Mostrando postagens com marcador Nazaré. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Nazaré. Mostrar todas as postagens

09 janeiro 2020

ELE NÃO FALTAVA À CELEBRAÇÃO SEMANAL

Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura (Lc 4, 16)
09 de janeiro de 2020
O evangelho dá notícia que Jesus ensinava nas sinagogas da Galileia e era muito elogiado pelo povo. A Galileia é a região onde estava o povoado de Nazaré, onde morava sua família, onde ele tinha se criado. E é na Sinagoga de Nazaré que ele está, no evangelho de hoje.
Temos, neste evangelho, uma cena de uma celebração matinal na sinagoga de Nazaré. Jesus está presente, faz a leitura e está pregando. O livro santo é um rolo do profeta Isaías. E Jesus encontra e lê uma passagem que se refere à sua missão. A primeira reação das pessoas é de admiração pelas palavras de Jesus. Depois, a atitude da comunidade foi de rejeição, infelizmente.
Bom, está escrito que “conforme seu costume, Jesus entrou na Sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura”. Prestemos atenção a essa observação: “conforme seu costume”. Era, então, uma prática habitual sua, um costume, ir à sinagoga aos sábados, participar da celebração. Vindo a esse mundo, nascendo no seio do povo judeu, o nosso Jesus aprendeu com os seus pais e sua família a participar com assiduidade do ritmo religioso do seu povo. Só havia um Templo, para oferecimento de sacrifícios e esse era em Jerusalém. Para lá os fieis se dirigiam em peregrinação em três festas durante o ano, sobretudo na festa da páscoa. Nas cidades e povoados maiores, havia as sinagogas, casas de culto onde os judeus se reuniam, sobretudo para ouvir os textos sagrados, cantarem hinos e fazerem suas orações. Como você sabe, o dia santo do povo judeu é o sábado, como recordação da criação do mundo, o dia em que Deus contemplou sua obra e viu que tudo estava bem feito.
E eu estou chamando a atenção de vocês para essa observação do evangelista: “Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura”. Vemos um jovem comprometido com a sua comunidade de fé, fiel às tradições religiosas do seu povo. E, mesmo sendo o filho de Deus, está integrado numa prática religiosa concreta, valorizando e participando das celebrações de sua comunidade. Claro, nós não somos judeus, embora conservemos os seus livros sagrados do Antigo Testamento. Nós cristãos, guardamos o domingo, por causa da ressurreição de Jesus que foi nesse dia, mas conservamos o mesmo ritmo de celebrações semanais em nossas igrejas.
Guardando a mensagem
Nós seguidores de Jesus estamos sempre aprendendo com ele sobre como nos conduzir nessa vida, como agradar a Deus, como viver em fraternidade com os nossos semelhantes.  O bom seguidor de Jesus o imita também na fidelidade com que ele participava na celebração semanal de sua comunidade, na sinagoga de Nazaré. À sua imitação, procuramos ser fieis à celebração dominical. Nessa sagrada reunião semanal, ouvimos a Palavra de Deus e celebramos a Ceia do Senhor. Isso tem que ser um hábito na vida de cada um de nós, um compromisso semanal. Sem esse ritmo, nossa vida cristã se alimenta vagamente e ocasionalmente. O resultado é uma vida espiritual fraca, apagada e desligada do ritmo litúrgico da Igreja. Precisamos aprender com Jesus. Ele não faltava, aos sábados, à celebração de sua comunidade. E veja que ele não apenas era um fiel presente, mas um fiel participante. Assumia tarefas na celebração. É o que lemos hoje: ele levantou-se para fazer a leitura bíblica e depois explicou a palavra, como era costume os leigos fazerem isso nas sinagogas. A nossa tem que ser também uma participação ativa: ouvindo, rezando, cantando, oferecendo, comungando.
Conforme seu costume, Jesus entrou na sinagoga, no sábado, e levantou-se para fazer a leitura (Lc 4, 16)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Vendo o modo com que habitualmente frequentavas a sinagoga, no dia santo dos judeus, aprendemos a ter um grande amor pela comunidade e pela igreja que frequentamos. Queremos aprender contigo, Senhor, esse compromisso com a celebração semanal, com a audição da palavra de Deus, com a oração em comunidade. Nossa mãe Igreja tem nos ensinado que é assim que santificamos o dia do Senhor, o dia da tua e nossa ressurreição. Ajuda-nos, Senhor, a vencer a preguiça, a acomodação e sempre dar prioridade ao encontro comunitário dominical acima de qualquer opção de lazer ou de descanso. Ensina-nos, Senhor, a amar a santa palavra de Deus e a respeitar e querer bem aos nossos ministros. Que no Livro da Vida, possa ficar escrito sobre cada um de nós: “Conforme o seu costume, esse filho de Deus (ou essa filha) estava na Igreja todo domingo e participava ativamente, inclusive com tarefas na liturgia”. O teu exemplo e a tua graça, Senhor, nisto nos sustentem. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Bom, hoje ainda é quinta-feira. Mas, você pode ir logo se programando. No final de semana, reserve sempre o melhor horário para a Santa Missa. Para Deus, o seu melhor. Faça como Jesus.
09 de janeiro de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro

06 janeiro 2020

O NOVO MORADOR



Jesus deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia (Mt 4, 13). 

