Mostrando postagens com marcador Mt 4. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mt 4. Mostrar todas as postagens

26 janeiro 2020

O DOMINGO DA PALAVRA DE DEUS


Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23)

26 de janeiro de 2020

Neste terceiro Domingo do Tempo Comum, estamos celebrando o DOMINGO DA PALAVRA DE DEUS. O evangelho nos conta como Jesus, ao saber da prisão de João Batista, foi morar em Cafarnaum e começou a pregar o Reino de Deus. Os primeiros seguidores eram pescadores e Jesus os convidou a pescarem gente, com ele. O texto do evangelho de hoje termina com um pequeno resumo da atividade de Jesus: ele andava por toda a Galileia, ensinando, pregando, curando.

Podemos, hoje, manter o foco nessa atividade de Jesus: a pregação. Lemos no v. 7: “Daí em diante, Jesus começou a pregar dizendo: Convertam-se, porque o reino dos céus está próximo”. Então, em sua pregação, Jesus convocava à conversão, à mudança de vida, em vista do reino que estava próximo. No v. 23, lemos: “Jesus andava por toda a Galileia, ensinado em suas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo”. Então, pregava o evangelho do reino e, em realização de sua pregação, curava o povo de suas enfermidades. Assim, o reino ficava bem compreendido como intervenção salvadora de Deus.  Na 1a. carta aos Coríntios, Paulo escreveu: “De fato, Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar a boa-nova da salvação, sem me valer dos recursos da oratória para não privar a cruz de Cristo de sua força própria”. Então, é verdade, nas leituras de hoje, podemos ter um foco especial na pregação de Jesus.

Ao que parece, Jesus não pregava apenas repetindo as palavras dos pergaminhos, dos livros santos. Bom, em Nazaré, como certamente em todas as Sinagogas, o vemos partir da leitura dos textos sagrados. Mas, a novidade era a atualização que ele fazia daquelas palavras. Em Nazaré, por exemplo, ele disse: “Hoje se cumpriram as palavras que vocês acabaram de ouvir’’. Essa era a novidade de Jesus. Ele anunciava uma palavra viva, cheia de sentido para a vida dos seus ouvintes. Não era um repetidor dos escritos e da tradição, carregando o povo de obrigações com a Lei, como os fariseus. Nele, aquelas palavras se realizavam. Por ele, as antigas promessas tornavam-se vida. Pela sua pregação, as pessoas compreendiam a Palavra como manifestação do amor misericordioso de Deus. Por isso, se admiravam como ele falava com autoridade, não como os escribas.

O Papa Francisco, que em setembro do ano passado, escreveu uma Carta Apostólica marcando este domingo para a celebração, reflexão e divulgação da Palavra de Deus, chamou a atenção para o fato do Espírito Santo tornar viva e atual a palavra escrita. Escreveu ele: “Para alcançar a finalidade salvífica, a Sagrada Escritura, sob a ação do Espírito Santo, transforma em Palavra de Deus a palavra dos homens escrita à maneira humana. O papel do Espírito Santo na Sagrada Escritura é fundamental. Sem a sua ação, estaria sempre iminente o risco de ficarmos fechados apenas no texto escrito, facilitando uma interpretação fundamentalista, da qual é necessário manter-se longe para não trair o caráter inspirado, dinâmico e espiritual que o texto possui. Como recorda o Apóstolo, «a letra mata, enquanto o Espírito dá a vida» (Carta apostólica do Papa Francisco “Aperuit illis”, sobre o Domingo da Palavra de Deus).

