Mostrando postagens com marcador Jo 14. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Jo 14. Mostrar todas as postagens

20210503

TEMPO DE PAZ



04 de maio de 2021

EVANGELHO


Jo 14,27-31a

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 27“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. 28Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amásseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. 29Disse-vos isto, agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.
30Já não falarei muito convosco, pois o chefe deste mundo vem. Ele não tem poder sobre mim, 31amas, para que o mundo reconheça que eu amo o Pai, eu procedo conforme o Pai me ordenou”.

MEDITAÇÃO


Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Mas não a dou como o mundo (Jo 14, 27)

Jesus nos dá a sua paz. O mundo também oferece a paz. Mas, Jesus nos dá a paz de maneira diferente, não como o mundo o faz. Que paz Jesus nos traz? Que paz o mundo nos dá?

As pessoas do antigo povo de Deus se saudavam ou se despediam com um Shalom. Shalom! É o desejo de saúde, harmonia, paz interior, calma, tranquilidade, bênção de Deus. Foi certamente essa saudação que fez Maria ao chegar à casa de Izabel. Essa saudação – Shalom – encheu o coração de Izabel de alegria e sua criança vibrou de satisfação no seu seio. Um shalom que manifesta a presença e o amor de Deus!

No tempo de Jesus, os romanos tinham dominado meio mundo e governavam os povos vencidos com uma dura legislação e com suas legiões de soldados. Também o Mar Mediterrâneo estava sob o controle dos romanos. Assim, se podia viajar por todo o mundo conhecido, sem fronteiras. Em todo o Império, reinava a paz, a pax romana. A pax romana era o resultado da total submissão dos povos e a cruel repressão a qualquer manifestação contra a ordem estabelecida. A paz do mundo é então a paz dos vencidos, dos dominados pelo mais forte. Como os romanos alcançaram a paz? Pelas guerras, pela invasão, pela repressão.

A paz de Jesus é de outra natureza. A sua obra foi a reconciliação. Estamos em paz com Deus e em paz entre nós. Ele fez as pazes entre nós e Deus, nos alcançando o perdão divino. Ele estabeleceu a paz entre o céu e a terra. No seu nascimento, cantaram os anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amados”. E como Jesus nos deu a paz? Dando a sua vida por nós, morrendo em nosso lugar, oferecendo-se a si mesmo em sacrifício de expiação por nossos pecados.

Quando Jesus realizou a sua obra, apresentou-se à comunidade dos discípulos com a saudação “A paz esteja com vocês”, um shalom especial. Realmente, ele nos deu a paz, nos reconciliando com o Pai, em sua cruz.

Na Missa, antes da comunhão, somos convidados a nos comunicar mutuamente a paz. E dizemos: “A paz de Cristo!”. É uma forma de realçar que estamos em comunhão uns com os outros, estamos na paz que Cristo nos alcançou. E é assim, reconciliados com o Pai e entre nós, que nos aproximamos da mesa santa da comunhão.

Guardando a mensagem

A pax romana foi alcançada com guerras e o esmagamento do inimigo. A paz de Jesus foi alcançada com a doação de sua vida em favor dos pecadores. Por sua cruz, fomos reconciliados com Deus. Agora, estamos em paz com Deus e com os irmãos. Na Missa, nos preparamos para a comunhão eucarística com Cristo, nossa paz, nos comunicando mutuamente a sua paz: é o nosso compromisso de viver reconciliados e de cultivar a paz em nossos relacionamentos.

Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Mas não a dou como o mundo (Jo 14, 27)

Rezando a palavra

Rezemos com as palavras da oração pela paz da Santa Missa:

Senhor Jesus Cristo,
dissestes aos vossos apóstolos: “Eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz”, Não olheis os nossos pecados, mas a fé que anima a vossa Igreja; dai-lhe segundo o vosso desejo, a paz e a unidade. Vós que, sois Deus, com o Pai e o Espírito Santo. Amém.

Vivendo a palavra

Acolher a paz de Jesus é vencer a agressividade presente em nossa cultura. A paz é o dom pelo qual nos reconhecemos reconciliados com Deus e com os irmãos. Hoje, cultive atitudes cordiais, mesmo que você não receba o mesmo tratamento. Diga: bom dia, boa tarde, boa noite, com licença, por favor, me desculpe. Difunda a paz de Jesus ao seu redor.

Se você tiver um tempinho, às 21:30h, a gente se encontra nas redes sociais para comentar essa palavra de hoje, na live da ORAÇÃO DA NOITE. É só procurar Padre João Carlos no youtube ou no facebook.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20210502

PRECIOSO ENSINAMENTO SOBRE A ORAÇÃO


03 de maio de 202,
Festa de São Felipe e São Tiago


EVANGELHO


Jo 14,6-14

Naquele tempo, Jesus disse a Tomé: 6“Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim. 7Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conheceis e o vistes”.
8Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!” 9Jesus respondeu: “Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces, Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai’? 10Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo, mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras. 11Acreditai-me: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa destas mesmas obras. 12Em verdade, em verdade vos digo, quem acredita em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai, 13e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. 14Se pedirdes algo em meu nome, eu o realizarei”.

MEDITAÇÃO

Se vocês pedirem algo em meu nome, eu o realizarei (Jo 14, 14)

Como estamos, hoje, celebrando os apóstolos Felipe e Tiago, retomamos o evangelho de João no capítulo 14. Felipe, antes de seguir Jesus, tinha sido discípulo de João Batista. Foi um dos primeiros seguidores do Mestre. Seguiu a indicação do profeta de que Jesus era o Messias. Tiago, filho de Alfeu, é chamado de “irmão do Senhor”, provavelmente um primo de Jesus. Foi uma grande liderança da Igreja em Jerusalém.

Na parábola da videira, Jesus fala da nossa comunhão com ele. Mas, ele sempre insiste na união que há entre ele e o Pai. Ao apóstolo Felipe, que estamos festejando hoje, ele disse: “Felipe, quem me viu, viu o Pai”. Na ceia, Jesus ficou insistindo que as suas palavras não as diz por si mesmo, mas são palavras que ouviu do Pai; e que o que pedirmos em seu nome, o Pai concederá. E disse: “acreditem-me: eu estou no Pai e o Pai está em mim”.

Quando falou da videira, disse o seguinte: “se permanecerem em mim e minhas palavras permanecerem em vocês, peçam o que quiserem e lhes será dado”. Como assim? Permanecer em Cristo é a condição para dar muito fruto. Que fruto será esse? Com certeza, tornar-se discípulo do Senhor. Esse é o maior fruto. Vejam o que ele disse: “Nisto meu Pai será glorificado: que vocês dêem muito fruto e se tornem meus discípulos”. Dar muito fruto é igual a tornar-se discípulo. De fato, essa é a dinâmica do ramo na videira. Quanto mais o ramo enxertado adere ao tronco, identifica-se com a videira, é um com ela, melhor fruto dará. Quanto mais o cristão une-se a Cristo, seu Senhor, identifica-se com ele, é um com ele, melhor discípulo se torna, mais fica parecido com o Mestre em suas atitudes e em suas opções. Nesta condição, tudo o que ele pede, o Pai concede, pois o Pai ama o Filho. E nós somos filhos no Filho, em Jesus. Em Cristo, o Pai nos ama e nos reconhece como filhos. E tudo nos concede, se pedirmos em seu nome.

