Mostrando postagens com marcador Mc 8. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mc 8. Mostrar todas as postagens

21 fevereiro 2020

QUEM É O CENTRO DE SUA VIDA?

De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, se perde a própria vida (Mc 8, 36)

21 de fevereiro de 2020



O chamado de Jesus é para que o sigamos. “Se alguém quer me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e me siga”. Começa-se por renunciar a si mesmo, já não ser mais o centro e a medida de tudo. Trata-se de você acolher Jesus como guia de sua existência, escolhendo o seu caminho. Caminhar com ele, nos caminhos dele. Não andar atrás de outro que não seja Jesus, nem ficar dando voltas em torno de si mesmo. Renunciar a ser o centro de sua própria vida. E carregar a própria cruz: o peso de suas responsabilidades, as dificuldades e os problemas que lhe tocam. Não fugir dos problemas próprios da existência. E não deixar que eles nos desviem do caminho do Mestre. Somos seguidores dele. Ele nos leva ao Pai. É para lá que a gente está indo. Com ele.

O que no final vai mesmo valer a pena? No fim do caminho, estaremos frente à frente com Deus ou teremos nos desviado tanto dele durante a vida, que poderemos estar irremediavelmente distantes, perdidos. É uma possibilidade, porque Deus nos criou dotados de liberdade.

É que a gente corre tanto, desgasta-se na luta pela sobrevivência, procurando dar conta das responsabilidades inerentes à existência humana (ou dos fardos que arrumamos por nossa conta pra carregar)... Corremos tanto que podemos até esquecer para onde nós estamos indo. Deus não nos chamou à vida apenas para passar de fase: ser criança, jovem, adulto, velho... velho não, idoso. E terminar o nosso tempo bem velhinhos. Deus tem um projeto maior, mais nobre: chegarmos à plenitude e à felicidade de filhos, herdeiros de sua glória. Essa é a meta.

Como é triste vermos uma pessoa viver agarrada exclusivamente às coisas desta terra, coisas que passam, que ninguém leva quando morre. É claro, a gente tem que lutar, tem que se empenhar pra ter as coisas, para melhorar a própria qualidade de vida. Mas, aqui não é tudo, nem isso é o mais importante. Deus é que é o nosso endereço, a nossa meta. Estamos aqui vivendo, por iniciativa dele. Saímos dele. Voltamos a ele. O caminho que nos leva a ele é Jesus. É em Deus, a nossa completa realização.

Guardando a mensagem

Jesus nos convida ao seu seguimento. Ele sabe para onde nos levar. Ele nos leva para nossa completa felicidade, nos leva ao Pai. Toda a nossa vida é uma grande caminhada. Seguindo Jesus, acertamos o caminho. Jesus colocou duas condições para quem aceita o convite para segui-lo: renunciar a si mesmo e carregar a própria cruz. Foi o caminho que ele também tomou: esvaziou-se a si mesmo, na sua encarnação; e carregou com fidelidade a cruz da paixão, cruz do nosso pecado. Foi assim que ele venceu. Ele é o caminho. Vale a pena a vida que trilhar esse caminho.

De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro mas perder a sua vida? (Mt 16, 26)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

O risco é nós sermos seguidores de nós mesmos. Esse sentimento de autonomia é uma coisa positiva, claro. Mas, Senhor, quando leva a pessoa a excluir Deus de sua existência, aí a pessoa fica dando voltas sobre si mesma, sem rumo, nem direção. Sem Deus, que é nossa meta última, nós acabamos endeusando os bens dessa terra ou pessoas que nos pareçam maravilhosas. No fim, os bens passam e as pessoas decepcionam. Senhor, como cristãos, escolhemos um caminho pra seguir. Renunciando a nós mesmos e carregando o peso dessa vida, nós seguimos contigo. Tu és o caminho, a verdade e a vida. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

No seu caderno espiritual, escreva uma breve oração, inspirando-se no que Jesus nos disse: “Se alguém quiser me seguir, renuncie a si mesmo, tome sua cruz e me siga”.

21 de fevereiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20 fevereiro 2020

ARREDA, SATANÁS!

