Mostrando postagens com marcador venham a mim. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador venham a mim. Mostrar todas as postagens

05 julho 2020

O NOSSO ABBÁ


Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos (Mt 11, 25).

05 de julho de 2020

No evangelho de hoje, Mateus capítulo 11, Jesus louva a Deus, fala de sua intimidade com ele e convida os pequeninos a irem a ele, a segui-lo.

Uma palavra chama nossa atenção nestes poucos versículos. Ela se repete cinco vezes. Veja qual é. ‘Eu te louvo, ó Pai. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado. Tudo me foi entregue por meu Pai e ninguém conhece o Filho senão o Pai e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar’. A palavra é “Pai”. Na língua falada por Jesus, o aramaico, um filho pequeno chamava carinhosamente seu pai de Abbá, papai. É assim que Jesus está falando com Deus em sua oração: ‘Eu te louvo, Abbá = Eu te louvo, Papai. Ninguém conhece o Filho senão o Papai e ninguém conhece o Papai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar’. Conhecer, na Escritura, é amar, entrar na sua intimidade, estar envolvido no seu mistério.

Abbá é uma palavra central em nossa fé cristã. A gente poderia dizer: a missão de Jesus foi revelar Deus como abbá, como nosso papai. Vale dizer: ele veio nos reaproximar de Deus, o seu papai, nos reconduzir à comunhão com ele. Assim, podemos pensar que o Reino de Deus de que Jesus tanto falava tem a ver com isso. O Reino de Deus é conhecermos Deus como nosso papai, experimentarmos o seu amor, unindo-nos a ele, por meio de Jesus. E nele, reconhecermo-nos irmãos na grande casa do nosso papai. O Reino já está entre nós, pois já podermos dizer juntos: “Papai nosso que estás no céu”.

E como é que Jesus nos reaproximou de Deus, nos reconciliou com ele, nós que vivíamos distante dele, como pecadores que somos? Jesus nos revelou esse seu Papai que o ama, que lhe deu sua natureza, que tudo lhe entregou. Ele nos fez conhecer esse Deus, que, por amor a nós, nos deu o seu próprio filho para nossa salvação. Na cruz, Jesus realizou a vontade do Pai de, por meio dele, nos reconciliar e atrair para a comunhão consigo. Pelo derramamento do seu Espírito, nos concedeu a graça da filiação divina. Diz a Carta aos Romanos. “Vocês receberam não um espírito de escravos, mas um espírito de filhos adotivos, pelo qual clamamos: Abbá, Papai!” (Rm 8, 15).

Então Jesus estava rezando, cheio de alegria: “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos (Mt 11, 25)”. Estas coisas ocultadas aos sábios e reveladas por Deus aos pequeninos sãs as coisas do Reino, o conhecimento da paternidade de Deus e da nossa dignidade de filhos. Os sábios e entendidos do seu tempo eram os fariseus e seus mestres que conheciam as Escrituras, mas não abriram o coração para o amor de Deus. Os pequeninos são que se aproximaram de Jesus, em sua pobreza, em sua indigência social ou em sua impossibilidade de cumprir a Lei de Moisés. A estes, o Pai, por meio da humanidade do seu Filho, revelou o seu grande amor, atraindo-os por meio de Cristo. Esta revelação de Deus como papai só é possível ser recebida se nos apresentarmos sem a arrogância da grandeza e da sabedoria humana. O Pai se revela aos pequeninos, aos que se apresentam com a humildade de filhos e o reconhecimento de sua condição de necessitados do seu amor e de sua proteção.

