Mostrando postagens com marcador ais. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ais. Mostrar todas as postagens

20201013

AI DE VOCÊS!

                                                 

                          Ai de vocês, fariseus! (Lc 11, 42) 

14 de outubro de 2020.


Não basta sermos religiosos. Precisamos ser verdadeiros, autênticos. No tempo de Jesus, o povo de sua terra era muito religioso. Sobressaiam os fariseus, uma confraria de homens devotos e praticantes da Lei. No final do primeiro século, quando os judeus tinham perdido a guerra contra os romanos e tinham se espalhado pelo estrangeiro, a influência dos fariseus ficou ainda mais forte. Eles pareciam ter o modo mais certo e seguro de praticar a sua religião. Neste contexto, as comunidades cristãs, que nasceram no seio das comunidades judaicas, ficaram meio inseguras. Foi nesse tempo que os evangelistas reuniram em seus escritos as críticas que Jesus tinha feito àquela religiosidade baseada no cumprimento da Lei. 

Os antigos profetas, às vezes, ficavam bravos com o povo e com suas lideranças quando se desviavam da Aliança com Deus. Nessa oportunidade, eles lançavam os “ais” sobre o povo. Era uma forma de condenação das coisas erradas que estavam acontecendo. Jesus também se utilizou desse expediente. No caso dos fariseus, por exemplo, ele foi forte. No texto de hoje, tem quatros “ais” lançados contra a religiosidade doentia deles. 

O que Jesus disse sobre os fariseus daquele tempo, com certeza, também serve para nós, hoje. A nossa prática religiosa pode sempre ser corrigida e melhorada, não é verdade? Então, vamos ouvir com atenção os “ais” de Jesus contra os fariseus. E se a carapuça cair em nossa cabeça, vamos assumi-la como uma chamada de atenção de Jesus para sermos mais verdadeiros e autênticos. 

O primeiro “ai de vocês, fariseus” foi uma denúncia do seu legalismo. Eles se concentravam em coisas secundárias e deixavam de lado as mais importantes. Pagavam o dízimo de coisas pequenas (por exemplo da hortelã, do arruda, de outras ervas), mas deixavam de lado a justiça e o amor de Deus. Legalismo. 

O segundo “ai de vocês, fariseus” foi uma denúncia de sua busca de privilégios. Eles eram bem vistos e reverenciados pelo povo. Assim, adoravam ser saudados pelo povo nas praças e disputavam lugares de honra nas sinagogas e nos jantares. Busca de prestígio e de privilégios. 

O terceiro “ai de vocês, fariseus” foi uma denúncia contra o culto da aparência. Jesus os comparou com túmulos escondidos debaixo da grama por onde se anda. O externo é uma coisa, o interno... sai de perto. O culto da aparência. 

O quarto “ai de vocês, mestres da Lei” foi uma denúncia de sua incoerência. Não faziam o que pregavam. Sobrecarregavam o povo de cargas insuportáveis, mas eles mesmos não mexiam uma palha. Incoerência. 

Guardando a mensagem 

Uma religiosidade baseada no cumprimento de normas, como a que viviam os fariseus, corre o risco de ser uma coisa estéril, com graves defeitos: legalismo, busca de privilégios, culto da aparência e incoerência. Fingindo o louvor de Deus, estão na verdade defendendo seu status quo e ampliando seus privilégios. A verdadeira religião leva à conversão do coração, à verdade, à caridade, à fraternidade. 

 Ai de vocês, fariseus! (Lc 11, 42) 

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 

As críticas que dirigiste aos fariseus nos assustam. E nos assustam porque o farisaísmo é sempre uma tentação permanente em nossa vida. Mas é sempre muito bom ouvir tua palavra que nos corrige, nos adverte, nos orienta no caminho da verdade e da vida. Concede, Senhor, que, apesar de nossa fraqueza, o teu Santo Espírito nos conduza pelos teus caminhos. Tu, Senhor, és o caminho, a verdade, a vida. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

Dentro do espírito missionário desse mês, compartilhe a Meditação com os seus contatos. 

