Mostrando postagens com marcador jerusalém. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador jerusalém. Mostrar todas as postagens

20191001

COMEÇANDO O MÊS MISSIONÁRIO

Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los? (Lc 9, 54)
01 de outubro de 2019.
No primeiro dia deste mês missionário extraordinário, convocado pelo Papa Francisco, nos deparamos com um problema no início da peregrinação de Jesus para a páscoa. Como também nós temos cá os nossos problemas no serviço missionário, vamos ver como Jesus se saiu nessa situação. Ele estava indo em peregrinação a Jerusalém. Na verdade, estava iniciando uma longa jornada que o levaria à cruz. O clima não era dos melhores, por isso os próprios discípulos estavam com medo e aconselhavam Jesus a desistir, a não enfrentar possíveis hostilidades por parte das lideranças do seu povo. Mas, Jesus estava decidido. E prosseguia a viagem.
Claro, durante a caminhada, precisavam pousar, a cada noite, em algum lugar. Assim faziam os peregrinos que iam a pé. Paravam em grandes grupos em praças, em bosques perto de cidades, em paradas conhecidas. Todo ano se repetia essa grande romaria da Páscoa. Normalmente, teriam que atravessar o território da Samaria. Muita gente preferia dar uma volta maior, mas não entrar em contato com esse povo considerado impuro, essa terra de gente que não partilhava da mesma religião do povo de Israel. Os samaritanos tinham seu Templo no Monte Garizim e, claro, por nada participavam de uma peregrinação a Jerusalém, a cidade santa dos judeus. Vocês se lembram daquele diálogo entre Jesus e uma mulher samaritana... só o fato de Jesus falar com ela já causou admiração aos próprios discípulos.
Então, a primeira coisa a considerar no texto é que Jesus e os seus discípulos estavam atravessando o território dos samaritanos e pretendiam pernoitar em algum lugar por ali. Esse fato nos faz perceber como Jesus agia sem preconceitos e sempre com muito respeito em relação às pessoas que pensavam de modo diferente dele.  Anteriormente, um discípulo queria proibir um cidadão que estava expulsando demônios em nome dele, mas não fazia parte do grupo deles. Jesus não permitiu que o proibissem. ‘Quem não está contra, já está a favor’. Olha, que sabedoria!

Bom, mas os samaritanos não gostaram daquela pretensão de Jesus pernoitar em suas terras. Não o receberam. Ficou todo mundo com raiva, menos Jesus.  Vamos respeitar essa posição deles. Tudo bem. A resposta de dois discípulos tão próximos de Jesus mostra que eles tinham entendido pouco da pregação de Jesus até ali. Pedro e Tiago queriam mandar descer fogo do céu para acabar com tudo, queriam amaldiçoar aquela gente que fechou as portas pra Jesus. Jesus, sempre manso e humilde de coração, os repreendeu e seguiu viagem procurando rancho em outro canto.
Guardando a mensagem
Os samaritanos, daquela aldeia, negaram hospedagem a Jesus e aos seus discípulos, que estavam indo em peregrinação a Jerusalém. Os discípulos queriam adotar uma atitude de vingança e retaliação. Jesus não permitiu. Tirou por menos. Você já pegou a mensagem de hoje... Nada de intolerância, de hostilidade, de sentimento de vingança contra quem não gosta da gente.  No tempo de Jesus, eram judeus e samaritanos. Hoje, temos evangélicos e católicos; cristãos e religiões de matriz africana ou espíritas... E existe até disputas e agressões entre grupos dentro da própria Igreja. A atitude de Jesus, que hoje contemplamos no evangelho, nos fala de tolerância, de respeito a pontos de vista diferentes, de abertura ao diálogo, de convivência respeitosa... Com Jesus, aprendemos a ser mansos e humildes de coração.
Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para destruí-los? (Lc 9, 54)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Que belo exemplo nos deste. Os samaritanos foram abusados. Eles não te receberam, só porque ias com os teus discípulos em peregrinação ao Templo de Jerusalém. Os discípulos queriam mandar descer fogo do céu para destruí-los. Tu não o permitiste. E partiste para outro povoado. Facilmente, nos irritamos com quem não pensa igual a nós e queremos responder na mesma altura a quem nos contraria. Dá-nos, Senhor, a mansidão do teu coração para enfrentarmos com humildade e verdade todas as situações difíceis e para não sermos nunca elementos de discórdia e desunião dentro da tua Igreja. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Outubro, Mês das Missões, é também o Mês do Rosário. Oração e Missão estão juntas. O Papa Francisco disse que “a oração é o coração da missão”. Esta é uma boa motivação pra você começar o Mês do Rosário, com a oração do Terço de Nossa Senhora.
Não se lembrando como se contemplam os mistérios, clique neste link: http://bit.ly/rezaroterço
Voltamos a nos encontrar às dez da noite, no facebook.

