PE. JOÃO CARLOS - BLOG DA MEDITAÇÃO DA PALAVRA: Resgate
Mostrando postagens com marcador Resgate. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Resgate. Mostrar todas as postagens

A ENCRUZILHADA DO PODER


Vocês não sabem o que estão pedindo (Lc 10, 38)

21 de outubro de 2018.

Jesus estava indo a Jerusalém, na sua grande viagem que culminaria na paixão. Essa é a lógica de sua vida: dar-se a si mesmo pelos outros. Ele nos resgata, pagando o preço de nossas vidas, como se fazia no resgate dos escravos. E o preço foi alto: a sua própria vida. Essa é a lógica de Jesus: servir, dando sua vida por nós. É assim que ele exerce o seu poder divino: inclina-se sobre a humanidade pecadora para lavar-lhe os pés, como servo, como escravo; purifica-nos, lavando-nos com o seu sangue derramado, tomando na cruz o nosso lugar de pecadores. Não veio para ser servido, mas para servir. Servir e dar a sua vida como resgate de muitos.

Ser cristão é assimilar essa lógica de Jesus. Ser discípulo é entrar nesse caminho e caminhar com ele, experimentando o poder como serviço aos outros. Jesus é o modelo. A vida cristã é um permanente compromisso de seguimento de Jesus e, portanto, de renúncia a modelos que estejam na contramão do evangelho. É permanente a tentação do poder como prestígio, como autopromoção, como busca de benefícios para si e para seus pares. Nesse modelo, ninguém dá a vida pelos outros. Serve-se dos outros para seu engrandecimento, buscando privilégios, enriquecimento, prestígio social. E para conseguir e manter essas benesses, humilha, oprime, discrimina, exclui os outros.

Nesse caminho para Jerusalém, Jesus se esforçava para explicar aos discípulos que o seu confronto com os grandes da capital lhe renderia a morte, mas não seria o fim. Dar a sua vida, em sintonia com a vontade do Pai, seria o coroamento do seu caminho, confirmado na ressurreição. Jesus falou disso várias vezes aos discípulos, no caminho. Mas eles tinham dificuldade para entender, justamente porque ainda não tinham assimilado a lógica do poder-serviço de Jesus. Foi assim que, dois dos discípulos, aproveitando a distância dos outros, fizeram um pedido suspeito a Jesus. Pediram não, eles quase exigiram. Queriam participar do poder de Jesus, quando este triunfasse em sua causa. “Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda, quando estiveres na tua glória”. Queriam participar do poder de Jesus, comandar ao lado dele nos postos mais altos e destacados do seu governo ou sabe-se lá o que eles estavam pensando. Foi aí que Jesus lhes disse: “Vocês não sabem o questão pedindo”. E tentou que eles entendessem de outra forma. Até poderiam beber o cálice da perseguição e serem também batizados numa morte dolorosa como a sua, mas os cargos requeridos... isso não dependia dele. Ele também fazia a vontade do Pai.

O pedido interesseiro dos dois discípulos logo gerou um mal estar no grupo dos apóstolos. Claro, os outros também queriam participar do poder de Jesus. Sentiram-se passados pra trás. Jesus, então, juntou os doze e lhes fez uma bela catequese sobre o exercício do poder. Eles não deviam imitar o que viam no mundo que eles conheciam. Palavras de Jesus: “Vocês sabem que os chefes das nações as oprimem e os grandes as tiranizam. Entre vocês, não deve ser assim”. E apresentou a sua vida como modelo: “eu não vim para ser servido, mas para servir. Quem quiser ser grande, seja o servo de vocês. Quem quiser ser o primeiro, seja o escravo de todos”.

Guardando a mensagem

Vivemos em contato com experiências de poder que são o contrário do que Jesus fez e ensinou. Como disse Jesus: “Os chefes, os grandes tiranizam, oprimem as nações”. Não é a lógica de Jesus de estar a serviço do povo, como servos. É a lógica de servir-se do povo, como seus senhores. Não se quer garantir e promover os direitos de todos, particularmente dos mais pobres e vulneráveis. Busca-se o poder como modo de garantir os interesses das elites sobre o povo. O Mestre continua nos instruindo: “Entre vocês, não seja assim”.  Como ficou claro no caso dos dois discípulos, a tentação é permanente também no seio da comunidade eclesial. E a busca de privilégios e cargos sempre causa desunião e divisão dentro da Igreja. “Entre vocês, não seja assim”, continua  nos ensinando o nosso Mestre e Senhor.

Vocês não sabem o que estão pedindo (Lc 10, 38)

Rezando a palavra

Sendo hoje o dia mundial das missões, rezemos a oração missionária:

Deus Pai, Filho e Espírito Santo, nós vos louvamos e bendizemos pela vossa comunhão, princípio e fonte da missão. Ajudai-nos, à luz do evangelho da paz, a testemunhar com esperança um mundo de justiça e diálogo, de bondade e verdade, sem ódio e sem violência. Ajudai-nos a ser todos irmãos e irmãs, seguindo Jesus Cristo rumo ao Reino definitivo. Amém.

Vivendo a palavra

Começando essa última semana de debates sobre o próximo governo do Brasil, em oração, invoque o Espírito Santo de Deus para que ajude você no discernimento da melhor opção possível, no quadro que temos.

Despedida

Hoje é o nosso dia, o dia do Senhor e do povo redimido. Celebramos isto na Santa Missa. A Missa dominical é o nosso primeiro compromisso.

