Mostrando postagens com marcador paz. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador paz. Mostrar todas as postagens

20200512

A PAZ DE CRISTO

Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Mas não a dou como o mundo (Jo 14, 27)


12 de maio de 2020

Jesus nos dá a sua paz. O mundo também oferece a paz. Mas, Jesus nos dá a paz de maneira diferente, não como o mundo o faz. Que paz Jesus nos traz? Que paz o mundo nos dá?

As pessoas do antigo povo de Deus se saudavam ou se despediam com um Shalom. Shalom! É o desejo de saúde, harmonia, paz interior, calma, tranquilidade, bênção de Deus. Foi certamente essa saudação que fez Maria ao chegar à casa de Izabel. Essa saudação – Shalom – encheu o coração de Izabel de alegria e sua criança vibrou de satisfação no seu seio. Um shalom que manifesta a presença e o amor de Deus!

No tempo de Jesus, os romanos tinham dominado meio mundo e governavam os povos vencidos com uma dura legislação e com suas legiões de soldados. Também o Mar Mediterrâneo estava sob o controle dos romanos. Assim, se podia viajar por todo o mundo conhecido, sem fronteiras. Em todo o Império, reinava a paz, a pax romana. A pax romana era o resultado da total submissão dos povos e a cruel repressão a qualquer manifestação contra a ordem estabelecida. A paz do mundo é então a paz dos vencidos, dos dominados pelo mais forte. Como os romanos alcançaram a paz? Pelas guerras, pela invasão, pela repressão.

A paz de Jesus é de outra natureza. A sua obra foi a reconciliação. Estamos em paz com Deus e em paz entre nós. Ele fez as pazes entre nós e Deus, nos alcançando o perdão divino. Ele estabeleceu a paz entre o céu e a terra. No seu nascimento, cantaram os anjos: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por ele amados”. E como Jesus nos deu a paz? Dando a sua vida por nós, morrendo em nosso lugar, oferecendo-se a si mesmo em sacrifício de expiação por nossos pecados.

Quando Jesus realizou a sua obra, apresentou-se à comunidade dos discípulos com a saudação “A paz esteja com vocês”, um shalom especial. Realmente, ele nos deu a paz, nos reconciliando com o Pai, em sua cruz.

Na Missa, antes da comunhão, somos convidados a nos comunicar mutuamente a paz. E dizemos: “A paz de Cristo”. É uma forma de realçar que estamos em comunhão uns com os outros, estamos na paz que Cristo nos alcançou. E é assim, reconciliados com o Pai e entre nós, que nos aproximamos da mesa santa da comunhão.

Guardando a mensagem

A pax romana foi alcançada com guerras e o esmagamento do inimigo. A paz de Jesus foi alcançada com a doação de sua vida em favor dos pecadores. Por sua cruz, fomos reconciliados com Deus. Agora, estamos em paz com Deus e com os irmãos. Na Missa, nos preparamos para a comunhão eucarística com Cristo, nossa paz, nos comunicando mutuamente a sua paz: é o nosso compromisso de viver reconciliados e de cultivar a paz em nossos relacionamentos.

Deixo-lhes a paz, a minha paz lhes dou. Mas não a dou como o mundo (Jo 14, 27)

Rezando a palavra

Rezemos com as palavras da oração pela paz da Santa Missa:

Senhor Jesus Cristo,
dissestes aos vossos apóstolos: “Eu vos deixo a paz, eu vos dou a minha paz”, Não olheis os nossos pecados, mas a fé que anima a vossa Igreja; dai-lhe segundo o vosso desejo, a paz e a unidade. Vós que, sois Deus, com o Pai e o Espírito Santo. Amém.

Vivendo a palavra


Acolher a paz de Jesus é vencer a agressividade presente em nossa cultura. A paz é o dom pelo qual nos reconhecemos reconciliados com Deus e com os irmãos. Hoje, cultive atitudes cordiais, mesmo que você não receba o mesmo tratamento. Diga: bom dia, boa tarde, boa noite, com licença, por favor, me desculpe. Difunda a paz de Jesus ao seu redor.


Se você tiver um tempinho, às 10 da noite, a gente se encontra nas redes sociais para comentar essa palavra de hoje, na live da ORAÇÃO DA NOITE. É só procurar Padre João Carlos no youtube, facebook, instagram, periscope ou no aplicativo Tempo de Paz.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20190715

AFINAL, JESUS É OU NÃO É DE PAZ?

