Mostrando postagens com marcador vinho. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador vinho. Mostrar todas as postagens

20 janeiro 2020

VINHO NOVO EM ODRES NOVOS

Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos (Mc 2, 22)

20 de janeiro de 2020.
Vou logo lhe dizer o que é um odre. Odre é uma bolsa feita de couro de animal para guardar ou transportar líquidos, particularmente vinho. Claro, no tempo de Jesus não existia garrafas de plástico ou de alumínio para isso. Tinha-se que recorrer a utensílios de barro,  madeira ou couro. O odre era feito de couro curtido de carneiro ou de bode. Uma das extremidades servia como gargalo, fechada com uma rolha de madeira ou também amarrada fortemente. 
Então, odre é uma bolsa de couro curtido de bode ou carneiro para guardar ou transportar líquidos, especialmente o vinho. O vinho novo ainda está fermentando e se expande dentro do recipiente. Se o odre for novo, ele tem elasticidade suficiente para continuar mantendo o vinho no seu interior. Se o odre for velho, já sem elasticidade, o vinho novo na sua fermentação acaba por arrebentá-lo e se derramar. 
Tudo certo até agora? Ótimo. Então, posso lhe fazer uma pergunta: o vinho de Jesus é novo ou velho? Calma, primeiro vamos saber que vinho é esse. 
O vinho representa festa, alegria, celebração de alguma coisa muito boa. Quando começou a sua pregação, Jesus disse que o tempo tinha se cumprido e o Reino de Deus tinha se aproximado. A presença dele renovando vidas, reunindo os dispersos, restaurando a aliança com Deus inaugura um novo tempo, o tempo do Reino de Deus. É o tempo da salvação que chegou. Esta obra redentora tem seu ponto mais alto na cruz, nos reconciliando com Deus, no sacrifício de sua vida em favor dos pecadores, sacrifício da nova e eterna aliança. 
Com Jesus, chegou o novo tempo: o tempo da reconciliação, da restauração da aliança, da salvação. Em Jesus, Deus está fazendo novas todas as coisas. (Você está conseguindo me acompanhar? Ótimo). No evangelho, isso está dito de muitas formas. Em Caná da Galileia, no casamento, ele oferece o vinho melhor, vinho que estava faltando naquela festa de aliança. Na mesa da última ceia, ele oferece o cálice de vinho, cálice do seu sangue derramado pela remissão dos pecados. A santa ceia, a Missa, é a celebração do sacrifício da cruz pela qual ele nos alcançou a reconciliação e ação de graças pela salvação que nos chegou por ele. 
A obra redentora de Jesus é um vinho novo. O evangelho que anuncia essa notícia é um vinho novo. A vida em Cristo, pela habitação do Espírito Santo em nós, é um vinho novo. 
Vamos à palavra de Jesus, hoje: “Ninguém põe vinho novo em odres velhos”. Dá para entender? “Ninguém põe vinho novo em odres velhos”. Essa novidade que é a obra redentora, a vida em Cristo, anunciada no evangelho não cabe numa vida velha, num jeito pecador de se viver; pede uma vida nova, pede mudança de vida. “Vinho novo em odres novos”.
Vamos guardar a mensagem
Muita gente estranhou o estilo de Jesus, comendo com os pecadores, participando de banquetes, contando histórias de festa. E nada de fazer jejum, com os seus seguidores, como os grupos tradicionais faziam. A presença de Jesus, inaugurando o Reino de Deus no meio do seu povo, é um tempo novo que começou. Seu evangelho anuncia a grande novidade: Deus está reinando entre nós, nos conduzindo para a plena realização, para a salvação. Ele está restaurando a aliança de Deus com seu povo. O clima é de casamento, de festa. Ele é o noivo. Só quem não está entendendo, pode pensar em jejum numa hora dessas. Agora, é hora de festa, de alegria. O evangelho de Jesus não é um vinho velho. É um vinho novo. Não pode ser guardado ou transportado pelo velho Adão pecador. É uma novidade que só cabe numa vida nova, restaurada pela graça. 
Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos (Mc 2, 22)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Há sempre um risco de sermos pessoas muito religiosas, mas não expressarmos em nossa vida religiosa a grande alegria da redenção que nos alcançaste por tua morte e ressurreição. Dá-nos, Senhor, ser odres novos para guardar e transportar essa novidade de vida que é a reconciliação que nos alcançaste na cruz. A tua obra redentora, anunciada no evangelho, não é mais um elemento a ornamentar a nossa vida velha, o nosso modo de pensar e viver no egoísmo, na injustiça, no pecado. Pela pregação de tua palavra e pelos sacramentos de tua Igreja, tu nos dás o vinho novo. Que sejamos, Senhor, odres novos para recebê-lo, conservá-lo e  portá-lo a outros. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. 
Vivendo a palavra 
Leia o evangelho de hoje, em sua Bíblia: Mc 2,18-22. E responda no seu caderno espiritual o que você entendeu por ‘roupa nova’.
20 de janeiro de 2020
Pe. João Carlos Ribeiro, sdb



