PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: preconceito
Mostrando postagens com marcador preconceito. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador preconceito. Mostrar todas as postagens

SUPERANDO A DISCRIMINAÇÃO

 

03 de agosto de 2022

Quarta-feira da 18ª Semana do Tempo Comum

EVANGELHO


Mt 15,21-28

Naquele tempo, 21Jesus retirou-se para a região de Tiro e Sidônia. 22Eis que uma mulher cananeia, vindo daquela região, pôs-se a gritar: “Senhor, filho de Davi, tem piedade de mim: minha filha está cruelmente atormentada por um demônio!” 23Mas, Jesus não lhe respondeu palavra alguma. Então seus discípulos aproximaram-se e lhe pediram: “Manda embora essa mulher, pois ela vem gritando atrás de nós”. 24Jesus respondeu: “Eu fui enviado somente às ovelhas perdidas da casa de Israel”. 25Mas, a mulher, aproximando-se, prostrou-se diante de Jesus, e começou a implorar: “Senhor, socorre-me!” 26Jesus lhe disse: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-los aos cachorrinhos”. 27A mulher insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!” 28Diante disso, Jesus lhe disse: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!” E desde aquele momento sua filha ficou curada.

MEDITAÇÃO


É verdade, Senhor, mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos! (Mt 15, 27)

Não foi uma coisa fácil as primeiras comunidades cristãs se abrirem para os pagãos. Jesus era judeu. Maria era judia. Os apóstolos, todos judeus. Aquela gente tinha consciência clara de ser o povo de Deus, o povo com quem Deus vivia em uma sagrada aliança. O Senhor Deus mesmo o tinha escolhido como seu povo, libertando-o da dominação dos pagãos no Egito e em Canaã. A orientação sempre foi tomar distância dessas nações idólatras. Então, os pagãos estavam fora do horizonte dos judeus piedosos do tempo de Jesus. Certo, os que queriam viver a fé no Deus vivo podiam se aproximar das comunidades judaicas como prosélitos, mas não com os mesmos direitos. Todo homem judeu estava circuncidado, sinal de sua aliança com Deus. E todo judeu marcava bem sua condição de membro do povo da aliança pelo cumprimento do sábado, da páscoa, das peregrinações e festas anuais e por tudo o que a Lei de Moisés prescrevia.

Na verdade, essa ideia de separação e exclusão dos outros povos cresceu muito com o exílio da Babilônia. Foi quase uma forma de sobrevivência de uma comunidade muito machucada e humilhada pelos grandes impérios que se sucederam. O ambiente em que Jesus nasceu e cresceu era esse. Aliás, tinha um novo complicador: a dominação dos pagãos romanos. Mas, nem sempre se pensou assim em Israel. Quando o povo começou a se formar, Abraão foi chamado por Deus para ser uma bênção para todas as nações da terra. E mesmo nos momentos mais dramáticos da história deles, havia quem pensasse diferente. Vários profetas, como Isaías do tempo do exílio, sonharam com um mundo em que todas as nações conheceriam o Deus verdadeiro e se encontrariam numa grande peregrinação à cidade santa de Jerusalém.

Depois que Jesus voltou para o Pai, as comunidades cristãs foram se espalhando e, aos poucos, foram integrando também pagãos convertidos. Foi uma mudança muito grande, assimilada com dificuldade pelos cristãos que vinham da prática da Lei de Moisés. Chegou-se a uma tensão tão grande, que precisou haver uma reunião em Jerusalém com Paulo, Pedro e todos os apóstolos e lideranças para resolver isso. Afinal, a comunidade se abriu ao Espírito Santo e foi vendo com clareza, que chegara o tempo em que Deus queria que todos conhecessem, amassem e seguissem a Cristo, fossem judeus ou não. E pra seguir Jesus não era preciso ter os mesmos costumes que os judeus (como por exemplo a circuncisão, o sábado, etc.). O cristianismo era um novo momento do povo de Deus, aberto a todas as nações e povos do mundo.

Assim, quando os evangelistas e suas comunidades contaram a história de Jesus, lembraram-se desse passo tão sério que foi superação da discriminação dos pagãos para integrá-los na comunidade, como irmãos. Foi assim que o evangelista contou que Jesus estava visitando um território pagão e veio uma mulher daquela região pedir-lhe para libertar a filha da dominação do demônio. A resposta de Jesus foi como o seu povo pensava, a resposta de uma comunidade que ainda não tinha acolhido os pagãos como irmãos: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos”. Os filhos, claros, são os judeus. Os cachorros são os pagãos. Essa era a mentalidade. A resposta da mulher representa bem toda a humildade e o espírito penitente com que os pagãos se aproximaram da fé em Jesus Cristo: “É verdade, Senhor; mas também os cachorrinhos, debaixo da mesa, comem as migalhas que as crianças deixam cair”. Diante dessa condição necessitada, penitente e humilde dos pagãos, as comunidades abriram os braços para acolhê-los. A resposta de Jesus é o retrato disso: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!” A salvação em Cristo veio para todos.


Guardando a mensagem

O episódio da mulher pagã que foi pedir a Jesus para libertar sua filha do demônio representa bem as pessoas de outros povos e religiões que procuraram a comunidade cristã para participar também da salvação em Cristo. Os seguidores de Jesus tiveram muita dificuldade para integrar os pagãos na comunidade, porque viviam dentro de uma mentalidade de discriminação dos não-judeus. Contando essa história, os evangelistas mostravam como Jesus, dentro daquele contexto de exclusão dos pagãos, rompeu com esse esquema e alargou a sua missão também para os pagãos. O preconceito pode nos manter afastados de muitas pessoas e grupos que vivem outras tradições culturais e religiosas diferentes da nossa. Jesus veio para todos. A comunidade cristã tem a vocação de ser uma comunidade em diálogo com o mundo, com as outras religiões, com todos. A Igreja é o fermento na massa, o fermento de Deus no mundo.

