Mostrando postagens com marcador eu sou o caminho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador eu sou o caminho. Mostrar todas as postagens

2020/05/10

RAZÕES DA NOSSA ESPERANÇA


Não se perturbe o seu coração (Jo 14, 1)

10 de maio de 2020.

Este é o quinto domingo da páscoa. Juntamos a ele, a comemoração do dia das mães. Mais um domingo em casa, para quem tem bom juízo e se esforça por viver o mandamento do amor ao próximo. O seu caso, graças a Deus.


Com a pandemia, ficam mais claros dentro de nós a inquietação, a perplexidade quanto ao futuro, o valor que damos à liberdade e à vida. Mas, mesmo sem a pandemia, já somos assim: inquietos, incompletos, carentes. Sonhamos com a liberdade, o amor, a paz. Estamos sempre buscando.

Santo Agostinho descreveu esse drama humano na sua própria vida, no seu livro Confissões. O coração só sossega quando encontra Deus. Deus não é um cala-boca para nossas inquietudes. Ele é a realização plena de nossa existência inquieta. O ser humano, criado por Deus, encontra o caminho da plenitude quando se reconecta com suas origens e com o seu futuro definitivo em Deus. Longe dele, peregrinamos num vale de lágrimas. Voltados para ele, sentimos a vida mais leve e os nossos dramas mais amenos.

Não, não se trata de fugir da realidade, absolutamente. A realidade mais radical é esta: nossos sonhos mais profundos de vida, amor, alegria, liberdade, paz realizam-se em Deus. Nele, está toda plenitude. E nós já participamos dela quando estamos unimos a ele. Isso não nos tira da realidade da nossa existência difícil e conflituosa. Isso nos põe de pé diante dos problemas, porque enxergamos mais longe e ficamos mais atentos ao caráter passageiro de nossa existência terrena. Não, isso não nos faz menos cidadãos nessa terra. Ao contrário, nos empenha ainda mais numa convivência social onde já brilhem os valores definitivos.

Tudo isso poderia ser uma vã filosofia, não fora Deus ter posto em prática um plano maravilhoso de salvação para a humanidade. Ele nos enviou seu filho único, como prova do seu amor e como elo de comunhão permanente conosco. Assim, na conversa com os discípulos após a última ceia, falando de sua volta ao Pai, Jesus disse: “não se perturbe o coração de vocês. Eu vou preparar um lugar para vocês. Eu quero que onde eu estiver, vocês estejam comigo. E para onde eu vou, vocês conhecem o caminho. Eu sou o caminho”.

É Jesus quem nos abre esse horizonte maravilhoso de realização plena que tanto ansiamos. Ele fez o nosso caminho, assumindo nossa condição humana. Passou por nossa morte e ressuscitou, nos assegurando que quem nele crê já tem em si a vida eterna e ressuscitará também. Por sua morte e ressurreição, ele nos reconciliou com Deus. Como ele disse: “Ninguém vai ao Pai a não ser por mim”. É por ele que adentramos na vida plena, que já começa aqui e será completa na eternidade.

O segredo é nos encontrarmos com Jesus, nos unirmos a ele. E nossa união com Cristo é pela fé, pelo batismo, pela oração, pela comunhão com sua Igreja, pela comunhão eucarística. Ele é a pedra viva, como está escrito na primeira Carta de São Pedro. “Aproximem-se da pedra viva”, recomendou o apóstolo. Com ele, somos também pedras vivas. Assim, podemos construir juntos vidas iluminadas, comunidades solidárias, sociedade onde brilhe a fraternidade.  

