PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: VEM E SEGUE-ME
Mostrando postagens com marcador VEM E SEGUE-ME. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador VEM E SEGUE-ME. Mostrar todas as postagens

O Domingo da Palavra de Deus




22 de janeiro de 2023

3º Domingo do Tempo Comum

Domingo da Palavra de Deus



EVANGELHO


Mt 4,12-23.

12Ao saber que João tinha sido preso, Jesus voltou para a Galileia. 13Deixou Nazaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, 14no território de Zabulon e Neftali, para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: 15”Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região do outro lado do rio Jordão, Galileia dos pagãos! 16O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz, e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz”. 17Daí em diante Jesus começou a pregar dizendo: “Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”.
18Quando Jesus andava à beira do mar da Galileia, viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro, e seu irmão André. Estavam lançando a rede ao mar, pois eram pescadores. 19Jesus disse a eles: “Segui-me, e eu farei de vós pescadores de homens”. 20Eles imediatamente deixaram as redes e o seguiram.
21Caminhando um pouco mais, Jesus viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João. Estavam na barca com seu pai Zebedeu consertando as redes. Jesus os chamou. 22Eles imediatamente deixaram a barca e o pai, e o seguiram. 23Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo.


MEDITAÇÃO


Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23)

Neste terceiro Domingo do Tempo Comum, estamos celebrando o Domingo da Palavra de Deus. Além do mês da Bíblia, em setembro, e o Dia da Bíblia em 30 de setembro, temos também o Domingo da Palavra de Deus. Neste ano, o tema é 
"Nós vos anunciamos o que vimos" (1 Jo 1,3).

O evangelho de hoje - Mateus 4 - nos conta como Jesus, ao saber da prisão de João Batista, foi morar em Cafarnaum e começou a pregar o Reino de Deus. Os primeiros seguidores eram pescadores e Jesus os convidou a pescarem gente, com ele. O texto do evangelho de hoje termina com um pequeno resumo da atividade de Jesus: ele andava por toda a Galileia, ensinando, pregando, curando.

Podemos, hoje, manter o foco nessa atividade de Jesus: a pregação. Lemos no v. 17: “Daí em diante, Jesus começou a pregar dizendo: Convertam-se, porque o reino dos céus está próximo”. Então, em sua pregação, Jesus convocava à conversão, à mudança de vida, em vista do reino que estava próximo. No v. 23, lemos: “Jesus andava por toda a Galileia, ensinado em suas sinagogas, pregando o evangelho do reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo”. Então, pregava o evangelho do reino e, em realização de sua pregação, curava o povo de suas enfermidades. Assim, o reino ficava bem compreendido como intervenção salvadora de Deus. Na 1a. carta aos Coríntios, Paulo escreveu: “De fato, Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar a boa-nova da salvação, sem me valer dos recursos da oratória para não privar a cruz de Cristo de sua força própria”. Então, é verdade, nas leituras de hoje, podemos ter um foco especial na pregação de Jesus.

Ao que parece, Jesus não pregava apenas repetindo as palavras dos pergaminhos, dos livros santos. Bom, em Nazaré, como certamente em todas as Sinagogas, o vemos partir da leitura dos textos sagrados. Mas, a novidade era a atualização que ele fazia daquelas palavras. Em Nazaré, por exemplo, ele disse: “Hoje se cumpriram as palavras que vocês acabaram de ouvir’’. Essa era a novidade de Jesus. Ele anunciava uma palavra viva, cheia de sentido para a vida dos seus ouvintes. Não era um repetidor dos escritos e da tradição, carregando o povo de obrigações com a Lei, como os fariseus. Nele, aquelas palavras se realizavam. Por ele, as antigas promessas tornavam-se vida. Pela sua pregação, as pessoas compreendiam a Palavra como manifestação do amor misericordioso de Deus. Por isso, se admiravam como ele falava com autoridade, não como os escribas.

