24 junho 2018

A ALEGRIA PELA CHEGADA DE UMA CRIANÇA



Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Izabel e alegraram-se com ela (Lc 1, 58).

24 de junho de 2018.

Este domingo, 24 de junho, é especial. É o dia de São João. E o encerramento da semana nacional do Migrante. E tudo isso celebrado no dia do Senhor, no dia em que festejamos a ressurreição de Jesus, a sua e nossa vitória sobre tudo quanto existe de ruim no meio do mundo. Então, um bom domingo pra você e pra sua família, com muita alegria no coração.

Falei ‘alegria’. Disto, nos falam as leituras da palavra de Deus desta solenidade do nascimento de São João Batista. Alegria pelo nascimento de uma criança. E isto, hoje, pra mim que estou ainda na África, em Angola, tem um sabor muito especial. Criança é o que não falta por aqui. Criança teimando em nascer e crescer, no meio de uma pobreza tão grande, num país em reconstrução, depois de uma longa guerra civil terminada há apenas 16 anos!

A alegria dos vizinhos e parentes foi grande ao saber do nascimento do filho de Izabel e Zacarias. Alegria que se espalhou pelas montanhas de Judá, diz o evangelho. Uma criança não é obra do acaso, a vida humana é obra de Deus. Na chegada de uma criança, há algo de especial, de inesperado, por mais que os pais se preparem. A criança não é o fruto de um planejamento. Os pais podem, responsavelmente, planejar-se para acolher do melhor modo possível a vida que vai chegar. Mas, não a produzem, a acolhem. E o ser humano que chega, gerado pelos pais, já estava no pensamento de Deus, antes de existir. O jovem Jeremias ouviu Deus lhe dizer: “Antes de te formar no seio materno, eu te conheci; antes de saíres do ventre de tua mamãe, eu te consagrei”. O servo de Javé do Livro do profeta Isaías declarou: “O Senhor chamou-me antes de eu nascer, desde o ventre de minha mãe ele tinha na mente o meu nome”. O ser humano é obra do Deus criador, no milagre da geração humana e na criação de sua alma.

Os parentes e vizinhos de Izabel alegram-se com ela. Surpreendem-se com a ação misericordiosa de Deus na vida daquele casal idoso e estéril. Reconhecem a obra de Deus na vinda daquele menino ao mundo. Intuem que aquela criança está destinada a uma missão muito especial.  Dos fatos do nascimento e circuncisão do filho de Izabel, podemos recolher lições importantes para nós, hoje. Recolhamos, ao menos, três lições.  

Primeira lição: desejar e acolher o filho. Aqueles pais idosos, sem filhos pela esterilidade da mãe, desejavam o filho. Pediram muito a Deus por isso. O anjo disse a Zacarias, quando este oficiava no Templo: “Deus ouviu tua súplica”. O Senhor, no seu tempo, lhes concedeu esse dom tão precioso. Desejar o filho é a primeira atitude dos que constituem família. Ser pai e mãe é responder a uma vocação, a um chamado especial de Deus. Filho dá trabalho, altera a vida do casal. Mas, ao desejar e acolher um filho, os pais realizam a sua vocação, fonte de felicidade e realização.

Segunda lição: dar-lhe um nome. Os judeus circuncidavam o menino no oitavo dia e lhe davam o nome nessa cerimônia familiar, pela qual inseriam a criança na aliança com Deus. Dar um nome é dar uma identidade, assegurar-lhe um lugar na família e no seu povo. A vida de um ser humano é um mistério de possibilidades abertas ao futuro. Não é apenas uma continuação dos pais. Na casa de Izabel, os parentes ficaram confusos. O menino recebeu um nome em desacordo com a tradição familiar, não recebeu o nome do pai. “João é o seu nome”, escreveu o pai numa tabuinha. Foi um gesto de obediência a Deus que tinha mandado dar esse nome, em vista da missão que o menino desempenharia. A criança precisa ter um nome, um sobrenome, uma identidade, um lugar na família, na sociedade. As famílias cristãs dão nomes cristãos aos seus filhos, providenciam seu registro de nascimento, integram-nos na comunidade dos discípulos pelo batismo e os educam para serem úteis e significativos na sociedade. Dão-lhe um nome.

Terceira lição: Sermos solidários com as famílias. Foi essa a atitude dos parentes e vizinhos do abençoado casal. Eles alegraram-se com Izabel, na gravidez e no nascimento da criança, ao perceber como o Senhor tinha sido misericordioso para com ela. Uma atitude de fé e de exultação interior. Eles também ficaram admirados, surpresos, diante do nome recebido pela criança. Uma atitude de quem se deixa surpreender pela ação de Deus. Uma parenta de Izabel mostrou-se particularmente solidária: Maria. Ela esteve presente, ajudando sua prima nos últimos três meses da gestação. Maria e outros parentes e vizinhos mostraram-se próximos, solidários, interessados no bem daquela família. A pobreza da grande maioria do povo angolano, com alto índice de mortalidade infantil, pede nossa solidariedade, por ações de voluntariado, pelo sustento das missões católicas, pela oração em favor dos missionários que operam aqui. Mas, Angolas existem aí perto de você. São situações a nos pedir presença e solidariedade através da pastoral familiar, da pastoral da criança, de ações cidadãs em defesa da vida, da saúde, da educação das crianças.

Vamos guardar a mensagem

No dia de hoje, em que celebramos o nascimento de São João Batista, recolhamos as lições do evangelho no cuidado e na defesa da vida das crianças. Primeira lição: desejar e acolher o filho; Segunda lição: dar-lhe um nome. Terceira lição: Sermos solidários com as famílias e suas crianças. Cuidar bem dos próprios filhos e nos sentirmos todos responsáveis pela defesa e proteção das crianças.

Os vizinhos e parentes ouviram dizer como o Senhor tinha sido misericordioso para com Izabel e alegraram-se com ela (Lc 1, 58).

Vamos rezar a palavra

Rezemos o canto de Zacarias, o pai da criança:

Serás profeta do Altíssimo, ó menino,
pois irás andando à frente do Senhor
para aplainar e preparar os seus caminhos,
anunciando ao seu povo a salvação,
que está na remissão de seus pecados;
pelo amor do coração de nosso Deus,
sol nascente que nos veio visitar lá do alto
como luz resplandecente a iluminar
a quantos jazem entre as trevas
e na sombra da morte estão sentados
e para dirigir os nossos passos,
guiando-nos no caminho da paz.

Vamos viver a palavra

Havendo uma oportunidade, nesta semana, faça um gesto de atenção em relação a uma família pobre e suas crianças.

Pe. João Carlos Ribeiro – 24.06.2018