PADRE JOÃO CARLOS - MEDITAÇÃO DA PALAVRA: doutores da lei
Mostrando postagens com marcador doutores da lei. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador doutores da lei. Mostrar todas as postagens

ABRA O OLHO!


Ai de vocês, guias cegos! (Mt 23, 16)
26 de agosto de 2019.
Os antigos profetas, como Isaías e Jeremias, tinham denunciado a má conduta das lideranças do seu povo. Era comum, nessas ocasiões, usarem a expressão: “Ai de vocês...”. Jesus assume o modo de falar dos profetas diante das lideranças do seu tempo, particularmente em confronto com o grupo de maior influência sobre o dia-a-dia do seu povo, o grupo dos fariseus.
Os fariseus formavam uma grande confraria de homens praticantes da Lei de Moisés. Eles marcavam o ritmo da vida do seu povo, com sua forte influência nas sinagogas, nas praças, nas peregrinações, nas rodas de discussão no Templo de Jerusalém. A elite dos fariseus era formada pelos doutores da Lei, os mais estudados, chamados mestres e tidos como guias do povo. Eles interpretavam a Lei escrita e oral, sufocando o povo com centenas de mandamentos e normas e discriminando os mais pobres, doentes e sofredores.
O evangelho de hoje traz três AIS de Jesus contra os fariseus e os seus mestres. “Ai de vocês, mestres da Lei e fariseus hipócritas”. E as reclamações são três: fecham o acesso do Reino de Deus ao povo, não entram nem deixam entrar; Quando conseguem converter alguém, fazem dele um ser pior do que eles mesmos; E no fundo, ensinam que os bens materiais têm mais valor do que as coisas de Deus.
Jesus os chama de GUIAS CEGOS. A cegueira era uma doença muito comum em Israel e em todo o Oriente. Dizem que uma das causas dessa cegueira era o clima. Jesus mesmo curou vários cegos: o de Betesda, o de Jericó e o de Jerusalém. A cegueira é tomada no evangelho como uma representação espiritual da falta da luz de Deus ou da obstinação em não se ver. Assim, comparativamente, quem não tem a luz de Deus, quem não tem a fé, está se conduzindo nesse mundo como cego. Houve até aquele episódio da cura do cego, em que Jesus tirou essa conclusão: “Cego mesmo é quem vê, mas não enxerga”. Pois bem, nessa denúncia, Jesus está chamando os fariseus de cegos. Não querem enxergar o Reino de Deus que chegou com ele, não querem reconhecer a obra de Deus que está se realizando com a presença do Messias.  E o problema não é só estarem cegos. O pior é que, como cegos, estão conduzindo o povo. São líderes cegos. São guias cegos.
Guardando a mensagem
Jesus assume a atitude dos antigos profetas, denunciando abertamente a conduta de um influente grupo religioso, os fariseus. Ele recomendava ao povo que fizesse o que eles ensinavam, mas não imitasse as suas ações.  E, corajosamente, colocou-se frente a frente com eles, reprovando sua conduta, com a linguagem dos “ais” dos antigos profetas. Ele os chamou de guias cegos. Além de cegos (sem a luz de Deus, fechados à manifestação do Reino de Deus), são guias cegos (arvorando-se em líderes, pastores do rebanho de Deus).  A aplicação desse texto, nos dias de hoje, não é difícil. Há muito cego fazendo-se de guia, por interesses econômicos, políticos, religiosos. Fique alerta! Abra o olho! Nâo vá na conversa deles.
Ai de vocês, guias cegos! (Mt 23, 16)
Rezando a palavra
Senhor Jesus,
Identificaste, nos ensinamentos dos fariseus e seus mestres, mais interesse pelas coisas materiais do que respeito pelas coisas sagradas. Senhor, diante do teu evangelho de hoje, te pedimos duas coisas: não nos deixes ser como eles e não nos deixes ser guiados por gente como eles. Teus ensinamentos nos abrem os olhos para corrigirmos qualquer tendência farisaica existente entre nós e para nos acautelarmos contra guias cegos que sempre querem comandar o povo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vivendo a palavra
No seu diário espiritual (seu caderno de anotações), escreva uma oração, pedindo a Jesus a luz do Espírito Santo para que você possa conduzir sua casa ou aqueles que dependem de você com sabedoria, não como guia cego.

Pe. João Carlos Ribeiro – 26 de agosto de 2019.

A VIÚVA POBRE E OS FARISEUS SABIDOS


Eles devoram as casas das viúvas, enquanto fingem fazer longas orações (Mc 12, 40)

11 de novembro de 2018.