Vá reservando as tardes de 23 e 24 deste mês, para o  nosso 3o. Acampamento Tempo de Paz. 

Amanhã, uma quinta-feira eucarística, celebro a Santa Missa às 11 horas e você me acompanha pelo Youtube, pelo Facebook ou pelo aplicativo Tempo de Paz. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb

20200826

SEPULCROS CAIADOS


Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça (Mt 23, 28).

26 de agosto de 2020.


Jesus foi muito duro com os fariseus. Desmascarou neles a presunção de serem santos e fiéis diante do povo, mas na verdade serem movidos por sentimentos e interesses reprováveis: o desprezo pelos mais pobres ou menos praticantes, o sentimento de superioridade sobre os outros, o exibicionismo de sua piedade, a hipocrisia de suas ações. No evangelho de hoje, os chamou de sepulcros caiados, bonitos por fora, mas podres por dentro. Olha a palavra de hoje: “Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça” (Mt 23, 28).

Nesse confronto com os fariseus, Jesus usa a fórmula dos “ais” dos antigos profetas. É uma forma de denúncia e condenação. O capítulo 23 do evangelho de São Mateus registra sete “ais” que ele dirigiu contra os fariseus. O texto de hoje nos reporta dois deles. E a denúncia é clara: aparentam uma coisa e são outra (são como sepulcros caiados); e são coniventes com a violência, disfarçando homenagem às vítimas (ficam enfeitando os túmulos dos justos).

Bom, essa palavra de Jesus não é mais para reprovar os antigos fariseus que já não existem. Hoje, essa palavra vem para nos corrigir no que exista, em nós ou entre nós, de farisaísmo, de hipocrisia, de culto à aparência. Sim, porque o mundo presta culto à aparência, como eu digo naquela música “Profetas”. Vale mais a fachada, do que o interior. Vale mais a aparência do que a realidade. E é isso que Jesus está recriminando.

E onde a gente precisa se corrigir? Bom, por fora, a coisa já está bonita. É por dentro que precisamos mudar, para sermos tão cordiais com os de casa como o somos com as pessoas de fora; para que o nosso sorriso corresponda aos verdadeiros sentimentos do nosso coração. É um convite, então, para limparmos nosso coração de tanta coisa ruim, de tantos sentimentos negativos, preconceitos, desejos de vingança... Sermos bons por dentro e por fora, sem segundas intenções, nem mascaramentos. E o remédio, qual é? A conversão. Nada de farisaísmo. Nada de máscaras, de mentiras, de faz de conta. Verdadeiros e bons, por dentro e por fora. É assim que Jesus nos quer.

Guardando a mensagem

São sete “ais” que Jesus dirige aos fariseus, usando a fórmula clássica de condenação usada pelos antigos profetas. Nos dois “ais” do evangelho de hoje, Jesus denuncia a falsidade deles. São sepulcros caiados: cara bonita, aparência de santidade, mas movidos a ambições, maldades e a preconceito. Enfeitam os túmulos dos justos: é apenas um disfarce de sua conivência com a violência e a exclusão. Isso tudo Jesus está dizendo, hoje, não mais para os antigos fariseus, mas para o que existir de ‘fariseu’ dentro de nós e em nossa convivência social.

Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça (Mt 23, 28).

Vamos rezar a palavra

Senhor Jesus, 
a palavra, hoje, é uma chamada de atenção para nós. Como cristãos, precisamos ser coerentes com o que professamos. Não podemos ser pessoas que parecem uma coisa e são outra, que defendem uma coisa e vivem outra. Ah, Senhor, vivemos numa sociedade que valoriza mais a embalagem que o conteúdo. Assim, somos permanentemente tentados a parecer mais do que ser. Ensina-nos, Senhor, a ser verdadeiros, a cultivar uma consciência reta, um coração puro como o teu. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Faça um exame de consciência. O evangelho de hoje pede pra você corrigir alguma coisa em sua vida?