Vai para longe de mim, Satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens (Mc 8, 33)

20 de fevereiro de 2020

Não sei se você já reparou. Tem amigos que fazem o papel do diabo, do tentador. Alguns parentes também. Esses tais nos aconselham exatamente aquilo que Deus não gostaria que fizéssemos. Numa crise conjugal, por exemplo, tem um amigo que chega junto e aconselha: “cara, deixa essa mulher. Ela não merece você!”. Olha que conselho! Em vez de incentivar a reaproximação, a reconciliação, aconselha a separação. Faz o papel do tentador. O tentador procura afastar a pessoa do caminho de Deus, em nome da modernidade dos costumes ou do que parece mais prazeroso ou do que exige menos esforço. Agora, me diga, o que vai pra frente sem entrega, doação, compromisso? Bandeando-se pro lado do se dar bem a qualquer custo, a gente, na verdade, está renunciando a verdadeira felicidade.

Olha o que conta o evangelho de hoje. Jesus estava explicando aos discípulos que ele devia ir a Jerusalém e sofrer muito, na realização de sua missão. Notou isso? “Sofrer muito”. Seria rejeitado pelos líderes do seu povo que o entregariam à morte, mas ressuscitaria ao terceiro dia. Essa era uma passagem difícil do caminho de Jesus: a rejeição e a morte. E ele não queria fugir desse momento. Estava resolvido a enfrentar esse sofrimento, com a doação de sua vida e com total confiança no Pai.

Se dependesse de Pedro, a história de Jesus teria sido outra. Ele dispensaria o capítulo da paixão e da morte. Jesus realizaria toda a sua missão sem sofrimento, sem precisar passar pelo vexame da cruz. O que Pedro queria é o que nós queremos. Não queremos assumir os sofrimentos, as provações que vêm junto com nossa opção por Jesus Cristo e pelo seu evangelho. Seguir Jesus, tudo bem. Sofrer como ele, alto lá. Triunfo, sim; cruz, não. Na primeira crise, o casamento deságua em divórcio. Numa avaliação mais rigorosa do professor, abandona-se a faculdade. No meio de uma crise existencial, o reverendo abandona o ministério. Basta uma cara feia do coordenador de minha pastoral que eu desisto, ‘não estou aqui para sofrer’. Fugimos de qualquer sofrimento.

Pedro chamou Jesus à parte e o repreendeu. “Não diga uma coisa dessa. Tire da cabeça esse negócio de se dar mal em Jerusalém. Deus não vai permitir uma desgraça dessa. Isso não vai lhe acontecer”. A reação de Jesus espantou os discípulos: “Vade retro, satanas!”- “Afaste-se de mim, satanás! Você não está pensando segundo o que Deus quer, mas segundo a vontade do homem”. Foi um choque para Pedro e para os seus colegas. Um pouco antes, Pedro tinha sido elogiado porque tinha reconhecido que Jesus era o Messias. E agora, Jesus o estava tratando como satanás, o tentador. É isso mesmo! Quem proclama que Jesus é o Messias tem também que subir com ele o calvário.

Todo o evangelho é um convite a nos tornarmos seguidores de Jesus. Seguidor é o que percorre a mesma estrada do Mestre, quem faz o seu caminho. O caminho de Jesus é a entrega total de si mesmo pelos outros. Discípulo é quem o segue. E quem o segue, por causa de sua fé, por causa do Reino que Jesus pregou, pode passar também por alguma dificuldade, por algum sofrimento. Pode ser que, por causa de sua adesão a Jesus e sua Igreja, vá passar por críticas, discriminação, difamação. É bom fazer como Jesus: reconhecer a tentação de afastar-se do caminho de Deus e assumir com firmeza, destemor e coerência o seu caminho de fé, na Igreja. 

Guardando a mensagem

Ninguém quer sofrer. Todo mundo foge do sofrimento. Vivemos a ‘civilização do analgésico’. O evangelho nos faz um convite: seguir Jesus. Jesus nos alerta sobre o sofrimento que existe no seu caminho. Quem o quiser seguir, precisa renunciar a ser o centro de sua vida, para realizar a vontade de Deus. Claro, a vontade de Deus não é que a gente sofra. E não é de qualquer sofrimento que Jesus está falando. A sua escolha foi entregar sua vida pelos outros, em obediência à vontade salvadora do Pai. Quem o quiser seguir, tem que estar pronto para participar também da travessia difícil do sofrimento que vem por causa da fé e do evangelho que se abraça. Seguir com Jesus não é estar com ele só nos Aleluias da Páscoa, mas estar com ele também nas dores da Paixão.

