Mostrando postagens com marcador Pedra. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Pedra. Mostrar todas as postagens

28 junho 2020

SÃO PEDRO E SÃO PAULO

Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja e o poder do inferno nunca poderá vencê-la (Mt 16, 18) 

28 de junho de 2020 – Solenidade de São Pedro e São Paulo. 

Fechando esse mês de junho, e também o ciclo junino, celebramos hoje Pedro e Paulo, apóstolos ‘que plantaram a Igreja e a regaram com o próprio sangue’. É também o dia do Papa, bispo de Roma e sucessor de Pedro. Celebrar o dia do Senhor com essa festa dos dois apóstolos-colunas nos une ainda mais em torno de Cristo, como sua Igreja em missão. 

E, como Igreja, nós temos, na atualidade, dois desafios a enfrentar. O primeiro é que o nosso povo batizado conhece pouco a fé cristã, inclusive boa parte nem pisa na Igreja. O segundo é que os que participam se contentam com a Missa de vez em quando e não se sentem responsáveis pela evangelização dos outros. 

Quando houve aquela grande assembleia de bispos da América Latina em Aparecida, em 2007, eles transformaram esses desafios em um compromisso duplo: levar o povo católico a ser um povo de discípulos missionários. Como bons discípulos do Senhor, cada um conhecer melhor a fé cristã, professá-la com sinceridade e ensiná-la aos outros. Como seus missionários, levarmos o fermento do evangelho ao mundo, levando a boa nova aos afastados, distantes e excluídos. 

A solenidade de São Pedro e São Paulo, que celebramos hoje, pode reforçar essa nossa caminhada de formação e compromisso como discípulos missionários. Os dois apóstolos Pedro e Paulo são exemplos, modelos de compromisso com o Senhor e com a missão evangelizadora. Eles são igualmente nossos intercessores junto a Deus na animação de comunidades de discípulos missionários, igreja em saída para as periferias humanas. Mesmo sendo os dois apóstolos modelos de discípulos missionários, podemos olhar para cada um deles e identificar de maneira mais acentuada uma dessas dimensões. 

A grandeza de Pedro, por exemplo, foi proclamar a fé, em nome dos seguidores de Jesus. Como disse o Mestre, fé que é revelação de Deus, mais do que conhecimento humano. ‘TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO’ (Mt 16,16). Disse tudo, disse toda a fé da Igreja, em sua forma mais nuclear. Cremos que Jesus é o Messias, o ungido, prometido por Deus ao povo de Israel. Esse Jesus, de fato, é o Cristo, tradução grega da palavra hebraica Messias, Ungido. Cremos que Jesus de Nazaré é o próprio filho do Deus vivo, vindo a nós em nossa condição humana, homem e Deus verdadeiro, nosso Salvador. Pedro, como disse Jesus, é essa pedra, esse alicerce, essa fé sobre a qual ele funda a sua Igreja. 

Com Pedro, aprendemos a ser discípulos. Somos discípulos, na medida em que conhecemos a fé da Igreja, a fé de Pedro, acolhendo a revelação de Deus, professando-a e vivendo-a com alegria e simplicidade. 

Já a grandeza de Paulo foi levar a mensagem do evangelho às nações pagãs, ultrapassando as barreiras culturais e religiosas em que o mundo judeu delimitava o povo de Deus. Ele é o apóstolo dos gentios, missionário dos pagãos. Fez quatro grandes viagens por quase todo o mundo conhecido, pregando o evangelho e edificando novas comunidades. Paulo reconheceu: “O Senhor esteve ao meu lado e me deu forças, ELE FEZ COM QUE A MENSAGEM FOSSE ANUNCIADA POR MIM INTEGRALMENTE E OUVIDA POR TODAS AS NAÇÕES” (2 Tm 4,17). 

Com Paulo, aprendemos a ser missionários. Somos missionários, na medida em que nos preocupamos e nos responsabilizamos pelo anúncio do evangelho em todos os ambientes, em toda a sociedade.

Guardando a mensagem 

Nossos desafios são dois: conhecer melhor a fé cristã e participar de fato da evangelização. Em Aparecida, abraçamos um programa de crescimento maravilhoso: vamos nos empenhar para ser melhores discípulos e missionários do Senhor. Pedro inspira nosso compromisso de bons discípulos de Jesus, abraçando e conhecendo melhor a fé cristã. Em sua proclamação de fé, ele é a pedra, sobre a qual Jesus edificou sua Igreja. Paulo anima nosso compromisso de missionários entusiastas do Reino. Ele é o homem das viagens missionárias, da evangelização das nações. Paulo inspira o impulso missionário dos discípulos e das comunidades de hoje – Igreja em saída. 

Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja e o poder do inferno nunca poderá vencê-la (Mt 16, 18) 

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 
Neste domingo, nos alegramos com a solenidade de São Pedro e de São Paulo. Eles, com sua pregação apaixonada do evangelho, seu exemplo de seguidores e o testemunho do seu martírio, enriqueceram a tua Igreja com um povo convertido e fiel. Essa comemoração nos chama a um maior compromisso com a fé cristã, vivida com fidelidade e anunciada com entusiasmo em todos os ambientes onde vivemos, trabalhamos, nos divertimos. Dá-nos, Senhor, uma profunda sintonia com a tua Igreja e uma ardorosa adesão aos caminhos de conversão e renovação que o teu Santo Espírito tem inspirado. Abençoa, Senhor, o Papa Francisco no seu ministério de unidade. Abençoa também nossas famílias, os doentes, os idosos, o pessoal da saúde. Dá-nos vitória, Senhor, nesta luta contra este vírus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

O nosso Papa Francisco sempre pede que rezemos por ele. Com a festa de São Pedro e São Paulo, festejamos também o Dia do Papa. Ontem, ele completou 28 anos de ordenação episcopal. 
Então, com grande amor pela Igreja, reze hoje pelo Papa Francisco.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

01 março 2020

AS TRÊS PEDRAS DE TROPEÇO


Vai-te embora, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás ao Senhor, teu Deus, e somente a ele prestarás culto (Mt 4, 10).

01 de março de 2020.