Amanhã, quinta-feira, vamos rezar pelos desempregados na Missa das 11 horas, com transmissão em meu Canal do Youtube. 

Pe. João Carlos Ribeiro, sdb




20191016

UMA RELIGIOSIDADE FALSA


Ai de vocês, fariseus! (Lc 11, 42) 


16 de outubro de 2019. 

Não basta sermos religiosos. Precisamos ser verdadeiros, autênticos. No tempo de Jesus, o povo de sua terra era muito religioso. Sobressaiam os fariseus, uma confraria de homens devotos e praticantes da Lei. No final do primeiro século, quando os judeus tinham perdido a guerra contra os romanos e tinham se espalhado pelo estrangeiro, a influência dos fariseus ficou ainda mais forte. Eles pareciam ter o modo mais certo e seguro de praticar a sua religião. Neste contexto, as comunidades cristãs, que nasceram no seio das comunidades judaicas, ficaram meio inseguras. Foi nesse tempo que os evangelistas reuniram em seus escritos as críticas que Jesus tinha feito àquela religiosidade baseada no cumprimento da Lei. 

Os antigos profetas, às vezes, ficavam bravos com o povo e com suas lideranças quando se desviavam da Aliança com Deus. Nessa oportunidade, eles lançavam os “ais” sobre o povo. Era uma forma de condenação das coisas erradas que estavam acontecendo. Jesus também se utilizou desse expediente. No caso dos fariseus, por exemplo, ele foi forte. No texto de hoje, tem quatros “ais” lançados contra a religiosidade doentia deles. 

O que Jesus disse sobre os fariseus daquele tempo, com certeza, também serve para nós, hoje. A nossa prática religiosa pode sempre ser corrigida e melhorada, não é verdade? Então, vamos ouvir com atenção os “ais” de Jesus contra os fariseus. E se a carapuça cair em nossa cabeça, vamos assumi-la como uma chamada de atenção de Jesus para sermos mais verdadeiros e autênticos. 

O primeiro “ai de vocês, fariseus” foi uma denúncia do seu legalismo. Eles se concentravam em coisas secundárias e deixavam de lado as mais importantes. Pagavam o dízimo de coisas pequenas (por exemplo da hortelã, do arruda, de outras ervas), mas deixavam de lado a justiça e o amor de Deus. Legalismo. 

O segundo “ai de vocês, fariseus” foi uma denúncia de sua busca de privilégios. Eles eram bem vistos e reverenciados pelo povo. Assim, adoravam ser saudados pelo povo nas praças e disputavam lugares de honra nas sinagogas e nos jantares. Busca de prestígio e de privilégios. 

O terceiro “ai de vocês, fariseus” foi uma denúncia contra o culto da aparência. Jesus os comparou com túmulos escondidos debaixo da grama por onde se anda. O externo é uma coisa, o interno... sai de perto. O culto da aparência. 

O quarto “ai de vocês, mestres da Lei” foi uma denúncia de sua incoerência. Não faziam o que pregavam. Sobrecarregavam o povo de cargas insuportáveis, mas eles mesmos não mexiam uma palha. Incoerência. 

O Papa Francisco, ontem, em sua homilia, falou precisamente sobre a hiprocrisia, o aparentar de uma maneira e ser de outra. É necessário ser curado deste comportamento, disse ele. O remédio é dizer a verdade diante de Deus. É começar reconhecendo o seu pecado, a sua hipocrisia. 

Guardando a mensagem 

Uma religiosidade baseada no cumprimento de normas, como a que viviam os fariseus, corre o risco de ser uma coisa estéril, com graves defeitos: legalismo, busca de privilégios, culto da aparência e incoerência. Fingindo o louvor de Deus, estão na verdade defendendo seu status quo e ampliando seus privilégios. A verdadeira religião leva à conversão do coração, à verdade, à caridade, à fraternidade. 