É verdade, Senhor, mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos! (Mt 15, 27)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
tu és o salvador da humanidade. Venceste o pecado e o mal que mandavam no mundo. É assim que lemos no evangelho tantas histórias em que libertaste pessoas do teu povo da dominação do demônio, até mesmo dentro da sinagoga. Nessa história da mulher pagã que foi te pedir para tu libertares sua filha, vemos como tua ação redentora abriu-se também para as pessoas pagãs. Tu te colocaste como missionário do Pai a serviço do bem de todos, sem discriminação. Tua atitude ajudou as primeiras comunidades cristãs a compreenderem que a salvação chegara para todos. Senhor, ajuda-nos a vencer também a estreiteza de nossos pensamentos que nos fecham em nossos templos e não nos permitem ver a missão na sua abrangência no mundo, como bênção que deve chegar a todos, transformando toda a realidade com a tua graça.   Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Será que você poderia comentar a passagem de hoje com alguém? Seria um bom exercício de compreensão do evangelho e de compromisso com a missão. O texto de hoje é Mateus 15,21-28.

Comunicando

Fazendo as contas, neste ano estou completando 30 anos de atividade musical, com mais de 3.000 shows realizados. Aproveito para convidar vocês para os meus próximos shows:

10 de agosto – São Lourenço da Mata, PE
13 de agosto – Autases, AM
21 de agosto – Glória do Goitá, PE
27 de agosto - Live musical para os associados.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

NINGUÉM JAMAIS FALOU COMO ELE



02 de abril de 2022

Quarta Semana da Quaresma

32º dia da caminhada quaresmal


EVANGELHO


Jo 7,40-53

Naquele tempo, 40ao ouvirem as palavras de Jesus, algumas pessoas da multidão diziam: “Este é, verdadeiramente, o Profeta”. 41Outros diziam: “Ele é o Messias”. Mas alguns objetavam: “Porventura o Messias virá da Galileia? 42Não diz a Escritura que o Messias será da descendência de Davi e virá de Belém, povoado de onde era Davi?”
43Assim, houve divisão no meio do povo por causa de Jesus. 44Alguns queriam prendê-lo, mas ninguém pôs as mãos nele. 45Então, os guardas do Templo voltaram para os sumos sacerdotes e os fariseus, e estes lhes perguntaram: “Por que não o trouxestes?”
46Os guardas responderam: “Ninguém jamais falou como este homem”. 47Então os fariseus disseram-lhes: “Também vós vos deixastes enganar? 48Por acaso algum dos chefes ou dos fariseus acreditou nele? 49Mas esta gente que não conhece a Lei, é maldita!”
50Nicodemos, porém, um dos fariseus, aquele que se tinha encontrado com Jesus anteriormente, disse: 51“Será que a nossa Lei julga alguém, antes de o ouvir e saber o que ele fez?” 52Eles responderam: “Também tu és galileu, porventura? Vai estudar e verás que da Galileia não surge profeta”. 53E cada um voltou para sua casa.

MEDITAÇÃO


Ninguém jamais falou como este homem (Jo 7, 46)

Uns, contra. Outros, a favor. Uns diziam que ele era um profeta, o messias, quem sabe. Outros duvidavam: o messias não viria da Galileia, mas de Belém. Os guardas foram prendê-lo a mando dos sumo-sacerdotes. Não tiveram coragem. Nicodemos pediu calma no Sinédrio. Os contra xingaram o povo de ignorante e maldito. E mandaram Nicodemos estudar mais as Escrituras. Uns, contra. Outros a favor de Jesus.

O velho profeta Simeão tinha dito a Maria que o seu filho seria um sinal de contradição, quando os pais levaram a criança para o resgate do primogênito no Templo. “Eis que este menino foi posto para queda e para o soerguimento de muitos em Israel e como um sinal de contradição” (Lc 2, 34).

Os guardas, ao explicar às autoridades o fracasso de sua missão de prender Jesus, disseram uma coisa impressionante: “Ninguém jamais falou como esse homem”. De fato, as reações narradas nesse texto foram reações depois de ouvirem as suas palavras. E que palavras foram essas? Elas estão um pouco antes e um pouco depois desse texto de hoje.

O que Jesus estava pregando tem a ver com a festa que eles estavam celebrando, a festa das Tendas (o mesmo que festa das Cabanas). A festa das Tendas era uma das três grandes peregrinações do ano (Páscoa, Tendas e Pentecostes). Essa festa celebrava o cuidado de Deus com o seu povo, manifesto de maneira especial quando ele peregrinava no deserto e morava em tendas. A festa é celebrada em sete dias de preparação, com a grande festa no oitavo dia. Nessa festa, havia importantes ritos da água, do pão e da luz. Deus que cuidou do seu povo no deserto providenciou-lhe água tirada da rocha, o maná que caía do céu e o acompanhamento da coluna luminosa.

As palavras de Jesus nesse contexto da festa das Tendas foram: “Quem tiver sede, venha a mim e beba”. Ele é a água da vida. “Eu sou a luz do mundo”. Quem o segue, não anda nas trevas. “Eu sou o bom pastor. Dou a vida pelas minhas ovelhas”. Jesus é o pastor enviado pelo Pai para cuidar do seu rebanho. São palavras que atualizam a proximidade de Deus que cuida com carinho do seu povo, nos momentos difíceis de sua história. Palavras que encantam.

E por que temos pessoas que se posicionam contra Jesus? Os do contra – os grupos que controlavam o Templo (fariseus, saduceus e anciãos) estavam movidos pela defesa dos seus interesses de controle da religião, do templo e do povo. Junte-se a isso o ciúme, a inveja e o preconceito. Preconceito contra a região da Galileia, preconceito contra o povo, taxado de ignorante da Lei e raça maldita. Contra também estavam elementos do povo influenciados pelos fariseus ou pelos poderosos senhores de terra, os anciãos. Esses fecharam o coração para Jesus e para suas palavras reveladoras da proximidade de Deus.