Três tentações. Três é uma conta certa, completa. As três tentações resumem todas as tentações na vida de Jesus e na nossa vida também. 

A primeira tentação é esta: vida sem sacrifícios. Foi a tentação de transformar pedra em pão. O pão representa tudo o que toca a sobrevivência: a comida, a roupa, o trabalho, a saúde, o bem estar... Está com fome? Transforme pedra em pão. Nada de fome, de mortificação, de jejum. Nada de esforço, de luta, de sacrifício. E é isso mesmo! Queremos ganhar bem, mas com o mínimo de esforço possível. Possivelmente, ganhar na loteria. Ou ter um cargo comissionado, que só precise ir assinar uma vez por mês. Vida sem sacrifício. Cozinhar, demora, dá trabalho. Vai de fast-food, de refrigerante, de enlatados... Vida sem luta, nem sofrimento. Uma dorzinha de cabeça, corre, compra um remédio. Vai dar à luz, cesariana. Parto natural é doloroso. Desentendeu-se, separa, é mais fácil do que dialogar, do que perdoar. A primeira tentação é ‘vida sem sacrifícios’. Transformar pedra em pão. Na vida de Jesus, essa tentação foi vencida. Ele nunca usou o seu poder em benefício próprio. Levou vida itinerante, em grande despojamento. A cruz foi a grande marca de sua entrega em favor de todos. Para os seus seguidores, recomendou a renúncia a si mesmos, a partilha, a solidariedade com os sofredores, a caridade para com os pobres.

A segunda tentação é esta: religião sem obediência.  Foi a tentação de se atirar do pináculo do Templo, para obrigar a Deus a agir mandando seus anjos para ampará-lo na queda. Muita gente está buscando a religião apenas para obter solução para os seus problemas, procurando meios de condicionar Deus a agir em seu favor. Não faltam propostas religiosas mágicas:  “Venha buscar o seu milagre”. “Ele é Deus de promessas, tem que cumprir”. “Faço um voto, sacrifico, e ele se obriga a me abençoar”. “Daqui, eu não saio sem o meu milagre”. A segunda tentação é a ‘religião sem obediência’. Pular no abismo para obrigar Deus a me proteger com seus anjos. Na vida de Jesus, essa tentação foi vencida. Ele denunciou a religião de exterioridade e ostentação. Disse que o seu alimento era fazer a vontade do Pai. Um pouco antes de sua paixão, em grande angústia, mesmo pedindo ao Pai para afastar aquele cálice de sofrimento, preferiu realizar a vontade do Pai antes do que a própria. Na religião cristã, não é Deus que faz o que eu quero. Sou eu que me submeto à sua vontade. Seja feita a vossa vontade, foi como Jesus ensinou. 

A terceira tentação é esta: poder sem serviço. Foi a tentação de receber o poder dos reinos do mundo se adorasse Satanás. Muita gente que está no poder, tomara que eu me engane, está lá porque fez aliança com grupos poderosos, juntou-se com quem não presta, dobrou-se a interesses espúrios. E gente muita que, mesmo não estando em cargos de prestígio, sonha com isso, move-se nessa lógica ou reforça esse jogo com a bajulação. E não é preciso ir longe, porque o poder se exerce dentro de casa, na comunidade, na igreja, na empresa em que se trabalha.  E aí se manifesta a tentação do exercício do poder como manipulação, como centralização, como busca de privilégios. A terceira tentação é ‘poder sem serviço’.  Fazer aliança com o mal, para participar do seu poder. Na vida de Jesus, essa tentação foi vencida. Ele não veio para ser servido, mas para servir. Corrigiu seus apóstolos, tentados também eles pelo poder. Entre vocês, não seja assim. O maior seja o menor e servidor de todos. 

Vai-te embora, Satanás, porque está escrito: ‘Adorarás ao Senhor, teu Deus, e somente a ele prestarás culto (Mt 4, 10).

Guardando a mensagem

Por um lado, nos sentimos tentados, inclinados ao mal, como descendentes de Adão (Gn 3). Por outro lado, pela nossa união com Cristo, já somos vencedores sobre a tentação e o mal (Rm 5). Na vida de Jesus, estão representadas as tentações que também nos afligem: vida sem sacrifício, religião sem obediência, poder sem serviço.  Em nossa resistência contra o mal, contamos com a oração, a Palavra de Deus e sua graça. “Não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal”. 

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Na quaresma, é como se estivéssemos em tua companhia, no deserto, enfrentando as tentações. Mais do que um episódio, a cena das tentações é um retrato de toda a tua vida. A luta contra o mal que nos assedia é um exercício permanente, que dura toda a nossa vida. Venceste a tentação de matar a fome, transformando pedras em pão: a vida sem sacrifícios. Em nossa quaresma, procuramos fazer exercícios de penitência para nos fortalecer na luta contra o mal. Venceste a tentação de fazer da religião um espetáculo de milagres, atirando-se de cima do pináculo do Templo: a religião sem obediência. Em nossa quaresma, procuramos renovar nossa vida de oração para aderirmos, de coração, à vontade de Deus. Venceste a tentação da busca de privilégios, idolatrando o autoritarismo: o poder sem serviço. Na nossa quaresma, procuramos exercitar a caridade, animados pela campanha da fraternidade. Abençoa, Senhor, nossa quaresma. Fortalece nossa luta contra o mal. Dá-nos, com a tua graça, derrotá-lo todos os dias. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Leia, na sua Bíblia, o evangelho de hoje: Mateus 4, 1-11. E faça todo esforço para participar da Santa Missa, neste primeiro domingo da Quaresma.