Ai de vocês, fariseus! (Lc 11, 42) 

Rezando a palavra 

Senhor Jesus, 

As críticas que dirigiste aos fariseus nos assustam. E nos assustam porque o farisaísmo é sempre uma tentação permanente em nossa vida. Mas é sempre muito bom ouvir tua palavra que nos corrige, nos adverte, nos orienta no caminho da verdade e da vida. Concede, Senhor, que, apesar de nossa fraqueza, o teu Santo Espírito nos conduza pelos teus caminhos. Tu, Senhor, és o caminho, a verdade, a vida. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém. 

Vivendo a palavra 

Dentro do espírito missionário desse mês, compartilhe a Meditação com os seus contatos. 

Para ler o texto da Meditação de hoje, acesse: www.padrejoaocarlos.com . 

Eu estou lhe enviando, hoje, o áudio da nova música QUERO QUE VALORIZE, a terceira faixa do meu novo trabalho musical. Espero que goste. 

A gente se encontra às dez da noite, no facebook. 

Pe. João Carlos Ribeiro – 16 de outubro de 2019.

20190827

FALSIDADE ZERO

28 de agosto de 2019 – Dia de Santo Agostinho
Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça (Mt 23, 28).
Jesus foi muito duro com os fariseus. Desmascarou neles a presunção de serem santos e fiéis diante do povo, mas na verdade serem movidos por sentimentos e interesses reprováveis: o desprezo pelos mais pobres ou menos praticantes, o sentimento de superioridade sobre os outros, o exibicionismo de sua piedade, a hipocrisia de suas ações. No evangelho de hoje, os chamou de sepulcros caiados, bonitos por fora, mas podres por dentro. Olha a palavra de hoje: “Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça” (Mt 23, 28).
Nesse confronto com os fariseus, Jesus usa a fórmula dos “ais” dos antigos profetas. É uma forma de denúncia e condenação. O capítulo 23 do evangelho de São Mateus registra sete “ais” que ele dirigiu contra os fariseus. O texto de hoje nos reporta dois deles. E a denúncia é clara: aparentam uma coisa e são outra (são como sepulcros caiados); e são coniventes com a violência, disfarçando homenagem às vítimas (ficam enfeitando os túmulos dos justos).
Bom, essa palavra de Jesus não é mais para reprovar os antigos fariseus que já não existem. Hoje, essa palavra vem para nos corrigir no que exista, em nós ou entre nós, de farisaísmo, de hipocrisia, de culto à aparência. Sim, porque o mundo presta culto à aparência, como eu digo naquela música “Profetas”. Vale mais a fachada, do que o interior. Vale mais a aparência do que a realidade. E é isso que Jesus está recriminando.
E onde a gente precisa se corrigir? Bom, por fora, a coisa já está bonita. É por dentro que precisamos mudar, para sermos tão cordiais com os de casa como o somos com as pessoas de fora; para que o nosso sorriso corresponda aos verdadeiros sentimentos do nosso coração. É um convite, então, para limparmos nosso coração de tanta coisa ruim, de tantos sentimentos negativos, preconceitos, desejos de vingança... Sermos bons por dentro e por fora, sem segundas intenções, nem mascaramentos. E o remédio, qual é? A conversão. Nada de farisaísmo. Nada de máscaras, de mentiras, de faz de conta. Verdadeiros e bons, por dentro e por fora. É assim que Jesus nos quer.
Na ordenação dos presbíteros (os padres), o Bispo ordenante diz essas palavras, na altura da homilia: “Meditando na lei do Senhor, procura crer o que lês, ensinar o que crês e viver o que ensinas”. Nada de farisaísmo, de ensinar sem praticar. E eu relembro essas palavras, exatamente hoje, no aniversário de minha ordenação presbiteral.
Guardando a mensagem
São sete “ais” que Jesus dirige aos fariseus, usando a fórmula clássica de condenação usada pelos antigos profetas. Nos dois “ais” do evangelho de hoje, Jesus denuncia a falsidade deles. São sepulcros caiados: cara bonita, aparência de santidade, mas movidos a ambições, maldades e a preconceito. Enfeitam os túmulos dos justos: é apenas um disfarce de sua conivência com a violência e a exclusão. Isso tudo Jesus está dizendo, hoje, não mais para os antigos fariseus, mas para o que existir de ‘fariseu’ dentro de nós e em nossa convivência social.
Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça (Mt 23, 28).
Rezando a palavra
Senhor Jesus, 
a palavra, hoje, é uma chamada de atenção para nós. Como cristãos, precisamos ser coerentes com o que professamos. Não podemos ser pessoas que parecem uma coisa e são outra, que defendem uma coisa e vivem outra. Ah, Senhor, vivemos numa sociedade que valoriza mais a embalagem que o conteúdo. Assim, somos permanentemente tentados a parecer mais do que ser. Ensina-nos, Senhor, a ser verdadeiros, a cultivar uma consciência reta, um coração puro como o teu. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Faça um exame de consciência. O evangelho de hoje pede pra você corrigir alguma coisa em sua vida?
A gente vê no facebook, em minha página @padrejoaocarlos, às dez da noite.