Na liturgia deste domingo, a viúva está em evidência. Conta-se a história da pobre viúva estrangeira que hospedou o profeta Elias, numa grande seca. E a história da viúva pobrezinha  que deu uma oferta no Templo e foi elogiada por Jesus. Ela deu tudo o que tinha, e mesmo sendo tão pouco – duas moedinhas – deu mais do que todo mundo.  E no meio desse elogio à viúva pobre, tem uma crítica muito forte aos mestres da Lei, os fariseus estudados do tempo de Jesus. O que será tem uma coisa com a outra: a viúva pobre com os fariseus sabidos?

Quando se fala de pobre na Bíblia, aparecem três grupos: a viúva, o órfão e o estrangeiro. A viúva, perdendo o marido, perdeu sua referência e sua segurança. O órfão, pela perda do pai ou da mãe, é a própria figura do desamparo. O estrangeiro, migrante ou exilado, fora de sua terra e de sua parentela, está longe de sua pátria e de sua cultura.

O povo de Deus nunca poderia se esquecer de suas raízes, de sua história. Eles eram um povo de viúvas, órfãos e estrangeiros. Essa era a sua condição na servidão do Egito ou no exílio da Babilônia. Famílias dizimadas pelas guerras, povo deportado de sua terra pela pobreza ou pelos vencedores. Quando o povo  entrou na posse da terra prometida, assumiu o compromisso de cuidar bem dos pobres e sofredores. Eles mesmos tinham passado por essa condição de insegurança, desamparo e saudade de sua terra.  Como povo livre, assumiu o compromisso de amparar a viúva, proteger o órfão e acolher o estrangeiro pobre. Essa é a vocação de Israel, o povo de Deus.

O que Jesus encontrou no seu tempo? Um povo esquecido de sua vocação. Uma sociedade onde a norma era o desamparo e o abandono dos doentes, dos pobres  e a marginalização dos humildes. O que Jesus fez diante desse quadro tão doloroso?  Em primeiro lugar, agiu de maneira diferente. Nós o vemos, quase o tempo todo, ocupando-se dos doentes, cercado de famintos, procurado pelos leprosos, cegos, pessoas com deficiência. Ele organiza sua comunidade a partir dos pobres e marginalizados. Seus apóstolos são pescadores, cobrador de impostos, gente simples. Em segundo lugar, Jesus prega que o Reino de Deus é dos pobres, dos mansos, dos perseguidos.  Anuncia que sua missão é cuidar deles: trazer luz para os cegos, saúde para os doentes, liberdade para os oprimidos.

Em terceiro lugar,  Jesus corrige o que está errado. Ao lado de sua nova prática e de um vigoroso ensinamento sobre a centralidade dos pequenos no Reino de Deus, Jesus denuncia os que negam a cidadania dos pobres e os que tristemente os exploram. Nesse nível, podemos entender melhor a palavra de hoje: “Eles devoram as casas das viúvas, enquanto fingem fazer longas orações”. De quem Jesus está falando? Dos mestres da lei, os fariseus estudados.  Foi o que ele disse, depois de reclamar do modo como viviam de ostentação e de busca de privilégios.  Reclamou que eles gostavam de se sentar nos primeiros lugares na sinagoga. Eles se tornaram fortes lideranças na vida religiosa das comunidades. Assim, em vez de liderar a comunidade como espaço de todos, a começar dos mais humildes, o fazia em benefício de seus interesses. As comunidades cristãs, ao menos no início do cristianismo, eram formadas por gente humilde. O apóstolo Tiago claramente nos diz isso, quando pergunta onde estão os ricos e influentes na comunidade. Em nossas comunidades, há sempre o risco de no centro não estarem mais os pobres e sofredores, mas os ricos e influentes e seus interesses. E a comunidade acabar reforçando a desigualdade social e a marginalização dos pobres presente na sociedade.

Guardando a mensagem

O povo de Deus foi formado por gente muito sofrida. Sua maior referência é a memória que Deus os tirou da escravidão do Egito. Com o salmo 145, o povo eleito celebrava a obra de Deus que protege o estrangeiro, ampara o órfão e a viúva, mas confunde os caminhos dos maus. A comunidade de Jesus anuncia o Reino de Deus dado aos pobres e sofredores. As comunidades cristãs seguintes também foram formadas por gente humilde. Mas, sempre houve a tentação de, à imitação das classes dominantes na sociedade, uma elite tomar a liderança da comunidade, escanteando e esquecendo os pobres, como fizeram os mestres da Lei no tempo de Jesus. Esse é o alerta do evangelho de hoje. Pior ainda, quando, além de tomar o espaço dos pequeninos na comunidade, as lideranças aproveitam-se deles, pela exploração econômica. Esse ensinamento de Jesus é um incentivo para construirmos comunidades segundo o evangelho da viúva e para nos pormos em alerta contra modelos segundo o evangelho dos fariseus sabidos.