01 de março de 2020.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

22 abril 2019

OS SETE PASSOS DE UMA COMUNIDADE CHAMADA MADALENA

Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!” (Jo 20, 18)
23 de abril de 2019.
Madalena não é só uma personagem da história de Jesus. Ela, com certeza, é uma representante da primeira comunidade cristã. Nesse texto, ela pode estar representando a própria comunidade dos seguidores de Jesus, nos seus inícios. Quem é Madalena? Uma discípula. Uma pessoa resgatada por Jesus. Marcos e Lucas relatam que Jesus a libertou de sete demônios. Lucas relata que um grupo de mulheres andava com Jesus, várias delas libertadas de enfermidades ou de espíritos maus. Afinal, o que era a comunidade cristã, senão um grupo de pessoas resgatadas por Jesus da doença, da opressão da Lei, da exclusão social, do pecado? É isso que é a Igreja, o povo redimido, lavado do pecado no Batismo. Um povo de pecadores restaurados na graça de Deus, uma comunidade chamada Madalena.
A cena mostra sete passos da caminhada que a comunidade fez até descobrir que Jesus havia ressuscitado e anunciá-lo abertamente. Madalena representa a comunidade. Olha os passos... 1º. Ela vai ao túmulo, ainda escuro. 2º. Ela vê que a pedra foi retirada do túmulo. 3º. Ela sai correndo para avisar que tiraram o corpo de Jesus. 4º. Ela vê dois anjos vestidos de branco sentados no lugar do corpo. 5º. Ela vê Jesus de pé, achando que ele era o jardineiro. 6º. Ela reconhece Jesus ao ouvi-lo chamar seu nome. 7º. Ela vai anunciar aos discípulos: Eu vi o Senhor. Sete passos de Madalena, sete passos da comunidade cristã na descoberta de Jesus ressuscitado.
Veja que, no começo, tudo está meio em trevas. São os primeiros passos. Foi ao túmulo, quando ainda estava escuro, diz o texto.  Esse é começo de nossa caminhada de fé, não é verdade? Muita gente hoje só vê a morte de Jesus. Não é à toa que a sexta-feira da paixão reúne mais gente que o sábado de aleluia. Nesse texto, as palavras ‘túmulo’ e ‘choro’ se repetem várias vezes. O começo é ainda a escuridão da noite da dor, do sofrimento. A primeira descoberta é que o túmulo está aberto. Um pouco mais adiante, percebe que o túmulo está vazio. É o segundo passo. Pressente alguma coisa, mas sem entender a sua profundidade. No terceiro passo, ela vai, aflita, comunicar aos discípulos que roubaram o corpo de Jesus. Ainda não tem a visão da fé. Depois, no quarto passo, vem o encontro com a tradição da fé que pode iluminar a compreensão da comunidade. Qual é, no fundo, o drama? Pelo pecado, fomos expulsos do paraíso. Conta o livro do Gênesis, que ficaram dois anjos na porta do Éden para não deixar ninguém entrar. Mas, Jesus veio para reabrir as portas do paraíso, da graça de Deus.  Com ele, chegou o Reino de Deus. Os dois anjos estão ali, perguntando se ainda há razões para chorar. Da escuridão para a luz ... é este o caminho de Madalena, o caminho da comunidade. Bom, até aqui foram quatro passos.
Prosseguindo um pouco mais -  é o quinto passo - ela encontra Jesus. Ela o encontra, mas pensa que é o jardineiro e quer saber onde ele colocou o morto. Está perto de Jesus, mas não o encontrou de verdade. Olha que tem muita gente nesse ponto! Mas, olha o sexto passo: ela voltou-se ao ouvir o seu nome, pronunciado por Jesus. É aqui que o laço se desata: em sentir-se conhecida e amada por Jesus. Aí o coração finalmente encontra o Mestre. E é aí que o discípulo se torna missionário. ‘Vai dizer aos meus irmãos que eu vou subir para o meu Pai e vosso Pai’... disse Jesus, é a missão. E o sétimo passo é esse mesmo: anunciar aos outros “Eu vi o Senhor!”
Guardando a mensagem
Madalena é uma discípula de Jesus. É uma mulher resgatada pelo amor de Cristo, como nós que fomos restaurados como novas criaturas, no batismo. Podemos pensar que, nesse texto, ela esteja representando a comunidade cristã, a de ontem e as de hoje. Podemos ver neste evangelho, os sete passos ou melhor o caminho da comunidade que aos poucos vai assimilando a obra redentora de Jesus, realizada por sua morte e ressurreição. Da escuridão inicial (a não compreensão, a falta de fé), cada discípulo vai progredindo passo a passo, passando pela luz da Palavra de Deus, até chegar a um encontro pessoal com o Senhor e se tornar seu missionário, anunciador de sua vitória sobre o mundo.
Então Maria Madalena foi anunciar aos discípulos: “Eu vi o Senhor!” (Jo 20, 18)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
No evangelho de hoje, contemplamos, em Madalena, a caminhada que cada um de nós vai fazendo para te encontrar e te anunciar aos irmãos. No começo, ela viu que a pedra foi retirada do túmulo. Foi uma primeira descoberta. Depois, ela viu que o túmulo estava vazio. Foi aí que ela viu os anjos de branco, a Palavra de Deus ajudando a enxergar melhor e ver que as portas do paraíso foram reabertas. Finalmente, tendo te encontrado, ela pode ser tua testemunha: Eu vi o Senhor! Ajuda-nos, Jesus, a não ficar marcando o passo, mas progredir no conhecimento da verdade, para que ela nos ilumine e com ela possamos iluminar os outros. Tu és o caminho, a verdade, a vida. Amém.
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual, anote os sete passos de Madalena. Eles são os sete passos do seu próprio crescimento em Cristo.

Pe. João Carlos Ribeiro – 23.04.2019

O DOMINGO QUE VENCEU O MEDO


As mulheres correram, com grande alegria, para dar a notícia aos discípulos (Mt 28,8).

22 de abril de 2019.

Segunda-feira da oitava da páscoa. Acabamos de celebrar o domingo da ressurreição e a grande alegria dessa solenidade se estende por oito dias, a oitava de Páscoa.

