PE. JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO : obediência
Mostrando postagens com marcador obediência. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador obediência. Mostrar todas as postagens

20200319

SÃO JOSÉ, VALEI-NOS!

José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. (Mt 1,20)


19 de março de 2020.

Eles estavam noivos e ela apareceu grávida. Na verdade, já tinham feito as demoradas cerimônias de casamento. Mas, como era costume, não se ia logo morar juntos. Foi nesse tempo, em que ela ainda estava com os pais, que apareceu grávida. Mas, não era dele. Ele ficou desnorteado. Por que ela fez isso comigo? Casamento pronto, tudo arrumado... Num caso como esse, a Lei previa que ele devia denunciá-la ao conselho dos anciãos de sua vila, no caso Nazaré. Ela seria julgada e sentenciada. Certamente, o caso seria reconhecido como adultério.... e a Lei era rigorosa com esse gravíssimo deslize. Devia ser apedrejada. José estava triste e confuso. O casamento estava acabado. E o que ele iria fazer? Denunciá-la? Não, isso não, de jeito nenhum. Ele amava demais sua noiva para fazer isso. Resolveu fugir... a culpa recairia sobre ele. Iria tentar a vida bem longe. Era melhor. Ela criaria seu filho, com o apoio da família. Ele sairia por mau e irresponsável. Foi dormir, assim, triste, sofrido, com essa decisão na cabeça.

Dormindo, José teve um sonho. O anjo do Senhor veio lhe explicar que o que aconteceu com Maria foi da vontade de Deus, que ela concebeu pela ação do Espírito Santo; que ele não tivesse medo de recebê-la como esposa; e que desse ao filho o nome de Jesus. José acordou assustado, mas decidido. Fez como o anjo do Senhor havia mandado.

O que será que o anjo realmente mandou José fazer? Primeiro, receber Maria por esposa. Estar ao lado de Maria, em sua gravidez, na educação do seu filho e em tudo, como esposo, companheiro, apoiando-a, protegendo-a, partilhando com ela as responsabilidades de uma família. E José, que tanto amor tinha por Maria, abraçou essa missão de esposo. Segundo, o anjo mandou que ele desse o nome de Jesus ao menino. E a missão do menino já estava expressa no seu nome: salvar o seu povo dos seus pecados. Dar o nome ao menino significava reconhecê-lo publicamente como filho, garantir sua pertença à família de Davi. Por meio de José, o filho de Deus seria também filho de Davi, seu descendente. E foi assim que José assumiu a condição de pai da criança.

Guardando a mensagem

Festejamos hoje uma figura muito especial, o esposo de Maria e pai adotivo de Jesus. José é o homem obediente a Deus. Ele faz a vontade de Deus, assim que a conhece, com toda dedicação e enfrentando qualquer dificuldade. A sua acolhida da vontade de Deus é um grande exemplo para nós. José é também uma testemunha de Jesus. Com sua vida de pai e de esposo, ele nos diz quem é esse Jesus, que vai aprender com ele a ser um homem justo, um judeu piedoso, um carpinteiro útil na comunidade: ele foi concebido pela ação do Espírito Santo em Maria Virgem, ele veio salvar o seu povo dos seus pecados, ele é o filho de Deus e o filho de Davi.

José, Filho de Davi, não tenhas medo de receber Maria como tua esposa, porque ela concebeu pela ação do Espírito Santo. (Mt 1,20)

Rezando a Palavra

Senhor Jesus,

Que todos, pais e filhos, todos nós aprendamos de São José a acolhida respeitosa da vontade de Deus. Com o seu exemplo, ele nos ensine a amar e proteger nossas famílias. Pedimos a proteção dele sobre os pais de famílias, os desempregados, os trabalhadores, os migrantes. Nós hoje, Senhor, estamos apreensivos com a multiplicação de casos de gente infectada pelo novo coronavírus, em todo o país. E entristecidos pela suspensão da celebração da Santa Missa com o povo em muitas Dioceses. Reconhecemos ser necessária essa medida, mas ela nos dói, porque nos exclui da celebração da Santa Eucaristia, fonte de força e de bênçãos para nós. Senhor, que a presença da Igreja nos meios de comunicação social e digital supram essa lacuna que se cria com a ausência da Santa Missa. E que todos nós, fortalecidos pela tua graça, sejamos preservados desta atual pandemia e, na caridade, protejamos os idosos, os enfermos e os mais pobres e desprotegidos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a Palavra

Hoje, é dia de rezar pelo seu pai. Falecido ou aqui na terra, ele merece todo o seu carinho e suas preces em favor de sua felicidade e sua realização em Deus. Hoje, reze pelo seu pai. Reze também pela Igreja, de quem são José é o patrono.

Todas as quintas-feiras, a partir de hoje, enquanto durar essa quarentena pelo coronavírus, vou celebrar a Santa Missa pelas redes sociais e pelos aplicativos. Será sempre às 11 horas da manhã. Vou rezar por você, também. 