Guardando a mensagem

Estamos no Domingo da Palavra de Deus. Jesus, ao iniciar sua missão, começou a pregar a conversão, em vista do reino que estava chegando. Andava pelas sinagogas da Galileia, pregando o evangelho do reino e curando as enfermidades do povo. São Paulo afirmou que Cristo o mandou pregar a boa-nova da salvação. O conteúdo da pregação é o anúncio do reino de Deus que chegou, com Jesus, como reconciliação, vida plena, perdão, salvação. O povo distinguia claramente a pregação de Jesus da pregação dos fariseus. Jesus, com os textos e a tradição da fé do seu povo, comunicava o tempo novo que estava chegando, pela misericórdia de Deus. Os fariseus, repetindo as normas e os mandamentos dos livros ou da tradição, colocavam pesadas cargas nas costas do povo. O Espírito Santo é quem vivifica a Palavra. Ele, que inspirou os autores sagrados, continua inspirando a Igreja e os seus filhos a compreenderem e a acolherem a mensagem divina para as suas vidas. O Espírito Santo continua nos ajudando a acolher a Palavra da Salvação, particularmente na pregação litúrgica e na leitura orante da palavra de Deus (a lectio divina).

Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Estamos felizes por estar celebrando hoje o Domingo da Palavra de Deus. Tu és o Cristo, o ungido pelo Espírito Santo para a missão. Assim, não és apenas um grande pregador da Palavra de Deus, mas tu és a própria Palavra, o Verbo feito carne. Dá-nos, Senhor, o teu Santo Espírito para compreendermos as Escrituras e para te conhecer e amar ainda mais. O Papa Francisco falou pra gente ter mais confiança na ação do Espírito. Ele continua a realizar a sua inspiração quando a Igreja ensina a Sagrada Escritura, quando o Magistério a interpreta de forma autêntica e quando cada um de nós faz dela a sua norma espiritual. Senhor, livra-nos do fundamentalismo, que interpreta tudo ao pé da letra, sem o discernimento do Espírito e da inteligência humana. E não deixes viver indiferentes às tuas abençoadas palavras com que nos conduzes como bom pastor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Ponha a sua Bíblia, hoje, em destaque, na sua casa. Nela, leia o evangelho de hoje: Mateus 4, 12-23.

26 de janeiro de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

06 janeiro 2020

O NOVO MORADOR



Jesus deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia (Mt 4, 13). 

06 de janeiro de 2020.

No evangelho de hoje, há uma notícia que desperta nossa atenção: Jesus se mudou de Nazaré para Cafarnaum. Ele morava em Nazaré e mudou-se para Cafarnaum. Daqui pra frente, sempre que o evangelho disser que ele voltou pra casa, já se sabe, chegou à Cafarnaum. 

Mudar de residência, mudar de cidade, é uma decisão que exige um pouco de reflexão, não é verdade? Você, com certeza, já se mudou de um lugar pra outro. Posso até apostar que onde você mora hoje não é o lugar onde você nasceu e se criou. Estou certo? As pessoas se mudam em busca de melhoria de vida: por ter se casado e precisar acompanhar o cônjuge, por razões de trabalho, estudo dos filhos, oportunidades melhores em outro local, etc. E ninguém se muda sem um processo razoável de reflexão e decisão, não é verdade?! E a razão é que mudar-se, sobretudo deixar o seu lugarzinho, o cantinho de sua família, de seus conhecidos é sempre doloroso. E a mudança precisa ser bem planejada para que dê certo. 

Boa parte do nosso povo migra de um lugar para outro, à procura de melhoria de vida. Somos um país de migrantes. Uns chegaram de fora. Outros se mandam do norte para o sul, do sudeste para o centro oeste, do nordeste para o sudeste, do sul para o norte... Em grande parte, se está longe do seu lugar de origem, dos seus pais e parentes mais próximos. Basta lembrar os brasileiros que estão nos Estados Unidos. E lembro deles porque, em bom número, na região de Boston, nos acompanham no Rádio e na Meditação diária. Afinal, somos todos migrantes, como Jesus. 

Por que será que Jesus se mudou de Nazaré para Cafarnaum? Fácil, com certeza, não foi. Deixou em Nazaré, sua mãe, seus parentes próximos, tios e primos. Por lá ficou sua história de quase trinta anos de convivência, conhecimento e trabalho. É verdade que nascera em Belém. Mas, foram poucos dias de recém-nascido até sair em viagem apressada para as bandas do Egito, nos braços dos pais aflitos com a notícia da perseguição de Herodes. De lá, voltaram para Nazaré, depois da morte do rei. Em Nazaré, está a sua história: os seus dias de criança, sua participação na escola da sinagoga, o aprendizado na oficina de carpintaria do pai. Em Nazaré, todo mundo o conhecia: Jesus, filho de José, o carpinteiro. Lá, tinha um nome, uma profissão, uma mãe de quem recebia bons conselhos, muito carinho e muitas orações em seu favor; um pai piedoso e trabalhador também, mas não sabemos se a esta altura, ele já tivesse falecido ou não. 