O Papa Francisco, em 2019, escreveu uma Carta Apostólica marcando o terceiro Domingo do Tempo Comum para a celebração, reflexão e divulgação da Palavra de Deus. Nessa Carta, ele chamou a atenção para o fato do Espírito Santo tornar viva e atual a palavra escrita. Escreveu ele: “Para alcançar a finalidade salvífica, a Sagrada Escritura, sob a ação do Espírito Santo, transforma em Palavra de Deus a palavra dos homens escrita à maneira humana. O papel do Espírito Santo na Sagrada Escritura é fundamental. Sem a sua ação, estaria sempre iminente o risco de ficarmos fechados apenas no texto escrito, facilitando uma interpretação fundamentalista, da qual é necessário manter-se longe para não trair o caráter inspirado, dinâmico e espiritual que o texto possui.» (Carta apostólica do Papa Francisco “Aperuit illis”, sobre o Domingo da Palavra de Deus).




Guardando a mensagem

Estamos no Domingo da Palavra de Deus. Jesus, ao iniciar sua missão, começou a pregar a conversão, em vista do reino que estava chegando. Andava pelas sinagogas da Galileia, pregando o evangelho do reino e curando as enfermidades do povo. São Paulo afirmou que Cristo o mandou pregar a boa-nova da salvação. O conteúdo da pregação é o anúncio do reino de Deus que chegou, com Jesus, como reconciliação, vida plena, perdão, salvação. O povo distinguia claramente a pregação de Jesus da pregação dos fariseus. Jesus, com os textos e a tradição da fé do seu povo, comunicava o tempo novo que estava chegando, pela misericórdia de Deus. Os fariseus, repetindo as normas e os mandamentos dos livros ou da tradição, colocavam pesadas cargas nas costas do povo. O Espírito Santo é quem vivifica a Palavra. Ele, que inspirou os autores sagrados, continua inspirando a Igreja e os seus filhos a compreenderem e a acolherem a mensagem divina para as suas vidas. O Espírito Santo continua nos ajudando a acolher a Palavra da Salvação, particularmente na pregação litúrgica e na leitura orante da palavra de Deus (a lectio divina).

Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo (Mt 4, 23)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
estamos felizes por estar celebrando hoje o Domingo da Palavra de Deus. Tu és o Cristo, o ungido pelo Espírito Santo para a missão. Assim, não és apenas um grande pregador da Palavra de Deus, mas tu és a própria Palavra, o Verbo feito carne. Dá-nos, Senhor, o teu Santo Espírito para compreendermos as Escrituras e para te conhecer e amar ainda mais. O Papa Francisco falou pra gente ter mais confiança na ação do Espírito. Ele continua a realizar a sua inspiração quando a Igreja ensina a Sagrada Escritura, quando o Magistério a interpreta de forma autêntica e quando cada um de nós faz dela a sua norma espiritual. Senhor, livra-nos do fundamentalismo, que interpreta tudo ao pé da letra, sem o discernimento do Espírito e da inteligência humana. E não deixes viver indiferentes às tuas abençoadas palavras com que nos conduzes como bom pastor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Ponha a sua Bíblia, hoje, em destaque, na sua casa. Nela, leia o evangelho de hoje: Mateus 4, 12-23.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

UMA NOVA DIREÇÃO DA SUA VIDA


 

10 de outubro de 2021

28º Domingo do Tempo Comum


EVANGELHO


Mc 10,17-30

Naquele tempo, 17quando Jesus saiu a caminhar, veio alguém correndo, ajoelhou-se diante dele e perguntou: “Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?”
18Jesus disse: “Por que me chamas de bom? Só Deus é bom, e mais ninguém. 19Tu conheces os mandamentos: não matarás; não cometerás adultério; não roubarás; não levantarás falso testemunho; não prejudicarás ninguém; honra teu pai e tua mãe”.
20Ele respondeu: “Mestre, tudo isso tenho observado desde a minha juventude”.
21Jesus olhou para ele com amor, e disse: “Só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!”
22Mas quando ele ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.
23Jesus então olhou ao redor e disse aos discípulos: “Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!”
24Os discípulos se admiravam com estas palavras, mas ele disse de novo: “Meus filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! 25É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus!”
26Eles ficaram muito espantados ao ouvirem isso, e perguntavam uns aos outros: “Então, quem pode ser salvo?”
27Jesus olhou para eles e disse: “Para os homens isso é impossível, mas não para Deus. Para Deus tudo é possível”.
28Pedro então começou a dizer-lhe: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos”.
29Respondeu Jesus: “Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, 30receberá cem vezes mais agora, durante esta vida — casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições — e, no mundo futuro, a vida eterna.