Pe. João Carlos Ribeiro – 28 de agosto de 2019.

20190826

ABRA O OLHO!


Ai de vocês, guias cegos! (Mt 23, 16)
26 de agosto de 2019.
Os antigos profetas, como Isaías e Jeremias, tinham denunciado a má conduta das lideranças do seu povo. Era comum, nessas ocasiões, usarem a expressão: “Ai de vocês...”. Jesus assume o modo de falar dos profetas diante das lideranças do seu tempo, particularmente em confronto com o grupo de maior influência sobre o dia-a-dia do seu povo, o grupo dos fariseus.
Os fariseus formavam uma grande confraria de homens praticantes da Lei de Moisés. Eles marcavam o ritmo da vida do seu povo, com sua forte influência nas sinagogas, nas praças, nas peregrinações, nas rodas de discussão no Templo de Jerusalém. A elite dos fariseus era formada pelos doutores da Lei, os mais estudados, chamados mestres e tidos como guias do povo. Eles interpretavam a Lei escrita e oral, sufocando o povo com centenas de mandamentos e normas e discriminando os mais pobres, doentes e sofredores.
O evangelho de hoje traz três AIS de Jesus contra os fariseus e os seus mestres. “Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus hipócritas”. E as reclamações são três: fecham o acesso do Reino de Deus ao povo, não entram nem deixam entrar; Quando conseguem converter alguém, fazem dele um ser pior do que eles mesmos; E no fundo, ensinam que os bens materiais têm mais valor do que as coisas de Deus.
Jesus os chama de GUIAS CEGOS. A cegueira era uma doença muito comum em Israel e em todo o Oriente. Dizem que uma das causas dessa cegueira era o clima. Jesus mesmo curou vários cegos: o de Betesda, o de Jericó e o de Jerusalém. A cegueira é tomada no evangelho como uma representação espiritual da falta da luz de Deus ou da obstinação em não se ver. Assim, comparativamente, quem não tem a luz de Deus, quem não tem a fé, está se conduzindo nesse mundo como cego. Houve até aquele episódio da cura do cego, em que Jesus tirou essa conclusão: “Cego mesmo é quem vê, mas não enxerga”. Pois bem, nessa denúncia, Jesus está chamando os fariseus de cegos. Não querem enxergar o Reino de Deus que chegou com ele, não querem reconhecer a obra de Deus que está se realizando com a presença do Messias.  E o problema não é só estarem cegos. O pior é que, como cegos, estão conduzindo o povo. São líderes cegos. São guias cegos.
Guardando a mensagem
Jesus assume a atitude dos antigos profetas, denunciando abertamente a conduta de um influente grupo religioso, os fariseus. Ele recomendava ao povo que fizesse o que eles ensinavam, mas não imitasse as suas ações.  E, corajosamente, colocou-se frente a frente com eles, reprovando sua conduta, com a linguagem dos “ais” dos antigos profetas. Ele os chamou de guias cegos. Além de cegos (sem a luz de Deus, fechados à manifestação do Reino de Deus), são guias cegos (arvorando-se em líderes, pastores do rebanho de Deus).  A aplicação desse texto, nos dias de hoje, não é difícil. Há muito cego fazendo-se de guia, por interesses econômicos, políticos, religiosos. Fique alerta! Abra o olho! Nâo vá na conversa deles.
Ai de vocês, guias cegos! (Mt 23, 16)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Identificaste, nos ensinamentos dos fariseus e seus mestres, mais interesse pelas coisas materiais do que respeito pelas coisas sagradas. Senhor, diante do teu evangelho de hoje, te pedimos duas coisas: não nos deixes ser como eles e não nos deixes ser guiados por gente como eles. Teus ensinamentos nos abrem os olhos para corrigirmos qualquer tendência farisaica existente entre nós e para nos acautelarmos contra guias cegos que sempre querem comandar o povo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
No seu diário espiritual (seu caderno de anotações), escreva uma oração, pedindo a Jesus a luz do Espírito Santo para que você possa conduzir sua casa ou aqueles que dependem de você com sabedoria, não como guia cego.