Guardando a Mensagem

Jesus nos revelou Deus como pai. Mais do que isso: Jesus nos fez entender como ele é amado pelo seu Papai e nos deu a graça de participar com ele desse amor filial. Na cruz, ele nos reconciliou com Deus, expiando a nossa culpa. Pelo derramamento do seu Espírito, o Pai nos fez seus filhos adotivos, unidos a Cristo. Nossa felicidade está em vivermos unidos ao nosso Pai, por meio de Cristo, na força do seu Espírito. Nosso sonho é amá-lo sempre mais até chegar a vê-lo face a face, na eternidade, conhecendo-o como ele é. Nessa comunhão de amor, descobrimos o valor que temos, a dignidade de filhos que nos cabe. Com o nosso Papai, aprendemos a ser bons, justos, bondosos, pacientes como ele e a viver em verdadeira fraternidade de amor e solidariedade com nossos irmãos e irmãs.

Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos (Mt 11, 25).

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
quem tem a graça de conhecer Deus como seu papai querido, como tu nos revelaste, já não age pela obrigação, age pelo amor. No amor, todo peso é maneiro, todo sofrimento é suportável. É assim que um pai ou uma mãe ama, é assim que um filho ou uma filha ama. No amor, o peso da idade, da doença ou das privações do tempo é vivido com leveza, serenidade, esperança. O teu jugo, Senhor, é suave. O teu peso, Jesus, é leve. Ó Jesus manso e humilde de coração, faz o nosso coração semelhante ao teu coração de filho. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Leia o evangelho de hoje, Mateus 11, 25-30 e, em seguida, faça um momento de oração.

Um abençoado domingo pra você e sua família.

Pe. João Carlos Ribeiro. sdb

11 dezembro 2019

VENHAM A MIM

Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos (Mt 11, 28).
11 de dezembro de 2019
Que fardos são esses? Esses fardos eram, em primeiro lugar, no tempo de Jesus, as obrigações que a Lei de Moisés impunha, ou melhor, a interpretação da Lei feita pelos mestres e fariseus. Era uma carga pesada demais, oprimindo e afastando as pessoas de Deus. A religião como obrigação continua sendo um fardo pesado para muita gente, hoje. Mas, como Jesus pode aliviar esse nosso peso? O seu ensinamento nos liberta, torna leve a nossa carga. O seu maior ensinamento é que Deus nos ama como um pai. Ele compreende a nossa fraqueza. Ele enviou seu filho para nos conduzir no caminho. O Filho se revestiu de nossa humanidade e tornou-se agora o nosso guia. A fé é nossa melhor resposta. O seu ensinamento alivia o nosso peso.
Que fardos são esses? O peso do nosso pecado e de suas consequências. E Jesus alivia esse nosso peso pela reconciliação. Ele está nos sugerindo que troquemos os fardos que estamos carregando pelo seu peso que é leve, o nosso coração inquieto pelo seu coração manso e humilde. Ele nos revela que o Pai nos perdoa e nos reconcilia consigo pelo sacrifício de sua cruz. Assim, o peso do pecado nos é retirado das costas. Podemos caminhar com mais leveza e esperança. O amor de Deus nos liberta. O perdão nos tira o peso do pecado das costas.
Que fardos são esses? O peso massacrante da vida. Diante de pessoas acachapadas pelo sofrimento, pelo medo, pelo cansaço do trabalho com pouco retorno, pela falta de horizonte, Jesus se apresenta com um convite: Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso. Ele nos tranquiliza:  o Pai cuida de nós, nos sustenta, nos socorre. Não estamos sós. Não lutamos apenas com as nossas forças. Sendo assim, o peso de nossas obrigações já fica mais leve. O amor a Deus e ao próximo, ensinado por Jesus, liberta o nosso trabalho da marca da obrigação desumanizadora. Nossas responsabilidades, na lógica do amor, passam a ser serviço criativo e amoroso. O amor nos liberta do massacrante peso da obrigação.