Pe. João Carlos Ribeiro – 01 de outubro de 2019.

20190808

CAINDO EM TENTAÇÃO


Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço (Mt 16, 23)
 08 de agosto de 2019 – Dia de São Domingos de Gusmão.
 Jesus estava explicando aos discípulos que ele devia ir a Jerusalém e sofrer muito. Notou isso? “Sofrer muito”. Seria rejeitado pelos líderes do seu povo que o entregariam à morte, mas ressuscitaria ao terceiro dia. Essa era uma passagem difícil do caminho de Jesus: a rejeição e a morte. E ele não queria fugir desse momento. Estava resolvido a enfrentar esse sofrimento, com a doação de sua vida e com total confiança no Pai.
Se dependesse de Pedro, a história de Jesus teria sido outra. Ele dispensaria o capítulo da paixão e da morte. Jesus realizaria toda a sua missão sem sofrimento, sem precisar passar pelo vexame da cruz. O que Pedro queria é o que nós queremos. Não queremos assumir os sofrimentos, as provações que vêm junto com nossa opção por Jesus Cristo e por seu evangelho. Seguir Jesus, tudo bem. Sofrer como ele, não. Triunfo, sim; cruz, não. Na primeira crise, o casamento deságua em divórcio. Numa avaliação mais rigorosa de um professor, abandona-se a faculdade. No meio de uma crise existencial, o reverendo abandona o ministério.  Basta uma cara feia do coordenador de minha pastoral que eu desisto, não estou aqui para sofrer. Fugimos de qualquer sofrimento.
Pedro chamou Jesus à parte e o repreendeu. “Não diga uma coisa dessas. Tire esse negócio de se dar mal em Jerusalém da cabeça. Deus não vai permitir uma desgraça dessa. Isso não vai lhe acontecer”. A reação de Jesus espantou os discípulos: “Vade retro, satanas! Sai daqui, afaste-se! Você não está pensando segundo o que Deus quer, mas segundo a vontade do homem”. Foi um choque para Pedro e para os seus colegas. Um pouco antes, Pedro tinha sido elogiado porque tinha reconhecido que Jesus era o Messias, o filho do Deus vivo. E agora, Jesus o estava tratando como satanás, o tentador.  É isso mesmo! Quem aconselha a desistir ou a não enfrentar as dificuldades, com medo do sofrimento, está agindo como o tentador, o diabo. Quem proclama que Jesus é o Messias e nega-se a subir com ele ao calvário está caindo na tentação.
 Todo o evangelho é um convite a nos tornarmos seguidores de Jesus. Seguidor é o que pega a mesma estrada de Jesus, quem faz o seu caminho.  No caminho de Jesus tem a cruz, a rejeição do seu povo, a traição dos amigos, a inveja dos chefes, a violência dos dominadores. Discípulo é quem o segue. E quem o segue, por causa de sua fé, por causa do Reino que Jesus pregou, vai passar também por alguma dificuldade, por algum sofrimento por causa de sua fé e do seu amor a Cristo. Por isso, Jesus disse: “quem quiser me seguir, tome sua cruz e me siga”.
Guardando a mensagem
Ninguém quer sofrer. Todo mundo foge do sofrimento. Vivemos a ‘civilização do analgésico’. O evangelho nos faz um convite: seguir Jesus. Jesus nos alerta sobre o sofrimento que existe no seu caminho. Quem o quiser seguir, precisa renunciar a ser o centro de sua vida, para realizar a vontade de Deus. Claro, a vontade de Deus não é que a gente sofra. E não é de qualquer sofrimento que Jesus está falando. Trata-se do sofrimento que é inerente à nossa escolha, à nossa opção de viver como seguidores de Jesus. Quem o quiser seguir, tem que estar pronto para participar também da travessia difícil do sofrimento que vem por causa da fé e do evangelho que se abraça. São as renúncias a se fazer, o peso da fidelidade e da perseverança nas horas difíceis, a incompreensão, a discriminação, até a perseguição... Seguir com Jesus não é estar com ele só no triunfo, é estar com ele também na paixão.
Vai para longe, Satanás! Tu és para mim uma pedra de tropeço (Mt 16, 23
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
O mundo de facilidades que temos hoje, comparando com outros tempos, podem nos tentar a desistir de nossas opções, quando as dificuldades aparecem. Não procuramos sofrimentos, mas pagamos sempre um preço por nossas escolhas. Sermos teus seguidores tem também seu preço. Tu, Senhor Jesus, fizeste a escolha de comunicar a vida de Deus aos pecadores e a realizaste com absoluta fidelidade. A cruz que te impuseram, tu a abraçaste com amor. Deste a tua vida por nós. Ensina-nos a trilhar o teu caminho. Seja  bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Pode ser que hoje apareça uma oportunidade para você aconselhar alguém num momento de dificuldade. Aconselhe a fazer como Jesus, a não desistir dos seus sonhos e dos sonhos de Deus.  

