Mostrando postagens com marcador satanás. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador satanás. Mostrar todas as postagens

01 março 2020

AS TRÊS PEDRAS DE TROPEÇO


Vai-te embora, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás ao Senhor, teu Deus, e somente a ele prestarás culto (Mt 4, 10).

01 de março de 2020.

Três tentações. Três é uma conta certa, completa. As três tentações resumem todas as tentações na vida de Jesus e na nossa vida também. 

A primeira tentação é esta: vida sem sacrifícios. Foi a tentação de transformar pedra em pão. O pão representa tudo o que toca a sobrevivência: a comida, a roupa, o trabalho, a saúde, o bem estar... Está com fome? Transforme pedra em pão. Nada de fome, de mortificação, de jejum. Nada de esforço, de luta, de sacrifício. E é isso mesmo! Queremos ganhar bem, mas com o mínimo de esforço possível. Possivelmente, ganhar na loteria. Ou ter um cargo comissionado, que só precise ir assinar uma vez por mês. Vida sem sacrifício. Cozinhar, demora, dá trabalho. Vai de fast-food, de refrigerante, de enlatados... Vida sem luta, nem sofrimento. Uma dorzinha de cabeça, corre, compra um remédio. Vai dar à luz, cesariana. Parto natural é doloroso. Desentendeu-se, separa, é mais fácil do que dialogar, do que perdoar. A primeira tentação é ‘vida sem sacrifícios’. Transformar pedra em pão. Na vida de Jesus, essa tentação foi vencida. Ele nunca usou o seu poder em benefício próprio. Levou vida itinerante, em grande despojamento. A cruz foi a grande marca de sua entrega em favor de todos. Para os seus seguidores, recomendou a renúncia a si mesmos, a partilha, a solidariedade com os sofredores, a caridade para com os pobres.

A segunda tentação é esta: religião sem obediência.  Foi a tentação de se atirar do pináculo do Templo, para obrigar a Deus a agir mandando seus anjos para ampará-lo na queda. Muita gente está buscando a religião apenas para obter solução para os seus problemas, procurando meios de condicionar Deus a agir em seu favor. Não faltam propostas religiosas mágicas:  “Venha buscar o seu milagre”. “Ele é Deus de promessas, tem que cumprir”. “Faço um voto, sacrifico, e ele se obriga a me abençoar”. “Daqui, eu não saio sem o meu milagre”. A segunda tentação é a ‘religião sem obediência’. Pular no abismo para obrigar Deus a me proteger com seus anjos. Na vida de Jesus, essa tentação foi vencida. Ele denunciou a religião de exterioridade e ostentação. Disse que o seu alimento era fazer a vontade do Pai. Um pouco antes de sua paixão, em grande angústia, mesmo pedindo ao Pai para afastar aquele cálice de sofrimento, preferiu realizar a vontade do Pai antes do que a própria. Na religião cristã, não é Deus que faz o que eu quero. Sou eu que me submeto à sua vontade. Seja feita a vossa vontade, foi como Jesus ensinou. 

A terceira tentação é esta: poder sem serviço. Foi a tentação de receber o poder dos reinos do mundo se adorasse Satanás. Muita gente que está no poder, tomara que eu me engane, está lá porque fez aliança com grupos poderosos, juntou-se com quem não presta, dobrou-se a interesses espúrios. E gente muita que, mesmo não estando em cargos de prestígio, sonha com isso, move-se nessa lógica ou reforça esse jogo com a bajulação. E não é preciso ir longe, porque o poder se exerce dentro de casa, na comunidade, na igreja, na empresa em que se trabalha.  E aí se manifesta a tentação do exercício do poder como manipulação, como centralização, como busca de privilégios. A terceira tentação é ‘poder sem serviço’.  Fazer aliança com o mal, para participar do seu poder. Na vida de Jesus, essa tentação foi vencida. Ele não veio para ser servido, mas para servir. Corrigiu seus apóstolos, tentados também eles pelo poder. Entre vocês, não seja assim. O maior seja o menor e servidor de todos. 

Vai-te embora, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás ao Senhor, teu Deus, e somente a ele prestarás culto (Mt 4, 10).

Guardando a mensagem

Por um lado, nos sentimos tentados, inclinados ao mal, como descendentes de Adão (Gn 3). Por outro lado, pela nossa união com Cristo, já somos vencedores sobre a tentação e o mal (Rm 5). Na vida de Jesus, estão representadas as tentações que também nos afligem: vida sem sacrifício, religião sem obediência, poder sem serviço.  Em nossa resistência contra o mal, contamos com a oração, a Palavra de Deus e sua graça. “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. 