MEDITAÇÃO


Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna? (Mc 10, 17)

A religião cristã não é apenas um conjunto de práticas religiosas que realizamos para o louvor de Deus e para o nosso bem pessoal. A religião cristã é, especialmente, seguimento de Jesus Cristo. Seguimento. O que nos define não é um título de pertença a uma instituição bimilenar. O que nos define é sermos discípulos de Jesus. É sermos seus seguidores, suas seguidoras. Percorremos com ele o seu caminho. Vamos com ele a Jerusalém.

Jesus e os discípulos estão indo a Jerusalém. Essa é a grande viagem que marca a sua vida. Em Jerusalém, acontecerá o drama da paixão. Essa caminhada é propriamente a direção da vida de Jesus. Neste caminho, a uma certa altura, vem alguém correndo, ajoelha-se aos seus pés e lhe pergunta o que deve fazer para ganhar a vida eterna. Ele já cumpria os mandamentos da Lei, desde a sua juventude. ‘Então, concluiu Jesus, só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!”. O homem ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.

Essa pessoa buscava a felicidade, a realização, como todos nós. Era uma pessoa religiosa, praticante da Lei desde pequeno. Pelo que respondeu a Jesus, praticava certinho os mandamentos de Deus. Mas, estava inquieto. Sabia que lhe faltava alguma coisa. O que ele poderia fazer para ganhar a vida eterna, para participar da herança da completa felicidade? Ele percebeu que Jesus tinha a resposta. Ele poderia lhe indicar o que realmente tinha que fazer. E lhe pediu isso de joelhos, de coração aberto, com toda sinceridade.

Ele ouviu a resposta de Jesus. A resposta foi dada com muito respeito, muita consideração e como sinal de um amor sincero por ele. Está escrito: “Jesus o olhou com amor”. Não foi uma resposta para afastá-lo, para desanimá-lo em sua busca de felicidade, da herança da vida eterna. Foi uma resposta verdadeira, exigente. Ele, que estava ansioso em busca da felicidade, da vida eterna, ouvindo isso, ficou abatido e desistiu, foi embora cheio de tristeza. Não aceitou a proposta de Jesus, o caminho que ele lhe indicou. Optou por continuar sua vidinha. Optou por não ser seguir Jesus, não ser seu discípulo.

O que é que Jesus lhe pediu e pede a mim e a você, hoje? Ele o chamou para segui-lo. Só isso. “Vem e segue-me”. Segui-lo no seu caminho, sendo livre e solidário como ele. Livre de qualquer carga ou amarra. Solidário com os pobres e sofredores. Foi o que ele pediu àquele homem: o desapego dos seus bens e a solidariedade com quem nada tem. ‘Vende o que tens e dá aos pobres”. Em outras palavras, Jesus lhe indicou um modo novo de se relacionar com os bens e com os seus semelhantes. No trato com os bens, ser livre. Não viver para o dinheiro. Não ser possuído pelos seus bens. No trato com os seus semelhantes, ser solidário. Importar-se com sua dor, partilhar, não lhes ser indiferente.

