Mostrando postagens com marcador sinal. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sinal. Mostrar todas as postagens

17 fevereiro 2020

ELES QUERIAM UM SINAL

Por que esta gente pede um sinal? Em verdade lhes digo, a esta gente não será dado nenhum sinal (Mc 8, 12)


17 de fevereiro de 2020

Os fariseus fizeram muita raiva a Jesus. Puxa vida! Eles, os mais praticantes da lei de Moisés, foram os que mais lhe criaram problema. Naquele dia, eles vieram e começaram a discutir com Jesus. Jesus gostava de dialogar com as pessoas. O diálogo é sempre útil para quem quer, de verdade, partilhar seus pontos de vista e se enriquecer com a verdade dos outros. Eles, por fim, queriam uma prova, um sinal do céu. Queriam que Jesus mostrasse algo poderoso, algo forte, convincente, que tirasse todas as suas dúvidas. Dúvidas sobre os seus ensinamentos, dúvidas sobre sua identidade.

Naquela altura da discussão, Jesus desistiu. Eles queriam um sinal do céu. Deus não gosta de agir dessa forma. Não pretende convencer com poderosos sinais, com manifestações extraordinárias de poder e autoridade. Isso está fora da lógica da encarnação. A lógica da vinda de Jesus foi a encarnação do Verbo. O Deus onipotente fez-se pequeno, humano. E desceu mais ainda na escala da grandeza, fez-se servo obediente. É o que nos diz o apóstolo Paulo na carta aos Filipenses. Então, os fariseus não contem com um sinal do céu para convencê-los.

Um sinal do céu: isto é para quem abre o coração para a ação de Deus, para quem crê. Nos milagres de Jesus, muitas vezes ele diz: “A tua fé te salvou”. A fé é essa abertura do coração humano para o amor de Deus, para a ação dele. Sem a fé, sem o coração aberto para Deus, impedimos a sua obra em nós. Em Nazaré, Jesus não pode fazer muitos milagres, porque o povo de lá não tinha fé. Deus faz maravilhas, sim, na vida de quem crê. A Virgem Maria reconheceu: “O Senhor fez em mim maravilhas”. E Izabel tinha lhe dito: “Bem-aventurada a que acreditou”. Deus faz maravilhas, sim, na vida de quem crê.

Os fariseus queriam um sinal do céu, um milagre retumbante. Só assim, pensavam eles, acreditariam em Jesus. Como tanta gente que você conhece, eles estavam se movendo na lógica do poder, da força. Julgavam que acreditariam presenciando um milagre espantoso. Mas, eles já tinham presenciado tanta coisa maravilhosa operada por Jesus. Mesmo diante de um outro poderoso sinal, eles levantariam novas suspeitas, arrumariam novas desculpas… Nessa lógica do poder, Deus se imporia com sua grandeza acachapante. A lógica da encarnação do Verbo é outra. No menino perseguido de Belém, está o próprio Deus, a pessoa do Filho. No sofredor, no humilhado, nos desvalorizados da sociedade, você encontra e alimenta, veste, visita, defende o próprio Filho de Deus. Crer não é o resultado de um impactante milagre. Crer é um ato livre, amoroso em resposta à manifestação de Deus na encarnação do Verbo. Os sinais de Deus e do seu amor estão por toda parte, em nossa vida, no cotidiano de nossa existência, bem pertinho da gente. Milagres? Claro, para quem o acolheu na fé.

Guardando a mensagem

Os fariseus queriam um sinal do céu para acreditar em Jesus. Olha o comentário do Mestre: “por que essa gente quer um sinal? A essa gente não será dado nenhum sinal”. E foi embora. A lógica de Deus é a encarnação do Verbo. Jesus veio nos salvar assumindo nossa condição humana, inclusive nossa morte. Os sinais de Deus estão por toda parte, no cotidiano de nossa existência. Coisas maravilhosas, graças, milagres continuam a acontecer... na vida de quem crê. A fé é a porta aberta para a ação maravilhosa de Deus. Então, não fique esperando uma impactante manifestação de Deus para passar a viver intensamente o seguimento de Jesus. A proclamação da Palavra (que vem de Deus, na fraqueza dos evangelizadores) pede uma resposta de sua parte. Sua resposta é a fé. A fé é a aposta do amor que acolhe o Senhor na Gruta de Belém ou na Cruz do Calvário. Entendeu? Deus se manifestou em nossa fraqueza. Que coisa maravilhosa!