06 de janeiro de 2020.

No evangelho de hoje, há uma notícia que desperta nossa atenção: Jesus se mudou de Nazaré para Cafarnaum. Ele morava em Nazaré e mudou-se para Cafarnaum. Daqui pra frente, sempre que o evangelho disser que ele voltou pra casa, já se sabe, chegou à Cafarnaum. 

Mudar de residência, mudar de cidade, é uma decisão que exige um pouco de reflexão, não é verdade? Você, com certeza, já se mudou de um lugar pra outro. Posso até apostar que onde você mora hoje não é o lugar onde você nasceu e se criou. Estou certo? As pessoas se mudam em busca de melhoria de vida: por ter se casado e precisar acompanhar o cônjuge, por razões de trabalho, estudo dos filhos, oportunidades melhores em outro local, etc. E ninguém se muda sem um processo razoável de reflexão e decisão, não é verdade?! E a razão é que mudar-se, sobretudo deixar o seu lugarzinho, o cantinho de sua família, de seus conhecidos é sempre doloroso. E a mudança precisa ser bem planejada para que dê certo. 

Boa parte do nosso povo migra de um lugar para outro, à procura de melhoria de vida. Somos um país de migrantes. Uns chegaram de fora. Outros se mandam do norte para o sul, do sudeste para o centro oeste, do nordeste para o sudeste, do sul para o norte... Em grande parte, se está longe do seu lugar de origem, dos seus pais e parentes mais próximos. Basta lembrar os brasileiros que estão nos Estados Unidos. E lembro deles porque, em bom número, na região de Boston, nos acompanham no Rádio e na Meditação diária. Afinal, somos todos migrantes, como Jesus. 

Por que será que Jesus se mudou de Nazaré para Cafarnaum? Fácil, com certeza, não foi. Deixou em Nazaré, sua mãe, seus parentes próximos, tios e primos. Por lá ficou sua história de quase trinta anos de convivência, conhecimento e trabalho. É verdade que nascera em Belém. Mas, foram poucos dias de recém-nascido até sair em viagem apressada para as bandas do Egito, nos braços dos pais aflitos com a notícia da perseguição de Herodes. De lá, voltaram para Nazaré, depois da morte do rei. Em Nazaré, está a sua história: os seus dias de criança, sua participação na escola da sinagoga, o aprendizado na oficina de carpintaria do pai. Em Nazaré, todo mundo o conhecia: Jesus, filho de José, o carpinteiro. Lá, tinha um nome, uma profissão, uma mãe de quem recebia bons conselhos, muito carinho e muitas orações em seu favor; um pai piedoso e trabalhador também, mas não sabemos se a esta altura, ele já tivesse falecido ou não. 

Perto dos seus trinta anos, Jesus, de alguma forma, acompanhou o movimento do Batista, filho de Zacarias e Isabel, seu parente. É possível que tenha tomado conhecimento das pregações de João Batista no deserto, em alguma de suas peregrinações a Jerusalém. Muita gente estava acompanhando João Batista. Ele era a voz no deserto, como anunciara o Profeta Isaías. Estava preparando o povo para a chegada do Messias. Convocava o povo à conversão e o batizava no Rio Jordão. Jesus participou de pregações do Batista, sensível àquele movimento de renovação e se batizou também no Rio Jordão, mesmo com o protesto do profeta. Essa movimentação do Batista se dava na Judeia, no deserto, na parte mais ao sul do país. E Jesus ainda estava na Judeia, quando soube – olha que tristeza – que João tinha sido preso. Foi, então, que tomou a decisão de se mudar: voltar para a Galileia (norte do país), se estabelecer numa cidade mais central e começar sua missão. 

Guardando a mensagem 

Jesus tomou a decisão de mudar-se de Nazaré para Cafarnaum, num momento muito delicado da vida do seu povo: o profeta João Batista fora preso por ordem do rei Herodes, o filho do velho Herodes do seu tempo de recém-nascido. Quanta gente foi presa por esse monarca corrupto, quantos desaparecidos, quantos mortos nos calabouços de seus palácios!... Até agora, com certeza, Jesus estava procurando entender melhor sua missão, numa longa preparação de trinta anos. Chegara a hora de aparecer publicamente e proclamar que o tempo da espera terminara: com ele, o Reino de Deus estava chegando. Nazaré era uma cidadezinha isolada, no norte, longe das estradas públicas. Cafarnaum era central, na Galileia. Ficava às margens do grande lago, chamado de Mar da Galileia. Muito perto de Cafarnaum, passava uma estrada que cortava todo o país, a via maris, a estrada do mar. Pela maior facilidade de locomoção, pela centralidade da cidade em relação aos povoados e cidades vizinhas, Cafarnaum seria um lugar estratégico para a missão de Jesus. 