Guardando a mensagem

Hoje, é difícil alguém falar contra Jesus, em nosso mundo ocidental. Mas, ninguém se engane. Não falam mal de Jesus, mas atacam a sua Igreja, desprezam seus ministros, ridicularizam a fé dos mais simples. Hoje também somos chamados a tomar uma decisão sobre Jesus. Somos seus discípulos e discípulas. Deixemo-nos encantar por suas palavras. Convertamo-nos à grande verdade que elas revelam: Deus nos ama e cuida de nós. Jesus é Deus mesmo cuidando da gente.

Ninguém jamais falou como este homem (Jo 7, 46)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
quase não dá para acreditar que houvesse gente que não te admirasse, não te quisesse bem. Mas, pensando bem, vivemos num mundo onde tuas palavras e teus ensinamentos contam pouco e muita gente, mesmo batizada, vive longe dos teus caminhos. Neste sentido, ser cristão é uma decisão que se toma em resposta ao teu amor e às verdades que nos revelaste. Sendo assim, queremos hoje renovar nossa adesão à tua pessoa, ao teu evangelho, à tua Igreja. Com o teu Santo Espírito, ajuda-nos a caminhar com fidelidade nos teus caminhos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Já estamos, hoje, no 32º dia da Quaresma. Em nossa caminhada quaresmal, o passo de hoje é renovar a adesão a Jesus Cristo. Não deixar que nada, nem ninguém nos afaste de Jesus e de sua Igreja. Amanhã, vamos celebrar o 5º Domingo da Quaresma. Programe-se para participar da Santa Missa em sua comunidade.

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

RENOVAR A ADESÃO A JESUS CRISTO



20 de março de 2021

EVANGELHO


Jo 7,40-53

Naquele tempo, 40ao ouvirem as palavras de Jesus, algumas pessoas da multidão diziam: “Este é, verdadeiramente, o Profeta”. 41Outros diziam: “Ele é o Messias”. Mas alguns objetavam: “Porventura o Messias virá da Galileia? 42Não diz a Escritura que o Messias será da descendência de Davi e virá de Belém, povoado de onde era Davi?”
43Assim, houve divisão no meio do povo por causa de Jesus. 44Alguns queriam prendê-lo, mas ninguém pôs as mãos nele. 45Então, os guardas do Templo voltaram para os sumos sacerdotes e os fariseus, e estes lhes perguntaram: “Por que não o trouxestes?”
46Os guardas responderam: “Ninguém jamais falou como este homem”. 47Então os fariseus disseram-lhes: “Também vós vos deixastes enganar? 48Por acaso algum dos chefes ou dos fariseus acreditou nele? 49Mas esta gente que não conhece a Lei, é maldita!”
50Nicodemos, porém, um dos fariseus, aquele que se tinha encontrado com Jesus anteriormente, disse: 51“Será que a nossa Lei julga alguém, antes de o ouvir e saber o que ele fez?” 52Eles responderam: “Também tu és galileu, porventura? Vai estudar e verás que da Galileia não surge profeta”. 53E cada um voltou para sua casa.

MEDITAÇÃO 


Ninguém jamais falou como este homem (Jo 7, 46)

Uns, contra. Outros, a favor. Uns diziam que ele era um profeta, o messias, quem sabe. Outros duvidavam: o Messias não viria da Galileia, mas de Belém. Os guardas foram prendê-lo a mando dos sumo-sacerdotes. Não tiveram coragem. Nicodemos pediu calma no Sinédrio. Os contra xingaram o povo de ignorante e maldito. E mandaram Nicodemos estudar mais as Escrituras. Uns, contra. Outros a favor de Jesus.

O velho profeta Simeão tinha dito a Maria que o seu filho seria um sinal de contradição, quando os pais levaram a criança para o resgate do primogênito no Templo. “Eis que este menino foi posto para queda e para o soerguimento de muitos em Israel e como um sinal de contradição” (Lc 2, 34). 

Os guardas, ao explicar às autoridades o fracasso de sua missão de prender Jesus, disseram uma coisa impressionante: “Ninguém jamais falou como esse homem”. De fato, as reações narradas nesse texto foram reações depois de ouvirem as suas palavras. E que palavras foram essas? Elas estão um pouco antes e um pouco depois desse texto de hoje.

O que Jesus estava pregando tem a ver com a festa que eles estavam celebrando, a festa das Tendas (o mesmo que festa das Cabanas). A festa das Tendas era uma das três grandes peregrinações do ano (Páscoa, Tendas e Pentecostes). Essa festa celebrava o cuidado de Deus com o seu povo, manifesto de maneira especial quando ele peregrinava no deserto e morava em tendas. A festa é celebrada em sete dias de preparação, com a grande festa no oitavo dia. Nessa festa, havia importantes ritos da água, do pão e da luz. Deus que cuidou do seu povo no deserto providenciou-lhe água tirada da rocha, o maná que caía do céu e o acompanhamento da coluna luminosa.

As palavras de Jesus nesse contexto da festa das Tendas foram: “Quem tiver sede, venha a mim e beba”. Ele é a água da vida. “Eu sou a luz do mundo”. Quem o segue, não anda nas trevas. “Eu sou o bom pastor. Dou a vida pelas minhas ovelhas”. Jesus é o pastor enviado pelo Pai para cuidar do seu rebanho. São palavras que atualizam a proximidade de Deus que cuida com carinho do seu povo, nos momentos difíceis de sua história. Palavras que encantam.

E por que temos pessoas que se posicionam contra Jesus? Os do contra – os grupos que controlavam o Templo (fariseus, saduceus e anciãos) estavam movidos pela defesa dos seus interesses de controle da religião, do templo e do povo. Junte-se a isso o ciúme, a inveja e o preconceito. Preconceito contra a região da Galileia, preconceito contra o povo, taxado de ignorante da Lei e raça maldita. Contra também estavam elementos do povo influenciados pelos fariseus ou pelos poderosos senhores de terra, os anciãos. Esses fecharam o coração para Jesus e para suas palavras reveladoras da proximidade de Deus.