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Na quaresma, é como se estivéssemos em tua companhia, no deserto, enfrentando as tentações. Mais do que um episódio, a cena das tentações é um retrato de toda a tua vida. A luta contra o mal que nos assedia é um exercício permanente, que dura toda a nossa vida. Venceste a tentação de matar a fome, transformando pedras em pão: a vida sem sacrifícios. Em nossa quaresma, procuramos fazer exercícios de penitência para nos fortalecer na luta contra o mal. Venceste a tentação de fazer da religião um espetáculo de milagres, atirando-se de cima do pináculo do Templo: a religião sem obediência. Em nossa quaresma, procuramos renovar nossa vida de oração para aderirmos, de coração, à vontade de Deus. Venceste a tentação da busca de privilégios, idolatrando o autoritarismo: o poder sem serviço. Na nossa quaresma, procuramos exercitar a caridade, animados pela campanha da fraternidade. Abençoa, Senhor, nossa quaresma. Fortalece nossa luta contra o mal. Dá-nos, com a tua graça, derrotá-lo todos os dias. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Leia, na sua Bíblia, o evangelho de hoje: Mateus 4, 1-11. E faça todo esforço para participar da Santa Missa, neste primeiro domingo da Quaresma.

01 de março de 2020.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20 fevereiro 2020

ARREDA, SATANÁS!

Vai para longe de mim, Satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens (Mc 8, 33)

20 de fevereiro de 2020

Não sei se você já reparou. Tem amigos que fazem o papel do diabo, do tentador. Alguns parentes também. Esses tais nos aconselham exatamente aquilo que Deus não gostaria que fizéssemos. Numa crise conjugal, por exemplo, tem um amigo que chega junto e aconselha: “cara, deixa essa mulher. Ela não merece você!”. Olha que conselho! Em vez de incentivar a reaproximação, a reconciliação, aconselha a separação. Faz o papel do tentador. O tentador procura afastar a pessoa do caminho de Deus, em nome da modernidade dos costumes ou do que parece mais prazeroso ou do que exige menos esforço. Agora, me diga, o que vai pra frente sem entrega, doação, compromisso? Bandeando-se pro lado do se dar bem a qualquer custo, a gente, na verdade, está renunciando a verdadeira felicidade.

Olha o que conta o evangelho de hoje. Jesus estava explicando aos discípulos que ele devia ir a Jerusalém e sofrer muito, na realização de sua missão. Notou isso? “Sofrer muito”. Seria rejeitado pelos líderes do seu povo que o entregariam à morte, mas ressuscitaria ao terceiro dia. Essa era uma passagem difícil do caminho de Jesus: a rejeição e a morte. E ele não queria fugir desse momento. Estava resolvido a enfrentar esse sofrimento, com a doação de sua vida e com total confiança no Pai.

Se dependesse de Pedro, a história de Jesus teria sido outra. Ele dispensaria o capítulo da paixão e da morte. Jesus realizaria toda a sua missão sem sofrimento, sem precisar passar pelo vexame da cruz. O que Pedro queria é o que nós queremos. Não queremos assumir os sofrimentos, as provações que vêm junto com nossa opção por Jesus Cristo e pelo seu evangelho. Seguir Jesus, tudo bem. Sofrer como ele, alto lá. Triunfo, sim; cruz, não. Na primeira crise, o casamento deságua em divórcio. Numa avaliação mais rigorosa do professor, abandona-se a faculdade. No meio de uma crise existencial, o reverendo abandona o ministério. Basta uma cara feia do coordenador de minha pastoral que eu desisto, ‘não estou aqui para sofrer’. Fugimos de qualquer sofrimento.

Pedro chamou Jesus à parte e o repreendeu. “Não diga uma coisa dessa. Tire da cabeça esse negócio de se dar mal em Jerusalém. Deus não vai permitir uma desgraça dessa. Isso não vai lhe acontecer”. A reação de Jesus espantou os discípulos: “Vade retro, satanas!”- “Afaste-se de mim, satanás! Você não está pensando segundo o que Deus quer, mas segundo a vontade do homem”. Foi um choque para Pedro e para os seus colegas. Um pouco antes, Pedro tinha sido elogiado porque tinha reconhecido que Jesus era o Messias. E agora, Jesus o estava tratando como satanás, o tentador. É isso mesmo! Quem proclama que Jesus é o Messias tem também que subir com ele o calvário.

Todo o evangelho é um convite a nos tornarmos seguidores de Jesus. Seguidor é o que percorre a mesma estrada do Mestre, quem faz o seu caminho. O caminho de Jesus é a entrega total de si mesmo pelos outros. Discípulo é quem o segue. E quem o segue, por causa de sua fé, por causa do Reino que Jesus pregou, pode passar também por alguma dificuldade, por algum sofrimento. Pode ser que, por causa de sua adesão a Jesus e sua Igreja, vá passar por críticas, discriminação, difamação. É bom fazer como Jesus: reconhecer a tentação de afastar-se do caminho de Deus e assumir com firmeza, destemor e coerência o seu caminho de fé, na Igreja. 