Vou lhe enviar, separadamente, o vídeo de minha nova música. Podendo, compartilhe com outras pessoas.  Um domingo abençoado pra você e para os seus.

Pe. João Carlos Ribeiro – 21.10.2018

OS IDOSOS, TESTEMUNHAS DO SENHOR

MEDITAÇÃO PARA A SEXTA-FEIRA, 02 DE FEVEREIRO DE 2018.

Meus olhos viram a tua salvação (Lc 2, 30).
Hoje, celebramos a festa da apresentação do Senhor. Maria e José levam seu menino ao Templo. Lá, vão cumprir uma prescrição da lei de Moisés, o resgate do primogênito. Esse rito, pelo qual se consagrava a Deus o primeiro filho, estava ligado à saída do povo do Egito. Naquela noite da páscoa, Deus poupou os primogênitos de Israel da grande mortandade que se abateu sobre os filhos dos egípcios.
No Templo, Simeão, idoso, movido pelo Espírito, reconheceu nele a luz da salvação que chegara para toda a humanidade. Ele disse, na sua oração, que agora, sim, podia partir em paz... Também uma senhora idosa, Ana, octogenária, participou desse momento de júbilo.
O texto de Lucas dá detalhes sobre essa senhora, oferecendo sobre ela sete informações: era uma profetisa; se chamava Ana, filha de Fanuel da tribo de Aser; quando jovem tinha vivido casada por sete anos; estava viúva; tinha 84 anos; não saía do Templo, dia e noite; servindo a Deus com jejuns e orações. Então, era uma pessoa de Deus, idosa, viúva, de alguma forma ligada ao Templo.
Vamos examinar a informação sobre a sua idade. Tinha 84 anos. Divida essa idade por 2 e teremos 42+ 42. ‘Quarenta’ é o número de anos da peregrinação do povo no deserto até a entrada na terra prometida. Ana também está contemplando agora a terra prometida, como Moisés que a viu de longe e encheu-se de alegria. Com a chegada de Jesus, chegou a salvação para o seu povo, a hora da entrada na terra prometida. Simeão disse a Deus, em sua prece, que finalmente seus olhos estavam vendo a salvação. Vivera para isso. Ana não disse com as palavras. Disse com sua idade. Depois da longa peregrinação no deserto (quarenta anos vezes dois), está avistando a terra prometida.
Bom, esse foi o clima de fé que cercou a consagração do Menino Jesus no Templo. E esse clima de fé, de exultação com a obra de Deus, José e Maria levaram para casa. E é nesse ambiente de fé que Jesus cresce. Diz o texto: “O menino crescia e tornava-se forte, cheio de sabedoria. E a graça de Deus estava com ele”.
Vamos guardar a mensagem
José e Maria levam o menino Jesus para ser apresentado no Templo. É a consagração do primogênito, o resgate do primeiro filho que devia ser de Deus. Os pais de Jesus são judeus piedosos e, com esse rito, estão inserindo seu filho na história da salvação do seu povo. O clima dessa consagração é de fé e oração. Dois idosos reconhecem naquela criança o Messias prometido. Foi esse clima de fé que Jesus respirou na casa dos seus pais em Nazaré. Foi nesse ambiente que ele cresceu. No batismo, de certa forma, o casal cristão imita Maria e José, inserindo seu filho, sua filha na salvação em Cristo. Os padrinhos, os avós, os idosos da família ou da comunidade são testemunhas de Cristo que reforçam o ambiente cristão no qual cresce uma criança que foi batizada.
Meus olhos viram a tua salvação (Lc 2, 30).
Vamos acolher a mensagem
Senhor Jesus,
A tua consagração no Templo foi cercada pelo testemunho de pessoas de fé, como Simeão e Ana; pessoas idosas, sofridas, mas cheias da esperança de Deus. E nesse clima de fé e obediência a Deus, teus pais te viram crescer física e espiritualmente. É isso que nós queremos para as crianças de hoje: que, como tu, cresçam sadias e santas, cheias da graça de Deus. Senhor, abençoa os Simeões e Anas de hoje que são os avós e idosos de fé de nossas comunidades. Que eles, com a grande experiência que acumularam, saibam reconhecer os sinais de Deus nas novas gerações e passar para elas sua fé e a sua confiança em Deus.  Abençoa, também, Senhor, as irmãs e os irmãos da vida consagrada e seus institutos e congregações. Hoje, estamos celebrando o 22º dia mundial da vida consagrada, com o tema “Vocações que anunciam a alegria do evangelho e o amor de Deus”. Reforça-os, Senhor, com novas vocações para renovarem o rosto da Igreja e do mundo. Seja bendito o teu santo nome, hoje e sempre. Amém.
Vamos viver a Palavra
Em sintonia com o evangelho que apresenta testemunhas de Jesus na sua apresentação e com o dia da vida consagrada, hoje, reze pelos consagrados (os irmãos e irmãs dos institutos, ordens e congregações religiosas) e cumprimente ao menos um deles pela data de hoje.

Pe. João Carlos Ribeiro – 30.12.2017

Postagem em destaque

O fogo que nos purifica

14 de agosto de 2022 20º Domingo do Tempo Comum Comemoração do Dia dos Pais Abertura da Semana Nacional da Família EVANGELHO Lc 12,49-53 Naq...

POSTAGENS MAIS VISTAS