Perto dos seus trinta anos, Jesus, de alguma forma, acompanhou o movimento do Batista, filho de Zacarias e Isabel, seu parente. É possível que tenha tomado conhecimento das pregações de João Batista no deserto, em alguma de suas peregrinações a Jerusalém. Muita gente estava acompanhando João Batista. Ele era a voz no deserto, como anunciara o Profeta Isaías. Estava preparando o povo para a chegada do Messias. Convocava o povo à conversão e o batizava no Rio Jordão. Jesus participou de pregações do Batista, sensível àquele movimento de renovação e se batizou também no Rio Jordão, mesmo com o protesto do profeta. Essa movimentação do Batista se dava na Judeia, no deserto, na parte mais ao sul do país. E Jesus ainda estava na Judeia, quando soube – olha que tristeza – que João tinha sido preso. Foi, então, que tomou a decisão de se mudar: voltar para a Galileia (norte do país), se estabelecer numa cidade mais central e começar sua missão. 

Guardando a mensagem 

Jesus tomou a decisão de mudar-se de Nazaré para Cafarnaum, num momento muito delicado da vida do seu povo: o profeta João Batista fora preso por ordem do rei Herodes, o filho do velho Herodes do seu tempo de recém-nascido. Quanta gente foi presa por esse monarca corrupto, quantos desaparecidos, quantos mortos nos calabouços de seus palácios!... Até agora, com certeza, Jesus estava procurando entender melhor sua missão, numa longa preparação de trinta anos. Chegara a hora de aparecer publicamente e proclamar que o tempo da espera terminara: com ele, o Reino de Deus estava chegando. Nazaré era uma cidadezinha isolada, no norte, longe das estradas públicas. Cafarnaum era central, na Galileia. Ficava às margens do grande lago, chamado de Mar da Galileia. Muito perto de Cafarnaum, passava uma estrada que cortava todo o país, a via maris, a estrada do mar. Pela maior facilidade de locomoção, pela centralidade da cidade em relação aos povoados e cidades vizinhas, Cafarnaum seria um lugar estratégico para a missão de Jesus. 

Jesus deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia (Mt 4, 13). 

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 
Sempre que lemos o teu evangelho, cresce em nós a admiração pelo mistério da encarnação do Verbo. Tu és o Deus que viveu a nossa vida humana, percorreu os nossos caminhos, fez história com o nosso povo. Tu também experimentaste mudar de uma cidade para outra, como quase todos nós, que somos um povo de migrantes, movidos pelas necessidades da sobrevivência. Certamente, não foi uma decisão fácil, por tudo que a tua pacata Nazaré representava em tua vida. Escolheste morar em Cafarnaum, uma cidade mais central e com mais facilidade de comunicação. Ainda assim, uma cidade mal vista pela elite de Jerusalém, que a considerava uma terra de pagãos e de judeus pouco praticantes da lei de Moisés. Escolher Cafarnaum como plataforma de tua missão foi já uma grande lição: Deus fala e age a partir dos pequenos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

Não deixe de ler o texto de hoje em sua Bíblia: Mateus 4,12-17.23-25. Em seu momento de oração, recomende ao Senhor os seus parentes que moram longe de você. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 06 de janeiro de 2020.



30 novembro 2019

O PRIMEIRO APÓSTOLO DE JESUS

Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram (Mt 4,20)

30 de novembro de 2019.