Guardando a mensagem

Ninguém quer sofrer. Todo mundo foge do sofrimento. Vivemos a ‘civilização do analgésico’. O evangelho nos faz um convite: seguir Jesus. Jesus nos alerta sobre o sofrimento que existe no seu caminho. Quem o quiser seguir, precisa renunciar a ser o centro de sua vida, para realizar a vontade de Deus. Claro, a vontade de Deus não é que a gente sofra. E não é de qualquer sofrimento que Jesus está falando. A sua escolha foi entregar sua vida pelos outros, em obediência à vontade salvadora do Pai. Quem o quiser seguir, tem que estar pronto para participar também da travessia difícil do sofrimento que vem por causa da fé e do evangelho que se abraça. Seguir com Jesus não é estar com ele só nos Aleluias da Páscoa, mas estar com ele também nas dores da Paixão.

Vai para longe de mim, Satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens (Mc 8, 33)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

O mundo de facilidades que temos hoje, comparando com outros tempos, pode nos tentar a desistir de nossas opções, quando as dificuldades aparecem. Não procuramos sofrimentos, mas pagamos sempre um preço por nossas escolhas. Sermos teus seguidores, Jesus, tem também seu preço. São renúncias a se fazer, o peso da fidelidade e da perseverança nas horas difíceis, a incompreensão, a discriminação, até a perseguição, em muitos casos. Tu, Senhor Jesus, fizeste a escolha de comunicar a vida de Deus aos pecadores e a realizaste com absoluta fidelidade. A cruz que te impuseram, tu a abraçaste com amor. Deste a tua vida por nós. Ensina-nos a trilhar o teu caminho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Pode ser que hoje apareça uma oportunidade pra você aconselhar alguém num momento de dificuldade. Aconselhe a fazer como Jesus, a não desistir dos seus sonhos e dos sonhos de Deus. 

20 de fevereiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb




08 agosto 2019

CAINDO EM TENTAÇÃO


Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço (Mt 16, 23)
 08 de agosto de 2019 – Dia de São Domingos de Gusmão.
 Jesus estava explicando aos discípulos que ele devia ir a Jerusalém e sofrer muito. Notou isso? “Sofrer muito”. Seria rejeitado pelos líderes do seu povo que o entregariam à morte, mas ressuscitaria ao terceiro dia. Essa era uma passagem difícil do caminho de Jesus: a rejeição e a morte. E ele não queria fugir desse momento. Estava resolvido a enfrentar esse sofrimento, com a doação de sua vida e com total confiança no Pai.
Se dependesse de Pedro, a história de Jesus teria sido outra. Ele dispensaria o capítulo da paixão e da morte. Jesus realizaria toda a sua missão sem sofrimento, sem precisar passar pelo vexame da cruz. O que Pedro queria é o que nós queremos. Não queremos assumir os sofrimentos, as provações que vêm junto com nossa opção por Jesus Cristo e por seu evangelho. Seguir Jesus, tudo bem. Sofrer como ele, não. Triunfo, sim; cruz, não. Na primeira crise, o casamento deságua em divórcio. Numa avaliação mais rigorosa de um professor, abandona-se a faculdade. No meio de uma crise existencial, o reverendo abandona o ministério.  Basta uma cara feia do coordenador de minha pastoral que eu desisto, não estou aqui para sofrer. Fugimos de qualquer sofrimento.
Pedro chamou Jesus à parte e o repreendeu. “Não diga uma coisa dessas. Tire esse negócio de se dar mal em Jerusalém da cabeça. Deus não vai permitir uma desgraça dessa. Isso não vai lhe acontecer”. A reação de Jesus espantou os discípulos: “Vade retro, satanas! Sai daqui, afaste-se! Você não está pensando segundo o que Deus quer, mas segundo a vontade do homem”. Foi um choque para Pedro e para os seus colegas. Um pouco antes, Pedro tinha sido elogiado porque tinha reconhecido que Jesus era o Messias, o filho do Deus vivo. E agora, Jesus o estava tratando como satanás, o tentador.  É isso mesmo! Quem aconselha a desistir ou a não enfrentar as dificuldades, com medo do sofrimento, está agindo como o tentador, o diabo. Quem proclama que Jesus é o Messias e nega-se a subir com ele ao calvário está caindo na tentação.
 Todo o evangelho é um convite a nos tornarmos seguidores de Jesus. Seguidor é o que pega a mesma estrada de Jesus, quem faz o seu caminho.  No caminho de Jesus tem a cruz, a rejeição do seu povo, a traição dos amigos, a inveja dos chefes, a violência dos dominadores. Discípulo é quem o segue. E quem o segue, por causa de sua fé, por causa do Reino que Jesus pregou, vai passar também por alguma dificuldade, por algum sofrimento por causa de sua fé e do seu amor a Cristo. Por isso, Jesus disse: “quem quiser me seguir, tome sua cruz e me siga”.
Guardando a mensagem
Ninguém quer sofrer. Todo mundo foge do sofrimento. Vivemos a ‘civilização do analgésico’. O evangelho nos faz um convite: seguir Jesus. Jesus nos alerta sobre o sofrimento que existe no seu caminho. Quem o quiser seguir, precisa renunciar a ser o centro de sua vida, para realizar a vontade de Deus. Claro, a vontade de Deus não é que a gente sofra. E não é de qualquer sofrimento que Jesus está falando. Trata-se do sofrimento que é inerente à nossa escolha, à nossa opção de viver como seguidores de Jesus. Quem o quiser seguir, tem que estar pronto para participar também da travessia difícil do sofrimento que vem por causa da fé e do evangelho que se abraça. São as renúncias a se fazer, o peso da fidelidade e da perseverança nas horas difíceis, a incompreensão, a discriminação, até a perseguição... Seguir com Jesus não é estar com ele só no triunfo, é estar com ele também na paixão.
Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço (Mt 16, 23
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
O mundo de facilidades que temos hoje, comparando com outros tempos, podem nos tentar a desistir de nossas opções, quando as dificuldades aparecem. Não procuramos sofrimentos, mas pagamos sempre um preço por nossas escolhas. Sermos teus seguidores tem também seu preço. Tu, Senhor Jesus, fizeste a escolha de comunicar a vida de Deus aos pecadores e a realizaste com absoluta fidelidade. A cruz que te impuseram, tu a abraçaste com amor. Deste a tua vida por nós. Ensina-nos a trilhar o teu caminho. Seja  bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Pode ser que hoje apareça uma oportunidade para você aconselhar alguém num momento de dificuldade. Aconselhe a fazer como Jesus, a não desistir dos seus sonhos e dos sonhos de Deus.  

