Mostrando postagens com marcador fermento. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador fermento. Mostrar todas as postagens

18 fevereiro 2020

VOCÊ CONSEGUE VER A DIFERENÇA?

Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).

18 de fevereiro de 2020

Os discípulos estavam discutindo a respeito de pão, de comida. Eles tinham se esquecido de levar pão para a viagem. E olha que eles tinham presenciado Jesus alimentar a multidão com poucos pães, por duas vezes. E até, nesta ocasião, tinham recolhido vários cestos de sobra de pães. Mas, estavam discutindo, se desentendendo, um pondo a culpa no outro... a discussão estava esquentada. Foi quando Jesus fez uma advertência que eles não entenderam: "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes". Eles não entenderam. E você entendeu?

Jesus aproveitou a situação para ajudá-los a pensar. Ele queria que eles prestassem atenção ao modo como ele conduzia a sua missão. Esse era o bom fermento que eles precisavam imitar. Era assim que eles precisavam agir. Ficassem atentos ao modo como Jesus fazia as coisas. Mas também prestassem atenção ao modo como os fariseus se comportavam em suas práticas. Comparando, poderiam perceber uma grande diferença. "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes!"

E como era o fermento de Jesus, isto é, com que sentimentos, atitudes e valores Jesus estava no meio do povo? Com que fermento, ele fazia o seu pão, realizava a sua missão? Os discípulos podiam ver... Jesus agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Aqui estava toda a diferença. Agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Vamos explicar melhor. Compaixão é uma palavra frequente nos evangelhos falando do encontro de Jesus com os sofredores, os doentes, os excluídos. Compaixão é amor, misericórdia, ternura, solidariedade, tudo junto. Agia movido pela compaixão. E valorizava a partilha, isto é, a participação de cada um, colocando o seu pouco em comum. Ele recebeu a partilha da criança – alguns pães e poucos peixes – e repartiu com todos. Ele mesmo estava a serviço do seu povo. Não se comportava como um senhor poderoso, mas como um servo. Veio para servir, não para ser servido. No final, lavou os pés dos discípulos, para não restar qualquer dúvida sobre isso. Compaixão, partilha e serviço. Esse é o fermento de Jesus.

Os discípulos precisavam estar atentos também ao fermento dos fariseus e de Herodes, para ver a diferença. E tomar distância do estilo deles. Em que consistia o fermento deles? Consistia em agir com hipocrisia, com desprezo às pessoas e buscando sempre os próprios interesses. Jesus desmascara o comportamento hipócrita deles: exigem dos outros, mas eles mesmos não praticam; criam leis para os outros, fingindo que as cumprem. Hipocrisia. Mas também desprezavam os pobres, tomando-os por ignorantes, iletrados, pecadores. O que Herodes queria mesmo era riqueza e poder. Herodes é o poder opressor que perseguiu e decapitou João Batista. Esse é o fermento mal, o dos fariseus e o de Herodes: hipocrisia, desprezo ao povo e busca de privilégios.

Guardando a mensagem

O fermento de Jesus é o modo como ele se conduz na realização de sua missão. Três palavras podem definir o bom fermento do Mestre: compaixão, partilha e serviço. O estilo dos fariseus e o estilo de Herodes continuam hoje de outra forma. No fundo é o mesmo: buscando vantagens para si mesmos, desprezando os mais simples e fazendo apenas o jogo da aparência. Esse estilo não pode ser imitado por nós, nem pelos nossos líderes, nem pelos ministros da Igreja. Somos imitadores de Jesus. Precisamos guiar nossas ações pelo fermento de Jesus.

Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Nós somos os teus discípulos. E tomamos para nós essa tua chamada de atenção. Em nossa vida, em nosso trabalho, em nossa convivência em família ou em sociedade, é assim que precisamos viver: com o bom fermento do teu modo de agir. O teu fermento é o amor solidário, a valorização da partilha na busca de soluções e o espírito de serviço aos outros. Disseste para termos cuidado com o fermento dos fariseus e de Herodes. O fermento dessa turma é conhecido: não fazerem o que ensinam, discriminarem tudo que é popular e a gananciosa corrida para se dar bem a qualquer custo. Obrigado, Senhor, por teu ensinamento. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Um cristão dizer que não dá pra ler um texto da bíblia, porque não a tem à mão, é grave. A Bíblia tem que estar conosco, sempre. Pode até estar instalada no celular. Sendo assim, sugiro que você leia o evangelho de hoje (Mc 8,14-21). 