Pe. João Carlos Ribeiro – 08 de agosto de 2019.

20181230

A SUA FAMÍLIA É SAGRADA

Jesus desceu então com os seus pais para Nazaré e era-lhes obediente (Lc 2, 49)

30 de dezembro de 2018

Dentro da oitava do natal, celebramos, hoje, o Domingo da Sagrada Família, a família de Jesus, Maria e José.  Celebrando a família de Nazaré, celebramos a nossa própria família, que é também sagrada, berço da fé, igreja doméstica. O evangelho de hoje dá notícia da angústia de José e Maria que se desencontraram do filho na volta da romaria da páscoa, em Jerusalém  e só o encontraram três dias depois. Que susto grande eles passaram! É verdade que o garoto já tinha doze anos, idade na qual o judeuzinho era integrado na comunidade judaica com os direitos e deveres de um adulto. Mas, desaparecer assim, sem aviso... Poderia, pelo menos, ter mandado um recado pelos colegas ou vizinhos que estavam na mesma caravana. Bom, o garoto ficou no Templo e foi encontrado, três dias depois, sentado no meio dos doutores, ouvindo e fazendo perguntas. “Mas, meu filho, olha que teu pai e eu estávamos, angustiados, à tua procura. Por que você fez isso com a gente?”. O menino procurou se explicar e voltou pra casa com eles.

Então, mesmo na Sagrada Família, há desencontros. O adolescente Jesus, num gesto de independência próprio de sua idade, deu um susto nos pais que depois de um dia de viagem tiveram que voltar procurando-o, cheios de preocupação. Outra situação difícil da sagrada família, lembramos recentemente, foi a fuga para o Egito, por causa da perseguição de Herodes. É, problemas não faltam na vida de uma sagrada família, como a de Jesus e como a nossa também.

A palavra de Deus, hoje, proclamada em nossas celebrações, traz conselhos preciosos para toda a família: pais, mães e filhos. Um conselho muito especial é para os pais: NÃO SE AFASTAR DE DEUS. O salmo 127(128) é todo para os pais: “Feliz és tu, se temes o Senhor e trilhas os seus caminhos”. Esse é o homem abençoado: o que teme e anda com Deus. Sua esposa, seus filhos, seu trabalho, tudo vai andar bem. A carta aos Colossenses também tem um conselho para o esposo: amar sua mulher, não ser grosseiro com ela. Pais, acolham este conselho: não se afastem de Deus!