Pe. João Carlos Ribeiro – 08 de agosto de 2019.

09 março 2019

GAVIÕES DO INFIEL


As cenas mostravam a vitória do Diabo sobre Jesus, acompanhados por uma luta entre arcanjos (de branco) e demônios (de preto). Arcanjos e demônios faziam parte da coreografia, mas a cena principal era mesmo a do diabo massacrando Jesus, derrubando, pisando, mostrando seu senhorio com seu tridente sobre a figura de Cristo. Foi esta a performance da comissão de frente da Escola de Samba de São Paulo “Gaviões da Fiel”.

A Escola de Samba levou para a avenida uma releitura do tema da história do tabaco, já apresentada há 25 anos atrás. As desculpas logo apareceram dizendo que se tratava da história de Santo Antão, lenda que explica a origem do pé de tabaco. Mas, o próprio coreógrafo, em diversas entrevistas, disse mesmo que se tratava de Jesus. E que o objetivo era mesmo “chocar”. Basta ver que o ator estava trajado de Jesus, como o vemos na cruz, inclusive coroado de espinhos. 

As reações começaram já na apresentação. Nas redes sociais, muita gente manifestou sua indignação. Trata-se de um crime contra a religião, vilipêndio, como está tipificado no art. 208 do código penal: ‘vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso’. Não cabe dúvidas, trata-se de um ato de intolerância religiosa, de desrespeito à fé cristã. A Escola de Samba, com sua comissão de frente, tripudiou sobre o centro de nossa fé: Jesus Cristo, senhor e salvador da humanidade - arrastando-o como perdedor, humilhando a fé cristã, tratando-nos como seguidores de um derrotado pelo demônio. 

O que eu sinto como maior gravidade é que a encenação não somente chacoalha com a imagem sagrado do Filho de Deus feito homem, em sua paixão, mas proclama abertamente, um poderoso contra-evangelho. E o faz em plena avenida, para milhões de espectadores, telespectadores, internautas e meio mundo de conectados, no coração da maior festa popular do globo.

E do que é que eu estou falando? Da poderosa pregação de que Jesus é um perdedor, de que Satanás é o grande vitorioso na história humana. O que eles continuam dizendo na avenida, de maneira deslumbrantemente artística, é o contrário da pregação da Igreja. A Igreja testemunha que Jesus, tendo suportado a humilhante morte de cruz, redimiu nossa culpa, venceu o pecado, o mal e a morte. A sua vitória está atestada na ressurreição. O Pai acolheu o sacrifício da vida de seu filho em favor dos pecadores. Fomos redimidos por sua morte. A cruz não é a derrota de Cristo. A cruz é a vitória de sua obediência, de sua fidelidade, do seu amor. A cruz é a nossa vitória. Na cruz Jesus venceu o mal, o demônio. A paixão e morte de Jesus é a derrota do demônio, não a sua vitória. 