A gente se encontra às dez da noite, no facebook, para a novena extraordinária de Nossa Senhora Auxiliadora pela proteção contra esta epidemia. Vou deixar o texto da novena, logo após a Meditação escrita. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20191121

TUA MÃE, NOSSA MÃE - OBRIGADO, SENHOR!

E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos 
(Mt 12, 49).
21 de novembro de 2019.
No evangelho de hoje, temos uma cena da vida pública de Jesus, onde está inserida sua mãe. Claro, hoje é o dia da apresentação de Nossa Senhora. Olhamos para Maria, hoje, no grupo dos parentes de Jesus, sendo testemunha ocular de um ensinamento precioso do Mestre.
Jesus está falando ao povo. Um grupo de parentes chega e fica do lado de fora, não se integra. E manda um aviso que quer falar com ele. Jesus ensina que o verdadeiro laço de parentesco com ele é a obediência à vontade do Pai. É isso que o define: ser cumpridor da vontade de Deus. Assim, ele deixa claro que o lugar dos parentes é dentro da casa ou da comunidade, como discípulos, aprendendo o caminho do Reino. Eles estão do lado de fora. Então, a palavra de Jesus é um convite para eles se tornarem discípulos, para entrarem.
O texto nos ajuda a perceber como os parentes próximos de Jesus tiveram dificuldade para entender o que ele andava fazendo. A Bíblia chama primos de irmãos. “Os irmãos” são seus primos, ao lado de quem Jesus cresceu em sua terra natal. Houve um tempo em que eles pensaram que Jesus tinha ficado louco. Só aos poucos, eles foram se integrando na grande comunidade que se formou ao redor de Jesus. A resposta de Jesus é um convite claro a que eles se integrem, não fiquem do lado de fora. Este é o verdadeiro laço de parentesco que vai contar: fazer a vontade do Pai.
Olha a palavra de Jesus, apontando para os discípulos: “Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. Fazer a vontade de Deus é que nos faz discípulos, parentes de Jesus.
E Maria, estava no meio daqueles parentes que não estavam entendendo Jesus? Bom, dizer “tua mãe e teus irmãos” é uma forma de falar da família dele. Pelo modo de dizer, o pai dele não estava mais vivo. Se o principal é fazer a vontade de Deus, então isso é um elogio à sua mãe. De fato, Maria foi elogiada no Evangelho por ser cumpridora fiel da vontade do Pai. Izabel a bendisse porque ela acreditou na Palavra do Senhor que lhe fora comunicada. A vontade de Deus, na sua vida, estava acima de qualquer interesse ou projeto pessoal. Ela prontamente aceitou cumpri-la, quando o anjo Gabriel lhe disse o que Deus queria dela.
Santo Agostinho, em um de seus sermões, escreveu: “Acaso a Virgem Maria não fez a vontade do Pai, ela que creu pela fé, que pela fé concebeu, que foi escolhida dentre os homens para que dela nos nascesse a salvação? Ela foi criada por Cristo antes que Cristo nela fosse criado. Ela fez totalmente a vontade do Pai e por isto mais valeu para ela ser discípula de Cristo do que sua mãe”.
Guardando a mensagem
O que nos faz próximos de Jesus, seus parentes, é a obediência à vontade do nosso Deus e Pai, mais do que qualquer laço sanguíneo ou qualquer cargo na Igreja. Parente de Jesus é aquele que cumpre a vontade de Deus, da qual ele é o primeiro cumpridor. O discípulo fiel imita Maria, sua mãe, a Virgem obediente. Maria sempre colocou a vontade de Deus acima de tudo e de todos. A vontade de Deus é a lei que rege a vida daquele que crê. Maria é modelo para todo discípulo.
E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos (Mt 12, 49).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Sendo hoje o Dia Nacional de Ação de Graças, queremos, particularmente, te expressar nossa gratidão pela mãe que nos deste, como preciosa herança quando morrias na cruz. Na pessoa do teu discípulo João, nós a acolhemos em nossas casas, em nossas famílias, em nossos corações. Ela é a nossa boa mãe que continua cuidando de nós, como cuidou de ti, Jesus, com imenso amor e dedicação. Obrigado, Senhor, pela boa mãe que nos deste. Nós a temos como modelo de adesão e obediência à vontade do Pai. No teu evangelho de hoje, aprendemos que temos parentesco contigo e com tua mãe, na medida em que nos tornamos fiéis cumpridores da santa vontade do nosso Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 
Vivendo a palavra
Hoje, dia da apresentação de Nossa Senhora, fazendo memória de sua consagração a Deus, reze pelos adolescentes de sua família. Peça ao Senhor a graça de eles conhecerem e abraçarem generosamente a sua santa vontade.
Pe. João Carlos Ribeiro – 21 de novembro de 2019