Sendo hoje o Dia do Apóstolo Santo André, a Igreja nos abre o evangelho de Mateus para revisitarmos o seu primeiro encontro com Jesus. Ele e seu irmão Simão estavam pescando, quando foram surpreendidos pelo chamado do Mestre. Eles, que eram pescadores de peixe aprenderiam com Jesus a ser pescadores de gente. Um pouco mais adiante, Jesus chamou outros dois irmãos: Tiago e João. Estavam na barca, com o pai, consertando as redes.  

É muito interessante que Jesus tenha escolhido seus primeiros discípulos, que depois se tornaram apóstolos, entre os que estavam trabalhando no mar da Galileia. O mar é uma representação judaica do mundo. E a pesca, uma forma de representar a atividade missionária. O primeiro pescador é Jesus que, no mar, pesca discípulos, por assim dizer. Jesus é assim o primeiro pescador. Chama/pesca seus primeiros discípulos no mar.

Esses quatro primeiros discípulos – André, Simão, Tiago e João - são como que representantes de todos nós discípulos e discípulas, igualmente chamados por Jesus. O Senhor nos encontra no mar do mundo e nos chama para o seu seguimento. Seguir Jesus altera o nosso modo de ser e de viver. Ele nos tira do mar, nos separa do mundo. Ainda ontem, o Papa Francisco, em sua homilia, na Capela da Casa Santa Marta, disse: “Abramos o coração com esperança e nos afastemos da paganização da vida”. Ele se referia exatamente a essa condição de termos sido chamados do mundo para viver na dinâmica do Reino de Deus. Mesmo sem sair do mundo, não lhe pertencemos mais. Não podemos continuar pensando e agindo mundanamente, pagãmente.

Nesta mesma cena do evangelho, está o modelo de resposta para todos os que forem chamados a ser discípulos de Jesus: deixar tudo e segui-lo. As duas duplas – André e Pedro; Tiago e João - responderam com a mesma generosidade: imediatamente deixaram tudo para seguir Jesus. Eles deixaram as redes, o barco e até o pai. Essa resposta pronta, generosa é um modelo para todos os convocados, para nós. É assim que temos que responder ao chamado de Cristo. 

‘Sigam-me, eu farei de vocês pescadores de gente’, disse-lhes Jesus. Eles até poderão fazer a mesma coisa que faziam antes. Mas, de uma nova forma, com um novo objetivo. Lembrando que o mar representa o mundo, os discípulos ao se tornaram apóstolos, missionários, aprenderão a ser pescadores de gente no mar do mundo. O cristão é o discípulo, tirado do mundo para ser seguidor de Jesus. E, claro, voltará ao mundo, mas, agora, como pescador do Reino, como missionário. 






Guardando a mensagem
Nesta cena do evangelho de hoje, está um modelo do chamado de todo discípulo. O Senhor nos chama do meio do mundo, da normalidade da vida. Não deixamos o mundo, mas o chamado nos faz viver e agir no mundo de outra forma, como sal e luz de Deus. Neste texto, também encontramos um modelo de resposta a este chamado: ‘deixaram tudo e o seguiram’. É assim que temos que responder ao convite de Jesus. Surpreendentemente, ele que nos separou do mundo, nos devolve ao mundo, como missionários, como apóstolos. De pescadores de peixe, nos tornamos pescadores do Reino. 

Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram (Mt 4, 20)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
neste dia da festa do apóstolo André, o primeiro a ser chamado no mar da Galiléia, nós te agradecemos, divino pescador, por nos teres chamado ao teu seguimento. És tu que tomas a iniciativa, que dás o primeiro passo, que vens nos chamar. Tu nos disseste um dia: ‘não foram vocês que me escolheram. Fui eu que escolhi vocês’. Ajuda-nos, Senhor, com o teu Santo Espírito, a corresponder a esse divino chamamento. Nós te rendemos graças também porque nos envias permanentemente como teus missionários ao mundo. Continuamos a trabalhar, a constituir família, a viver como cidadãos, mas com uma nova qualidade, com a perspectiva do Reino do nosso Deus. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Aparecendo hoje uma boa ocasião, aconselhe alguém a responder com generosidade ao chamado que o Senhor lhe faz para segui-lo.


Pe. João Carlos Ribeiro – 30 de novembro de 2019