12 outubro 2019

NOSSA SENHORA APARECIDA

                                 
Houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente (Jo 2, 1)

12 de outubro de 2019

Neste dia dedicado a Nossa Senhora Aparecida, lemos, no evangelho de São João, sobre o milagre da água transformada em vinho, o primeiro sinal que Jesus deu sobre sua identidade e sua missão. “Houve um casamento. E a mãe de Jesus estava presente”. É a primeira lição a aprender de Maria: a sua presença fraterna na casa daquela família. A presença é o primeiro sinal de amor, de valorização do outro. Só estando presente, pode-se saber o que está acontecendo, conhecer a realidade e participar de alguma solução para os problemas. Ela estava lá. 

Então, Maria estava na festa de casamento. Jesus e os discípulos também tinham sido convidados e lá estavam. Devia ser alguém parente deles, para estarem todos ali. Houve um problema, faltou o vinho. A festa de casamento deles durava vários dias. E a bebida, claro, era o vinho. Faltou o vinho. Um desastre para aquela família pobre. Deduz-se que eram pobres, pela preocupação de Maria. Se tivessem posses, poderiam resolver facilmente a situação; não tendo grandes posses, como parece ser o caso, passariam um grande vexame, uma vergonha muito grande. Diriam, pelos corredores, que eles não tinham se preparado bem, que não tinham responsabilidade, que já estavam começando mal... sabe Deus quanta coisa ruim falariam, aumentando o clima de frustração na festa pela falta da bebida. Por isso, Maria ficou preocupada. 

Foi Maria quem falou com Jesus. Ela lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. Jesus notou o tom aflito de sua mãe, era um pedido de ajuda dirigido a ele, ela estava pedindo a sua intervenção. Mas, ele julgou que não era a hora ainda de se manifestar publicamente. Ele lhe disse: “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou”. Mas, ela não se fez de rogada. Movimentou-se, entrou em contato com os garçons e orientou que eles se apresentassem a Jesus para fazer o que ele mandasse. Assim, Jesus mandou encher as talhas de água. Quando foi levada ao chefe dos garçons, a água era vinho da melhor qualidade. 

Em Caná, naquela festa de casamento, Maria mostrou-se comprometida com o bem daquela família e proativa em relação a uma solução para o problema da falta de vinho. Mesmo com o aparente desinteresse demonstrado pelo filho, ela logo mexeu-se e orientou os garçons a se apresentarem a ele, aguardando uma indicação precisa do que fazer. Não ficou esperando de braços cruzados. Não apenas pediu a Jesus, pediu e encaminhou as coisas, certa que o filho agiria. Uma fé ativa, operante. Precisamos aprender isso com ela. 