18 de fevereiro de 2020
Pe João Carlos Ribeiro, sdb

19 fevereiro 2019

VOCÊ CONSEGUE VER ALGUMA DIFERENÇA?

Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).
19 de fevereiro de 2019
Os discípulos estavam discutindo a respeito de pão, de comida. Eles tinham se esquecido de levar pão para a viagem. E olha que eles tinham presenciado Jesus alimentar a multidão com poucos pães, por duas vezes. E até, nesta ocasião, tinham recolhido vários cestos de sobra de pães. Mas, estavam discutindo, se desentendendo, um pondo a culpa no outro... a discussão estava esquentada. Foi quando Jesus fez uma advertência que eles não entenderam: "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes". Eles não entenderam. E você entendeu?
Jesus aproveitou a situação para ajudá-los a pensar. Ele queria que eles prestassem atenção ao modo como ele conduzia sua missão. Esse era o bom fermento que eles precisavam imitar. Era assim que eles precisavam agir. Ficassem atentos ao modo como Jesus fazia as coisas. Mas também prestassem atenção ao modo como os fariseus se comportavam em suas práticas. Comparando, poderiam perceber uma grande diferença. "Tenham cuidado com o fermento dos fariseus  e com o fermento de Herodes!"
E como era o fermento de Jesus, isto é, com que sentimentos, atitudes e valores Jesus estava no meio do povo? Com que fermento, ele fazia o seu pão, realizava a sua missão? Os discípulos podiam ver... Jesus agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Aqui estava toda a diferença. Agia com compaixão, valorizando a partilha e em espírito de serviço. Vamos explicar melhor. Compaixão é uma palavra frequente nos evangelhos falando do encontro de Jesus com os sofredores, os doentes, os excluídos. Compaixão é amor, misericórdia, ternura, solidariedade tudo junto. Agia movido pela compaixão. E valorizava a partilha, isto é, a participação de cada um, colocando o seu pouco em comum. Ele recebeu a partilha da criança – alguns pães e poucos peixes – e repartiu com todos. Ele mesmo estava a serviço do seu povo. Não se comportava como um senhor poderoso, mas como um servo. Veio para servir, não para ser servido. No final, lavou os pés dos discípulos, para não restar qualquer dúvida sobre isso. Compaixão, partilha e serviço. Esse é o fermento de Jesus.
Os discípulos precisavam estar atentos também ao fermento dos fariseus  e de Herodes, para ver a diferença. E tomar distância do estilo deles. Em que consistia o fermento deles? Consistia em agir com hipocrisia, com desprezo às pessoas e buscando sempre os próprios interesses. Jesus desmascara o comportamento hipócrita deles:  exigem dos outros, mas eles mesmos não praticam; criam leis para os outros, fingindo que as cumprem. Hipocrisia. Mas também desprezavam os pobres, tomando-os por ignorantes, iletrados, pecadores. O que Herodes queria mesmo era riqueza e poder. Herodes é o poder opressor que perseguiu e decapitou João Batista. Esse é o fermento mal, o dos fariseus e o de Herodes: hipocrisia, desprezo ao povo e busca de privilégios.
Guardando a mensagem
O fermento de Jesus é o modo como ele se conduz na realização de sua missão. Três palavras podem definir o bom fermento do Mestre: compaixão, partilha e serviço. O estilo dos fariseus e o estilo de Herodes continuam hoje de outra forma. No fundo é o mesmo: buscando vantagens para si mesmos, desprezando os mais simples e fazendo apenas o jogo da aparência.  Esse estilo não pode ser imitado por nós, nem pelos nossos líderes, nem pelos ministros da Igreja. Somos imitadores de Jesus. Precisamos guiar nossas ações pelo fermento de Jesus.
Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes (Mc 8, 15).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Nós somos os teus discípulos. E tomamos para nós essa tua chamada de atenção. Em nossa vida, em nosso trabalho, em nossa convivência em família ou em sociedade, é assim que precisamos viver: com o bom fermento do teu modo de agir. O teu fermento é o amor solidário, a valorização da partilha na busca de soluções e o espírito de serviço aos outros. Disseste para termos cuidado com o fermento dos fariseus e de Herodes. O fermento dessa turma é conhecido: não fazerem o que ensinam, discriminarem tudo que é popular e a gananciosa corrida para se dar bem a qualquer custo. Obrigado, Senhor, por teu ensinamento. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Um cristão dizer que não dá pra ler um texto da bíblia, porque não a tem à mão, é grave. A bíblia tem que estar conosco, sempre. Pode até estar instalada no celular. Sendo assim, sugiro que você leia o evangelho de hoje (Mc 8,14-21).