No evangelho de hoje, Maria Madalena e outra Maria vão ao sepulcro, no domingo, cedinho. E têm uma grande surpresa. O anjo do Senhor remove a pedra do túmulo e lhes diz que Jesus não está mais ali. E que elas avisassem aos discípulos que ele ressuscitou. As duas Marias partem depressa do sepulcro para avisar a Pedro e seus companheiros. Aí, elas têm uma segunda surpresa: o próprio Jesus vem ao encontro delas. “Alegrem-se”, disse ele. E elas se prostram e se abraçam com Jesus. E ele lhes diz que não tenham medo e que vão avisar aos discípulos para eles irem para a Galileia. Lá eles o encontrarão.
Os soldados que montavam guarda no túmulo de Jesus também vêem o anjo que removeu a pedra e ficam com muito medo. Alguns vão logo contar o acontecido às autoridades de Jerusalém. Os chefes do Templo combinam de dar uma grande quantia em dinheiro aos soldados para eles darem outra versão ao ocorrido. Os soldados então espalham que os discípulos de Jesus roubaram o seu corpo.
A ressurreição de Jesus foi uma boa notícia para os discípulos, para as mulheres que o seguiam, para o povo que o amava. A ressurreição de Jesus foi uma má notícia para os sumo-sacerdotes e anciãos do Templo de Jerusalém, para os seus opositores e para as forças militares que o executaram.
No caso das mulheres, a ressurreição foi motivo de encorajamento, alegria e disponibilidade para a Missão. Tanto o anjo, como Jesus, lhes disseram que não tivessem medo. Vencer o medo foi a primeira reação das mulheres. A segunda reação foi a alegria que tomou conta do coração delas. O próprio Jesus as convidou a alegrarem-se. E, diante da missão recebida, de comunicar aos  discípulos a boa nova, elas movimentaram-se com presteza, com disponibilidade. Partiram depressa.
Guardando a mensagem
Estas são as três atitudes que precisamos cultivar nestes dias da Páscoa do Senhor: a coragem, a alegria e a disponibilidade para a missão. Vencer o temor, pela certeza de que Deus está ao lado dos sofredores e lhes dá vitória. Encher o coração de alegria pela nossa participação na vitória de Cristo. E colocarmo-nos à disposição para levar essa boa notícia a outros.
Já das três atitudes dos soldados que guardavam o túmulo, precisamos tomar distância: o medo, o suborno e a mentira. Ao ver o anjo removendo a pedra, os guardas ficaram morrendo de medo. Os chefes resolveram dar-lhes um bom dinheiro em troca do seu silêncio. E eles aceitaram ser subornados.  E deviam espalhar uma mentira, uma fakenews - notícia falsa - tão em moda hoje: dizer que os discípulos roubaram o corpo, enquanto eles dormiam.
As mulheres correram, com grande alegria, para dar a notícia aos discípulos (Mt 28,8).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Infelizmente, vemos, todo dia, muita gente, longe da vida nova que trouxeste, movendo-se nas sombras para fazer valer seus interesses, semeando medo, promovendo suborno e espalhando mentiras. Que o mal não prevaleça sobre nós, Senhor. Livra-nos do mal.  Dá-nos, sim, imitar, as atitudes das mulheres que te encontraram naquela manhã de domingo: a coragem, a alegria e a disponibilidade para a missão. Assim, poderemos ser testemunhas de tua vitória e de nossa vitória contigo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual, responda a esta pergunta: Por que a Páscoa é tão importante para você?

Pe. João Carlos Ribeiro – 22.04.2019

07 abril 2019

A MULHER INFIEL E O MARIDO TRAÍDO


Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério (Jo 8, 4)

07 de abril de 2019.

E já estamos no quinto domingo da quaresma. Domingo que vem já é o Domingo de Ramos. O tempo está correndo. O importante é você estar aproveitando bem esse tempo. Aproveitando para quê? Bom, qual é o principal apelo da Quaresma? Claro, a conversão. Voltar para o nosso Deus, de todo o coração. Renovar a nossa aliança com ele.

Para a meditação do evangelho de hoje, vamos começar com uma pergunta. Não se espante. O que é adultério? Ih, o padre começou pesado. Tranquilo. Adultério é quando alguém é infiel no seu casamento. Certo? Adultério tem a ver com infidelidade.

Estando de acordo, vamos a um segundo ponto. Deus fez aliança com o povo que ele tirou da escravidão do Egito. Você se lembra disso? No monte Sinai, Deus deu uma Lei ao seu povo, através de Moisés, uma Lei que ele mesmo escreveu com o dedo. Escreveu a lei nas tábuas de pedra. Com o dedo, diz o livro santo. Baseado nessa Lei, o povo celebrou uma aliança com Deus. A fórmula da aliança foi assim: “Eu serei o seu Deus. Vocês serão o meu povo”. A aliança é como um casamento. No casamento, um diz ao outro: “Ela: Eu te recebo como meu marido – Ele: Eu te recebo como minha mulher”. E juram amor e fidelidade, não é assim? Então, a aliança de Deus com o seu povo é como um casamento. Um promete ser para o outro e viver no amor e na fidelidade.

Então, adultério é a infidelidade no casamento. Bom, no caso da aliança de Deus com o seu povo, Deus nunca foi infiel. Mas, a comunidade do povo de Deus, muitas vezes, traiu a aliança. Os profetas reclamaram muito da infidelidade de Israel ao seu Deus. Mas, Deus foi sempre paciente.  O Profeta Oseias chegou a fazer uma comparação: Deus seria como o marido traído que levou a mulher para o deserto para dar-lhe uma nova chance.

Mais uma coisa. É bom a gente se perguntar sobre o que Jesus veio fazer: qual foi a sua missão? Se olharmos por esse lado da aliança, podemos dizer que Jesus veio para reconciliar a comunidade pecadora com Deus. Veio para restaurar a aliança rompida pela infidelidade de Israel.

Bom, essas são bases para o entendimento do evangelho de hoje. Jesus estava no Templo, ensinando ao povo. Havia uma enorme roda de gente ouvindo-o.  Nisso, chegaram os mestres da lei e os fariseus arrastando uma mulher e a jogaram aos pés de Jesus. Um metido a brabo foi logo dizendo: ‘Moisés manda apedrejar a mulher que for pega em adultério. E pegamos essa sujeita cometendo adultério. O que o senhor diz? É para cumprir a lei ou não?”.  Era uma armadilha. Queriam incriminar Jesus. Dizendo que não, estaria contra a Lei. Dizendo que sim, negaria o seu ensinamento sobre o amor e o perdão. Jesus ficou calado. Abaixou-se e começou a escrever no chão, com o dedo. Ficou todo mundo calado, aguardando. Um deles perdeu a paciência e cobrou a resposta. Jesus se levantou com calma: “Quem de vocês não tiver pecado, atire a primeira pedra”. E abaixou-se de novo e continuou a escrever no chão. Um saiu, outro saiu... a começar pelos mais velhos, foram-se embora, um a um. Jesus ficou sozinho com a mulher, ali no meio do povo. Jesus lhe disse que ia condená-la, que ela podia ir embora, mas não pecasse mais. 