Toda a oração da Igreja é feita ao Pai, por meio de Cristo. Assim, terminam as nossas orações: 'Por Cristo, nosso Senhor', ou 'Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso filho, na unidade do Espírito Santo'. Tudo é por meio de Cristo. Ele mesmo disse: “Sem mim, vocês nada podem fazer”. Podemos dizer de outra forma: “Com ele, nós tudo podemos”.

Guardando a mensagem

O pedido do apóstolo Felipe foi verdadeiro: “Senhor, mostra-nos o Pai”. Conhecer a Deus é tudo o que queremos e precisamos. Mas Jesus lhe fez ver que nele, encontramos o Pai. É Jesus quem nos revela o Pai. E é por ele que chegamos ao Pai. Quanto mais estamos unidos e identificados com Cristo, mais fruto podemos dar, isto é, tornarmo-nos seus discípulos. E é na condição de discípulos, ramos identificados com a videira, que tudo o que pedimos ao Pai em nome de Cristo, ele nos atende.

Se vocês pedirem algo em meu nome, eu o realizarei (Jo 14, 14)

Rezando a Palavra

Senhor Jesus,
Vamos guardar, hoje, alguns belos ensinamentos do teu apóstolo Tiago, que hoje estamos celebrando. Em sua carta, no Novo Testamentom ele escreveu: "Bem-aventurado o homem que suporta com paciência a provação. Alguém, no meio de vocês, está sofrendo um contratempo? Recorra à oração. A oração fervorosa do justo tem grande poder."  (Tg 5).   Obrigado, Senhor, pelos ensinamentos dos pastores que pusestes à frente do teu rebanho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a Palavra

Neste mês de maio, a Igreja em todo o mundo está pedindo a intercessão de Nossa Senhora pelo fim da pandemia, através da oração do Santo Rosário. Trinta santuários marianos foram escalados para liderar a oração do Terço Mariano, neste mês. Nesta segunda-feira, a liderança cabe ao Santuário de Czestochowa, na Polônia, rezando "pelos infectados e pelos doentes". 

Todos os dias, às 18 horas, rezamos o Terço Mariano, pela Rádio Tempo de Paz. Para participar conosco, baixe o aplicativo da rádio no seu celular. 

Pe. João Carlos Ribeiro, SDB

20210429

ABRINDO O MÊS DE MAIO



01 de maio de 2021

EVANGELHO


Jo 14,7-14

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 7“Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conheceis e o vistes”. 8Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!”
9Jesus respondeu: “Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai”? 10Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo, mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras.
11Acreditai-me: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa destas mesmas obras. 12Em verdade, em verdade vos digo, quem acredita em mim fará as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai, 13e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. 14Se pedirdes algo em meu nome, eu o realizarei.

MEDITAÇÃO


Senhor, mostra-nos o Pai (Jo 14,8)

Foi o pedido do apóstolo Felipe. Jesus tinha avisado que estava indo para o Pai. Nós todos também queremos ir para o Pai: lá é o nosso endereço definitivo, o lugar da plenitude de nossa vida humana divinizada. E como chegar lá? Tomando o caminho certo. E que caminho é esse? É o próprio Jesus. Ele nos disse “eu sou o caminho, a verdade, a vida. Ninguém vai ao Pai, a não ser por mim”. Foi aí que Felipe fez esse pedido: “Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta”.

De fato, Jesus nos revela o Pai, nos diz quem é ele, como ele nos ama, nos espera, nos perdoa, como o Pai do filho pródigo. Conhecer o Pai é antever o nosso futuro nele, é reconhecer que na comunhão com ele se realizam todos os nossos sonhos de felicidade, de imortalidade, de amor e liberdade. Só em Deus, saciamos por inteiro nossa sede de felicidade e plenitude. Se o encontramos, encontramos a fonte da vida, dele nós viemos. Encontrando-o, caminhamos com mais firmeza ao seu encontro. E o encontro com ele já é aqui e o será pleno e total na eternidade.

Jesus revelou que o Deus da Aliança é Pai. Não é só o criador. Ele é eternamente Pai em relação a seu Filho único. E o Filho é eternamente filho em sua relação com o Pai. Jesus revelou o Pai. O Pai se revelou em Jesus. Na compaixão de Jesus pelos sofredores e pelos pecadores, vemos o amor do Pai pelos seus filhos. O Pai nos amou com o coração de Jesus.

Jesus, caminho, verdade e vida, revela o Pai. Jesus está unido a ele, fala com ele diante de nós como um filho carinhoso e amado, ele nos leva ao Pai. Na parábola do filho pródigo, Jesus nos mostrou um pai respeitoso da nossa liberdade, paciente à espera de nossa volta, cheio de compaixão e amor ao correr para nos encontrar e abraçar ainda no caminho, generoso no perdão, festejando nossa volta e tentando convencer o irmão mais santo a nos acolher, mesmo tendo-lhe dado as costas.

Na oração que Jesus ensinou aos discípulos está uma relação amorosa e filial com Deus. Ele é o nosso Pai, a quem amamos de todo o coração. Ele conhece todas as nossas necessidades, ainda assim nós as apresentamos com toda confiança, já em ação de graças por sua proteção e por sua providência.

Guardando a mensagem

O pedido do apóstolo Felipe foi verdadeiro. Conhecer a Deus é tudo o que queremos. Deus é amor. Fomos criados por amor. Salvos por amor. Somos conduzidos pelo amor. Essa experiência de Deus misericordioso, amoroso muda a nossa vida. Jesus esclareceu a Felipe e nos esclarece hoje. Em suas palavras, em suas ações, em sua compaixão pelos sofredores podemos experimentar o Pai que nos fala, que cuida de nós, que nos ama. “Quem me viu, viu o Pai”.

Senhor, mostra-nos o Pai (Jo 14,8)

Rezando a palavra

Sendo hoje o Dia de São José Operário, rezemos a oração com o que o Papa Francisco encerrou a sua carta apostólica PATRIS CORDE, abrindo o Ano de São José:

Salve, guardião do Redentor
e esposo da Virgem Maria!
A vós, Deus confiou o seu Filho;
em vós, Maria depositou a sua confiança;
convosco, Cristo tornou-Se homem.

Ó Bem-aventurado José,
mostrai-vos pai também para nós
e guiai-nos no caminho da vida.
Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem,
e defendei-nos de todo o mal. Amem.


E como estamos começando o mês de maio, saudemos a Virgem Santa: 


Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco. Bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus.
Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém. 