Guardando a mensagem

Hoje, é difícil alguém falar contra Jesus, em nosso mundo ocidental. Mas, ninguém se engane. Não falam mal de Jesus, mas atacam a sua Igreja, desprezam seus ministros, ridicularizam a fé dos mais simples. Hoje também somos chamados a tomar uma decisão sobre Jesus. Somos seus discípulos e discípulas. Deixemo-nos encantar por suas palavras. Convertamo-nos à grande verdade que elas revelam: Deus nos ama e cuida de nós. Jesus é Deus mesmo cuidando da gente.

Ninguém jamais falou como este homem (Jo 7, 46)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Quase não dá para acreditar que houvesse gente que não te admirasse, não te quisesse bem. Mas, pensando bem, vivemos num mundo onde tuas palavras e teus ensinamentos contam pouco e muita gente, mesmo batizada, vive longe dos teus caminhos. Neste sentido, ser cristão é uma decisão que se toma em resposta ao teu amor e às verdades que nos revelaste. Sendo assim, queremos hoje renovar nossa adesão à tua pessoa, ao teu evangelho, à tua Igreja. Com o teu Santo Espírito, ajuda-nos a caminhar com fidelidade nos teus caminhos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Já estamos, hoje, no 32º da Quaresma. Em nossa escadaria quaresmal, vamos subir hoje mais um degrau: Renovar a adesão a Jesus Cristo. Não deixar que nada, nem ninguém nos afaste de Jesus e de sua Igreja. 

Neste sábado, rezamos o 6º Dia da Novena de Nossa Senhora Auxiliadora pela proteção de nossas famílias contra o coronavírus. Participe conosco. A novena começa às 14:30 pelo Youtube, Facebook e Rádio Tempo de Paz. 

E você está aproveitando bem este tempo de penitência, oração e caridade? Amanhã, vamos celebrar o 5º Domingo da Quaresma. Faça um propósito: não sendo possível participar da Missa na igreja, por causa da quarentena, identifique onde vai ser transmitida a Missa de sua comunidade e participe dela, devotamente, mesmo à distância. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

MEU PAI ERA CARPINTEIRO

Não é ele o filho do carpinteiro? (Mt 13, 55)

01 de maio de 2019.
Jesus estava na sinagoga de sua terra, Nazaré. A sua pregação não foi bem acolhida. Murmuravam, estranhando a sabedoria que ele demonstrava e a fama dos seus milagres. Não lhe deram valor. Jesus disse: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!”
Isso que Jesus falou "nenhum profeta é bem recebido em sua pátria" foi uma afirmação, uma reclamação ou uma lamentação? Seus conterrâneos de Nazaré não quiseram lhe dar crédito. Ele estava explicando que as palavras do livro santo estavam se cumprindo naquela ocasião, em sua missão. Começaram a murmurar, achando que Jesus estava indo longe demais. Todos o conheciam, era o filho do carpinteiro. Seus parentes eram todos conhecidos naquela vila de Nazaré. De onde lhe viria tanta sabedoria? E chegaram a expulsá-lo da sinagoga e da Vila.  A acolhida fria, desconfiada e violenta dos seus conterrâneos dava razão ao ditado "nenhum profeta é bem recebido em sua pátria ". Foi uma lamentação o que Jesus disse, não foi uma afirmação. Não é que tem que ser assim. Infelizmente, é assim que acontece.
"Santo de casa não faz milagres" é o ditado que ainda corre o mundo. Mas isto não quer dizer que seja uma coisa correta. Por que é que nós não damos valor à prata da casa? Por que vemos com desconfiança alguém que nós conhecemos que ascendeu na vida, que se tornou um profissional renomado ou assumiu uma posição de liderança em nossa vizinhança? Na verdade, quando desqualificamos alguém do nosso grupo, estamos desqualificando a nós mesmos. Não acredito no outro porque não acredito em mim.   Aquele discípulo de Jesus, Natanael, quando ouviu falar de Jesus fez um comentário preconceituoso que representava boa parte da opinião corrente: "Por acaso de Nazaré pode sair alguma coisa boa?". Olha o preconceito! Será que os conterrâneos de Jesus tinham introjetado esse preconceito contra eles mesmos? Ou será que trancaram o coração e a razão por pura inveja? Ou quem sabe agiram como nós continuamos agindo porque não nos valorizamos, não damos valor ao que é da terra, considerando que o melhor é sempre o de fora, o do outro grupo, o da outra rua.  Com certeza, foi tudo isso junto e muito mais.
Vamos guardar a mensagem
Jesus, pregando na Sinagoga de Nazaré, sentiu fortemente o descrédito dos seus conterrâneos, dos seus amigos de infância, dos seus parentes. Refletiu que isso repetia a história deles mesmos: a desvalorização das pessoas de sua convivência, movidos, quem sabe, pelo preconceito, pela inveja ou pela alienação de seu próprio valor. Nessa lógica humana, mesquinha, alienada, Jesus para ser o salvador enviado por Deus devia ter chegado de fora, com toda pompa e poder, quem sabe arrodeado por um exército luminoso de anjos, sei lá... Que viesse de fora, de outro país, ou pelo menos de Jerusalém, da capital ou fosse membro das elites de Israel. Mas essa não foi a lógica de Deus e não foi assim que Jesus realizou sua missão. São João foi claro: "O verbo se fez carne". Ele abaixou-se, assumiu a nossa fraqueza. Encarnou-se na periferia do mundo, identificou-se com os humildes e nos resgatou desde lá de baixo. Essa é a lógica de Deus. É nessa lógica que podemos reconhecer Jesus e crescer em direção à plenitude. Acreditar em nós mesmos. Valorizar as possibilidades de nossa própria condição. Apostar que santo de casa é que faz milagre.
Não é ele o filho do carpinteiro? (Mt 13, 55)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Na sinagoga de Nazaré, vê-se claramente como o preconceito produz exclusão e violência. Os teus conterrâneos de Nazaré te expulsaram da cidade. E alguns mais exaltados queriam te empurrar no precipício. Verdade, o preconceito produz violência. Ao desclassificar uma pessoa (por razão de cor, de religião, de opção sexual, de classe social,...), deixamos de reconhecer a sua dignidade e ela torna-se alvo fácil do ódio, da discriminação, da violência física. Fortalece, Senhor, com a força do teu Santo Espírito, o nosso caminho de conversão para agirmos sempre com verdadeiro acolhimento das pessoas, com grande respeito à sua dignidade e à sua liberdade. Teu pai aqui na terra era um carpinteiro, um trabalhador. Tinhas orgulho dele, quando as pessoas te reconheciam como ‘filho do carpinteiro’. Abençoa, Senhor, todo o povo trabalhador que hoje celebra o seu dia. Conforta com a tua bênção os desempregados, tão numerosos e os aposentados também. Sustenta-nos, com o teu Espírito, no caminho da fraternidade e da justiça. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Eu queria fazer um desafio a você que me acompanha diariamente na Meditação: Neste mês de maio, rezar o terço todo dia. Rezar o terço é meditar o evangelho: é rezar a vida de Jesus, ao lado de Maria. Você topa o desafio? Neste mês de maio, rezar o terço todo dia. O dia de começar é hoje, primeiro de maio, abertura do mês mariano. Tomara que você tope!