Lemos no Catecismo da Igreja: “O poder de Satanás não é infinito. Satanás é uma simples criatura, poderosa pelo fato de ser puro espírito, mas, de qualquer modo, criatura: impotente para impedir a edificação do Reino de Deus. Embora Satanás exerça no mundo a sua ação, por ódio contra Deus e o seu reinado em Jesus Cristo, e embora a sua ação cause graves prejuízos a cada homem e à sociedade, essa ação é permitida pela divina providência, que com força e suavidade dirige a história do homem e do mundo” (Catecismo da Igreja Católica 395).

Essa disputa entre a criatura humana e satanás está contada já no livro do Gênesis. Satanás engana o homem e a mulher e os leva a desobedecer a Deus. No início do ministério de Jesus, satanás também o tenta. Deste embate, representado em três tentações, Jesus saiu vencedor. No seu ministério, Jesus anunciou e implantou o Reino de Deus. A vinda do Reino de Deus é a derrota do reino de Satanás, como diz o Catecismo da Igreja (302). Nos evangelhos, vemos, como, nos exorcismos, Jesus liberta as pessoas do poder dos demônios e já antecipa a grande vitória sobre o príncipe deste mundo. Na cruz, o Reino de Deus se estabelece definitivamente (Catecismo da Igreja 305). A morte redentora de Jesus e sua ressurreição gloriosa são a derrota total de Satanás. 

Nossa indignação contra a Escola de Samba e seu coreógrafo é mais do que justa e nos cobra atitudes. Mas, temos que ir além. Contra este contra-evangelho, poderosamente pregado na avenida pelos inimigos da fé, combatamos com uma maior consciência, com mais conhecimento e clara adesão ao mistério central de nossa fé: Jesus Cristo, filho de Deus, morreu e ressuscitou, derrotando o pecado, o mal e a morte. Jesus Cristo é o Senhor!”. 

Pe. João Carlos Ribeiro - 07.03.2019

20 fevereiro 2019

VADE RETRO, SATANAS!