Jesus deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia (Mt 4, 13). 

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 
Sempre que lemos o teu evangelho, cresce em nós a admiração pelo mistério da encarnação do Verbo. Tu és o Deus que viveu a nossa vida humana, percorreu os nossos caminhos, fez história com o nosso povo. Tu também experimentaste mudar de uma cidade para outra, como quase todos nós, que somos um povo de migrantes, movidos pelas necessidades da sobrevivência. Certamente, não foi uma decisão fácil, por tudo que a tua pacata Nazaré representava em tua vida. Escolheste morar em Cafarnaum, uma cidade mais central e com mais facilidade de comunicação. Ainda assim, uma cidade mal vista pela elite de Jerusalém, que a considerava uma terra de pagãos e de judeus pouco praticantes da lei de Moisés. Escolher Cafarnaum como plataforma de tua missão foi já uma grande lição: Deus fala e age a partir dos pequenos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

Não deixe de ler o texto de hoje em sua Bíblia: Mateus 4,12-17.23-25. Em seu momento de oração, recomende ao Senhor os seus parentes que moram longe de você. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 06 de janeiro de 2020.



02 agosto 2019

NÃO FECHE AS PORTAS

E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé (Mt 13, 58).

02 de agosto de 2019.

Jesus suscitou muita admiração. Mas, engraçado, não foi aceito por todo mundo. A gente pode até identificar várias razões. Uns ficaram com inveja de sua popularidade; ou se sentiram ameaçados em suas posições de liderança. Outros perceberam que aceitá-lo seria mudar de vida, reconhecer o amor misericordioso de Deus em sua vida.  No geral, podemos dizer, muita gente gostava de Jesus, o admirava, mas não foi capaz de dar o passo decisivo: crer em Jesus.  

Jesus voltou à sua terra – Nazaré - e estava pregando na sinagoga. No início, todos estavam admirados com sua palavra simples e forte. Aos poucos, a reação passou da admiração à revolta. Acharam que, sendo ele uma pessoa crescida naquela comunidade, não podia ter aquela sabedoria toda, nem fazer milagres como diziam que ele fazia. Julgaram, então, que Jesus estivesse exorbitando, arvorando-se a ser quem não era. “Você não é um profeta coisa nenhuma!”, alguém deve ter gritado lá do fundo da sinagoga. Num certo momento, Jesus lamentou-se: “Um profeta só não é bem estimado em sua própria pátria e em sua família”. Eles não tinham fé. Jesus nem pode fazer os milagres que sempre fazia nessas ocasiões.  Essa visita à sinagoga de Nazaré, segundo o evangelho de São Lucas, terminou mal. Jesus foi expulso da Sinagoga. 

Afinal, não creram em Jesus, por quê? Aparentemente, porque conheciam a sua família. Só por isso?  Começaram a dizer que ele era o filho do carpinteiro, que a mãe era dona Maria e os primos-irmãos dele eram Tiago, José, Simão e Judas. Não havia essa palavra ‘primo’ na linguagem deles; para eles primos, tios, sobrinhos eram ‘irmãos’. E as irmãs também moravam por ali, casadas com certeza. Primas, claro. Afinal, Jesus era uma pessoa conhecida, de uma família dali, gente da comunidade. E era isso que eles não engoliam. Não podiam admitir que Deus estivesse agindo por meio de uma pessoa assim de origem humilde, de um vilarejo sem importância... esse era o problema! Eles estavam contrários exatamente ao modo como Deus estava agindo, na dinâmica da encarnação. 

A encarnação é a modalidade pela qual Deus enviou o seu filho, Deus como ele, nascido na carne. Nascido na ‘carne’ quer dizer nascido na fraqueza humana. Como disse Paulo, “nascido de uma mulher”. O povo de Nazaré reagiu contra a encarnação. Não aceitaram uma manifestação de Deus assim tão próxima deles.

Guardando a mensagem

A encarnação do Verbo é a verdade que desnorteia, que escandaliza o povo de Nazaré; e pessoas de hoje, também. Essa reação não está muito longe de nós. Tem muita gente que espera Deus agindo apenas lá de cima, sem passar pela fraqueza de pessoas aqui da terra e da terra dos pobres. Jesus ressuscitado conferiu a missão aos seus apóstolos e os enviou como seus missionários. Comunicou-lhes o seu Espírito e deu-lhes o seu poder. Assim, sua Igreja continua o seu ministério. Os pastores da Igreja, em nome de Cristo, continuam o seu ministério de perdoar, de ensinar, de conduzir... Os líderes das comunidades, os nossos pastores e todos os servidores do povo de Deus, homens e mulheres, em nome do Senhor, continuam orientando, evangelizando, abençoando. A atitude do povo de Nazaré se repete. Somos conhecidos, conhecem nossos pais e nossos irmãos, sabem de nossa origem humana e periférica, na maioria. Só na fé podem acolher o ministério de Jesus Salvador que exercitamos. Só na fé podem acolher a palavra que pregamos, em nome do Senhor. Sem a fé, correm o risco de fechar as portas para a graça que nós comunicamos.