Pe. João Carlos Ribeiro – 01.05.2019

JESUS TÃO PERTO, JESUS TÃO LONGE


E Jesus admirou-se com a falta de fé deles (Mc 6, 6)

08 de julho de 2018.

Naquele sábado, Jesus estava em Nazaré, sua terra, com seus discípulos e foi com eles participar da celebração na sinagoga. Nas sinagogas, não havia sacerdotes, não se ofereciam sacrifícios. Sacrifícios e sacerdotes só no Templo de Jerusalém. Na sinagoga, os leigos adultos podiam ler e pregar sobre a palavra de Deus, sobretudo os mestres da Lei. Foi assim que Jesus se levantou e leu uma passagem bíblica e falou sobre o Reino de Deus. O povo ali presente na assembleia, em grande maioria, o conhecia. Nazaré era um lugar pequeno, um povoado. Todo mundo se conhecia. E Jesus tinha vivido ali desde pequeno. Tinha saído já rapaz. Agora estava de volta e mostrando muita sabedoria e muita desenvoltura, como pregador. Além do mais, não paravam de chegar à Nazaré as histórias de curas e milagres que ele operava por onde passava. Num primeiro momento, ali na sinagoga, ficou todo mundo admirado com Jesus.

Mas, logo começaram as críticas e resistências, uma má vontade impressionante. ‘De onde recebeu tudo isso?’ Se viesse da capital, se fosse uma pessoa das elites de Israel... mas nada, ele era dali mesmo, filho da viúva Maria, seus primos-irmãos e primas-irmãs eram todos conhecidos da comunidade. ‘Como conseguiu tanta sabedoria?”. Fosse pelo menos um mestre da Lei, um judeu estudado, mas nada, tinha estudado apenas na escolinha da sinagoga quando menino. ‘E esses grandes milagres realizados por sua mãos?”. Um carpinteiro, é disso que suas mãos entendem. Que conversa de milagres?! Diz o evangelho: ficaram escandalizados com Jesus, isto é, ficaram irritados, revoltados, furiosos com ele.

O motivo da rejeição a Jesus, por parte dos seus conterrâneos, é claro. Eles não quiseram reconhecer que em Jesus agia o próprio Deus. E por quê? Porque em Jesus, eles viam a própria fraqueza (gente do interior pouco estudada, à margem do poder, um povoado de trabalhadores). E estavam certos que a manifestação de Deus não é na fraqueza, na pobreza, na marginalização. O lugar de Deus é nos centros de poder, nas classes privilegiadas, nas elites letradas. Deus habita no poder, na riqueza, na ciência. Esse é o pensamento de muita gente, não é verdade?

Nazaré, como muitos cristãos de hoje, não entende a dinâmica pela qual Deus está nos salvando. O Pai enviou o filho, em nossa condição humana. O verbo se fez carne, assumindo nossa vida em sua fragilidade e fraqueza. A oração da Missa deste domingo diz: “Ó Deus, que pela humilhação do vosso filho reerguestes o mundo decaído...”. Jesus assumiu nossa fraqueza, nasceu, viveu e morreu humanamente, andando pelos nossos caminhos e morrendo na nossa morte. Para vencê-la, é verdade. Para nos conduzir pelos nossos caminhos humanos. É assim que ele reergueu o mundo decaído: por sua humilhação; por seu esvaziamento, como diz a carta aos Filipenses. É o mistério da en-car-na-ção. ‘O Verbo se fez carne e habitou entre nós’.

Vamos guardar a mensagem

Sem acolhermos o mistério da encarnação - a dinâmica pela qual Deus está nos salvando em Cristo - nós nos negamos a reconhecer a presença atual de Jesus na história humana e na sua Igreja.  Mesmo ressuscitado, ele continua a ser o Emanuel, Deus-conosco. Ele mesmo disse que estava no faminto, no sedento, no maltrapilho, no migrante, no doente, no prisioneiro. Neles, podemos alimentá-lo, vesti-lo, visitá-lo, defendê-lo, acolhê-lo. Pela atuação do Santo Espírito, ele nos fala pelas palavras das Escrituras; ele nos alimenta com sua vida no sinal eucarístico do pão; ele nos pastoreia pelo ministério de pastores marcados pela fragilidade. É o mistério da encarnação. “É na fraqueza que a força de Deus se manifesta”, escreveu São Paulo.

