só não é estimado em sua própria pátria, entre seus parentes e familiares”. Senhor, longe de nós, hoje, te decepcionar. Não queremos que nenhum preconceito ou opiniões duvidosas nos impeçam de acolher o evangelho do Reino que tu nos trazes. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Sabe quem conhece bem Jesus, em sua humanidade? A mãe dele. Ela pode lhe dizer muita coisa sobre ele. Faça hoje uma prece a essa nossa boa mãe: “Mãe, me diz quem é Jesus, me fala sobre ele”.

Pe. João Carlos Ribeiro –30.01.2018

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...