Vai para longe de mim, Satanás! Tu não pensas como Deus, e sim como os homens (Mc 8, 33)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

O mundo de facilidades que temos hoje, comparando com outros tempos, pode nos tentar a desistir de nossas opções, quando as dificuldades aparecem. Não procuramos sofrimentos, mas pagamos sempre um preço por nossas escolhas. Sermos teus seguidores, Jesus, tem também seu preço. São renúncias a se fazer, o peso da fidelidade e da perseverança nas horas difíceis, a incompreensão, a discriminação, até a perseguição, em muitos casos. Tu, Senhor Jesus, fizeste a escolha de comunicar a vida de Deus aos pecadores e a realizaste com absoluta fidelidade. A cruz que te impuseram, tu a abraçaste com amor. Deste a tua vida por nós. Ensina-nos a trilhar o teu caminho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Pode ser que hoje apareça uma oportunidade pra você aconselhar alguém num momento de dificuldade. Aconselhe a fazer como Jesus, a não desistir dos seus sonhos e dos sonhos de Deus. 

20 de fevereiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb




19 fevereiro 2020

O CEGO QUE VIU ÁRVORES ANDANDO

Estás vendo alguma coisa? (Mc 8, 23)

19 de fevereiro de 2020.

Hoje, temos mais uma história de cego. No evangelho, são várias. Por um lado, essas histórias nos mostram, plasticamente, a missão de Jesus acontecendo. Quando Jesus leu, na Sinagoga de Nazaré, a passagem que falava sobre sua missão, havia uma lista de sofredores: os pobres, os presos, os cegos, os oprimidos. Neles, se veria claramente a realização de sua missão: a evangelização dos pobres, a libertação dos presos e oprimidos e a recuperação da vista dos cegos. Então, em todas as histórias de cura do evangelho, vai se mostrando a obra redentora de Jesus acontecendo.

É claro que você está entendendo que, mesmo essas curas e libertações acontecendo, elas significam muito mais. Elas demonstram a obra de Jesus que não era exatamente curas as pessoas, mas restaurar a humanidade decaída pelo pecado, comunicando-lhe o amor de Deus. Essas histórias também nos dizem como as pessoas estão acolhendo a obra de Jesus em suas vidas.

Então, trouxeram um cego a Jesus. Jesus o tomou pela mão e o levou para fora do povoado. Cuspiu nos seus olhos, pôs as mãos sobre ele. O cego disse que estava vendo os homens como árvores andando. Jesus pôs de novo as mãos sobre os olhos dele. Ele ficou vendo tudo. Jesus o mandou pra casa.

Uma bela imagem da obra de Jesus como restauração da obra prima de Deus desfigurada pelo pecado meditamos, na semana passada, na história do surdo-mudo. A história de hoje tem traços dessa narração. Cuspir nos olhos do cego, por as mãos sobre os seus olhos evocam o artesão do barro consertando a sua obra quebrada. A antiga narração da criação do homem falava do boneco de barro que Deus fez e soprou nas suas narinas para lhe comunicar a vida.

Bem, a figura do cego também nos remete ao tema da fé, da adesão à pessoa de Jesus e ao anúncio do seu evangelho. A narração dos milagres, nos evangelhos, são catequeses sobre Jesus e nosso encontro com ele. É assim que podemos olhar para esse texto, como uma catequese sobre a fé. As histórias de cegueira física, no evangelho, são particularmente formas de falar da cegueira espiritual, da resistência ou da incompreensão diante da pessoa de Jesus ou do projeto de Deus. Cegueira, neste sentido, representa a falta de fé.