E vocês, quem dizem que eu sou? (Mc 8, 29)
21 de fevereiro de 2019
Como estou em Roma, nesses dias, na Casa Salesiana do Sagrado Coração, fundada por Dom Bosco, olho para o evangelho de hoje e logo me lembro do que sua mãe Mamãe Margarida lhe disse, bem no dia de sua ordenação. Na hora, com certeza, ele não entendeu. Ela lhe disse: “Meu filho, começar a dizer Missa é começar a sofrer”. Você também não entendeu, não foi? Mas, vai entender. Olha a sabedoria dessa camponesa analfabeta: quando alguém percorre o mesmo caminho de Jesus, encontra também sofrimentos, como ele encontrou.
Olha o que conta o evangelho de hoje. Jesus estava explicando aos discípulos que ele devia ir a Jerusalém e sofrer muito. Notou isso? “Sofrer muito”. Seria rejeitado pelos líderes do seu povo que o entregariam à morte, mas ressuscitaria ao terceiro dia. Essa era uma passagem difícil do caminho de Jesus: a rejeição e a morte. E ele não queria fugir desse momento. Estava resolvido a enfrentar esse sofrimento, com a doação de sua vida e com total confiança no Pai.
Se dependesse de Pedro, a história de Jesus teria sido outra. Ele dispensaria o capítulo da paixão e da morte. Jesus realizaria toda a sua missão sem sofrimento, sem precisar passar pelo vexame da cruz. O que Pedro queria é o que nós queremos. Não queremos assumir os sofrimentos, as provações que vêm junto com nossa opção por Jesus Cristo e por seu evangelho. Seguir Jesus, tudo bem. Sofrer como ele, não. Triunfo, sim; cruz, não. Na primeira crise, o casamento desagua em divórcio. Numa avaliação mais rigorosa do professor, abandona-se a faculdade. No meio de uma crise existencial, o reverendo abandona o ministério.  Basta uma cara feia do coordenador de minha pastoral que eu desisto, ‘não estou aqui para sofrer’. Fugimos de qualquer sofrimento.
Pedro chamou Jesus à parte e o repreendeu. “Não diga uma coisa dessas. Tire da cabeça esse negócio de se dar mal em Jerusalém. Deus não vai permitir uma desgraça dessas. Isso não vai lhe acontecer”. A reação de Jesus espantou os discípulos: “Vade retro, satanas!”- “Afaste-se de mim, satanás! Você não está pensando segundo o que Deus quer, mas segundo a vontade do homem”. Foi um choque para Pedro e para os seus colegas. Em outro momento, Pedro tinha sido elogiado porque tinha reconhecido que Jesus era o Messias, o filho do Deus vivo. E agora, Jesus o estava tratando como satanás, o tentador.  É isso mesmo! Quem proclama que Jesus é o Messias tem também que subir com ele o calvário.
Todo o evangelho é um convite a nos tornarmos seguidores de Jesus. Seguidor é o que percorre a mesma estrada do Mestre, quem faz o seu caminho. O caminho de Jesus é a entrega total de si mesmo pelos outros. Discípulo é quem o segue. E quem o segue, por causa de sua fé, por causa do Reino que Jesus pregou, vai passar também por alguma dificuldade, por algum sofrimento por causa de sua fé e do seu amor a Cristo. Então, Mamãe Margarida, a mãe de Dom Bosco tinha razão. “Começar a dizer Missa é começar a sofrer”. Isto ela disse para o seu filho que tinha acabado  de ser ordenado padre. Mas, o que ela disse serve para nós hoje também: “Fazer opção por Jesus é começar a sofrer”.
Guardando a mensagem
Ninguém quer sofrer. Todo mundo foge do sofrimento. Vivemos a ‘civilização do analgésico’. O evangelho nos faz um convite: seguir Jesus. Jesus nos alerta sobre o sofrimento que existe no seu caminho. Quem o quiser seguir, precisa renunciar a ser o centro de sua vida, para realizar a vontade de Deus. Claro, a vontade de Deus não é que a gente sofra. E não é de qualquer sofrimento que Jesus está falando. A sua escolha foi entregar sua vida pelos outros, em obediência à vontade salvadora do Pai. Quem o quiser seguir, tem que estar pronto para participar também da travessia difícil do sofrimento que vem por causa da fé e do evangelho que se abraça. Seguir com Jesus não é estar com ele só no triunfo, é estar com ele também na paixão.
E vocês, quem dizem que eu sou? (Mc 8, 29)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
O mundo de facilidades que temos hoje, comparando com outros tempos, podem nos tentar a desistir de nossas opções, quando as dificuldades aparecem. Não procuramos sofrimentos, mas pagamos sempre um preço por nossas escolhas. Sermos teus seguidores tem também seu preço. São as renúncias a se fazer, o peso da fidelidade e da perseverança nas horas difíceis, a incompreensão, a discriminação, até a perseguição, em muitos casos. Tu, Senhor Jesus, fizeste a escolha de comunicar a vida de Deus aos pecadores e a realizaste com absoluta fidelidade. A cruz que te impuseram, tu a abraçaste com amor. Deste a tua vida por nós. Ensina-nos a trilhar o teu caminho. Seja  bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Pode ser que hoje apareça uma oportunidade de você aconselhar alguém num momento de dificuldade. Aconselhe a fazer como Jesus, a não desistir dos seus sonhos e dos sonhos de Deus.  

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.02.2019

16 setembro 2018

COMO É QUE ANDA A SUA FÉ EM CRISTO?

E vocês, quem dizem que eu sou? (Mc 8, 29)

16 de setembro de 2018.

É, Jesus não alisou mesmo. Deu uma bronca daquelas em Pedro. “Vai pra longe de mim, satanás!”. O que foi que Pedro fez de errado, meu Deus?!

No evangelho deste 24º Domingo do Tempo Comum, Jesus faz duas perguntas ao grupo dele: O que o povo está dizendo que eu sou? Foi a primeira. “Bom, uns dizem que o senhor é João Batista; Outros acham que o senhor é Elias; e tem gente que diz que o senhor é um dos profetas”. Aí veio a segunda pergunta: E vocês, o que acham que eu sou?  Pedro deu a resposta: “Tu és o Messias”. Foi uma boa resposta, não acha? Messias é o ungido de Deus que o povo estava esperando. Então, a resposta estava certa. Messias é na língua hebraica. Messias é o mesmo que Cristo, que é uma palavra grega. Muita gente pensa que Cristo é o sobrenome de Jesus – Jesus Cristo... Na verdade, estamos dizendo que Jesus é o Messias, o Cristo, o Ungido de Deus.

Depois da resposta de Pedro - uma linda profissão de fé - Jesus começou a ensinar aos discípulos. Eles precisavam saber de algumas coisas importantes, para entenderem melhor quem era ele. Ele iria sofrer muito, ser rejeitado pelos líderes do povo, ser morto e ressuscitaria depois de três dias. E Jesus aproveitou, chamou o povo e explicou que quem quisesse segui-lo precisava renunciar a si mesmo e tomar a própria cruz. Ficou todo mundo pensativo com esses ensinamentos do Mestre.

A pergunta de Jesus está valendo para nós hoje. Como é a sua fé em Jesus? Como é a fé que você tem em Jesus?