Guardando a mensagem

Neste quinto domingo da páscoa, Jesus tranquiliza o nosso coração. Sua volta ao Pai (onde está agora) é o caminho inaugurado por ele para nossa plenitude, para a realização de todos os nossos sonhos humanos. Só nos voltando para Deus, encontramos resposta a todos os nossos desejos mais profundos: ser livres, experimentar a alegria e a paz duradouras, amar e ser amados, viver em plenitude... Fomos criados à sua imagem e semelhança. Unidos a ele, já podemos experimentar tudo isso como dom do seu amor, mesmo dentro de nossa fragilidade. E tudo isso será pleno na eternidade, com Deus. Por sua morte redentora, Jesus reabriu o acesso a Deus, nos reconciliando. Na sua volta ao Pai, ele vai à nossa frente, nos preparando um lugar para nós seus discípulos. Ele é o caminho que nos leva ao Pai. Ele é a pedra viva com que podemos construir um mundo novo, um mundo que respire a esperança.

Não se perturbe o seu coração (Jo 14, 1)

Rezando a palavra

O livro dos Atos dos Apóstolos, lido hoje na liturgia, conta como a primeira comunidade cristã foi se organizando, animada em sua vida e em sua missão pela ressurreição de Cristo e pelo dom do Espírito Santo. Para atender as necessidades da caridade, surgiram os diáconos, ordenados pelos apóstolos. Neste mês de maio, a Igreja toda está rezando pelos diáconos.

Senhor Jesus Cristo,
que enviaste os teus discípulos
a proclamar a todos o reino de Deus,
não apenas por palavras,
mas também com as obras de misericórdia.
Nós Te pedimos por todos os que,
na tua Igreja, vivem o diaconato como missão.
Fortifica-os com o teu Espírito,
para que anunciem com ardor a tua Palavra
e manifestem a tua ternura e a tua misericórdia
a todos os sofredores,
sobretudo aos mais pobres e excluídos.
Enriquece, Senhor, a tua Igreja
com mais vocações de diáconos.
Amém.

Vivendo a palavra

Neste tempo de isolamento, há muita gente entristecida pelo clima geral de apreensão e, sobretudo, quem perdeu algum ente querido ou um amigo nessa grande tragédia. Hoje, havendo oportunidade, diga uma palavra de esperança a quem dela precisa.

Desejando me acompanhar na Santa Missa, celebro às 17 horas, com transmissão pela rádio tempo de paz. Para ouvi-la, baixe ‘radio tempo de paz’ em sua loja de aplicativos no celular. No iphone, baixe o aplicativo radiosnet.

Saudações e bênçãos para todas as mamães.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