É muito interessante que esse cego não se curou de vez. A gente sempre fica esperando que a evangelização produza uma conversão radical, uma fé iluminada. A lição de hoje é que fé também cresce, passa por etapas, vai amadurecendo. Jesus é sempre o mesmo, ele nos evangeliza, nos restaura em nossa condição de pecadores. Num certo momento, nós começamos a ver, mas ainda meio confusamente. O cego já via, mas lhe parecia que os homens eram árvores andando. O serviço evangelizador de Jesus continuou. Daqui a pouco, sua visão já estava mais limpa e ele começou a ver tudo claramente.

Guardando a mensagem

Pela evangelização, o Senhor vem ao nosso encontro, gente desfigurada pelo pecado. Num primeiro momento, nossos olhos antes cegos começam a enxergar, mais ainda confusamente. É já a luz da fé em nós. É com a fé que acolhemos a obra de Deus em nosso favor, mas ainda de maneira muito imperfeita. A continuidade do serviço da evangelização vai nos conduzindo a ter uma fé cada vez mais forte, que nos leva a amar e a seguir Jesus, salvador da nossa humanidade decaída. Essa mesma fé é uma luz para compreendermos, com o olhar de Deus, a realidade ao nosso redor. Vemos melhor para nos conduzir melhor nesta vida. Vendo claramente o irmão caído na estrada, nos comprometemos com ele, como o bom samaritano.

Estás vendo alguma coisa? (Mc 8, 23)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Muitos de nós, ainda estão cegos. Não te vêem, não vêem o mundo com a tua luz. Dá-lhes, Senhor, a luz da fé, para que abracem a verdade e vivam iluminados por teu evangelho. Muitos de nós, ainda não vêem claramente. Enxergam o mundo, os outros, o futuro de maneira vaga e confusa. Têm apenas uma fé inicial. Continua, Senhor, a evangelizá-los, para que te reconheçam claramente e vejam o mundo com a tua luz. Nós te rendemos graças, Senho, pelos que, pela fé, acolhem a verdade que revelas sobre o mundo, sobre o homem, sobre Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje, reze muitas vezes durante o dia, com aquelas palavras dos discípulos de Jesus no evangelho: “Senhor, aumenta a minha fé”.

19 de fevereiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb




18 fevereiro 2020

VOCÊ CONSEGUE VER A DIFERENÇA?

Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).

18 de fevereiro de 2020

Os discípulos estavam discutindo a respeito de pão, de comida. Eles tinham se esquecido de levar pão para a viagem. E olha que eles tinham presenciado Jesus alimentar a multidão com poucos pães, por duas vezes. E até, nesta ocasião, tinham recolhido vários cestos de sobra de pães. Mas, estavam discutindo, se desentendendo, um pondo a culpa no outro... a discussão estava esquentada. Foi quando Jesus fez uma advertência que eles não entenderam: "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes". Eles não entenderam. E você entendeu?

Jesus aproveitou a situação para ajudá-los a pensar. Ele queria que eles prestassem atenção ao modo como ele conduzia a sua missão. Esse era o bom fermento que eles precisavam imitar. Era assim que eles precisavam agir. Ficassem atentos ao modo como Jesus fazia as coisas. Mas também prestassem atenção ao modo como os fariseus se comportavam em suas práticas. Comparando, poderiam perceber uma grande diferença. "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes!"

E como era o fermento de Jesus, isto é, com que sentimentos, atitudes e valores Jesus estava no meio do povo? Com que fermento, ele fazia o seu pão, realizava a sua missão? Os discípulos podiam ver... Jesus agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Aqui estava toda a diferença. Agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Vamos explicar melhor. Compaixão é uma palavra frequente nos evangelhos falando do encontro de Jesus com os sofredores, os doentes, os excluídos. Compaixão é amor, misericórdia, ternura, solidariedade, tudo junto. Agia movido pela compaixão. E valorizava a partilha, isto é, a participação de cada um, colocando o seu pouco em comum. Ele recebeu a partilha da criança – alguns pães e poucos peixes – e repartiu com todos. Ele mesmo estava a serviço do seu povo. Não se comportava como um senhor poderoso, mas como um servo. Veio para servir, não para ser servido. No final, lavou os pés dos discípulos, para não restar qualquer dúvida sobre isso. Compaixão, partilha e serviço. Esse é o fermento de Jesus.

