PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: senhor
Mostrando postagens com marcador senhor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador senhor. Mostrar todas as postagens

UM DIA DE DECISÃO


22 de agosto de 2021

21º Domingo do Tempo Comum

Rezando pela Vocação dos Leigos

EVANGELHO


Jo 6,60-69

Naquele tempo, 60muitos dos discípulos de Jesus, que o escutaram, disseram: “Esta palavra é dura. Quem consegue escutá-la?”
61Sabendo que seus discípulos estavam murmurando por causa disso mesmo, Jesus perguntou: “Isto vos escandaliza? 62E quando virdes o Filho do Homem subindo para onde estava antes? 63O Espírito é que dá vida, a carne não adianta nada. As palavras que vos falei são espírito e vida. 64Mas entre vós há alguns que não creem”.
Jesus sabia, desde o início, quem eram os que não tinham fé e quem havia de entregá-lo.
65E acrescentou: “É por isso que vos disse: ninguém pode vir a mim, a não ser que lhe seja concedido pelo Pai”. 66A partir daquele momento, muitos discípulos voltaram atrás e não andavam mais com ele. 67Então, Jesus disse aos doze: “Vós também vos quereis ir embora?”
68Simão Pedro respondeu: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. 69Nós cremos firmemente e reconhecemos que tu és o Santo de Deus”.


MEDITAÇÃO


Vocês também não querem ir embora? (Jo 6, 67)

Tem gente que não tomou ainda sua decisão. Está na Igreja, mas não está de corpo inteiro. Participa, mas está sempre com um pé atrás. E outros que estão longe, completamente longe. Não participam, não se ligam no que a Igreja está fazendo, vivem em completa indiferença. Grande parte dessa gente foi batizada, um dia. E vive hoje como quem vai tomar banho no chuveiro e, com medo da água fria, molha só a cabeça. Não sei qual é o seu caso. Mas, se ainda está de meio corpo na Igreja, hoje, a palavra é especialmente pra você.

Jesus, na terra dele, enfrentou a mesma situação. No começo, muita gente andando atrás dele, muitos admiradores, muitos discípulos animados... aos poucos, ele foi revelando o Reino de Deus, com suas exigências de conversão, de mudança de vida, de valorização dos mais fracos e sofredores. Falou dele mesmo, que não estava buscando glória humana, nem almejava os reinos desse mundo. Sua vitória seria dar a vida pelos seus, derramar seu sangue em sacrifício pelos pecadores. Ressuscitaria, depois do sofrimento da paixão e da morte. Falando sobre a Eucaristia, anunciou a necessidade de comunhão com o seu corpo entregue e o seu sangue derramado, sendo ele o verdadeiro cordeiro da páscoa. Diante dessas revelações, a animação de muita gente começou a murchar.

O evangelho deste 21º domingo comum fala disso. A murmuração entre os discípulos tinha aumentado. Muita gente considerando muito radicais os ensinamentos do Mestre. Uns não tinham fé mesmo. E outros, desistiam da pouca fé que tinham. Essa informação do evangelista é dolorosa: “E muitos já não andavam mais com ele”. Resultado: Jesus reuniu os doze, os apóstolos, e perguntou se eles também não queriam ir embora. Ele não amenizou suas palavras, nem procurou dar um jeito para agradar os que se afastaram. Colocou os apóstolos diante de uma decisão. “E aí, vocês não querem ir embora, também não?”.

No Antigo Testamento, tinha havido um momento semelhante. Depois que o povo entrou na terra prometida, no meio de muita dificuldade e sofrimento, Josué reuniu todo mundo e pediu uma decisão. “Como é? A quem vocês vão escolher? A quem querem servir?”. Muita gente andava com o pé atrás, cultuando outros deuses ou saudosos de seus antigos ídolos pagãos. De sua parte, Josué apresentou a sua decisão: “Eu e minha casa serviremos o Senhor”. E o povo logo reconheceu o misericordioso Deus que os tirou do Egito e lhes entregou a terra prometida. Eles tomaram uma decisão firme: servir ao Deus verdadeiro.