Guardando a mensagem
Jesus encontrou o povo de Deus oprimido por muitas situações de exploração, violência e dominação. Por isso, o evangelho está cheio de doentes, leprosos, cegos, possessos, encurvados. Ele chamou a si esse povo humilhado, oferecendo-lhe a vida, a liberdade, a felicidade. Ele nos revelou o amor do Pai e o seu amor por nós. Ele carregou-se de nossas dores e nos abriu o caminho da vitória sobre toda opressão por meio de sua palavra, de suas atitudes, de sua morte na cruz, de sua ressurreição.
Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos (Mt 11, 28).
Vivendo a palavra
Senhor Jesus,
É grande o peso dos nossos fardos: a condição imposta pelos limites de nossa condição biológica; as dificuldades na luta pela sobrevivência e a manutenção de nossas famílias; os desencontros, os drama da vida familiar; o desencanto com a situação política do país... cansados e fatigados, sob o peso dos nossos fardos, nos aproximamos de ti, implorando a graça do teu abrigo, do teu repouso, da tua paz. Dá-nos a sabedoria que nos vem do Santo Espírito para encontrarmos as melhores soluções e a serenidade para atravessarmos com paciência as horas difíceis, na fé de que estás sempre conosco e nos conduzes como bom pastor de nossas vidas. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Que tal você atender essa palavra de Jesus “Venham a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados”? Vou lhe deixar uma sugestão. Reserve, hoje, um tempinho para um momento de oração. A sós com Deus, fale de sua vida... Alguma coisa muito importante, ele tem para lhe dizer.
Você pode me ouvir também pelo aplicativo Rádio Tempo de Paz. Na loja de aplicativos do seu celular androide, procure e baixe: Rádio Tempo de Paz.  Se o seu celular foi um iphone, baixe o aplicativo RadiosNet.
A gente se encontra às 10 da noite, no facebook. 
 Pe. João Carlos Ribeiro – 11 de dezembro de 2019

19 julho 2018

CONVITE PARA CANSADOS E ESTRESSADOS


Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos (Mt 11, 28).
19 de julho de 2018.
Que fardos são esses? Esses fardos eram, em primeiro lugar, no tempo de Jesus, as obrigações que a Lei de Moisés impunha, ou melhor, a interpretação da Lei feita pelos mestres e fariseus. Era uma carga pesada demais, oprimindo e afastando as pessoas de Deus. A religião como obrigação continua sendo um fardo pesado para muita gente, hoje. Mas, como Jesus pode aliviar esse nosso peso? O seu ensinamento nos liberta, torna leve a nossa carga. O seu maior ensinamento é que Deus nos ama como um pai. Ele compreende a nossa fraqueza. Ele enviou seu filho para nos conduzir no caminho. O Filho se revestiu de nossa humanidade e tornou-se agora o nosso guia. A fé é nossa melhor resposta. O seu ensinamento alivia o nosso peso.
Que fardos são esses? O peso do nosso pecado e de suas consequências. E Jesus alivia esse nosso peso pela reconciliação. Ele está nos sugerindo que troquemos os fardos que estamos carregando pelo seu peso que é leve, o nosso coração inquieto pelo seu coração manso e humilde. Ele nos revela que o Pai nos perdoa e nos reconcilia consigo pelo sacrifício de sua cruz. Assim, o peso do pecado nos é retirado das costas. Podemos caminhar com mais leveza e esperança. O amor de Deus nos liberta. O perdão nos tira o peso do pecado das costas.
Que fardos são esses? O peso massacrante da vida. Diante de pessoas acachapadas pelo sofrimento, pelo medo, pelo cansaço do trabalho com pouco retorno, pela falta de horizonte, Jesus se apresenta com um convite: Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso. Ele nos tranquiliza:  o Pai cuida de nós, nos sustenta, nos socorre. Não estamos sós. Não lutamos apenas com as nossas forças. Sendo assim, o peso de nossas obrigações já fica mais leve. O amor a Deus e ao próximo, ensinado por Jesus, liberta o nosso trabalho da marca da obrigação desumanizadora. Nossas responsabilidades, na lógica do amor, passam a ser serviço criativo e amoroso. O amor nos liberta do massacrante peso da obrigação.
Vamos guardar a mensagem
Jesus encontrou o povo de Deus oprimido por muitas situações de exploração, violência e dominação. Por isso, o evangelho está cheio de doentes, leprosos, cegos, possessos, encurvados. Ele chamou a si esse povo humilhado, oferecendo-lhe a vida, a liberdade, a felicidade. Ele nos revelou o amor do Pai e o seu amor por nós. Ele carregou-se de nossas dores e nos abriu o caminho da vitória sobre toda opressão por meio de sua palavra, de suas atitudes, de sua morte na cruz, de sua ressurreição.
Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos (Mt 11, 28).
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
É grande o peso dos nossos fardos: a condição imposta pelos limites de nossa condição biológica; as dificuldades na luta pela sobrevivência e a manutenção de nossas famílias; os desencontros, os drama da vida familiar; o desencanto com a situação política do país... cansados e fatigados, sob o peso dos nossos fardos, nos aproximamos de ti, implorando a graça do teu abrigo, do teu repouso, da tua paz. Dá-nos a sabedoria que nos vem do Santo Espírito para encontrarmos as melhores soluções e a serenidade para atravessarmos com paciência as horas difíceis, na fé de que estás sempre conosco e nos conduzes como bom pastor de nossas vidas. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Que tal você atender essa palavra de Jesus “Venham a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados” ? Vou lhe deixar uma sugestão. Reserve, hoje, um tempinho para um momento de oração. A sós com Deus, fale de sua vida... Alguma coisa importante, ele tem para lhe dizer.