O conselho especial para as mães está no evangelho, é fazer como Maria: GUARDAR AS COISAS BOAS NO CORAÇÃO. Foi isto que Maria fez depois que encontrou seu filho no Templo e o levou pra casa. O menino deu uma resposta inesperada: “Por que estavam me procurando? Não sabem que devo estar na casa de meu Pai?”. Tanta coisa vinha acontecendo desde que o anjo tinha falado com ela. Coisas de Deus, maravilhosas, surpreendentes... E Maria guarda, medita tudo isso no coração. Ela toca o mistério de Deus, com respeito e admiração. Guardar é conservar memória, fotos, cartas, as histórias de cada um, e conservar todos em oração.  A mãe toca o mistério de Deus muito de perto, no seio de sua família, na gravidez, no nascimento, em cada passo de crescimento ou de crise dos seus filhos. Ela é a memória viva da família, a memória grata a Deus, guarda tudo no coração. Ela é o coração da família. Mas, procura guardar as coisas boas, os bons momentos, as inspirações de Deus. Guarda tudo no cofre do seu coração. Quando alguém precisa, já sabe onde encontrar. Mães, fiquem com esse conselho: guardem as coisas boas de sua família no seu coração.

O conselho especial para os filhos está no gesto de Jesus: HONRAR E OBEDECER OS SEUS PAIS. É o que aconteceu com ele: “desceu então com os seus pais para Nazaré e era-lhes obediente”. O livro do Eclesiástico (Eclo 3) comenta o mandamento de Deus de honrar pai e mãe: “Quem honra o seu pai alcança o perdão dos pecados; evita cometê-los e será ouvido na oração quotidiana. Quem respeita a sua mãe é como alguém que ajunta tesouros”. Também aí no livro do Eclesiástico há uma preocupação com os pais idosos. Aliás, o Papa Francisco, em nome da Igreja, tem manifestado preocupação com a situação de desrespeito e abandono de muitos idosos. Então, é muito atual, o que está escrito nesse livro bíblico: “Meu filho, ampara o teu pai na velhice e não lhe causes desgosto enquanto ele vive.  Mesmo que ele esteja perdendo a lucidez, procura ser compreensivo com ele; não o humilhes em nenhum dos dias de sua vida”. Filhos, este conselho é pra vocês: honrem e obedeçam os seus pais!

Guardando a mensagem

Neste domingo da Sagrada Família de Jesus, Maria e José, recolhemos conselhos para os pais e para os filhos. Para o pai e esposo: não se afastar de Deus; Para as mães e esposas: guardar as coisas boas no coração; Para os filhos: honrar e obedecer seus pais. E toda atenção com os pais idosos: amor, amparo, compreensão e respeito.

Jesus desceu então com os seus pais para Nazaré e era-lhes obediente (Lc 2, 49)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
nasceste e cresceste numa família humana tão especial! Nossas famílias também são especiais, porque nasceram do amor e são sustentadas pela tua graça. Elas são comunidades de fé, berço da vida, igrejas domésticas. Abençoa, Senhor, os pais, as mães, filhos e filhas, os avós, os tios e primos. Que a teu exemplo, os filhos vivam o mandamento de honrar e obedecer a seus pais. Que a exemplo de Maria, tua mãe, as mães guardem tudo no seu coração, em profunda comunhão contigo. Que a exemplo de José, teu pai adotivo, os pais nunca se afastem de Deus e honrem suas esposas com um amor fiel. Abençoa, hoje, de maneira especial, os idosos de nossas famílias. Que eles se sintam amados e valorizados. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Muita coisa você pode fazer, hoje, por sua família, especialmente rezar por todos de sua casa. Mas, posso lhe dar mais uma sugestão. Procure, hoje, sem pressa, tomar ao menos uma refeição na companhia de seus familiares.