Pe João Carlos Ribeiro – 19.02.2019

30 outubro 2018

O FERMENTO NA MASSA

O Reino de Deus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado (Lc 13, 21)
30 de outubro de 2018.
Vamos começar com uma aula de culinária. Mas, não se espante. Vamos aprender a fazer pão, como no tempo de Jesus. Só assim poderemos entender melhor a comparação que ele fez com o Reino de Deus.
É bom lembrar: no tempo de Jesus, não havia padaria, o pão era feito em casa. E era feito pelas mulheres. A farinha para o pão precisava ser preparada na hora.  Não havia fermento químico. Nem fogão e forno a gás. Mas, tudo bem. Vamos começar separando os grãos para fazer a farinha. A farinha de cevada era mais barata do que a de trigo, logo, a maior parte do povo fazia o pão de cevada. Pegue uma peneira, coloque nela uma boa porção de grãos de cevada ou de trigo. Sacuda bem a peneira para os talinhos, pedrinhas ou grãos diferentes aparecerem. Vá sacudindo, catando e limpando sua porção de grãos. Agora, triture tudo nas pedras de moer, na mó. São duas pedras achatadas e você põe o grão entre elas e vai rodando a pedra de cima. Precisa de jeito e de força também. Triturando os grãos, vai aparecendo a farinha. Está meio grossa, não se preocupe. É integral mesmo. Agora, ponha três porções de farinha numa vasilha de argila e um pouco de água e comece a misturar com as mãos. Cansou? Ponha o fermento agora. O fermento é um pouco de massa fermentada, chamada massa velha, guardada de outra ocasião. Misture tudo e, com paciência, vá amassando até pegar uma boa ligadura. É como fazem os pizzaiolos de hoje, preparando a massa para a pizza. Tudo pronto? Separe logo um pouco da massa fermentada para guardar: será o fermento do pão de amanhã. Achate as porções como se fosse uma pizza...  Deixe a massa descansar... depois ponha no forno de lenha para assar. Cuidado para não se queimar. Ponha para assar dentro de um recipiente de argila. Quando tiver pronto, me chame... lembre que o pão não era pra comer só de manhã, o pão era o alimento principal para todas as refeições. Deu trabalho?! Não se preocupe, amanhã tem mais. Todo dia, a mulher precisa fazer o pão.
Foi assim que Jesus fez uma comparação simples: “O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”. Agora você já sabe que não é tão simples assim... fazer pão não é uma coisa banal. É uma atividade vital. Uma rotina muito importante para a família.
Nessa parábola de Jesus, vamos ficar atentos a três pontos: O fermento não é a massa; o fermento é misturado na massa; o fermento leveda a massa.
1.                  O fermento não é a massa. É uma porção menor, diferenciada. É um ingrediente que se incorpora à massa. O Reino de Deus é a obra de Deus entre nós, por meio de Cristo, nos comunicando vida e salvação. O Reino não é a massa, é o fermento. O evangelho é fermento na massa. Cristão não é massa, é fermento. Tem uma missão no meio do mundo.
2.                  O fermento é misturado na massa.  O fermento precisa ser misturado na massa para fazer efeito. O evangelho precisa permear a vida das pessoas... sem isso não leveda, não influi, não transforma. E não é só colocar o fermento, dar uma mexidinha e deixar pra lá. Assim se faz com o fermento químico. A mistura do fermento, a massa fermentada, nas outras três porções de farinha é trabalhosa, demorada. Exige paciência, habilidade, perseverança. A mulher fica socando, amassando a massa por um longo tempo, até a massa chegar ao ponto. Aí se põe a massa para descansar um pouco e ser colocada no forno. Sem a paciência da mulher que faz o pão, não se produz mudanças no mundo.  
3.                  O fermento leveda a massa. O Reino veio para melhorar o mundo, para transformá-lo. O evangelho é uma força de mudança, de transformação. É um fermento bom no meio de nossa sociedade. Não pode ser anulado e virar farinha com os outros. Assim, deixa de realizar sua missão. Não pode se afastar da sociedade, se ausentar do mundo: assim não faz o efeito pelo qual é fermento.
Guardando a mensagem
Jesus comparou o Reino de Deus com o fabrico artesanal do pão, pelas mulheres do seu tempo. O Reino produz mudanças no mundo, como o fermento que leveda a massa. Essa fermentação do mundo pelo evangelho vem pelo serviço dedicado dos pequenos, representados pelas mulheres. O fermento não é a massa. Se não for bem misturado, se não entrar na vida das pessoas, não fermenta nada.
O Reino de Deus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado (Lc 13, 21)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Teu Reino é o bom fermento a levedar a nossa vida, as estruturas sociais, o mundo.  E nós somos agentes desse Reino, como fermento transformador da realidade. Dá-nos, Senhor, a graça de compreender e viver teu evangelho, sustentados por tua graça e por teu Santo Espírito. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Só para você recordar esse evangelho, pergunte hoje a quem faz a sua comida que tipo de fermento usa em bolos ou outras massas.