E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé (Mt 13, 58).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Não foi fácil para os teus conterrâneos te acolherem como profeta e messias. É que eles estavam aguardando alguém que viesse de fora, dos círculos de poder, alguém que se mostrasse poderoso e superior. Mas, tu, de acordo com o teu Pai, vieste na humildade de um galileu daquela terra esquecida, com a sabedoria da convivência com o povo trabalhador e com a força da confiança em Deus. Tu, Deus verdadeiro, assumiste a condição humana e te expressaste na cultura do teu povo. Assim, nos ensinas a dar valor ao que somos e a valorizar os outros ao nosso redor. Agindo aasim, abrimos o caminho para te reconhecer agindo na Igreja e por meio dela, esta comunidade humana e frágil que carrega a grandeza de tua palavra e a força de tua graça redentora. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Neste mês vocacional, vamos celebrar, neste primeiro domingo, a vocação do Padre e dos Ministros Ordenados. Faça, hoje, uma prece em favor do padre e dos animadores de sua comunidade. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 02 de agosto de 2019.

29 setembro 2018

JESUS, OS ANJOS E A ESCADA

Vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem (Jo 1, 51)
29 de setembro de 2018.
Jesus chamou Felipe para segui-lo. Filipe encontrou-se com Natanael e lhe contou que tinha encontrado o Messias, Jesus de Nazaré. Mesmo cheio de preconceito contra o povo de Nazaré, Natanael acompanhou Felipe que o levou até Jesus. Na verdade, Jesus já o conhecia, para admiração de Natanael. Foi quando Jesus lhe disse que ele iria presenciar coisas muito maiores. “Vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem” (Jo 1, 51)
Para entender essa palavra de Jesus a Natanael é preciso lembrar o sonho de Jacó, contado no livro do Gênesis cap. 28. Jacó, em viagem, dormindo ao relento, teve um sonho. Viu uma escada apoiada no chão e com a outra ponta tocando o céu. Por essa escada, os anjos de Deus subiam e desciam. Lá, no topo, da escada, lá em cima no céu, estava Deus sentado no seu trono. E ele se apresentou a Jacó. Disse que era o Deus de Abraão, seu antepassado, Deus de Isaac, seu pai. E que lhe daria toda aquela terra por onde ele e sua família peregrinavam.
Qual será o significado desse sonho de Jacó? O que seria essa escada da terra ao céu com os anjos subindo e descendo por ela? Esse sonho foi uma profunda experiência de Deus em que o Senhor revelou ao seu servo uma comunicação direta entre o céu e a terra, entre Deus e o seu povo. Estava aberto um canal de comunicação direta com o Senhor. Os anjos são seus mensageiros, vêm da parte de Deus. E levam a Deus nossas preces, os nossos rogos, nossos louvores. O céu aberto e os anjos indo e vindo pela escada é o tempo novo da comunhão entre o céu e a terra, entre Deus e os seus servos. Esse tempo sonhado por Jacó chegou plenamente com a presença de Jesus entre nós.
É o que Jesus disse a Natanael: Vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem. Note essa parte: os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem. O Filho do homem é Jesus. Jesus nos abriu as portas do céu. A escada é ele mesmo. Jesus é a comunicação perfeita com o Pai, é aquele que nos liga ao Pai, é por ele que o Pai nos fala e se comunica conosco. Note que em todas as orações da Igreja, concluímos sempre dizendo: “Por Cristo, nosso Senhor”. ‘Por Cristo’ quer dizer por meio dele. Ele é o mediador entre o céu e a terra, a escada por onde nos comunicamos com o céu e por onde o Pai se comunica conosco.
Guardando a mensagem
Quando Natanael começou a seguir Jesus, o Mestre lhe disse que ele iria ver o céu aberto e os anjos subindo e descendo. Era uma referência ao sonho de Jacó, a comunicação direta entre o céu e a terra. Com Jesus, temos agora um canal de comunicação direta com Deus, o Pai, uma escada por onde podemos ascender ao céu. Lembre o que Jesus falou: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim”. É por ele que chegamos ao Pai. É por ele, que o Pai nos abençoa e nos conduz. Ele é o mediador entre o céu e a terra. Ele é a escada.
Vocês verão o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem (Jo 1, 51)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Hoje festejamos os anjos Miguel, Gabriel e Rafael. Na visão que Jacó teve da escada que unia a terra ao céu, ele viu os anjos subindo e descendo por ela. Com a tua obra redentora, Senhor Jesus, chegou esse tempo de comunhão entre o céu e a terra. Agora, sim, agora os anjos mensageiros de Deus e portadores de nossas preces podem estar em plena ação. Pois agora, essa comunicação entre o céu e a terra é possível por meio de ti, mediador da humanidade junto do Pai. Obrigado, Senhor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Jesus chamou Felipe para segui-lo. E Felipe chamou Natanael para conhecer Jesus. Se hoje, aparecer uma oportunidade para falar de Jesus a alguém... faça como Felipe. Não se deixe intimidar pelo preconceito. Fale do seu encontro com Jesus a essa pessoa.
Pe. João Carlos Ribeiro – 29.09.2018