Debaixo de vossa proteção, nos refugiamos, Santa Mãe de Deus, não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, mas livrai-nos, sempre, de todos os perigos, ó Virgem gloriosa e bendita. 


Vivendo a palavra

Estamos começando hoje o Mês de Maio, uma oportunidade preciosa para a evangelização de nossas famílias. O primeiro conselho é que, neste mês, tenha, em sua casa, um altarzinho dedicado a Nossa Senhora. E o segundo conselho: faça todo esforço para ser fiel à récita diária do terço mariano. 

Estou lhe deixando a relação dos mistérios para você, ao rezar o terço, sempre contemplar os mistérios. Hoje, por exemplo, sendo sábado, rezamos os mistérios gozosos. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

COMO REZAR O TERÇO




“PELO SINAL da Santa Cruz, livrai-nos, Deus, Nosso Senhor, dos nossos inimigos”. “Em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém.”

Oferecimento do Terço
“Divino Jesus, nós vos oferecemos este terço que vamos rezar, contemplando os mistérios da nossa Redenção. Concedei-nos pela intercessão de Maria, vossa Mãe Santíssima, a quem nos dirigimos, as virtudes para bem rezá-lo e a graça de ganharmos as indulgências desta santa devoção. Oferecemos particularmente (colocam-se as intenções).”

Oração do Credo - (Na Cruzinha)
Creio em Deus Pai, todo poderoso, criador do céu e da terra, e em Jesus Cristo seu único Filho, Nosso Senhor, que foi concebido pelo poder do Espírito Santo, nasceu da Virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado, desceu à mansão dos mortos, ressuscitou ao terceiro dia, subiu aos céus e está sentado à direita de Deus Pai todo poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos; creio no Espírito Santo, na santa Igreja Católica, na comunhão dos santos, na remissão dos pecados, na Ressurreição da carne e na vida eterna. Amém.

Oração do Pai-Nosso (em todas as bolinhas maiores)
Pai nosso, que estais no céu, santificado seja o vosso nome, venha a nós o vosso reino, seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dai hoje, perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tenha ofendido e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal. Amém.

Oração da Ave-Maria (em todas as dezenas - bolinhas menores)
Ave-Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, Mãe de Deus, rogai por nós pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.

Glória ao Pai (ao final de cada dezena)
Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. Como era no princípio, agora e sempre. Amém!

Jaculatória (após os Glória ao Pai)
Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente as que mais precisarem.


CONTEMPLANDO OS MISTÉRIOS

Mistérios Gozosos (segunda e sábado)
1. No primeiro mistério contemplamos a Anunciação do anjo e a Encarnação do Verbo.
2. No segundo mistério contemplamos a Visitação de Nossa Senhora a sua prima Santa Isabel.
3. No terceiro mistério contemplamos o Nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo em Belém.
4. No quarto mistério contemplamos a Apresentação do Menino Jesus no Templo e a Purificação de Nossa Senhora.
5. No quinto mistério contemplamos a perda e o encontro do Menino Jesus.

Mistérios Dolorosos (terça e sexta)
1. No primeiro mistério contemplamos a Agonia de Jesus no Horto das Oliveiras.
2. No segundo mistério contemplamos a Flagelação de Nosso Senhor Jesus Cristo.
3. No terceiro mistério contemplamos a Coroação de espinhos de Nosso Senhor.
4. No quarto mistério contemplamos Nosso Senhor carregando penosamente a Cruz até o alto do Calvário.
5. No quinto mistério contemplamos a Crucifixão e morte de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Mistérios Gloriosos (quarta e domingo)
1. No primeiro mistério contemplamos a Ressurreição de Jesus Cristo.
2. No segundo mistério contemplamos a Ascensão de Jesus aos Céus.
3. No terceiro mistério contemplamos a descida do Espírito Santo sobre Nossa Senhora e os Apóstolos no Cenáculo.
4. No quarto mistério contemplamos a Assunção de Nossa Senhora aos Céus.
5. No quinto mistério contemplamos a gloriosa coroação de Maria Santíssima como Rainha do Céu e da Terra.

Mistérios Luminosos (quinta)
1. No primeiro mistério contemplamos o Batismo de Jesus no rio Jordão.
2. No segundo mistério contemplamos a auto-revelação nas Bodas de Caná por intercessão da Virgem Maria.
3. No terceiro mistério contemplamos o Anúncio do Reino de Deus convidando à conversão.
4. No quarto mistério contemplamos a Transfiguração de Jesus.
5. No quinto mistério contemplamos a instituição da Eucaristia

Agradecimento (Última oração ao final do terço)
Infinitas graças vos damos, Soberana Rainha, pelos benefícios que todos os dias recebemos de vossas mãos liberais. Dignai-vos, agora e para sempre tomar-nos debaixo do vosso poderoso amparo e para mais vos agradecer, vos saudamos com uma Salve Rainha:

“SALVE RAINHA, Mãe de misericórdia, vida e doçura, esperança nossa Salve! A vós bradamos, os degradados filhos de Eva; a vós suspiramos gemendo e chorando neste vale de lágrimas. Eia, pois, advogada nossa esses vossos olhos misericordiosos a nós volvei, e depois deste desterro nos mostrai-nos a Jesus, bendito fruto do vosso ventre, ó Clemente, ó Piedosa, ó Doce, sempre Virgem Maria. Rogai por nós, Santa Mãe de Deus, para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém”

Fonte: https://www.nospassosdemaria.com.br/04-ComoRezarTerco.html

20200517

O AMIGO FIEL


Eu não os deixarei órfãos. Eu virei a vocês (Jo 14, 18)
17 de maio de 2020

A essa altura da nossa quarentena, sobretudo nas grandes cidades do país, pode acontecer que muita gente experimente um crescente sentimento de tristeza, sobretudo se tiver alguém de sua família ou algum conhecido seu infectado pelo novo coronavírus. Pode crescer entre nós também a ansiedade e o sentimento de abandono. O evangelho de hoje vem em nosso socorro.

Neste sexto domingo da Páscoa, o Senhor Jesus está conversando com os  discípulos e preparando-os para o doloroso momento da paixão que estava às portas e para o tempo de sua ausência. Ele irá para o Pai, mas não os deixará órfãos. Indo, ele mandará o outro defensor, o Espírito da verdade. Ele permanecerá sempre com eles.  Apesar de ausente fisicamente, estará presente. O Espírito Santo atualizará a sua presença. O Espírito Santo permanece conosco, ele está em nós. 

Olha que verdade preciosa para esses nossos dias difíceis, quando muita gente pode se sentir sozinha e abandonada. Sem visitas em casa, sem a perspectiva de acompanhante no hospital, realmente, alguém pode se sentir sozinho e largado à própria sorte. Aqui entra a nossa fé, a experiência que temos do Deus vivo que se manifestou em Jesus de Nazaré: não estamos sozinhos, não estamos abandonados ou esquecidos. Ele está conosco. Em nós, habita o Santo Espírito nos fortalecendo, nos levantando de nossas quedas, nos fazendo caminhar com confiança. Ele atualiza a presença de Cristo salvador que deu sua vida em nosso favor e nos comunicou a vida nova, nos fazendo participantes de sua vitória sobre o mal e a morte. 

