PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: Papa Francisco
Mostrando postagens com marcador Papa Francisco. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Papa Francisco. Mostrar todas as postagens

Livrai-nos do mal.


   28 de janeiro de 2024.   

4º Domingo do Tempo Comum


   Evangelho.   


Mc 1,21-28

21Na cidade de Cafarnaum, num dia de sábado, Jesus entrou na sinagoga e começou a ensinar. 22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei.
23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 24“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. 25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!” 26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. 27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “O que é isto? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” 28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda a parte, em toda a região da Galileia.



   Meditação.   


Cala-te e sai dele! (Mc 1, 25)

Jesus estava na sinagoga de Cafarnaum. Era um dia de sábado. O povo estava reunido para a oração e a escuta da palavra de Deus. E Jesus estava ensinando. As pessoas, ali, estavam admiradas com o seu ensinamento. Foi aí que um homem ali presente, possuído por um espírito impuro, começou a gritar e esbravejar contra Jesus. Jesus mandou o espírito calar a boca e sair daquele homem. Dito e feito. O homem foi sacudido com violência pelo espírito mau, que deu um urro assustador e saiu. As pessoas ficaram assustadas, não era pra menos. E admiradas com aquele ensinamento novo de Jesus, com a sua autoridade.

Uma coisa que impressiona nesse texto é que a manifestação do espírito mau, do demônio, deu-se ali dentro da casa de oração, da sinagoga, digamos, dentro do templo, da igreja. Impressiona porque ali é um lugar santo, onde se reverencia o nome de Deus, onde se proclama o seu senhorio, as suas maravilhas. Justo lá, nessa cena, bem no começo do evangelho de Marcos, está essa manifestação do mal que enfrenta Jesus
. “Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. 

Jesus já tinha enfrentado o demônio no deserto, nas tentações. E o tinha vencido. Em terras pagãs, como em Gadara, expulsou demônios que faziam homens viverem em túmulos. Numa praça ou no campo, expulsou o demônio de um jovem e o devolveu sadio à sua família. Bom, entende-se que o mal esteja por toda parte, especialmente no mundo pagão (pensavam as pessoas religiosos do tempo de Jesus), mas nunca no espaço religioso como seria a sinagoga. Atenção, nos lembra o texto de hoje, também no espaço religioso o mal pode se esconder e se levantar contra Deus e os seus enviados.

Olhemos para a figura do missionário que o Senhor colocou à frente de sua Igreja, nesses tempos difíceis de nossa humanidade. O Papa Francisco é um bom exemplo da atualidade desse texto. Ele, com os gestos que faz e com sua pregação, é a voz mais respeitada e admirada nesse nosso mundo confuso e em conflito. Mas, dentro da própria igreja se levantam algumas vozes indignadas contra ele, revoltadas com seu ensinamento, dizendo quase a mesma coisa que o diabo disse na sinagoga de Cafarnaum: “Vieste par nos destruir?!”. O ensinamento novo de Jesus, que é libertador das pessoas de todas as opressões, esse ensinamento desmascara o mal que está escondido também dentro da comunidade cristã, dominando a vida de algumas pessoas.

O que será que Jesus dizia e fazia que pudesse incomodar alguém? As pessoas viam uma grande diferença entre o ensinamento de Jesus e o ensinamento dos fariseus. Penso que a primeira coisa que marcava uma grande diferença era a atenção que Jesus dava aos sofredores e marginalizados. Estes estavam à margem de tudo, na vida social e na religião. E Jesus os incluía como pessoas importantes no anúncio do Reino de Deus. E uma segunda coisa que mexeu demais com as lideranças do seu povo foi a imagem que ele passava de Deus. Ele revelava Deus como um pai amoroso, pronto para acolher o filho pecador de volta à sua casa. Esse não era exatamente o Deus que eles estavam acostumados a perceber como juiz e retribuidor das boas ações e da prática da Lei.

Esse ensinamento de Jesus - feito de gestos de atenção e proximidade, de parábolas e diálogos sobre o Reino de Deus – despertou muita indignação e ódio nos fariseus, nos sacerdotes do Templo, nos partidários de Herodes. Essa gente estava possuída por preconceitos contra o povo, por interesses de classe, seduzida pelas benesses do poder, tomada de ciúme... e muita coisa ruim. Era como se estivessem possuídos por um espírito mau. Claro, o mal lança seus tentáculos nas estruturas sociais e nas pessoas. 