Guardando a mensagem 

Nós somos devotos de Nossa Senhora, que bom! O Brasil tem Nossa Senhora Aparecida como sua padroeira. A devoção nos aproxima da pessoa que veneramos para sermos seus imitadores e gozarmos de sua proteção. Meditando sobre sua participação no casamento em Caná da Galileia, podemos aprender dela a sua preocupação com o sofrimento dos outros, sobretudo dos mais pobres e vulneráveis. Precisamos mesmo vencer a indiferença, que é um grande mal entre nós. Também de Maria aprendemos que não basta pedir a Deus o que precisamos e cruzar os braços. Isso não é fé, é alienação. A verdadeira fé nos faz implorar a Deus e arregaçar as mangas, confiados que ele já está agindo em nosso favor. 

Houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente (Jo 2, 1) 

Rezando a palavra 

CONSAGRAÇÃO DAS FAMÍLIAS A NOSSA SENHORA APARECIDA 

Nossa Senhora Aparecida 
Mãe de Jesus e nossa, 
Nós te consagramos, hoje, nossas famílias, 
Acolhe-nos sob a tua proteção materna. 
Ilumina, Senhora, nossos lares com a luz de Cristo. 
Educa nossas crianças e adolescentes 
com a Palavra do Senhor. 
Conduze-nos pelos caminhos do Evangelho. 
Afasta de nosso meio, Mãe, todo desrespeito 
contra a vida humana, 
a violência, a injustiça. 
Livra nossos jovens das drogas e da violência. 
Faz-nos fortes, Senhora, na luta contra o aborto, 
e o trabalho infantil, o desemprego. 
Confirma nossas famílias na santidade do matrimônio. 
O mundo precisa de diálogo e reconciliação. 
Ajuda-nos, Virgem Santa, a construir a paz 
em nossa casa e na rua. 
Intercede para que não falte o pão de cada dia 
em nossas mesas. 
Ensina-nos o caminho da missão. 
Toma sob a tua proteção, Senhora, 
as nossas famílias.
E dá-nos a tua bênção, Mãe Aparecida. 
Amém 

Vivendo a palavra 

Faça hoje um momento de oração por sua família. 
Reze também pelo Brasil. 


Pe. João Carlos Ribeiro – 12 de outubro de 2019

14 julho 2019

AMAR COMO ELE AMOU



Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? (Lc 10, 36)


14 de julho de 2019 – 15º Domingo do Tempo Comum

Com o evangelho nas mãos, vamos dar a palavra a alguém muito especial... 

Acordei, naquela manhã, cheio de dores. Abri os olhos e me assustei. Onde estou? Um lugar diferente, um quarto modesto, mas organizado. Eu estava sozinho. O sol estava clareando o dia. Tentei me levantar. Dores muito fortes nas costas, na cabeça, hematomas por toda parte. Onde estou? O que me aconteceu? 

Comecei me lembrar vagamente de alguma coisa. Aos poucos, as imagens, na minha mente, foram se alinhando. Vinha forte, a imagem de um homem jovem me carregando no seu burro. Lembro que ele ia a pé e segurava a rédia do animal. De vez em quando, levantava minha cabeça, conferindo se eu estava reagindo.E dizia alguma coisa que eu não me lembro. 

Mas, pera aí... eu estava voltando de Jerusalém, no caminho para Jericó. Estou me lembrando... Eu vinha tranquilo, voltando pra casa, quando, de repente, do nada, apareceu um grupo de malfeitores. Gritavam, ameAçavam, me batiam com violência. Fiquei apavorado. Tentei acalmá-los, puxar conversa. Mas, nada, eles não queriam me ouvir, me tomaram tudo o que eu trazia, o dinheiro, as coisas que eu tinham comprado na feira, até minha roupa. Eles me chutaram, ferozmente, me deram pauladas... eu caí, sem poder me levantar e fiquei gemendo de dor. Ainda estou sentindo as pancadas na cabeça. 