Pe. João Carlos Ribeiro – 30.10.2018

31 outubro 2017

VOCÊ SABE FAZER PÃO?


O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado (Mt 13, 21)
Vamos começar com uma aula de culinária. Mas, não se espante. Vamos aprender a fazer pão, como no tempo de Jesus. Só assim poderemos entender melhor a comparação que ele fez com o Reino de Deus.
É bom lembrar: no tempo de Jesus, não havia padaria, o pão era feito em casa. E era feito pelas mulheres. A farinha para o pão precisava ser preparada na hora.  Não havia fermento químico. Nem fogão e forno a gás. Mas, tudo bem. Vamos começar separando os grãos para fazer a farinha. A farinha de cevada era mais barata do que a de trigo, logo, a maior parte do povo fazia o pão de cevada. Pegue uma peneira, coloque nela uma boa porção de grãos de cevada ou de trigo. Sacuda bem a peneira para os talinhos, pedrinhas ou grãos diferentes aparecerem. Vá sacudindo, catando e limpando sua porção de grãos. Agora, triture tudo nas pedras de moer, na mó. São duas pedras achatadas e você põe o grão entre elas e vai rodando a pedra de cima. Precisa de jeito e de força também. Triturando os grãos, vai aparecendo a farinha. Está meio grossa, não se preocupe. É integral mesmo. Agora, ponha três porções de farinha numa vasilha de argila e um pouco de água e comece a misturar com as mãos. Cansou? Ponha o fermento agora. O fermento é um pouco de massa fermentada, chamada massa velha, guardada de outra ocasião. Misture tudo e, com paciência, vá amassando até pegar uma boa ligadura. É como fazem os pizzaiolos de hoje, preparando a massa para a pizza. Tudo pronto? Separe logo um pouco da massa fermentada para guardar: será o fermento do pão de amanhã. Achate as porções como se fosse uma pizza...  Deixe a massa descansar... depois ponha no forno de lenha para assar. Cuidado para não se queimar. Ponha para assar dentro de um recipiente de argila. Quando tiver pronto, me chame... lembre que o pão não era pra comer só de manhã, o pão era o alimento principal para todas as refeições. Deu trabalho?! Não se preocupe, amanhã tem mais. Todo dia, a mulher precisa fazer o pão.
Foi assim que Jesus fez uma comparação simples: “O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”. Agora você já sabe que não é tão simples assim... fazer pão não é uma coisa banal. É uma atividade vital. Uma rotina muito importante para a família.
Nessa parábola de Jesus, vamos ficar atentos a três pontos: O fermento não é a massa; o fermento é misturado na massa; o fermento leveda a massa.
1.                  O fermento não é a massa. É uma porção menor, diferenciada. É um ingrediente que se incorpora à massa. O Reino de Deus é a obra de Deus entre nós, por meio de Cristo, nos comunicando vida e salvação. O Reino não é a massa, é o fermento. O evangelho é fermento na massa. Cristão não é massa, é fermento. Tem uma missão no meio do mundo.
2.                  O fermento é misturado na massa. . O fermento precisa ser misturado na massa para fazer efeito. O evangelho precisa permear a vida das pessoas... sem isso não leveda, não influi, não transforma. E não é só colocar o fermento, dar uma mexidinha e deixar pra lá. Assim se faz com o fermento químico. A mistura do fermento, a massa fermentada, nas outras três porções de farinha é trabalhosa, demorada. Exige paciência, habilidade, perseverança. A mulher fica socando, amassando a massa por um longo tempo, até a massa chegar ao ponto. Aí se põe a massa para descansar um pouco e ser colocada no forno. Sem a paciência da mulher que faz o pão, não se produz mudanças no mundo.  
3.                  O fermento leveda a massa. O Reino veio para melhorar o mundo, para transformá-lo. O evangelho é uma força de mudança, de transformação. É um fermento bom no meio de nossa sociedade. Não pode ser anulado e virar farinha com os outros. Assim, deixa de realizar sua missão. Não pode se afastar da sociedade, se ausentar do mundo: assim não faz o efeito pelo qual é fermento.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Jesus comparou o Reino de Deus com o fabrico artesanal do pão, pelas mulheres do seu tempo. O Reino produz mudanças no mundo, como o fermento que leveda a massa. Essa fermentação do mundo pelo evangelho vem pelo serviço dedicado dos pequenos, representados pelas mulheres. O fermento não é a massa. Se não for bem misturado, se não entrar na vida das pessoas, não fermenta nada.
O Reino dos Céus é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado (Mt 13, 21)