Diante desse texto, eu fico com três perguntas na cabeça: 1. Quem é essa mulher? 2. Onde está o marido traído? 3. Por que Jesus fica escrevendo no chão, com o dedo?  Vamos tentar reponder. Essa mulher pode muito bem estar representando a comunidade de Israel. Israel é como essa mulher pecadora. E o pecado de Israel é, no final das contas, sua infidelidade à aliança, representada no adultério. E quem é o marido traído? Essa você responde. Quem é o marido traído? Respondeu ‘Deus’? Acertou. Deus é quem foi traído pelo povo infiel à aliança. E Jesus o representa. E por que Jesus está escrevendo com o dedo, no chão? Deixa que essa eu respondo. Você se lembra da lei da Aliança que Deus deu a Moisés? Deus a escreveu com o próprio dedo nas tábuas de pedra. Com esse gesto, Jesus está chamando atenção para a aliança, aliança que foi rompida e que precisa ser restaurada. 

Guardando a mensagem

A cena da mulher adúltera nos diz como estava sendo vivida a aliança que Israel fez com Deus. Israel estava vivendo em grande infidelidade, em adultério. Adultério é a infidelidade no casamento. A aliança é como um casamento. E o documento do casamento, o contrato, é a lei da aliança, que Deus pessoalmente entregou a Moisés, depois de tê-la escrito com o dedo, em tábuas de pedra. A mulher está representando todo aquele povo pecador, que se afastou da aliança com Deus. Os homens não puderam apedrejar a mulher, pois eles eram pecadores também. Aliás, a mulher está ali diante de Jesus representado toda a comunidade pecadora. Deus é o marido traído. Em vez de aniquilar a mulher (ou seja o povo infiel), Jesus quer restaurar a aliança, pela conversão e pelo perdão.

Mestre, esta mulher foi surpreendida em flagrante adultério (Jo 8, 4)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Essa história da mulher adúltera nos fala da tua missão entre nós. Vieste para restaurar a aliança rompida pela nossa infidelidade. Na tua cruz, nos reconciliaste com Deus. No teu sangue, restauraste a nossa aliança com ele. Na Missa, ao renovarmos o teu sacrifício redentor, ouvimos as tuas palavras: “Este é o meu sangue. O sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para a remissão dos pecados”. A mulher não foi condenada à morte, como parecia merecer pela lei. Tu, o justo, sem pecado, morreste no seu lugar. Obrigado, Senhor. Essa aliança com Deus cada um de nós a celebrou, com vestes brancas, como em núpcias, no batismo. No batismo, mergulhamos na tua morte e participamos de tua ressurreição. Somos a Igreja, a comunidade da nova aliança. Por isso o apóstolo Paulo falou da Igreja como tua esposa, santificada na tua páscoa. Ajuda-nos, Senhor, a responder com a conversão de nossas vidas, para vivermos esse tempo novo da reconciliação que nos alcançaste. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Você não pode deixar de ler, na sua Bíblia, o evangelho de hoje: João 8, 1-11.

Pe. João Carlos Ribeiro – 07.04.2019

10 março 2019

JESUS VENCEU SATANÁS!



Terminada toda a tentação, o diabo afastou-se de Jesus, para retornar no tempo oportuno (Lc 4, 13)


10 de março de 2019.

Eu começo bendizendo a Deus por você estar escutando essa palavra, neste primeiro domingo da Quaresma. Louvo a Deus por seu esforço e a ele rogo que lhe dê perseverança neste caminho de quarenta dias de retiro espiritual do povo cristão, em direção à Páscoa do Senhor. O número quarenta nos recorda um tempo de provação, o tempo do povo de Israel peregrinando no deserto, preparando–se para entrar na terra prometida. Aliás, nossa vida toda é como essa peregrinação, cheia de provas e provações. 

O evangelista Lucas resume, hoje, todo o caminho de Jesus, com todas as suas provas ou tentações. Ele nos conta que, durante quarenta dias, Jesus esteve no deserto e foi tentado pelo diabo. E, mais do que isso, ele nos diz que Jesus venceu todas as tentações, as provas a que o diabo o submeteu. Jesus venceu Satanás, bem o contrário do que a Escola de Samba de São Paulo pregou na avenida, nos dias de carnaval. Lá, eles pregaram um contra-evangelho, proclamando, teatralmente, que Satanás venceu Jesus. 

Por trás do relato do evangelho, está a história do povo de Deus, palco de tentações, onde o povo de Deus foi infiel. Ao apresentar sua oferta dos primeiros frutos do trabalho no Templo, os fieis confessavam, agradecidos, que Deus os tinha libertado da escravidão no Egito e os tinha trazido pelo deserto para a terra em que habitavam. É o que lemos no livro do Deuteronômio. O deserto foi um lugar de tentação. Em certo momento, instigado pela fome, o povo se revoltou contra Deus, preferindo sua condição anterior de escravo no Egito, mas de barriga cheia. Jesus passou por essa situação na primeira tentação. Olha o tinhoso: “Para que continuar com fome? Transforme a pedra em pão!”. Desconsiderar a encarnação, o caminho humano e suado para resolver os problemas. “Não, Anjo Decaído. Não só de pão vive o homem”, lembrou Jesus. A liberdade tem seu preço. 

Quando Israel entrou na terra da promessa, começou a encantar-se com os reinos vizinhos e copiar seus costumes, imitar a desigualdade social e a exploração desses impérios e adorar os seus deuses. Jesus passou por essa situação na segunda tentação. O diabo apresentou-lhes os reinos do mundo, sua glória e seu poder. E propôs um acordo pra Jesus ter tudo aquilo: “Eu vou ser o seu deus, me adore!”. “Sai pra lá, Gavião da Fiel! Eu só sirvo a um Deus, ao único e verdadeiro. Na minha missão, não vou copiar o poder do mundo, nem agir como os poderosos da terra. Eu quero servir, como Deus me manda”. 