O grande apelo do evangelho nesses dias é estarmos em comunhão com Jesus, permanecer nele. Permanecer nele como o ramo enxertado na videira. Permanecer unidos a ele pela oração, pela meditação de sua palavra, pela solidariedade com os sofredores, pela comunhão com a sua Igreja. Essa união é que nos faz dar bons frutos. E que belos frutos vemos em quem se mantém assim unido a Cristo: a paciência, a tolerância, a solidariedade, a esperança! 

O Espírito Santo tem sido o grande protagonista no tempo que se seguiu à volta de Cristo ao Pai. Em todos as travessias difíceis pelos quais já peregrinou o povo de Deus, foi sempre ele o maior conselheiro, a luz a iluminar as consciências, o guia dos pastores da Igreja, o dedo de Deus a indicar a direção da terra prometida. O Espírito Santo está conosco sempre, ele está em nós desde o batismo, ele é o grande parceiro de cada discípulo e discípula e de toda a Igreja, em sua missão. 

O Espírito da Verdade, o defensor, permanece conosco. Mas, não nos substitui. Ele nos inspira, nos recorda o alcance das palavra do Senhor, nos mostra a vontade de Deus,  mas não faz no nosso lugar. Temos sempre que fazer a nossa parte, como cidadãos deste país ou deste planeta. Ele não nos substitui.

Na Samaria, morava um povo meio pagão. Mas, eles se abriram à pregação do evangelho feita pelo diácono Felipe. Os apóstolos Pedro e João foram enviados de Jerusalém para confirmar os novos convertidos e invocar sobre eles o Santo Espírito. Este nosso mundo meio pagão está precisando do Evangelho de Jesus e do seu Santo Espírito. É o Espírito que dá fecundidade à pregação do Evangelho e faz crescer em cada um, em cada uma, o homem novo ressuscitado em Cristo,  a nova mulher renascida em Cristo. Sem isso, continuamos o homem velho sem comunhão com Deus. 

Guardando a palavra

Jesus estava se despedindo dos discípulos. Viu sua tristeza. Assegurou, então, que não os deixaria órfãos. Eles não ficariam sozinhos, sem rumo e sem direção. Enviaria o outro defensor, o Espírito da verdade. Ele permaneceria sempre com eles, e neles. O mundo não o conhece. Mas, os discípulos o conhecem, porque conhecem Jesus e estão unidos a ele. O Espírito Santo está em cada discípulo, em cada discípula, como o amigo e interlocutor mais íntimo e fiel. Assim, não nos faltarão inspiração, discernimento, luz para viver, decidir e agir segundo a vontade de Deus. Nesta pandemia, nenhum discípulo se sinta sozinho e abandonado. A presença de Deus em nós e conosco tem nome e sobrenome: o Espírito da verdade, Deus Espírito Santo. 

Eu não os deixarei órfãos. Eu virei a vocês (Jo 14, 18)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 
neste momento em que o isolamento está sendo exigido com maior seriedade em muitos lugares e em que já se acumulam tantas perdas humanas, estamos vivendo assustados e preocupados. No teu evangelho, hoje, nos vem uma palavra maravilhosa: não estamos sozinhos, não estamos largados à nossa própria sorte. Estamos unidos a ti, permanecemos em ti, como permaneces em nós. Somos teus discípulos e discípulas, pelos quais deste tua vida. Como disse o apóstolo Pedro em sua carta: “Sofreste a mostre na tua existência humana, mas recebeste nova vida pelo Espírito”.  A nova vida nos chega pelo dom do teu Espírito. Nós te agradecemos, Senhor. Ele é o nosso amigo mais íntimo e mais fiel. Com ele, vamos enfrentar estes dias, com nossas famílias, unidos a toda a humanidade, fazendo nossa parte nessa luta, com serenidade, em paz e na esperança. Seja bendito o teus santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Neste domingo, não deixe de participar da Santa Missa. Escolha um bom horário e recolha-se em oração, acompanhando a celebração de sua comunidade pelas redes sociais. Você é templo do Espírito Santo, desde sua união com Cristo, no batismo. Não é à toa o ensinamento de Jesus sobre a oração: “Quando for rezar, entre no seu quarto e feche a porta”. O seu quarto é o seu interior, o templo do Santo Espírito. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200512

A PAZ DE CRISTO

Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Mas não a dou como o mundo (Jo 14, 27)


12 de maio de 2020

Jesus nos dá a sua paz. O mundo também oferece a paz. Mas, Jesus nos dá a paz de maneira diferente, não como o mundo o faz. Que paz Jesus nos traz? Que paz o mundo nos dá?

As pessoas do antigo povo de Deus se saudavam ou se despediam com um Shalom. Shalom! É o desejo de saúde, harmonia, paz interior, calma, tranquilidade, bênção de Deus. Foi certamente essa saudação que fez Maria ao chegar à casa de Izabel. Essa saudação – Shalom – encheu o coração de Izabel de alegria e sua criança vibrou de satisfação no seu seio. Um shalom que manifesta a presença e o amor de Deus!

No tempo de Jesus, os romanos tinham dominado meio mundo e governavam os povos vencidos com uma dura legislação e com suas legiões de soldados. Também o Mar Mediterrâneo estava sob o controle dos romanos. Assim, se podia viajar por todo o mundo conhecido, sem fronteiras. Em todo o Império, reinava a paz, a pax romana. A pax romana era o resultado da total submissão dos povos e a cruel repressão a qualquer manifestação contra a ordem estabelecida. A paz do mundo é então a paz dos vencidos, dos dominados pelo mais forte. Como os romanos alcançaram a paz? Pelas guerras, pela invasão, pela repressão.

A paz de Jesus é de outra natureza. A sua obra foi a reconciliação. Estamos em paz com Deus e em paz entre nós. Ele fez as pazes entre nós e Deus, nos alcançando o perdão divino. Ele estabeleceu a paz entre o céu e a terra. No seu nascimento, cantaram os anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amados”. E como Jesus nos deu a paz? Dando a sua vida por nós, morrendo em nosso lugar, oferecendo-se a si mesmo em sacrifício de expiação por nossos pecados.

Quando Jesus realizou a sua obra, apresentou-se à comunidade dos discípulos com a saudação “A paz esteja com vocês”, um shalom especial. Realmente, ele nos deu a paz, nos reconciliando com o Pai, em sua cruz.

Na Missa, antes da comunhão, somos convidados a nos comunicar mutuamente a paz. E dizemos: “A paz de Cristo”. É uma forma de realçar que estamos em comunhão uns com os outros, estamos na paz que Cristo nos alcançou. E é assim, reconciliados com o Pai e entre nós, que nos aproximamos da mesa santa da comunhão.