Os discípulos precisavam estar atentos também ao fermento dos fariseus e de Herodes, para ver a diferença. E tomar distância do estilo deles. Em que consistia o fermento deles? Consistia em agir com hipocrisia, com desprezo às pessoas e buscando sempre os próprios interesses. Jesus desmascara o comportamento hipócrita deles: exigem dos outros, mas eles mesmos não praticam; criam leis para os outros, fingindo que as cumprem. Hipocrisia. Mas também desprezavam os pobres, tomando-os por ignorantes, iletrados, pecadores. O que Herodes queria mesmo era riqueza e poder. Herodes é o poder opressor que perseguiu e decapitou João Batista. Esse é o fermento mal, o dos fariseus e o de Herodes: hipocrisia, desprezo ao povo e busca de privilégios.

Guardando a mensagem

O fermento de Jesus é o modo como ele se conduz na realização de sua missão. Três palavras podem definir o bom fermento do Mestre: compaixão, partilha e serviço. O estilo dos fariseus e o estilo de Herodes continuam hoje de outra forma. No fundo é o mesmo: buscando vantagens para si mesmos, desprezando os mais simples e fazendo apenas o jogo da aparência. Esse estilo não pode ser imitado por nós, nem pelos nossos líderes, nem pelos ministros da Igreja. Somos imitadores de Jesus. Precisamos guiar nossas ações pelo fermento de Jesus.

Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Nós somos os teus discípulos. E tomamos para nós essa tua chamada de atenção. Em nossa vida, em nosso trabalho, em nossa convivência em família ou em sociedade, é assim que precisamos viver: com o bom fermento do teu modo de agir. O teu fermento é o amor solidário, a valorização da partilha na busca de soluções e o espírito de serviço aos outros. Disseste para termos cuidado com o fermento dos fariseus e de Herodes. O fermento dessa turma é conhecido: não fazerem o que ensinam, discriminarem tudo que é popular e a gananciosa corrida para se dar bem a qualquer custo. Obrigado, Senhor, por teu ensinamento. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Um cristão dizer que não dá pra ler um texto da bíblia, porque não a tem à mão, é grave. A Bíblia tem que estar conosco, sempre. Pode até estar instalada no celular. Sendo assim, sugiro que você leia o evangelho de hoje (Mc 8,14-21). 

18 de fevereiro de 2020
Pe João Carlos Ribeiro, sdb

17 fevereiro 2020

ELES QUERIAM UM SINAL

Por que esta gente pede um sinal? Em verdade lhes digo, a esta gente não será dado nenhum sinal (Mc 8, 12)


17 de fevereiro de 2020

Os fariseus fizeram muita raiva a Jesus. Puxa vida! Eles, os mais praticantes da lei de Moisés, foram os que mais lhe criaram problema. Naquele dia, eles vieram e começaram a discutir com Jesus. Jesus gostava de dialogar com as pessoas. O diálogo é sempre útil para quem quer, de verdade, partilhar seus pontos de vista e se enriquecer com a verdade dos outros. Eles, por fim, queriam uma prova, um sinal do céu. Queriam que Jesus mostrasse algo poderoso, algo forte, convincente, que tirasse todas as suas dúvidas. Dúvidas sobre os seus ensinamentos, dúvidas sobre sua identidade.

Naquela altura da discussão, Jesus desistiu. Eles queriam um sinal do céu. Deus não gosta de agir dessa forma. Não pretende convencer com poderosos sinais, com manifestações extraordinárias de poder e autoridade. Isso está fora da lógica da encarnação. A lógica da vinda de Jesus foi a encarnação do Verbo. O Deus onipotente fez-se pequeno, humano. E desceu mais ainda na escala da grandeza, fez-se servo obediente. É o que nos diz o apóstolo Paulo na carta aos Filipenses. Então, os fariseus não contem com um sinal do céu para convencê-los.