Pode ser que a sua fé seja como aquela do povo do tempo de Jesus: uma fé confusa. Eles não sabiam bem quem era Jesus. Tinham uma vaga ideia. Parecia-lhes que ele fosse João Batista, ou talvez Elias, ou um dos profetas antigos. Uma fé confusa. Por que alguém teria hoje uma fé confusa? Uma razão seria: falta de conhecimento da pessoa de Jesus. Outra razão seria: falta de intimidade com Jesus, tem apenas um conhecimento de longe, não um conhecimento afetivo.

Pode ser que a sua fé seja como aquela de Pedro naquele momento: uma fé sem a cruz.  Para Pedro, sendo Jesus o Messias, só teria coisa boa na vida dele. A paixão, o sofrimento, a morte não estavam no seu entendimento. Muita gente tem uma fé assim. Uma fé sem cruz. Não sabe que é a fé que nos sustenta nas horas difíceis, na hora da paixão.

Pode ser que a sua fé seja a que Jesus fala no evangelho de hoje: uma fé sem seguimento. Crê, mas não segue. Como Jesus explicou, para segui-lo é necessário renunciar a si mesmo e carregar a própria cruz atrás dele. A verdadeira fé nos leva a seguir Jesus, a viver a sua palavra, a abraçar o seu evangelho.

Pode ser que a sua fé seja como aquela que o apóstolo Tiago descreveu na sua carta: uma fé sem obras.  Ele deu logo um exemplo: chega um faminto na sua porta e você dá só uma palavra de conforto. Que fé é essa que não tem compaixão do seu irmão, que não se compromete com o bem dele, que não faz você repartir o seu pão? Foi quando ele disse: “A fé sem obras é morta”.

Guardando a mensagem

Não basta crer em Jesus. Mesmo a fé de Pedro precisava ainda integrar a paixão, morte e ressurreição do Senhor. Há muita gente com uma fé confusa. Para se ter uma fé esclarecida, é necessário conhecer melhor o Senhor Jesus e ter intimidade com ele. Há muita gente com uma fé que corre da cruz, fica em crise na hora do sofrimento. É a fé que nos sustenta nas horas difíceis. Há muita gente com uma fé sem seguimento. Diz que crê em Jesus, mas não o segue, não vive o seu Evangelho. A fé nos leva a ser discípulos e membros de sua Igreja. Há muita gente que tem uma fé sem obras. A fé nos leva ao compromisso, à caridade, ao testemunho.

E vocês, quem dizem que eu sou? (Mc 8, 29)

Rezando a palavra

Rezemos o trecho do Credo niceno-constantinopolitano que se refere a Jesus:

Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,

Filho unigênito de Deus,

nascido do Pai, antes de todos os séculos:
Deus de Deus, luz da luz,
Deus verdadeiro de Deus verdadeiro.
Gerado, não criado, consubstancial ao Pai.
Por ele todas as coisas foram feitas.
Ele, por amor de nós, e para nossa salvação,
desceu dos céus;
e se encarnou por obra do Espírito Santo,
em Maria Virgem, e se fez homem.

Também por amor de nós foi crucificado,
sob Pôncio Pilatos;

padeceu e foi sepultado.

Ressuscitou ao terceiro dia,
conforme as Escrituras,
e subiu aos Céus,
onde está sentado à direita do Pai.
E de novo há de vir, em sua glória,
para julgar os vivos e os mortos;
E o seu reino não terá fim.


Vivendo a palavra

Mas, afinal, por que Jesus deu uma bronca em Pedro? Por que lhe disse: “Vai pra longe de mim, satanás!”. Ah, você precisa esclarecer melhor isso, lendo em sua Bíblia o evangelho de hoje: Marcos 8, 27-35. Aproveite e ponha a resposta por escrito no seu caderno espiritual.