Depois que Israel organizou a monarquia, com rei, corte, exército e tudo o mais, construiu um grande e único Templo para o Senhor. Aos poucos, o Templo de Deus foi se tornando um poderoso instrumento de opressão do povo, de poder e enriquecimento das classes dirigentes. Claro, tudo em nome de Deus. Jesus viveu essa situação em sua terceira tentação. O diabo levou Jesus para o lugar mais alto do Templo de Jerusalém. “Ô cara, quero ver agora sua confiança em Deus. Pule daqui. Na Bíblia, está escrito que Deus vai mandar seus anjos para proteger e amparar você. Esse Deus tem poder ou não tem?”. “Ô chifrudo do carnaval, ninguém tem o direito de por Deus à prova, de testá-lo, de usar seu nome indevidamente”. 

Jesus venceu todas as tentações do diabo. E ele se afastou de Jesus, para retornar no tempo oportuno. Que tempo oportuno é esse? O momento da paixão. Na paixão, estão as maiores tentações do diabo: escapar da morte humilhante, revoltar-se contra Deus ou querer que Deus o livrasse da cruz, desconsiderando a sua encarnação. A gozação dos soldados foi uma provocação igualzinha a do tentador: “Se és filho de Deus, desce da cruz”. Jesus venceu todas as tentações: aceitou cumprir a vontade de Deus, entregou-se livremente em nosso favor, perdoou os seus algozes, foi fiel até o fim. Por sua morte e ressurreição, Jesus venceu definitivamente o diabo, abrindo um caminho de fidelidade para todos os que o seguirem. 

Guardando a mensagem

A cena das tentações, bem no início de sua vida pública, resume a vitória do Filho de Deus encarnado sobre todas as insinuações, armadilhas e provas a que o diabo o submeteu em toda a sua vida humana. O momento mais forte da vida de Jesus - a sua paixão e morte - foi o momento onde as tentações foram mais fortes. A morte redentora de Jesus e sua ressurreição foram a vitória avassaladora e total sobre Satanás. Por sua influência, desde Adão, a humanidade tinha sido infiel a Deus. O próprio povo de Deus tinha caído em momentos decisivos de sua história. Jesus, o novo Adão, restaurador da aliança com Deus Pai, foi fiel até o fim. Assim, venceu o pecado, a morte (consequência do pecado) e o mal e o seu inspirador, Satanás. O mundo já não está mais sob o domínio do diabo, embora ele continue agindo. Cabe-nos, já com a vitória na mão, continuar resistindo às suas insinuações maldosas e às inclinações para o mal que as marcas do pecado deixaram em nós. 

Terminada toda a tentação, o diabo afastou-se de Jesus, para retornar no tempo oportuno (Lc 4, 13)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 

Neste primeiro domingo da Quaresma, celebramos a tua vitória contra as tentações do diabo, em toda a tua vida humana. Esta cena nos prepara para a grande vitória de tua cruz. Nela, venceste o pecado, a morte e o mal. em nossa vida, somos submetidos, nós também, às tuas mesmas tentações: A busca de solução mágica para os nossos problemas, a adoração do poder opressor e a manipulação do nome de Deus em favor dos nossos interesses. Mas, a tua vitória é a nossa vitória também. Com o teu exemplo, a tua graça e o teu Santo Espírito, nós também somos vencedores. Por isso, nos ensinaste a pedir ao Pai: “Não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do mal”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vamos viver a palavra

Primeira dica – Escute essa palavra de hoje, na Santa Missa. A comunidade cirstã é onde melhor ecoa a palavra de Deus. Ela proclama o senhorio de Cristo: “Ele é o Senhor!” 

Segunda dica – Sobre o crime da Escola de Samba contra a religião cristã neste carnaval e sobre a gravidade do contra-evangelho anunciado na avenida, escrevi um texto que seria bom você ler: “Gaviões do Infiel”. Você o encontra aqui em meu blog:  

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.03.2019

21 fevereiro 2019

A IGREJA CONSTRUÍDA SOBRE A PEDRA


Sobre esta pedra construirei a minha Igreja (Mt 16, 18)

22 de fevereiro de 2019.


Hoje, festejamos a Cátedra de São Pedro.

Bem no início do cristianismo, foram se formando comunidades por todo o império romano. Havia uma florescente comunidade em Roma também. Naquele tempo, as comunidades se reuniam nas casas. Na carta de Paulo aos romanos se fala de um casal que reunia a comunidade em sua casa: Áquila e Prisca (Rm 16). O apóstolo Pedro, estando em Roma, participava das reuniões da comunidade, pregava, celebrava na casa deste casal, a casa da comunidade. Havia, ali, uma cadeira reservada ao apóstolo Pedro. Mesmo que ele não estivesse presente, todos, ao ver aquela cadeira, se recordavam dele. Sentado nela, ele ensinava aos irmãos a fé em Cristo. Esta cadeira, hoje muito enfeitada, está em um dos altares da Basílica de São Pedro, no Vaticano. É a Cátedra de São Pedro. Cátedra é a cadeira de quem ensina, a cadeira do mestre. Olhando para a cadeira de Pedro, lembramos o seu ministério de ensinar e testemunhar a fé em Cristo Jesus.

É oportuno recordar, hoje, o que o Concílio Vaticano II escreveu na Constituição Lumen Gentium: “Jesus Cristo, pastor eterno, edificou a Igreja tendo enviado os Apóstolos como Ele fora enviado pelo Pai; e quis que os sucessores deles, os Bispos, fossem pastores na Sua Igreja até ao fim dos tempos. Mas, para que o mesmo episcopado fosse uno e indiviso, colocou o bem-aventurado Pedro à frente dos outros Apóstolos e nele instituiu o princípio e fundamento perpétuo e visível da unidade de fé e comunhão” (37). A festa da Cátedra de Pedro celebra esse ministério de unidade de fé e comunhão do apóstolo Pedro.