Por que esta gente pede um sinal? Em verdade lhes digo, a esta gente não será dado nenhum sinal (Mc 8, 12)

Acolhendo a mensagem

Senhor Jesus,

A tua encarnação – que é a lógica de Deus – está na contramão de nossa cultura. Admiramos e nos dobramos à visão do palácio, não do casebre; da catedral, não da capela; do doutor, não do gari. Tu assumiste a nossa condição humana, e abaixando-te ainda mais, te fizeste servo e servidor de todos. No mais humilde, te manifestas com maior eloquência. No mais sofrido, falas com mais vigor. No oratório humilde, resplende ainda mais a tua glória. Ensina-nos a tua lógica, Senhor. Liberta-nos da lógica do poder e da grandeza. Seja bendito o teu santo, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

No seu caderno de anotações (o seu caderno espiritual), faça uma lista dos sinais de Deus em sua vida.

17 de fevereiro de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb






14 outubro 2019

MAIOR DO QUE JONAS

No dia do julgamento, os ninivitas se levantarão juntamente com esta geração e a condenarão (Lc 11, 32)
14 de outubro de 2019.
Parece que Jesus andava meio decepcionado... A pregação do Reino bem merecia uma acolhida mais entusiasta.  Sua palavra, seus milagres... tanto esforço, tanto compromisso da parte dele e, ao que parece, pouco resultado.  Certamente, por isso, ele estava dizendo: “Esta geração é uma geração má. Ela busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal de Jonas”.
Jonas foi um sinal para o povo de Nínive. Ele, a mando de Deus, pregou por três dias na grande cidade, anunciando o castigo de Deus sobre todo aquele povo. Castigo por conta de sua impenitência, de sua vida de maldade e violência. E o povo de Nínive, diante daquela pregação do profeta, tomou consciência de sua condição e implorou a misericórdia de Deus. Acolheu a pregação de Jonas como um convite urgente à penitência e à conversão. Do pequeno ao grande, do pobre ao rei, todos se sentaram em cinzas e pediram perdão de seus pecados. Jonas foi um sinal para o povo de Nínive. Uma convocação à conversão. Mas, também um sinal da misericórdia de Deus, pois Deus, tendo desistido do seu intento de destruir tudo, mostrou a sua misericórdia, dando o seu perdão.
Esse sinal de Jonas para o povo do seu tempo estava sendo reeditado na presença de Jesus, na sua pregação. Como Jonas foi um sinal para o povo de Nínive, assim Jesus seria para o povo do seu tempo. Jonas pregou por três dias, cobrindo toda aquela cidade pagã. Jesus pregou por três anos, percorrendo todo o país. Ele também trazia um convite urgente à conversão. Ele começou sua missão, convidando todos a acolherem o Reino que estava se aproximando: convertam-se e creiam no evangelho. O convite à conversão, na verdade, é um convite à acolhida da misericórdia de Deus.
Jesus estava lembrando que o povo de Nínive recebeu melhor o profeta Jonas do que o seu povo a ele. Converteu-se à pregação de Jonas. E ali, Jesus não estava encontrando a mesma acolhida, nem a mesma disposição para a conversão. O povo de Nínive iria ser juiz daquele povo do tempo de Jesus. E iria condená-lo. E quem estava ali anunciando a mensagem de Deus para eles não era simplesmente alguém como Jonas. Como ele mesmo disse, ali estava alguém maior que Jonas, o próprio filho de Deus. 

Guardando a mensagem
O povo pagão de Nínive converteu-se à pregação de Jonas. O povo de Deus do tempo de Jesus respondeu com indiferença à sua pregação. E um bom grupo reagiu com violência à boa notícia anunciada por ele. A pregação do Evangelho, que anuncia o Reino de Deus, continua hoje e chega até você e à sua família. Como é que vocês estão reagindo a esse anúncio que pede conversão e acolhida do amor de Deus? Como o povo de Nínive? Como o povo do tempo de Jesus?
No dia do julgamento, os ninivitas se levantarão juntamente com esta geração e a condenarão (Lc 11, 32)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
essa página do Evangelho vem reforçar nossa caminhada cristã, que é um permanente convite à conversão, à acolhida da vida nova que tu nos alcançaste em tua cruz. Concede-nos, Senhor, que vençamos a indiferença, que é atitude típica do nosso tempo: o não ligar, o deixar pra lá, o não dar importância. Que a tua Palavra encontre abrigo em nossos corações e em nossas vidas, nos animando num processo de verdadeira conversão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
A conversão é a nossa resposta à Palavra de Deus. A conversão é obra nossa e do Espírito Santo de Deus em nós. Assim, nesta segunda-feira, peça ao Santo Espírito, mais de uma vez, a graça da conversão.
Pe. João Carlos Ribeiro – 14 de outubro de 2019