Pe. João Carlos Ribeiro – 16.09.2018


08 março 2018

JESUS E SUA IGREJA NA MIRA DOS VIOLENTOS


Todo reino dividido contra si mesmo será destruído (Lc 11, 17).
08 de março de 2018.
Jesus está realizando a sua missão. Qual é a missão de Jesus? Anunciar o Reino de Deus entre nós, aproximar as pessoas de Deus, refazer a aliança de Deus como o seu povo, salvar a humanidade que se separou do Criador pelo pecado. Esses são modos como tentamos explicar a missão de Jesus. Nós o vemos no seu trabalho redentor: anunciando o amor de Deus, convidando as pessoas à conversão, perdoando os pecadores, libertando pessoas da dominação do poder opressor e do demônio.
Que os demônios se opusessem a Jesus, isso a gente entende. Que os grupos privilegiados de Jerusalém o odiassem, até dá para entender. Mas, que pessoas religiosas, praticantes da Lei, se indispusessem contra Jesus, a ponto de o difamarem, tentando desmoralizá-lo  ou até tramando a sua prisão, isso nos deixa perplexos. Pois, foi o que aconteceu. No evangelho de hoje, eles começaram a espalhar que Jesus expulsava demônios com a força do próprio satanás. Olha que jogo baixo: espalhar que Jesus agia em nome do diabo. Haja paciência! Era gente de má vontade procurando desqualificar a vitória de Jesus sobre o mal. Agora, o pior é que se tratava de gente de dentro da religião do povo de Deus.
Jesus chamou para a lógica. Se for assim, se o mal está combatendo a si mesmo, diabo contra diabo, então estão realmente perdidos, pois ‘todo reino dividido contra si mesmo será destruído’, acaba se esfacelando, se autodestruindo. Não tem a menor lógica. Mas, essa palavra de Jesus também poderia ser entendida a respeito dos seus opositores. Esse grupo de gente maldosa estava cavando o buraco para o seu próprio povo. Se eles ficassem contra Jesus, fazendo propaganda contra ele, dividindo o povo, causando desunião... qual seria o fim do seu povo? “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído”. De fato, 40 anos depois da morte de Jesus, houve uma guerra dos romanos contra os Judeus e não ficou pedra sobre pedra. Os judeus perderam tudo. Um reino dividido, não prospera. Termina caindo uma casa por cima da outra, como falou Jesus.
Estamos assistindo a uma onda de difamação muito séria contra a CNBB. E não fica só nas redes sociais com palavras ofensivas aos bispos e banners dizendo que a CNBB não é Igreja. Muitos estão interrompendo reuniões da Igreja para gritar contra o comunismo, acusando a CNBB e agentes de pastoral. O mais grave é que não são pessoas externas, ateus agressivos dos quais não se espera muita coisa. São filhos da Igreja, são católicos ou se dizem católicos. Isso é muito grave. Estão semeando ódio e divisão. Estão repetindo o que fizeram aquelas pessoas do tempo de Jesus que o acusaram de estar agindo em conluio com satanás, porque Jesus estava expulsando os demônios, curando os doentes, libertando os sofredores. Meu palpite é que, na verdade, esse é um jogo político da extrema direita, já em plena campanha eleitoral. A tática é encurralar a Igreja e qualquer posição em favor dos pobres, dos trabalhadores e da justiça social. Estão preparando terreno para seus candidatos. Que triste isso.
O que Jesus diz no evangelho de hoje nos espanta. Ele tão tolerante, um dia não quis que os discípulos proibissem alguém que pregava e curava em seu nome  sem pertencer ao grupo deles. Deixa, ele disse, “quem não está contra nós, está a nosso favor”. Mas, no evangelho de hoje, ele diz, a respeito dos que o estavam difamando: “Quem não está comigo está contra mim. E quem não recolhe comigo, dispersa”. Disse tudo.
Vamos guardar a mensagem
Jesus, no exercício do seu ministério, encontrou muita oposição. Oposição das elites e de muitas lideranças populares, como foi o caso dos fariseus. Foi acusado de muita coisa. Uma dessas acusações dizia que ele agia em aliança com Satanás. Coisa triste, gente dividindo o povo. A difamação, as falsas acusações geram desconfiança e divisão na comunidade cristã. Esse é o objetivo dos que estão empenhados numa grande campanha midiática contra a Igreja no Brasil, mesmo dizendo-se católicos. A CNBB é a organização fraterna dos nossos bispos, a expressão do seu trabalho conjunto na evangelização do povo brasileiro. A CNBB é Igreja. A Igreja é nossa mãe, a quem devemos amor e respeito. Não repasse acusações maldosas contra a CNBB nas redes sociais. Responda ao remetente com palavras educadas, mas firmes. Não aceite que a defesa dos pobres seja taxada de comunismo.  Faça sua oferta generosa na coleta da campanha da fraternidade. Confirme sua adesão à Igreja de Cristo, que gerou você nas águas do batismo.
Todo reino dividido contra si mesmo será destruído (Lc 11, 17).
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Tu nos chamas a reconhecer o Reino de Deus que chegou com tua presença, com tua palavra, com tua ação. Disseste: “Se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vocês o Reino de Deus”. Cremos  em ti, Senhor, e não queremos apenas usufruir de tua graça e de teus dons. Queremos também estar ao teu lado, tomar tua defesa, quando maldosos continuarem te difamando ou tramando o teu fracasso e a tua morte. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Possivelmente, hoje você terá oportunidade para tomar a defesa da Igreja, sua mãe. Se essa oportunidade aparecer,  não tema, o Espírito Santo age em você.

Pe. João Carlos Ribeiro – 07.03.2018