03 setembro 2018

JESUS FOI EXPULSO DO SEU POVOADO

Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que vocês acabaram de ouvir (Lc 4, 21)
03 de setembro de 2018.
Naquele sábado, Jesus estava em Nazaré, sua terra, com seus discípulos e foi com eles participar da celebração na sinagoga. Nas sinagogas, não havia sacerdotes, lá não se ofereciam sacrifícios. Sacrifícios e sacerdotes, só no Templo de Jerusalém. Na sinagoga, os leigos adultos podiam ler e pregar sobre a palavra de Deus, sobretudo os mestres da Lei. Foi assim que Jesus se levantou e leu uma passagem bíblica e falou sobre o Reino de Deus. O povo ali presente na assembleia, em grande maioria, o conhecia. Nazaré era um lugar pequeno, um povoado. Todo mundo se conhecia. E Jesus tinha vivido ali desde pequeno. Tinha saído já rapaz. Agora estava de volta e mostrando muita sabedoria e muita desenvoltura, como pregador. Além do mais, não paravam de chegar à Nazaré as histórias de curas e milagres que ele operava por onde passava.
Jesus leu uma passagem do Profeta Isaías. Nessa passagem, Jesus identificou a sua própria missão. O Espírito de Deus o consagrara para anunciar a boa nova aos pobres, para proclamar a libertação aos cativos. Quando sentou-se para ensinar (assim faziam os mestres), começou dizendo que aquelas palavras estavam se cumprindo nele. “Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que vocês acabaram de ouvir” (Lc 4, 21).
Num primeiro momento, ali na sinagoga, ficou todo mundo admirado com ele, com sua sabedoria. Mas, logo começaram as críticas e resistências, uma má vontade impressionante. Outros evangelistas deram pormenores da reação. ‘De onde recebeu tudo isso?’ Se viesse da capital, se fosse uma pessoa das elites de Israel... mas nada, ele era dali mesmo, filho de José, filho de Maria, sua família toda conhecida. ‘Como conseguiu tanta sabedoria?. Fosse pelo menos um mestre da Lei, um judeu estudado, mas nada, tinha estudado apenas na escolinha da sinagoga quando menino. ‘E esses grandes milagres realizados por suas mãos?’. Um carpinteiro... mas olhe só! Que conversa de milagres?! Diz o evangelho: ficaram escandalizados com Jesus, isto é, ficaram irritados, revoltados, furiosos com ele. Eles o expulsaram do povoado.
O motivo da rejeição a Jesus, por parte dos seus conterrâneos, é claro. Eles não quiseram reconhecer que em Jesus agia o próprio Deus. E por quê? Porque em Jesus, eles viam a própria fraqueza (gente do interior pouco estudada, à margem do poder, um povoado de trabalhadores). E estavam certos que a manifestação de Deus não é na fraqueza, na pobreza, na marginalização. O lugar de Deus é nos centros de poder, nas classes privilegiadas, nas elites letradas. Deus habita no poder, na riqueza, na ciência. Esse é o pensamento de muita gente, não é verdade?
Nazaré, como muitos cristãos de hoje, não entende a dinâmica pela qual Deus está nos salvando. O Pai enviou o filho, em nossa condição humana. O verbo se fez carne, assumindo nossa vida em sua fragilidade e fraqueza. Jesus assumiu nossa fraqueza, nasceu, viveu e morreu humanamente, andando pelos nossos caminhos e morrendo na nossa morte. Para vencê-la, é verdade. Para nos conduzir pelos nossos caminhos humanos. É assim que ele reergueu o mundo decaído: por sua humilhação; por seu esvaziamento, como diz a carta aos Filipenses. É o mistério da en-car-na-ção. ‘O Verbo se fez carne e habitou entre nós’.
Guardando a mensagem
Sem acolhermos o mistério da encarnação - a dinâmica pela qual Deus está nos salvando em Cristo - nós nos negamos a reconhecer a presença atual de Jesus na história humana e na sua Igreja.  Mesmo ressuscitado, ele continua a ser o Emanuel, Deus-conosco. Ele mesmo disse que estava no faminto, no sedento, no maltrapilho, no migrante, no doente, no prisioneiro. Neles, podemos alimentá-lo, vesti-lo, visitá-lo, defendê-lo, acolhê-lo. Pela atuação do Santo Espírito, ele nos fala pelas palavras das Escrituras; ele nos alimenta com sua vida no sinal eucarístico do pão; ele nos pastoreia pelo ministério de pastores marcados pela fragilidade. É o mistério da encarnação. “É na fraqueza que a força de Deus se manifesta”, escreveu São Paulo.
Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que vocês acabaram de ouvir (Lc 4, 21)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Sem atenção ao mistério da encarnação, ficamos te procurando nos palácios, quando moras ao nosso lado; e aguardando o teu glorioso triunfo, quando passas carregando a cruz na subida do calvário; e preparamo-nos para ouvir a mais erudita pregação teológica, quando tu vens e nos contas parábolas e historietas populares. Ajuda-nos, Senhor, a acolher, na fé, o mistério da encarnação. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra

Estamos praticamente no início do mês da Bíblia. Posso lançar um desafio? Durante esse mês, ler a Bíblia, diariamente. Para sermos mais concretos, vamos fazer assim. Neste mês, leia o evangelho de São Marcos. É o evangelho da maior parte dos domingos deste ano. Então, o desafio está feito. Em setembro, todo dia ler um pedacinho da Bíblia, precisamente o evangelho de São Marcos. E quando você vai começar? Hoje! Ótimo.

Pe. João Carlos Ribeiro – 03.09.2018

08 julho 2018

JESUS TÃO PERTO, JESUS TÃO LONGE


E Jesus admirou-se com a falta de fé deles (Mc 6, 6)

08 de julho de 2018.

Naquele sábado, Jesus estava em Nazaré, sua terra, com seus discípulos e foi com eles participar da celebração na sinagoga. Nas sinagogas, não havia sacerdotes, não se ofereciam sacrifícios. Sacrifícios e sacerdotes só no Templo de Jerusalém. Na sinagoga, os leigos adultos podiam ler e pregar sobre a palavra de Deus, sobretudo os mestres da Lei. Foi assim que Jesus se levantou e leu uma passagem bíblica e falou sobre o Reino de Deus. O povo ali presente na assembleia, em grande maioria, o conhecia. Nazaré era um lugar pequeno, um povoado. Todo mundo se conhecia. E Jesus tinha vivido ali desde pequeno. Tinha saído já rapaz. Agora estava de volta e mostrando muita sabedoria e muita desenvoltura, como pregador. Além do mais, não paravam de chegar à Nazaré as histórias de curas e milagres que ele operava por onde passava. Num primeiro momento, ali na sinagoga, ficou todo mundo admirado com Jesus.

Mas, logo começaram as críticas e resistências, uma má vontade impressionante. ‘De onde recebeu tudo isso?’ Se viesse da capital, se fosse uma pessoa das elites de Israel... mas nada, ele era dali mesmo, filho da viúva Maria, seus primos-irmãos e primas-irmãs eram todos conhecidos da comunidade. ‘Como conseguiu tanta sabedoria?”. Fosse pelo menos um mestre da Lei, um judeu estudado, mas nada, tinha estudado apenas na escolinha da sinagoga quando menino. ‘E esses grandes milagres realizados por sua mãos?”. Um carpinteiro, é disso que suas mãos entendem. Que conversa de milagres?! Diz o evangelho: ficaram escandalizados com Jesus, isto é, ficaram irritados, revoltados, furiosos com ele.

O motivo da rejeição a Jesus, por parte dos seus conterrâneos, é claro. Eles não quiseram reconhecer que em Jesus agia o próprio Deus. E por quê? Porque em Jesus, eles viam a própria fraqueza (gente do interior pouco estudada, à margem do poder, um povoado de trabalhadores). E estavam certos que a manifestação de Deus não é na fraqueza, na pobreza, na marginalização. O lugar de Deus é nos centros de poder, nas classes privilegiadas, nas elites letradas. Deus habita no poder, na riqueza, na ciência. Esse é o pensamento de muita gente, não é verdade?

Nazaré, como muitos cristãos de hoje, não entende a dinâmica pela qual Deus está nos salvando. O Pai enviou o filho, em nossa condição humana. O verbo se fez carne, assumindo nossa vida em sua fragilidade e fraqueza. A oração da Missa deste domingo diz: “Ó Deus, que pela humilhação do vosso filho reerguestes o mundo decaído...”. Jesus assumiu nossa fraqueza, nasceu, viveu e morreu humanamente, andando pelos nossos caminhos e morrendo na nossa morte. Para vencê-la, é verdade. Para nos conduzir pelos nossos caminhos humanos. É assim que ele reergueu o mundo decaído: por sua humilhação; por seu esvaziamento, como diz a carta aos Filipenses. É o mistério da en-car-na-ção. ‘O Verbo se fez carne e habitou entre nós’.

