Mostrando postagens com marcador sangue. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador sangue. Mostrar todas as postagens

20190214

AS COISAS RUINS QUE SAEM DO CORAÇÃO



O que torna a pessoa impura não é o que vem de fora, mas o que sai do seu interior (Mc 7, 15).
13 de fevereiro de 2019.
No tempo de Jesus, havia uma preocupação exagerada com a pureza ritual. A pureza era a condição de quem estava limpo, de quem não foi contaminado por alguma coisa externa. Muita coisa podia contaminar uma pessoa e torná-la impura. E uma vez impura, a pessoa tinha que passar por muitos rituais para se limpar: quarentena, banho, abluções, sacrifícios de animais e outras coisas mais.  A pessoa impura ficava afastada das coisas de Deus, não podia praticar a religião publicamente, não estava em condições de se apresentar a Deus. Nem podia estar junto dos outros, para não contaminá-los.
E o que causava impureza para uma pessoa? A lista é longa. O sangue era o elemento mais perturbador da harmonia religiosa do povo de Deus. Nisto, a mulher saía muito prejudicada pela menstruação mensal e pelo parto. Muitos alimentos estavam proibidos, pois transmitiam impureza, por exemplo, carne de porco e de outros animais também. Também se tornava impuro quem tocasse num morto, quem tivesse qualquer aproximação com pagãos, quem tivesse qualquer contato com um leproso. Era um crime um impuro se aproximar de uma pessoa e, impensável, que viesse a tocá-la. Contaminaria gravemente a pessoa que fosse tocada.

Você já percebeu que as leis da pureza no tempo de Jesus representavam uma grande opressão para as pessoas, impedindo que se cuidasse melhor dos doentes, discriminando os pobres e marginalizando ainda mais a mulher. Os fariseus, que formavam uma numerosa confraria de homens praticantes da Lei, ficavam antenados para recriminar ou denunciar qualquer um que não andasse segundo essas leis da pureza. E Jesus, você sabe, não estava muito preocupado com essas leis, fruto de uma religiosidade feita de coisas exteriores e fomentadora de discriminação entre as pessoas.
O grave era que Jesus era tocado por pessoas impuras. A mulher do fluxo de sangue tocou na franja do seu manto.  Ele tocou no leproso para curá-lo. Pegou no caixão do morto em Naim, e mandou o rapaz se levantar. Desculpou os discípulos que estavam comendo sem terem lavado as mãos... Jesus não era um bom cumpridor das leis da pureza ritual do seu tempo. E os fariseus ficavam revoltados com isso. O raciocínio de Jesus era simples: não é o que entra pela boca que suja o homem, que o torna impuro. O que torna impura uma pessoa é o que sai dela, as coisas ruins que vêm do seu coração. O coração, para o povo da Bíblia, é onde se tomam as decisões.  Aí ele fez uma lista: más intenções, imoralidades, roubos, assassinatos, adultérios, ambições, maldades, fraudes, devassidão, inveja, calúnia, orgulho,... Tudo isso sai do coração de uma pessoa, disse Jesus. Isso, sim, torna a pessoa impura.
Guardando a mensagem
O que faz impura uma pessoa não é o que vem de fora, mas o que sai de dentro do seu coração. Foi esse o ensinamento de Jesus. O que vamos guardar da palavra dele, hoje? Uma lição pode ser essa: se uma prática, religiosa ou não, servir de alguma forma para desprezar, discriminar, afastar, cercear a liberdade, com certeza não é uma coisa de Deus. Outra lição: Com certeza, há muitos preconceitos que nós introjetamos durante a vida de que deveríamos nos libertar. Jesus era uma pessoa livre e libertadora. Por amor a Deus e aos irmãos, procure libertar-se dos preconceitos.
O que torna a pessoa impura não é o que vem de fora, mas o que sai do seu interior (Mc 7, 15).
Acolhendo a mensagem
Senhor Jesus,
Ficamos olhando, com curiosidade e admiração, para tua pessoa, vivendo na Galileia, naqueles anos 30. Eras um judeu piedoso, conhecedor das Escrituras como muitos outros, fiel às celebrações da sinagoga e às peregrinações anuais, respeitoso da bela história de fé do teu povo. Quando falavas do Reino, do amor misericordioso de Deus, revelando-o como pai amoroso dos seus filhos e filhas, o povo ficava encantado. Essa verdade de um Deus próximo e amoroso mexia com a religião de Israel, ou melhor, punha em xeque aquela religiosidade marcada por normas e ritos externos. Foi por isso que os fariseus e os mestres da lei reagiram tão ferozmente. Eles saíram em defesa da tradição como eles a entendiam e de sua posição de liderança ameaçada. Dá-nos, Senhor, que essa novidade, que é o teu evangelho, seja sempre um fermento para nos libertar de qualquer farisaísmo e de toda opressão. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Hoje, no seu diário espiritual (ou na sua agenda ou no seu caderno), anote as 13 coisas ruins que saem do coração. Isso sim torna a pessoa impura, disse Jesus. Para saber quais, leia Marcos 7, 14-23.