Um sinal do céu: isto é para quem abre o coração para a ação de Deus, para quem crê. Nos milagres de Jesus, muitas vezes ele diz: “A tua fé te salvou”. A fé é essa abertura do coração humano para o amor de Deus, para a ação dele. Sem a fé, sem o coração aberto para Deus, impedimos a sua obra em nós. Em Nazaré, Jesus não pode fazer muitos milagres, porque o povo de lá não tinha fé. Deus faz maravilhas, sim, na vida de quem crê. A Virgem Maria reconheceu: “O Senhor fez em mim maravilhas”. E Izabel tinha lhe dito: “Bem-aventurada a que acreditou”. Deus faz maravilhas, sim, na vida de quem crê.

Os fariseus queriam um sinal do céu, um milagre retumbante. Só assim, pensavam eles, acreditariam em Jesus. Como tanta gente que você conhece, eles estavam se movendo na lógica do poder, da força. Julgavam que acreditariam presenciando um milagre espantoso. Mas, eles já tinham presenciado tanta coisa maravilhosa operada por Jesus. Mesmo diante de um outro poderoso sinal, eles levantariam novas suspeitas, arrumariam novas desculpas… Nessa lógica do poder, Deus se imporia com sua grandeza acachapante. A lógica da encarnação do Verbo é outra. No menino perseguido de Belém, está o próprio Deus, a pessoa do Filho. No sofredor, no humilhado, nos desvalorizados da sociedade, você encontra e alimenta, veste, visita, defende o próprio Filho de Deus. Crer não é o resultado de um impactante milagre. Crer é um ato livre, amoroso em resposta à manifestação de Deus na encarnação do Verbo. Os sinais de Deus e do seu amor estão por toda parte, em nossa vida, no cotidiano de nossa existência, bem pertinho da gente. Milagres? Claro, para quem o acolheu na fé.

Guardando a mensagem

Os fariseus queriam um sinal do céu para acreditar em Jesus. Olha o comentário do Mestre: “por que essa gente quer um sinal? A essa gente não será dado nenhum sinal”. E foi embora. A lógica de Deus é a encarnação do Verbo. Jesus veio nos salvar assumindo nossa condição humana, inclusive nossa morte. Os sinais de Deus estão por toda parte, no cotidiano de nossa existência. Coisas maravilhosas, graças, milagres continuam a acontecer... na vida de quem crê. A fé é a porta aberta para a ação maravilhosa de Deus. Então, não fique esperando uma impactante manifestação de Deus para passar a viver intensamente o seguimento de Jesus. A proclamação da Palavra (que vem de Deus, na fraqueza dos evangelizadores) pede uma resposta de sua parte. Sua resposta é a fé. A fé é a aposta do amor que acolhe o Senhor na Gruta de Belém ou na Cruz do Calvário. Entendeu? Deus se manifestou em nossa fraqueza. Que coisa maravilhosa!

Por que esta gente pede um sinal? Em verdade lhes digo, a esta gente não será dado nenhum sinal (Mc 8, 12)

Acolhendo a mensagem

Senhor Jesus,

A tua encarnação – que é a lógica de Deus – está na contramão de nossa cultura. Admiramos e nos dobramos à visão do palácio, não do casebre; da catedral, não da capela; do doutor, não do gari. Tu assumiste a nossa condição humana, e abaixando-te ainda mais, te fizeste servo e servidor de todos. No mais humilde, te manifestas com maior eloquência. No mais sofrido, falas com mais vigor. No oratório humilde, resplende ainda mais a tua glória. Ensina-nos a tua lógica, Senhor. Liberta-nos da lógica do poder e da grandeza. Seja bendito o teu santo, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

No seu caderno de anotações (o seu caderno espiritual), faça uma lista dos sinais de Deus em sua vida.

17 de fevereiro de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb






15 fevereiro 2020

O BANQUETE DE JESUS

Jesus pegou os sete pães e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem (Mc 8,6 ).


15 de fevereiro de 2020

O povo está com Jesus numa região deserta. É uma multidão numerosa, umas quatro mil pessoas. Estão com fome. Jesus, com pena daquela gente, quer alimentá-los. Mas, como? - perguntam os discípulos. Com os sete pães que os discípulos tinham, Jesus alimentou todo mundo. O povo se sentou, Jesus pegou os pães, deu graças e os deu aos discípulos que os distribuíram com a multidão. O mesmo fez com alguns peixinhos. As sobras encheram sete cestos.