Pe. João Carlos Ribeiro – 19.07.2018

12 dezembro 2017

UMA PALAVRA BOA PRA QUEM ESTÁ CHEGANDO AO SEU LIMITE

MEDITAÇÃO
PARA QUARTA-FEIRA,
DIA 13 DE DEZEMBRO

Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso (Mt 11, 28)
Que palavra maravilhosa para nossa meditação hoje... Jesus vê que o grupo dos seus discípulos  - homens e mulheres  que o seguem – estão cansados, carregados de fardos pesados.
Que fardos são esses? Esses fardos eram, em primeiro lugar, as obrigações que a Lei de Moisés impunha, ou melhor, a interpretação da Lei feita pelos mestres e fariseus; fardos são  também as responsabilidades e sofrimentos da vida; as decepções, o desencanto, os problemas que cada um carrega; a falta de horizonte em muitas situações de uma vida rotineira; a situação de sobressalto que se vive em função dos compromissos com a sobrevivência. Diante desse quadro, de pessoas acachapadas pelo sofrimento, pelo medo, pelo cansaço do trabalho com pouco retorno, pela falta de horizonte e de esperança, Jesus se apresenta com um convite: Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso.
Mas, como Jesus pode aliviar o nosso peso? O seu ensinamento nos liberta de tantos fardos pesados, torna leve a nossa carga. Na verdade, ele está nos sugerindo que troquemos os fardos que estamos carregando pelo seu peso que é leve, o nosso coração inquieto pelo seu coração manso e humilde. E qual é o ensinamento de Jesus? O maior deles é que Deus nos ama como um pai. Ele cuida de nós, nos sustenta, nos socorre. Não estamos sós. Não lutamos apenas com as nossas forças. Sendo assim, o peso de nossas obrigações já fica mais leve. Alivia o nosso peso pelo seu ensinamento.
Mas, também alivia o nosso peso pela reconciliação. Jesus nos revela que o Pai nos perdoa e nos reconcilia consigo pelo sacrifício de sua cruz. Assim, o peso do nosso pecado e de suas consequências nos é retirado das costas. Podemos caminhar com mais leveza e esperança. O amor de Deus nos liberta. O perdão nos tira o peso das costas.
Também o amor nos liberta do massacrante peso da vida. O amor ao próximo, que Jesus nos ensina, liberta o nosso trabalho da marca da obrigação desumanizadora. Nosso trabalho, por amor aos outros, passa a ser um serviço, em sintonia com Deus que nos ama. Também pelo amor, a própria prática religiosa deixa de ser uma obrigação enfadonha para ser um louvor alegre e restaurador.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Jesus encontrou o povo de Deus oprimido por muitas situações de exploração, violência e dominação. Por isso, o evangelho está cheio de doentes, leprosos, cegos, possessos, encurvados. Ele chamou a si esse povo humilhado, oferecendo-lhe a vida, a liberdade, a felicidade. Ele nos revelou o amor do Pai e o seu amor por nós. Ele carregou-se de nossas dores e nos abriu o caminho da vitória sobre toda opressão por meio de sua palavra, de suas atitudes, de sua morte na cruz, de sua ressurreição.