Pe. João Carlos Ribeiro – 13.02.2019

20190205

QUEM ME TOCOU?

Os discípulos disseram: “Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou?’” (Mc 5, 31)
05 de fevereiro de 2019.
Você recorda o evangelho de ontem? Naquela cena, Jesus estava em terras pagãs. Naquela região, ele encontrou um homem possuído por uma legião de espíritos maus que o mantinham morando no cemitério. O homem possuído pode muito bem ser uma representação do povo pagão. A cena ficou marcada pela presença dos porcos. O porco era sinal de impureza. Para os hebreus, os pagãos eram uma gente sem a bênção de Deus.
Hoje, Jesus volta à terra de Israel. Uma mulher e uma menina estão dolorosamente enfermas. A menina e a mulher podem estar representando o povo de Deus. E sabe por quê?  As duas estão ligadas ao número 12. Doze é o número do povo de Deus, o povo das doze tribos. A comunidade de Jesus, a sua Igreja, está em torno dos doze apóstolos.
Uma menina de doze anos estava morrendo. Ela era filha do chefe da sinagoga, Jairo. Uma mulher estava sofrendo de uma hemorragia há doze anos. O sangue era um problema grave na vida e na religião do povo da Bíblia. Qualquer contato com sangue gerava impureza nas pessoas. O impuro estava excluído do contato com os outros e das bênçãos de Deus. As mulheres eram as maiores prejudicadas por este sistema religioso da pureza legal, que vigorava no tempo de Jesus. E vou lhe dizer o porquê. Por causa da menstruação e do parto. Mensalmente, a mulher enfrenta a perda de sangue, na menstruação. Ficava impura. No parto, a mulher tinha que se purificar, com uma quarentena e sacrifícios no Templo. Sangue, que era sinal da vida, não podia ser desperdiçado, nem tocado. Gerava impureza. A impureza afastava a pessoa da bênção de Deus.
Então, no fundo, no fundo, o problema no texto de hoje é com o sangue, isto é com a impureza. Podemos imaginar, pensando um pouco ou seguindo os comentadores do evangelho, que a menina aos doze anos poderia estar na sua primeira menstruação. Poderia ser esse o seu problema, associado a alguma doença. E a mulher também sofria com uma hemorragia (de sangue) há muito tempo e já tinha gasto o que possuía com médicos e tratamentos. Pode-se pensar numa menstruação desordenada dessa senhora, um drama sem tamanho para sua vida religiosa.
Veja que imagem vai surgindo.... O povo de Deus está representado pela menina de 12 anos e pela mulher que sofria há 12 anos.  O povo de Deus, em sua vivência religiosa, estava marcado pela lei da pureza legal, que acabava marginalizando muita gente, sobretudo as mulheres. A menina e a mulher estão em grande sofrimento por causa do sangue, por causa das leis de pureza. É em Jesus, que este povo encontrará vida, saúde, purificação. Jesus nos salvou assumindo nossos pecados, tomando nosso lugar. De certo modo, ao ser tocado pela mulher impura, ele assume a sua impureza. O mesmo se diga, tocando na menina como o fez, tomando-a pela mão.
Guardando a mensagem
Na terra dos pagãos, Jesus libertou o homem que vivia no cemitério, limpando simbolicamente toda aquela terra da impureza dos porcos. Na história do homem do cemitério, Jesus está libertando o povo pagão daquela região. Jesus purificou aquela terra vencendo e expulsando o maligno. Na terra do povo de Deus, Jesus liberta as duas mulheres, devolvendo-lhe a saúde e incluindo-as na família e na comunidade, libertando-as da impureza da sua perda de sangue. Nesta história das duas mulheres, Jesus está libertando todo o povo de Deus. Claro que o evangelho tem muitas mensagens maravilhosas para nossa vida, mas elas precisam partir de uma compreensão dos elementos do texto.
Os discípulos disseram: “Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou?’” (Mc 5, 31)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Tu és o redentor da humanidade. Redentor dos de longe, os pagãos, e dos de perto, os membros do povo eleito. Lá, na região dos pagãos, encontraste a opressão do mal sobre o ser humano. E o venceste, atraindo para ti a ira daquela gente que te expulsou de suas terras. Na terra do povo santo, também encontraste a opressão da lei religiosa da pureza, que causava exclusão e sofrimento, sobretudo das mulheres e dos doentes. E, pela fé, comunicaste vida e saúde, tomando o lugar dos pecadores, carregando-te de suas dores.  Tu és o nosso redentor. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
Estamos numa semana dedicada aos enfermos, pela proximidade do Dia de N. Sra. de Lourdes, o Dia mundial do doente. Aparecendo uma oportunidade hoje, ajude alguma pessoa doente a viver o seu momento de enfermidade como verdadeiro encontro com o Senhor.
Pe. João Carlos Ribeiro – 05.02.2019

Postagem em destaque

Vá e faça a mesma coisa

Eu já andava desconfiado que o bom samaritano do evangelho fosse Jesus. Agora, já não tenho mais dúvidas. Bom, Jesus contou a históri...