E Jesus admirou-se com a falta de fé deles (Mc 6, 6)

Senhor Jesus,
Os teus conterrâneos agiram com preconceito. Na verdade, rejeitando-te por seres conhecido ali e membro daquela comunidade, estavam desprezando a si próprios, ao seu povoado, à sua história. Certamente, eles tinham introjetado preconceitos de outras regiões contra sua terra. Teu próprio discípulo Natanael, antes de te conhecer, saiu-se com essa: “De Nazaré, pode sair algo de bom?”. Sem atenção ao mistério da encarnação, Senhor, ficamos te procurando nos palácios, quando moras ao nosso lado; e aguardando o teu glorioso triunfo, quando passas carregando a cruz na subida do calvário; e preparamo-nos para ouvir a mais erudita pregação teológica, quando tu vens e nos contas parábolas e historietas populares. Ajuda-nos, Senhor, a acolher, na fé, o mistério da encarnação. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vamos viver a palavra

Onde anda a sua Bíblia? Não a deixe escondida. Não tenha vergonha dela. Leia o evangelho de hoje em sua Bíblia (Marcos 6, 1-6).

Pe. João Carlos Ribeiro – 08.07.2018

O FILHO DO CARPINTEIRO

Não é ele o filho do carpinteiro? (Mt 13, 55)

1º de maio de 2018.
Jesus estava na sinagoga de sua terra, Nazaré. A sua pregação não foi bem acolhida. Murmuravam, estranhando a sabedoria que ele demonstrava e a fama dos seus milagres. Não lhe deram valor. Jesus disse: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!”
Isso que Jesus falou "nenhum profeta é bem recebido em sua pátria" foi uma afirmação, uma reclamação ou uma lamentação? Seus conterrâneos de Nazaré não quiseram lhe dar crédito. Ele estava explicando que as palavras do livro santo estavam se cumprindo naquela ocasião, em sua missão. Começaram a murmurar, achando que Jesus estava indo longe demais. Todos o conheciam, era o filho do carpinteiro. Seus parentes eram todos conhecidos naquela vila de Nazaré. De onde lhe viria tanta sabedoria? E chegaram a expulsá-lo da sinagoga e da Vila.  A acolhida fria, desconfiada e violenta dos seus conterrâneos dava razão ao ditado "nenhum profeta é bem recebido em sua pátria ". Foi uma lamentação o que Jesus disse, não foi uma afirmação. Não é que tem que ser assim. Infelizmente, é assim que acontece.
"Santo de casa não faz milagres" é o ditado que ainda corre o mundo. Mas isto não quer dizer que seja uma coisa correta. Por que é que nós não damos valor à prata da casa? Por que vemos com desconfiança alguém que nós conhecemos que ascendeu na vida, que se tornou um profissional renomado ou assumiu uma posição de liderança em nossa vizinhança? Na verdade, quando desqualificamos alguém do nosso grupo, estamos desqualificando a nós mesmos. Não acredito no outro porque não acredito em mim.   Aquele discípulo de Jesus, Natanael, quando ouviu falar de Jesus fez um comentário preconceituoso que representava boa parte da opinião corrente: "Por acaso de Nazaré pode sair alguma coisa boa?". Olha o preconceito! Será que os conterrâneos de Jesus tinham introjetado esse preconceito contra eles mesmos? Ou será que trancaram o coração e a razão por pura inveja? Ou quem sabe agiram como nós continuamos agindo porque não nos valorizamos, não damos valor ao que é da terra, considerando que o melhor é sempre o de fora, o do outro grupo, o da outra rua.  Com certeza, foi tudo isso junto e muito mais.
Vamos guardar a mensagem
Jesus, pregando na Sinagoga de Nazaré, sentiu fortemente o descrédito dos seus conterrâneos, dos seus amigos de infância, dos seus parentes. Refletiu que isso repetia a história deles mesmos: a desvalorização das pessoas de sua convivência, movidos, quem sabe, pelo preconceito, pela inveja ou pela alienação de seu próprio valor. Nessa lógica humana, mesquinha, alienada, Jesus para ser o salvador enviado por Deus devia ter chegado de fora, com toda pompa e poder, quem sabe arrodeado por um exército luminoso de anjos, sei lá... Que viesse de fora, de outro país, ou pelo menos de Jerusalém, da capital ou fosse membro das elites de Israel. Mas essa não foi a lógica de Deus e não foi assim que Jesus realizou sua missão. São João foi claro: "O verbo se fez carne". Ele abaixou-se, assumiu a nossa fraqueza. Encarnou-se na periferia do mundo, identificou-se com os humildes e nos resgatou desde lá de baixo. Essa é a lógica de Deus. É nessa lógica que podemos reconhecer Jesus e crescer em direção à plenitude. Acreditar em nós mesmos. Valorizar as possibilidades de nossa própria condição. Apostar que santo de casa é que faz milagre.
Não é ele o filho do carpinteiro? (Mt 13, 55)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Na sinagoga de Nazaré, vê-se claramente como o preconceito produz exclusão e violência. Os teus conterrâneos de Nazaré te expulsaram da cidade. E alguns mais exaltados queriam te empurrar no precipício. Verdade, o preconceito produz violência. Ao desclassificar uma pessoa (por razão de cor, de religião, de opção sexual, de classe social,...), deixamos de reconhecer a sua dignidade e ela torna-se alvo fácil do ódio, da discriminação, da violência física. Fortalece, Senhor, com a força do teu Santo Espírito, o nosso caminho de conversão para agirmos sempre com verdadeiro acolhimento das pessoas, com grande respeito à sua dignidade e à sua liberdade. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Eu queria fazer um desafio a você que me acompanha diariamente na Meditação: Neste mês de maio, rezar o terço todo dia. Rezar o terço é meditar o evangelho: é rezar a vida de Jesus, ao lado de Maria. Você topa o desafio? Neste mês de maio, rezar o terço todo dia. O dia de começar é hoje, primeiro de maio, abertura do mês mariano. Tomara que você tope!