2019/05/16

AS PORTAS AGORA ESTÃO ABERTAS

Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim (Jo 14, 6)
17 de maio de 2019.
Hoje, nos sentamos com os discípulos, para ouvir Jesus falando sobre sua partida e sobre a sua intimidade com o Pai. Morte-ressurreição-ascensão é a sua partida para o Pai. Quatro palavrinhas merecem uma atenção especial de nossa parte, neste início do capítulo 14 de São João: Pai, eu vou, moradas e caminho.
Comecemos pela palavra “Pai”.  Jesus revelou que o Deus da Aliança é Pai. Não é só o criador. Ele é eternamente Pai em relação a seu Filho único. E o Filho é eternamente filho em sua relação com o Pai. Jesus revelou o Pai. O Pai se revelou em Jesus. As primeiras comunidades ficaram pensando em tudo isso que Jesus falou e amadureceram uma compreensão que transmitiram às gerações seguintes. No ano 325, no Concílio Ecumênico de Nicéia, a Igreja afirmou com toda clareza: o Filho é consubstancial ao Pai, quer dizer é um só Deus com ele.
Vamos à segunda palavra: “Vou”, eu vou, para onde eu vou. Ele está tendo uma conversa de despedida, com os discípulos. Um pouco antes, tinha dito que para onde estava indo, eles não podiam ir. Quando entenderam que Jesus estava falando de sua morte, claro, ficou aquele clima de tristeza no ar. Então, Jesus insistiu para que não ficassem com o coração perturbado, não tivessem medo. Ele iria para o Pai. A morte é a sua partida para o Pai, a sua páscoa. Como os hebreus partiram do Egito para a liberdade da terra prometida, assim Jesus iria partir, passando pela morte e ressurreição. Está indo para o Pai.  
A terceira palavra é “moradas”. Na casa do meu Pai tem muitas moradas. “Casa do Pai” e “Moradas” falam da intimidade com Deus, da união com ele. Esta intimidade com Deus só poderia ser alcançada com a ida de Jesus, com a sua morte, ressurreição e retorno ao Pai. A sua morte nos reconciliou com o Pai. Podemos viver agora em comunhão com ele. Por isso, Jesus tem que ir na frente, para preparar um lugar. Sem ele passar pela morte, não temos comunhão com Deus. Depois, ele virá e nos levará consigo. As primeiras comunidades logo entenderam: um dia, muito em breve, ele vai voltar e, então, será definitiva nossa comunhão com Deus.
E a quarta palavra é “caminho”. Eu sou o caminho, a verdade, a vida. Você sabe  que essa forma de falar “Eu sou” é uma fórmula de apresentação de sua condição divina, de sua união com Deus. Ele está se auto-revelando aos discípulos. Ele é o caminho que leva ao Pai. Para chegar à comunhão com Deus, para viver em comunhão com o Pai, é preciso segui-lo e viver os seus ensinamentos. Aliás, é mais do que isso: é imitá-lo. Ele não só nos ensina o caminho para chegar ao Pai, ele é o caminho; o único caminho.
Guardando a mensagem
Jesus é o caminho que nos leva ao Pai. A sua morte-ressurreição-ascensão é a sua partida para a Casa do Pai. Com essa partida (a gente poderia dizer “com essa páscoa”), Jesus abriu as portas da Casa do Pai. Todos os filhos pródigos agora podem voltar para casa e serem acolhidos pela misericórdia do Pai. O caminho pra chegar lá é um só: Jesus Cristo. É ele que precisamos acolher, amar e imitar. Ele é o caminho. A comunhão com Deus, que começou em nós pelo batismo, será plena quando também nós partirmos para estar ao lado dele, nas moradas do Pai. Ele revela o Pai em suas palavras e em suas obras. Fala o que Pai mandou dizer e em suas ações, é o Pai quem age. Ele é um com o Pai. É um Só Deus com ele.
Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim (Jo 14, 6)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Tuas palavras dão sentido à nossa vida. Chamavam as primeiras comunidades de o povo do “caminho”. Tinham razão. Nós somos o povo do ‘caminho’, pois nossa vida ganha luz e sentido ao nos pormos em teu seguimento. Somos teus seguidores. Seguimos no teu caminho, acolhendo e vivendo tuas palavras, teus ensinamentos. Na verdade, fazemos um caminho de assimilação do teu modo de ser filho de Deus, de teus sentimentos de filho e irmão. Tu és o caminho, a verdade e a vida. Um dia queremos chegar a dizer como São Paulo: “Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim”. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Assim que puder, hoje, reserve mais uns minutinhos para a oração pessoal. Fale com Jesus, com a intimidade de quem o tem como companheiro de caminhada. Aproveite para perguntar aonde vai dar o caminho que você está percorrendo com ele.

Pe. João Carlos Ribeiro – 17.05.2019

2018/04/27

OS PEREGRINOS E O CAMINHO

Eu sou o Caminho,a Verdade e a Vida (Jo 14,6)
27 de abril de 2018.
Vamos nos sentar com os discípulos e ouvir Jesus falando sobre sua partida e sobre a sua intimidade com o Pai. Vamos ficar atentos a quatro palavrinhas que Jesus está falando: Pai, eu vou, moradas e caminho. Escute bem o que ele está dizendo: “Na casa do meu Pai, há muitas moradas. Se não fosse, eu lhes teria dito, porque vou preparar-lhes um lugar (Jo 14, 2).  