01 abril 2019

EU E MINHA CASA SERVIREMOS AO SENHOR

Então, ele abraçou a fé, juntamente com toda a sua família (Jo 4, 53)
01 de abril de 2019
Vamos começar a semana e o novo mês com uma passagem do evangelho de São João, nos convidando a integrar nossa família no nosso processo de conversão.
O evangelista disse que foi o segundo sinal de Jesus. O primeiro foi nas bodas de Caná, a água transformada em vinho. Agora, é contado o segundo sinal: Um pai intercedeu pelo filho doente junto a Jesus e foi atendido. Vou logo lhe explicando que o evangelista João registrou, em seu evangelho, sete sinais na ação de Jesus. Os sinais são ações maravilhosas de Jesus que revelam a sua pessoa e o seu projeto missionário, que é o Reino de Deus. Por esses sinais, a comunidade pode reconhecer quem é Jesus e o que ele veio fazer.  Por que sete? Porque sete é o número da obra perfeita. a exemplo da obra da criação, que foi em sete dias.
Vou contar com sua curiosidade e já vou escutando sua pergunta: quais seriam os sete sinais de Jesus, no evangelho de São João? Posso lhe dizer agora (vá fazendo a conta): Jesus transforma a água em vinho – cura o filho do funcionário real – cura o enfermo na piscina de Siloé – multiplica os pães – caminha sobre as águas -  cura o cego de nascença – ressuscita Lázaro. Quantos sinais? Isso, sete. É a obra perfeita de Jesus, pela qual podemos conhecê-lo na sua compaixão pelos sofredores e na realização da missão que o Pai lhe confiou.
Bom, voltemos ao evangelho de hoje. É o segundo sinal. Jesus chegou de novo em Caná da Galileia. E veio um homem de Cafarnaum pedir por seu filho que estava doente. Cafarnaum devia ficar a uns 30 km de Caná, segundo os estudiosos. Aquele pai aflito pediu a Jesus para ele ir a Cafarnaum curar o seu filhinho que estava morrendo. Olha o que ele disse: “Senhor, desce a Cafarnaum, antes que meu filho morra!”. Jesus lhe respondeu: “Você pode ir, seu filho está vivo”. O homem entendeu o que Jesus lhe disse: que ele podia voltar pra casa, que a situação já estava resolvida. E ele acreditou. E voltou pra casa, em Cafarnaum. Antes que chegasse em casa, seus empregados o encontraram para avisá-lo da melhora do filho. Procurou saber a que horas o menino tinha ficado bom. E constatou que foi mesmo na hora em que Jesus tinha dito ‘pode ir, seu filho está vivo”. Aquele homem e sua família tornaram-se discípulos de Jesus, abraçaram a fé.
Guardando a mensagem
Aquele pai procurou Jesus numa hora de aflição. E acreditou na sua palavra. E, ao receber a graça da cura do seu filho, cheio de reconhecimento, abraçou a fé, junto com  sua família. Isto quer dizer: eles tornaram-se discípulos, membros da comunidade de Jesus. Muita gente pede ao Senhor pelas necessidades e dramas de seus filhos, de seus pais, parentes e amigos. Pede, até com insistência. E está muito bem. Precisamos mesmo recorrer ao Senhor, em nossas aflições, com humildade e fé. Agora, segundo a passagem de hoje, faltam ainda dois passos a serem dados: reconhecer a obra de Deus naqueles pelos quais intercedemos: a saúde, o livramento, a libertação. E abraçar a fé, isto é, tornar-se discípulo do Senhor, membro de sua comunidade. Pediu uma graça, alcançou, reconheça a intervenção divina e glorifique o Senhor por isso. E não se esqueça: torne-se um cristão amoroso e fiel. Você e sua casa.
Então, ele abraçou a fé, juntamente com toda a sua família (Jo 4, 53)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Quase todos os dias, te apresentamos nossas situações de sofrimento e aflição e pedimos a tua intervenção. Intercedemos pelas nossas necessidades e as dos outros. Hoje, estás nos dizendo que isso está muito certo, se o fizermos com humildade e com fé. Mas, estás nos dizendo ainda mais: ao recebermos a graça que pedimos, precisamos ser reconhecidos e agradecidos; e que essa ação de Deus em nossa vida, esse sinal, deve nos levar a uma resposta muito especial: abraçar a fé, entrar para a comunidade, tornarmo-nos discípulos. E esse evangelho ainda nos diz que a nossa conversão, a nossa adesão a ti, é a porta que se abre para a salvação de nossa família. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Você tem uma coisa especial para pedir ao Senhor, hoje, em favor de alguém de sua família? Então, peça com humildade, fé e confiança. E não se esqueça de reconhecer a obra de Deus na solução deste seu problema e de renovar seu compromisso de viver na fé da Igreja junto com sua família.