Pe. João Carlos Ribeiro – 30.12.2018

20181122

UM DIA DE LÁGRIMAS E GRATIDÃO

Quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar (Lc 19, 41)
22 de novembro de 2018.
Você já esteve em Aparecida?  Quando se avista, ainda longe, a cúpula do Santuário Nacional, vem um aperto no peito, uma emoção que leva o peregrino às lágrimas. Acontece o mesmo quando você vai chegando a Juazeiro do Norte ou à Basílica de São Pedro, no Vaticano.
O povo de Deus amava a cidade santa de Jerusalém. Os salmos falam disso: “se eu me esquecer de ti, Jerusalém,  que minha língua se cole na minha boca”. Em cada romaria, chegavam à cidade santa milhares de pessoas do país e de fora. Jesus mesmo, desde os 12 anos, participava anualmente de peregrinações  à cidade santa.
A cidade estava construída sobre o Monte Sião. De longe, ela era vista toda cercada de uma grande muralha, com seus portões altos, belos palacetes e o grande Templo de Deus. Quando o Peregrino vinha chegando, ao ver no horizonte a bela cidade de Davi, ficava emocionado. Estava chegando à Cidade de Deus, à casa da grande família do povo da aliança.
No evangelho de hoje, Jesus vinha chegando, como peregrino, com seus discípulos, depois de muitos dias de viagem a pé. Estavam chegando para a festa da páscoa. Quando Jesus avistou a cidade, ficou emocionado, começou a chorar. A primeira razão das lágrimas do nosso Mestre, com certeza, foi a emoção de estar chegando à cidade santa, por tudo que ela representava afetivamente para um judeu piedoso como ele.
Mas, havia uma segunda razão para aquela emoção tão forte. Olha o que ele disse: “Se tu compreendesses hoje o que te pode trazer a paz!”. É que aquela cidade, representação do próprio povo de Deus, não o tinha reconhecido como o enviado do Pai. Apesar de todo o seu trabalho profético, por todo o país, Jerusalém continuava agressiva e impenitente.  Estava, na verdade, armando-se para entregá-lo aos estrangeiros romanos e para exigir a sua condenação como malfeitor. Que pena, que chance estava perdendo, não reconhecendo a visita que estava recebendo!
Mas, há uma terceira razão para as lágrimas do Senhor.  Ele sofre no coração por que enxerga mais: Jerusalém vai ficar entregue ao seu pecado. A consequência disso será a destruição, que em breve aconteceria pelas armas dos romanos. Não ficaria pedra sobre pedra. Jesus se entristece, se emociona, chora. Os discípulos ouviram o lamento dele: “Não conheceste o tempo em que foste visitada”.
Guardando a mensagem
A cidade de Jerusalém não acolheu Jesus, não reconheceu o dia que Deus marcou para o seu encontro com o Messias. Jerusalém  pode ser também uma representação de sua própria vida, de sua família, de sua comunidade. Hoje, o Senhor nos visita, porque hoje é o dia salvação. Faça como Zaqueu, abra as portas de sua casa e de sua vida para receber Jesus. Não faça como Jerusalém, que fechou as portas para ele, que o perseguiu e o executou fora da cidade. O fim de Jerusalém é o fim de qualquer pessoa, família ou comunidade que perca a grande chance de acolher Jesus, de se converter, de abrir seu coração para o Reino. O que o fechamento para Deus, o pecado, realmente produz é a destruição.
Quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar (Lc 19, 41)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Estavas chegando, a pé, à cidade santa, depois de muitos dias de viagem, em que além da distância, estavas cuidando da formação dos teus discípulos.  Sentiste o coração apertado ao avistar Jerusalém, que aprendeste a amar como judeu piedoso que eras. A tua emoção de peregrino se misturou com a tristeza do fechamento do teu povo à tua presença de enviado do Pai. Antevias, com aflição, os dias da tragédia da destruição da cidade santa pelos exércitos romanos. Senhor, que nossas famílias e nossa sociedade não se fechem à tua presença ou fiquem indiferentes à pregação do teu Evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Sendo hoje o dia nacional de ação de graças, comece agradecendo ao Senhor Jesus porque tem visitado você, diariamente, com sua palavra. Depois, acrescente outros agradecimentos (razões não faltam, não é verdade?!).

Pe. João Carlos Ribeiro – 22.11.2018

20180324

O SEGREDO DO JUMENTINHO


Levaram, então, o jumentinho a Jesus, colocaram sobre ele seus mantos, e Jesus montou (Mc 11, 7)

25 de março de 2018.

Com certeza, você já participou de muitas romarias. Uma romaria ou uma peregrinação é uma experiência única, que desperta muitos sentimentos e nos deixa muitas saudades. Imagine-se participando da peregrinação anual da páscoa, indo a Jerusalém, com muitos peregrinos. Vamos lá... imaginação funcionando. Pronto?! Já estamos no meio dos peregrinos que estão indo à cidade santa de Jerusalém, na romaria da páscoa. Agora, não haja como turista. Nós somos desse povo. Vai todo mundo a pé, claro. Alguma família leva seu burrinho ou seu jumento com alguém montado e com provisões para a viagem. A páscoa é aquela festa em que se celebra a saída do Egito: Deus libertou nosso povo da escravidão do faraó.  O povo que vem da Galileia, do norte do país, como nós, que é uma região mais baixa, diz sempre que está subindo a Jerusalém.  Então, estamos subindo a Jerusalém, peregrinando para a festa da páscoa.