Guardando a mensagem

A pax romana foi alcançada com guerras e o esmagamento do inimigo. A paz de Jesus foi alcançada com a doação de sua vida em favor dos pecadores. Por sua cruz, fomos reconciliados com Deus. Agora, estamos em paz com Deus e com os irmãos. Na Missa, nos preparamos para a comunhão eucarística com Cristo, nossa paz, nos comunicando mutuamente a sua paz: é o nosso compromisso de viver reconciliados e de cultivar a paz em nossos relacionamentos.

Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Mas não a dou como o mundo (Jo 14, 27)

Rezando a palavra

Rezemos com as palavras da oração pela paz da Santa Missa:

Senhor Jesus Cristo,
dissestes aos vossos apóstolos: “Eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz”, Não olheis os nossos pecados, mas a fé que anima a vossa Igreja; dai-lhe segundo o vosso desejo, a paz e a unidade. Vós que, sois Deus, com o Pai e o Espírito Santo. Amém.

Vivendo a palavra


Acolher a paz de Jesus é vencer a agressividade presente em nossa cultura. A paz é o dom pelo qual nos reconhecemos reconciliados com Deus e com os irmãos. Hoje, cultive atitudes cordiais, mesmo que você não receba o mesmo tratamento. Diga: bom dia, boa tarde, boa noite, com licença, por favor, me desculpe. Difunda a paz de Jesus ao seu redor.


Se você tiver um tempinho, às 10 da noite, a gente se encontra nas redes sociais para comentar essa palavra de hoje, na live da ORAÇÃO DA NOITE. É só procurar Padre João Carlos no youtube, facebook, instagram, periscope ou no aplicativo Tempo de Paz.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200511

GUARDAR A PALAVRA

Se alguém me ama, guardará minha palavra (Jo 14, 23)

11 de maio de 2020

Jesus está falando com os seus discípulos, gente que o ama, que o segue. Imaginemos você participando dessa reunião e Jesus dizendo isso: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra”.

Você, com a liberdade de um discípulo, um amigo, uma amiga de Jesus, poderia perguntar-lhe diretamente que “palavra” é essa pra gente guardar. Vai, pergunta... Coragem, vai... “Oh Jesus, desculpe, que palavra é essa pra gente guardar?” Escute bem a resposta. “A minha palavra pra você guardar é o que eu disse a vocês e ao povo, o que eu fiz entre vocês, a minha vida. A palavra é a minha vida, vivida entre vocês”. Puxa, que resposta! Pensa bem: como é que a vida dele é a palavra? Pergunte mais não. Eu mesmo lhe explico: Toda a vida de Jesus é uma grande palavra que Deus falou na história da humanidade. Ficou complicado? Vou dizer de outra forma: a vida de Jesus na terra, sua vida humana, é uma grande comunicação, uma boa notícia, um evangelho. Ih, parece que você não entendeu... Então, é melhor você perguntar a Jesus.

Vai, pergunta... Pergunta... “Jesus, aqui, você diz assim “Se alguém me ama, guardará a minha palavra”. Amá-lo, eu amo, mas eu queria saber qual é mesmo a palavra que você quer que a gente guarde. Escute bem a resposta dele. “O Defensor, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, ele ensinará tudo a vocês e lhes recordará tudo o que eu tenho dito a vocês”. Puxa vida, respira fundo, que resposta ... Olha só, o Espírito Santo ajuda a gente a entender o significado e o alcance do que Jesus disse e fez, de sua vida humana e muito mais. A vida de Jesus é o seu evangelho. Aliás, o evangelho de Marcos começa assim: “Início do Evangelho de Jesus Cristo, filho de Deus”. Então, o evangelho é a vida de Jesus, com tudo o que ele fez e disse.

Tudo claro? “Se alguém me ama, guardará a minha palavra”. E “guardar”, o que é? Responda você. Não vale dizer que ‘guardar’ aqui é conservar. Claro,...’guardar’ é praticar. Praticar. E praticar a Palavra de Deus é, segundo o mesmo Jesus, o mais importante. Não é apenas dizer “Senhor, Senhor”, mas fazer a vontade do Senhor. A palavra é, afinal, a vontade de Deus, que está manifesta na história da vida de Jesus, na história do povo eleito, na história da salvação que a Bíblia conta. Guardar é tomar a vida de Jesus como referência para a própria vida, é acolher a boa notícia do amor de Deus que se manifesta nela.

Guardando a mensagem

Nos evangelhos, está a história de Jesus, o testemunho de como sua vida impactou a primeira geração de cristãos, guiada pelo Espírito Santo. Neste testemunho, revela-se o rosto misericordioso do Pai, revelado por Jesus. Foi o que ele disse “E a palavra que vocês escutam não é minha, mas do Pai que me enviou”. A história de Jesus, sua vida, o que ele disse e o que fez, esse é o evangelho que precisamos conhecer e tomar como inspiração para a nossa vida. É a palavra que precisamos guardar. Você que ama Jesus, tome hoje um propósito: meditar diariamente os Evangelhos. Aliás, já é o que fazemos juntos aqui na Meditação. Então, estamos no bom caminho.

Se alguém me ama, guardará minha palavra (Jo 14, 23)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Tu nos tranquilizas, quando nos dizes que o Espírito Santo enviado, pelo Pai em teu nome, ele nos ensinará tudo que precisamos para entender e realizar a tua palavra. Todos os dias, procuramos meditar a tua palavra, palavra que é toda a tua vida, tuas atitudes e teus ensinamentos. Aos poucos, vamos assimilando tua maneira de ver o mundo, com o olhar do Pai. São Paulo mesmo nos recomendou que tivéssemos os mesmos sentimentos teus. Nós te amamos e queremos guardar a tua palavra. Guardar a tua palavra é uma questão de amor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Renove hoje o seu compromisso de ler diariamente a palavra de Deus e meditá-la. Uma dica: diariamente, como você sabe, comentamos aqui o evangelho do dia. Seria muito importante você ler esse evangelho, em sua Bíblia. Quem recebe a meditação pelo whatsapp, veja que eu sempre indico a citação bíblica do dia.

Se você tiver um tempinho, às 10 da noite, a gente se encontra nas redes sociais para comentar essa palavra de hoje, na live da ORAÇÃO DA NOITE. É só procurar Padre João Carlos no youtube, facebook, instagram, periscope ou no aplicativo Tempo de Paz.

Estamos fazendo o levantamento das Rádios que transmitem a Meditação ou que tenham interesse em transmiti-la. Se você conhecer alguma rádio que transmita a Meditação ou que queira transmiti-la, por favor, nos informe, clicando no link que estou lhe enviando: https://bit.ly/RadioMeditacao.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200510

RAZÕES DA NOSSA ESPERANÇA


Não se perturbe o seu coração (Jo 14, 1)

10 de maio de 2020.

Este é o quinto domingo da páscoa. Juntamos a ele, a comemoração do dia das mães. Mais um domingo em casa, para quem tem bom juízo e se esforça por viver o mandamento do amor ao próximo. O seu caso, graças a Deus.