Comecemos pela palavra “Pai”.  Na casa de meu Pai. Jesus revelou que o Deus da Aliança é Pai. Não é só o criador. Ele é eternamente Pai em relação a seu Filho único. E o Filho é eternamente filho em sua relação com o Pai. Jesus revelou o Pai. O Pai se revelou em Jesus. As primeiras comunidades ficaram pensando em tudo isso que Jesus falou e amadureceram uma compreensão que transmitiram às gerações seguintes. No ano 325, no Concílio Ecumênico de Niceia, a Igreja afirmou com toda clareza: o Filho é consubstancial ao Pai, quer dizer é um só Deus com ele.
Vamos à segunda palavra: “Vou”.  Para onde eu vou. Ele está tendo uma conversa de despedida, com os discípulos. Um pouco antes, tinha dito que para onde estava indo, eles não podiam ir. Pedro até queria ir também. Jesus disse: “mais tarde tu irás, agora não”. Quando entenderam que Jesus estava falando de sua morte, claro, ficou aquele clima de tristeza no ar. Então, Jesus insistiu para que não ficassem com o coração perturbado, não tivessem medo. Ele iria para o Pai. A morte é a sua partida para o Pai, a sua páscoa. Como os hebreus partiram do Egito para a liberdade da terra prometida, assim Jesus iria partir, passando pela morte e ressurreição. Estava indo para o Pai.  
A terceira palavra é “moradas.” Na casa do meu Pai, há muitas moradas. “Casa do Pai” e “Moradas” falam da intimidade com Deus, da união com ele. Esta intimidade com Deus só poderia ser alcançada com a sua ida, com a sua morte. A sua morte nos reconciliou com o Pai. Por sua morte, podemos viver agora em comunhão com ele. Por isso, ele tem que ir na frente, para preparar um lugar. Sem ele passar pela morte, não temos comunhão com Deus. Depois, ele virá e nos levará consigo. As primeiras comunidades logo entenderam: um dia, muito em breve, ele irá voltar e, então, será definitiva nossa comunhão com Deus.
E a quarta palavra é “caminho”. Eu sou o caminho, a verdade, a vida. Você sabe que essa forma de falar “Eu sou” é uma fórmula de apresentação de sua condição divina, de sua união com Deus. Ele está se auto-revelando aos discípulos. Ele é o caminho que leva ao Pai. Para chegar à comunhão com Deus, para viver em comunhão com o Pai, é preciso segui-lo e viver os seus ensinamentos. Aliás, é mais do que isso: é imitá-lo. Ele não só nos ensina o caminho para chegar ao Pai, ele é o caminho. O único caminho. Não é à toa que as primeiras comunidades eram chamadas de “comunidades do caminho”.
Vamos guardar a mensagem
Jesus é o caminho que nos leva ao Pai. A sua morte foi a partida para a Casa do Pai. Com essa partida (a gente poderia dizer “com essa páscoa”), Jesus abriu as portas da Casa do Pai. Todos os filhos pródigos agora podem voltar para casa e serem acolhidos pela misericórdia do Pai. O caminho pra chegar lá é um só: Jesus Cristo. A ele precisamos acolher, amar e imitar. Ele é o caminho. A comunhão com Deus, que começou em nós pelo batismo, será plena quando também nós partirmos para estar ao lado dele, nas moradas do Pai.
Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida (Jo 14,6)

Vamos rezar a Palavra
Senhor Jesus,
Que bom podermos partilhar de um momento de tanta intimidade, ao teu lado. Tu nos dizendo coisas tão sagradas: falando-nos de tua relação de unidade com o Pai, de tua volta ao seio dele, da nossa unidade contigo que terá continuidade e plenitude quando estivermos ao teu lado na glória e do caminho para chegarmos lá. O caminho és tu mesmo: a tua vida, a tua palavra, a tua páscoa. Verdades que enchem de sentido nossa vida, nossas lutas e nosso futuro. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Escreva as quatro palavras de hoje no seu caderno de anotações (o seu diário espiritual). E faça uma breve oração, falando com o Senhor sobre a meditação de hoje.

Pe. João Carlos Ribeiro – 27.04.2018