Pe. João Carlos Ribeiro – 01.04.2019

23 julho 2018

QUEM AMA FAZ A HORA, NÃO DEIXA PRA DEPOIS.

Nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas (Mt 12, 39).
23 de julho de 2018.
Estamos começando a semana com um apelo muito forte da parte do Senhor: a nossa conversão. Fale a verdade: Deus já lhe deu muitas oportunidades para você tornar-se um fervoroso seguidor de Jesus, uma fervorosa discípula do Senhor, não é verdade? Quantas chances, Deus já lhe deu para você mudar de vida, converter-se? Agora, é bem capaz que você esteja esperando algo de grande impacto para que finalmente se entregue a esse grande amor! E é precisamente de amor que estamos falando. A conversão é um ato de amor: mudar o rumo de sua vida, colocando-a na direção do imenso amor de Deus. E ele nos ama por primeiro.
Você lembra: outro dia, Jesus estava se queixando das cidades de Corazim, Betsaida e  Cafarnaum. Viram tantos milagres, mas não se converteram. Hoje, fariseus e mestres da lei, opositores de Jesus, estão lhe pedindo um milagre: ‘Mestre, queremos ver um sinal realizado por ti’. Jesus deve ter ficado aborrecido.  Pessoas mesquinhas como aquelas pedindo para presenciar um milagre, mas olhe só! Jesus não fazia milagres pra se mostrar. Àquela altura, Jesus já tinha tomado uma decisão: não iria mais fazer milagre nenhum. Ele chamou aquele povo de geração má e adúltera. ‘Essa geração está pedindo sinais, milagres. Não vai ter mais. Só um sinal, eles vão ter agora: o sinal de Jonas’.
Você se lembra do profeta Jonas?! Deus o mandou pregar em Nínive, capital da Assíria. Jonas calculou bem: Nínive, uma capital pagã... uma missão muito difícil, perigosa, tempo perdido. E logo o que tinha que anunciar: que Deus iria destruir tudo por ali. Nem pensar. Jonas pegou um navio numa rota contrária. Sujeito teimoso esse Jonas. No meio da viagem, o mar ficou tão enfurecido que os marinheiros desconfiaram que alguém ali estivesse em falta muito grave contra o seu Deus. Jonas confessou que estava fugindo de Deus e da missão difícil que ele lhe confiara. Para salvar a tripulação e o navio, não houve outro jeito. Foi atirado no mar. O que aconteceu foi incrível e você recorda. Um peixe o engoliu e três dias e três noites depois ele foi vomitado na praia. Deus o mandou de volta para a tarefa que lhe tinha confiado.
Jesus disse que não teriam mais nenhum sinal, mais nenhum milagre. Só um: o de Jonas. E ele mesmo explicou: ‘assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim também o Filho do Homem estaria três dias e três noites no seio da terra’ (Mt 12, 40). Ele está falando, então, de sua morte e de sua ressurreição. Este seria o grande sinal, o milagre pelo qual lhes seria mostrado sua condição de Messias, enviado de Deus. Esse milagre é um dos mistérios centrais de nossa fé. Mistério recordado em cada celebração. Dele fazemos memória na Santa Missa. Como Jonas engolido pelo peixe e devolvido vivo, ao terceiro dia. Morte e ressurreição. Esse é o grande sinal.
Vamos guardar a mensagem
Fariseus e mestres da Lei queriam ver um sinal para acreditar em Jesus. Ele já tinha feito tantos, mas nunca para se mostrar, para se exibir. Na corte de Herodes, também lhe pediram um milagre para divertir a corte. Jesus ficou quieto. Chega de milagres, foi a decisão de Jesus. Ele já estava chateado com a pouca conversão nas cidades onde tinha feito tantos milagres... Afinal, haveria um só sinal, o de Jonas. A morte e a ressurreição de Jesus é o milagre prefigurado no sinal de Jonas. Depois de três dias no seio da terra, Jesus foi devolvido vivo, ressuscitado.
Nenhum sinal lhe será dado, a não ser o sinal do profeta Jonas (Mt 12, 39).
Vamos rezar a Palavra
Senhor Jesus,
Disseste que, no dia do juízo, os moradores de Nínive iriam condenar a geração do teu tempo, porque se converteram à pregação de Jonas, diferentemente de grande parte dos que te escutaram. Dá-nos, Senhor, a graça da conversão. Que à tua Palavra, respondamos prontamente, acolhendo o teu amor, na graça da fé e no seguimento do teu evangelho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos praticar a palavra
A conversão é a nossa resposta à Palavra de Deus. A conversão é obra nossa e do Espírito Santo de Deus em nós. Assim, no dia de hoje, peça ao Santo Espírito, mais de uma vez, a graça da conversão.

Pe. Joao Carlos Ribeiro – 23.07.2018