Vamos guardar a mensagem

Sem acolhermos o mistério da encarnação - a dinâmica pela qual Deus está nos salvando em Cristo - nós nos negamos a reconhecer a presença atual de Jesus na história humana e na sua Igreja.  Mesmo ressuscitado, ele continua a ser o Emanuel, Deus-conosco. Ele mesmo disse que estava no faminto, no sedento, no maltrapilho, no migrante, no doente, no prisioneiro. Neles, podemos alimentá-lo, vesti-lo, visitá-lo, defendê-lo, acolhê-lo. Pela atuação do Santo Espírito, ele nos fala pelas palavras das Escrituras; ele nos alimenta com sua vida no sinal eucarístico do pão; ele nos pastoreia pelo ministério de pastores marcados pela fragilidade. É o mistério da encarnação. “É na fraqueza que a força de Deus se manifesta”, escreveu São Paulo.

E Jesus admirou-se com a falta de fé deles (Mc 6, 6)

Senhor Jesus,
Os teus conterrâneos agiram com preconceito. Na verdade, rejeitando-te por seres conhecido ali e membro daquela comunidade, estavam desprezando a si próprios, ao seu povoado, à sua história. Certamente, eles tinham introjetado preconceitos de outras regiões contra sua terra. Teu próprio discípulo Natanael, antes de te conhecer, saiu-se com essa: “De Nazaré, pode sair algo de bom?”. Sem atenção ao mistério da encarnação, Senhor, ficamos te procurando nos palácios, quando moras ao nosso lado; e aguardando o teu glorioso triunfo, quando passas carregando a cruz na subida do calvário; e preparamo-nos para ouvir a mais erudita pregação teológica, quando tu vens e nos contas parábolas e historietas populares. Ajuda-nos, Senhor, a acolher, na fé, o mistério da encarnação. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vamos viver a palavra

Onde anda a sua Bíblia? Não a deixe escondida. Não tenha vergonha dela. Leia o evangelho de hoje em sua Bíblia (Marcos 6, 1-6).

Pe. João Carlos Ribeiro – 08.07.2018

31 janeiro 2018

UMA COMUNIDADE QUE PERDEU A GRANDE CHANCE


MEDITAÇÃO PARA A QUARTA-FEIRA, DIA 31 DE JANEIRO DE 2018.
Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares (Mc 6, 4)
Diga-me uma coisa: a sua família é numerosa ou é bem pequena? ... O pessoal de outra geração tinha família muito grande, não é verdade? No tempo de Jesus, na Palestina, as famílias eram numerosas. Todos os aparentados com o chefe da casa ou que morassem juntos pertenciam à mesma família. Os parentes moravam na mesma casa ou eram vizinhos. E os filhos, claro, se criavam juntos, convivendo com os parentes da mesma idade. No hebraico, não há palavras específicas para parentes próximos. Todos são chamados de irmãos. Irmãos podem ser primos, tios, sobrinhos, etc.  Irmãos são todos os que pertencem à grande família.
No evangelho de hoje, aparece uma lista de irmãos de Jesus. Seriam irmãos mesmo ou é uma forma de designar os parentes próximos? Vamos à sinagoga de Nazaré pra ver o que está acontecendo. Jesus está pregando. É um dia de sábado. As pessoas dali mais ou menos devem ser conhecidas dele. É verdade que ele ficou um tempo fora, mas foi ali que se criou. As pessoas estão admiradas com sua pregação. Mas, já começa um burburinho, gente que está estranhando ou querendo desqualificar a presença de Jesus. Vamos ouvir...  “Oi, este homem não é o carpinteiro? É ele mesmo. Oi, e ele não é o filho de dona Maria? Não é irmão de Tiago, de Joset, de Judas e de Simão? E as irmãs dele não vivem todas por aqui? Onde é que arrumou tanta sabedoria? E esses milagres que dizem que ele anda fazendo por aí? Como é isso?”.
Vamos sair um pouquinho da sinagoga, para eu lhe dar uma explicação. Venha aqui fora...Escute só:  “Irmãos” é uma forma de nomear os parentes próximos, possivelmente seus primos, aqueles com quem ele tinham se criado. Esses supostos irmãos Tiago, José, Simão e Judas aparecem em outras partes do evangelho, como filhos de outros pais e outras mães. A Igreja sempre entendeu, lendo a Bíblia Sagrada e escutando a Tradição desde o tempo dos apóstolos, que Maria teve apenas Jesus. Ele é o seu primeiro e único filho. Ser primogênito no povo de Deus era uma coisa muito especial, porque tinha uma relação especial com Deus, era consagrado ao Senhor. Jesus era um primogênito. Mas, isso não quer dizer que depois dele, vieram outros filhos. Tira qualquer dúvida o fato de Jesus, antes de sua morte na cruz, ter entregue sua mãe aos cuidados do seu discípulo João, este era filho de Zebedeu. Se Maria não ficou com nenhum filho é porque não os tinha, como não tinha mais o seu esposo José, àquela altura.
Bom, o importante é notar que ter conhecido Jesus, tê-lo visto crescer entre os seus muitos parentes, foi uma razão para muita gente em Nazaré não acolher a sua pregação. Tinham um conhecimento superficial da pessoa de Jesus. Julgavam conhecê-lo. E isso foi para eles um motivo para fechar o coração para a mensagem de Deus da qual ele era portador, para a pessoa divina que ele era e para sua mensagem sobre o Reino de Deus.
Vamos guardar a mensagem
O povo de Nazaré, por ter acompanhado superficialmente a infância e a juventude de Jesus, por conhecer seus pais e seus parentes, negaram-se a crer na sua pregação. Fecharam o coração às maravilhas de Deus que ele testemunhava com suas palavras, suas atitudes e seus milagres. Que grande oportunidade eles perderam para reconhecer e acolher a manifestação de Deus na pessoa do seu filho humanado! Eles fecharam-se no sentimento mesquinho da inveja e do preconceito. Isso pode acontecer com você, com todos nós. Podemos permanecer com uma vaga ideia sobre a pessoa de Jesus, perdendo a chance de nos deixar evangelizar com maior profundidade. Ou nos deixar iludir por discussões inúteis que nos tiram do foco a pessoa do filho de Deus e seu anúncio sobre o Reino. Não faça como o povo de Nazaré, pelo amor de Deus.
Um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares (Mc 6, 4)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Ficaste triste em Nazaré, decepcionado. Não te acolheram. Então, não acolheram o Pai que te enviou. Deram as costas ao anúncio do Reino de Deus. Foi quando disseste, com certo amargor: “É, um profeta só não é estimado em sua própria pátria, entre seus parentes e familiares”. Senhor, longe de nós, hoje, te decepcionar. Não queremos que nenhum preconceito ou opiniões duvidosas nos impeçam de acolher o evangelho do Reino que tu nos trazes. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Sabe quem conhece bem Jesus, em sua humanidade? A mãe dele. Ela pode lhe dizer muita coisa sobre ele. Faça hoje uma prece a essa nossa boa mãe: “Mãe, me diz quem é Jesus, me fala sobre ele”.