Guardando a mensagem

Muitos cristãos estão ocupados na posse de muitos bens, usufruindo do seu bem-estar e fazendo da religião apenas um complemento para sua felicidade. No fundo, são infelizes, vivem tristes. Está lhes faltando alguma coisa. Eles também perguntam a Jesus o que precisam fazer para alcançar a felicidade completa, para ter direito à herança da vida eterna? Esperam que Jesus lhe passe uma receita de algumas coisas a serem feitas. Mas, Jesus lhe dá uma nova orientação para as suas vidas. Jesus os chama para segui-lo. Duas condições são necessárias para o seu seguimento: estar livre e ser solidário. Jesus os chama a ter um novo relacionamento com os bens (a liberdade) e com seus semelhantes (a solidariedade). A verdadeira felicidade está em sermos irmãos, a caminho com Jesus, para a casa do Pai.

Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna? (Mc 10, 17)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
fica-nos a impressão que foste muito exigente com aquele que se apresentou no caminho, querendo fazer alguma coisa para ganhar a vida eterna. Tu o chamaste para te seguir. Para isso, ele precisava estar livre (não mais voltado para os seus bens) e ser solidário (não mais indiferente à sorte dos pobres). Ele não teve coragem de dar uma nova direção à sua vida. Na sua tristeza, vemos a tristeza de quem vive voltado para si mesmo. Por sorte, esse mesmo evangelho nos mostra que houve quem deixasse tudo e te seguisse, como foi o caso dos teus apóstolos. Livres e solidários, eles teriam tudo que deixaram cem vezes mais e a vida eterna no mundo futuro. Obrigado, Senhor, pelo exemplo de tantos irmãos e irmãs que seguem contigo, livres e solidários, pelo caminho da vida. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Será muito importante que você abra hoje sua Bíblia e leia essa passagem que toda a Igreja está meditando neste domingo: Marcos 10,17-30.

No próximo final de semana, a gente se encontra no 4º Acampamento Missionário. Na sexta-feira, a Missa de abertura transmitida pela Rede Vida e, no sábado, uma movimentada tarde online com testemunhos, pregação, adoração eucarística e momento musical. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

UMA NOVA DIREÇÃO PARA A SUA VIDA


Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna? (Mc 10, 17)

14 de outubro de 2018.

A religião cristã não é apenas um conjunto de práticas religiosas que realizamos para o louvor de Deus e para o nosso bem pessoal. A religião cristã é, especialmente, seguimento de Jesus Cristo. Seguimento. O que nos define não é um título de pertença a uma instituição bimilenar. O que nos define é sermos discípulos de Jesus. É sermos seus seguidores, suas seguidoras. Percorremos com ele o seu caminho. Vamos com ele a Jerusalém.

Jesus e os discípulos estão indo a Jerusalém. Essa é a grande viagem que marca a sua vida. Em Jerusalém, acontecerá o drama da paixão. Essa caminhada é propriamente a direção da vida de Jesus. Neste caminho, a uma certa altura, vem alguém correndo, ajoelha-se aos seus pés e lhe pergunta o que deve fazer para ganhar a vida eterna. Ele já cumpria os mandamentos da Lei, desde a sua juventude. ‘Então, concluiu Jesus, só uma coisa te falta: vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me!”. O homem ouviu isso, ficou abatido e foi embora cheio de tristeza, porque era muito rico.

Essa pessoa buscava a felicidade, a realização, como todos nós. Era uma pessoa religiosa, praticante da Lei desde pequeno. Pelo que respondeu a Jesus, praticava certinho os mandamentos de Deus. Mas, estava inquieto. Sabia que lhe faltava alguma coisa. O que ele poderia fazer para ganhar a vida eterna, para participar da herança da completa felicidade? Ele percebeu que Jesus tinha a resposta. Ele poderia lhe indicar o que realmente tinha que fazer. E lhe pediu isso de joelhos, de coração aberto, com toda sinceridade.

Ele ouviu a resposta de Jesus. A resposta foi dada com muito respeito, muita consideração e como sinal de um amor sincero por ele. Está escrito: “Jesus o olhou com amor”. Não foi uma resposta para afastá-lo, para desanimá-lo em sua busca de felicidade, da herança da vida eterna. Foi uma resposta verdadeira, exigente. Ele, que estava ansioso em busca da felicidade, da vida eterna, ouvindo isso, ficou abatido e desistiu, foi embora cheio de tristeza. Não aceitou a proposta de Jesus, o caminho que ele lhe indicou. Optou por continuar sua vidinha. Optou por não ser seguir Jesus, não ser seu discípulo.

