Mostrando postagens com marcador aos pés da cruz. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador aos pés da cruz. Mostrar todas as postagens

10 junho 2019

SOMOS A IGREJA DE MARIA




Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

10 de junho de 2019.

Nesta segunda-feira, estamos celebrando a memória de Maria, Mãe da Igreja. Essa comemoração é nova na Igreja e se deve à iniciativa do Papa Francisco. Celebrada após Pentecostes, recordamos como ela deixou-se habitar pelo Espírito Santo. Como João a acolheu aos pés da cruz, também nós a acolhamos como mãe da comunidade dos seguidores de Jesus.

Vamos prestar bem atenção ao texto de hoje. “Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Jesus, ao ver sua mãe e, ao lado dela, o discípulo que ele amava, disse à mãe: “Mulher, este é o teu filho”. Depois disse ao discípulo: “Esta é a tua mãe”. Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo”.

Vamos observar com cuidado a cena. Quem estava de pé, perto da cruz de Jesus? Você disse ‘Maria?’ Acertou. Mas, não disse tudo... Do texto se deduz que estavam de pé quatro pessoas: Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena; e João, o discípulo amado. O número quatro é um número simbólico, indicando totalidade, tudo, todos. É a Igreja toda que está aos pés da cruz do Senhor. Ali é o nosso lugar. 

O número quatro também está presente na partilha que os soldados fizeram das roupas de Jesus. Dividiram suas vestes em quatro partes, uma para cada soldado. É a sua herança que se espalha pelos quatro cantos do mundo.

Então, aos pés da cruz de Jesus, de pé, estão Maria, sua mãe; a irmã de sua mãe, Maria de Cléofas; Maria Madalena e João. Nestes quatro, podemos sentir uma representação da comunidade que nasceu da morte redentora de Jesus. Sua mãe, os parentes que aderiram o evangelho representados por sua tia ou parenta de sua mãe, os discípulos libertados do mal representados em Madalena e os discípulos do seu grupo menor de apóstolos representados por João. Ali, aos pés da cruz está a Igreja. Igreja unida a Jesus, no seu sacrifício. Igreja que nasce do seu sacrifício redentor. Igreja de pé, em atitude oferente e vitoriosa sobre a morte. Igreja que acolhe a graça que desce da cruz como um rio de água viva, o Espírito Santo, que escorre do seu coração aberto pela lança. Igreja de ressuscitados e vitoriosos com Cristo sobre o mal, o pecado e a morte.

Aos pés da cruz, Maria torna-se mãe da comunidade gerada no sacrifício da cruz. Na anunciação, tinha se tornado mãe de Jesus. No calvário, tornou-se mãe da Igreja. “Mulher, eis aí o teu filho. Filho, eis aí a tua mãe”. Curiosamente, Jesus não a chama de mãe, mas de ‘mulher’. Ela é a nova Eva, mãe da nova humanidade redimida na cruz.

Guardando a mensagem

A memória de Maria, Mãe da Igreja  é a celebração da maternidade de Maria, mãe da nova comunidade nascida do sacrifício redentor de Jesus e da efusão do seu Espírito, derramado como água viva do seu coração. Ela está aos pés da cruz, unida ao sacrifício redentor do Filho, oferecendo-se com ele, em completa obediência ao Pai, fazendo-se assim mãe da comunidade redimida pelo sangue redentor. Suas dores são as dores do parto da nova humanidade que nasce aos pés da cruz. Os quatro, ali no Calvário, nos representam. Somos a Igreja do Senhor, com Maria. Ela é nossa mãe.  

Daquela hora em diante, o discípulo a acolheu consigo (Jo 19, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Hoje, contemplamos tua Mãe aos pés da cruz. Tu a entregaste como mãe a João, o discípulo amado. Ele nos representa, nós somos os teus discípulos amados. Obrigado pela boa mãe que nos deste. Igualmente entregaste à tua mãe o teu discípulo João como seu filho. Queremos ser bons filhos de tua santa mãe. Ela nos guie, nos conforte, nos sustente no caminho de fidelidade ao teu evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje é um dia especial para recomendarmos a Maria a Igreja de Jesus: cada batizado aí  de sua casa, as lideranças leigas de sua comunidade, nossos padres, bispos e o Papa Francisco. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 10.05.2019

15 setembro 2017

AS QUATRO TESTEMUNHAS

Perto da cruz de Jesus, estavam de pé a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena (Jo 19, 25).
Quatro pessoas aos  pés da cruz do Senhor. E estão de pé.  Sua mãe Maria; Maria de Cléofas, sua tia; Maria Madalena, a libertada da dominação do mal; e o jovem disiscípulo João, a quem Jesus recomendou que cuidasse de sua mãe. A primeira da lista, sua mãe Maria, é a discípula número um. A que chegou antes de todos, pois o gerou na fé, por obra do Espírito Santo. A segunda é sua tia, casada com Cleofas, mãe dos primos-irmãos de Jesus, uma representação da família de sangue de Jesus.  Maria Madalena representa todos os que Jesus libertou; e João representa o grupo dos apóstolos. Quatro pessoas aos pés da cruz do Senhor. E estão de pé.
Quatro, porque aos pés da cruz, estão todos os discípulos de todos os tempos. Quatro é o número da totalidade. Lá é o nosso lugar. Como Igreja, nascemos aos pés da cruz, da morte redentora de Jesus na cruz. Lá, o seu coração foi rasgado pela lança do soldado, banhando-nos com a água do batismo, fonte que nasce do Templo que é o próprio Senhor na sua entrega radical por nós. Lá, do seu coração rasgado pela lança do soldado, mana o alimento sagrado do seu sangue que nos comunica a sua vida, qual pelicano que alimenta os seus filhotes tirando de si mesmo.

E essa Igreja, nascida aos pés da cruz, está de pé. De pé, que é a posição dos que foram libertados da paralisia do pecado, como o cego de nascença. De pé, que é a posição dos que tomavam a ceia da páscoa, prontos para a partida, em êxodo da escravidão do Egito. De pé, que é a posição dos que estão em comunhão com o Senhor que morre de pé na cruz, ressuscitando em vitória sobre o pecado, o mal e a morte.
Quatro discípulos, de pé, aos pés da cruz do Senhor. São quatro testemunhas de sua morte redentora e do derramamento do seu Espírito. De pé, porque sairão em missão, testemunhando a história de um Pai que deu seu próprio filho para salvar o mundo que ele amava. Quatro, numa só unidade, como a túnica sem costura que os soldados não rasgaram. Quatro, a espalharem a boa nova aos quatro cantos, como suas vestes que foram divididas com os quatro soldados estrangeiros.
Vamos guardar a mensagem de hoje