Pe. João Carlos Ribeiro – 01.05.2018

VAI PRIMEIRO RECONCILIAR-TE COM O TEU IRMÃO


MEDITAÇÃO PARA A SEXTA-FEIRA, DIA 23 DE FEVEREIRO DE 2018.
Todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo (Mt 5, 22)
Neste 10º dia da Quaresma, mais um passo para nosso crescimento cristão: a caridade em nossa convivência. O respeito, a paciência, a reconciliação. Nunca a violência. Nem de palavras, nem de atitudes, nem de armas.
O evangelho de hoje é uma página do Sermão da Montanha. Jesus está orientando os discípulos sobre como se comportarem e se conduzirem na vida. Neste ponto, ele está comentando o alcance do mandamento “Não Matar”. Aos antigos, foi dada esta lei. “Não matar. Quem matar será condenado pelo tribunal”. A nova lei de Jesus, ou melhor, o modo novo de ver a antiga lei, é ainda mais exigente. Matar é o extremo. Mas, a morte do outro começa com golpes aparentemente leves: a indiferença, a desconsideração, o desprezo, o preconceito, a ação movida pela cólera. A ofensa a Deus e ao próximo não é só matar com uma arma de fogo ou uma arma branca ou química. Há outras formas de matar aos poucos, igualmente repudiáveis: o bullying, a difamação, a intolerância, a discriminação. A lei do Evangelho exige mais do que o simples mandamento “Não matar”. Inclui também não desqualificar seres humanos, considerando-os burros, ignorantes, incapazes. Essas também são formas de violência e de morte.
Para ser réu de juízo, nem precisa chegar a homicídio, aborto, eutanásia, feminicídio, ou coisa parecida. Já vira réu quem se encolerizar com seu irmão, ensinou Jesus. Encolerizar-se com o irmão é agir movido pela raiva, pela cólera. Quando alguém se deixa tomar pela raiva, acaba magoando, machucando, agindo com violência e sentimentos de vingança. A ação movida pela cólera é impensada, violenta, cega. É melhor se acalmar no momento para não ter que amargar um arrependimento depois.  Quando a raiva vier, é preciso parar, respirar, deixar baixar a poeira. Assim, a ação que vier será menos impulsiva e poderá mais facilmente ser pautada por respeito, consideração e disposição para a reconciliação. Isso, sim, é digno de um cristão.
Vamos guardar a mensagem
O mandamento é “Não Matar”. Ele continua valendo. Mas, o evangelho alarga a sua compreensão. Segundo a explicação de Jesus, não se trata apenas de não tirar a vida do próximo, mas também de não se encolerizar com ele, não desqualificá-lo, destratá-lo, humilhá-lo. O esforço de tratar bem os outros, em todas as situações, se harmoniza com a busca de reconciliação. E essa é uma condição para o culto a Deus. Jesus orientou claramente: “Deixa a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com o teu irmão”. O ensinamento de hoje nos põe em sintonia com a Campanha da Fraternidade deste ano, sobre a superação da violência. Somos construtores de fraternidade, controlando em nós o impulso da ira, a tentação da indiferença, a violência do preconceito.
Todo aquele que se encoleriza com seu irmão será réu em juízo (Mt 5, 22)
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Vivemos em um mundo de muitos desencontros. Facilmente nos contrariamos, ficamos com raiva, nos frustramos, nos decepcionamos ou decepcionamos os outros. Às vezes, nossa reação é movida pela raiva, pela cólera, pelo ódio. E sabemos que esses sentimentos são fonte de violência em nossa convivência. Hoje, recordamos o que disseste sobre o mandamento de Deus. ‘Não matar’ não é só tirar a vida dos outros, mas também não ofendê-los em sua dignidade, desprezá-los, difamá-los. As palavras também são armas mortais. Senhor, ajuda-nos a viver no meio das dificuldades da vida com serenidade e fortaleza. Que aprendamos a defender nossos direitos ou nossos pontos de vista, sem agredir ou insultar aqueles que não somam com nosso modo de ver. Que em toda e qualquer contrariedade, sejamos iluminados por tua palavra e por tua mansidão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos praticar a palavra
Faça um esforço, hoje, de aproximar-se de quem parece manter uma certa reserva ou distância de você. E para se fortalecer no caminho do evangelho reze muitas vezes, hoje: “Ó Jesus, manso e humilde de coração, fazei o meu coração semelhante ao vosso”.