O que é que Jesus lhe pediu e pede a mim e a você, hoje? Ele o chamou para segui-lo. Só isso. “Vem e segue-me”. Segui-lo no seu caminho, sendo livre e solidário como ele. Livre de qualquer carga ou amarra. Solidário com os pobres e sofredores. Foi o que ele pediu àquele homem: o desapego dos seus bens e a solidariedade com quem nada tem. ‘Vende o que tens e dá aos pobres”. Em outras palavras, Jesus lhe indicou um modo novo de se relacionar com os bens e com os seus semelhantes. No trato com os bens, ser livre. Não viver para o dinheiro. Não ser possuído pelos seus bens. No trato com os seus semelhantes, ser solidário. Importar-se com sua dor, partilhar, não lhe ser indiferente.

Guardando a mensagem

Muitos cristãos estão ocupados na posse de muitos bens, usufruindo do seu bem-estar e fazendo da religião apenas um complemento para sua felicidade. No fundo, são infelizes, vivem tristes. Está lhes faltando alguma coisa. Eles também perguntam a Jesus o que precisam fazer para alcançar a felicidade completa, para ter direito à herança da vida eterna? Esperam que Jesus lhe passe uma receita de algumas coisas a serem feitas. Mas, Jesus lhe dá uma nova orientação para as suas vidas. Jesus os chama para segui-lo. Duas condições são necessárias para o seu seguimento: estar livre e ser solidário. Jesus os chama a ter um novo relacionamento com os bens (a liberdade) e com seus semelhantes ( a solidariedade). A verdadeira felicidade está em sermos irmãos, a caminho com Jesus, para a casa do Pai.

Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna? (Mc 10, 17)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,

Fica-nos a impressão que foste muito exigente com aquele que se apresentou no caminho, querendo fazer alguma coisa para ganhar a vida eterna. Tu o chamaste para te seguir. Para isso, ele precisava estar livre (não mais voltado para os seus bens) e ser solidário (não mais indiferente à sorte dos pobres). Ele não teve coragem de dar uma nova direção à sua vida. Na sua tristeza, vemos a tristeza de quem vive voltado para si mesmo. Por sorte, esse mesmo evangelho nos mostra que houve quem deixasse tudo e te seguisse, como foi o caso dos teus apóstolos. Livres e solidários, eles teriam tudo que deixaram cem vezes mais e a vida eterna no mundo futuro. Obrigado, Senhor, pelo exemplo de tantos irmãos e irmãs que seguem contigo, livres e solidários, pelo caminho da vida. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.


Vivendo a palavra

Será muito importante que você abra hoje sua Bíblia e leia essa passagem que toda a Igreja está meditando neste domingo: Marcos 10,17-30.