Devo ter ficado muito tempo assim, caído, na beira daquela estrada deserta. Pedi muito a Deus que mandasse alguém... alguém que passasse por ali e me ajudasse. Nem levantar a cabeça eu conseguia. Passado algum tempo, senti o barulho de passos pela estrada... quis gritar, não consegui, todo travado de dor. Os passos se aproximaram... ‘alguém vem me socorrer, pensei. Bendito seja Deus!’ Os passos pararam a uma certa distância... e senti que tomaram outro rumo e foram diminuindo até não ouvir mais nada, só o vento. Depois de alguns minutos, acendeu-se de novo a minha esperança. ‘Graças a Deus, vem mais alguém por aí’, pensei, ouvindo o rumor de passos. Mas, quem vinha fez igualzinho ao primeiro... afastou-se de mim e foi-se embora. Estou perdido, pensei. 

Desta vez, estava ouvindo o trote de um cavalo ou um animal de carga. Bom, vinha devagar, devia ser um burro. Será que vai me ver? Tentei me mexer, mas não consegui. Mas, o animal parou. E desceu alguém, que me observou de perto. Voltou ao animal, pegou alguma coisa. Limpou minhas costas com as mãos e derramou um pouco do que ele trouxe. Cuidou também de minha cabeça e dos meus braços. Depois me carregou e colocou na sua montaria. Não sei para onde me levou. Acho que fiquei desacordado boa parte do caminho. Sei que me pôs num quarto e providenciou um banho, sopa e cobertas limpas. Vi quando ele pagou a alguém, talvez o dono do lugar. Também o ouvi recomendando que cuidasse de mim, pois na volta de sua viagem ele pagaria qualquer despesa a mais. 

Preciso saber quem foi essa pessoa caridosa que me salvou. Só ele teve compaixão de mim. Ele me tirou da beira da estrada, quase morto. Pelo sotaque dele, sei que não é dos nossos, não é do nosso povo. Fico pensando numa coisa, mas acho que não pode ser. Será que ele é um samaritano? Não pode ser, samaritanos não se dão conosco. Mas, pela fala dele, bem que poderia ser. Preciso encontrar essa pessoa. Sei que se eu a conhecer, muita coisa vai mudar na minha vida. Tenho que reconhecer que lhe devo a minha vida. E não posso deixar de fazer com os outros o que ele fez por mim. 

Guardando a mensagem

A parábola do bom samaritano é a história de quem foi resgatado de sua condição de morte, por pura misericórdia. É a história de quem foi socorrido em sua condição de assaltado e largado semi-morto. Ele sentiu-se amado e socorrido numa condição de extrema penúria e abandono. É a experiência da ovelha perdida que foi resgatada e carregada nos ombros do pastor. É a sua história. É a nossa história. O bom samaritano é, particularmente, Jesus. Ele, movido de compaixão por você, que estava ferido pelo pecado, aproximou-se, por sua encarnação, e lhe tratou as feridas, derramando sobre elas o seu próprio sangue derramado na cruz (o vinho) e o Santo Espírito de Deus que nos comunica a vida nova (o óleo). Foi ele que o carregou nas costas, como a ovelha resgatada. Foi ele quem pagou, com o preço de sua vida, por sua salvação. E quando voltar, na sua segunda vinda, recompensará regiamente a quem fez como ele, socorrendo seus irmãos. Na história do bom samaritano, está o retrato de Jesus e de quem age como ele. 

Na tua opinião, qual dos três foi o próximo do homem que caiu nas mãos dos assaltantes? (Lc 10, 36)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 

Nós te agradecemos e te bendizemos pelo teu imenso amor por nós, nos redimindo do pecado e de suas consequências destruidoras. Tu és o nosso bom samaritano. Em ti, vemos realizado o mandamento do amor a Deus e ao próximo, como a si mesmo. O teu amor mostrou-se real, concreto, redentor. Somos novas criaturas, restaurados na tua morte e na tua ressurreição. Só há um modo de viver essa vida nova: amando como tu amaste. Amando a Deus e ao próximo. Nesse amor fiel e redentor, tu Senhor Jesus, revelas o Pai. És a imagem do Deus invisível, como nos disse Paulo. Em ti, Deus quis habitar com toda a sua plenitude. Por ti, ele quis reconciliar consigo todos os seres. Realizaste a paz pelo sangue de tua cruz, como escreveu o apóstolo. Dá-nos, Senhor, a graça de viver mergulhados nesse mistério de amor, amando a Deus e amando o próximo, como bons samaritanos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém 