Com a pandemia, ficam mais claros dentro de nós a inquietação, a perplexidade quanto ao futuro, o valor que damos à liberdade e à vida. Mas, mesmo sem a pandemia, já somos assim: inquietos, incompletos, carentes. Sonhamos com a liberdade, o amor, a paz. Estamos sempre buscando.

Santo Agostinho descreveu esse drama humano na sua própria vida, no seu livro Confissões. O coração só sossega quando encontra Deus. Deus não é um cala-boca para nossas inquietudes. Ele é a realização plena de nossa existência inquieta. O ser humano, criado por Deus, encontra o caminho da plenitude quando se reconecta com suas origens e com o seu futuro definitivo em Deus. Longe dele, peregrinamos num vale de lágrimas. Voltados para ele, sentimos a vida mais leve e os nossos dramas mais amenos.

Não, não se trata de fugir da realidade, absolutamente. A realidade mais radical é esta: nossos sonhos mais profundos de vida, amor, alegria, liberdade, paz realizam-se em Deus. Nele, está toda plenitude. E nós já participamos dela quando estamos unimos a ele. Isso não nos tira da realidade da nossa existência difícil e conflituosa. Isso nos põe de pé diante dos problemas, porque enxergamos mais longe e ficamos mais atentos ao caráter passageiro de nossa existência terrena. Não, isso não nos faz menos cidadãos nessa terra. Ao contrário, nos empenha ainda mais numa convivência social onde já brilhem os valores definitivos.

Tudo isso poderia ser uma vã filosofia, não fora Deus ter posto em prática um plano maravilhoso de salvação para a humanidade. Ele nos enviou seu filho único, como prova do seu amor e como elo de comunhão permanente conosco. Assim, na conversa com os discípulos após a última ceia, falando de sua volta ao Pai, Jesus disse: “não se perturbe o coração de vocês. Eu vou preparar um lugar para vocês. Eu quero que onde eu estiver, vocês estejam comigo. E para onde eu vou, vocês conhecem o caminho. Eu sou o caminho”.

É Jesus quem nos abre esse horizonte maravilhoso de realização plena que tanto ansiamos. Ele fez o nosso caminho, assumindo nossa condição humana. Passou por nossa morte e ressuscitou, nos assegurando que quem nele crê já tem em si a vida eterna e ressuscitará também. Por sua morte e ressurreição, ele nos reconciliou com Deus. Como ele disse: “Ninguém vai ao Pai a não ser por mim”. É por ele que adentramos na vida plena, que já começa aqui e será completa na eternidade.

O segredo é nos encontrarmos com Jesus, nos unirmos a ele. E nossa união com Cristo é pela fé, pelo batismo, pela oração, pela comunhão com sua Igreja, pela comunhão eucarística. Ele é a pedra viva, como está escrito na primeira Carta de São Pedro. “Aproximem-se da pedra viva”, recomendou o apóstolo. Com ele, somos também pedras vivas. Assim, podemos construir juntos vidas iluminadas, comunidades solidárias, sociedade onde brilhe a fraternidade.  

Guardando a mensagem

Neste quinto domingo da páscoa, Jesus tranquiliza o nosso coração. Sua volta ao Pai (onde está agora) é o caminho inaugurado por ele para nossa plenitude, para a realização de todos os nossos sonhos humanos. Só nos voltando para Deus, encontramos resposta a todos os nossos desejos mais profundos: ser livres, experimentar a alegria e a paz duradouras, amar e ser amados, viver em plenitude... Fomos criados à sua imagem e semelhança. Unidos a ele, já podemos experimentar tudo isso como dom do seu amor, mesmo dentro de nossa fragilidade. E tudo isso será pleno na eternidade, com Deus. Por sua morte redentora, Jesus reabriu o acesso a Deus, nos reconciliando. Na sua volta ao Pai, ele vai à nossa frente, nos preparando um lugar para nós seus discípulos. Ele é o caminho que nos leva ao Pai. Ele é a pedra viva com que podemos construir um mundo novo, um mundo que respire a esperança.

Não se perturbe o seu coração (Jo 14, 1)

Rezando a palavra

O livro dos Atos dos Apóstolos, lido hoje na liturgia, conta como a primeira comunidade cristã foi se organizando, animada em sua vida e em sua missão pela ressurreição de Cristo e pelo dom do Espírito Santo. Para atender as necessidades da caridade, surgiram os diáconos, ordenados pelos apóstolos. Neste mês de maio, a Igreja toda está rezando pelos diáconos.

Senhor Jesus Cristo,
que enviaste os teus discípulos
a proclamar a todos o reino de Deus,
não apenas por palavras,
mas também com as obras de misericórdia.
Nós Te pedimos por todos os que,
na tua Igreja, vivem o diaconato como missão.
Fortifica-os com o teu Espírito,
para que anunciem com ardor a tua Palavra
e manifestem a tua ternura e a tua misericórdia
a todos os sofredores,
sobretudo aos mais pobres e excluídos.
Enriquece, Senhor, a tua Igreja
com mais vocações de diáconos.
Amém.

Vivendo a palavra

Neste tempo de isolamento, há muita gente entristecida pelo clima geral de apreensão e, sobretudo, quem perdeu algum ente querido ou um amigo nessa grande tragédia. Hoje, havendo oportunidade, diga uma palavra de esperança a quem dela precisa.

Desejando me acompanhar na Santa Missa, celebro às 17 horas, com transmissão pela rádio tempo de paz. Para ouvi-la, baixe ‘radio tempo de paz’ em sua loja de aplicativos no celular. No iphone, baixe o aplicativo radiosnet.

Saudações e bênçãos para todas as mamães.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200509

DEUS É PAI


Senhor, mostra-nos o Pai (Jo 14,8) 

09 de maio de 2020.

Foi o pedido do apóstolo Felipe. Jesus tinha avisado que estava indo para o Pai. Nós todos também queremos ir para o Pai: lá é o nosso endereço definitivo, o lugar da plenitude de nossa vida humana divinizada. E como chegar lá? Tomando o caminho certo. E que caminho é esse? É o próprio Jesus. Ele nos disse “eu sou o caminho, a verdade, a vida. Ninguém vai ao Pai, a não ser por mim”. Foi aí que Felipe fez esse pedido: “Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta”.

De fato, Jesus nos revela o Pai, nos diz quem é ele, como ele nos ama, nos espera, nos perdoa, como o Pai do filho pródigo. Conhecer o Pai é antever o nosso futuro nele, é reconhecer que na comunhão com ele se realizam todos os nossos sonhos de felicidade, de imortalidade, de amor e liberdade. Só em Deus, saciamos por inteiro nossa sede de felicidade e plenitude. Se o encontramos, encontramos a fonte da vida, dele nós viemos. Encontrando-o, caminhamos com mais firmeza ao seu encontro. E o encontro com ele já é aqui e o será pleno e total na eternidade.