Não pensem que eu vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada (Mt 10, 34).
15 de julho de 2019 – Dia de São Boaventura
Estamos diante de um texto que nos deixa perplexos. Oi, então Jesus veio fazer guerra, fazer confusão? O que será isso? Os anjos cantaram ‘paz na terra’ no seu nascimento. E agora ele vem dizer que não veio trazer a paz. Não dá para entender....
Calma minha gente, calma.  Vamos tentar entender o que Jesus está nos dizendo... Ele disse que não veio trazer a paz à terra. De que ‘paz’, ele estará falando? Disse que veio trazer a espada. De que ‘espada’, estará falando?
Bom, então vamos lá. Há “paz” e “paz”. A paz de Jesus não é a paz do mundo. A paz do mundo é aquela expectativa de uma vida sem conflitos, sem traumas. Uma paz que é não mexer com ninguém, deixar como está para não complicar pro nosso lado. Jesus tinha dito na última ceia: “Eu lhes dou a paz, eu lhes dou a minha paz. Mas, não a dou como o mundo a dá”. Então, a paz de Jesus não é a paz do mundo.
A paz de Jesus também não é a paz dos dominadores. Os dominadores do tempo de Jesus, os romanos, gabavam-se de terem conquistado  a paz. Tinham imposto a paz no mundo, vencendo os povos com sangrentas guerras e reprimindo qualquer indisposição contra o seu poderio. Era a pax romana.  A paz de Jesus, com certeza, não é a paz dos dominadores.
A paz de Jesus é a paz alcançada na cruz. É a comunhão com Deus e com os irmãos, destravada na sua morte e ressurreição. Estava tudo bloqueado pelo pecado e Jesus nos alcançou a reconciliação com o Pai. Por isso, ele se apresenta comunicando a paz, exatamente depois de sua ressurreição. Resuscitado, se apresentou na comunidade e comunicou-lhes: “A paz esteja com vocês”.
Então, Jesus não veio trazer a paz como o mundo a pensa ou como os romanos a impuseram. Essa paz, ele não veio trazer. A paz de Jesus é a nossa reconciliação com Deus e com os irmãos, na sua cruz.
Mas, ele disse que veio trazer a espada. Bom, há “espada” e “espada”.  Na paz dos romanos, a espada, sua principal arma, era instrumento de guerra, violência e opressão. A paz de Jesus não tem nada a ver com a paz dos romanos, então, a espada dos romanos também não tem nada a ver com a espada de que Jesus está falando, não é verdade? Pode ver que, naquela madrugada de sua prisão, no Monte das Oliveiras, Pedro puxou a espada e feriu o servo do sumo-sacerdote. Lembra o que Jesus disse? “Guarda tua espada, Pedro, quem com o ferro fere, com o ferro será ferido”. Jesus não veio trazer a espada da violência, de jeito nenhum.
Espada tem também outro sentido. Ela significa conflito, sofrimento. O velho profeta Simeão, no Templo, com Jesus pequenino nos braços disse a Maria: “Por causa desse menino, uma espada transpassará o teu coração”. É a espada da dor, da incompreensão, do sofrimento, da perseguição. Certamente, é dessa espada que Jesus está falando.
Guardando a mensagem
Jesus está dizendo que quem se torna seu discípulo ou sua discípula não pode esperar que tudo aconteça certinho na sua vida, sem problemas, sem sofrimento. Essa é a paz da lógica do mundo, paz como ausência de conflito. Nossa escolha por Jesus não nos traz essa paz, pelo contrário, nos traz o enfrentamento, o conflito, o sofrimento. Traz-nos a espada. E isso é fácil de entender. Quando colocamos Deus em primeiro lugar, desbancamos alguém ou alguma coisa que estava tomando o lugar de Deus na nossa vida. Quando levamos a sério o mandamento do amor ao próximo, tomamos o lado dos índios, dos trabalhadores, das mulheres, dos violentados. Claro, uma fé dessas gera conflitos dentro de casa e na sociedade. O evangelho gera pessoas comprometidas com o bem, a verdade, a fraternidade e a justiça. E isso, nem todo mundo aplaude.
Não pensem que eu vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada (Mt 10, 34).
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Disseste que não vieste trazer a paz, mas a espada. De fato, seguir-te não significa que não teremos problemas e sofrimentos nessa vida. A tua paz não é a ausência de conflito, que nós tanto gostaríamos. A paz que nos trouxeste é a reconciliação com Deus e entre nós, alcançada no sacrifício de tua cruz com tanto sofrimento. A espada são as dificuldades e os sofrimentos que também nós enfrentamos pelas escolhas que fazemos contigo. Dá-nos o teu Santo Espírito para nos mantermos fiéis quando os conflitos e as dificuldades forem espada em nossa vida; firmes e perseverantes como tua santa mãe Maria, que amanhã celebraremos com a festa de N. Sra. do Carmo, ela que foi transpassada por uma espada de dor por tua causa. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém
Vivendo a palavra
Você conhece a AMA? A AMA é a Associação Missionária Amanhecer. É um povo abençoado que abraçou comigo a missão de evangelizar nos meios de comunicação. Hoje, estamos anunciando o evangelho em quase uma centena de emissoras de rádio. É a AMA que faz chegar a você com regularidade a Meditação da Palavra. Se você também quiser abraçar comigo essa causa, se ainda não o fez, me mande seu nome e seu telefone. Nós ligaremos hoje pra você. Vou deixar aqui um link pra você me responder: Você também quer ser AMA? Basta deixar seu nome e seu telefone.
Uma semana de muitas bênçãos pra você!
VOCÊ QUER SER AMA? Clique no link abaixo e, se a sua resposta for sim, ponha seu nome e seu telefone.
Pe. João Carlos Ribeiro – 15 de julho de 2019.