E essa comemoração ocorre justo no segundo dia de um encontro histórico, na Santa Sé, sobre “A proteção dos menores na Igreja”. A reunião é dos bispos presidentes das conferências episcopais de todo o mundo católico, convocados pelo Papa. Os apóstolos, liderados por Pedro, sob a assistência do Espírito santo, têm a grande responsabilidade de guardarem, defenderem e ensinarem a verdadeira fé e apascentarem a Igreja de Cristo.

No evangelho de hoje, Jesus fez uma pergunta muita séria aos discípulos: ‘E vocês, o que dizem que eu sou?’ Simão Pedro respondeu em nome do grupo: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Jesus elogiou Simão Pedro: ‘foi o Pai que te disse isso. Feliz és tu!’ Só o Pai sabe quem é o Filho e aquele a quem ele o quiser revelar.

O que Pedro disse resume a fé de todos os que encontraram Jesus e acolheram sua Palavra. Ele é o enviado de Deus, o prometido a Israel, o Messias. Mais: esse enviado, o Messias, é o Filho do Deus vivo. É uma confissão de fé na divindade de Jesus, ele é Deus com o seu Pai. Jesus ficou muito satisfeito com essa resposta. É nessa fé que ele edifica a comunidade que dá continuidade ao seu ministério nesse mundo. “Sobre esta Pedra, construirei a minha Igreja. E o poder do inferno nunca poderá vencê-la”. A fé confessada por Pedro é a pedra sobre a qual Jesus edifica a Igreja. A pedra é também a pessoa de Pedro, o discípulo que confessou a fé em Jesus-Messias-filho de Deus.

Guardando a mensagem

Nos alicerces de nossa vida cristã, está essa confissão de fé: cremos em Jesus, o filho do Deus vivo, enviado pelo Pai para nossa salvação. Jesus edificou a sua Igreja sobre a rocha firme dessa fé confessada por Pedro (Catecismo da Igreja Católica 424). Hoje é um dia especial para renovarmos a confissão de fé em Jesus. Cremos em Cristo Jesus, e o seguimos como discípulos e discípulas. Somos chamados a colocar Cristo no centro de nossa vida. Ele é o nosso pastor, nosso guia. Cremos na Igreja que ele edificou sobre a fé de Pedro. Sejamos, cada vez mais, filhos amorosos e obedientes da Igreja.

Sobre esta pedra construirei a minha Igreja (Mt 16, 18)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Somos a tua Igreja fundada sobre a fé proclamada por Pedro. Dá a todos nós batizados nesta fé a graça da unidade. Abençoa os pastores que dirigem a tua Igreja, em continuidade histórica e doutrinária com os teus primeiros apóstolos, dando-lhes discernimento e sabedoria. Abençoa o Papa Francisco, e assiste-o com o teu Santo Espírito, nesta sagrada missão de conduzir todo o rebanho, na unidade da fé. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Acompanhe, com suas preces, este encontro dos bispos que está acontecendo nesta semana, em Roma. Os bispos, com o Papa, devem tomar importantes decisões sobre “A proteção dos menores na Igreja”. Particularmente, faça, hoje, um momento especial de oração pelo apóstolo Pedro que preside, na caridade, a Igreja de Cristo.

Pe. João Carlos Ribeiro – 22.02.2019

09 agosto 2018

A FÉ EM CRISTO, O ALICERCE DE SUA VIDA


Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo (Mt 16, 16)
09 de agosto de 2018.
Jesus elogiou Pedro. Colocou-o como pedra de alicerce na construção de sua Igreja. E deu-lhe as chaves do Reino de Deus. Tudo porque Pedro, em nome dos discípulos, inspirado por Deus, disse que Jesus era o Messias, o Filho do Deus vivo.
Eles estavam fora do território de Israel. E foi aí Jesus teve uma conversa muita séria com eles. Começou perguntando o que o povo estava dizendo sobre ele, isto é, quem afinal as pessoas achavam que ele era. Aí chegou à pergunta principal: E vocês, o que dizem que eu sou? Claro, dessa compreensão dependeria o futuro do seu ministério. Será que a liderança do seu grande grupo de discípulos já estava entendendo quem era ele, qual era a sua missão? Simão Pedro respondeu em nome do grupo. E respondeu com toda sinceridade: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Boa resposta. Ótima resposta. Claro, esse entendimento é fruto da revelação de Deus. Só o Pai sabe quem é o Filho e aquele a quem ele o quiser revelar. Jesus elogiou Simão Pedro: foi o Pai que te disse isso. Feliz és tu!
O que Pedro disse resume a fé de todos os que encontraram Jesus e acolheram sua Palavra. Ele é o enviado de Deus, o prometido a Israel, o Messias. Mais: esse enviado, o Messias, é o Filho do Deus vivo, o maravilhoso Deus que se revelou ao povo de Israel e fez aliança com ele. É uma confissão da divindade de Jesus, ele é Deus com o seu Pai. Como Jesus ficou satisfeito com essa resposta! É nessa fé que ele pode construir a comunidade que vai dar continuidade ao seu ministério nesse mundo. Ele irá se ausentar, mas o trabalho terá continuidade.
“Sobre esta Pedra, construirei a minha Igreja”. A fé confessada por Pedro é a pedra sobre a qual Jesus edificará a Igreja. Por outro lado, esta pedra é também a pessoa de Pedro, o discípulo que confessou a fé em Jesus-Messias-filho de Deus. Mas também, esta pedra é a comunidade que Pedro representa, comunidade apostólica que professa a fé que ele proclamou.
E qual é a fé dessa comunidade, qual é a fé de Pedro? Isto é, o que essa comunidade, com as Escrituras e a sua história nas mãos, proclama sobre Jesus? O que nós cremos está, de certa forma, resumido no Credo. Os credos ou símbolos são sínteses da fé proclamada em momentos solenes da vida da Igreja, reunida nos primeiros Concílios Ecumênicos.
Guardando a mensagem
Nos alicerces de nossa vida cristã, está essa confissão de fé: cremos em Jesus, o filho do Deus vivo, enviado pelo Pai para nossa salvação. Jesus edificou a sua Igreja sobre o rochedo dessa fé confessada por Pedro (Catecismo da Igreja Católica 424). Não somos apenas pessoas religiosas. Cremos em Jesus, e o seguimos como discípulos e discípulas. As Escrituras Sagradas nos transmitem o conhecimento sobre Jesus Cristo Salvador. É assim que é tão importante que façamos diariamente a meditação da Palavra do Senhor, a chamada ‘lectio divina’. Tudo isso nos ajuda a colocar Cristo no centro de nossa vida. Ele é o nosso pastor, nosso guia.
Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo (Mt 16, 16)
Rezando a palavra
No chamado Credo niceno-constantinopolitano (declaração de fé dos Concílios de Nicéia e Constantinopla), rezamos assim a nossa fé em Jesus Cristo:
Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro; gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por Ele todas as coisas foram feitas. E por nós, homens, e para nossa salvação desceu dos Céus. E se encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem Maria, e Se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras; e subiu aos Céus, onde está sentado à direita do Pai. De novo há-de vir em sua glória, para julgar os vivos e os mortos; e o seu Reino não terá fim.
Vivendo a palavra
Leia o texto de hoje - Mt 16,13-23 -  em sua bíblia e responda no seu diário espiritual: Quem é Jesus para mim?