Vivendo a palavra

Você conhece a AMA? A AMA é a Associação Missionária Amanhecer. É um povo abençoado que abraçou comigo a missão de evangelizar nos meios de comunicação. Hoje, estamos anunciando o evangelho em quase uma centena de emissoras de rádio. É a AMA que faz chegar a você com regularidade a Meditação da Palavra. Se você também quiser abraçar comigo essa causa, me mande seu nome e seu telefone. Amanhã, nós ligaremos pra você. Vou deixar aqui um link pra você me responder: Você também quer ser AMA? Basta deixar seu nome e seu telefone. Um domingo abençoado e samaritano pra você!

Pe. João Carlos Ribeiro – 14 de julho de 2019.

20 janeiro 2019

CADÊ O NOIVO?


Mas tu guardaste o vinho melhor até agora! (Jo 2, 10)



20 de janeiro de 2018.



Celebrando a Missa, ontem à tardinha, na cidade de Tamandaré (PE), confesso que me emocionei ao pronunciar as palavras da consagração do vinho: “Este é o cálice do meu sangue, sangue da nova e eterna aliança, que será derramado por vós e por todos para remissão dos pecados”. Eu tinha feito a homilia, explicando que nas bodas de Caná se mostra o que Jesus veio fazer: a restauração da aliança. E na consagração, me ocorreu que Jesus continua, em nossa história, fazendo a nova aliança no seu sangue. 

A aliança é uma imagem para representar o relacionamento entre Deus e o seu povo. O povo de Deus conhecia as alianças que se faziam entre povos e nações. Mas, entre Deus e Israel, a aliança era de mútua pertença, como num casamento. “Eu sou o seu Deus. Vocês são o meu povo”. Vários profetas falaram do relacionamento amoroso entre Israel e seu Deus, como de um casamento. Isaías, por exemplo, escreveu: “como a noiva é a alegria do noivo, assim também tu és a alegria de teu Deus” (Is 62, 5). Neste modo de falar, Deus é o noivo, o esposo. A comunidade de Israel é a noiva, a esposa.

A grande tarefa dos profetas sempre foi combater a infidelidade do povo ao seu Deus. Deus foi sempre fiel. A comunidade de Israel, nem sempre. Aguardava-se o Messias para exatamente refazer a aliança, para conduzir o povo à fidelidade ao seu Deus. 

São João, quase no início do seu evangelho, conta o que aconteceu na festa de casamento que houve em Caná da Galileia. A festa do casamento estava ameaçada por um problema. Maria, Jesus e os discípulos estavam presentes. Maria deu-se conta do que estava acontecendo e pediu ajuda a Jesus: “Eles não têm mais vinho”. Jesus lhe disse que sua hora ainda não tinha chegado. Mas, ela orientou os serventes a fazerem o que ele mandasse. E ele mandou encher de água as seis talhas de pedra. Quando retiraram a água para levar para o responsável, era vinho da melhor qualidade. 

E qual era o problema daquele casamento em Caná? Maria disse: “Eles não têm mais vinho”. Vinho é sinal de amor e alegria. Que problema tinha a aliança de Israel com Deus? Israel estava vivendo em grande infidelidade à aliança com o Senhor. Estava faltando amor e alegria. Estava faltando vinho.

E por que Jesus disse que não tinha chegado sua hora? A hora de Jesus é a sua paixão, a sua cruz, a sua morte redentora. Na noite de sua paixão, ainda na ceia, Jesus rezou: “Chegou a hora. Glorifica, Pai, o teu filho, para que o teu filho te glorifique”. A hora de Jesus era a sua morte, quando realizaria plenamente a sua missão. 