E ali, na sinagoga e nas ruas, muita gente tomou consciência de que o ensinamento de Jesus era realmente novo, sobretudo quando viu que ele enfrentava essas manifestações do mal, as calava e conseguia libertar pessoas dessa dominação. É só olhar a lista de pessoas que foram resgatadas para o Reino: Mateus, Madalena, Zaqueu, Bartimeu, e, certamente, Nicodemos, José de Arimateia e tantos mais.



Guardando a mensagem

O evangelho é uma força de mudança, anuncia o Reino de Deus que começa já aqui na terra. Jesus, com suas atitudes e palavras, estava instaurando o reinado de Deus. Podemos entender esse reinado, como Deus acolhendo, na comunhão de sua casa, todos os seus filhos, a começar pelos que saíram de casa e estavam retornando pela conversão. Jesus partia do que o povo de Deus já conhecia e manifestava mais claramente o amor de Deus que restaura, perdoa, liberta as pessoas. Esse evangelho, essa boa notícia, encontrou oposições também dentro da própria sinagoga, a comunidade de fé que ele frequentava. Essa oposição à novidade do evangelho que Jesus anuncia, ontem e hoje, só pode mesmo ter raízes no maligno. Mas, Jesus é vencedor sobre todo o mal. Com ele, nós também somos vencedores. No Pai Nosso, continuamos a pedir, com confiança,ao Pai: “Livrai-nos do mal”.

Cala-te e sai dele! (Mc 1, 25)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
a novidade do evangelho corre sempre o perigo de ser esquecida ou abafada pelas forças que não têm interesse na emancipação das pessoas e no senhorio de Deus. Essas forças atuam dentro e fora da comunidade. Não é à toa que a Igreja tenha tantos mártires. Eles experimentaram a oposição à fé cristã por parte de pessoas maldosas e violentas. Uniram-se, assim, ao teu sacrifício na cruz. Em sua fidelidade, são vitoriosas, contigo. Senhor, livra-nos do mal. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Ao rezar o Pai Nosso hoje, acentue bem essa prece: “Livrai-nos do mal”. Aproveite e repita essa prece hoje, muitas vezes. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

Maria torna-se mãe da comunidade redimida pelo sangue redentor

 





29 de maio de 2023

  Memória da Bem-aventurada Maria, Mãe da Igreja. 

Segunda-feira depois de Pentecostes



     Evangelho.    


Jo 19,25-34

Naquele tempo, 25perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena.
26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.
28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: “Tenho sede”.
29Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30Ele tomou o vinagre e disse: “Tudo está consumado”. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz.
32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus.
33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.



     Meditação    


Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Nesta segunda-feira, estamos celebrando a memória de Maria, Mãe da Igreja. Essa comemoração é nova na Igreja e se deve à iniciativa do Papa Francisco. Celebrada após Pentecostes, recordamos como Maria deixou-se habitar pelo Espírito Santo. Como João a acolheu aos pés da cruz, também nós a acolhamos como mãe da comunidade dos seguidores de Jesus.

Vamos prestar bem atenção ao texto de hoje, em João capítulo 19. “Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo”.

Vamos observar com cuidado a cena. Quem estava de pé, perto da cruz de Jesus? Você disse ‘Maria?’ Acertou. Mas, não disse tudo... Do texto se deduz que estavam de pé quatro pessoas: Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena; e João, o discípulo amado. O número quatro é um número simbólico, indicando totalidade, tudo, todos. É a Igreja toda que está aos pés da cruz do Senhor. Ali é o nosso lugar.

O número quatro também está presente na partilha que os soldados fizeram das roupas de Jesus. Dividiram suas vestes em quatro partes, uma para cada soldado. É a sua herança que se espalha pelos quatro cantos do mundo.

Então, aos pés da cruz de Jesus, de pé, estão Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena e João. Nestes quatro, podemos sentir uma representação da comunidade que nasceu da morte redentora de Jesus. Sua mãe, os parentes que aderiram ao evangelho representados por sua tia ou parente de sua mãe, os discípulos libertados do mal representados em Madalena e os discípulos do seu grupo menor de apóstolos representados por João. Ali, aos pés da cruz está a Igreja. Igreja unida a Jesus, no seu sacrifício. Igreja que nasce do seu sacrifício redentor. Igreja de pé, em atitude oferente e vitoriosa sobre a morte. Igreja que acolhe a graça que desce da cruz como um rio de água viva, o Espírito Santo, que escorre do seu coração aberto pela lança. Igreja de ressuscitados e vitoriosos com Cristo sobre o mal, o pecado e a morte.