Jesus revelou que o Deus da Aliança é Pai. Não é só o criador. Ele é eternamente Pai em relação a seu Filho único. E o Filho é eternamente filho em sua relação com o Pai. Jesus revelou o Pai. O Pai se revelou em Jesus. Na compaixão de Jesus pelos sofredores e pelos pecadores, vemos o amor do Pai pelos seus filhos. O Pai nos amou com o coração de Jesus.

Jesus, caminho, verdade e vida, revela o Pai. Jesus está unido a ele, fala com ele diante de nós como um filho carinhoso e amado, ele nos leva ao Pai. Na parábola do filho pródigo, Jesus nos mostrou um pai respeitoso da nossa liberdade, paciente à espera de nossa volta, cheio de compaixão e amor ao correr para nos encontrar e abraçar ainda no caminho, generoso no perdão, festejando nossa volta e tentando convencer o irmão mais santo a nos acolher, mesmo tendo-lhe dado as costas.

Na oração que Jesus ensinou aos discípulos está uma relação amorosa e filial com Deus. Ele é o nosso Pai, a quem amamos de todo o coração. Ele conhece todas as nossas necessidades, ainda assim nós as apresentamos com toda confiança, já em ação de graças por sua proteção e por sua providência.

Guardando a mensagem 

O pedido do apóstolo Felipe foi verdadeiro. Conhecer a Deus é tudo o que queremos. Deus é amor. Fomos criados por amor. Salvos por amor. Somos conduzidos pelo amor. Essa experiência de Deus misericordioso, amoroso muda a nossa vida. Jesus esclareceu a Felipe e nos esclarece hoje. Em suas palavras, em suas ações, em sua compaixão pelos sofredores podemos experimentar o Pai que nos fala, que cuida de nós, que nos ama. “Quem me viu, viu o Pai”.

Senhor, mostra-nos o Pai (Jo 14,8)

Rezando a palavra 

Pai nosso que estás nos céus, 
santificado seja o Vosso nome. 
Venha a nós o Vosso Reino. 
Seja feita a Vossa vontade, 
assim na terra como no céu. 

O pão nosso de cada dia nos dai hoje. 
Perdoai as nossas ofensas, 
assim como nós perdoamos 
a quem nos tem ofendido. 
E não nos deixeis cair em tentação, 
mas livrai-nos do mal. 

Amém.

Vivendo a palavra

Planeje bem o seu final de semana. Reserve o melhor horário para a Santa Missa dominical pelos meios de comunicação ou pelas redes sociais. Dê preferência, claro, à Missa de sua Paróquia ou Comunidade, mesmo que ela não tenha a melhor transmissão. Amanhã, dedique uma oração especial por sua mãe, viva ou falecida. O seu amor e a sua oração são o melhor presente para sua mãe. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200508

O CAMINHO

Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim (Jo 14, 6)

08 de maio de 2020.

Hoje, nos sentamos com os discípulos, para ouvir Jesus falando sobre sua partida e sobre a sua intimidade com o Pai. Morte-ressurreição-ascensão é a sua partida para o Pai. Quatro palavrinhas merecem uma atenção especial de nossa parte, neste início do capítulo 14 de São João: Pai, eu vou, moradas e caminho.

Comecemos pela palavra “Pai”. Jesus revelou que o Deus da Aliança é Pai. Não é só o criador. Ele é eternamente Pai em relação a seu Filho único. E o Filho é eternamente filho em sua relação com o Pai. Jesus revelou o Pai. O Pai se revelou em Jesus. As primeiras comunidades ficaram pensando em tudo isso que Jesus falou e amadureceram uma compreensão que transmitiram às gerações seguintes. No ano 325, no Concílio Ecumênico de Nicéia, a Igreja afirmou com toda clareza: o Filho é consubstancial ao Pai, quer dizer é um só Deus com ele.

Vamos à segunda palavra: “Vou”, eu vou, para onde eu vou. Ele está tendo uma conversa de despedida, com os discípulos. Um pouco antes, tinha dito que para onde estava indo, eles não podiam ir. Quando entenderam que Jesus estava falando de sua morte, claro, ficou aquele clima de tristeza no ar. Então, Jesus insistiu para que não ficassem com o coração perturbado, não tivessem medo. Ele iria para o Pai. A morte é a sua partida para o Pai, a sua páscoa. Como os hebreus partiram do Egito para a liberdade da terra prometida, assim Jesus iria partir, passando pela morte e ressurreição. Está indo para o Pai. 

A terceira palavra é “moradas”. Na casa do meu Pai tem muitas moradas. “Casa do Pai” e “Moradas” falam da intimidade com Deus, da união com ele. Esta intimidade com Deus só poderia ser alcançada com a ida de Jesus, com a sua morte, ressurreição e retorno ao Pai. A sua morte nos reconciliou com o Pai. Podemos viver agora em comunhão com ele. Por isso, Jesus tem que ir na frente, para preparar um lugar. Sem ele passar pela morte, não temos comunhão com Deus. Depois, ele virá e nos levará consigo. As primeiras comunidades logo entenderam: um dia, muito em breve, ele vai voltar e, então, será definitiva nossa comunhão com Deus.

E a quarta palavra é “caminho”. Eu sou o caminho, a verdade, a vida. Você sabe que essa forma de falar “Eu sou” é uma fórmula de apresentação de sua condição divina, de sua união com Deus. Ele está se auto-revelando aos discípulos. Ele é o caminho que leva ao Pai. Para chegar à comunhão com Deus, para viver em comunhão com o Pai, é preciso segui-lo e viver os seus ensinamentos. Aliás, é mais do que isso: é imitá-lo. Ele não só nos ensina o caminho para chegar ao Pai, ele é o caminho; o único caminho.

Guardando a mensagem

Jesus é o caminho que nos leva ao Pai. A sua morte-ressurreição-ascensão é a sua partida para a Casa do Pai. Com essa partida (a gente poderia dizer “com essa páscoa”), Jesus abriu as portas da Casa do Pai. Todos os filhos pródigos agora podem voltar para casa e serem acolhidos pela misericórdia do Pai. O caminho pra chegar lá é um só: Jesus Cristo. É ele que precisamos acolher, amar e imitar. Ele é o caminho. A comunhão com Deus, que começou em nós pelo batismo, será plena quando também nós partirmos para estar ao lado dele, nas moradas do Pai. Ele revela o Pai em suas palavras e em suas obras. Fala o que Pai mandou dizer e em suas ações, é o Pai quem age. Ele é um com o Pai. É um Só Deus com ele.

Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim (Jo 14, 6)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Tuas palavras dão sentido à nossa vida. Chamavam as primeiras comunidades de o povo do “caminho”. Tinham razão. Nós somos o povo do ‘caminho’, pois nossa vida ganha luz e sentido ao nos pormos em teu seguimento. Somos teus seguidores. Seguimos no teu caminho, acolhendo e vivendo tuas palavras, teus ensinamentos. Na verdade, fazemos um caminho de assimilação do teu modo de ser filho de Deus, de teus sentimentos de filho e irmão. Tu és o caminho, a verdade e a vida. Queremos chegar a dizer, um dia, como São Paulo: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Reserve, hoje, mais uns minutinhos para a oração pessoal. Fale com Jesus, com a intimidade de quem o tem como companheiro de caminhada. Aproveite para perguntar aonde vai dar o caminho que você está percorrendo com ele. 