Aos apóstolos, naquela hora difícil, Jesus também pediu uma decisão. “Não querem fazer como os outros e irem embora também?”. Aí Pedro falou em nome do grupo: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente que tu és o santo de Deus”. Olha que palavra abençoada. Tomaram a decisão de crer em Jesus, de ficar com ele.

Tomar a decisão de seguir Jesus, de viver sua palavra muda muita coisa na sua vida. Não é só porque você vai rezar mais e se ligar nas coisas da religião. É porque abraçar o evangelho é abraçar o pensamento de Jesus sobre a vida, o mundo, sobre Deus; é fazer as escolhas que ele fez, escolhas que chocaram muita gente e o levaram a ser preso e condenado. Escolher Jesus é assumir a sua causa, o Reino de Deus: ficar do lado dos pequenos e empenhar-se pela fraternidade e pela justiça. Numa palavra, colaborar com a ação do Espírito Santo que nos faz novas criaturas em comunhão com Deus e na comunhão com os seus filhos e filhas. 

Guardando a mensagem

Muita gente é cristão meio empurrado... foi batizado pequenininho, a mãe garantiu a primeira eucaristia e ficou por ali. Outros chegaram empurrados até a crisma e aí empancaram. Não foram mais pra frente. Nunca tomaram uma decisão pessoal, firme, séria de crer e viver com Jesus. Se for este o seu caso, hoje é um dia de decisão. Vai tomar banho de corpo inteiro ou vai molhar só a cabeça? Olha que a água está fria... Jesus vem ao seu encontro, com sua graça e seu convite à conversão, com o seu evangelho ... Vai renovar sua adesão a ele ou vai procurar outro?

Vocês também não querem ir embora? (Jo 6, 67)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
O que eu quero responder é o que Pedro te disse: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente que tu és o santo de Deus”. Minha resposta é igual a de Josué: “Eu e minha casa serviremos o Senhor”. É a ti que escolho como caminho, verdade e vida. Bendito seja o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje é dia de celebração, hoje é dia do Senhor. Indo à Missa e comungando, renove sua adesão ao Mestre com as palavras de Pedro e de Josué. Não sendo possível sua participação, hoje, na Eucaristia (por alguma razão muito séria), no seu momento pessoal de oração, renove sua adesão ao Mestre.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb 

EU E MINHA CASA SERVIREMOS O SENHOR


Vocês também não querem ir embora? (Jo 6, 67)

26 de agosto de 2018.

Tem gente que não tomou ainda sua decisão. Está na Igreja, mas não está de corpo inteiro. Participa, mas está sempre com um pé atrás. E outros que estão longe, completamente longe. Não participam, não se ligam no que a Igreja está fazendo, vivem em completa indiferença. Grande parte dessa gente foi batizada, um dia. E vive hoje como quem vai tomar banho no chuveiro e, com medo da água fria, molha só a cabeça. Não sei qual é o seu caso. Mas, se ainda está de meio corpo na Igreja, hoje, a palavra é especialmente pra você.

Jesus, na terra dele, enfrentou a mesma situação. No começo, muita gente andando atrás dele, muitos admiradores, muitos discípulos animados... aos poucos, ele foi revelando o Reino de Deus, com suas exigências de conversão, de mudança de vida, de valorização dos mais fracos e sofredores. Falou dele mesmo, que não estava buscando glória humana, nem almejava os reinos desse mundo. Sua vitória seria dar a vida pelos seus, derramar seu sangue em sacrifício pelos pecadores. Ressuscitaria, depois do sofrimento da paixão e da morte. Falando sobre a Eucaristia, anunciou a necessidade de comunhão com o seu corpo entregue e o seu sangue derramado, sendo ele o verdadeiro cordeiro da páscoa. Diante dessas revelações, a animação de muita gente começou a murchar.