Aos pés da cruz, Maria torna-se mãe da comunidade gerada no sacrifício da cruz. Na anunciação, tinha se tornado mãe de Jesus. No calvário, tornou-se mãe da Igreja. “Mulher, eis aí o teu filho. Filho, eis aí a tua mãe”. Curiosamente, Jesus não a chama de mãe, mas de ‘mulher’. Ela é a nova Eva, mãe da nova humanidade redimida na cruz.


Guardando a mensagem

A memória de Maria, Mãe da Igreja é a celebração da maternidade de Maria, mãe da nova comunidade nascida do sacrifício redentor de Jesus e da efusão do seu Espírito, derramado como água viva do seu coração. Ela está aos pés da cruz, unida ao sacrifício redentor do Filho, oferecendo-se com ele, em completa obediência ao Pai, fazendo-se assim mãe da comunidade redimida pelo sangue redentor. Suas dores são as dores do parto da nova humanidade que nasce aos pés da cruz. Os quatro, ali no Calvário, nos representam. Somos a Igreja do Senhor, com Maria. Ela é nossa mãe.

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
hoje, contemplamos tua Mãe aos pés da cruz. Tu a entregaste como mãe a João, o discípulo amado. Ele nos representa, nós somos os teus discípulos amados. Obrigado pela boa mãe que nos deste. Igualmente entregaste à tua mãe o teu discípulo João como seu filho. Queremos ser bons filhos de tua santa mãe. Ela nos guie, nos conforte, nos sustente no caminho da fidelidade ao teu evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Esta segunda-feira é um dia especial para recomendarmos a Nossa Senhora, a Igreja de Jesus: cada batizado aí de sua casa, as lideranças leigas de sua comunidade, nossos padres, bispos e o Papa Francisco.

Comunicando

Hoje, no programa das 20 horas, no meu Canal do Youtube, uma conversa com o cantor Almir Rouche e as notícias dos encontros com os ouvintes em São Paulo. Então, a gente se vê às 20 horas. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

SANTA MARIA, MÃE DA IGREJA





06 de junho de 2022

Segunda-feira depois de Pentecostes

Maria, Mãe da Igreja



EVANGELHO



Jo 19,25-34

Naquele tempo, 25perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena.
26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.
28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: “Tenho sede”.
29Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30Ele tomou o vinagre e disse: “Tudo está consumado”. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz.
32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus.
33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.



MEDITAÇÃO


Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Nesta segunda-feira, estamos celebrando a memória de Maria, Mãe da Igreja. Essa comemoração é nova na Igreja e se deve à iniciativa do Papa Francisco. Celebrada após Pentecostes, recordamos como Maria deixou-se habitar pelo Espírito Santo. Como João a acolheu aos pés da cruz, também nós a acolhamos como mãe da comunidade dos seguidores de Jesus.

Vamos prestar bem atenção ao texto de hoje, em João capítulo 19. “Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo”.

Vamos observar com cuidado a cena. Quem estava de pé, perto da cruz de Jesus? Você disse ‘Maria?’ Acertou. Mas, não disse tudo... Do texto se deduz que estavam de pé quatro pessoas: Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena; e João, o discípulo amado. O número quatro é um número simbólico, indicando totalidade, tudo, todos. É a Igreja toda que está aos pés da cruz do Senhor. Ali é o nosso lugar.

O número quatro também está presente na partilha que os soldados fizeram das roupas de Jesus. Dividiram suas vestes em quatro partes, uma para cada soldado. É a sua herança que se espalha pelos quatro cantos do mundo.

Então, aos pés da cruz de Jesus, de pé, estão Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena e João. Nestes quatro, podemos sentir uma representação da comunidade que nasceu da morte redentora de Jesus. Sua mãe, os parentes que aderiram ao evangelho representados por sua tia ou parenta de sua mãe, os discípulos libertados do mal representados em Madalena e os discípulos do seu grupo menor de apóstolos representados por João. Ali, aos pés da cruz está a Igreja. Igreja unida a Jesus, no seu sacrifício. Igreja que nasce do seu sacrifício redentor. Igreja de pé, em atitude oferente e vitoriosa sobre a morte. Igreja que acolhe a graça que desce da cruz como um rio de água viva, o Espírito Santo, que escorre do seu coração aberto pela lança. Igreja de ressuscitados e vitoriosos com Cristo sobre o mal, o pecado e a morte.