Pe. João Carlos Ribeiro – 09.08.2018

21 fevereiro 2018

CREIO COM A IGREJA

MEDITAÇÃO PARA A QUARTA-FEIRA, DIA 22 DE FEVEREIRO DE 2018.
Sobre esta pedra construirei a minha Igreja (Mt 16, 18)
Neste 8º dia da Quaresma, festejamos a Cátedra de São Pedro. Pedro proclamou a fé em Cristo. Esse ministério do ensino da fé continua nos sucessores dos apóstolos, no Papa e nos Bispos da Igreja. Acolher Jesus, crer com a Igreja é o passo de hoje em nossa caminhada quaresmal.
Jesus elogiou Pedro. Colocou-o como pedra de alicerce na construção de sua Igreja. E deu-lhe as chaves do Reino de Deus.  Tudo porque Pedro, em nome dos discípulos, inspirado por Deus, disse que Jesus era o Messias, o Filho do Deus vivo.
Eles estavam fora do território de Israel. E foi aí Jesus teve uma conversa muita séria com eles. Começou perguntando o que o povo estava dizendo sobre ele, isto é, quem afinal as pessoas achavam que ele era. Aí chegou à pergunta principal: E vocês, o que dizem que eu sou? Claro, dessa compreensão dependeria o futuro do seu ministério. Será que a liderança do seu grande grupo de discípulos já estava entendendo quem era ele, qual era a sua missão? Simão Pedro respondeu em nome do grupo. E respondeu com toda sinceridade: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Boa resposta. Ótima resposta. Claro, esse entendimento é fruto da revelação de Deus. Só o Pai sabe quem é o Filho e aquele a quem ele o quiser revelar. Jesus elogiou Simão Pedro: foi o Pai que te disse isso. Feliz és tu!
O que Pedro disse resume a fé de todos os que encontraram Jesus e acolheram sua Palavra. Ele é o enviado de Deus, o prometido a Israel, o Messias. Mais: esse enviado, o Messias, é o Filho do Deus vivo, o maravilhoso Deus que se revelou ao povo de Israel e fez aliança com ele. É uma confissão da divindade de Jesus, ele é Deus com o seu Pai. Como Jesus ficou satisfeito com essa resposta! É nessa fé que ele pode construir a comunidade que vai dar continuidade ao seu ministério nesse mundo. Ele irá se ausentar, mas o trabalho terá continuidade.
“Sobre esta Pedra, construirei a minha Igreja”. A fé confessada por Pedro, em nome da comunidade, é a pedra sobre a qual Jesus edificará a Igreja. Por outro lado, esta pedra é também a pessoa de Pedro, o discípulo que confessou a fé em Jesus-Messias-filho de Deus, em nome da comunidade. Mas também, esta pedra é a comunidade que Pedro representa, comunidade apostólica que professa a fé que ele proclamou.
E qual é a fé dessa comunidade, qual é a fé de Pedro? Isto é, o que essa comunidade, com as Escrituras e a sua história nas mãos, proclama sobre Jesus? O que nós cremos está, de certa forma, resumido no Credo. Os credos ou símbolos são sínteses da fé proclamada em momentos solenes da vida da Igreja, reunida nos primeiros Concílios Ecumênicos.
Vamos guardar a mensagem
Nos alicerces de nossa vida cristã, está essa confissão de fé: cremos em Jesus, o filho do Deus vivo, enviado pelo Pai para nossa salvação. Jesus edificou a sua Igreja sobre o rochedo dessa fé confessada por Pedro (Catecismo da Igreja Católica 424). Não somos apenas pessoas religiosas. Cremos em Jesus, e o seguimos como discípulos e discípulas. É assim que as Escrituras Sagradas são tão reverenciadas em nossas assembleias litúrgicas: elas nos transmitem o conhecimento sobre Jesus Cristo Salvador. É assim que é tão importante que façamos diariamente a meditação da Palavra do Senhor, a chamada lectio divina. Tudo isso nos ajuda a colocar Cristo no centro de nossa vida. Ele é o nosso pastor, nosso guia. Ele é o Messias, o Filho do Deus vivo.
Sobre esta pedra construirei a minha Igreja (Mt 16, 18)
Vamos acolher a mensagem
Como se diz no batismo: “Esta é a fé que sinceramente professamos, razão de nossa alegria em Cristo, nosso Senhor”.
Creio em Deus-Pai, todo poderoso,
criador do céu e da terra
e em Jesus Cristo seu único filho, Nosso Senhor
que foi concebido pelo poder do Espírito Santo
nasceu da Virgem Maria
Padeceu sob Poncio Pilatos
Foi crucificado, morto e sepultado
desceu a mansão dos mortos
ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus
está sentado à direita de Deus Pai, todo poderoso,
de onde há de vir a julgar os vivos e os mortos
Creio no Espírito Santo,
na Santa Igreja Católica
na comunhão dos Santos
Na remissão dos pecados
na ressurreição da carne
na vida eterna
Amem.
Vamos praticar a palavra
O Papa Francisco tem insistido pra gente rezar por ele. Aproveite hoje essa festa da Cátedra de São Pedro que faz referência direta ao seu ministério e reze por ele.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.02.2018