Você que recebe a Meditação pelos aplicativos, veja que eu sempre mando um link que lhe dá acesso ao texto. Quando a gente lê, a gente aprende muito.

Novo encontro já está marcado para as 22 horas de hoje, na live da Oração da Noite nas redes sociais: youtube, facebook, instagram, periscope e no aplicativo Tempo de Paz. Posso esperar por você?

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20190526

ISSO MUDA TUDO



Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada (Jo 14, 23)

26 de maio de 2019.

Jesus continua à mesa com os discípulos. Estão na ceia de páscoa. O pano de fundo é a páscoa do povo de Deus, a saída da escravidão do Egito. Deus manifestou seu amor por aquele povo, resgatando-o daquela situação. E ficou presente em seu meio, na dura travessia do deserto, na Tenda do tabernáculo que era armada em cada parada, em cada acampamento. Deus caminhou com o seu povo. Na vitória daquele gente, Deus manifestou sua glória. E deu a eles uma Lei, uma forma concreta de viver no seu amor.

O que Jesus está dizendo, ali na mesa, fica bem entendido no clima da páscoa do seu povo. Passando pela morte, ele vai conduzir o seu povo para a liberdade. A sua passagem pela morte é a páscoa verdadeira. Nela, nasce o novo povo de Deus. Nela, o amor do Pai se manifesta completamente em Jesus, em sua entrega total. E isso muda tudo.

Até agora, procuramos Deus em algum lugar, em algum templo, para honrá-lo com nossas preces e oferendas. Sabemos que ele mora num lugar muito santo e separado deste mundo em que vivemos. E nos esforçamos para cumprir as suas ordens e mandamentos, para agradá-lo e obter dele os favores que precisamos. Ele nos criou e nós nos sentimos seus servos. Com a páscoa de Jesus, isso não é mais assim. Ou, ao menos, não deveria ser mais assim.

“Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada” (Jo 14, 23). Jesus fez uma experiência de Deus muito especial. Ele, sendo humano como nós, sem deixar de ser Deus, experimentou que o Pai o amava muito. Mas, muito, mesmo. E nos amava, também. Por isso, O Pai o enviou a nós. Por amor. Por sua morte, Jesus nos aproximou do Pai, nos reconciliou com ele, nos fez seus filhos. Assim, se alguém o ama, o Pai o amará. E não só. O Pai e o Filho passam a ficar com essa pessoa, morar com ela, habitar nela. Quem ama Jesus é um novo tabernáculo, no acampamento do deserto, no mundo, um lugar onde Deus está. Não sentimos mais Deus longe de nós, num lugar separado para onde peregrinamos. Ele está em nós que amamos Jesus.

Na páscoa de Jesus (sua morte e ressurreição), experimentamos quem é Deus. Ele é amor, é dom total de si. Ele não nos quer para si, como seus servos. Impressionante. O amor dele não anula você, não o torna seu servo. O amor dele faz de você um filho, uma filha, objeto do seu amor imenso. Ele está agora em você que ama Jesus. E você está unido a ele como filho, como filha. Você é o novo tabernáculo. Por meio de você, Deus está presente no mundo.  O mundo já não é o lugar da perdição. O mundo é o lugar onde você atualiza a presença de Deus, manifesta o seu amor. O mundo é de Deus, porque você está nele. Esse amor precisa ser comunicado: é a mensagem, o seu Evangelho. Esse amor precisa ser vivido como norma de vida, são os seus Mandamentos. Esse amor tem um dinamismo de restauração, de renovação de tudo em Cristo, é a presença do Espírito Santo.  

“Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito” (Jo 14, 26). Toda essa nova realidade, nascida na páscoa de Jesus (sua morte e ressurreição), poderia se perder, se essa novidade ficasse parada no tempo. Poderíamos apenas contemplá-la. Mas, não. Veio o Espírito Santo, enviado pelo Pai, a pedido do filho. Ele é o próprio dinamismo do amor do Pai pelo Filho e vice-versa. O Espírito mantém viva a memória de Jesus. Ele nos ajuda a atualizar a boa notícia de sua vida, morte e ressurreição. Ele nos leva a compreender e interpretar a boa notícia de Jesus nas novas situações e desafios do mundo. Ele é grande animador da comunidade dos discípulos, dos filhos e filhos de Deus. Ele também nos habita. E anima a caminhada de todos os que amam Jesus e guardam sua palavra.

Guardando a mensagem

Na conversa que Jesus está tendo, ao redor da mesa da última ceia, ele fala do sentido de sua morte, dentro do contexto da páscoa do povo de Deus. Como por aquela saída, à noite, o povo foi libertado da escravidão do Egito, por sua páscoa, rompendo as trevas e a morte, nasceria o novo povo de Deus. Em sua morte, sua entrega total, ficou manifesto o amor do Pai por nós e como ele é verdadeiramente amor, entrega total de si. Quem ama Jesus, fica conhecendo Deus que é amor. O Pai, o Filho e o Espírito estão naquele que ama Jesus. E ele se torna um novo tabernáculo, lugar onde Deus está e se manifesta. Vindo o Espírito Santo, essa obra de Jesus não fica no esquecimento. O Espírito é o dinamismo do amor que atualiza as palavras e a presença de Jesus. Ele nos leva a realizar bem nossa vocação: sermos discípulos e discípulas de Jesus, amarmos como ele amou.

Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada (Jo 14, 23)

Rezando a palavra de Deus

Senhor Jesus,  
Amar-te é amar como tu amaste. Tu te entregaste por nós, deste a tua vida em nosso favor. Como teus seguidores, experimentamos que Deus é amor e assim vamos superando o desamor que há em nós: o  individualismo, a indiferença, o egoísmo, o espírito de vingança, os preconceitos... E formando uma grande frente de superação do desamor presente em nosso mundo, em nossa cultura: as relações de injustiça e exploração, a manipulação das pessoas, a opressão dos mais fracos, a excusão social, a violência de todo tipo. O teu Santo Espírito, Senhor, mantém viva a tua memória em nós e na grande comunidade dos discípulos, a Igreja. Ele é o dinamismo do amor de Deus que, em tua pessoa, renova todas as coisas. Nós te amamos, Jesus, e queremos guardar tua palavra. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Na Missa, fazemos memória da morte e ressurreição de Jesus, celebramos a sua páscoa. Participar da Santa Missa não é um simples compromisso semanal. É um direito sagrado dos que estão unidos a Cristo pela fé e pelo batismo. É a congregação festiva dos que amam Jesus.

Pe. João Carlos Ribeiro  26.05.2019



Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...