Aos pés da cruz, Maria torna-se mãe da comunidade gerada no sacrifício da cruz. Na anunciação, tinha se tornado mãe de Jesus. No calvário, tornou-se mãe da Igreja. “Mulher, eis aí o teu filho. Filho, eis aí a tua mãe”. Curiosamente, Jesus não a chama de mãe, mas de ‘mulher’. Ela é a nova Eva, mãe da nova humanidade redimida na cruz.


Guardando a mensagem

A memória de Maria, Mãe da Igreja é a celebração da maternidade de Maria, mãe da nova comunidade nascida do sacrifício redentor de Jesus e da efusão do seu Espírito, derramado como água viva do seu coração. Ela está aos pés da cruz, unida ao sacrifício redentor do Filho, oferecendo-se com ele, em completa obediência ao Pai, fazendo-se assim mãe da comunidade redimida pelo sangue redentor. Suas dores são as dores do parto da nova humanidade que nasce aos pés da cruz. Os quatro, ali no Calvário, nos representam. Somos a Igreja do Senhor, com Maria. Ela é nossa mãe.

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
hoje, contemplamos tua Mãe aos pés da cruz. Tu a entregaste como mãe a João, o discípulo amado. Ele nos representa, nós somos os teus discípulos amados. Obrigado pela boa mãe que nos deste. Igualmente entregaste à tua mãe o teu discípulo João como seu filho. Queremos ser bons filhos de tua santa mãe. Ela nos guie, nos conforte, nos sustente no caminho da fidelidade ao teu evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Esta segunda-feira é um dia especial para recomendarmos a Nossa Senhora, a Igreja de Jesus: cada batizado aí de sua casa, as lideranças leigas de sua comunidade, nossos padres, bispos e o Papa Francisco.

Comunicando

Depois de um final de semana abençoado em Fortaleza, nos preparamos para uma visita a Juazeiro do Norte, também no Ceará. No próximo sábado, celebrarei a Santa Missa com os Ouvintes da FM Padre Cícero, no Santuário do Sagrado Coração de Jesus, paróquia dos Salesianos, em Juazeiro, às 18 horas.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

MARIA, MÃE DA IGREJA




24 de maio de 2021


EVANGELHO


Jo 19,25-34

Naquele tempo, 25perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena.
26Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. 27Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo.
28Depois disso, Jesus, sabendo que tudo estava consumado, e para que a Escritura se cumprisse até o fim, disse: “Tenho sede”.
29Havia ali uma jarra cheia de vinagre. Amarraram numa vara uma esponja embebida de vinagre e levaram-na à boca de Jesus. 30Ele tomou o vinagre e disse: “Tudo está consumado”. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
31Era o dia da preparação para a Páscoa. Os judeus queriam evitar que os corpos ficassem na cruz durante o sábado, porque aquele sábado era dia de festa solene. Então pediram a Pilatos que mandasse quebrar as pernas aos crucificados e os tirasse da cruz.
32Os soldados foram e quebraram as pernas de um e depois do outro que foram crucificados com Jesus.
33Ao se aproximarem de Jesus, e vendo que já estava morto, não lhe quebraram as pernas; 34mas um soldado abriu-lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.

MEDITAÇÃO

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Nesta segunda-feira, estamos celebrando a memória de Maria, Mãe da Igreja. Essa comemoração é nova na Igreja e se deve à iniciativa do Papa Francisco. Celebrada após Pentecostes, recordamos como Maria deixou-se habitar pelo Espírito Santo. Como João a acolheu aos pés da cruz, também nós a acolhamos como mãe da comunidade dos seguidores de Jesus.

Neste ano, esta comemoração de Maria, Mãe da Igreja caiu bem no dia 24 de maio. E 24 de maio é a data de outro título mariano: Nossa Senhora Auxiliadora. Este título de "Auxiliadora" tem tudo a ver com a defesa e proteção da Igreja. É um título que foi colocado na ladainha pelo Papa Pio V, em reconhecimento pela vitória dos cristãos numa guerra naval, a batalha de Lepanto (1571). A data da festa foi marcada por outro papa, Pio VII, agradecendo sua volta a Roma depois de 05 anos nas prisões de Napoleão Bonaparte (1814). A difusão desse título mariano deve-se, porém, a São João Bosco, que colocou sob o seu patrocínio a sua obra educativa e evangelizadora.