O evangelho deste 21º domingo comum fala disso. A murmuração entre os discípulos tinha aumentado. Muita gente considerando muito radicais os ensinamentos do Mestre. Uns não tinham fé mesmo. E outros, desistiam da pouca fé que tinham. Essa informação do evangelista é dolorosa: “E muitos já não andavam mais com ele”. Resultado: Jesus reuniu os doze, os apóstolos, e perguntou se eles também não queriam ir embora. Ele não amenizou suas palavras, nem procurou dar um jeito para agradar os que se afastaram. Colocou os apóstolos diante de uma decisão. “E aí, vocês não querem ir embora, também não?”.

No Antigo Testamento tinha havido um momento semelhante. Depois que o povo entrou na terra prometida, no meio de muita dificuldade e sofrimento, Josué reuniu todo mundo e pediu uma decisão. “Como é? A quem vocês vão escolher? A quem querem servir?”. Muita gente andava com o pé atrás, cultuando outros deuses ou saudosos de seus antigos ídolos pagãos. De sua parte, Josué apresentou a sua decisão: “Eu e minha casa serviremos o Senhor”. E o povo logo reconheceu o misericordioso Deus que os tirou do Egito e lhes entregou a terra prometida. Eles tomaram uma decisão firme: servir ao Deus verdadeiro.

Aos apóstolos, naquela hora difícil, Jesus também pediu uma decisão. “Não querem fazer como os outros e irem embora também?”. Aí Pedro falou em nome do grupo: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente que tu és o santo de Deus”. Olha que palavra abençoada. Tomaram a decisão de crer em Jesus, de ficar com ele.

Guardando a mensagem

Muita gente é cristão meio empurrado... foi batizado pequenininho, a mãe garantiu a primeira eucaristia e ficou por ali. Outros chegaram empurrados até a crisma e aí empancaram. Não foram mais pra frente. Nunca tomaram uma decisão pessoal, firme, séria de crer e viver com Jesus. Se for este o seu caso, hoje é um dia de decisão. Vai tomar banho de corpo inteiro ou vai molhar só a cabeça? Olha que a água está fria... Jesus vem ao seu encontro, com sua graça e seu convite à conversão, com o seu evangelho ...  Vai renovar sua adesão a ele ou vai procurar outro?

Vocês também não querem ir embora? (Jo 6, 67)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
O que eu quero, hoje, responder é o que Pedro te disse: “A quem iremos, Senhor? Tu tens palavras de vida eterna. Nós cremos firmemente que tu és o santo de Deus”.  Minha resposta é igual a de Josué: “Eu e minha casa serviremos o Senhor”. É a ti que escolho como caminho, verdade e vida. Bendito seja o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Hoje é dia de celebração, hoje é dia do Senhor. Indo à Missa e comungando, renove sua adesão ao Mestre com as palavras de Pedro e de Josué. Não sendo possível sua participação, hoje, na Eucaristia (por alguma razão muito séria), no seu momento pessoal de oração, renove sua adesão ao Mestre.

Pe. João Carlos Ribeiro, 26.08.2018 


Servo ou Amigo

Diante de Jesus, como é que você  se sente: como um servo ou como um amigo? Essa pergunta pode ajudar você a entender o seu relacionamento com Jesus, e a melhorá-lo. Diante dele, você se sente mais como um servo ou realmente como um amigo? 


Jesus falou claro: eu não chamo vocês de servos, mas de amigos. O servo não sabe aonde o seu Senhor vai. E eu contei a vocês tudo que ouvi do meu Pai. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos. Vocês serão meus amigos se fizerem o que lhes peço: amem-se uns aos outros. (Cf. João 15). Jesus então nos disse que não nos trata como servos, mas como amigos. Ele dá sua vida por nós. É o amor maior que alguém pode demonstrar por seus amigos. Ele é nosso melhor amigo. E, claro, quer nos comportemos como seus amigos, não como seus servos.

Postagem em destaque

O fogo que nos purifica

14 de agosto de 2022 20º Domingo do Tempo Comum Comemoração do Dia dos Pais Abertura da Semana Nacional da Família EVANGELHO Lc 12,49-53 Naq...

POSTAGENS MAIS VISTAS