Vamos acolher a mensagem com uma prece
Senhor Jesus,
Estamos sobrecarregados com muitos fardos que nos tiram a alegria de viver, que tornam a nossa vida sofrida e enfadonha. É a exploração no trabalho. É o abatimento na doença. É o esvaziamento de uma vida sem sentido. Para quem está assim fatigado sob o peso de fardos insuportáveis, tu, Senhor Jesus, ofereces a tua palavra, o teu ministério, o teu coração. Tua palavra – a revelação do Pai – desmascara a alienação do trabalho e o libertas para ser uma atividade criativa e prazerosa. O teu carinho pelos doentes e sofredores ilumina a experiência de sofrimento e de dor, tornando leve o peso da enfermidade e dos limites biológicos de nossa condição humana. Teu amor nos abraça, nos perdoa, nos restaura. Vem, Senhor, ao encontro de todos os que estão cansados, amargurados, sobrecarregados com o peso dessa vida. A todos, com a tua graça, alivia, consola, orienta. Amém.
Vamos vivenciar a palavra que meditamos hoje
Que tal você atender essa palavra de Jesus “Venham a mim todos vocês que estão cansados e sobrecarregados..” ? Vou lhe deixar uma sugestão. RESERVE HOJE UM TEMPINHO PARA UM MOMENTO DE ORAÇÃO. A sós com ele, fale de sua vida... Alguma coisa importante, ele tem para lhe dizer.

Pe. João Carlos Ribeiro - 23.06.2017/12.12.2017

19 julho 2017

LEVINHO, LEVINHO

Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso (Mt 11, 28).

Que fardos são esses? Esses fardos eram, em primeiro lugar, no tempo de Jesus, as obrigações que a Lei de Moisés impunha, ou melhor, a interpretação da Lei feita pelos mestres e fariseus. Era uma carga pesada demais, oprimindo e afastando as pessoas de Deus. A religião como obrigação continua sendo um fardo pesado para muita gente, hoje. Mas, como Jesus pode aliviar esse nosso peso? O seu ensinamento nos liberta, torna leve a nossa carga. O seu maior ensinamento é que Deus nos ama como um pai. Ele compreende a nossa fraqueza. Ele enviou seu filho para nos conduzir no caminho. O Filho se revestiu de nossa humanidade e tornou-se agora o nosso guia. A fé é nossa melhor resposta. O seu ensinamento alivia o nosso peso.

Que fardos são esses? O peso do nosso pecado e de suas consequências. E Jesus alivia esse nosso peso pela reconciliação. Ele está nos sugerindo que troquemos os fardos que estamos carregando pelo seu peso que é leve, o nosso coração inquieto pelo seu coração manso e humilde. Ele nos revela que o Pai nos perdoa e nos reconcilia consigo pelo sacrifício de sua cruz. Assim, o peso do pecado nos é retirado das costas. Podemos caminhar com mais leveza e esperança. O amor de Deus nos liberta. O perdão nos tira o peso do pecado das costas.