Vamos prestar bem atenção ao texto de hoje, em João capítulo 19. “Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo”.

Vamos observar com cuidado a cena. Quem estava de pé, perto da cruz de Jesus? Você disse ‘Maria?’ Acertou. Mas, não disse tudo... Do texto se deduz que estavam de pé quatro pessoas: Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena; e João, o discípulo amado. O número quatro é um número simbólico, indicando totalidade, tudo, todos. É a Igreja toda que está aos pés da cruz do Senhor. Ali é o nosso lugar.

O número quatro também está presente na partilha que os soldados fizeram das roupas de Jesus. Dividiram suas vestes em quatro partes, uma para cada soldado. É a sua herança que se espalha pelos quatro cantos do mundo.

Então, aos pés da cruz de Jesus, de pé, estão Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena e João. Nestes quatro, podemos sentir uma representação da comunidade que nasceu da morte redentora de Jesus. Sua mãe, os parentes que aderiram ao evangelho representados por sua tia ou parenta de sua mãe, os discípulos libertados do mal representados em Madalena e os discípulos do seu grupo menor de apóstolos representados por João. Ali, aos pés da cruz está a Igreja. Igreja unida a Jesus, no seu sacrifício. Igreja que nasce do seu sacrifício redentor. Igreja de pé, em atitude oferente e vitoriosa sobre a morte. Igreja que acolhe a graça que desce da cruz como um rio de água viva, o Espírito Santo, que escorre do seu coração aberto pela lança. Igreja de ressuscitados e vitoriosos com Cristo sobre o mal, o pecado e a morte.

Aos pés da cruz, Maria torna-se mãe da comunidade gerada no sacrifício da cruz. Na anunciação, tinha se tornado mãe de Jesus. No calvário, tornou-se mãe da Igreja. “Mulher, eis aí o teu filho. Filho, eis aí a tua mãe”. Curiosamente, Jesus não a chama de mãe, mas de ‘mulher’. Ela é a nova Eva, mãe da nova humanidade redimida na cruz.

Guardando a mensagem

A memória de Maria, Mãe da Igreja é a celebração da maternidade de Maria, mãe da nova comunidade nascida do sacrifício redentor de Jesus e da efusão do seu Espírito, derramado como água viva do seu coração. Ela está aos pés da cruz, unida ao sacrifício redentor do Filho, oferecendo-se com ele, em completa obediência ao Pai, fazendo-se assim mãe da comunidade redimida pelo sangue redentor. Suas dores são as dores do parto da nova humanidade que nasce aos pés da cruz. Os quatro, ali no Calvário, nos representam. Somos a Igreja do Senhor, com Maria. Ela é nossa mãe.

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Hoje, contemplamos tua Mãe aos pés da cruz. Tu a entregaste como mãe a João, o discípulo amado. Ele nos representa, nós somos os teus discípulos amados. Obrigado pela boa mãe que nos deste. Igualmente entregaste à tua mãe o teu discípulo João como seu filho. Queremos ser bons filhos de tua santa mãe. Ela nos guie, nos conforte, nos sustente no caminho de fidelidade ao teu evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Esta segunda-feira é um dia especial para recomendarmos a Nossa Senhora, a Igreja de Jesus: cada batizado aí de sua casa, as lideranças leigas de sua comunidade, nossos padres, bispos e o Papa Francisco.

E hoje é o dia do encerramento da novena de N. Sra. Auxiliadora. Em nosso encontro, pelo youtube, às 15 horas, teremos romaria virtual, consagração das famílias e a bênção das casas.

Em razão da festa de nossa mãe Auxiliadora, teremos, às 20 horas de hoje, um Momento Musical Mariano. Vou cantar canções que, nestes anos, compus para Maria. O evento é pelo youtube para quem tiver o ingresso. O ingresso é grátis, mas precisa ser solicitado. Solicite-o pelo whatsapp 81 9964-4899 ou clique no link que eu estou lhe enviando.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

JESUS ENTREGOU AS CHAVES A PEDRO

Sobre esta pedra construirei a minha Igreja (Mt 16, 18)

22 de fevereiro de 2020.



Hoje, festejamos a Cátedra de São Pedro.

Bem no início do cristianismo, foram se formando comunidades por todo o império romano. Havia uma florescente comunidade em Roma também. Naquele tempo, as comunidades se reuniam nas casas. Na carta de Paulo aos romanos se fala de um casal que reunia a comunidade em sua casa: Áquila e Prisca (Rm 16). O apóstolo Pedro, estando em Roma, participava das reuniões da comunidade, pregava, celebrava na casa deste casal, a casa da comunidade. Havia, ali, uma cadeira reservada ao apóstolo Pedro. Mesmo que ele não estivesse presente, todos, ao ver aquela cadeira, se recordavam dele. Sentado nela, ele ensinava aos irmãos a fé em Cristo. Esta cadeira, hoje muito enfeitada, está em um dos altares da Basílica de São Pedro, no Vaticano. É a Cátedra de São Pedro. Cátedra é a cadeira de quem ensina, a cadeira do mestre. Olhando para a cadeira de Pedro, lembramos o seu ministério de ensinar e testemunhar a fé em Cristo Jesus.

É oportuno recordar, hoje, o que o Concílio Vaticano II escreveu na Constituição Lumen Gentium: “Jesus Cristo, pastor eterno, edificou a Igreja tendo enviado os Apóstolos como Ele fora enviado pelo Pai; e quis que os sucessores deles, os Bispos, fossem pastores na Sua Igreja até ao fim dos tempos. Mas, para que o mesmo episcopado fosse uno e indiviso, colocou o bem-aventurado Pedro à frente dos outros Apóstolos e nele instituiu o princípio e fundamento perpétuo e visível da unidade de fé e comunhão” (37). A festa da Cátedra de Pedro celebra esse ministério de unidade de fé e comunhão do apóstolo Pedro.

No evangelho de hoje, Jesus fez uma pergunta muita séria aos discípulos: ‘E vocês, o que dizem que eu sou?’ Simão Pedro respondeu em nome do grupo: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. Jesus o elogiou: ‘foi o Pai que te disse isso. Feliz és tu!’ Quem é o Filho, só o Pai sabe e aquele a quem o Pai o revela.

O que Pedro disse resume a fé de todos os que encontraram Jesus e acolheram sua Palavra. Jesus é o enviado de Deus, o prometido a Israel, o Messias. Mais: esse enviado, o Messias, é o Filho do Deus vivo. É uma confissão de fé na divindade de Jesus, ele é Deus com o seu Pai. Jesus ficou muito satisfeito com essa resposta. É nessa fé que ele edifica a comunidade que dá continuidade ao seu ministério nesse mundo. “Sobre esta Pedra, construirei a minha Igreja. E o poder do inferno nunca poderá vencê-la”. A fé confessada por Pedro é a pedra sobre a qual Jesus edifica a Igreja. A pedra é também a pessoa de Pedro, o discípulo que confessou a fé em Jesus-Messias-filho de Deus.

Guardando a mensagem

Nos alicerces de nossa vida cristã, está essa confissão de fé: cremos em Jesus, o filho do Deus vivo, enviado pelo Pai para nossa salvação. Jesus edificou a sua Igreja sobre a rocha firme dessa fé confessada por Pedro (Catecismo da Igreja Católica 424). Hoje é um dia especial para renovarmos a confissão de fé em Jesus. Cremos em Cristo Jesus, e o seguimos como discípulos e discípulas. Somos chamados a colocar Cristo no centro de nossa vida. Ele é o nosso pastor, nosso guia. Cremos na Igreja que ele edificou sobre a fé de Pedro. Sejamos, cada vez mais, filhos amorosos e obedientes da Igreja.

Sobre esta pedra construirei a minha Igreja (Mt 16, 18)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Somos a tua Igreja fundada sobre a fé proclamada por Pedro. Dá a todos nós batizados nesta fé a graça da unidade. Abençoa os pastores que dirigem a tua Igreja, em continuidade histórica e doutrinária com os teus primeiros apóstolos, dando-lhes discernimento e sabedoria.  Livra-nos de embarcar na atual onda de críticas e suspeitas contra nossos bispos e contra o Santo Padre. São forças reacionárias semeando desunião e divisão na tua Igreja. Abençoa o Papa Francisco, e assiste-o com o teu Santo Espírito, nesta sagrada missão de conduzir todo o rebanho, na unidade da fé. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Faça, hoje, uma prece especial pelo Santo Padre que preside, na caridade, a Igreja de Cristo.

22 de fevereiro de 2020

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

SOMOS A IGREJA DE MARIA




Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

10 de junho de 2019.

Nesta segunda-feira, estamos celebrando a memória de Maria, Mãe da Igreja. Essa comemoração é nova na Igreja e se deve à iniciativa do Papa Francisco. Celebrada após Pentecostes, recordamos como ela deixou-se habitar pelo Espírito Santo. Como João a acolheu aos pés da cruz, também nós a acolhamos como mãe da comunidade dos seguidores de Jesus.

Vamos prestar bem atenção ao texto de hoje. “Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo”.

Vamos observar com cuidado a cena. Quem estava de pé, perto da cruz de Jesus? Você disse ‘Maria?’ Acertou. Mas, não disse tudo... Do texto se deduz que estavam de pé quatro pessoas: Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena; e João, o discípulo amado. O número quatro é um número simbólico, indicando totalidade, tudo, todos. É a Igreja toda que está aos pés da cruz do Senhor. Ali é o nosso lugar. 

O número quatro também está presente na partilha que os soldados fizeram das roupas de Jesus. Dividiram suas vestes em quatro partes, uma para cada soldado. É a sua herança que se espalha pelos quatro cantos do mundo.

Então, aos pés da cruz de Jesus, de pé, estão Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena e João. Nestes quatro, podemos sentir uma representação da comunidade que nasceu da morte redentora de Jesus. Sua mãe, os parentes que aderiram o evangelho representados por sua tia ou parenta de sua mãe, os discípulos libertados do mal representados em Madalena e os discípulos do seu grupo menor de apóstolos representados por João. Ali, aos pés da cruz está a Igreja. Igreja unida a Jesus, no seu sacrifício. Igreja que nasce do seu sacrifício redentor. Igreja de pé, em atitude oferente e vitoriosa sobre a morte. Igreja que acolhe a graça que desce da cruz como um rio de água viva, o Espírito Santo, que escorre do seu coração aberto pela lança. Igreja de ressuscitados e vitoriosos com Cristo sobre o mal, o pecado e a morte.

Aos pés da cruz, Maria torna-se mãe da comunidade gerada no sacrifício da cruz. Na anunciação, tinha se tornado mãe de Jesus. No calvário, tornou-se mãe da Igreja. “Mulher, eis aí o teu filho. Filho, eis aí a tua mãe”. Curiosamente, Jesus não a chama de mãe, mas de ‘mulher’. Ela é a nova Eva, mãe da nova humanidade redimida na cruz.

Guardando a mensagem

A memória de Maria, Mãe da Igreja  é a celebração da maternidade de Maria, mãe da nova comunidade nascida do sacrifício redentor de Jesus e da efusão do seu Espírito, derramado como água viva do seu coração. Ela está aos pés da cruz, unida ao sacrifício redentor do Filho, oferecendo-se com ele, em completa obediência ao Pai, fazendo-se assim mãe da comunidade redimida pelo sangue redentor. Suas dores são as dores do parto da nova humanidade que nasce aos pés da cruz. Os quatro, ali no Calvário, nos representam. Somos a Igreja do Senhor, com Maria. Ela é nossa mãe.  

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Hoje, contemplamos tua Mãe aos pés da cruz. Tu a entregaste como mãe a João, o discípulo amado. Ele nos representa, nós somos os teus discípulos amados. Obrigado pela boa mãe que nos deste. Igualmente entregaste à tua mãe o teu discípulo João como seu filho. Queremos ser bons filhos de tua santa mãe. Ela nos guie, nos conforte, nos sustente no caminho de fidelidade ao teu evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje é um dia especial para recomendarmos a Maria a Igreja de Jesus: cada batizado aí  de sua casa, as lideranças leigas de sua comunidade, nossos padres, bispos e o Papa Francisco. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.05.2019

Postagem em destaque

Olha até que ponto eles chegaram.

   04 de março de 2024.    Segunda-feira da 3ª Semana da Quaresma    Evangelho.    Lc 4,24-30 Jesus, vindo a Nazaré, disse ao povo na sinago...

POSTAGENS MAIS VISTAS