Guardando a mensagem

Nas bodas de Caná, já aparece a obra redentora de Jesus. Sua obra é nos reconciliar com Deus. É restaurar a aliança, aliança rompida pela infidelidade, pelo pecado. Pela intercessão de sua mãe, ele antecipa a sua hora. A hora de Jesus é a morte na cruz. É por sua morte redentora e por sua ressurreição que ele nos reconcilia com Deus, que ele restaura a aliança, o casamento ameaçado de fracasso por nosso pecado, por nossa infidelidade. Celebrando a Santa Missa, renovamos o sacrifício de Jesus em sua cruz, a sua entrega em favor dos pecadores. É o sacrifício da nova aliança. Jesus, no seu sangue, isto é, na sua morte redentora, nos reconcilia com Deus, restaura a aliança, fazendo-a nova e eterna. 

Mas tu guardaste o vinho melhor até agora! (Jo 2, 10)

Rezando a palavra

Senhor Jesus, 

Na festa de casamento em Caná, podemos imaginar quem estava se casando. O responsável pela festa chamou o noivo e elogiou o excelente vinho que ele reservou para o final. O noivo, nos ocorre, és tu mesmo, Senhor. Foste tu que, com a salvação alcançada em tua morte redentora, nos deste o vinho do amor fiel e verdadeiro e da plena alegria. E a noiva não aparece na história. Mas, claro, é a comunidade-Igreja, somos nós, a comunidade da nova aliança. Nós te agradecemos, Senhor, porque agora o contrato da aliança não está mais escrito em tábuas de pedra, como na primeira aliança. Por isso, as seis talhas eram de pedra. Agora, o contrato da aliança, a lei, está escrito em nossos corações, pelo derramamento do teu espírito, representado na água. A Missa é o sacramento da nova aliança. Obrigado, Senhor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra

Será muito proveitoso que você leia, em sua Bíblia, o evangelho de hoje: João 2,1-11. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 20.01.2018

12 outubro 2018

ELA ESTAVA LÁ


Houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente (Jo 2, 1)

12 de outubro de 2018.

Esse texto do evangelho de São João sobre o milagre da água transformada em vinho, o primeiro sinal que Jesus deu sobre sua identidade e sua missão, já começa de uma maneira maravilhosa. “Houve um casamento. E a mãe de Jesus estava presente”. É a primeira lição a aprender de Maria: a sua presença fraterna na casa daquela família. A presença é o primeiro sinal de amor, de valorização do outro. Só estando presente, pode-se saber o que está acontecendo, conhecer a realidade e participar de alguma solução para os problemas. Ela estava lá. 

Então, Maria estava na festa de casamento. Jesus e os discípulos também tinham sido convidados e lá estavam. Devia ser alguém parente deles, para estarem todos ali. Houve um problema, faltou o vinho. A festa de casamento deles durava vários dias. E a bebida, claro, era o vinho. Faltou o vinho. Um desastre para aquela família pobre. Deduz-se que eram pobres, pela preocupação de Maria. Se tivessem posses, poderiam resolver facilmente a situação; não tendo grandes posses, como parece ser o caso, passariam um grande vexame, uma vergonha muito grande. Diriam, pelos corredores, que eles não tinham se preparado bem, que não tinham responsabilidade, que já estavam começando mal... sabe Deus quanta coisa ruim falariam, aumentando o clima de frustração na festa pela falta da bebida. Por isso, Maria ficou preocupada. 

Foi Maria quem falou com Jesus. Ela lhe disse: “Eles não têm mais vinho”. Jesus notou o tom aflito de sua mãe, era um pedido de ajuda dirigido a ele, ela estava pedindo a sua intervenção. Mas, ele julgou que não era a hora ainda de se manifestar publicamente. Ele lhe disse: “Mulher, por que dizes isto a mim? Minha hora ainda não chegou”. Mas, ela não se fez de rogada. Movimentou-se, entrou em contato com os garçons e orientou que eles se apresentassem a Jesus para fazer o que ele mandasse. Assim, Jesus mandou encher as talhas de água. Quando foi levada ao chefe dos garçons, a água era vinho da melhor qualidade. 