Que fardos são esses? O peso massacrante da vida. Diante de pessoas acachapadas pelo sofrimento, pelo medo, pelo cansaço do trabalho com pouco retorno, pela falta de horizonte, Jesus se apresenta com um convite: Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso. Ele nos tranquiliza:  o Pai cuida de nós, nos sustenta, nos socorre. Não estamos sós. Não lutamos apenas com as nossas forças. Sendo assim, o peso de nossas obrigações já fica mais leve. O amor a Deus e ao próximo, ensinado por Jesus, liberta o nosso trabalho da marca da obrigação desumanizadora. Nossas responsabilidades, na lógica do amor, passam a ser serviço criativo e amoroso. O amor nos liberta do massacrante peso da obrigação.

Vamos guardar a mensagem de hoje

Jesus encontrou o povo de Deus oprimido por muitas situações de exploração, violência e dominação. Por isso, o evangelho está cheio de doentes, leprosos, cegos, possessos, encurvados. Ele chamou a si esse povo humilhado, oferecendo-lhe a vida, a liberdade, a felicidade. Ele nos revelou o amor do Pai e o seu amor por nós. Ele carregou-se de nossas dores e nos abriu o caminho da vitória sobre toda opressão por meio de sua palavra, de suas atitudes, de sua morte na cruz, de sua ressurreição.

09 julho 2017

OS TRÊS DESVIOS

Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos (Mt 11, 25).

Que bela vocação a nossa, sermos cristãos. Somos discípulos de Jesus, seus seguidores. O domingo, celebração semanal da páscoa com Jesus, é uma bela ocasião para sublinharmos essa nossa sublime vocação. É com Jesus, que nós aprendemos a viver como filhos de Deus. Mas, é triste perceber que nem sempre somos fieis a esse grande amor com que ele nos escolheu. “Não foram vocês que me escolheram, fui eu que escolhi vocês”. Aliás, distanciamento do Evangelho e infidelidade é que não faltam em nosso caminho.

A Palavra de Deus deste domingo (14º domingo do tempo comum) pode nos ajudar a corrigir algumas tendências negativas que estão presentes em nosso comportamento. Elas poderiam ser descritas em três tentações. A primeira, a tentação de só dar valor a gente grande. A segunda, a tentação de apoiar o autoritarismo. E a terceira, a tentação de amar as coisas do mundo. São modos de ser que estão na contramão da vocação cristã, coisa de quem não assimilou o Evangelho.   

Tomemos essa primeira tendência: SÓ DAR VALOR A GENTE GRANDE. Nada mais antievangélico do que essa atitude que cultua a grandeza, a riqueza e o saber humano. No Evangelho de hoje, Jesus louva o Pai exatamente porque ele dá valor ao pequeno. “Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos” (Mt 11, 25). O pequenino é o que está em desvantagem na sociedade, o doente, o idoso, o marginalizado... O Pai revelou o Reino aos pequeninos, não à elite do povo hebreu. Cristão é o que pensa e age como o Pai: dá valor aos pequenos.

23 junho 2017

Vinde a mim

Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso (Mt 11, 28)
Que palavra maravilhosa para nossa meditação hoje... Jesus vê que o grupo dos seus discípulos  - homens e mulheres  que o seguem – estão cansados, carregados de fardos pesados.
Que fardos são esses? Esses fardos eram, em primeiro lugar, as obrigações que a Lei de Moisés impunha, ou melhor, a interpretação da Lei feita pelos mestres e fariseus; fardos são  também as responsabilidades e sofrimentos da vida; as decepções, o desencanto, os problemas que cada um carrega; a falta de horizonte em muitas situações de uma vida rotineira; a situação de sobressalto que se vive em função dos compromissos com a sobrevivência. Diante desse quadro, de pessoas acachapadas pelo sofrimento, pelo medo, pelo cansaço do trabalho com pouco retorno, pela falta de horizonte e de esperança, Jesus se apresenta com um convite: Venham a mim todos vocês que estão cansados e fatigados sob o peso dos seus fardos, e eu lhes darei descanso.