À medida que se avança, mais gente vai se juntando na caminhada. Olha, não esqueça de saudar quem se aproxima ou responder à saudação que lhe fizerem: Shalom!  Isso, Shalom. Olha, todo esse povo que vem da Galileia já ouviu falar de Jesus. Há três anos ele peregrina por todo o país, sobretudo pela Galileia, com suas pregações e seus milagres. Aliás, grande parte desse povo já o viu, já ouviu alguma pregação dele e todo mundo sabe contar coisas maravilhosas que ele fez. Jesus é um profeta querido desse povo simples. E como ele, como bom judeu que é, também participa das peregrinações a Jerusalém, é bem capaz de a gente encontra-lo por lá.

Por lá, nada. Olha quem está ali na frente... Jesus. Jesus de Nazaré. Vai ali na frente. Corre. Olha os discípulos dele, olha o povo que anda com ele... e eles estão parando. Estão trazendo um jumentinho pra ele montar. Escuta o que eles estão dizendo. Alguém ouviu? Ah, eles disseram que o profeta mandou pedir o jumentinho emprestado. Será que ele está cansado? Acho que não. Escuta o que esse senhor aí está dizendo... ele está dizendo que nas escrituras, livro do profeta Zacarias, está escrito que Jerusalém se alegrasse, porque o seu rei estava chegando montado num jumentinho. Ele sabe o texto de cor... “o teu rei está chegando, justo e vitorioso. Ele é pobre, vem montado num jumento. Ele vai dispensar os carros de guerra, os cavalos e as armas de guerra. Sua palavra é de paz para as nações”. (Zc 9,9).  Quem sabe se o profeta de Nazaré não seja o filho de Davi que o povo está esperando, o rei que Deus prometeu!

Olha que coisa. É como um rei que está chegando à sua capital. Não é um rei montado a cavalo, como os romanos ou como os grandes senhores. Ele não chega com a força de um exército. É um rei pobre, desarmado, cercado de gente simples, um rei de paz. Será que o povo está entendendo o significado de tudo isso? Acho que sim.. olha que o povo está fazendo. Está tirando a capa que é vestida sobre a túnica e formando um tapete para ele passar no seu jumentinho. E outros, estão cortando ramos de árvores para forrar o chão... corre, chega mais perto, estão gritando alguma coisa. Dá para escutar? Alguma coisa com “Davi”.  Estão gritando Hosana. O que é “hosana”? É uma palavra que está exprimindo a alegria que eles estão sentindo. Uns gritam uma coisa outros gritam outra. Estão saudando o rei. “Hosana ao filho de Davi. Bendito o que vem em nome do Senhor.”

É, muita gente... E já estamos entrando na cidade santa. É uma emoção só. A emoção de entrar por esses portões sagrados e a emoção de estar caminhando com Jesus, esse homem de Deus tão surpreendente.  E o povo da cidade está saindo das casas pra ver o que está acontecendo. O barulho está chamando a atenção. A mulher ali está perguntando: “Quem é este homem? Quem é este homem?” Responde você... certo.. “Este é o profeta Jesus, de Nazaré da Galileia”. Respondeu bem.

A gente volta daqui. É só o começo de uma semana muito especial, aqui em Jerusalém. E na vida da gente também. Amanhã, a gente se encontra na casa de Lázaro. Sim, lá em Betânia. Obrigado pela companhia. 

Levaram, então, o jumentinho a Jesus, colocaram sobre ele seus mantos, e Jesus montou (Mc 11, 7)

Vamos rezar a Palavra

Salmo 118

Este é o dia que o Senhor fez: exultemos e alegremo-nos nele. Dá, Senhor, tua salvação. Dá, Senhor, tua vitória. Bendito o que vem em nome do Senhor. Da casa do Senhor, abençoamos vocês. O Senhor é Deus, ele nos iluminou. Formem a procissão com ramos frondosos até os lados do altar. Tu és meu Deus e te rendo graças.