Pe. João Carlos Ribeiro - 14.10.2018

TRÊS EXIGÊNCIAS NO SEGUIMENTO DE JESUS

Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus (Lc 9, 62)
03 de outubro de 2018.
Jesus está começando a grande viagem para Jerusalém. O evangelista Lucas reserva uma grande parte do seu evangelho a essa viagem (9, 51-19,27). Jesus está consciente do que o aguarda na capital. Mas, vai destemidamente. E vai com os seus discípulos.
A viagem para Jerusalém é uma imagem de nossa caminhada cristã, com seus riscos e suas exigências. Somos seguidores de Jesus, estamos indo com ele a Jerusalém. É uma caminhada difícil, porque não é uma caminhada para o sucesso e para a glória. É uma caminhada, antes de tudo, marcada pela paixão e cruz. E é pela paixão que se chega à glória da ressurreição, à vitória. E já no início dessa caminhada, três pessoas se apresentam querendo seguir Jesus. E assim são três recados importantes do Senhor para eles e para nós, seus seguidores.  Você, eu, todos nós estamos a caminho com Jesus, para Jerusalém. É a nossa peregrinação nesta terra. À Jerusalém celeste não se chega sem luta, sem sacrifício, sem oposições. Numa viagem como essa, três coisas são fundamentais: despojamento de vida, primado de Deus e perseverança na caminhada.
O primeiro que se apresentou disse que seguiria Jesus para onde quer que ele fosse. Jesus lhe disse: “O filho do homem não tem onde reclinar a cabeça”. Ele é o exemplo. Não está juntando dinheiro, não está atrás de riquezas. É um peregrino neste mundo. O estilo de vida do seguidor de Jesus é de sobriedade, de simplicidade, de partilha.Para alguém que, como nós, está a caminho com Jesus, uma coisa muito importante é o despojamento de vida. A vida cristã não é uma busca de comodidade ou de segurança.
O segundo foi abordado por Jesus que lhe disse: “Segue-me”. A resposta foi: “Deixa-me primeiro ir enterrar meu pai”. Olha a resposta de Jesus: “Deixe que os mortos enterrem os seus mortos, mas tu, vai anunciar o Reino de Deus”. Morto é quem não encontrou Jesus e não renasceu na fé para uma vida nova. Buscar em primeiro lugar o Reino de Deus. Uma segunda coisa importante para quem, como nós, está no seguimento de Jesus é a prioridade que damos em nossa vida a Deus e ao seu Reino. É o primado de Deus. Há uma urgência em viver e anunciar o Reino de Deus. Isso não pode ser deixado para depois. Deus não é o segundo em nossa vida. Não é para quando eu tiver tempo.
O terceiro disse a Jesus: “Eu te seguirei, Senhor, mas deixa-me primeiro despedir-me dos meus familiares”. A resposta de Jesus nos surpreende: “Quem põe a mão no arado e olha para trás, não está apto para o Reino de Deus”. Aqui está a terceira coisa importante para quem quer seguir Jesus: a perseverança. Não começar e deixar pelo meio do caminho. Não desistir, não desertar da caminhada.
Guardando a mensagem
Nos evangelhos, são narrados muitos exemplos de pessoas que, sentindo-se chamadas para o seguimento de Jesus, deixaram tudo e prontamente aderiram ao convite do Senhor. O evangelho de hoje, curiosamente, traz três exemplos de convidados que não foram generosos e prontos na resposta. O primeiro estava preocupado com a segurança e as comodidades. Precisava entender o despojamento de Jesus e imitá-lo. O segundo condicionava sua adesão ao convite de Jesus ao final da vida do seu pai. Precisava entender que seguir Jesus é participar da experiência e do anúncio da vida nova, com plenitude e sentido. Esse era o bem maior a fazer ao seu pai. O terceiro pareceu por a família na frente do seguimento de Jesus. Precisava engajar-se no caminho de Jesus com pleno foco. Não ficar olhando pra trás. Três coisas importantes para nossa caminhada com o Senhor: despojamento de vida, primado de Deus e perseverança na caminhada.
Quem põe a mão no arado e olha para trás não está apto para o Reino de Deus (Lc 9, 62)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
Dom Hélder dizia com propriedade: “Começar é uma graça. Mas, graça das graças é perseverar”. Então, te pedimos, Senhor, essa graça das graças: para não interrompermos o que começamos com tanto entusiasmo em nossa vida cristã, em nossa caminhada de batizados. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
No seu caderno espiritual, escreva uma oração, começando assim: “Senhor Jesus, tu me chamas a ser teu(tua) discípulo(a)....”.

Pe. João Carlos Ribeiro – 03.10.2018

Postagem em destaque

Os pequeninos do evangelho.

   17 de julho de 2024    Memória do Bem-aventurado Inácio de Azevedo,  presbítero, e companheiros, mártires    Evangelho.      25Naquele te...

POSTAGENS MAIS VISTAS