20170717

A PAZ E A ESPADA

Não pensem que eu vim trazer a paz à terra; não vim trazer a paz, mas sim a espada (Mt 10, 34).
Estamos diante de um texto que nos deixa perplexos. Oi, então Jesus veio fazer guerra, fazer confusão? O que será isso? Os anjos cantaram ‘paz na terra’ no seu nascimento. E agora ele vem dizer que não veio trazer a paz. Não dá para entender....
Calma minha gente, calma.  Vamos tentar entender o que Jesus está nos dizendo... Ele disse que não veio trazer a paz à terra. De que ‘paz’,  ele estará falando? Disse que veio trazer a espada. De que ‘espada’, estará falando?
Bom, então vamos lá. Há “paz” e “paz”. A paz de Jesus não é a paz do mundo. A paz do mundo é aquela expectativa de uma vida sem conflitos, sem traumas. Uma paz que é não mexer com ninguém, deixar como está para não complicar pro nosso lado. Jesus tinha dito na última ceia: “Eu lhes dou a paz, eu lhes dou a minha paz. Mas, não a dou como o mundo a dá”. Então, a paz de Jesus não é a paz do mundo.
A paz de Jesus também não é a paz dos dominadores. Os dominadores do tempo de Jesus, os romanos, gabavam-se de terem conquistado  a paz. Tinham imposto a paz no mundo, vencendo os povos com sangrentas guerras e reprimindo qualquer indisposição contra o seu poderio. Era a pax romana.  A paz de Jesus, com certeza, não é a paz dos dominadores.
A paz de Jesus é a paz alcançada na cruz. É a comunhão com Deus e com os irmãos, destravada na sua morte e ressurreição. Estava tudo bloqueado pelo pecado e Jesus nos alcançou a reconciliação com o Pai. Por isso, ele se apresenta comunicando a paz, exatamente depois de sua ressurreição. Resuscitado,  se apresentou na comunidade e comunicou-lhes: “A paz esteja com vocês”.

20160112

Os 10 mandamentos para a paz na familia

Disse um dia a Dra. Zilda Arns, fundadora da pastoral da criança, em uma entrevista: 

“A Pastoral da Criança, desde o início, teve a preocupação não só de reduzir a mortalidade infantil e a desnutrição, mas também de promover a paz nas famílias e comunidades, pelas atitudes de solidariedade e a partilha do saber a todas as famílias”.

Os 10 mandamentos para a paz na Família 

A Pastoral da Criança está divulgando os 10 Mandamentos para a Paz na Família. Achei interessante essa formulação e passo a comentá-los.
1.       Tenha fé e viva a Palavra de Deus, amando o próximo como a si mesmo. Fé em Deus e amor ao próximo são bases fundamentais para a vida pessoal e familiar.
_

20130905

Nunca mais guerra!

As pessoas de boa vontade, em todo o mundo, estão preocupadas com a situação de violência vivida pelo povo da Síria. Esse país do Oriente Médio, cuja capital é Damasco, está mergulhado numa guerra civil que já ceifou mais de 100 mil vidas em três anos, agravada pelo recente episódio do uso de armas químicas vitimando cerca de 1.500 civis, inclusive grande número de crianças.  Os Estados Unidos, com o apoio de outras potências, desconhecendo o parecer da ONU, preparam-se para uma intervenção armada naquele país. Em muitas partes do globo, multiplicam-se manifestações apreensivas a respeito da delicada situação. 

O Papa Francisco, interpretando o grito de paz de inúmeros setores e das comunidades da Igreja Católica, no domingo passado, convocou um dia de jejum e oração pela paz, para que se peça a Deus que mova os corações para uma solução pacífica e duradoura. "Nunca mais guerra", prega o Pontífice. Ele considera que a paz é um dom precioso que deve ser promovido e tutelado.  Convocou os fiéis da Igreja para um dia de jejum e oração e estendeu o convite às outras Igrejas cristãs, às outras Religiões e a todas as pessoas de boa vontade.

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...