Vamos viver a Palavra

Um conselho pra você: Planeje a sua Semana Santa para que ela seja santa. Evite festas, passeios, excursões, comilanças, bebedeira ou qualquer coisa que mostre clima de feriado pagão. O Tríduo Pascal (quinta-feira santa, sexta-feira da paixão e sábado de aleluia) são dias de oração, de comunhão com o Senhor. Ele foi traído, torturado, condenado e executado como um malfeitor, no seu lugar. O pecador é você, não é ele. Viva com ele os dias de sua paixão, para viver sempre, com ele, a alegria da páscoa da ressurreição.

Pe. João Carlos Ribeiro  - 09.04.2017/25.03.2018

20171122

O DIA EM QUE CRISTO CHOROU


MEDITAÇÃO
PARA A QUINTA-FEIRA,
DIA 23 DE NOVEMBRO
Quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar (Lc 19, 41)
Você já foi à Aparecida?  Quando se avista, ainda longe, a cúpula do Santuário Nacional, vem um aperto no peito, uma emoção que leva o peregrino às lágrimas. É ou não? Acontece o mesmo quando você vai chegando ao Juazeiro do Norte ou à Basílica de São Pedro, no Vaticano.
O povo de Deus amava a cidade santa de Jerusalém. Os salmos falam disso:  “se eu me esquecer de ti,  Jerusalém,  que minha língua se cole na minha boca”. Em cada romaria, chegavam à cidade santa milhares de pessoas do país e de fora. Jesus mesmo, desde os 12 anos, participava anualmente de peregrinações a Jerusalém.
A cidade estava construída sobre o Monte Sião. De longe, ela era vista toda cercada de uma grande muralha, com seus portões altos, belos palacetes e o grande Templo de Deus. Quando o Peregrino vinha chegando, ao ver no horizonte a bela cidade de Davi, ficava emocionado. Estava chegando à Cidade de Deus, à casa da grande família do povo da aliança.
No evangelho de hoje, Jesus vinha chegando, como peregrino, com seus discípulos, depois de muitos dias de viagem a pé. Estavam chegando para a festa da páscoa. Quando Jesus avistou a cidade, ficou emocionado, começou a chorar. A primeira razão das lágrimas do nosso Mestre, com certeza, foi a emoção de estar chegando à cidade santa, por tudo que ela representava afetivamente para um judeu piedoso como ele.
Mas, havia uma segunda razão para aquela emoção tão forte. Olha o que ele disse: “Se tu compreendesses hoje o que te pode trazer a paz!”. É que aquela cidade, abençoada pela história da fé do povo eleito e pela presença de Deus no seu Templo, não o tinha reconhecido como o enviado do Pai. Apesar de todo o seu trabalho profético, por todo o país, Jerusalém continuava agressiva e impenitente.  Estava, na verdade, armando-se para entregá-lo aos estrangeiros romanos e para exigir a sua condenação como malfeitor. Que pena, que chance estava perdendo, não reconhecendo a visita que estava recebendo!
Mas, há uma terceira razão para as lágrimas do Senhor.  Ele sofre no coração por que enxerga mais: Jerusalém vai ficar entregue ao seu pecado. A consequência disso será a destruição, que em breve aconteceria pelas armas dos romanos. Não vai ficar pedra sobre pedra. Jesus se entristece, se emociona, chora. Os discípulos ouviram o lamento de Jesus: “Porque tu não conheceste o tempo em que foste visitada”.
Vamos guardar a mensagem de hoje
A cidade de Jerusalém que não acolheu Jesus, que não reconheceu o dia que Deus marcou para o seu encontro com o Messias, pode ser também uma representação de sua própria vida, de sua família, de sua comunidade e até de sua instituição. Hoje, o Senhor nos visita, porque hoje é o dia salvação. Faça como Zaqueu, abra as portas de sua casa e de sua vida para receber Jesus. Não faça como Jerusalém, que fechou as portas para ele, que o perseguiu e o executou fora da cidade. O fim de Jerusalém é o fim de qualquer família, comunidade ou instituição que perca a grande chance de acolher Jesus, de se converter, de abrir seu coração para o Reino. O que o pecado, o fechamento para Deus, realmente produz é a destruição.
Vamos acolher a mensagem de hoje com uma prece

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...