Eles devoram as casas das viúvas, enquanto fingem fazer longas orações (Mc 12,40)     
 
Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Chamaste a atenção dos discípulos para o modo como os mestres da Lei se comportavam, em sua liderança, buscando prestígio, disputando privilégios e ostentando superioridade. Eles apossavam-se do lugar dos humildes na comunidade, descaracterizando a vocação do povo eleito de amparar a viúva, defender o órfão e acolher o estrangeiro pobre. Fizeste uma denúncia muito séria contra eles: devoram a casa da viúva, em nome da religião. Hás de nos perdoar, Senhor, se ficamos aplicando tuas palavras ao que vemos hoje, em nome da fé. Dá-nos a graça, Senhor, de acolher teus ensinamentos e construir famílias e comunidades cristãs onde os pequenos estejam no centro de nossa atenção, especialmente  as crianças, os doentes e os idosos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Leia o evangelho deste domingo, em sua Bíblia ( Marcos 12, 38-44) e compartilhe a Meditação com seus parentes e amigos.

Pe. João Carlos Ribeiro – 11.10.2018

NÃO FAÇAM O QUE ELES FAZEM

Não imitem as suas ações  (Mt 23, 3)
Jesus está fazendo uma denúncia muito forte contra os mestres da Lei e os fariseus. Afinal, quem eram eles? No tempo de Jesus e das primeiras comunidades cristãs, os fariseus e seus mestres constituíam um grupo muito forte no meio do povo de Deus. Formavam uma espécie de confraria de homens observantes da Lei de Moisés. Eram muito influentes e respeitados pelo povo.
Esse movimento começou no tempo do exílio. Com a destruição do Templo e o exílio de uma parte da população na Babilônia, os sacerdotes perderam sua função e sua influência na religião. Foi-se formando um movimento leigo que manteve a religião judaica, não mais em torno do Templo, mas em torno da Lei. Na volta do exílio, esse movimento continuou a crescer junto às sinagogas. Um historiador da época, Flávio Josefo, calculou que havia uns 6.000 homens nessa confraria por todo o país, no tempo de Jesus. Eles zelavam para que a Lei de Moisés fosse cumprida em todos os seus detalhes. Muitos deles estudavam bastante essa Lei escrita e oral, frequentando escolas de grandes mestres. E passavam a explicá-la ao povo nas sinagogas e no Templo de Jerusalém também. Esses grandes catequistas eram chamados mestres ou doutores da Lei.
Resumindo: os mestres ou doutores da Lei eram membros do movimento dos fariseus (ou também de outro movimento chamado saduceus) que ensinam a Lei ao povo. Na verdade, não só interpretavam a Lei, mas transmitiam ao povo as tradições e leis orais. Eles mantinham, portanto, grande influência junto à população. E estavam também no poder, pois vários deles faziam parte do Sinédrio de Jerusalém, que era uma espécie de governo da Judeia.
Com certeza, os fariseus eram um grupo muito próximo de Jesus. Mas, fizeram grande oposição a Jesus, talvez por inveja ou mesmo porque Jesus ensinava de maneira diferente e isso desestabilizava a liderança deles.  E Jesus percebeu neles alguns defeitos muito sérios. Quais? Eles exigiam demais do povo, quando na verdade eles não praticavam tudo aquilo; Eles desprezavam quem não conhecesse a Lei ou não estivesse em condições de cumpri-la;  Na verdade,  em seu legalismo, eles  fecharam o coração e não acolheram Jesus e a sua mensagem.
Na passagem de hoje, Jesus está alertando o povo e os discípulos para fazerem o que eles ensinam, mas não imitarem as suas ações. Façam o que eles dizem, mas não façam o que eles fazem. E aí ele fez uma lista completa de sete falhas do comportamento dos fariseus e de seus mestres.  Defeitos que os novos líderes do povo de Deus precisavam evitar. Com certeza, a preocupação de Jesus era com os novos líderes de sua comunidade, seus apóstolos e quem viesse a ocupar o seu lugar na animação das comunidades: não imitarem os mestres e os fariseus.
E por que não devem imitá-los? Olha os pecados que Jesus denunciou (pode fazer a conta – são sete, para ser uma lista completa): Ensinam, mas não praticam; Amarram fardos pesados nas costas dos outros; Fazem tudo para aparecer;  Exageram nos símbolos religiosos (largas faixas na testa e no braço com trechos da Lei e longas franjas na túnica); Estão atrás de privilégios;  Gostam de ser cumprimentados em público; Adoram ser chamados de mestres . Sete defeitos dos fariseus e seus mestres. Essas são tentações  permanentes também no meio do povo de Deus de hoje. Coisas que as lideranças das comunidades cristãs não podem imitar, de jeito nenhum.

Postagem em destaque

Seu "sim" seja SIM.

  15 de junho de 2024 .   Sábado da 10ª Semana do Tempo Comum   Evangelho   Mt 5,33-37 Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:33 &qu...

POSTAGENS MAIS VISTAS