Uma história tão simples e tão cheia de significados Sete pães e sete cestos de sobras. Esse mesmo evangelista Marcos conta outra multiplicação de pães. Na outra, sobraram doze cestos. Doze é o número do povo de Deus. Tudo bem. Deus alimenta o seu povo. Nesta, Jesus está em território pagão. Sete é o número das nações pagãs, quando o povo chegou em Canaã. Também os pagãos têm lugar no banquete de Jesus.

Bom, mas eu queria que a gente se concentrasse no lindo significado que tem esse texto, como uma catequese que é da Eucaristia, da Santa Missa. Veja só a pista que o evangelista deixou. Os discípulos comentaram: “Como poderia alguém saciá-los de pão aqui no deserto?”. Pense comigo: quando foi que o povo foi saciado de pão no deserto? Pensou?.... lembrou-se do “maná”? Perfeito. No tempo antigo, o povo que peregrinava no deserto, com fome, sem comida, foi alimentado por Deus com o maná. Deus teve compaixão do seu povo e mandava toda manhã o maná, o pão que descia do céu.

Jesus tem compaixão daquele povo que está com ele já há três dias, com fome, e providencia o alimento. Agora, acompanhe os gestos de Jesus: “Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou os sete pães, e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem. E eles os distribuíam ao povo”. Deu pra todo mundo. Ficou todo mundo satisfeito. As sobras foram recolhidas. E Jesus despediu a multidão. Essas palavras vão se repetir na última Ceia. Essa refeição coletiva é já uma preparação para a Eucaristia, uma espécie de catequese sobre a Santa Ceia. 

Na narração, percebe-se a estrutura da celebração da Eucaristia: o povo reunido em torno de Jesus; Jesus que anuncia o Reino de Deus; Jesus que toma os pães, dá graças, reparte e manda distribuir; a multidão que é alimentada; a despedida. É a estrutura da missa: a acolhida, a mesa da palavra de Deus, a mesa do pão consagrado, a despedida.

Guardando a mensagem

Olha quanta coisa podemos aprender nesse texto: antes do pão, vem a Palavra (Jesus passou três dias anunciando o Reino de Deus ao povo, antes da multiplicação dos pães); a Eucaristia é especialmente partilha, dom de si mesmo aos outros (Os discípulos só tinham sete pães e alguns peixinhos e ofereceram tudo. Eles recebiam os pedaços de pão de Jesus e os entregavam ao povo); a Eucaristia é o próprio Jesus que se entrega em alimento para a multidão faminta (Jesus mesmo parte o pão e o entrega, como se a si mesmo se desse em alimento); toda refeição em família é uma espécie de eco da Eucaristia (ali também damos graças a Deus e abençoamos a comida); as sobras devem ser recolhidas e guardadas (é assim que guardamos a reserva eucarística no sacrário e também aprendemos que devemos evitar todo desperdício de alimento).

Jesus pegou os sete pães e deu graças, partiu-os e ia dando aos seus discípulos, para que os distribuíssem (Mc 8,6 ).

Acolhendo a mensagem

Senhor Jesus,

Vemos nessa cena da multiplicação dos pães no deserto, uma preparação para a Ceia Eucarística que celebraste com teus discípulos, antes de tua paixão e que celebras conosco todos os dias, especialmente no domingo, o dia de tua páscoa. Tu és o pão da vida. Tu a ti mesmo te deste como alimento, verdadeiro maná que alimenta para a vida eterna. Concede-nos, Senhor, que aprendamos contigo a compaixão e a partilha como disposições necessárias para celebrar contigo o sacramento da Eucaristia. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Como estamos em um final de semana, podemos fazer desse texto uma preparação para a Santa Missa do domingo, o dia do Senhor. Na Missa, amanhã, você vai escutar a narração da última ceia, como na multiplicação dos pães no deserto: “tomou o pão, deu graças, partiu e o deu aos discípulos...”. Você também vai estar no meio da multidão faminta, vai receber o alimento da Palavra e da Eucaristia. O mesmo Jesus que alimentou o povo no deserto vai estar lá, cheio de compaixão, dando-se como alimento. Não falte, amanhã, na santa Missa.

15 de fevereiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb