Mostrando postagens com marcador joão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador joão. Mostrar todas as postagens

22 dezembro 2019

OS VIZINHOS DE ISABEL

Todos os vizinhos ficaram maravilhados e a notícia espalhou-se por toda a região (Lc 1, 65).

23 de dezembro de 2019.

Bem no dia do vizinho, um texto maravilhoso nos preparando para o natal do Senhor. E falando dos vizinhos. É a cena do nascimento de João, o que se tornou depois o Batista. E esse nascimento de João é contado em preparação do nascimento de Jesus. Não foi só a pregação de João que preparou a sua vinda. O seu próprio nascimento, em condições semelhantes de intervenção divina, é já é uma espécie de prévia do nascimento do Messias. O mesmo anjo Gabriel anunciou o seu nascimento, a mãe também concebeu em condições extraordinárias, a mesma atenção à colocação do nome dado ao recém-nascido na cerimônia de circuncisão...

O clima do nascimento é de alegria e contentamento. Isabel deu à luz o seu filho e parentes e vizinhos mostram-se próximos e solidários. Mas, houve mais uma surpresa no dia da circuncisão do menino. A circuncisão era um rito pelo qual o menino era incorporado ao povo de Deus. Era a hora de impor o nome da criança. A surpresa foi o nome escolhido pelos pais: não havia ninguém na família com aquele nome. A mãe queria assim. E o pai, também. Os parentes não estavam de acordo. Como o pai estivesse mudo, escreveu numa tabuinha: “O nome dele é João”. Foi como o anjo Gabriel o tinha instruído. Esse ato de obediência encerrou o castigo de Zacarias que antes não tinha acreditado nas palavras do anjo. E ele começou a falar e a louvar a Deus. Parentes e vizinhos ficaram pasmos, maravilhados. E a notícia correu por toda a região.

“O nome dele é João”. O menino, que acabou de nascer, não iria apenas dar continuidade à sua família ou repetir a história dos seus ascendentes. Ele iria escrever um novo capítulo na história de seu povo. João, não Zacarias. Um nome novo para uma nova missão. Ele encerraria o capítulo da paciente espera do Messias, abrindo o novo tempo. Apontaria o Messias já presente no meio do povo.

O texto de hoje sublinha a solidariedade dos vizinhos e parentes com aquele casal idoso. Eles não somente ficaram sabendo da gravidez prodigiosa de Isabel, mas também a consideraram uma obra misericordiosa de Deus na vida daquela família e se alegraram com ela. Ficaram maravilhados com o que aconteceu no dia da circuncisão da criança. E espalharam por todo canto a boa notícia do que Deus estava realizando no meio do seu povo.




Guardando a mensagem

O nascimento de uma criança é sempre um recomeço. Não vem para repetir o passado, embora não possa prescindir dele. É um novo ponto de partida. O futuro está começa naquela criança, é o novo entrando na história. O nascimento de uma criança, como o nascimento de João Batista, é um testemunho sobre Jesus. Ele veio assim. Uma criança frágil, chorando no frio daquela noite, ao abrigo de uma gruta e de seus animais, amparada somente pelo amor de uma mãe e de um pai abençoados. Um mistério de vida e de luz, o natal, só compreensível no clima do nascimento de uma criança, de uma mãe que dá a luz.

Todos os vizinhos ficaram maravilhados e a notícia espalhou-se por toda a região (Lc 1, 65).

Rezando a palavra 

Vamos rezar com as palavras do pai do menino João, ao ficar bom de sua mudez:

Bendito seja o Senhor Deus de Israel, que a seu povo visitou e libertou; e fez surgir um poderoso Salvador na casa de Davi, seu servidor, como falara pela boca de seus santos, os profetas desde os tempos mais antigos, para salvar-nos do poder dos inimigos e da mão de todos quantos nos odeiam. 

Vivendo a palavra

Reze, hoje, pelos seus vizinhos. E ao apresentar-lhes votos de boas festas, não fale só da ceia, dos presentes, do especial de natal... aproveite para falar-lhes de Jesus. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 23 de dezembro de 2019.

26 setembro 2019

ENCONTRO QUE MUDA VIDAS

Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas? (Lc 9, 9).
26 de setembro de 2019.
É Herodes perplexo, ouvindo falar de Jesus. Imaginou logo que poderia ser o próprio João Batista que tivesse ressuscitado. Corriam vozes que se tratava do profeta Elias que tinha voltado ou de algum antigo profeta ressuscitado. O tetrarca Herodes era um sujeito fraco e supersticioso. Para ilustrar sua fraqueza, basta lembrar que, mesmo a contragosto, mandou degolar João Batista na prisão para atender a um capricho da amante.
Herodes, um governante sem legitimidade, já vivia assustado pela sua impopularidade e pela repressão com que tratava os descontentes do seu regime. Ele era um dos monarcas sustentados pela aliança com o império romano. E comandava a Galileia, a região onde Jesus morava. Violento, cruel e inseguro, Herodes assustou-se com o que ouviu falar de Jesus.
“Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas?” Assim preocupado, Herodes procurava ver Jesus. Se Herodes não estivesse tão preocupado com seu poder (para não perdê-lo), poderia ter se valido desta sua perplexidade para ter um encontro verdadeiro com Jesus. Com certeza, abrindo o coração, esse encontro poderia levá-lo à conversão de sua vida de luxúria, violência e pecado.
De toda forma, a chance de encontrar-se com Jesus, Herodes teve. Na Paixão, três anos depois, Pilatos, tentando se livrar do caso, mandou Jesus como prisioneiro a Herodes. Mas, Herodes não soube aproveitar a ocasião para aproximar-se com respeito do Senhor e deixar-se interpelar pelo seu Evangelho. Cego pela vaidade, na euforia da bebida e arrotando soberba, Herodes só se ocupou de zombar de Jesus ou de querer arrancar-lhe um número de espetáculo para deleite de sua corte. Tratou Jesus como um mágico, um palhaço, humilhado pela prisão e pelos maus tratos. Jesus detido, amarrado, ficou calado. Não respondeu a nenhuma pergunta daquele monarca adúltero, violento e cruel. Mesmo ficando frente a frente com Jesus, Herodes não se deixou tocar pela graça e pelo amor de Deus.
Guardando a mensagem
A admiração de Herodes por João Batista não o impediu de mandar matar o profeta. Não basta a admiração pelo Senhor, por suas palavras ou por sua Igreja. É preciso conversão, mudança de vida, a partir do reconhecimento de sua vida errada, com o firme propósito de consertá-la. Não podemos deixar a graça passar. Jesus não é uma ameaça. Ele é a grande chance para nos libertarmos de uma vida vazia, tocada à vaidade. Herodes também teve a chance de se encontrar com Jesus. O verdadeiro encontro com o Senhor pede conversão, acolhida da graça de Deus numa vida nova. Mateus é um bom exemplo. Abandonou  a mesa dos impostos para seguir Jesus. Zaqueu é um bom exemplo. Na vida nova da graça, dividiu seus bens com os pobres e reparou o prejuízo que causara às pessoas. Herodes não, Herodes é um mau exemplo.
Quem é esse homem, sobre quem ouço falar essas coisas? (Lc 9, 9).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Como disseste, é o Pai quem nos revela quem tu és. É o Santo Espírito quem nos leva a viver em comunhão contigo e com o Pai. Que de cada encontro contigo, saiamos renovados, fortalecidos no caminho do bem e da justiça. Dá-nos, Senhor, a graça de conhecer-te sempre mais e a força para acolhermos de coração sincero a tua Palavra salvadora. Concede-nos, Senhor, perseverança nos teus caminhos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Você já tem o seu caderno espiritual? Ele é um bom recurso para apoiar o seu caminho de crescimento cristão. Bom, no seu caderno espiritual, hoje, faça uma lista de três coisas que têm mudado na sua vida, no seu contato com a Palavra do Senhor.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb – 26 de setembro de 2019.

10 junho 2019

SOMOS A IGREJA DE MARIA




Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

10 de junho de 2019.

Nesta segunda-feira, estamos celebrando a memória de Maria, Mãe da Igreja. Essa comemoração é nova na Igreja e se deve à iniciativa do Papa Francisco. Celebrada após Pentecostes, recordamos como ela deixou-se habitar pelo Espírito Santo. Como João a acolheu aos pés da cruz, também nós a acolhamos como mãe da comunidade dos seguidores de Jesus.

Vamos prestar bem atenção ao texto de hoje. “Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo”.

Vamos observar com cuidado a cena. Quem estava de pé, perto da cruz de Jesus? Você disse ‘Maria?’ Acertou. Mas, não disse tudo... Do texto se deduz que estavam de pé quatro pessoas: Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena; e João, o discípulo amado. O número quatro é um número simbólico, indicando totalidade, tudo, todos. É a Igreja toda que está aos pés da cruz do Senhor. Ali é o nosso lugar. 

O número quatro também está presente na partilha que os soldados fizeram das roupas de Jesus. Dividiram suas vestes em quatro partes, uma para cada soldado. É a sua herança que se espalha pelos quatro cantos do mundo.

Então, aos pés da cruz de Jesus, de pé, estão Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena e João. Nestes quatro, podemos sentir uma representação da comunidade que nasceu da morte redentora de Jesus. Sua mãe, os parentes que aderiram o evangelho representados por sua tia ou parenta de sua mãe, os discípulos libertados do mal representados em Madalena e os discípulos do seu grupo menor de apóstolos representados por João. Ali, aos pés da cruz está a Igreja. Igreja unida a Jesus, no seu sacrifício. Igreja que nasce do seu sacrifício redentor. Igreja de pé, em atitude oferente e vitoriosa sobre a morte. Igreja que acolhe a graça que desce da cruz como um rio de água viva, o Espírito Santo, que escorre do seu coração aberto pela lança. Igreja de ressuscitados e vitoriosos com Cristo sobre o mal, o pecado e a morte.

Aos pés da cruz, Maria torna-se mãe da comunidade gerada no sacrifício da cruz. Na anunciação, tinha se tornado mãe de Jesus. No calvário, tornou-se mãe da Igreja. “Mulher, eis aí o teu filho. Filho, eis aí a tua mãe”. Curiosamente, Jesus não a chama de mãe, mas de ‘mulher’. Ela é a nova Eva, mãe da nova humanidade redimida na cruz.

Guardando a mensagem

A memória de Maria, Mãe da Igreja  é a celebração da maternidade de Maria, mãe da nova comunidade nascida do sacrifício redentor de Jesus e da efusão do seu Espírito, derramado como água viva do seu coração. Ela está aos pés da cruz, unida ao sacrifício redentor do Filho, oferecendo-se com ele, em completa obediência ao Pai, fazendo-se assim mãe da comunidade redimida pelo sangue redentor. Suas dores são as dores do parto da nova humanidade que nasce aos pés da cruz. Os quatro, ali no Calvário, nos representam. Somos a Igreja do Senhor, com Maria. Ela é nossa mãe.  

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Hoje, contemplamos tua Mãe aos pés da cruz. Tu a entregaste como mãe a João, o discípulo amado. Ele nos representa, nós somos os teus discípulos amados. Obrigado pela boa mãe que nos deste. Igualmente entregaste à tua mãe o teu discípulo João como seu filho. Queremos ser bons filhos de tua santa mãe. Ela nos guie, nos conforte, nos sustente no caminho de fidelidade ao teu evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje é um dia especial para recomendarmos a Maria a Igreja de Jesus: cada batizado aí  de sua casa, as lideranças leigas de sua comunidade, nossos padres, bispos e o Papa Francisco. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.05.2019

14 março 2018

OS QUATRO TESTEMUNHOS SOBRE JESUS

As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou (Jo 5, 36)
15 de março de 2018.
Certamente alguém lhe disse que Jesus é o filho de Deus; que ele foi enviado pelo Pai para nos salvar;  que ele, por sua morte e ressurreição, nos alcançou a reconciliação com o Pai, o perdão dos nossos pecados. Quem foi que lhe disse isso? Quem lhe deu esse testemunho sobre Jesus?  Você vai pensar um pouco ou já tem uma resposta? Ah, já tem a resposta. Ótimo. Então, quem foi que lhe deu esse testemunho sobre Jesus?
Em primeiro lugar, tenho quase certeza, foram seus pais os primeiros a lhe darem um testemunho sobre Jesus. Depois, vieram seus catequistas, seus educadores e a comunidade cristã onde você participava.  É isso mesmo. É a Igreja quem nos diz quem é Jesus através dos nossos pais, catequistas, missionários, padres, religiosos. Claro, não podemos esquecer, a Palavra de Deus dá testemunho sobre Jesus. Verdade. Mas, é a Igreja quem nos apresenta e nos explica as Escrituras que dão testemunho sobre Jesus.
O importante é lembrar que esse testemunho que nos foi dado sobre Jesus nos pede uma resposta. Não foi uma informação histórica sobre um personagem do passado. Foi um testemunho sobre algo vital em nossa vida: a nossa felicidade, a nossa salvação; sobre algo e sobre alguém que tem a ver conosco, que continua falando conosco, nos sustentando e nos conduzindo nos caminhos de Deus. Esse testemunho pede uma resposta. Essa resposta pode ser chamada de fé, de conversão, de seguimento de Cristo.
Num certo momento de sua vida humana, Jesus fez uma forte reclamação contra o seu povo.  Notou que o testemunho dado sobre ele não estava sendo acolhido, não estava sendo levado a sério. Então, ele elencou quatro testemunhos que estavam sendo dados sobre ele. Quatro, você sabe, porque é um número de totalidade, um número completo. É só pensar nos pontos cardeais. E quais são os quatro testemunhos dados sobre Jesus?
Em primeiro lugar, o testemunho sobre Jesus foi dado por João Batista. João deu testemunho de Jesus. Ele o apresentou ao povo como o enviado de Deus, o Messias anunciado pelos profetas. Um testemunho valioso. Os judeus tinham enviado mensageiros a João para se informarem sobre isso. E João confirmou.  Deu testemunho da verdade.
Em segundo lugar, o testemunho sobre Jesus foi dado por suas próprias Obras. Como ele disse, “as obras que o Pai me concedeu realizar”.  Quais são as obras de Jesus? As obras de Cristo estão descritas nos evangelhos: ele abre os olhos do cego, purifica o leproso, faz andar o paralítico, ressuscita o morto, evangeliza os pobres. São as obras anunciadas pelo profeta Isaías. Ele liberta o sofredor, reconcilia os pecadores, evangeliza o povo.  São obras de Jesus. Mas, a sua maior obra é a redenção pela morte na cruz.
Em terceiro lugar, o testemunho sobre Jesus foi dado pelo Pai, que o enviou. O tempo todo, o Pai confirmou o seu filho nas suas palavras e nas suas obras. No batismo, ele o apresentou como seu filho amado. Na transfiguração, de novo se ouviu o Pai recomendando seu filho. Foi o Pai que o ressuscitou, confirmando-o como salvador e guia da humanidade.
Em quarto lugar, o testemunho sobre Jesus foi dado pelas Escrituras. Toda a história da salvação no Antigo Testamento aponta para Jesus. O Novo Testamento é o testemunho sobre sua vida e sua obra redentora. Nos Evangelhos, está a própria palavra de Jesus viva e atual.
Vamos guardar a mensagem
Recebemos o testemunho sobre Jesus dos nossos pais e catequistas, que nos comunicaram a fé da Igreja. No tempo de Jesus, ele mesmo chamou a atenção para quatro testemunhos dados sobre ele: o testemunho de João, o testemunho de suas obras, o testemunho do Pai e o testemunho das Escrituras. A reclamação de Jesus bem que pode ser para nós hoje. O que esses testemunhos têm produzido em nós? Como temos respondido a eles? A boa resposta seria a fé, a conversão, a vida de santidade. O que se pode esperar de nós que temos tido a chance de receber abundantemente o testemunho sobre Jesus? A vida de união com Deus e o compromisso de um mundo renovado pelo evangelho de Cristo.
As obras que eu faço dão testemunho de mim, mostrando que o Pai me enviou (Jo 5, 36)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Tivemos a graça de receber, desde cedo, diversos testemunhos sobre a tua pessoa.  Isso nos lembra o que disseste uma vez: a quem muito foi dado, muito será cobrado. Ajuda-nos, Senhor, pela assistência do teu Santo Espírito, a decididamente te escolher como caminho, verdade e vida. E te anunciar a outros, oferecendo também nós um testemunho forte sobre tua pessoa e tua obra redentora. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Quem sabe, hoje, não apareça uma ocasião boa pra você dar um testemunho sobre Jesus. Não perca a oportunidade.
Sendo hoje o dia missionário da Associação Missionária Amanhecer, a AMA, eu vou lhe sugerir que visite o nosso site: www.amanhecer.org.br

Pe. João Carlos Ribeiro – 14.03.2018