Pe. João Carlos Ribeiro – 26 de agosto de 2019.

20190217

AS QUATRO BEM-AVENTURANÇAS DO REINO


Bem-aventurados vocês, os pobres, porque o Reino de Deus é de vocês (Lc 6, 20)

17 de fevereiro de 2019.

Certamente, você já ouviu alguém dizer assim: “Procurei isso ou aquilo pelos quatro cantos do mundo”. Tudo bem, o mundo não tem só quatro cantos. A pessoa está querendo dizer que procurou por todo canto. Também na Bíblia, quatro é um número de totalidade, engloba tudo ou todos.

No evangelho de hoje, Lucas capítulo 6, são quatro as proveniências da grande multidão que se reuniu para ouvir Jesus (Judeia, Jerusalém, Tiro e Sidônia). Isso quer dizer, que estavam ali todos os discípulos de Jesus. Nós também cabemos nesse grande grupo que está reunindo-se para ouvir a pregação do Mestre.  São quatro também as bem-aventuranças. Elas estão dirigidas aos necessitados, aos famintos, aos entristecidos e aos perseguidos. Isso quer dizer, que nessas quatro categorias, estão todos os filhos de Deus. Também são quatro os ‘ais’. Eles são dirigidos aos endinheirados, aos fartos, aos gozadores e aos aplaudidos pelo mundo. Estas quatro categorias reúnem todos os que estão precisando ser advertidos.

De que Jesus vai falar à multidão reunida na planície? Certamente, do que ele mais falava, do Reino de Deus. As bem-aventuranças equivalem ao manifesto do Reino de Deus. Ali estão os grandes ideais que norteiam o caminho dos discípulos. Podemos pensar nas bem-aventuranças  também como uma síntese do evangelho, o suprassumo da pregação de Jesus sobre o Reino de Deus.

“Bem-aventurados, vocês, os pobres, porque o Reino de Deus é de vocês” (Lc 6, 20). É a primeira bem-aventurança. Pobreza/necessidade vem respondida pela RIQUEZA do Reino de Deus. Os necessitados são ditosos, felizes, abençoados, porque o Reino de Deus lhes pertence. O Reino é dom de Deus para eles. Deus é a sua riqueza, o seu bem maior. O primeiro ‘ai’ refere-se aos ricos. Eles já têm a própria consolação, já tem a própria riqueza. A riqueza dos pobres é Deus, o seu Reino. O profeta Jeremias tinha proclamado maldito o homem que confia no homem (nos seus bens, na sua inteligência, no seu dinheiro) e bendito o homem que confia no Senhor. O REINO é a resposta de Deus aos necessitados.

