11 novembro 2018

A VIÚVA POBRE E OS FARISEUS SABIDOS


Eles devoram as casas das viúvas, enquanto fingem fazer longas orações (Mc 12, 40)

11 de novembro de 2018.

Na liturgia deste domingo, a viúva está em evidência. Conta-se a história da pobre viúva estrangeira que hospedou o profeta Elias, numa grande seca. E a história da viúva pobrezinha  que deu uma oferta no Templo e foi elogiada por Jesus. Ela deu tudo o que tinha, e mesmo sendo tão pouco – duas moedinhas – deu mais do que todo mundo.  E no meio desse elogio à viúva pobre, tem uma crítica muito forte aos mestres da Lei, os fariseus estudados do tempo de Jesus. O que será tem uma coisa com a outra: a viúva pobre com os fariseus sabidos?

Quando se fala de pobre na Bíblia, aparecem três grupos: a viúva, o órfão e o estrangeiro. A viúva, perdendo o marido, perdeu sua referência e sua segurança. O órfão, pela perda do pai ou da mãe, é a própria figura do desamparo. O estrangeiro, migrante ou exilado, fora de sua terra e de sua parentela, está longe de sua pátria e de sua cultura.

O povo de Deus nunca poderia se esquecer de suas raízes, de sua história. Eles eram um povo de viúvas, órfãos e estrangeiros. Essa era a sua condição na servidão do Egito ou no exílio da Babilônia. Famílias dizimadas pelas guerras, povo deportado de sua terra pela pobreza ou pelos vencedores. Quando o povo  entrou na posse da terra prometida, assumiu o compromisso de cuidar bem dos pobres e sofredores. Eles mesmos tinham passado por essa condição de insegurança, desamparo e saudade de sua terra.  Como povo livre, assumiu o compromisso de amparar a viúva, proteger o órfão e acolher o estrangeiro pobre. Essa é a vocação de Israel, o povo de Deus.

O que Jesus encontrou no seu tempo? Um povo esquecido de sua vocação. Uma sociedade onde a norma era o desamparo e o abandono dos doentes, dos pobres  e a marginalização dos humildes. O que Jesus fez diante desse quadro tão doloroso?  Em primeiro lugar, agiu de maneira diferente. Nós o vemos, quase o tempo todo, ocupando-se dos doentes, cercado de famintos, procurado pelos leprosos, cegos, pessoas com deficiência. Ele organiza sua comunidade a partir dos pobres e marginalizados. Seus apóstolos são pescadores, cobrador de impostos, gente simples. Em segundo lugar, Jesus prega que o Reino de Deus é dos pobres, dos mansos, dos perseguidos.  Anuncia que sua missão é cuidar deles: trazer luz para os cegos, saúde para os doentes, liberdade para os oprimidos.

Em terceiro lugar,  Jesus corrige o que está errado. Ao lado de sua nova prática e de um vigoroso ensinamento sobre a centralidade dos pequenos no Reino de Deus, Jesus denuncia os que negam a cidadania dos pobres e os que tristemente os exploram. Nesse nível, podemos entender melhor a palavra de hoje: “Eles devoram as casas das viúvas, enquanto fingem fazer longas orações”. De quem Jesus está falando? Dos mestres da lei, os fariseus estudados.  Foi o que ele disse, depois de reclamar do modo como viviam de ostentação e de busca de privilégios.  Reclamou que eles gostavam de se sentar nos primeiros lugares na sinagoga. Eles se tornaram fortes lideranças na vida religiosa das comunidades. Assim, em vez de liderar a comunidade como espaço de todos, a começar dos mais humildes, o fazia em benefício de seus interesses. As comunidades cristãs, ao menos no início do cristianismo, eram formadas por gente humilde. O apóstolo Tiago claramente nos diz isso, quando pergunta onde estão os ricos e influentes na comunidade. Em nossas comunidades, há sempre o risco de no centro não estarem mais os pobres e sofredores, mas os ricos e influentes e seus interesses. E a comunidade acabar reforçando a desigualdade social e a marginalização dos pobres presente na sociedade.

Guardando a mensagem

O povo de Deus foi formado por gente muito sofrida. Sua maior referência é a memória que Deus os tirou da escravidão do Egito. Com o salmo 145, o povo eleito celebrava a obra de Deus que protege o estrangeiro, ampara o órfão e a viúva, mas confunde os caminhos dos maus. A comunidade de Jesus anuncia o Reino de Deus dado aos pobres e sofredores. As comunidades cristãs seguintes também foram formadas por gente humilde. Mas, sempre houve a tentação de, à imitação das classes dominantes na sociedade, uma elite tomar a liderança da comunidade, escanteando e esquecendo os pobres, como fizeram os mestres da Lei no tempo de Jesus. Esse é o alerta do evangelho de hoje. Pior ainda, quando, além de tomar o espaço dos pequeninos na comunidade, as lideranças aproveitam-se deles, pela exploração econômica. Esse ensinamento de Jesus é um incentivo para construirmos comunidades segundo o evangelho da viúva e para nos pormos em alerta contra modelos segundo o evangelho dos fariseus sabidos.

Eles devoram as casas das viúvas, enquanto fingem fazer longas orações (Mc 12,40)     
 
Rezando a palavra

Senhor Jesus,
Chamaste a atenção dos discípulos para o modo como os mestres da Lei se comportavam, em sua liderança, buscando prestígio, disputando privilégios e ostentando superioridade. Eles apossavam-se do lugar dos humildes na comunidade, descaracterizando a vocação do povo eleito de amparar a viúva, defender o órfão e acolher o estrangeiro pobre. Fizeste uma denúncia muito séria contra eles: devoram a casa da viúva, em nome da religião. Hás de nos perdoar, Senhor, se ficamos aplicando tuas palavras ao que vemos hoje, em nome da fé. Dá-nos a graça, Senhor, de acolher teus ensinamentos e construir famílias e comunidades cristãs onde os pequenos estejam no centro de nossa atenção, especialmente  as crianças, os doentes e os idosos. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.

Vivendo a palavra

Leia o evangelho deste domingo, em sua Bíblia ( Marcos 12, 38-44) e compartilhe a Meditação com seus parentes e amigos.

Pe. João Carlos Ribeiro – 11.10.2018