Em Caná, naquela festa de casamento, Maria mostrou-se comprometida com o bem daquela família e proativa em relação a uma solução para o problema da falta de vinho. Mesmo com o aparente desinteresse demonstrado pelo filho, ela logo mexeu-se e orientou os garçons a se apresentarem a ele, aguardando uma indicação precisa do que fazer. Não ficou esperando de braços cruzados. Não apenas pediu a Jesus, pediu e encaminhou as coisas, certa que o filho agiria. Uma fé ativa, operante. Precisamos aprender isso com ela. 

Guardando a mensagem 

Nós somos devotos de Nossa Senhora, que bom! O Brasil tem Nossa Senhora Aparecida como sua padroeira. A devoção nos aproxima da pessoa que veneramos para sermos seus imitadores e gozarmos de sua proteção. Meditando sobre sua participação no casamento em Caná da Galileia, podemos aprender dela a sua preocupação com o sofrimento dos outros, sobretudo dos mais pobres e vulneráveis. Precisamos mesmo vencer a indiferença, que é um grande mal entre nós. Também de Maria aprendemos que não basta pedir a Deus o que precisamos e cruzar os braços. Isso não é fé, é alienação. A verdadeira fé nos faz implorar a Deus e arregaçar as mangas, confiados que ele já está agindo em nosso favor. 

Houve um casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava presente (Jo 2, 1) 


Rezando a palavra 



CONSAGRAÇÃO DAS FAMÍLIAS A NOSSA SENHORA APARECIDA 


Nossa Senhora Aparecida 
Mãe de Jesus e nossa, 
Nós te consagramos, hoje, nossas famílias, 
Acolhe-nos sob a tua proteção materna. 
Ilumina, Senhora, nossos lares com a luz de Cristo. 
Educa nossas crianças e adolescentes 
com a Palavra do Senhor. 
Conduze-nos pelos caminhos do Evangelho. 

Afasta de nosso meio, Mãe, todo desrespeito 
contra a vida humana, 

a violência, a banalização do sexo, a injustiça. 

Livra nossos jovens das drogas e da violência. 

Faz-nos fortes, Senhora, na luta contra o aborto 
e o trabalho infantil. 
Confirma nossas famílias na santidade do matrimônio. 

O mundo precisa de diálogo e reconciliação. 
Ajuda-nos, Virgem Santa, a construir a paz 
em nossa casa e na rua. 
Intercede para que não falte o pão de cada dia 
em nossas mesas. 
Ensina-nos o caminho da missão. 
Toma sob a tua proteção, Senhora, 
as nossas famílias.
E dá-nos a tua bênção, Mãe Aparecida. 
Amém 

Vivendo a palavra 

Faça hoje um momento de oração por sua família. 
Reze também pelo Brasil. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 12.10.2018