“Bem-aventurados vocês que têm fome, porque serão saciados” (Lc 6, 21). É a segunda bem-aventurança. Fome/carência vem respondida pelo ALIMENTO. Os carentes experimentam o Reino como mesa farta, saciedade. Na multiplicação dos pães no deserto, o povo faminto experimentou como Deus cuida do seu povo, como a solidariedade permite a partilha, a abundância. Na pescaria, o trabalhador que voltou de uma noite de insucesso, trabalhando agora orientado pela Palavra de Jesus realiza uma pesca abundante. A MESA FARTA é a resposta de Deus aos famintos, aos carentes.

“Bem-aventurados vocês, que agora choram, porque haverão de rir” (Lc 6, 21). É a terceira bem-aventurança. Choro/tristeza vem respondido pela ALEGRIA. É o que se pode experimentar no Reino de Deus. A mulher que encontrou sua moedinha perdida reuniu as amigas para festejar o fato. O pastor, que encontrou sua ovelha perdida, alegrou-se com os colegas pelo reencontro de sua ovelhinha. O filho pródigo foi surpreendido pela festa que o pai fez na sua volta pra casa. O pai fez um churrasco com o novilho cevado e contratou músicos para animar a festança em sua casa. A obra de Jesus, a restauração, enche o nosso coração de alegria. A ALEGRIA DA SALVAÇÃO é a resposta de Deus aos sofredores.

“Bem-aventurados serão quando os homens odiarem vocês, os expulsarem, os insultarem e amaldiçoarem o seu nome por causa do Filho do Homem” (Lc 6, 22). É a quarta bem-aventurança. A perseguição/crítica vem respondida com a RECOMPENSA NO CÉU. O mundo aplaude os falsos profetas. Os profetas de verdade são perseguidos. O cristianismo, desde o início, conheceu o martírio. O primeiro mártir foi o próprio Jesus. E Deus o recompensou com a ressurreição. Ao terceiro dia, ele levantou-se da morte e voltou à vida, glorioso e triunfante sobre o mal. A carta de Paulo aos Coríntios fala da ressureição de Jesus, como fundamento de nossa fé (1 Cor 15). “Cristo ressuscitou dos mortos como primícias dos que morreram”. A RESSURREIÇÃO é a resposta de Deus à perseguição.

Vamos guardar a mensagem

As bem-aventuranças valem como um manifesto do Reino de Deus. É como uma síntese da boa notícia de Jesus, do seu evangelho. Todos os bem-aventurados, os abençoados estão representados em quatro categorias: os pobres ou necessitados, os famintos, os entristecidos e os perseguidos. O Reino não é uma conquista dos justos, como pensavam os religiosos do tempo de Jesus. Não o conquistam por sua bondade ou por força da prática fiel da Lei. O Reino é um dom, uma dádiva de Deus aos que põem nele sua confiança. O Reino é fartura, abundância, prosperidade na mesa dos famintos. Jesus mesmo os alimenta. Ele mesmo faz-se pão da vida para saciá-los. O Reino é justiça, alegria e paz, no Espírito Santo, como disse Paulo  (Rm14,17). É a festa da restauração. O Reino é certeza da recompensa no céu, da vitória. Vitória do profeta perseguido, do justo crucificado. O crucificado ressuscitou, penhor da ressurreição de todos nós que o seguimos.