Pe. João Carlos Ribeiro –30.01.2018

03 agosto 2017

NÃO FAÇA COMO NAZARÉ

De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? (Mt 13, 54)
Diga-me uma coisa: a sua família é numerosa ou é bem pequena? ... O pessoal mais antigo tinha famílias muito grandes, não é verdade? No tempo de Jesus, na Palestina, as famílias eram numerosas. Havia a tribo, que era formada por diversos clãs e cada clã era formado por muitas famílias. Todos os aparentados com o chefe da casa ou que morassem juntos pertenciam à mesma família. Os parentes moravam na mesma casa ou eram vizinhos. E os filhos, claro, se criavam juntos, convivendo com os parentes da mesma idade. No hebraico, não há palavras específicas para os parentes próximos. Todos são chamados de irmãos. Irmãos podem ser primos, tios, sobrinhos, etc.  Irmãos são todos os que pertencem à grande família.
No evangelho de hoje, aparece uma lista de irmãos de Jesus. Seriam irmãos mesmo ou é uma forma de designar os parentes próximos? Em Nazaré, onde Jesus crescera e foi ensinar na Sinagoga, perguntaram:  “Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? E suas irmãs não moram conosco? Então de onde lhe vem tudo isso?”
A Igreja sempre entendeu, lendo a Bíblia Sagrada e escutando a Tradição desde o tempo dos apóstolos, que Maria teve apenas Jesus. Ele é o seu primeiro e único filho. Ser primogênito no povo de Deus era uma coisa muito especial, porque tinha uma relação especial com Deus, era consagrado ao Senhor. Jesus era um primogênito. Mas, isso não quer dizer que depois dele, vieram outros filhos.
“Irmãos” é uma forma de nomear os parentes próximos, possivelmente seus primos, aqueles com quem ele tinha se criado. Esses supostos irmãos Tiago, José, Simão e Judas aparecem em outras partes do evangelho. De Tiago, por exemplo, é dito que é filho de Alfeu. Então, não é de Maria. Aos pés da cruz, há uma Maria dita “irmã de sua mãe”, uma parenta próxima da Virgem.  No Evangelho de Marcos, é dito que uma Maria, aos pés da cruz, era mãe de Tiago e José. É muito comum na Bíblia parentes próximos serem chamados de irmãos. Não são, portanto, irmãos de sangue de Jesus, mas seus parentes próximos, possivelmente primos criados com ele.
Tira qualquer dúvida o fato de Jesus, antes de sua morte na cruz, ter entregue sua mãe ao seu discípulo João, este filho de Zebedeu. Se Maria não ficou com nenhum filho é porque não os tinha, como não tinha mais, àquela altura, o seu esposo José.
Bom, o importante é notar que ter conhecido Jesus, tê-lo visto crescer entre os seus muitos parentes, foi uma razão para muita gente em Nazaré não acolher a pregação de Jesus. “De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres?”, se perguntavam descrentes. E, como não tinham fé, Jesus não pode fazer ali muitos milagres. Tinham um conhecimento superficial da pessoa de Jesus. Julgavam conhecê-lo. E isso foi para eles um motivo para fechar o coração para a mensagem de Deus da qual ele era portador, para a pessoa divina que ele era.