19 outubro 2017

ME ENGANA, QUE EU GOSTO


Tomem cuidado com o fermento dos fariseus, que é a hipocrisia (Lc 12, 1).


A hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes, ideais e sentimentos que a pessoa na verdade não possui. Hipocrisia significa fingimento, falsidade. Gente falando bonito, mas, por trás, fazendo feio. É o que acontecia com os fariseus.

Jesus até admirava os fariseus. Eram pessoas muito religiosas, muito praticantes, muito apegadas aos textos da Lei de Deus e às suas tradições. O povo também gostava dos fariseus e lhe tinham uma grande admiração. Achavam que era gente muito santa, muito de Deus. Mas Jesus observava bem e via que eles mais aparentavam do que de fato eram de verdade. Havia mais aparência do que realidade. Exibiam-se como muito devotos, mas viviam disputando cargos, visibilidade e buscando suas vantagens. Jesus também censurava os fariseus porque eles viviam preocupados com o secundário, com os detalhes da Lei. Preocupados com coisas miúdas, esqueciam-se do principal: o amor e o respeito pelos outros; a compreensão com as fraquezas dos outros; o amor a Deus de todo coração e não só da boca pra fora. Por tudo isso, Jesus está nos dizendo hoje: ‘tomem cuidado com o fermento dos fariseus, que é a hipocrisia’.

Nossa cultura privilegia a aparência. Vivemos a sociedade da imagem. Vale o que parece ser. Na foto, todo muito sai sorrindo, já notou? Tem cada sorriso forçado, que dá até medo. Vamos caminhando para um mundo do faz-de-conta. É a ditadura da hipocrisia. A verdade passa longe. O nosso é o mundos dos fariseus. Jesus disse claro: “Não há nada de escondido, que não venha a ser revelado, e não há nada de oculto que não venha a ser conhecido”. Isso quer dizer que um dia a máscara cai e a verdade aparece.

Jesus está chamando a atenção da hipocrisia dos fariseus pra gente não cair no conto do vigário dos fariseus de hoje. E também pra gente não imitá-los, não ser hipócritas como eles. Ao contrário, como ele disse: “o seu sim, seja sim; o seu não, seja não. O mais vem do maligno’. Nada de fazer cara de santinho e nos bastidores proceder de maneira diabólica. Bonzinho e gentil fora de casa, rabugento com a família. Nada de farisaísmo. Bons e verdadeiros, sempre.

Vamos guardar a mensagem de hoje

Jesus aproveitou que chegou muita gente para ouvi-lo e chamou a atenção dos discípulos e do povo para a hipocrisia dos fariseus. Eles pareciam santos, praticantes e dedicados a Deus para impressionar, para manterem sua influência sobre o povo, para segurarem a liderança. Mas, era jogo de cena, aparência, fachada. E Jesus nos dizendo isso, pra ninguém se deixar enrolar por esses tipos e pra gente não permitir que dentro da comunidade cristã prosperem comportamentos deste tipo.

Tomem cuidado com o fermento dos fariseus, que é a hipocrisia (Lc 12, 1).

20 março 2012

O fermento

Os discípulos estavam discutindo a respeito de pão, de comida. Eles tinham se esquecido de levar pão para a viagem. Jesus tinha alimentado a multidão com poucos pães. E tinham restado vários cestos de sobra de pães. E outras coisas mais. Discutiam afinal sobre o pão. Foi quando Jesus fez uma advertência que eles não entenderam: "tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes". Eles não entenderam. E você entendeu?