20180608

AS SURPRESAS DE UM FILHO ADOLESCENTE

Olha que teu pai e eu estávamos angustiados, à tua procura! (Lc 2, 48)
09 de junho de 2018.
Em sintonia com o dia de hoje, dedicado ao Sagrado Coração de Maria, lemos, na liturgia da Igreja, esse texto que nos relata a perda e o encontro do adolescente Jesus no Templo.
Quando eu estive em Jerusalém, no muro das lamentações, vi uma cena que me fez entender o que aconteceu com Jesus no Templo, aos 12 anos. Vi garotos de 12 anos participando de pequenas procissões, conduzindo festivamente rolos da Lei. Só para lembrar: os livros do Antigo Testamento foram escritos em rolos. Livro é uma coisa moderna. Bom, os meninos levavam rolos da Lei em procissão, todos vestidos de branco, acompanhados de músicos e instrumentos. Depois, eles liam em público, pela primeira vez, uma passagem da Torá. A Torá corresponde aos primeiros cinco livros da Bíblia.  Nessa idade, os meninos passam por uma cerimônia pela qual são integrados como membros adultos na comunidade do povo de Deus. A cerimônia se chama Bar Mitzvá. Doze anos é a idade da maturidade. Passam, a partir de então, a ter aliança com Deus e ter obrigações como adultos no conhecimento, no estudo e na prática dos mandamentos da Lei de Deus.
Jesus vai  com os pais para a peregrinação da Páscoa, em Jerusalém. Está com 12 anos. Doze anos é a idade de sua integração como adulto no povo da Aliança. Qualquer menino ficava fora de si, de tanta alegria, num momento como esse. Ficava de maior, no sentido da lei judaica. Assim, Jesus, encantado com tudo aquilo, vai ficando por ali, nas rodas de debate que os mestres da Lei promoviam em vários pontos do Templo. Segundo o texto, escutava, fazia perguntas, dava respostas inteligentes. Encantava a todos, com sua sabedoria e seu interesse. Claro, está empolgado, sente-se por dentro dos costumes judaicos... por um momento, os laços familiares se enfraquecem... sua consciência de que é o filho de Deus está crescendo, suas descobertas mais amplas do mundo judeu, sua compreensão das coisas de Deus se aguçando...
Quando seus pais chegam, angustiados, sua mãe reclama. “Meu filho, porque agiste assim conosco?”. E ele, sentindo-se agora adulto, responde que eles deviam saber que ele devia estar na casa do Pai dele. Uma forma surpreendente de se referir a Deus: “o meu Pai”.  É a sua consciência de filho que está emergindo naquele clima de festa e de aprofundamento do judaísmo. É verdade que ele voltou para casa, com os pais, em completa obediência. Mas, que sua cabeça tinha mudado muito, isso lá tinha.
Vamos guardar a mensagem
A passagem para a vida adulta não é fácil para o adolescente, nem para os pais. É tempo de rebeldia, de afirmação da própria autonomia. No tempo de Jesus, talvez essa fase da adolescência nem existisse. Aos 12 anos, o menino já se tornava adulto, integrado plenamente no mundo religioso, por uma cerimônia familiar no Templo. Maria e José, mesmo conhecendo as origens do seu filho, se surpreenderam com o seu nível de autonomia e de consciência. Maria, sábia educadora, como seu esposo, no dizer da palavra, “conservava todas essas coisas no coração”. Quanto os pais podem aprender com os seus filhos! A pessoa humana é sempre um mistério surpreendente. Mas, isso não fez de Jesus um jovenzinho rebelde, mal-educado e desrespeitoso com os seus pais. Nada disso. Voltou pra casa, na companhia deles, em completa obediência e comunhão.
Olha que teu pai e eu estávamos angustiados, à tua procura! (Lc 2, 48)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
É surpreendente essa tua ida a Jerusalém naquela Páscoa em que ficaste no Templo, depois que teus pais e parentes voltaram para Nazaré. Tu te sentiste em casa, no meio daqueles mestres que explicavam a lei de Deus ao povo. Como todos os meninos daquela tua idade de 12 anos, passaste formalmente a ter parte na aliança com Deus e a responder pela Lei de Deus como uma pessoa adulta, emancipada. Impressiona a tua consciência de filho de Deus, o teu amor à Casa do teu Pai. Essa consciência de filho e esse teu amor pela Casa do Pai, também nós precisamos ter. Senhor, queremos hoje te pedir, de maneira especial, pelos adolescentes de nossas famílias. Que eles também, com o teu mesmo zelo e o teu mesmo entusiasmo, se encantem pelas coisas de Deus e experimentem a grande alegria de serem filhos de Deus e membros do seu povo. Amém.
Vamos viver a palavra
Hoje é dia dos mistérios gozosos no terço de Nossa Senhora. Se não puder rezar o terço todo, recite pelo menos o terceiro mistério, onde contemplamos a perda e o encontro do adolescente Jesus no Templo.
Aproveito para agradecer as muitas manifestações de amizade, que muitos de vocês me dirigiram ontem, pela passagem do meu aniversário. Como eu lhes disse, além de uma prece em meu favor, o melhor presente seria inscrever-se na AMA, para estarmos juntos na evangelização nos meios de comunicação.

Pe. João Carlos Ribeiro – 09.06.2018