Bem-aventurados vocês, os pobres, porque o Reino de Deus é de vocês (Lc 6, 20)

Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Longe de nós por nossa confiança no dinheiro, na riqueza deste mundo. Queremos acolher o Reino de Deus, como dom que nos é oferecido, como nossa maior riqueza. Longe de nós vivermos na condição de quem não precisa mais de nada, nem de ninguém. Queremos acolher o Reino, com sede e fome de justiça, buscando fraternidade, solidariedade e confiança na tua providência. Longe de nós vivermos a alegria falsa da bebida, das drogas ou da indiferença com a dor dos outros. Queremos viver a verdadeira alegria que o Reino nos traz pelo perdão, pela salvação que nos alcançaste. Longe de nós querermos agradar ao mundo e à opinião pública, negando o evangelho da vida, da família, da verdade. Queremos ser-te fieis, mesmo no meio de incompreensões ou perseguições, certos que este é o caminho da vitória. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Vou lhe sugerir uma coisa que você já faz. Compartilhe essa meditação com seus contatos. Aliás, não só compartilhe, mas também recomende. Compartilhar as coisas da fé é um testemunho que damos de amor a Deus e à sua Igreja. É também uma oportunidade que oferecemos a outras pessoas de se sentirem mais próximas de Deus.

Pe. João Carlos Ribeiro – 17.02.2019

20170830

POR DENTRO E POR FORA

Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça (Mt 23, 28).
Jesus foi muito duro com os fariseus. Desmascarou neles a presunção de serem santos e fieis diante dos outros, mas na verdade serem movidos por sentimentos e interesses reprováveis: o desprezo pelos mais pobres ou menos praticantes, o sentimento de superioridade sobre os outros, o exibicionismo de sua piedade, a hipocrisia de suas ações. No evangelho de hoje, os chamou de sepulcros caiados, bonitos por fora mas, podres por dentro. Olha a palavra de hoje: “Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça” (Mt 23, 28).
Nesse confronto com os fariseus, Jesus usa a fórmula dos “ais” dos antigos profetas. É uma forma de denúncia e condenação. O capítulo 23 do evangelho de São Mateus registra sete “ais” que ele dirigiu contra os fariseus. O texto de hoje nos reporta dois deles. E a denúncia é clara: aparentam uma coisa e são outra (são como sepulcros caiados); e são coniventes com a violência, disfarçando homenagem às vítimas (ficam enfeitando os túmulos dos justos).
Bom, essa palavra de Jesus não é mais para reprovar os antigos fariseus que já não existem. Hoje, essa palavra vem para nos corrigir no que exista, em nós ou entre nós, de farisaísmo, de hipocrisia, de culto à aparência. Sim, porque o mundo presta culto à aparência, como eu digo naquela música “Profetas”. Vale mais a fachada, do que o interior. Vale mais a aparência do que a realidade. E é isso que Jesus está recriminando.
E onde a gente precisa se corrigir? Bom, por fora, a coisa já está bonita. É por dentro que precisamos mudar, para sermos tão cordiais com os de casa como o somos com as pessoas de fora; para que o nosso sorriso corresponda aos verdadeiros sentimentos do nosso coração. É um convite, então, para limparmos nosso coração de tanta coisa ruim, de tantos sentimentos negativos, preconceitos, desejos de vingança... Sermos bons por dentro e por fora, sem segundas intenções, nem mascaramentos. E o remédio, qual é? A conversão. Nada de farisaísmo. Nada de máscaras, de mentiras, de faz de conta. Verdadeiros e bons, por dentro e por fora. É assim que Jesus nos quer.
Vamos guardar a mensagem de hoje
São sete “ais” que Jesus dirige aos fariseus, usando a fórmula clássica de condenação usada pelos antigos profetas. Nos dois “ais” do evangelho de hoje, Jesus denuncia a falsidade deles. São sepulcros caiados: cara bonita, aparência de santidade, mas movidos a ambições, a maldades, a preconceito. Enfeitam os túmulos dos justos: é apenas um disfarce de sua conivência com a violência e a exclusão. Isso tudo Jesus está dizendo, hoje, não mais para os antigos fariseus, mas para o que existir de ‘fariseu’ dentro de nós e em nossa convivência social.
Vocês, por fora, parecem justos, diante dos outros, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiça (Mt 23, 28).

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...