Pe. João Carlos Ribeiro – 22.02.2018

AS COISAS RUINS QUE NASCEM NO CORAÇÃO


MEDITAÇÃO PARA A QUARTA, DIA 07 DE FEVEREIRO DE 2018.
O que sai do homem, isso é que o torna impuro (Mc 7, 20).
No tempo de Jesus, havia uma preocupação exagerada com a pureza ritual. A pureza era a condição de quem estava limpo, de quem não foi contaminado por alguma coisa externa. Muita coisa podia contaminar uma pessoa e torná-la impura. E uma vez impura, a pessoa tinha que passar por muitos rituais para se limpar: quarentena, banho, abluções, sacrifícios de animais e outras coisas mais.  A pessoa impura ficava afastada das coisas de Deus, não podia praticar a religião publicamente,  não estava em condições de se apresentar a Deus. Nem podia estar junto dos outros para não contaminá-los.
E o que causava impureza para uma pessoa? A lista é longa O sangue era o elemento mais perturbador da harmonia religiosa do povo de Deus. Nisto, a mulher saía muito prejudicada pela menstruação mensal e pelo parto. Muitos alimentos estavam proibidos, pois transmitiam impureza, por exemplo, carne de porco e de outros animais também. Também se tornava impuro quem tocasse num morto, quem tivesse qualquer aproximação com pagãos, quem tivesse qualquer contato com um leproso. Era um crime um impuro se aproximar de uma pessoa e, impensável, que viesse a tocá-la. Contaminaria gravemente a pessoa que fosse tocada.
Você já percebeu que as leis da pureza no tempo de Jesus representavam uma grande opressão para as pessoas, impedindo que se cuidasse melhor dos doentes, discriminando os pobres e marginalizando ainda mais a mulher. Os fariseus, que formavam uma numerosa confraria de homens praticantes da Lei, ficavam antenados para recriminar ou denunciar qualquer um que não andasse segundo essas leis da pureza. E Jesus, você sabe, não estava muito preocupado com essas leis, fruto de uma religiosidade feita de coisas exteriores e fomentadora de discriminação entre as pessoas.
O grave era que Jesus era tocado por pessoas impuras. A mulher do fluxo de sangue tocou na franja do seu manto.  Ele tocou no leproso para curá-lo. Pegou no caixão do morto em Naim, e mandou o rapaz se levantar. Desculpou os discípulos que estavam comendo sem terem lavado as mãos... Jesus não era um bom cumpridor das leis da pureza ritual do seu tempo. E os fariseus ficavam revoltados com isso. O raciocínio de Jesus era simples: não é o que entra pela boca que suja o homem, que o torna impuro. O que torna impura uma pessoa é o que sai dela, as coisas ruins que vêm do seu coração. O coração, para o povo da Bíblia, é onde se tomam as decisões.  Aí ele fez uma lista: más intenções, imoralidades, roubos, assassinatos, adultérios, ambições, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho,... Tudo isso sai do coração de uma pessoa, disse Jesus. Isso, sim, torna a pessoa impura.
Vamos guardar a mensagem
O que faz impura uma pessoa não é o que vem de fora, mas o que sai de dentro do seu coração. Foi esse o ensinamento de Jesus. O que vamos guardar da palavra dele, hoje? Uma lição pode ser essa: se uma prática, religiosa ou não, servir de alguma forma para desprezar, discriminar, afastar, cercear a liberdade, com certeza não é uma coisa de Deus. Outra lição: Com certeza, há muitos preconceitos que nós introjetamos durante a vida de que deveríamos nos libertar. Jesus era uma pessoa livre e libertadora. Por amor a Deus e aos irmãos, procure libertar-se dos preconceitos.
O que sai do homem, isso é que o torna impuro (Mc 7, 20).
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
Ficamos olhando, com curiosidade e admiração, para tua pessoa, vivendo na Galileia, naqueles anos 30. Eras um judeu piedoso, conhecedor das Escrituras como muitos outros, fiel às celebrações da sinagoga e às peregrinações anuais, respeitoso da bela história de fé do teu povo. Quando falavas do Reino, do amor misericordioso de Deus, revelando-o como pai amoroso dos seus filhos e filhas, o povo ficava encantado. Essa verdade de um Deus próximo e amoroso mexia com a religião de Israel, ou melhor, punha em xeque aquela religiosidade marcada por normas e ritos externos. Foi por isso que os fariseus e os mestres da lei reagiram tão ferozmente. Eles saíram em defesa da tradição como eles a entendiam e de sua ameaçada posição de liderança. Dá-nos, Senhor, que essa novidade, que é o teu evangelho, seja sempre um fermento para nos libertar de qualquer farisaísmo e de toda opressão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a palavra
Você conseguiu ler o texto de ontem, na sua Bíblia? Contou quantas vezes aparecia a palavra ‘tradição’? Seis vezes. Seis é um número incompleto, falho.
Hoje, no seu diário espiritual (ou na sua agenda ou no seu caderno), anote as 13 coisas ruins que saem do coração. Isso sim torna a pessoa impura, disse Jesus. Pra saber quais, leia Marcos 7, 14-23.

Pe. João Carlos Ribeiro – 06.02.2018

FÉ A TODA PROVA

A mulher insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos! (Mt 15, 27)
Uma senhora pagã veio ao encontro de Jesus com um pedido de socorro: a filha estava possuída pelo demônio. A resposta de Jesus foi estranha. Ficou calado. Ela continuou implorando, pelo caminho. Ele comentou com os discípulos que fora enviado somente para o povo de Deus. A mulher insistia, implorava... E a resposta dele foi dura: “Não fica bem tirar o pão dos filhos para jogá-lo aos cachorrinhos”. Ele, como bom judeu, entendia que devia socorrer primeiro o povo da aliança, o seu povo. Será que essa era mesmo a compreensão de Jesus ou ele estava colocando a mulher à prova? De toda forma, ele foi muito duro, negando-se a ajudar aquela senhora pagã que implorava socorro para libertar a filha do domínio do demônio.
Agora, essa aparente rejeição não conteve aquela senhora em busca de uma solução para sua filha. O que uma mãe não faz pelos seus filhos? O que um pai não faz para salvar um filho? Ela insistiu, com muita humildade: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos!” (Mt 15, 27). Uma fé a toda prova. Sim, ela até se conformava com a pecha de “cachorrinhos” com que os judeus rotulavam os pagãos. Na verdade, os chamavam de cães, porcos... uma triste atitude de discriminação, para nossos padrões de hoje. Pois bem, ela aceitava essa condição humilhante, que não lhe dava direito de receber os benefícios do Messias do povo eleito. Mas, dizia ela, “os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos”.
Essa fé tão grande, essa humildade tão forte, convenceram Jesus. Pode ser que até o tenha feito mudar de ideia, se de fato ele pensava daquele jeito.  Olha a resposta dele: “Mulher, grande é a tua fé! Seja feito como tu queres!”. Uma grande lição para todos nós. Cultivar uma fé que não se deixe vencer pelos preconceitos, que passe na prova da humildade.
Vamos guardar a mensagem de hoje
Pode ser que Jesus tenha querido por à prova a fé daquela mulher pagã, ao fazer dificuldade em atender o seu pedido. Ou pode ser que ele tenha agido na lógica da cultura judaica que excluía as pessoas de outras religiões da bênção de Deus. Se foi para pô-la à prova, ela passou no teste, demonstrando a grandeza de sua fé e de sua humildade. Se ele agiu por preconceito, foi humilde ao modificar sua posição, reconhecendo a preciosidade de sua fé e concedendo-lhe a libertação de sua filha.
A mulher insistiu: “É verdade, Senhor; mas os cachorrinhos também comem as migalhas que caem da mesa de seus donos! (Mt 15, 27)

Postagem em destaque

Trate seus irmãos com misericórdia

11 de agosto de 2022 Dia de Santa Clara EVANGELHO Mt 18,21–19,1 Naquele tempo, 18,21Pedro aproximou-se de Jesus e perguntou: “Senhor, quanta...

POSTAGENS MAIS VISTAS