30 maio 2018

CORPUS CHRISTI, A FESTA DA EUCARISTIA

Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos (Mc 10,24)
31 de maio de 2018.
Chegamos ao dia de Corpus Christi. O que celebramos? O corpo e o sangue de Cristo, claro. A Eucaristia. O Concílio Vaticano II disse que a Eucaristia é fonte e ápice de toda a evangelização, de toda a vida da Igreja. Dom Bosco escreveu: “O sacrifício do altar é a glória, a vida, o coração do cristianismo”.
A Eucaristia é a Ceia Pascal que Jesus celebrou com os seus discípulos E o que Jesus fez na última ceia? Ele antecipou a sua entrega na cruz, entregando-se ao Pai em nosso favor. Na cruz, ele deu a sua vida por nós. Aquela oferta generosa e obediente de si mesmo na cruz foi a mesma da ceia. É a mesma da Missa. A Missa renova aquela oferta do calvário, a sua morte redentora em favor da humanidade. A morte cruenta foi uma única vez. Mas, na Missa, como na última ceia, esse sacrifício é renovado, reapresentado a Deus.
A última ceia foi uma ceia de páscoa. Na ceia da páscoa, comia-se o cordeiro assado, cordeiro que tinha sido antes oferecido em sacrifício a Deus. Na ceia de Jesus, não houve cordeiro sacrificado. O cordeiro era Jesus. Ele seria sacrificado. Ele seria o alimento a ser comido, na ceia da páscoa.
A Missa é a ceia da páscoa. O cordeiro que comemos, em família, em comunidade, em ação de graças pela libertação, é o próprio Jesus. Jesus está sacramentalmente presente no pão e no vinho consagrados. “Comam. Este é o meu corpo”. “Bebam. Este é o meu sangue”.
Na ceia pascal, a grande família rendia graças a Deus por todas as maravilhas que o Senhor realizara na história do seu povo, sobretudo a libertação do cativeiro do Egito. Na ceia dos cristãos, tudo é ação de graças ao Pai, por tudo que ele fez desde a criação até a vinda de Jesus e do Santo Espírito, e sobretudo a obra redentora de Jesus.
Ele disse ao povo: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia”. De fato, por sua morte, ele nos trouxe a vida. Ressuscitado, ele apresentou-se aos discípulos e lhes comunicou a paz  e o Espírito. A sua vida entregue expiou o nosso pecado. Ressuscitado, ele nos abriu as portas da casa de Deus: pelo dom do seu Espírito, agora somos filhos Deus. Na sua morte, ele nos deu a vida.
Na missa, na nossa ceia pascal, nos unimos a Cristo pela fé, pela caridade, pela oração e, muito especialmente, pela comunhão eucarística. Nós nos associamos ao seu sacrifício com nossas dores, nossos sofrimentos, nossas lutas. “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele”. Na comunhão eucarística, nos unimos a ele e ele se une a nós.
Vamos guardar a mensagem
Jesus falou de sua carne e de seu sangue que ele daria para a vida do mundo. Ninguém entendeu. E muitos se afastaram. De fato, foi o sacrifício de sua vida na cruz – corpo entregue e sangue derramado – que nos trouxe a vida, a salvação.  Jesus celebrou essa entrega obediente de sua morte na ceia pascal, a última ceia. Do pão, fez sacramento do seu corpo e o deu em alimento. Do vinho, fez sacramento do seu sangue e o deu em bebida. A missa é a ceia pascal de Jesus. No lugar do cordeiro sacrificado, comemos pão e vinho, que, pelas palavras do Salvador e pela efusão do Espírito Santo, tornam-se substancialmente corpo e sangue de Cristo. Pela comunhão no seu corpo e no seu sangue, nos unimos profundamente a ele e ele a nós. Na Missa, elevamos ao Pai - com Cristo, em Cristo e por Cristo – a mais alta louvação e dele recebemos as mais elevadas graças e bênçãos.
Isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos (Mc 10, 24)
Vamos rezar a palavra
Senhor Jesus,
Reunido com os apóstolos na última ceia, tu te ofereceste ao Pai como cordeiro sem mancha e foste aceito como sacrifício de perfeito louvor. Pela comunhão no sublime sacramento da Eucaristia, tu nos nutres e santificas. Dá-nos, Senhor, a graça de nos aproximar sempre da mesa de tão grande mistério para encontrar, por tua graça, a garantia da vida eterna. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
No sacrário, em cada igreja, se conserva a reserva eucarística, o pão consagrado na Missa para comunhão dos doentes e também para a adoração dos fiéis. Santos, como o Cura D’Ars, recomendava a Visita ao Santíssimo Sacramento. Dom Bosco era claro: “Vocês querem que Jesus lhes conceda muitas graças? Visitem-no muitas vezes. Querem que ele lhes conceda poucas? Então, visitem-no poucas vezes”.

Pe. João Carlos Ribeiro – 31.05.2018